Henri paul hyacinthe wallon 2 psicologia

7.896 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.896
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
111
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Henri paul hyacinthe wallon 2 psicologia

  1. 1. HENRI PAUL HYACINTHE WALLONAlunas:•Ana Rita Rochinski da Silva•Vânia Santos•Adriana CenattiTurma: A
  2. 2. BIOGRAFIA Wallon nasceu em 15 de junho de 1879, em Paris. Conhecido por seu trabalho científico sobre Psicologia do Desenvolvimento. Em 1899, é admitido na Escola Normal Superior. Em 1902 formou-se em Filosofia pela Escola Normal Superior. Foi um destacado ativista marxista. Nomeado Secretário da Educação Nacional em 1944. Faleceu no dia 1.º de dezembro de 1962, em Paris, aos 83 anos.
  3. 3. Falar que a escola deve proporcionar formação integral (intelectual,afetiva e social) às crianças é comum hoje em dia. No início do século passado,porém, essa idéia foi uma verdadeira revolução no ensino. Uma revoluçãocomandada por um médico, psicólogo e filósofo francês chamado Henri Wallon.Sua teoria pedagógica, que diz que o desenvolvimento intelectual envolve muitomais do que um simples cérebro, abalou as convicções numa época em quememória e erudição eram o máximo em termos de construção do conhecimento. Wallon foi o primeiro a levar não só o corpo da criança mas também suasemoções para dentro da sala de aula. Fundamentou suas idéias em quatroelementos básicos que se comunicam o tempo todo: a afetividade, o movimento, ainteligência e a formação do eu como pessoa. Militante apaixonado (tanto napolítica como na educação), dizia que reprovar é sinônimo de expulsar, negar,excluir. Ou seja, “a própria negação do ensino”. As emoções, para Wallon, têm papel preponderante no desenvolvimentoda pessoa. É por meio delas que o aluno exterioriza seus desejos e suasvontades. Em geral são manifestações que expressam um universo importante eperceptível, mas pouco estimulado pelos modelos tradicionais de ensino
  4. 4. AFETIVIDADE As transformações fisiológicas em uma criança (ou, naspalavras de Wallon, em seu sistema neurovegetativo) revelamtraços importantes de caráter e personalidade. “A emoção éaltamente orgânica, altera a respiração, os batimentos cardíacose até o tônus muscular, tem momentos de tensão e distensãoque ajudam o ser humano a se conhecer”, explica HeloysaDantas, da Faculdade de Educação da Universidade de SãoPaulo (USP), estudiosa da obra de Wallon há 20 anos. Segundoela, a raiva, a alegria, o medo, a tristeza e os sentimentos maisprofundos ganham função relevante na relação da criança com omeio. “A emoção causa impacto no outro e tende a se propagarno meio social”, completa a pedagoga Izabel Galvão, também daUSP. Ela diz que a afetividade é um dos principais elementos dodesenvolvimento humano.
  5. 5. MOVIMENTO Segundo a teoria de Wallon, as emoções dependem fundamentalmenteda organização dos espaços para se manifestarem. A motricidade, portanto,tem caráter pedagógico tanto pela qualidade do gesto e do movimento quantopor sua representação. Por que, então, a disposição do espaço não pode serdiferente? Não é o caso de quebrar a rigidez e a imobilidade adaptando a salade aula para que as crianças possam se movimentar mais? Mais que isso,que tipo de material é disponibilizado para os alunos numa atividade lúdica oupedagógica? Conforme as idéias de Wallon, a escola infelizmente insiste emimobilizar a criança numa carteira, limitando justamente a fluidez das emoçõese do pensamento, tão necessária para o desenvolvimento completo dapessoa. Estudos realizados por Wallon com crianças entre 6 e 9 anos mostramque o desenvolvimento da inteligência depende essencialmente de como cadauma faz as diferenciações com a realidade exterior. Primeiro porque, aomesmo tempo, suas idéias são lineares e se misturam – ocasionando umconflito permanente entre dois mundos, o interior, povoado de sonhos efantasias, e o real, cheio de símbolos, códigos e valores sociais e culturais. Nesse conflito entre situações antagônicas ganha sempre a criança. Éna solução dos confrontos que a inteligência evolui. Wallon diz que osincretismo (mistura de idéias num mesmo plano), bastante comum nessafase, é fator determinante para o desenvolvimento intelectual. Daí seestabelece um ciclo constante de boas e novas descobertas.
