SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
Lançamento




             profrogeriocunha.blogspot.com

             Facebook.com/ProfRogerioCunha

             @rogerio_cunha

             Youtube.com/rogerio30rg
A nossa percepção sobre a tributação, na maioria
das vezes, é sempre ligada a idéia de que os
tributos são uma forma de violência no cidadão,
que se vê compelido ao pagament0 dos vários
tributos previstos na legislação brasileira.
Não se nega que o Brasil
possui uma das cargas
tributárias mais elevadas do
mundo, sem que esse mesmo
percentual de tributos resulte
em benefícios diretos para a
população, nem que a carga
tributária atinge de forma
mais severa justamente as
classes de mais baixa renda.
Mas o que esquecemos sempre é que o direito
tributário e a própria tributação tem relevante
papel na garantia e consolidação de vários
direitos fundamentais que tem o seu exercício
fomentado justamente por medidas de caráter
tributário.




"Não lançaremos taxas ou tributos sem o
consentimento do conselho geral do reino, a não ser
para resgate da nossa pessoa, para armar cavaleiro
nosso filho mais velho e para celebrar, mas uma única
vez, o casamento da nossa filha mais velha; e esses
tributos não excederão limites razoáveis. "
                            Carta Magna de 1215
Falar em Direitos Fundamentais é falar de valores superiores que orientam
 todo o Ordenamento Jurídico .

 Kelsen teve o grande mérito de organizar e sistematizar o direito como Ciência, ciência
 cujo objeto eram as normas jurídicas.

 Contudo, concebeu esse sistema como axiologicamente neutro, afastado dos valores,
 legitimando-se as normas em si mesmo.

 Com o advento da 2ª Grande Guerra, a humanidade foi apresentada ao Holocausto, e
 com ele surge a inexorável conclusão de que o direito não pode ser afastado dos valores
 fundamentais para a humanidade, como a liberdade, a igualdade e a dignidade da
 pessoa humana, nasce o chamado pós-positivismo.
                                                                     Igual
                                                           Liber     dade
   NORMAS                                                  dade
                              VALORES
  JURÍDICAS     Kelsen                                             Digni
                                                                   dade



  Direito:                  Filosofia:                    Valores Jurídicos:
Exigibilidade               Inexigível                      Exigibilidade
O Direito Tributário vive em constante equilíbrio:




Se de um lado é instrumento
indispensável     para    a
manutenção do Estado e
para a materialização da
Justiça Social...


                                                       Por     outro,  a   tributação
                                                       excessiva        gera        o
                                                       empobrecimento da Nação,
                                                       bem como à insatisfação
                                                       popular, já tendo dado causa a
                                                       grande Revoluções como a
                                                       Americana ( 1776) e a Francesa
                                                       (1789).
Os valores Constitucionais e a Tributação
A Constituição de 1988, ao definir
como objetivos fundamentais da
República a construção de uma
sociedade     “livre,   justa   e
solidária” deixa clara a opção do                Liberdade
Constituinte em priorizar os
seguintes valores:




                                     Igualdade           Solidariedade
A Liberdade Geral (Art. 5º, II) é garantida no direito tributário pelo
            princípio da legalidade tributária (Art. 150, II) que impede ao Fisco exigir
            tributo sem lei, isso é, obrigar alguém ao pagamento sem a autorização
            legislativa.
Liberdade   Além disso, várias das regras de imunidade tributária, compreendidas como
            incompetências tributárias, garantem ao cidadão o pleno exercício de
            liberdades:

            a) Religiosa: Imunidade dos Templos de Qualquer Culto ( Art. 150,
               VI, “b”
            b) De Expressão e Manifestação do Pensamento: Imunidade sobre
               livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impressão (
               Art. 150, VI “d”) e Imunidade em relação ao ICMS sobre prestações de
               serviço de comunicação nas modalidades de radiodifusão sonora e de
               sons e imagens de recepção livre e gratuita ( Art. 155, §2º X, “d”)
            c) Liberdade Política: Imunidade sobre patrimônio, renda ou serviços
               dos partidos políticos, inclusive suas fundações ( Art. 150, VI, “c”)
            d) Liberdade Sindical : Imunidade sobre patrimônio, renda ou serviços
               entidades sindicais dos trabalhadores
            e) Liberdade de Locomoção: Vedação ao estabelecimento de limitações
               ao tráfego de pessoas ou bens, por meio de tributos interestaduais ou
               intermunicipais, ressalvada a cobrança de pedágio ( Art. 150, V)
O Direito tributário é garantidor da IGUALDADE FORMAL, sob o pálio do
            art. 150, II da CF/88 que veda ao Estado instituir tratamento desigual entre
            contribuintes que se encontrem em situação equivalente, proibida qualquer
            distinção em razão de ocupação profissional ou função por eles exercida,
            independentemente da denominação jurídica dos rendimentos, títulos ou
Igualdade   direitos

