Cultura Escrita

4.424 visualizações

Publicada em

Cultura Escrita: o que nos ensinam as crianças colaboradoras? Este trabalho foi realizado com 70 professores da Escola Bosque durante dezembro/2008, em curso de formação continuada na própria escola, ministrado pela professora Maria do Rocio Rodi Gonçalves. Com o objetivo de analisar os processos de aquisição da escrita nas crianças, nas relações de ensino e no movimento das transformações histórico-sociais.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.424
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
195
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
37
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cultura Escrita

  1. 1. CULTURA ESCRITA: o que nos ensinam as crianças colaboradoras? Quem lê? Quem escreve? Para quê? Por quê?
  2. 2. Na pesquisa realizada percebemos que: <ul><li>As crianças têm, basicamente, noções das funções da escrita – para nomear, identificar, mostrar, indicar, informar, comunicar. </li></ul><ul><li>- P’ra pegar o ônibus certo, ler as coisas no shopping e comprar um carro (7 anos, menino) </li></ul>
  3. 3. As noções das funções da escrita das crianças colaboradoras... <ul><li>Escrever uma carta para o Papai Noel (4 anos, menina). </li></ul><ul><li>Ler livros! Eu gosto de ler as perguntas, as cartas da minha mãe. Gosto de escrever que a minha mãe gosta de mim, que eu gosto dela, do meu pai e meus irmãos (6 anos, menina). </li></ul><ul><li>Posso ajudar a minha família, a cozinhar, vou saber o nome dos ingredientes (7 anos, menino). </li></ul><ul><li>Se a gente ler livros ou histórias a gente pode descobrir mais coisas, o mundo. Pode fazer histórias, textos e muitas outras coisas (8 anos, menina). </li></ul><ul><li>A gente aprende a saber o significado das palavras e como se escreve, através disso vou conseguir trabalhar e ter uma profissão (8 anos, menina). </li></ul><ul><li>A escrita é boa porque é uma forma de nós nos comunicarmos com a sociedade (10 anos, menina). </li></ul>
  4. 4. <ul><li>As crianças revelam tentativas de aproximação e interpretação, levantando hipóteses e suposições (essas tentativas implicam erros). As crianças usam os termos “letra”, “sílaba”, “palavra” indistintamente. Há uma grande confusão entre “imagem” e representação gráfica e escrita, nos remete a uma discussão mais aprofundada do realismo nominal e do “conflito cognitivo”; aponta para investigação entre o lógico e o lúdico nos processos de aprendizagem infantil. </li></ul>
  5. 5. Tentativas de aproximação e interpretação, usam os termos “letra”, “sílaba”, “palavra” indistintamente. Confusão entre “imagem” e representação gráfica e escrita... Aponta para investigação entre o lógico e o lúdico... <ul><li>É umas bolinhas e um i (3 anos, menino). </li></ul><ul><li>Eu só sei fazer uma bola e dois b (3 anos, menino). </li></ul><ul><li>Eu quero aprender a fazer uma bicicleta (3 anos, menino). </li></ul><ul><li>É o x! (4 anos, menino). </li></ul><ul><li>A desenhar (4 anos, menina). </li></ul><ul><li>Lá em casa tem uma manga... [o motivo de ler e escrever] - é p’ra crescer (5 anos, menino). </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Quanto menos conhecimento específico sobre a linguagem escrita (metalingüístico) a criança tem, mais noção da funcionalidade da linguagem escrita ela demonstra. Há um período em que a criança “perde o sentido”, em prol da decifração. Aos poucos, ela consegue conciliar decifragem e sentido. A criança que aprende a “ler sozinha” não perde o sentido, mas precisamente busca sempre mais sentido enquanto decifra. </li></ul>
