Diagnóstico diferencial hepatoesplenomegalias febris

6.309 visualizações

Publicada em

145 questões sobre as doenças que podem cursar com hepatoesplenomegalias febris.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.309
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.091
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
74
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Diagnóstico diferencial hepatoesplenomegalias febris

  1. 1. DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DAS HEPATOESPLENOMEGALIAS FEBRIS – Prof. Robson1- Em relação à epidemiologia do Calazar, considere as afirmativas abaixo: I- Seus focos de transmissão no Brasil estão espalhados pelos estados do Ceará, Bahia, Minas Gerais, Pernambuco e Rio Grande do Norte. II- Sua transmissão se dá através de flebótomos, sendo a espécie mais importante no Brasil, o “Phlebotomus calazarienses”. III- O cão é o reservatório doméstico mais importante. IV- É doença de alta transmissibilidade, pois toda picada de flebótomo infectado transmite a doença. V- A transmissão se dá através da inoculação de promastigotas pela saliva de flebótomo e exclusivamente através da fêmea.As afirmativas são respectivamente: (F = falsa, V = verdadeira) a) F - V - F - V - V b) V - V - V - F - V c) F - V - V - V - F d) V - F - V - F - V e) F - F - V - V - V2- Em relação à etiopatogenia do Calazar, é correto afirmar que: a) É uma protozoose transmitida através da picada de mosquito do gênero Flebótomos, infectados com Leishmania donovani. b) Acomete principalmente crianças até quatro anos de idade em regiões tropicais (Ceará, Rio Grande do Norte, Alagoas, Sergipe, Bahia, Piauí, Mato Grosso, Goiás, Pará, Maranhão, Paraíba e focos autóctones no Rio de Janeiro). c) Tem período de incubação de dois a cinco meses. d) A Leishmania tem tropismo especial por células do sistema retículo-endotelial, principalmente do baço, fígado, medula óssea, mucosa intestinal e gânglios mesentéricos. e) Todas estão corretas
  2. 2. 3- Com relação a leishmaniose visceral é falso: a) o agente etiológico é a Leishmania brasiliensis b) cursa freqüentemente com invasão da medula óssea c) a hipoproteinemia e a hipergamaglobulinemia é a regra d) o achado de esplenomegalias gigantes é comum e) pode ocorrer na forma assintomática, oligossintomática, aguda ou clássica4- Os sintomas clínicos mais freqüentes do Calazar na criança são: a) hemorragia, anemia, hepatomegalia b) anemia, febre e hepatoesplenomegalia c) púrpura, anemia e febre d) diarréia, febre e hepatoesplenomegalia e) tosse, distensão abdominal e hepatomegalia5- Assinale a endemia brasileira que acomete, sobretudo crianças em idade pré-escolar e que se caracteriza por prolongada anemia, hepatoesplenomegalia, leucopenia, neutropenia e eosinopenia: a) Doença de Chagas b) Calazar c) Malária d) Esquistossomose e) Febre tifóide6- Com relação à leishmaniose visceral (calazar), podemos afirmar: a) os principais reservatórios da L. donovani no Brasil são o cão e a raposa b) o período de incubação é rápido, geralmente de 7-15 dias c) a febre é incomum e não orienta o diagnóstico d) leucocitose com desvio para a esquerda, anemia e plaquetopenia são comuns e) freqüentemente encontramos uma úlcera de bordos elevados, de evolução insidiosa, mas benigna, no local de inoculação
  3. 3. 7- Anemia, febre prolongada, hepatoesplenomegalia e pancitopenia periférica, caracterizam uma doença tropical muito freqüente em nosso meio, o (a): a) malária b) esquistossomose c) leishmaniose d) filariose e) febre amarela8- Para se confirmar a suspeita clínica de leishmaniose visceral, qual é o exame mais indicado? a) pesquisa do parasita em aspirado de medula óssea b) pesquisa do parasita em biópsia de linfonodo c) reação de fixação de complemento para calazar d) reação de Montenegro9- Para o diagnóstico laboratorial da leishmaniose visceral é importante observar: a) anemia, hipoalbuminemia, hipergamaglobulinemia, leucocitose, trombocitose b) anemia, hipoalbuminemia, hipogamaglobulinemia, leucocitose, trombocitopenia c) anemia, hipoalbuminemia, hipergamaglobulinemia, leucopenia, trombocitopenia d) eosinofilia, hipoalbuminemia, hipogamaglobulinemia, leucopenia, trombocitopenia10- Esplenomegalia de 12 cm numa criança de oito anos, preta, desnutrida, com emagrecimento importante, natural da Bahia, que apresenta febre prolongada há 3 meses, sugere: a) toxocaríase e linfoma abdominal b) calazar, esquistossomose com salmonelose septicêmica prolongada e leucemia mielóide crônica c) blastomicose e anemia falciforme d) esquistossomose forma esplênica