  6. 6. O EU E O OUTRO A construção do eu na teoria de Wallon dependeessencialmente do outro. Seja para ser referência, seja para sernegado. Principalmente a partir do instante em que a criançacomeça a viver a chamada crise de oposição, em que anegação do outro funciona como uma espécie de instrumentode descoberta de si própria. Isso se dá aos 3 anos de idade, ahora de saber que “eu” sou. “Manipulação (agredir ou se jogarno chão para alcançar o objetivo), sedução (fazer chantagememocional com pais e professores) e imitação do outro sãocaracterísticas comuns nessa fase”, diz a professora AngelaBretas, da Escola de Educação Física da Universidade Estadualdo Rio de Janeiro. “Até mesmo a dor, o ódio e o sofrimento sãoelementos estimuladores da construção do eu”, emendaHeloysa Dantas. Isso justifica o espírito crítico da teoriawalloniana aos modelos convencionais de educação.
  7. 7. WALLON NA ESCOLA: HUMANIZAR A INTELIGÊNCIA Diferentemente dos métodos tradicionais (quepriorizam a inteligência e o desempenho em sala de aula),a proposta walloniana põe o desenvolvimento intelectualdentro de uma cultura mais humanizada. A abordagem ésempre a de considerar a pessoa como um todo.Elementos como afetividade, emoções, movimento eespaço físico se encontram num mesmo plano. Asatividades pedagógicas e os objetos, assim, devem sertrabalhados de formas variadas. Numa sala de leitura, porexemplo, a criança pode ficar sentada, deitada ou fazendocoreografias da história contada pelo professor. Os temase as disciplinas não se restringem a trabalhar o conteúdo,mas a ajudar a descobrir o eu no outro. Essa relaçãodialética ajuda a desenvolver a criança em sintonia com omeio.
  8. 8. PARA PENSAR A teoria de Henri Wallon ainda é umdesafio para muitos pais, escolas eprofessores. Sua obra faz uma resistênciacontumaz aos métodos pedagógicostradicionais. Numa época de crises, guerras,separações e individualismos como a nossa,não seria melhor começar a pôr em práticanas escolas idéias mais humanistas, quevalorizem desde cedo a importância dasemoções?
  9. 9. TEORIA Diferente dos métodos tradicionais, que priorizam a inteligência e o desempenho em sala de aula, a proposta walloniana põe o desenvolvimento intelectual dentro de uma cultura mais humanizada. Considerando a pessoa como um todo. Elementos como afetividade, emoções, movimento e espaço físico se encontram num mesmo plano. As atividades pedagógicas devem ser trabalhados de formas variadas. Os temas e as disciplinas não se restringem a trabalhar o conteúdo, mas a ajudar a descobrir o eu no outro. Essa relação dialética ajuda a desenvolver a criança em sintonia com o meio.
  10. 10.  O processo de aprendizagem é dialético: não é adequado postular verdades absolutas, mas, sim, revitalizar direções e possibilidades. Uma das consequências desta postura é a crítica às concepções reducionistas: o estudo da pessoa completa, tanto em relação a seu caráter cognitivo quanto ao caráter afetivo e motor. Para Wallon, a cognição é importante, mas não mais importante que a afetividade ou a motricidade.
  11. 11. Frases de Henri Wallon:“A criança responde às impressões que as coisas lhe causam com gestos dirigidos a elas” “O indivíduo é social não como resultado de circunstâncias externas, mas em virtude de uma necessidade interna”

×