Manual para Emergêcias em APH

588 visualizações

Publicada em

Primeiros socorros Básico - BLS

Publicada em: Serviços
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
588
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Manual para Emergêcias em APH

  1. 1. MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR E EMERGÊNCIAS www.3rbrazil.com.br atendimento@3rbrazil.com.br P á g i n a | 1 3R BRAZIL COMÉRCIO E TREINAMENTOS LTDA
  2. 2. MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR E EMERGÊNCIAS MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ATENDIMENTOS DE EMERGÊNCIAS www.3rbrazil.com.br atendimento@3rbrazil.com.br P á g i n a | 2 EMERGÊNCIAS CLÍNICAS DESMAIOS É a perda momentânea da consciência. Pode ocorrer, por exemplo, por falta de alimentação, após uma doação de sangue, ou quando se presencia alguém sangrando ou sofrendo. Manifestas-se com palidez, transpiração abundante, perturbação visual e pulso fraco. Como proceder? • Remova a vítima para um ambiente arejado. • Desaperte-lhe as roupas, deixando-a confortável. • Coloque a vítima deitada de costas, com as pernas elevadas e a cabeça baixa. • Se o desmaio durar mais de dois minutos, procure auxílio médico. • Mantenha sempre as vias aéreas livres. • Não ofereça nada para cheirar, beber ou comer. Caso a vítima volte a si, após alguns minutos, tente colocá-la sentada e depois, devagar, ajude-a a ficar em pé, sempre amparando-a até ter certeza de que voltou ao normal. Convulsão ou Epilepsia As convulsões são contrações incontroláveis dos músculos. Elas duram poucos minutos, são contrações fortes, com movimentos desordenados e em geral, acompanhados de perda de consciência. É comum a recuperação dos sentidos, não apresentando maiores problemas, até cinco minutos. Se persistir por tempo maior, deve-se pedir ajuda médica.
  3. 3. MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR E EMERGÊNCIAS www.3rbrazil.com.br atendimento@3rbrazil.com.br P á g i n a | 3 Geralmente, durante a convulsão, além da contratura desordenada da musculatura, há salivação abundante, ás vezes, eliminação de fezes e urina. A queda da vítima é quase sempre desamparada, podendo ocorrer ferimentos. Como proceder? • Proteja a cabeça da vítima. • Afrouxe as roupas. Deixe-a debater-se livremente. • Evite a mordedura da língua, colocando um lenço dobrado entre as arcadas dentárias. Nunca coloque algum objeto entre os dentes da vítima. Ela pode quebrá-los. Cuidado para não ter seus dedos mordidos com violência. • Uma vez sem a convulsão, mantenha a vítima em repouso. • Após a convulsão, é comum a sonolência. Deixe-a dormir. • Oriente a vítima a procurar um médico. Evite comentários sobre atendimento à vítima de convulsão durante e após o socorro. Antes do ataque, a pessoa pode saber que vai ocorrer. É conhecido como "aura". Ela refere sentir cheiro ou gosto estranho, algumas vezes pode ter alucinações visuais ou sonoras. A vítima, muitas vezes, anuncia que a crise está para ocorrer. Em crianças de até quatro anos a convulsão é provocada, geralmente, pela febre alta. Para baixar a febre, dê um banho morno de imersão de mais ou menos 15 minutos. Mantenha a criança sem roupa e passe uma esponja ou um pano com água morna pelo corpo dela inúmeras vezes. A evaporação faz baixar a febre. Nem por isso, deixe de procurar auxílio médico. Estado de Choque O choque que aqui trataremos não é o choque elétrico. O tipo mais comum é o choque em decorrência de grande perda de sangue. A pessoa, após um acidente grave, apresenta um sangramento externo (visível) ou interno (invisível) e, em decorrência disso, entra em estado de choque. O reconhecimento da vítima se faz por palidez, transpiração intensa, pulso acelerado ou fraco, fraqueza e respiração rápida. Como proceder? • Deite a vítima no chão e mantenha-a coberta com cobertor ou qualquer outra roupa para protegê-la do frio. • Chame logo por socorro médico. • Ao transportá-la, deixe-a deitada no plano, no assento traseiro do carro, com as pernas mais elevadas possível. • Não dê água ou alimento. ANOTAÇÕES:
  4. 4. MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR E EMERGÊNCIAS www.3rbrazil.com.br atendimento@3rbrazil.com.br P á g i n a | 4 Urgências do Diabético O açúcar do nosso sangue é mantido dentro de uma faixa normal por um hormônio que vem do pâncreas, que é a insulina. O açúcar é a nossa fonte de energia. O diabético tem um pâncreas que não possui insulina em quantidade suficiente, e o açúcar se eleva na corrente sangüínea. No diabético, pela falta de insulina, há uma incapacidade de transformar o açúcar em energia. A glicose em níveis elevados no sangue pode levar à perda de consciência, que é o coma diabético. É caso de tratamento apenas hospitalar. As urgências mais comuns nos diabéticos ocorrem principalmente quando há baixo nível de glicose no sangue. Eles precisam usar insulina todos os dias e, muitas vezes a injeção diária, há queda além do nível desejado. ANOTAÇÕES: Como reconhecer a queda de glicose no diabético? • Alteração da respiração, que se torna mais rápida, com sensação de cansaço. • Pulso rápido. Há aceleração do coração. • Sensação de fraqueza. • Mudança na aparência, com tremor fino e ansiedade. • Alteração do nível de consciência. Como proceder? • Dê imediatamente algo doce para ingerir. Um copo de água com duas colheres (de sopa) de açúcar, uma barra de chocolate ou balas são técnicas domésticas mais comuns. • Não se preocupe com a quantidade de açúcar que está oferecendo. A falta de glicose no sangue à perda da consciência, pois o açúcar é fundamental para o metabolismo do cérebro. • Não deixe de procurar uma ajuda médica em seguida. As quedas de glicose em pacientes diabéticos podem acontecer por dosagem ainda não ajustada da insulina, como também em pacientes com doses já definidas que, em condições de mudança do hábito alimentar, doenças infecciosas, diarréia ou vômito, voltam a descompensar. Nesses casos, só o médico pode rever a dosagem e tratar a patologia concomitante.
  5. 5. MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR E EMERGÊNCIAS www.3rbrazil.com.br atendimento@3rbrazil.com.br P á g i n a | 5 Infarto Agudo do Miocárdio O infarto é uma lesão no músculo do coração causada pela obstrução de uma artéria coronária. As coronárias são as responsáveis pela irrigação do músculo cardíaco. Quando a artéria entope, o músculo deixa de receber oxigênio, parando de funcionar por um tempo. Ocorre "morte" dos tecidos no local atingido e, dependendo da extensão afetada, pode levar a pessoa à morte. Uma estimativa da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) mostra que, anualmente, cerca de 35 mil mortes por infarto seriam evitadas se os pacientes tivessem recebido os primeiros socorros. Um movimento internacional, lançado pela Associação Americana do Coração, criou o conceito de "correne de sobrevivência" , com a intenção de difundir os procedimentos básicos para manter um paciente vivo até que chegue ao hospital. No Brasil, o movimento ainda é pequeno. A idéia é treinar, além dos profissionais de saúde, bombeiros, policiais e funcionários de locais de grande concentração de pessoas, como shopping centers, estádios de futebol, etc. Como reconhecer o infarto? • Dor ou forte pressão no peito. • Dor no peito refletindo nos ombros, no braço esquerdo ou nos dois braços, no pescoço e maxilar. • Suor. Há transpiração excessiva. • Palidez. •Sensação de morte iminente. O paciente manifesta uma ansiedade muito grande e tem a sensação de medo e morte. • Síncope ou desmaio. • Falta de ar. • Enjôo e até vômito. Como proceder quando alguém ao seu lado apresentar esses sintomas? Chamar imediatamente uma ambulância ou levar a pessoa para um pronto-socorro mais próximo. Nesse caso, o melhor médico é o médico perto. Se tiver em mãos, dar dois comprimidos de ácido acetilsalicílico (Aspirina e AAS, por exemplo) para o paciente mastigar. Essa medicação pode desobstruir a artéria, ou seja, desmanchar o coágulo que se formou sobre a placa de aterosclerose e, portanto, preservar o músculo cardíaco. ANOTAÇÕES:
  6. 6. MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR E EMERGÊNCIAS www.3rbrazil.com.br atendimento@3rbrazil.com.br P á g i n a | 6 Enquanto espera a ambulância ou no percurso para o hospital, mantenha a pessoa deitada com as costas no chão. Se ele estiver com os olhos fechados, perdeu os sentidos e não está respondendo os estímulos, pode ter sofrido uma parada cardíaca e/ou respiratória. Se ocorrer parada cardíaca e/ou respiratória, mantenha-se de joelhos ao lado dela e inicie as manobras de reanimação. Clique aqui e trate-a como está descrito em Massagem Cardíaca Para Adultos no item Parada Cardiorrespiratória deste guia de primeiros socorros. O infarto do coração é também conhecido como ataque cardíaco. A vida do paciente depende da precocidade do atendimento. ANOTAÇÕES: Acidente Vascular Cerebral (AVC) - Derrame Cerebral É muito comum as pessoas se confundirem imaginando que o derrame cerebral e o infarto sejam a mesma coisa. Você já sabe que o infarto do miocárdio é um evento do coração. O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma doença que acontece no cérebro. O derrame cerebral (AVC) acontece quando o sangue deixa de chegar ao cérebro, quando os vasos ficam obstruídos ou, então, quando ocorre a ruptura de um deles. No caso de entupimento do vaso, o AVC é chamado de isquêmico. Na ruptura do vaso, é o AVC hemorrágico. Este último é sempre mais grave e com mais seqüelas, levando também à maior incidência de morte.
  7. 7. MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR E EMERGÊNCIAS www.3rbrazil.com.br atendimento@3rbrazil.com.br P á g i n a | 7 Como reconhecer o paciente com derrame? • Amortecimento com fraqueza da metade direita ou esquerda do corpo, inclusive metade do rosto. • Alteração na fala, que se torna enrolada. • Dor de cabeça repentina e forte, sem uma causa aparente. • Alteração de visão, podendo chegar até mesmo à cegueira. • Dificuldade de andar. • Boca entortada para um dos lados e baba. • Pupilas desiguais. • Perda do controle sobre atividade da bexiga e do intestino. Como proceder? • Não hesite em chamar por ambulância ou socorro médico. • Se a vítima estiver consciente, deite-a com a cabeça e os ombros ligeiramente erguidos e apoiados. • Incline a cabeça para um dos lados. É importante para que possa dar saída a salivação e evitar vômito com aspiração. • Se a vítima perder a consciência, fique atento para eventual parada cardíaca e/ou respiratória. • Em caso de parada cardíaca e/ou respiratória, proceda à reanimação. Clique aqui e trate-a como está descrito em Massagem Cardíaca Para Adultos no item Parada Cardiorrespiratória deste guia de primeiros socorros. Ao atender o paciente com derrame, não lhe ofereça bebida ou alimento. PARADA CARDIORESPIRATÓRIA A parada cardiorrespiratória pode acontecer em decorrência de várias situações, como doenças cardíacas e respiratórias, engasgo, choque, afogamento, alergias e outras. A vítima se apresenta com ausência de respiração e pulsação, inconsciência, pele fria e pálida. Os lábios e as unhas ficam azulados. Para que a vida possa ser preservada, é necessário manter um fluxo de oxigênio para o cérebro. A "bomba" que mantém esse suprimento é o coração. Se ele parar, é a "parada cardíaca", e ocorrerá a morte, a menos que se tomem medidas urgentes. Existe um aparelho chamado desfribilador, que faz parte do equipamento de muitas ambulâncias, capaz de reabilitar as funções do coração. A manobra de atendimento da parada cardiorrespiratória é conhecida como Reanimação. Como proceder quando encontrar a vítima? Se ela estiver de bruços e houver suspeita de fraturas, mova-a rolando o corpo todo de uma só vez, colocando-a de costas para o chão. É muito