  4. 4. 11- Qual das situações abaixo cursa com eosinopenia? a) estrongiloidíase b) leishmaniose c) esquistossomose d) filariose e) malária12- Criança de três anos, sexo feminino, há três meses com febre diária vespertina de 38,5 oC, falta de apetite com emagrecimento, palidez intensa, aumento do volume abdominal e apatia acentuada. Ao exame físico: regular estado geral, distrófica (Peso = 10.800g e Estatura = 92,5cm), prostrada, hipocorada ++/4+, com pequenos gânglios axilares e inguinais bilaterais e indolores. Ausculta cardíaca: RCR, 2T, BNF, SS++/6+ pancardíaco mais audível em ponta sem irradiação. Ausculta respiratória: MV rude, sem adventícios. Abdome: fígado a 5cm do RCD na LHCD, borda romba, superficie lisa e consistência normal. Baço a 8 cm do RCE na LHCE de superfície lisa e consistência normal. Hemograma: 25% Hematócrito, 7.5g/100ml, plaquetas 80.000/mm3, 3.300 leucócitos (4-17-0-0-70-9), 4% linfócitos atípicos; VHS 89mm na primeira hora; hepatograma: normal; coagulograma: PTT diminuído, retração do coagulo incompleta, tempo de sangramento de oito minutos. Qual o diagnóstico para o caso? a) salmonelose septicêmica prolongada b) leucemia linfocítica aguda c) malária d) esquistossomose e) leishmaniose visceral13- Os efeitos colaterais do antimoniato de N-metilglucamina são cumulativos e dose dependente, exceto: a) nefrotoxicidade b) hepatotoxicidade c) cardiotoxicidade d) ototoxicidade e) mialgia14- Em relação ao tratamento da Leishmaniose visceral é falso afirmar que: a) o antimoniato de N-metilglucamina é a droga de escolha, na dosagem de 10-20 mg/kg/dia b) deve haver monitorização hepática, renal e cardíaca c) o tempo de tratamento depende dos parâmetros de cura d) a anfotericina B é uma opção terapêutica quando ocorre comprometimento hepático e) nefrotoxicidade é o efeito colateral mais freqüente do antimoniato de N-metilglucamina15- Paciente de 10 anos de idade, do sexo masculino, procedente do Ceará, apresenta emagrecimento importante desde há seis meses, com aumento do volume abdominal. Refere episódios de fezes amolecidas, sem muco ou pus. Ao exame físico apresenta-se descorado (2+/4+), adenomegalia cervical, com fígado palpável a 5 cm do rebordo costal direito e 6 cm do apêndice xifóide e baço a 7 cm do rebordo costal esquerdo. Apresenta hemoglobina de 8,0g/dl, hematócrito de 27%, leucócitos de 2.500/mm³, plaquetas de 60.000/mm³ e parasitológico de fezes positivo para Shistosoma mansoni. A conduta mais adequada neste caso é: a) medicar com oxamniquina e observar b) iniciar quimioterapia imediatamente, pois a doença já está em estadiamento avançado c) proceder à esplenectomia, para impedir um seqüestro ainda maior de elementos sangüíneos d) proceder à mielograma com biópsia de medula óssea, para elucidar o diagnóstido e) proceder à esplenoportografia para investigar uma possível hipertensão portal
  5. 5. 16- Com relação ao calazar é correto afirmar: a) É doença endêmica no nordeste do Brasil e restrita às áreas rurais b) Acomete principalmente adultos e está relacionada a baixa letalidade mesmo quando não tratada. c) A depressão da imunidade celular é fato que pode ser evidenciado pela intradermorreação (Montenegro) negativa na fase ativa da doença. d) Nas áreas endêmicas, as reações sorológicas são de fundamental importância na confirmação diagnóstica. e) A punção-aspirativa de baço deve ser feita rotineiramente para a confirmação diagnóstica, pois é de alta sensibilidade e baixo risco.17- Esquema terapêutico de eleição para criança portadora de calazar, virgem de tratamentos anteriores e sem evidência de infecção bacteriana intercorrente: a) Anfotericina B - 0.6 mg/kg/dia por 30 dias b) Anfotericina B - 0.6 mg/kg/dia por 30 dias + antibioticoprofilaxia c) N-metil-glucamina - 20 mg/kg/dia IV por 3 a 4 semanas d) Pentamidina por via venosa por 30 dias e) Alopurinol - 10 mg/kg/dia VO por 30 dias18- Qual o mecanismo de ação do glucantime? a) atua no metabolismo do parasita, inibindo a sua glicogenólise e oxidação dos ácidos graxos b) se liga ao ergosterol presente na membrana celular do protozoário, com aumento da permeabilidade celular e ruptura c) interfere na síntese de ácidos nucléicos do parasita, inibindo a síntese protéica d) é hidrolisado em análogo da adenina e incorporado ao RNA da leishmania, inibindo seu crescimento19- Mulher proveniente do norte de Minas Gerais, com 29 anos de idade, refere febre, fraqueza e indisposição para o trabalho há 4 meses. Relata também aumento de volume abdominal e amenorréia há 3 meses. Exame físico: febril, descorada, fígado a 4 cm do rebordo costal direito e baço a 8 cm do rebordo costal esquerdo, ambos de consistência firme e pouco dolorosos. Com base nesses dados pode-se afirmar que: a) A hipótese de calazar deve ser considerada, e o agente etiológico deve ser pesquisado por hemocultura e urocultura. b) Se a hipótese de calazar for considerada deve-se iniciar tratamento empírico, uma vez que dificilmente se consegue demonstrar o agente etiológico. c) A hipótese de calazar não deve ser considerada porque a paciente é proveniente de zona não endêmica para calazar. d) Não há condições de se confirmar o diagnóstico de calazar, uma vez que as condições hematólogicas observadas nesta doença, contra indicam a punção medular e/ou esplênica para pesquisa do agente etiológico. e) Caso se confirme a hipótese de calazar, deve-se levar em conta que as principais complicações nesta fase da doença são hemorragias e infecções bacterianas secundárias.20- O último exame a normalizar no controle de cura do calazar é: a) mielograma b) hematócrito c) leucometria d) eletroforese de proteínas e) velocidade de hemossedimentação21- Uma criança, proveniente do Ceará há quatro meses, está há dois meses acometido de doença febril, que evoluiu com visceromegalias progressivas, adenopatia generalizada, pancitopenia e gamopatia policlonal. As hemoculturas foram persistentemente negativas. O dianóstico mais adequado para o caso é: a) enterobacteriose septicêmica prolongada b) esquistossomose hepatoesplênica c) leishmaniose visceral d) doença de Chagas