  7. 7. Quanto menos conhecimento específico... Há um período que perde o sentido... A criança com mais autonomia busca sempre mais sentido enquanto decifra. <ul><li>Eu escrevo na escola da mamãe e tô lendo o meu livro de pau (5 anos, menina). </li></ul><ul><li>Primeiro é a data, depois pode ser cópia ou ditado (7 anos, menino). </li></ul><ul><li>Para mim acertar as palavras, escrever Escola Bosque, o meu nome e a data (7 anos, menina). </li></ul><ul><li>Quero ler histórias, quero ler livros, tenho que aprender a ler p’ra poder ler as coisas. Escrever? Ah! Eu não sei. Hum! É p’ra mim estudar os deveres de casa (8 anos, menina). </li></ul><ul><li>Aprender a ler? Ninguém escreveria uma música, um texto, não teria sentido (8 anos, menina). </li></ul><ul><li>Ler? É muito difícil! Só sei tirar do quadro (9 anos, menina). </li></ul>
  8. 8. <ul><li>O sentido que as crianças atribuem à escrita, seus esquemas de interpretação, são variados e dependem das experiências passadas bem como dos conhecimentos adquiridos. Entretanto, a falta de conhecimento não significa incapacidade mental e motora. Nenhuma carência deve servir de pretexto para uma carência maior ainda. </li></ul>
  9. 9. O sentido - os esquemas de interpretação são variados, dependem das experiências e dos conhecimentos adquiridos... Falta de conhecimento não é incapacidade... Não justifica carência maior! <ul><li>P’ra mexer no computador (4 anos, menino). </li></ul><ul><li>Criança não sabe nada. Adulto sabe tudo, ler, sabe o número (4 anos, menino). </li></ul><ul><li>P’ra ler as historinhas que tem em casa (4 anos, menina). </li></ul><ul><li>P’ra crescer um homem bem trabalhador (5 anos, menino). </li></ul><ul><li>Tenho 5 anos ainda, vou fazer 6 e vou aprender a ler p’ra poder ler as coisas para quem não sabe ler. O Mizael tem 3 e a Thalita tem 4 (5 anos, menino). </li></ul><ul><li>P’ra gente não puxar carroça (6 anos, menino). </li></ul><ul><li>Não respondeu, ficou calado (7 anos, menino). </li></ul><ul><li>Não sei o que é escrita. Escrever é bacana. Sei escrever bacana, mas não sei ler (8 anos, menina). </li></ul><ul><li>É bom p’ra quando eu tiver algum negócio, eu não vou ser enganado, eu vou ler os documentos e ninguém vai me roubar (8 anos, menina). </li></ul>
  10. 10. <ul><li>A educação infantil transmite informação sobre letras e números para as crianças, nem sempre claras e adequadas quanto à função e ao mecanismo da leitura. Muitas crianças ficam mais preocupadas com o desempenho acadêmico do que de fato aprender a gostar mais de ler </li></ul>
  11. 11. Informação sobre letras e números, nem sempre claras e adequadas quanto à função e ao mecanismo da leitura... As crianças ficam mais preocupadas com o desempenho acadêmico do que aprender a gostar mais de ler. <ul><li>É... porque... eu faço na minha escola. A minha... a minha... professora me explica (3 anos, menina). </li></ul><ul><li>Escrever no quadro, no caderno p’ra professora e ela vê se tá certo (5 anos, menina). </li></ul><ul><li>Ler é letra i-o-q-f-g-u-x-g-h-a-n-j-b-bu (5 anos, menino) </li></ul><ul><li>Um monte de atividade... P’ra aprender o som do P, do L, do V, do S, do P, do D, do Z, do M, do R, do C, do F, de G, do J (5 anos, menino). </li></ul><ul><li>Eu faço esses trabalhos. Esses que os professores dão para mim (6 anos, menino). </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Na hora que alguém perguntar a gente deve saber responder (6 anos, menina). </li></ul><ul><li>Aprender para passar para outra sala (6 anos, menina). </li></ul><ul><li>Tenho que gostar de escrever p’ra eu tirar dez na prova e passar de série (6 anos, menina). </li></ul><ul><li>Prestar atenção no que a professora fala, no que ela tá fazendo (7 anos, menina). </li></ul><ul><li>P’ra passar de ano (8 anos, menina). </li></ul><ul><li>Quando a gente for escrever e ler tem que ser direitinho porque se a gente for ler e escrever na sala e tiver errado a professora põe zero p’ra gente (8 anos, menino). </li></ul>