            Mas se garante a igualdade formal, na necessária cláusula da não
            discriminação, o direito tributário também se encarrega de preservar a tão
            necessária IGUALDADE MATERIAL nos seguintes instrumentos:

            a) Respeito à Capacidade Tributária: Art. 145, §1º
            b) Alíquotas Progressivas para o IPTU ( Art. 156, § 1I) e ITR ( Art. 153, §
               4º, II)
            c) Imunidade de ITR para as pequenas propriedade rurais ( Art. 153,
               § 4º, II)
            d) Tratamento Tributário Diferenciado pela Microeempresas ( Art.
               170, IX)
            e) As Contribuições de Melhoria ( Art. 145, II) pela valorização do
               imóvel
            f) As Taxas calculadas confirme a utilização ou potencialização dos
               serviços
Sob o valor solidariedade agrupamos os direitos de 2ª dimensão, isto é, os
                direitos prestacionais (saúde, educação, moradia) e os de 3ª dimensão que
                são aqueles inerentes à comunidade humana (meio-ambiente, direito
                consumidor, etc.) não passam ao largo do direito tributário, que atua como
                instrumento de fomento:
Solidariedade
                a) Alíquotas seletivas para bens e serviços essenciais obrigatória
                   para o IPI ( Art. 153, § 3º, I) e facultativa para o ICMS ( Art. 155, § 2º,
                   II)
                b) As Imunidades concedidas ao Terceiro Setor ( assistência social e
                   educaçã0 – Art. 150, VI, “c” e Art. 195, § 7º)
                c) Vinculação de Receitas Tributárias para as ações e serviços
                   públicos de saúde, para manutenção e desenvolvimento do ensino
                   ( Art. 167, IV)
                d) Vinculação das receitas da CIDE-Combustíveis ao financiamento
                   de projetos ambientais relacionados com a indústria do petróleo e
                   do gás ( Art. 177, § 4º , II “b”)
                e) Cumprimento da Função Social da Propriedade Urbana ( Art. 182,
                   §§ 2º e 4º) e Rural ( Art. 186) e da Atividade Econômica ( Art. 170,
                   III)
Encerramento:


     “O poder de tributar não pode chegar à desmedida do poder de destruir”
Chief of Justice John Marshall no julgamento em 1819 do célebre caso McCulloch v. Maryland




                                                             Muito Obrigado!

                                                        Rogerio de Vidal Cunha
                                    Professor de Direito Tributário da Urcamp-Bagé
                                     Analista Judiciário do Poder Judiciário Federal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O injusto sistema tributário brasileiro
O injusto sistema tributário brasileiroO injusto sistema tributário brasileiro
O injusto sistema tributário brasileiroCIRINEU COSTA
 
Slides pós direito tributário 2012 - 31 de março
Slides pós direito tributário    2012 - 31 de marçoSlides pós direito tributário    2012 - 31 de março
Slides pós direito tributário 2012 - 31 de marçoMilena Sellmann
 
Ibet sistema constitucinal tributário definitiva-2011
Ibet sistema constitucinal tributário definitiva-2011Ibet sistema constitucinal tributário definitiva-2011
Ibet sistema constitucinal tributário definitiva-2011Rosangela Garcia
 
Princípios do direito tributário brasileiro
Princípios do direito tributário brasileiroPrincípios do direito tributário brasileiro
Princípios do direito tributário brasileironandalobao
 
Aula do dia 21 09-13 - dra. betina treiger
Aula do dia 21 09-13 - dra. betina treigerAula do dia 21 09-13 - dra. betina treiger
Aula do dia 21 09-13 - dra. betina treigerFernanda Moreira
 