  6. 6. 22- Das alternativas abaixo, a que não tem valor como critério de cura para uma criança com calazar, submetida a tratamento, é: a) redução dos títulos na imunofluorescência indireta b) manutenção da anergia ao teste de Montenegro c) desaparição da pancitopenia d) regressão da esplenomegalia23- A intradermorreação de Montenegro é elemento auxiliar no diagnóstico de: a) leishmaniose b) linfogranuloma venéreo c) cancro mole d) paracoccidioidomicose e) tuberculose24- Adolescente proveniente do norte de Minas Gerais, com 15 anos de idade, refere febre, fraqueza e indisposição. Relata também aumento do volume abdominal e amenorréia há três meses. Exame físico: febril, descorada, fígado a 4cm do rebordo costal direito e baço a 8cm do rebordo costal esquerdo, ambos de consistência firme e pouco dolorosos. Com base nesses dados podemos afirmar que: a) a hipótese de calazar deve ser considerada, e o agente etiológico deve ser pesquisado por hemocultura e urucultura b) se a hipótese de calazar for considerada deve-se iniciar tratamento empírico, uma vez que dificilmente se consegue demonstrar o agente etiológico c) a hipótese de calazar não deve ser considerada porque a paciente é proveniente de zona endêmica para calazar d) não há condições de se confirmar o diagnóstico de calazar, uma vez que as condições hematológicas observadas nesta doença contra-indicam a punção medular e/ou esplênica para pesquisa do agente etiológico e) caso se confirme a hipótese de calazar, deve-se levar em conta as principais complicações nesta fase da doença são hemorragias e infecções bacterianas secundárias25- Pré-escolar de três anos de idade apresenta história de febre há um mês. Exame físico: palidez cutâneo- mucosa intensa, emagrecimento, micropoliadenopatia, fígado a 4cm do rebordo costal direito e baço há 6cm do rebordo costal esquerdo. Exames complementares: Hemograma: pancitopenia; parasitológico de fezes: negativo; proteinograma: albumina de 2g/dl e globulina de 4g/dl. O diagnóstico clínico mais provável é: a) esquistossomose hepatoesplênica b) leucemia linfoblástica aguda c) síndrome hamofagocítica d) leishmaniose visceral e) mucopolissacaridose
  7. 7. 26- Em relação à leishmaniose tegumentar americana é falso afirmar: a) Em geral a lesão cutânea regride e após alguns anos aparece a lesão na mucosa, especialmente na mucosa nasal (septo cartilagíneo). b) O diagnóstico pode ser feito através da Reação de Montenegro, intradermorreação à leishmania. c) A droga de escolha é o antimoniato de n-metilglucamina d) Nos casos de infecção por Leishmania brasiliensis está indicada a infiltração intralesional de antimoniato. e) A anfotericina B está indicada nos doentes que não respondem aos antimoniais.27- JSO, seis anos, relata que há oito meses apareceu uma lesão semelhante à picada de inseto em pavilhão auricular direito. Houve um aumento da lesão que chegou a ocupar toda a porção superior do pavilhão auricular envolvido. Nega prurido, calor ou rubor. Não há outros casos semelhantes nos familiares. Ao exame físico: criança eutrófica, em bom estado geral, afebril (36,5°C). Presença de lesão em região posterior do pavilhão auricular direito, crostosa, com leve edema e hiperemia em sua borda superior, indolor à palpação, fundo róseo, granular, sem secreção. Ausência de adenomegalias. Ausculta cardíaca e pulmonar normais. Abdome flácido, plano, sem visceromegalias. Sem outras anormalidades ao exame clínico. Qual a hipótese diagnóstica? a) Tumor sarcóide b) Hanseníase c) Esporotricose d) Leishmaniose cutânea28- Em relação à Leishmaniose cutânea, é correto afirmar: a) As manifestações cutâneas apresentam crescimento lento, são habitualmente indolores e não pruriginosas. b) As lesões cutâneas podem surgir semanas ou meses após a picada do inseto. c) O diagnóstico é mais bem definido pelo exame de material colhido da lesão por biópsia. d) Os critérios de cura são: 1° ausência de recidiva após três anos de tratamento; 2ª regressão da lesão ao final do tratamento, ou mesmo após um mês do término do mesmo. e) Todas as afirmativas são verdadeiras.29- Das drogas abaixo, aquela que não é usada no tratamento da leishmaniose tegumentar é: a) pentamidina b) antimoniais c) pirimetamina d) anfotericina B
  8. 8. 30- Em relação à epidemiologia da esquistossomose, assinale a afirmativa errada: a) a transmissão ocorre somente quando na região em questão houver caramujo hospedeiro do gênero biomphalaria b) condições ambientais e hábitos de vida são fundamentais na transmissão da doença c) os caramujos só são encontrados em córregos de água limpa, sem matéria orgânica e vegetação d) as crianças desempenham papel importante na transmissão peridomiciliar e) os reservatórios extrahumanos não são fundamentais na disseminação da esquistossomose31- Em relação à Esquistossomose mansônica, a patogenia da doença é causada pela(s): a) reações imunológicas determinadas pelos vermes adultos no sistema porta b) reações imunológicas determinadas pelos vermes mortos no sistema porta c) reações imunológicas determinadas pelos ovos do Schistosoma mansoni d) carga parasitária adquirida na fase aguda e) reações imunológicas decorrentes da reinfestação32- Com relação à esquistossomose mansônica assinale a alternativa errada: a) as manifestações clínicas do período de estado de fase aguda surgem 4-6 semanas após a contaminação b) é sempre um quadro grave c) no período pré-postural podem ocorrer fenômenos urticariformes d) no período postural ocorre hepatomegalia dolorosa e) o período de estado normalmente é de resolução espontânea33- A esquistossomose é causa de hipertensão portal do tipo: a) pós-sinusoidal pós-hepática b) sinusoidal c) pós-sinusoidal intra-hepática d) pré-sinusoidal