  13. 13. Os mitos sobre leitura (Revista Criança/MEC, 2006) <ul><li>MENTIRAS VERDADES </li></ul><ul><li>Crianças não gostam de ler Crianças aprendem a gostar de ler </li></ul><ul><li>Crianças estragam livros Crianças aprendem a manipular os livros </li></ul><ul><li>A leitura deve ensinar conteúdo Leitura deve divertir </li></ul><ul><li>pedagógico </li></ul><ul><li>Leitura só na biblioteca É incentivada na sala de aula </li></ul><ul><li>O ambiente deve ser silencioso O ambiente é gostoso, permitindo que as crianças se expressem </li></ul><ul><li>Só alfabetizados podem ler As crianças ‘lêem’ antes de serem alfabetizadas </li></ul><ul><li>Crianças só entendem textos Crianças compreendem textos complexos e fáceis palavras difíceis </li></ul><ul><li>A professora só conta histórias A professora conta e lê histórias </li></ul><ul><li>Livros são os únicos objetos para Vários suportes de texto – revistas, bulas de </li></ul><ul><li>leitura remédio, receitas, documentos, embalagens – podem ser usados para leitura </li></ul><ul><li>Todas as crianças devem ler um As crianças devem ler livros diferentes </li></ul><ul><li>único livro ao mesmo tempo </li></ul>
  14. 14. Nenhuma criança urbana chega totalmente ignorante à escola. <ul><li>Quais as práticas leitoras da família? </li></ul>
  15. 15. ESCRITA URBANA
  16. 17. ESCRITA DOMÉSTICA
  17. 19. Escritos das máquinas interativas
  18. 20. A influência das condições de vida das crianças no processo de elaboração e construção do conhecimento do mundo - Abordagem Qualitativa - <ul><li>MARCA – IDENTIDADE </li></ul><ul><ul><li>Qual a palavra mais bonita? </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Yamada - porque lá tem Papai Noel </li></ul></ul></ul>
  19. 21. <ul><ul><li>Nescau (falou o nome da marca). </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Eu vou dizer uma coisa, a senhora vai achar graça, eu bebo leite na mamadeira. O meu dente vai ficar torto quando eu crescer. Ainda sou bebê. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Por que criança toma Nescau? </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>P’ra ficar forte. Professora, eu não tomo Nescau, porque a mamãe não tem dinheiro. Quando eu me operar, toda hora vou p’ra piscina. A mamãe vai vender hoje lá na piscina (menino, 6 anos). </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Computadores Positivo (falou o nome da marca) </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>São computadores muito positivos, eles são muito avançados e também eles podem alcançar a rede a quilômetros de distância (menino, 8 anos). </li></ul></ul></ul>
  20. 22. <ul><li>Tipo – Identificação (sem ler a marca) </li></ul><ul><li>(leite Ninho) – eu tinha um leite desse (5 anos, menina) </li></ul><ul><li>(envelope da Oi) – “o carteiro chegou com um desse” (5 anos, menina); </li></ul><ul><li>(Bavária Premium) – isto é cerveja, eu não gosto de beber, meu colega do meu tamanho já bebe, ele fica doidinho (6 anos, menino); </li></ul><ul><li>(bula) - p’ra mim isso representa coisa de laboratório, farmácia ou coisa de hospital (8 anos, menino). </li></ul>
  21. 23. <ul><li>ARBITRÁRIA – Erro Construtivo </li></ul><ul><li>Massa de modelar lápis (3 anos, menina); </li></ul><ul><li>Super Bonder Ah! Isso não é negócio de raspar barba, é negócio de sandália, é de colar p’ra endireitar (3 anos, menina); </li></ul><ul><li>Toalhas de Papel Scala sorvete, guaraná (3 anos, menino); </li></ul><ul><li>O que eu levaria para um passeio? Refrigerante! (apontou o rótulo do Omo, com duas crianças andando de bicicleta) entretanto, disse logo em seguida: “é sabão em pó – para lavar roupa” (4 anos, menino); </li></ul><ul><li>Arroz Biju vem uma ‘tapiocona’. Ah! É arroz!! (6 anos, menino); </li></ul><ul><li>Sorine é injeção! (8 anos, menina). </li></ul>