EUROsociAl II Sistema Tributario Nacional /Receita Federal, Brasil
EUROsociAl II  Sistema Tributario Nacional /Receita Federal, BrasilEUROsociAl II  Sistema Tributario Nacional /Receita Federal, Brasil
EUROsociAl II Sistema Tributario Nacional /Receita Federal, BrasilEUROsociAL II
 
Aula Direito Tributário
Aula Direito TributárioAula Direito Tributário
Aula Direito TributárioGrupo VAHALI
 
Apresentação Direito Econômico Brasileiro
Apresentação Direito Econômico BrasileiroApresentação Direito Econômico Brasileiro
Apresentação Direito Econômico BrasileiroSergio Souza
 
DIREITO TRIBUTÁRIO
DIREITO TRIBUTÁRIODIREITO TRIBUTÁRIO
DIREITO TRIBUTÁRIOURCAMP
 
IBET Ribeirão Preto - Imunidades e Normas Gerais
IBET Ribeirão Preto - Imunidades e Normas GeraisIBET Ribeirão Preto - Imunidades e Normas Gerais
IBET Ribeirão Preto - Imunidades e Normas Geraisaldodepaulajr
 
Direito Tributario
Direito TributarioDireito Tributario
Direito Tributariootony1ccn1
 
Direito tributário resumo para a oab 1
Direito tributário resumo para a oab   1Direito tributário resumo para a oab   1
Direito tributário resumo para a oab 1Adler Martins
 
Jean simei imunidade e isenção (são bernardo)
Jean simei   imunidade e isenção (são bernardo)Jean simei   imunidade e isenção (são bernardo)
Jean simei imunidade e isenção (são bernardo)Jean Simei
 
Unip Direito Nas Organizacoes 100804 Aula 1
Unip   Direito Nas Organizacoes   100804   Aula 1Unip   Direito Nas Organizacoes   100804   Aula 1
Unip Direito Nas Organizacoes 100804 Aula 1Pedro Kurbhi
 
Jean simei imunidade e isenção (são bernardo)
Jean simei   imunidade e isenção (são bernardo)Jean simei   imunidade e isenção (são bernardo)
Jean simei imunidade e isenção (são bernardo)Jean Simei
 
Aula3 sistema tributario_e_principios
Aula3 sistema tributario_e_principiosAula3 sistema tributario_e_principios
Aula3 sistema tributario_e_principiosACCDias
 

Mais procurados (20)

Direitos sociais
Direitos sociaisDireitos sociais
Direitos sociais
 
O injusto sistema tributário brasileiro
O injusto sistema tributário brasileiroO injusto sistema tributário brasileiro
O injusto sistema tributário brasileiro
 
Slides pós direito tributário 2012 - 31 de março
Slides pós direito tributário    2012 - 31 de marçoSlides pós direito tributário    2012 - 31 de março
Slides pós direito tributário 2012 - 31 de março
 
Ibet sistema constitucinal tributário definitiva-2011
Ibet sistema constitucinal tributário definitiva-2011Ibet sistema constitucinal tributário definitiva-2011
Ibet sistema constitucinal tributário definitiva-2011
 
Princípios do direito tributário brasileiro
Princípios do direito tributário brasileiroPrincípios do direito tributário brasileiro
Princípios do direito tributário brasileiro
 
Cola direitoadministrativo
Cola direitoadministrativoCola direitoadministrativo
Cola direitoadministrativo
 
Aula do dia 21 09-13 - dra. betina treiger
Aula do dia 21 09-13 - dra. betina treigerAula do dia 21 09-13 - dra. betina treiger
Aula do dia 21 09-13 - dra. betina treiger
 
Direito tributario 22
Direito tributario 22Direito tributario 22
Direito tributario 22
 
EUROsociAl II Sistema Tributario Nacional /Receita Federal, Brasil
EUROsociAl II  Sistema Tributario Nacional /Receita Federal, BrasilEUROsociAl II  Sistema Tributario Nacional /Receita Federal, Brasil
EUROsociAl II Sistema Tributario Nacional /Receita Federal, Brasil
 
Aula Direito Tributário
Aula Direito TributárioAula Direito Tributário
Aula Direito Tributário
 