  9. 9. 34- Nas áreas endêmicas de esquistossomose, as formas clínicas de maior prevalência e de maior morbidade são, respectivamente: a) hepatointestinal e hepatoesplênica b) hepatoesplênica e hepatointestinal c) aguda e hepatointestinal d) aguda e hepatoesplênica35- Menino de 12 anos, branco, 27kg, procedente da Bahia. Internado com quadro agudo de vômitos biliosos. Regular estado geral, pálido ++. Ausência de adenopatia, desidratação e alterações no aparelho cardiorrespiratório. Abdome: flácido, fígado 4cm do rebordo costal e a 10cm do apêndice xifóide, borda romba, superfície lisa; lobo E exuberante. Baço a 3cm, liso, duro. Evolução: dores abdominais, diarréia mucossanguinolenta e febre. Hemograma: anemia, leucopenia, eosinofilia, sem desvio à E. Aumento discreto de TGP. Coprocultura negativa. Eletroforese de proteínas: discreto aumento de alfa-1, alfa-2 e gamaglobulina. Qual a principal hipótese diagnóstica: a) Leishmaniose visceral b) Malária c) Salmonelose septicêmica prolongada d) Febre tifóide e) Esquistossomose36- Na esquistossomose aguda os dois exames suficientes para o diagnóstico são: a) biópsia retal + leucograma b) exame parasitológico de fezes + leucograma c) biópsia retal + endoscopia retal d) leucograma + intradermo-reação37- Dentre os listados abaixo, qual o melhor método para realização do exame parasitológico de fezes quando se quer confirmar o diagnóstico de esquistossomose? a) Willis b) Baermann-Morais c) Lutz d) Grahan e) Faust38- Só podemos afastar o diagnóstico de esquistossomose, quando: a) três exames de fezes seguidos forem negativos b) após exames de fezes negativos encontramos uma intradermorreação também negativa c) após biópsia retal negativa d) após biópsia hepática que nada revele de anormal e) somente após realizarmos a prova terapêutica39- Paciente com hepatoesplenomegalia, eosinofilia, tem seu diagnóstico confirmado através de biópsia retal. Qual sua conduta terapêutica? a) prednisona b) colchicina c) oxamniquine d) interferon alfa40- O tratamento adequado da Esquistossomose mansônica na fase aguda pode encurtar o tempo de duração desta de 3 a 4 meses para 7 a 10 dias e consta de: a) Prednisona + Hycanthone b) Niridazol + Oxamniquine c) Oxamniquine + Prednisona d) Hycanthone + Praziquantel
  10. 10. 41- Paciente portador de esquistossomose hepatoesplênica apresenta os seguintes dados num hemograma de rotina: Hemoglobina = 9,3g%; leucócitos 1.600/mm3 com diferencial normal e 40.000 plaquetas/mm3. Pensando no diagnóstico mais provável, qual seria sua conduta: a) biópsia de medula óssea, afastamento de todas as drogas e produtos químicos suspeitos e corticoterapia b) mielograma e acompanhamento clínico desse paciente c) mielograma e em seguida planejamento para esplenectomia eletiva d) pesquisa de FAN, Coombs D e anticorpos antiplaqueta e caso houvesse positividade em um desses exames, corticoterapia em dose imunossupressora e) prova terapêutica com ácido fólico e vitamina B1242- Com relação à esquistossomose, é falso: a) há cerca de 10 a 12 milhões de pacientes contaminados no Brasil b) a forma mais comum em nosso meio é a hepato-esplênica (no RJ) c) o oxamniquine é a droga de escolha para o tratamento d) o controle de cura deve ser feito pelo método de Kato-Katz43- Paciente de 10 anos de idade, do sexo masculino, procedente do Ceará, apresenta emagrecimento importante desde há seis meses, com aumento do volume abdominal. Refere episódios de fezes amolecidas, sem muco ou pus. Ao exame físico apresenta-se descorado (2+/4+), adenomegalia cervical, com fígado palpável a 5 cm do rebordo costal direito e 6 cm do apêndice xifóide e baço a 7 cm do rebordo costal esquerdo. Apresenta hemoglobina de 8,0g/dl, hematócrito de 27%, leucócitos de 2.500/mm³, plaquetas de 60.000/mm³ e parasitológico de fezes positivo para Shistosoma mansoni. A conduta mais adequada neste caso é a) medicar com oxamniquina e observar b) iniciar quimioterapia imediatamente, pois a doença já está em estadiamento avançado c) proceder à esplenectomia, para impedir um seqüestro ainda maior de elementos sangüíneos d) proceder à mielograma com biópsia de medula óssea, para elucidar o diagnóstido e) proceder à esplenoportografia para investigar uma possível hipertensão portal44- A contra-indicação para tratamento de esquistossomose é: a) epilepsia b) forma aguda c) mielite transversa d) forma hepatoesplênica e) gravidez no 3° trimestre