  8. 8. MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR E EMERGÊNCIAS www.3rbrazil.com.br atendimento@3rbrazil.com.br P á g i n a | 8 importante contar com a ajuda de duas ou três pessoas. Verifique se não há alguma coisa no interior da boca que impeça a respiração. Faça um primeiro reconhecimento do estado da vítima. Observe se a vítima ainda está consciente. Não perca tempo e chame por socorro médico imediato. Aproxime sua cabeça e seu ouvido da boca do paciente, ouça e sinta se há respiração. Observe se há movimento no peito. Verifique se há pulso. Para isso, pressione levemente com dois dedos na região da artéria Carótida (ao pescoço logo atrás do popular pomo-de- adão). Nunca dê nada à vítima para beber, cheirar ou comer, na intenção de reanimá-la. Quais são os princípios básicos da reanimação? Manter as vias aéreas livres - é necessário inclinar a cabeça da vítima para trás e erguer o seu queixo (Triplice Manobra). Manter a circulação - se o coração está parado, aplique compressões cardíacas (cerca de 100 compressões por minuto) para forçar o fluxo do sangue através do coração e pelo resto do corpo. Essas compressões devem ser combinadas com a respiração artificial (caso seja de vontade do socorrista). Primeiro localize a borda da última costela da vítima. Deslize os dedos até atingir, no centro do tórax, uma saliência chamada apêndice xifóide. Coloque a parte mais saliente da mão dois dedos acima do apêndice xifóide. Esse é o ponto em que deve ser aplicada a massagem. Coloque a outra mão sobre a que ficou pousada no tórax. Faça 30 compressões, uma após outra, faça 02 insuflações (respirações artificiais), se você estiver seguro. Mantenha as mãos sempre na mesma posição. ANOTAÇÕES:
  9. 9. MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR E EMERGÊNCIAS www.3rbrazil.com.br atendimento@3rbrazil.com.br P á g i n a | 9 QUEIMADURAS As queimaduras são lesões causadas por calor, substâncias corrosivas, líquidos e vapores, podendo ocorrer também pelo frio intenso e por radiação solar e elétrica. Quando apenas a pele é afetada, chamamos de queimadura superficial. Ocorre vermelhidão, inchaço e até bolhas. Se o tecido subcutâneo é comprometido, a queimadura é profunda, ficando a pele muito vermelha ou escura, podendo inclusive, soltar água. Considerando a profundidade, as queimaduras são classificadas em: • Primeiro grau: quando a lesão é superficial. Aparecerão vermelhidão, inchaço e dor. • Segundo grau: quando a ação do calor é mais intensa. Além da vermelhidão, aparecem bolhas ou umidade na região afetada. A dor é mais intensa. • Terceiro grau: há destruição da pele. Atingem gordura, músculo e até ossos. Pela destruição das terminações nervosas, ocorre pouca ou nenhuma dor. A pele apresenta-se esbranquiçada ou carbonizada. A extensão da área queimada é, muitas vezes mais importante do que a profundidade da lesão para determinar a gravidade. É o caso de uma queimadura de primeiro grau, que, por exemplo, pode atingir uma ampla área do corpo.
  10. 10. MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR E EMERGÊNCIAS www.3rbrazil.com.br atendimento@3rbrazil.com.br P á g i n a | 10 A extensão é medida em porcentagem da área total da superfície do corpo. É a "regra dos nove", que divide o corpo em áreas de aproximadamente 9%, utilizada para calcular a extensão da queimadura e decidir o tipo de tratamento. Como proceder? • Cubra suavemente a queimadura com um pano limpo de tecido de algodão (lençol, fronha, fralda ou lenço com soro fisiológico ou água limpa, preferencialmente mineral). Evite tecidos sintéticos. • Se a roupa estiver molhada, retire-a imediatamente. O tecido mantém o calor do líquido. • Se a roupa estiver pegando fogo, abafe com um cobertor. Mantenha a pessoa deitada. • Retire da área queimada qualquer roupa apertada. Não se esqueça de que as queimaduras podem causar inchaços. O que não fazer? • Nuca passe óleo, manteiga, creme ou loção anti séptica. • Não tente retirar pedaços de roupa queimada que tenham grudado na pele. • Não mexa na queimadura, principalmente se a pele estiver levantando. • Nunca arranque a pele. • Não fure a bolha. • Não passe material felpudo ou chamuço de algodão. Quando procurar um médico? • Quando a queimadura tiver mais de um palmo. • Se a pele tiver sido destruída. • Quando não souber definir a gravidade da queimadura, em especial se tiver atingido o rosto, mãos ou pés. • Se, após três dias, a queimadura não começar a cicatrizar. As queimaduras na boca e na garganta são muito perigosas porque causam rapidamente inchaço e inflamação das vias respiratórias, que pode bloquear a passagem de ar, com sério risco de asfixia. Há necessidade de cuidados médicos urgentes.