Apresentação Direito Econômico Brasileiro
Apresentação Direito Econômico BrasileiroApresentação Direito Econômico Brasileiro
Apresentação Direito Econômico Brasileiro
 
DIREITO TRIBUTÁRIO
DIREITO TRIBUTÁRIODIREITO TRIBUTÁRIO
DIREITO TRIBUTÁRIO
 
IBET Ribeirão Preto - Imunidades e Normas Gerais
IBET Ribeirão Preto - Imunidades e Normas GeraisIBET Ribeirão Preto - Imunidades e Normas Gerais
IBET Ribeirão Preto - Imunidades e Normas Gerais
 
Aulão de direito nas organizações
Aulão de direito nas organizaçõesAulão de direito nas organizações
Aulão de direito nas organizações
 
Direito Tributario
Direito TributarioDireito Tributario
Direito Tributario
 
Direito tributário resumo para a oab 1
Direito tributário resumo para a oab   1Direito tributário resumo para a oab   1
Direito tributário resumo para a oab 1
 
Jean simei imunidade e isenção (são bernardo)
Jean simei   imunidade e isenção (são bernardo)Jean simei   imunidade e isenção (são bernardo)
Jean simei imunidade e isenção (são bernardo)
 
Unip Direito Nas Organizacoes 100804 Aula 1
Unip   Direito Nas Organizacoes   100804   Aula 1Unip   Direito Nas Organizacoes   100804   Aula 1
Unip Direito Nas Organizacoes 100804 Aula 1
 
Jean simei imunidade e isenção (são bernardo)
Jean simei   imunidade e isenção (são bernardo)Jean simei   imunidade e isenção (são bernardo)
Jean simei imunidade e isenção (são bernardo)
 
Aula3 sistema tributario_e_principios
Aula3 sistema tributario_e_principiosAula3 sistema tributario_e_principios
Aula3 sistema tributario_e_principios
 

Semelhante a Como os valores constitucionais fundamentais são garantidos pelo direito tributário

aula-5-entendendo-a-constituic3a7c3a3o-federal1.pdf
aula-5-entendendo-a-constituic3a7c3a3o-federal1.pdfaula-5-entendendo-a-constituic3a7c3a3o-federal1.pdf
aula-5-entendendo-a-constituic3a7c3a3o-federal1.pdfJosé Laurindo
 
Sistema Tributário Nacional
Sistema Tributário NacionalSistema Tributário Nacional
Sistema Tributário NacionalAntonio Pereira
 
Ficha de Inscricao de Voluntarios Parada 2013
Ficha de Inscricao de Voluntarios Parada 2013Ficha de Inscricao de Voluntarios Parada 2013
Ficha de Inscricao de Voluntarios Parada 2013Homossexual
 
Publico e privado chat3 texto-2_tarso_violin
Publico e privado   chat3 texto-2_tarso_violinPublico e privado   chat3 texto-2_tarso_violin
Publico e privado chat3 texto-2_tarso_violinGiovana Soares Carneiro
 
17 imunidade tributaria e isenções de impostos
17   imunidade tributaria e isenções de impostos17   imunidade tributaria e isenções de impostos
17 imunidade tributaria e isenções de impostosAntonio Carlos de Carvalho
 
Slide ricardo
Slide ricardoSlide ricardo
Slide ricardoricofer
 
Teoria Tridimencional do Do Direito e Art 170 da Constituiçao Federal
Teoria Tridimencional do Do Direito e Art 170 da Constituiçao FederalTeoria Tridimencional do Do Direito e Art 170 da Constituiçao Federal
Teoria Tridimencional do Do Direito e Art 170 da Constituiçao FederalMarkinhow
 
Slide 2 - Competência tributária.pptx
Slide 2 - Competência tributária.pptxSlide 2 - Competência tributária.pptx
Slide 2 - Competência tributária.pptxTiagoCardoso174602
 
Tridimenciona miguel reale
Tridimenciona miguel realeTridimenciona miguel reale
Tridimenciona miguel realeSoniaDanielle
 
Tridimenciona miguel reale
Tridimenciona miguel realeTridimenciona miguel reale
Tridimenciona miguel realeSoniaDanielle
 