  11. 11. 45- Com relação à esquistossomose mansoni a seguinte afirmativa é correta: a) as formas agudas são freqüentes entre nós b) há uma nítida redução no número de pacientes esquistossomóticos que apresentam formas hepatoesplênicas graves, com hipertensão portal, revelando certo controle da transmissão de S. mansoni, mesmo em áreas de alta endemicidade c) é freqüente o aparecimento precoce de sinais de insuficiência hepática nos casos de esquistossomose hepatoesplênica d) o encontro de níveis de transaminases (AST e ALT) elevados nos pacientes esquistossomóticos é freqüente e dá-se em decorrência das alternativas histopatológicas típicas dessa infecção e) as formas pulmonares de esquistossomose instalam-se, via de regra, na ausência de hepatoesplenomegalia com hipertensão portal46- Paciente com procedência remota de Sergipe, morando em São Paulo há 10 anos, é atendido com quadro de hematêmese de média intensidade. Ao exame físico apresenta fígado a 5cm do rebordo costal direito e baço a 4cm do rebordo costal esquerdo, ambos endurecidos; há ausência de telangiectasias, flapping e ascite. Neste caso é correto afirmar que: a) Deve-se levar em conta a hipótese de esquistossomose mansônica, fase crônica, forma hepatoesplênica com hipertensão portal descompensada, embora o paciente relate ter sido tratado com oxamniquina, três meses antes do episódio de hematêmese. b) Deve-se levar em conta a hipótese de esquistossomose mansônica, fase crônica, forma hepatoesplênica com hipertensão portal compensada, uma vez que o paciente não apresenta ascite ao exame físico. c) Descarta-se a hipótese de esquistossomose mansônica, fase crônica, forma hepatoesplênica com hipertensão portal, uma vez que o paciente não apresenta, ao exame físico, sinais clínicos de insuficiência hepática crônica. d) Descarta-se a hipótese de esquistossomose mansônica, fase crônica, forma hepatoesplênica com hipetensão portal, uma vez que o paciente há está fora de área endêmica há 10 anos. e) Não há condições para se confirmar o diagnóstico de esquistossomose mansônica, uma vez que a ocorrência de hematêmese contra-indica a biópsia hepática.47- A esquistossomose mansônica representa uma grande epidemia que acomete cerca de 10% da população brasileira, especialmente aqueles menos favorecidos do ponto de vista socioeconômico. Em relação a essa doença, podemos afirmar o seguinte: a) as formas graves hepatoesplênicas descompensadas, são as suas mais freqüentes manifestações clínicas b) a grande medida para a erradicação da doença em nosso meio reside na melhoria das condições de saneamento básico c) a associação com outras doenças, especialmente febre tifóide, confere características de extrema gravidade à esquistossomose d) as diferentes manifestações pulmonares da esquistossomose dependem apenas de fenômenos imuno- alérgicos em resposta à presença do verme no sangue e) o diagnóstico da esquistossomose deve ser sempre confirmado através de reações sorológicas adequadas48- O que condiciona o aparecimento de salmonelose septicêmica prolongada é a seguinte helmintíase: a) Ascaridíase b) Himenolepíase c) Estrongiloidíase d) Esquistossomose mansônica49- A contra-indicação para tratamento de esquistossomose é: a) epilepsia b) forma aguda c) mielite transversa d) forma hepatoesplênica e) gravidez no 3º trimestre
  12. 12. 50- A respeito da esquistossomose mansônica, assinale a opção incorreta: a) O comprometimento hepático na esquistossomose mansônica se caracteriza pela fibrose de Symmers e alterações precoces das provas de função hepática b) O envolvimento do sistema nervoso central é raro e acomete preferencialmente a medula espinhal c) Glomerulopatia com síndrome nefrótica é observada em alguns pacientes com a forma hepatoesplênica da doença d) Cor pulmonale ocorre em alguns pacientes com a forma avançada da doença e) Na esquistossomose mansônica, o aumento inicial do fígado ocorre usualmente no lobo esquerdo51- Atualmente é o fármaco de escolha para a esquistossomose? a) Niclosamida b) Praziquantel c) Tiabendazol d) Mebendazol e) Metronidazol52- Em relação à epidemiologia e profilaxia da malária, podemos afirmar que: a) A distribuição dos casos se dá, no Brasil, eqüitativamente entre as três espécies de Plasmodium falciparum, vivax e malariae b) A persistência do Plasmodium vivax no corpo humano, na ausência de tratamento eficiente, é cerca de cinco anos c) O maior problema para o controle da doença no Brasil deve-se ao fato dos vetores serem amplamente resistentes ao DDT d) As malárias de macacos podem afetar o homem, com graves manifestações clínicas, parasitemias elevadas e letalidade que lembra aquela por Plasmodium falciparum e) A profilaxia individual atualmente mais recomendada consiste no uso semanal de 300mg de cloroquina durante um mês após ter deixado a área53- Apesar de a malária ser transmitida a uma criança através de uma transfusão de sangue ou congenitamente, o método natural de transmissão é por: a) ingestão de alimento ou água contaminados b) inalação de gases derivados de um brejo tropical c) picada de uma mosca tsé-tsé d) picada de uma mosquito Anopheles e) inalação de parasitas do ar54- Hematozoário que causa malária grave, potencialmente letal e associada a altas taxas de parasitemia assexuada (>100.000/mm³): a) Plasmodium vivax b) Plasmodium falciparum c) Plasmodium ovale d) Plasmodium malariae