  11. 11. MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR E EMERGÊNCIAS www.3rbrazil.com.br atendimento@3rbrazil.com.br P á g i n a | 11 Queimadura de Sol A queimadura solar tem sintomas equivalentes às queimaduras leves: a pele fica avermelhada, quente, dolorida e podem aparecer bolhas. Como proceder? • Esfrie a pele com banho frio de chuveiro ou chuveiro. • Se não tiver banheiro ou chuveiro, cubra a pessoa por dez minutos com toalhas umedecidas em água fria. • Enxugue a pele delicadamente com toalha macia felpuda ou pano de fralda. • Aplique loção de calamina (Caladryl) ou outra loção refrescante. Pode ser usado talco mentolado ou compressas frias de bicarbonato de sódio. (1 colher das de café para cada litro de água). • Mantenha a área coberta e longe do sol por vários dias, até a sensibilidade da pele voltar ao normal. SANGRAMENTOS e HEMORRAGIAS Sangramento é a perda de sangue dos vasos sangüíneos. O sangue é bombeado pelo coração, caminha pelas artérias e se espalha pelo resto do corpo. O caminho de volta do sangue é feito através de vasos chamados de veias, que levam, portanto, o sangue do corpo para o coração. Entre os dois sistemas, existe uma rede de minúsculos vasos que são os capilares. A importância do sangue é inquestionável. O sangue é o meio onde é realizado o transporte de oxigênio e nutrientes para as células e gás carbônico e outras excretas para os órgãos de eliminação. O corpo humano possui normalmente um volume sanguíneo de aproximadamente 70ml/Kg de peso corporal para adultos e 80ml/Kg para crianças, ou seja, um indivíduo com 70ml/Kg possui aproximadamente 4.900ml de sangue. Hemorragia é definida como a perda de sangue devida ao rompimento de um vaso sanguíneo. Quanto maior a quantidade perdida de sangue, mais graves serão as hemorragias. Geralmente a perda de sangue não pode ser medida, mas pode
  12. 12. MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR E EMERGÊNCIAS www.3rbrazil.com.br atendimento@3rbrazil.com.br P á g i n a | 12 ser estimada através da avaliação do paciente (sinais de choque compensado ou descompensado). Quanto mais rápida a hemorragia, menos eficientes são os mecanismos compensatórios do organismo. Um indivíduo pode suportar a perda de um litro de sangue, que ocorre em um período de horas, mas não tolera esta mesma perda se ela ocorrer em minutos. Os mecanismos normais que o corpo possui para limitar as hemorragias são as contrações da parede dos vasos sangüíneos, diminuindo o tamanho da abertura por onde o sangue está escapando e a coagulação do sangue, que é uma série de reações químicas. Formando o trombo ou coágulo, que bloqueia o escape de sangue pelo orifício de vaso lesado. Estes mecanismos têm como objetivo a hemostasia, ou seja, o controle do sangramento pelo organismo isoladamente defendendo-o, ou em associações com técnicas de tratamento médico-básico e avançadas (cirúrgicas). Hemostasia é o conjunto de mecanismos que o organismo emprega para coibir hemorragia. Para tal, é formado um trombo que obstrui a lesão na parede vascular. Ao contrário do que muitos pensam, esse trombo não é constituído de coágulo e sim de plaquetas. A coagulação, além de fornecer pequena quantidade de fibrina para o trombo plaquetário, colabora na estabilização do trombo. Os pacientes com distúrbios no mecanismo de coagulação, por exemplo, os hemofílicos, podem apresentar hemorragias graves por traumas banais. O sangramento pode ser externo e/ou interno. Sangramento externo é visível na superfície do corpo, e é decorrente de corte, raspão ou perfuração, produzidos, por exemplo, por um pedaço de vidro, um prego, uma faca, ou outro objeto cortante. Qualquer ruptura anormal da pele ou da superfície do corpo é chamada de ferimento. Dessa maneira, ocorre o sangramento ou a hemorragia. O sangramento interno é aquele que surge em decorrência de um ferimento interno, que faz com que o sangue saia do sistema circulatório, mas permaneça no corpo, sendo portanto uma hemorragia interna. Os mais comuns ocorrem no tórax e no abdome. O que fazer com sangramentos externos? • Colocar um pano ou papel limpo no ferimento. • Fazer pressão sobre o local, o suficiente para deter o sangramento. • Eleve o braço ou a perna da vítima, mantendo a pressão sobre o ferimento. • Levar a vítima ao pronto-socorro. Caso não seja possível encontrar um pano limpo ou papel, comprima o local diretamente com a mão ou apenas alguns dedos, até que o sangramento pare ou até que a ajuda chegue. Se sua mão estiver