AULA 1- CONSTITUIÇÃO DE 1988.ppt
AULA 1- CONSTITUIÇÃO DE 1988.pptAULA 1- CONSTITUIÇÃO DE 1988.ppt
AULA 1- CONSTITUIÇÃO DE 1988.pptClaudiaSiano
 
O art. 170 da constituição federal de 1988 sob a ótica da teoria tridimension...
O art. 170 da constituição federal de 1988 sob a ótica da teoria tridimension...O art. 170 da constituição federal de 1988 sob a ótica da teoria tridimension...
O art. 170 da constituição federal de 1988 sob a ótica da teoria tridimension...Silvio Junior
 
Teoria tridimencional do direito
Teoria tridimencional do direitoTeoria tridimencional do direito
Teoria tridimencional do direitoMarcelo Torres
 
Material aula contabilidade e planj triburtario 2014_2
Material aula contabilidade e planj triburtario 2014_2Material aula contabilidade e planj triburtario 2014_2
Material aula contabilidade e planj triburtario 2014_2Rafhael Sena
 
Unip direito nas organizacoes - 100821 - caps 1-4
Unip   direito nas organizacoes - 100821 - caps 1-4Unip   direito nas organizacoes - 100821 - caps 1-4
Unip direito nas organizacoes - 100821 - caps 1-4Pedro Kurbhi
 
Unip direito nas organizacoes - 100821 - caps 1-6
Unip   direito nas organizacoes - 100821 - caps 1-6Unip   direito nas organizacoes - 100821 - caps 1-6
Unip direito nas organizacoes - 100821 - caps 1-6Pedro Kurbhi
 

Semelhante a Como os valores constitucionais fundamentais são garantidos pelo direito tributário (20)

aula-5-entendendo-a-constituic3a7c3a3o-federal1.pdf
aula-5-entendendo-a-constituic3a7c3a3o-federal1.pdfaula-5-entendendo-a-constituic3a7c3a3o-federal1.pdf
aula-5-entendendo-a-constituic3a7c3a3o-federal1.pdf
 
Sistema Tributário Nacional
Sistema Tributário NacionalSistema Tributário Nacional
Sistema Tributário Nacional
 
Ficha de Inscricao de Voluntarios Parada 2013
Ficha de Inscricao de Voluntarios Parada 2013Ficha de Inscricao de Voluntarios Parada 2013
Ficha de Inscricao de Voluntarios Parada 2013
 
Publico e privado chat3 texto-2_tarso_violin
Publico e privado   chat3 texto-2_tarso_violinPublico e privado   chat3 texto-2_tarso_violin
Publico e privado chat3 texto-2_tarso_violin
 
Publico e privado - Tarso Violin
Publico e privado - Tarso ViolinPublico e privado - Tarso Violin
Publico e privado - Tarso Violin
 
17 imunidade tributaria e isenções de impostos
17   imunidade tributaria e isenções de impostos17   imunidade tributaria e isenções de impostos
17 imunidade tributaria e isenções de impostos
 
Slide ricardo
Slide ricardoSlide ricardo
Slide ricardo
 
Teoria Tridimencional do Do Direito e Art 170 da Constituiçao Federal
Teoria Tridimencional do Do Direito e Art 170 da Constituiçao FederalTeoria Tridimencional do Do Direito e Art 170 da Constituiçao Federal
Teoria Tridimencional do Do Direito e Art 170 da Constituiçao Federal
 
Da Ordem Econômica.ppt
Da Ordem Econômica.pptDa Ordem Econômica.ppt
Da Ordem Econômica.ppt
 
Slide 2 - Competência tributária.pptx
Slide 2 - Competência tributária.pptxSlide 2 - Competência tributária.pptx
Slide 2 - Competência tributária.pptx
 
Tridimenciona miguel reale
Tridimenciona miguel realeTridimenciona miguel reale
Tridimenciona miguel reale
 
Tridimenciona miguel reale
Tridimenciona miguel realeTridimenciona miguel reale
Tridimenciona miguel reale
 
Combate à Corrupção
Combate à CorrupçãoCombate à Corrupção
Combate à Corrupção
 
AULA 1- CONSTITUIÇÃO DE 1988.ppt
AULA 1- CONSTITUIÇÃO DE 1988.pptAULA 1- CONSTITUIÇÃO DE 1988.ppt
AULA 1- CONSTITUIÇÃO DE 1988.ppt
 
O art. 170 da constituição federal de 1988 sob a ótica da teoria tridimension...
O art. 170 da constituição federal de 1988 sob a ótica da teoria tridimension...O art. 170 da constituição federal de 1988 sob a ótica da teoria tridimension...
O art. 170 da constituição federal de 1988 sob a ótica da teoria tridimension...
 