  13. 13. 55- Com relação à malária, é falso: a) o Plasmodium malariae é o que apresenta maior gravidade b) o período de incubação varia de acordo com a espécie do Plasmodium c) o diagnóstico é realizado pelo método sorológico de imunofluorescência d) é uma das mais importantes endemias do Brasil e) confere imunidade parcial não protetora contra novas infecções56- O período de incubação da malária pelo Plasmodium falciparum é de: a) 8-12 dias b) 12-16 dias c) 14-21 dias d) 21-28 dias57- Velejando pelos rios da Amazônia, sem ter feito prévia imunização, uma criança contraiu malária. O intervalo entre os paroxismos febris era de 72 horas, o que sugere que o agente etiológico desse processo infeccioso era da seguinte espécie de plasmódio: a) P. vivax b) P. ovale c) P. malariae d) P. falciparum58- Menina de 2 anos e 9 meses, procedente do Amazonas. Há mais ou menos 3 semanas vem apresentando picos febris diários que não cedem com antitérmicos. Refere, às vezes, episódios de calafrios intensos, vômitos, anorexia e palidez. Nega tosse. Exame físico: peso = 13.000g, E = 85 cm; FR = 52, FC = 160. Regular estado geral e nutritivo. Apática. Palidez cutâneo-mucosa ++. Protoparasitológico negativo, Urina tipo I normal, 5 hemoculturas negativas, PPD = negativo, raios X tórax normais, hemograma: GV = 2.740.000; Hb = 6g%; VCM = 92; CHCM = 27%; leucócitos = 4.800 (0, 16, 22, 0, 46, 8). Mielograma: celularidade normal nas 3 séries. Megacariócitos abundantes em função plaquetogênica. Numerosos trofozoítas e esquizontes adultos. Qual a principal hipótese diagnóstica? a) Leishmaniose visceral b) Salmonelose septicêmica prolongada c) Esquistossomose d) Malária por Plasmodium vivax e) Leucemia linfocítica aguda59- Sobre a síndrome ictérica na malária é incorreto afirmar: a) é sinal de alerta para complicações b) instala-se de maneira insidiosa c) reflete hemólise intravascular, colestase intra-hepática e alterações funcionais dos hepatócitos d) ocorre em geral na segunda semana de doença e) ocorre aumento das bilirrubinas, transaminases e fosfatase alcalina
  14. 14. 60- É a complicação mais freqüente na malária: a) insuficiência renal b) coagulação intravascular disseminada c) síndrome do desconforto respiratório d) malária cerebral e) anemia grave61- Sobre a pesquisa dos parasitas da malária é incorreto afirmar: a) É realizada pelo exame de sangue em esfregaço ou gota espessa. b) O melhor momento para a colheita do sangue da polpa digital, para o esfregaço ou gota espessa, é durante a fase de sudorese. c) Na malária por Plasmodium falciparum observamos apenas as formas trofozoítas jovens ao exame microscópico d) Na malária por Plasmodium vivax o aspecto microscópico evidencia todos os estágios de maturação das formas assexuadas do parasita. e) Os gametócitos são fundamentais para o reconhecimento microscópico da espécie envolvida no episódio de malária.62- Como a malária cerebral pode ser fatal em até 24 horas, em qualquer criança com sintomas sugestivos e/ou com história de recente viagem a área endêmica, que procedimento confirmador deverá ser imediatamente invocado? a) testes sorológicos para anticorpos específicos b) TC do cérebro c) urinálise quanto à hematúria d) tomada da temperatura com intervalos de 6 horas, para verificar a intermitência da febre e) exame microscópico das lâminas de sangue
  15. 15. 63- A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda classificar a malária como indeterminada se não houver o reconhecimento de gametócitos nas lâminas e deve-se sempre presumir infecção pelo: a) Plasmodium vivax b) Plasmodium malariae c) Plasmodium ovale d) Plasmodium falciparum64- Cloroquina é uma droga de ação antimalárica que age por: a) intercalação no DNA do parasita b) interferência com os lisossomas do parasita prejudicando a degradação da hemoglobina do hospedeiro como seu alimento c) interferência com a membrana do parasita, instabilizando-a d) inibe a respiração mitocondrial do parasita e) nenhuma destas ações65- Para uma criança admitida com o diagnóstico de malária cerebral, a primeira escolha de tratamento deverá ser: a) quinina ou quinidina parenteralmente b) cloroquina c) tetraciclina d) combinação pirimetamina-sulfadoxina, parenteralmente e) primaquina por um período de 14 dias66- Droga utilizada no tratamento da malária falciparum em paciente grávida: a) cloroquina b) clindamicina c) quinina d) primaquina e) mefloquina67- Droga de escolha na quimioterapia da malária falciparum grave em adultos e crianças: a) artesunato endovenoso b) quinina endovenosa c) cloroquina endovenosa d) clindamicina endovenosa
  16. 16. 68- O tratamento da malária pelo Plasmodium malariae é realizado com: a) cloroquina + primaquina b) cloroquina c) quinina + tetraciclina d) mefloquina e) artemeter69- Uma criança que há 2 semanas regressou da Amazônia é admitida em estado de coma, com febre alta e baço palpável. O fígado não está aumentado. Os exames laboratoriais revelam hipoglicemia, mas o LCR é essencialmente normal. A investigação diagnóstica imediata deverá ser: a) neoplasia pancreática b) meningite pneumocócica c) malária falcípara d) leishmaniose visceral e) febre dengue hemorrágica70- Em paciente com malária falcípara sensível à cloroquina, adquirida por transfusão, o tratamento que deve ser instituído é: a) cloroquina e primaquina b) quinino e cloroquina c) quinino e primaquina d) cloroquina e) quinino71- O tratamento global de pacientes em coma malárico, não está indicado o uso de: a) primaquina b) corticóide c) quinino venoso d) restrição hídrica e) suplementação de glicose72- O uso de primaquina em malária justifica-se pela sua ação sobre as seguintes formas evolutivas: a) gametócitos de Plasmodium vivax b) esquizontes de Plasmodium vivax c) gametócitos de Plasmodium falciparum d) esquizontes de Plasmodium falciparum73- Uma criança adquire malária por transfusão de sangue. O quadro clínico apresenta certa gravidade, e o diagnóstico parasitológico é de malária por Plasmodium vivax. O tratamento necessário e suficiente faz- se com o uso de: a) quinino b) cloroquina c) sulfa e pirimetamina d) cloroquina e primaquina