  22. 24. <ul><li>APELATIVA – Slogan / Artes </li></ul><ul><li>(Açúcar União) – diz “morango” e aponta no rótulo (4 anos, menina). </li></ul><ul><li>(Chá Cidreira – Dr. Oertker): mato, para capinar (5 anos, menino). </li></ul><ul><li>(Café) – pegou o rótulo e cheirou, olhou a imagem de Nossa Senhora e disse: “olha Nossa Senhora da Conceição, depois disse “Círio de Nazaré” (6 anos, menina) </li></ul>
  23. 25. <ul><li>INJUNTIVA – Orientação </li></ul><ul><li>(para bula) - “esse é o papel para mamãe ver como eu vou tomar (6 anos, menino); </li></ul><ul><li>(Tylenol) – “uso pediátrico, alívio da febre e dor” (6 anos, menino); </li></ul><ul><li>(macarrão) – “não contém colesterol” (7 anos, menina); </li></ul><ul><li>(bula) – “p’ra ver os ingredientes, quantas gotas são p’ra pessoa tomar” (7 anos, menina); </li></ul>
  24. 26. INJUNTIVA – Orientação <ul><li>(leite Ninho) – “instantâneo, tem ferro e vitaminas” (7 anos, menino); </li></ul><ul><li>No supermercado, “é preciso ver o preço, se não vem comida errada, ver se a embalagem não tá batida ou se não tá furada!” (6 anos, menino); </li></ul><ul><li>rótulos? “é o papel que vem nas coisas para a gente comer, para poder a gente ler para a gente saber se faz mal ou faz bem (7 anos, menina). </li></ul>
  25. 27. DESTAQUE ÀS DIDÁTICAS <ul><li>Profa. Aida – Vários rótulos espalhados sobre TNT amarelo, com perguntas sobre identificação dos rótulos - portadores de textos e os preços dos produtos. Uma das crianças com confiança e boa auto-estima: “essa roupa me deixa inteligente, viu pai, nem preciso de sua ajuda”; “não sei, vou pedir para mamãe me ajudar...”; “tá bem! tá bem! vou colocar o número aqui”; “Você já vai? Eu vou demorar p’ra escrever o meu nome”; (sua mãe disse-lhe ‘deixa eu ver se não comeste nenhuma letra’); “a tia Aida disse que tá tudo certo”; “não esqueça do meu livro, não vou trocar de roupa, nem de sapato”; “essa roupa me deixa inteligente”. </li></ul>
  26. 28. <ul><li>Profa. Mônica fez perguntas com respaldo em Emília Ferreiro: </li></ul><ul><ul><li>tem algo que pode ser lido? </li></ul></ul><ul><ul><li>onde está? </li></ul></ul><ul><ul><li>o que diz? </li></ul></ul><ul><ul><li>como sabe que diz isto? </li></ul></ul>DESTAQUE ÀS DIDÁTICAS
  27. 29. <ul><li>Profa. Leila – entrevistou a mãe da colaboradora (3 anos) a fim de observar o conhecimento prévio acerca dos produtos de casa e seus alimentos preferidos, a sua liberdade de escolha e familiaridades. </li></ul><ul><ul><li>Sua mãe forneceu alguns rótulos. </li></ul></ul><ul><ul><li>A professora criou dois cartazes: um como prateleiras de supermercado e outros sendo o carrinho de compras vazio. </li></ul></ul>DESTAQUE ÀS DIDÁTICAS
  28. 30. <ul><li>Profa. Helena – foi ao supermercado com a criança colaboradora de 6 anos, fez perguntas sobre produtos e a criança pegava, dizia o nome e atribuía significados conforme o enunciado proposto. </li></ul><ul><li>Para a criança colaboradora de 8 anos, escolheu três livros e fez quatro perguntas relacionadas. </li></ul>DESTAQUE ÀS DIDÁTICAS <ul><li>Que imagens você vê na sua frente? </li></ul><ul><li>O que significam essas letras para você? </li></ul><ul><li>Que coisas são essas? </li></ul><ul><li>Que letras você conhece? </li></ul>
  29. 31. <ul><li>Prof. Maurício, propôs investigar o modo como as crianças estimam valores e quantidades partindo de um valor pré-estabelecido. Cada criança manuseia um “cadernão espirado” que contém 35 (trinta e cinco) rótulos de produtos variados à sua escolha, tendo como orientação as questões levantadas: </li></ul>DESTAQUE ÀS DIDÁTICAS