Teoria tridimencional do direito
Teoria tridimencional do direitoTeoria tridimencional do direito
Teoria tridimencional do direito
 
D tributario
D tributarioD tributario
D tributario
 
Material aula contabilidade e planj triburtario 2014_2
Material aula contabilidade e planj triburtario 2014_2Material aula contabilidade e planj triburtario 2014_2
Material aula contabilidade e planj triburtario 2014_2
 
Unip direito nas organizacoes - 100821 - caps 1-4
Unip   direito nas organizacoes - 100821 - caps 1-4Unip   direito nas organizacoes - 100821 - caps 1-4
Unip direito nas organizacoes - 100821 - caps 1-4
 
Unip direito nas organizacoes - 100821 - caps 1-6
Unip   direito nas organizacoes - 100821 - caps 1-6Unip   direito nas organizacoes - 100821 - caps 1-6
Unip direito nas organizacoes - 100821 - caps 1-6
 

Mais de Prof. Rogerio Cunha

O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...
O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...
O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...Prof. Rogerio Cunha
 
Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...
Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...
Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...Prof. Rogerio Cunha
 
"Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional"
"Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional""Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional"
"Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional"Prof. Rogerio Cunha
 
Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa
Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa
Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa Prof. Rogerio Cunha
 
Decisão de Controle de Convencionalidade
Decisão de Controle de ConvencionalidadeDecisão de Controle de Convencionalidade
Decisão de Controle de ConvencionalidadeProf. Rogerio Cunha
 
Sentença Análise Constitucionalidade Cargo Comissionado
Sentença Análise Constitucionalidade Cargo ComissionadoSentença Análise Constitucionalidade Cargo Comissionado
Sentença Análise Constitucionalidade Cargo ComissionadoProf. Rogerio Cunha
 
Ordem apresentação trabalhos na Mostra
Ordem apresentação trabalhos na MostraOrdem apresentação trabalhos na Mostra
Ordem apresentação trabalhos na MostraProf. Rogerio Cunha
 
Regulamento mostra direito e musica urcamp
Regulamento mostra direito e musica urcampRegulamento mostra direito e musica urcamp
Regulamento mostra direito e musica urcampProf. Rogerio Cunha
 
Recursos no processo do trabalho
Recursos no processo do trabalhoRecursos no processo do trabalho
Recursos no processo do trabalhoProf. Rogerio Cunha
 
Resumo contribuições sociais 8212
Resumo contribuições sociais 8212Resumo contribuições sociais 8212
Resumo contribuições sociais 8212Prof. Rogerio Cunha
 
Reforma processo penal_atualizado-1
Reforma processo penal_atualizado-1Reforma processo penal_atualizado-1
Reforma processo penal_atualizado-1Prof. Rogerio Cunha
 
Curso conselheiros tutelares_aula_01
Curso conselheiros tutelares_aula_01Curso conselheiros tutelares_aula_01
Curso conselheiros tutelares_aula_01Prof. Rogerio Cunha
 

Mais de Prof. Rogerio Cunha (20)

O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...
O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...
O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...
 
Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...
Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...
Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...
 
"Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional"
"Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional""Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional"
"Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional"
 
Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa
Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa
Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa
 
Decisão de Controle de Convencionalidade
Decisão de Controle de ConvencionalidadeDecisão de Controle de Convencionalidade
Decisão de Controle de Convencionalidade
 
Sentença Análise Constitucionalidade Cargo Comissionado
Sentença Análise Constitucionalidade Cargo ComissionadoSentença Análise Constitucionalidade Cargo Comissionado
Sentença Análise Constitucionalidade Cargo Comissionado
 
Teoria dos recursos parte I
Teoria dos recursos   parte ITeoria dos recursos   parte I
Teoria dos recursos parte I
 