  17. 17. 74- Considere as afirmativas abaixo, relativas à malária: I- A transmissão da malária é diretamente porporcional aos vetores que ocorrem em altas densidades e têm vida longa II- A hiperglicemia é complicação comum da malária grave III- O diagnóstico de malária pode ser feito na demonstração de formas assexuadas do parasito em esfregaços de sangue periférico corados pela técnica de RomanowskyDe acordo com as afirmativas, pode-se dizer que: a) Somente I e II são corretas b) I, II e III são corretas c) Somente I e III são corretas d) Somente II é correta e) Somente III é correta75- Em uma área onde a presença do Anopheles é conhecida, não há relato de malária há 10 anos. Neste período não se evidenciou contaminação dos vetores. Recentemente ocorreram dois casos da doença em moradores de um mesmo domicílio. A investigação epidemiológica dos casos concluiu que o primeiro foi importado, e o segundo, autóctone em conseqüência do primeiro. As medidas de controle mais adequadas, que devem ser tomadas com o objetivo de impedir que a malária se torne endêmica na região, são: a) isolar os doentes e fazer quimioprofilaxia nos contactantes domiciliares b) intensificar a busca ativa na área e instituir quimioprofilaxia nos casos suspeitos c) fazer quimioprofilaxia nos moradores da vizinhança e controle do surgimento de novos casos d) fazer quimioprofilaxia nos moradores do mesmo domicílio dos casos e controle do surgimento de novos casos e) intensificar o controle do vetor na área (focos naturais e domicílios) e intensificar a vigilância epidemiológica específica76- Quando não se dispõe de quinino, a malária grave causada pelo Plasmodium falciparum deve ser tratada inicialmente com: a) cloroquina b) amodiaquina c) sulfadoxina + pirimetamina d) quinidina e) tetraciclina77- Cloroquina é uma droga de ação antimalárica que age por: a) intercalação no DNA do parasita b) interferência com lisossomas do parasita prejudicando a degradação da hemoglobina do hospedeiro como seu alimento c) interferência com a membrana do parasita, instabilizando-a d) nenhuma destas ações
  18. 18. 78- Assinale a melhor opção sobre a terapia adequada para suspeita de infecção por Plamodium falciparum cloroquina-resistente: a) mefloquina, 750mg VO, dose única b) sulfato de quinina, 650mg VO, a cada 8 horas, por 10 dias c) doxiciclina 100mg, VO, a cada 12 horas, por 10 dias d) pirimetamina 75mg mais sulfadoxina 1.500mg VO, dose única e) todas as alternativas anteriores estão corretas79- Com relação à malária, é falso: a) O Plasmodium malariae é o que apresenta maior gravidade b) O período de incubação varia de acordo com a espécie do Plasmodium c) O diagnóstico é realizado pelo método sorológico de imunofluorescência d) É uma das mais importantes endemias do Brasil80- Qual a droga de escolha para a profilaxia da malária? a) Quinolonas b) Cloroquina c) Oxamniquine d) Praziquantel81- Velejando pelos rios da Amazônia, sem ter feito prévia imunização, um adolescente contraiu malária. O intervalo entre os paroxismos febris era de 72 horas, o que sugere que o agente etiológico desse processo infeccioso era da seguinte espécie de plasmódio: a) P. vivax b) P. ovale c) P. malariae d) P. falciparum82- As desordens genéticas e estruturais das hemácias podem proteger contra malária causada pelo seguinte Plasmodium: a) vivax b) ovale c) malariae d) falciparum83- Com relação às patologias causadas por protozoários, assinale a opção correta: a) O tratamento da Leishmaniose cutâneo-mucosa é feito com glucantime, na dose de 50mg/kg de antimônio, durante 21 dias b) Os pacientes com Plasmodium falciparum podem recair após a terapêutica com cloroquina, em virtude das formas exoeritrocitárias latentes no fígado c) Os pacientes com deficiência de glicose-6fosfato-desidrogenase (G6PD) podem apresentar hemólise ao usarem primaquina d) No hemograma de paciente com Leishmaniose visceral, encontra-se leucocitose com linfopenia e) O complexo leishmania mexicana manifesta-se mais freqüentemente com úlceras mucocutâneas84- Cada uma das afecções seguintes aumenta a susceptibilidade para a infecção por salmonela, exceto: a) anemia falciforme b) hiperacidez gástrica e doença ulcerosa c) lúpus d) malária e) doença de Hodgkin