  30. 32. <ul><li>Se você tivesse R$ 10,00 para comprar esses produtos, o que compraria para você ? </li></ul><ul><li>Se você tivesse R$ 10,00 para comprar esses produtos, o que você compraria - para quem e por quê? </li></ul><ul><li>(Considerando os produtos que ele escolheu comprar para si): “Você acha que com os R$ 10,00 dá para pagar o que você escolheu? Quanto você acha que custa cada produto? </li></ul><ul><li>(Considerando os produtos que ele escolheu comprar para as outras pessoas): “Você acha que com os R$ 10,00 dá para pagar o que você escolheu? Quanto você acha que custa cada produto? </li></ul>
  31. 33. <ul><li>Ao avaliar as respostas obtidas, percebemos que a criança de 8 anos guarda consigo uma noção mais próxima da realidade no que diz respeito à estimativa de valores, tanto ao considerar o preço individual de cada um dos produtos que citou, aproximando-se sobremaneira do preço tal dos mesmos, quanto ao considerar o total da soma desses valores, uma vez que sua resposta foi “uns sete reais”, quando na verdade o somatório deu R$4,70 (nesse caso a diferença não ultrapassa R$2,30). </li></ul><ul><li>Já com relação a criança de 6 anos, a diferença se faz notável, ao perceber que, ao indagá-la acerca do quanto custava todos os produtos que mencionou que compraria para si, sua resposta foi imediata, a saber: “dez reais”. No entanto, ao fazer a soma dos preços de cada produto dentre os citados, esta soma atingiu o valor um pouco acima de R$5,90, devido à parcela por ela referida como “e tal”, sugerindo alguma fração do todo considerando e, desse modo, constatamos que a quase 50% do valor estimado pela criança. </li></ul>
  32. 34. <ul><li>Uma curiosidade importante a se verificar é a idéia de fração que a criança-colaboradora já começa a formar, detectada ao observamos respostas como um real e tal (preço do café União), um real e cinqüenta centavos e tal (preço de cem unidades do Chicletes Ben 10), ou ainda quarenta e cinco reais e tal (valor total da soma dos preços, quando da 4ª indagação). </li></ul><ul><li>A criança de seis anos ainda não desenvolveu a idéia de estimativa, quando a mesma afirma que o valor dos preços dos produtos citados (na 4ª. Indagação) é quarenta e cinco reais e tal, quando, na realidade, não ultrapassa R$10,00, um valor 450% maior, portanto. </li></ul>
  33. 35. CONCEITUANDO... <ul><li>Ensinar o código escrito na cultura - centra no letramento - significa alfabetizar no “lugar certo”, ou seja, através dos práticas sociais, culturais, de leitura, oralidade e escrita. </li></ul><ul><li>O que mais propriamente se denomina letramento é a imersão do indivíduo na cultura escrita, participação em experiências variadas com a leitura e a escrita, conhecimento e interação com diferentes tipos de gêneros de material escrito (SOARES, 2003, p.13). </li></ul>
  34. 36. <ul><li>O processo de letramento ou cultura letrada não acontece de modo espontâneo, exige mediação da professora e/ou da família proporcionando aos alunos, de forma constante e significativa, a interação com as práticas sociais de leitura e escrita, isto é, com a cultura escrita. </li></ul><ul><li>O aluno aprende a ler lendo, a escrever escrevendo num ambiente alfabetizador “vivo” que permita ler o mundo com sentido, função, sentimento, criação, tendo um(a) professor(a) que ensina de verdade, compreende a indissociabilidade e a especificidade da alfabetização e do letramento e conduz o processo com atividades didáticas que promovem de fato a aprendizagem. </li></ul>
  35. 37. CUL TU RA ES CRI TA : o que nos ensinam as crianças colaboradoras?
  36. 38. Quem lê? Quem escreve? Para quê? Por quê?

×