Hc111840 dt
Hc111840 dtHc111840 dt
Hc111840 dt
 
Ordem apresentação trabalhos na Mostra
Ordem apresentação trabalhos na MostraOrdem apresentação trabalhos na Mostra
Ordem apresentação trabalhos na Mostra
 
Regulamento mostra direito e musica urcamp
Regulamento mostra direito e musica urcampRegulamento mostra direito e musica urcamp
Regulamento mostra direito e musica urcamp
 
Processo trabalho
Processo trabalhoProcesso trabalho
Processo trabalho
 
Recursos no processo do trabalho
Recursos no processo do trabalhoRecursos no processo do trabalho
Recursos no processo do trabalho
 
Novas datas prova
Novas datas provaNovas datas prova
Novas datas prova
 
Resumo contribuições sociais 8212
Resumo contribuições sociais 8212Resumo contribuições sociais 8212
Resumo contribuições sociais 8212
 
Reforma processo penal_atualizado-1
Reforma processo penal_atualizado-1Reforma processo penal_atualizado-1
Reforma processo penal_atualizado-1
 
Procedimento Lei 9.099/95
Procedimento Lei 9.099/95Procedimento Lei 9.099/95
Procedimento Lei 9.099/95
 
Procedimentos Penais I
Procedimentos Penais IProcedimentos Penais I
Procedimentos Penais I
 
Aula 02 formalidades da prisão
Aula 02 formalidades da prisãoAula 02 formalidades da prisão
Aula 02 formalidades da prisão
 
Curso conselheiros tutelares_aula_01
Curso conselheiros tutelares_aula_01Curso conselheiros tutelares_aula_01
Curso conselheiros tutelares_aula_01
 
Processo do trabalho provas
Processo do trabalho provasProcesso do trabalho provas
Processo do trabalho provas
 

Como os valores constitucionais fundamentais são garantidos pelo direito tributário