  13. 13. MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR E EMERGÊNCIAS www.3rbrazil.com.br atendimento@3rbrazil.com.br P á g i n a | 13 suja ou cortada, faça a compressão usando a mão da própria vítima. Você também pode tratar o ferimento, cortando parte da roupada vítima para usar na compressão. É preferível o uso de gaze esterilizada, mas nem sempre é possível. Não use torniquete. Pode causar lesão no tecido e até gangrena. O torniquete somente deve ser aplicado em casos extremos e como último recurso, quando não há a parada do sangramento. Classes de Hemorragias ARTERIAL: Sangramento pulsátil (em jatos) em grande escala, acompanha o batimento cardíaco. Geralmente de cor vermelho vivo. VENOSO: Sangramento de média escala, continuo e de coloração escura. CAPILAR: Sangramento lento, de propriedade superficial com baixo grau de risco. INTERNA: Apresenta palidez labial esfriamento de extremidade de periféricos e tonalidade arroxeada debaixo das unhas. Podemos identifica - lá também pela rigidez abdominal.
  14. 14. MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR E EMERGÊNCIAS www.3rbrazil.com.br atendimento@3rbrazil.com.br P á g i n a | 14 ENGASGO Segure a criança por trás, pela cintura. Suspenda-a no ar, de forma que o tronco, os braços e a cabeça fiquem curvados para baixo. Com uma das mãos, mantenha-a nesta posição. Coloque a outra mão acima do umbigo da criança e aperte rapidamente o punho contra o estômago dela. Repita o movimento até que o corpo estranho seja expelido pela boca. Manobra de Heimlich 1. Fique de pé, atrás da vítima com seus braços ao redor da cintura da pessoa. 2. Coloque a sua mão fechada com o polegar para dentro, contra o abdômen da vítima, ligeiramente acima do umbigo e abaixo do limite das costelas. 3. Agarre firmemente o pulso com a outra mão e exerça um rápido puxão para cima. Repita, se necessário, 4 vezes numa seqüência rápida.
  15. 15. MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR E EMERGÊNCIAS www.3rbrazil.com.br atendimento@3rbrazil.com.br P á g i n a | 15 RISCOS E CONDIÇÕES CHOQUE ELÉTRICO Muitas pessoas não sabem, mas um choque elétrico pode matar. Aprenda a evitá-lo. 1) Nunca mexa com a parte interna das tomadas, seja com os dedos ou com objetos ( tesouras, agulhas, facas, etc...) 2) Nunca deixe as crianças brincarem com as tomadas. Vede todas as tomadas com protetores especiais ou um pedaço de esparadrapo largo. 3) Ao trocar lâmpadas, toque somente na extremidade do suporte ( de porcelana ou plástico ) e no vidro da lâmpada elétrica. Se possível desligue a chave geral antes de fazer a troca. 4) Nunca toque em aparelhos elétricos quando estiver com as mãos ou o corpo úmidos. 5) Não mude a chave de temperatura ( inverno – verão ) do chuveiro elétrico com o corpo molhado e o chuveiro ligado. 6) Mantenha os aparelhos elétricos em bom estado. Não hesite em mandar consertá-los sempre que apresentarem problemas ou causarem pequenos choques. 7) Verifique sempre os fios elétricos que ficam à vista. Com o tempo, sua capa protetora se desgasta. Nunca deixe um fio elétrico descoberto. 8) Instale o fio terra em chuveiros e torneiras elétricas. 9) Ao manusear objetos metálicos, tenha cuidado para que não esbarre em nenhum cabo elétrico aéreo. 10) Nunca pise em fios caídos no chão. Principalmente se a queda foi conseqüência de uma tempestade. 11) Não empine pipas em locais onde houver cabos elétricos aéreos. ASFIXIA Os casos de asfixia são mais comuns do que se imagina. A falta de ar é o sintoma principal da asfixia, mas, além disso, as batidas do coração se aceleram e a pele em volta da boca e em baixo das unhas fica arroxeada. Conforme o caso pode ocorrer também convulsões, contrações musculares e desmaios. O QUE PODE CAUSAR A ASFIXIA: • afogamento; • grande traumatismo do tórax; • envenenamento por drogas ou gases; • Enforcamento; • choque elétrico; • qualquer bloqueio da vias respiratórias.
