Endometriose (1)

4.039 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.039
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
184
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Endometriose (1)

  1. 1. LIAGO UESB 2013 RIRO
  2. 2. Baseado no: 
  3. 3. Definição   A endometriose é definida como a presença extrauterina de glândulas endometrias e estromas funcionantes. É comumente encontrada nos ovários, saco de douglas, espaço vesicouteriono, peritônio pélvico,etc.(Manual de Ginegologia e Obstetrícia do Jonhs Hopkins,2012)
  4. 4. Epidemiologia   Média de idade 25 aos 30 anos das pacientes.  Maior incidência nulíparas, menarca precoce, ciclos mais curtos.  Paridade aumentada fator protetor  Atinge 40 a 60% de pacientes com dismenorréia.  Infertilidade de 20 a 40% das pacientes com endometriose.
  5. 5.
  6. 6. Teorias de Patogênese da endometriose   Etiologia desconhecida, várias teorias tentam explicar;  Menstruação Retrógrada: A teoria original de Sampson sugere que a endometriose está relacionada a menstruação retrógrada do tecido endometrial através da tubas de falópio para a cavidade peritoneal.Apoiada pela visualização de sangue nas laparoscopias.  Fatores imunes: Dados crescente sugerem que fatores imunes específicos no local dos implantes endometriais desempenham um importante papel na determinação da doença.  Fatores inflamatórios: Níveis elevados de interleucina-6 e fator alfa de necrose tumoral foram observados no líquido peritoneal de pacientes com endometriose.
  7. 7. Teorias de Patogênese da endometriose   Fatores hormonais: Os implantes podem produzir aromatase, levando a produção de estrogênio extraovariano.  Metaplasia celômica: Essa teoria postula que as células totipotenciais do ovário e do peritônio são transformadas em lesões endometrióticas por estímulos hormonais e infecciosos repetidos.  Disseminação linfática: Um estudo mostrou que 29% das mulheres com endometriose na necropsia têm linfonodos pélvicos positivos para a doença. Esta teoria explica implantes encontrados no pulmão.  Fatores genéticos: Mulheres que têm um familiar de primeiro grau com endometriose têm um risco 7 vezes maior de desenvolver endometriose. O modo de herança é provavelmente multifatorial.
  8. 8. Diagnóstico-achados clínicos   Clássicos sinais/sintomas: Dismenorréia, infertilidade, dor pélvica.  Outros: 1. Nodularidade dos ligamentos uterossacros, que frequentemente se encontram aumentados e doloridos. 2. Edema do septo retovaginal. 3. Dor à mobilização do útero e dos anexos 4. Útero retrovertido e fixo e anexos aumentados e imóveis são indicativos de doença pélvica grave.
  9. 9.
  10. 10. Confirmação do diagnóstico   Ultrassonografia pélvica: Pode ser útil para sugerir a presença de endometriomas a um custo significativamente menor que TC e RM.  Laparoscopia diagnóstica: O diagnóstico definitivo somente pode ser feito pela laparoscopia e de um exame histológico.  Características: aspecto visual azul escuro dos implantes, tipo pólvora queimada. Lesões avermelhadas para formas mais ativas. Cistos de chocolate coloração marrom-escura.
  11. 11.
  12. 12.
  13. 13.
  14. 14. CLASSIFICAÇÃO 
  15. 15. CLASSIFICAÇÃO 
  16. 16. TRATAMENTO   Visa suprimir produção de estrogênio ovariana, por meio da interrupção eixo hipotálamo-hipófiseovário.  Retirada dos endometriomas (tratamento definitivo)  Meios de tratamento 1. Medicamentoso 2. Cirúrgico
  17. 17. MEDICAMENTOSO   Pílulas anticoncepcionais( ACOs):  Causam anovulação e decidualização, resulta atrofia tecido endometrial.  Alívio sintomático dismenorreia 60 a 95%.  Dose 20 a 30 ug etinilestradiol pílulas  Efeito sangramento irregular, bem tolerado.
  18. 18. MEDICAMENTOSO   Análogos do hormônio liberador de gonadotrofinas.  Mecanismo: down-regulation dos receptores hipofisários, inibição do eixo hipotálamo-hipófise-ovário levando a supressão ovariana.  Dose; Acetato de leuprolide(lupron) 3,75mg IM ao mês , máximo 6 meses.Acetato de nafarelina, 200-400 ug intranasal 2 x dia, 6 meses.  Efeitos colaterais; Fogachos, secura vaginal, desmineralização óssea, insônia, mudanças na libido, fadiga.
  19. 19. MEDICAMENTOSO   Progestinas;  Mecanismo: Atrofia e decidualização endometrial, supressão das gonotrofinas, ovulação, amenorreia. do tecido inibição da  Dose: Acetato de medroxiprogesterona:150 mg IM, a cada 3 meses, 4 doses ou 30 mg VO ao dia por 90 dias.  Efeitos colaterais: ganho de peso, desmineralização óssea uso prolongado
  20. 20. MEDICAMENTOSO   Danazol;  Mecanismo: Anovulação por diminuição do pico do hormônio luteinizante no meio do ciclo. Inibição da esteroidogênese. Ambiente altos níveis androgênios, baixo estrogênios.  Dose: Acetato de megestrol 400 a 800 mg via oral por dia, por seis meses.  Efeitos colaterais: Amenorreia, virilização, acne, hirsutismo, vaginite atrófica, diminuição do tamanho das mamas, fogachos, engrossamento da voz.
  21. 21. MEDICAMENTOSO   Terapia add-back  Usada para minimizar efeitos colaterais, add estrogênios e progesteronas combinados ao uso de agonistas de GnRH.Menos efeitos colaterais, menos perdas de densidade mineral óssea, e efeitos vasomotores.  Sangramento vaginal comum  Acetato de noretindona 2,5 mg diário.
  22. 22. MEDICAMENTOSO   Outras modalidades.  Aines para dor e controle sintomático  Inibidores da aromatase; letrozol, anastrazol.
  23. 23. TRATAMENTO CIRÚRGICO   Ideal para pacientes com infertilidade ou sintomas refratários ao tratamento médico.  Cirurgia definitiva; histerectomia abdominal total com salpingo-ooforectemia bilateral, excisão das lesões de superfície peritoneal ou endometriomas e lise de aderências.  Pacientes que fizeram cirurgia, podem receber tratamento de Terapia de Reposição hormonal.
  24. 24.
  25. 25.
  26. 26.
  27. 27. TRATAMENTO CIRÚRGICO   Cirurgia conservadora:  Excisão laparoscópica ou destruição dos implantes endometriais via laser(vaporização), eletrocoagulação, termocoagulação.
  28. 28. ENDOMETRIOSE E INFERTILIDADE   Alteração da qualidade ovócito, da fertilização e implantação.  Diminuição da receptividade endometrial.  Taxa de gravidez com alterada(alternativa).  Cirurgias conservadoras gravidez, mas melhora dor. fertilização não in altera vitro não taxas de
  29. 29. ENDOMETRIOSE E MALIGNIDADE OVARIANA  A prevalência da endometriose nas pacientes com carcinoma ovariano epitelial, especialmente de células claras é mais elevada do que na população em geral.  Cirurgia não reduz risco de câncer ovariano , uso de anticoncepcionais orais longo prazo, método de preferência na redução do risco em 80%.
  30. 30. Referências   Manual de Ginecologia e Obstetrícia do Jonhs Hopkins, 4º edição, 2012.  Google images.

×