  • 1. Lançamento profrogeriocunha.blogspot.com Facebook.com/ProfRogerioCunha @rogerio_cunha Youtube.com/rogerio30rg
  • 2. A nossa percepção sobre a tributação, na maioria das vezes, é sempre ligada a idéia de que os tributos são uma forma de violência no cidadão, que se vê compelido ao pagament0 dos vários tributos previstos na legislação brasileira.
  • 3. Não se nega que o Brasil possui uma das cargas tributárias mais elevadas do mundo, sem que esse mesmo percentual de tributos resulte em benefícios diretos para a população, nem que a carga tributária atinge de forma mais severa justamente as classes de mais baixa renda.
  • 4. Mas o que esquecemos sempre é que o direito tributário e a própria tributação tem relevante papel na garantia e consolidação de vários direitos fundamentais que tem o seu exercício fomentado justamente por medidas de caráter tributário. "Não lançaremos taxas ou tributos sem o consentimento do conselho geral do reino, a não ser para resgate da nossa pessoa, para armar cavaleiro nosso filho mais velho e para celebrar, mas uma única vez, o casamento da nossa filha mais velha; e esses tributos não excederão limites razoáveis. " Carta Magna de 1215
  • 5. Falar em Direitos Fundamentais é falar de valores superiores que orientam todo o Ordenamento Jurídico . Kelsen teve o grande mérito de organizar e sistematizar o direito como Ciência, ciência cujo objeto eram as normas jurídicas. Contudo, concebeu esse sistema como axiologicamente neutro, afastado dos valores, legitimando-se as normas em si mesmo. Com o advento da 2ª Grande Guerra, a humanidade foi apresentada ao Holocausto, e com ele surge a inexorável conclusão de que o direito não pode ser afastado dos valores fundamentais para a humanidade, como a liberdade, a igualdade e a dignidade da pessoa humana, nasce o chamado pós-positivismo. Igual Liber dade NORMAS dade VALORES JURÍDICAS Kelsen Digni dade Direito: Filosofia: Valores Jurídicos: Exigibilidade Inexigível Exigibilidade
  • 6. O Direito Tributário vive em constante equilíbrio: Se de um lado é instrumento indispensável para a manutenção do Estado e para a materialização da Justiça Social... Por outro, a tributação excessiva gera o empobrecimento da Nação, bem como à insatisfação popular, já tendo dado causa a grande Revoluções como a Americana ( 1776) e a Francesa (1789).
  • 7. Os valores Constitucionais e a Tributação A Constituição de 1988, ao definir como objetivos fundamentais da República a construção de uma sociedade “livre, justa e solidária” deixa clara a opção do Liberdade Constituinte em priorizar os seguintes valores: Igualdade Solidariedade
  • 8. A Liberdade Geral (Art. 5º, II) é garantida no direito tributário pelo princípio da legalidade tributária (Art. 150, II) que impede ao Fisco exigir tributo sem lei, isso é, obrigar alguém ao pagamento sem a autorização legislativa. Liberdade Além disso, várias das regras de imunidade tributária, compreendidas como incompetências tributárias, garantem ao cidadão o pleno exercício de liberdades: a) Religiosa: Imunidade dos Templos de Qualquer Culto ( Art. 150, VI, “b” b) De Expressão e Manifestação do Pensamento: Imunidade sobre livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impressão ( Art. 150, VI “d”) e Imunidade em relação ao ICMS sobre prestações de serviço de comunicação nas modalidades de radiodifusão sonora e de sons e imagens de recepção livre e gratuita ( Art. 155, §2º X, “d”) c) Liberdade Política: Imunidade sobre patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações ( Art. 150, VI, “c”) d) Liberdade Sindical : Imunidade sobre patrimônio, renda ou serviços entidades sindicais dos trabalhadores e) Liberdade de Locomoção: Vedação ao estabelecimento de limitações ao tráfego de pessoas ou bens, por meio de tributos interestaduais ou intermunicipais, ressalvada a cobrança de pedágio ( Art. 150, V)
  • 9. O Direito tributário é garantidor da IGUALDADE FORMAL, sob o pálio do art. 150, II da CF/88 que veda ao Estado instituir tratamento desigual entre contribuintes que se encontrem em situação equivalente, proibida qualquer distinção em razão de ocupação profissional ou função por eles exercida, independentemente da denominação jurídica dos rendimentos, títulos ou Igualdade direitos Mas se garante a igualdade formal, na necessária cláusula da não discriminação, o direito tributário também se encarrega de preservar a tão necessária IGUALDADE MATERIAL nos seguintes instrumentos: a) Respeito à Capacidade Tributária: Art. 145, §1º b) Alíquotas Progressivas para o IPTU ( Art. 156, § 1I) e ITR ( Art. 153, § 4º, II) c) Imunidade de ITR para as pequenas propriedade rurais ( Art. 153, § 4º, II) d) Tratamento Tributário Diferenciado pela Microeempresas ( Art. 170, IX) e) As Contribuições de Melhoria ( Art. 145, II) pela valorização do imóvel f) As Taxas calculadas confirme a utilização ou potencialização dos serviços
  • 10. Sob o valor solidariedade agrupamos os direitos de 2ª dimensão, isto é, os direitos prestacionais (saúde, educação, moradia) e os de 3ª dimensão que são aqueles inerentes à comunidade humana (meio-ambiente, direito consumidor, etc.) não passam ao largo do direito tributário, que atua como instrumento de fomento: Solidariedade a) Alíquotas seletivas para bens e serviços essenciais obrigatória para o IPI ( Art. 153, § 3º, I) e facultativa para o ICMS ( Art. 155, § 2º, II) b) As Imunidades concedidas ao Terceiro Setor ( assistência social e educaçã0 – Art. 150, VI, “c” e Art. 195, § 7º) c) Vinculação de Receitas Tributárias para as ações e serviços públicos de saúde, para manutenção e desenvolvimento do ensino ( Art. 167, IV) d) Vinculação das receitas da CIDE-Combustíveis ao financiamento de projetos ambientais relacionados com a indústria do petróleo e do gás ( Art. 177, § 4º , II “b”) e) Cumprimento da Função Social da Propriedade Urbana ( Art. 182, §§ 2º e 4º) e Rural ( Art. 186) e da Atividade Econômica ( Art. 170, III)
  • 11. Encerramento: “O poder de tributar não pode chegar à desmedida do poder de destruir” Chief of Justice John Marshall no julgamento em 1819 do célebre caso McCulloch v. Maryland Muito Obrigado! Rogerio de Vidal Cunha Professor de Direito Tributário da Urcamp-Bagé Analista Judiciário do Poder Judiciário Federal