  16. 16. MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR E EMERGÊNCIAS www.3rbrazil.com.br atendimento@3rbrazil.com.br P á g i n a | 16 Se não tiver socorro imediato, a pessoa asfixiada morre. Por isso, é importante que você saiba que medidas tomar até que seja possível conseguir o atendimento médico. As crianças são as principais vítimas de asfixia. Em geral, a asfixia infantil é decorrência de brincadeiras inocentes e desconhecimento ou falta de controle da situação. Veja como socorrer uma criança asfixiada: • Identifique a causa da asfixia. • Aja com rapidez. • Você tem no máximo 5 minutos para fazer com que a criança volte a respirar . CORPOS ESTRANHOS NO NARIZ Tente fazer a criança respirar pela boca e segurar o ar nos pulmões. Aperte a narina desobstruída e peça para a criança assoar. Esta manobra requer a colaboração da criança, o que nem sempre é possível. Se o objeto não for expelido ou se a criança não colaborar, não insista. Leva-a imediatamente ao pronto-socorro mais próximo. ASPIRAÇÃO DE VÔMITO Ao vomitar, a criança pode aspirar o próprio vômito, que vai para os pulmões. Deite a criança de lado. A cabeça deve ficar mais baixa que o corpo. Com os dedos, tape as duas narinas da criança. Coloque a sua boca na dela e aspire forte até retirar o máximo de vômito dos pulmões. Não deixe a criança deitar de costas. Leve-a ao pronto-socorro mais próximo. É natural que esta manobra provoque nojo em algumas pessoas. Mas lembre-se de que você está salvando uma vida, portanto, controle-se. ASPIRAÇÃO DE PÓ Faça a criança tossir bastante. Estimule a tosse com leves tapas nas costas. Deite a criança de lado. ANOTAÇÕES: TELEFONES ÚTEIS Os telefones relacionados abaixo são referentes ao município de São Paulo, e podem lhe ser úteis para qualquer eventualidade. • Acidentes de Trânsito - 194 • Água e Esgoto - 195 • SAMU / Pronto Socorro - 192 • Centro de Controle de Zoonose - 6224 5500 • ComGás - 0800 110 197 • Corpo de Bombeiros - 193 • Defesa Civil - 199 • Disque DERSA - 0800 555 510 • EletroPaulo - 0800 196 196 • Hospital das Clínicas - 3069 6000 • Hospital Universitário (USP) - 3039 9200 • IML - 3088 7559 • Instituto Adolfo Lutz - 3068 2800 • Instituto Butantã - 3726 7222 • Instituto Pasteur - 3288 0088
  17. 17. MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR E EMERGÊNCIAS www.3rbrazil.com.br atendimento@3rbrazil.com.br P á g i n a | 17 ABNT RELACIONADAS ABNT 14276.............................................................................................................................Brigada de Incêndio ABNT 15219..................................................................................................Plano de Emergência Contra Incêndio Protocolo Internacional do AHA (American Heart Association) para Manobra de RCP (Reanimação Cardio Pulmonar). Protocolos de Emergências do Corpo de Bombeiros do Estado do Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo. Elaboração: Robson Maziero – Gestor em Segurança e Medicina do Trabalho Referências: - ABNT 14.276/06 (Brigadas de Incêndio). - ABNT 15.219/05 (Plano de Ação Mutua para Edificações e Estabelecimentos Comerciais). Copyright © 2003-2013 3R BRAZIL consultoria e assessoria em gestão empresarial e treinamentos . PROIBIDO A CÓPIA OU REPRODUÇÃO PARCIAL OU TOTAL CONFORME DISPOSTO EM LEI FEDERAL DE DIREITOS AUTORAIS, OS INFRATORES ESTARÃO SUJEITOS AS PENALIDADES PREVISTAS EM LEI.

×