  19. 19. 85- O período de incubação da febre tifóide é: a) duas a seis horas b) 3 a 4 dias c) de uma a três semanas d) um mês a dois meses e) até 1 ano86- Paciente com febre tifóide. Qual das afirmativas abaixo não corresponde à verdade quanto a seu quadro clínico? a) o sinal mais comum é a febre b) hepatoesplenomegalia discreta é encontrada em mais da metade dos pacientes c) dissociação pulso-temperatura é um achado muito sugestivo de febre tifóide d) a diarréia predomina dentre as queixas digestivas e raramente observamos constipação e) obstipação é muito freqüente, mas pode ocorrer diarréia moderada ou severa em 20% dos doentes87- Na febre tifóide, a diarréia: a) é sempre de ocorrência precoce b) nunca está relacionada com a perfuração intestinal que ocorre em 50% dos doentes não tratados c) é sempre de ocorrência tardia d) é manifestação precoce da doença em alguns pacientes e tardia em muitos outros e) sempre está relacionada com a perfuração intestinal que ocorre em 100% dos doentes não tratados88- Um menino de 6 anos, previamente hígido, é admitido com uma história de febre alta (39-40oC), cefaléia, vômitos e mialgias há 8 dias. O exame clínico mostra um paciente com febre de 39,5 oC, freqüência cardíaca de 64 bpm, presença de pequenas lesões eritemato-papulares na parede anterior do tórax, hepatomegalia e esplenomegalia. Constipado na primeira semana de doença, há 24 horas vem apresentando diarréia. O diagnóstico mais provável é: a) abscesso hepático b) pancreatite c) febre tifóide d) endocardite infecciosa e) abscesso perinéfrico89- Paciente com quadro de constipação intestinal, prostração intensa, dor abdominal e bradicardia há 3 dias. Qual o melhor método diagnóstico no momento ? a) hemocultura b) coprocultura c) reação de Widal d) parasitológico de fezes90- Uma criança foi internada com quadro de cefaléia, febre e dor abdominal com mais ou menos cinco dias de evolução. Diante da suspeita de febre tifóide, o exame que pode confirmar o diagnóstico nessa fase é: a) hemocultura b) coprocultura c) urinocultura d) reação de Widal91- O melhor (mais sensível) espécime de cultura para diagnosticar a S. typhi (febre entérica) é: a) sangue b) fezes c) líquido cefalorraquidiano d) aspirado gástrico e) aspirado de medula óssea
  20. 20. 92- Qual o melhor método diagnóstico para febre tifóide na primeira semana da doença ? a) hemocultura b) coprocultura c) cultura de urina d) Sabin Feldman93- Em relação à Febre Tifóide, é falso: a) as hemoculturas positivas são apanágio das 2 primeiras semanas de doença b) o melhor método para o controle de cura é a reação de Widal c) o antibiótico de escolha para o tratamento é o cloranfenicol d) a ampicilina está indicada para o tratamento dos portadores crônicos94- Em relação à febre tifóide, podemos afirmar que: a) na reação de Widal, o título de anticorpo anti-antígeno "O" superior a 1:640 é altamente significativo e específico para febre tifóide b) a hemocultura é positiva a partir da quarta semana, sendo portanto necessário aguardar o início do antibiótico até que esta possa ser realizada c) a coprocultura geralmente é negativa na primeira semana e geralmente torna-se positiva a partir da terceira semana d) o anticorpo anti-antígeno "H" somente pode ser detectado na infecção por Salmonella typhi, sendo negativo para outras salmoneloses e) a cultura de medula óssea raramente é positiva para a febre tifóide, pois a Salmonella typhi não parasita este órgão95- Qual a complicação mais comum da febre tifóide? a) miocardite b) pneumonia c) obstrução intestinal d) enterroragia e) peritonite96- As perfurações que ocorrem no aparelho digestivo por febre tifóide são localizadas: a) no sigmóide b) no jejuno c) no íleo d) no colo ascendente97- Na terapêutica da febre tifóide, são drogas de grande importância: a) cloranfenicol, ampicilina e cotrimoxazol b) ampicilina, eritromicina e ácido nalidíxico c) cloranfenicol, cotrimoxazol e ácido nalidíxico d) ampicilina, cloranfenicol e eritromicina e) nenhuma das anteriores98- Assinale a alternativa correta quanto à febre tifóide: a) leucocitose com desvio à esquerda e aneosinofilia é o hemograma típico desta doença b) são drogas usadas no tratamento: cloranfenicol, ampicilina, eritromicina e cotrimoxazol c) hemorragia e perfuração intestinal, pneumonia e abscessos à distância são complicações d) paciente com suspeita clínica de febre tifóide tem como resultado da reação de Widal título superior a 1:100 e anti-H superior a 1:80, na segunda semana da doença. Estes valores, conjuntamente com o quadro clínico, definem o diagnóstico de febre tifóide e) todas as alternativas estão erradas
  21. 21. 99- Não deve ser utilizada rotineiramente no controle da febre tifóide: a) notificação b) isolamento, orientação quanto aos cuidados com o destino dos dejetos, higiene pessoal e dos alimentos c) controle de comunicantes e de portadores d) vacinação e) proteção, purificação e cloração da água100- Um paciente que teve febre tifóide continua eliminando a bactéria nas fezes, mesmo depois da antibioticoterapia específica. Para se erradicar este seu estado de portador, deve-se realizar a cirurgia do tipo: a) ilectomia b) proctectomia c) colecistectomia d) apendicectomia e) hemicolectomia direita101- Na salmonelose intestinal em crianças internadas, o antimicrobiano de eleição a ser utilizado é: a) ampicilina b) cloranfenicol c) cotrimoxazol d) eritromicina e) nenhum dos acima102- Tem efeito bactericida sobre as salmoneloses: a) colostro humano b) leite humano c) os dois acima d) nenhum dos acima103- A doença que entra no diagnóstico diferencial do período de estado da febre tifóide é: a) leptospirose b) cosxackiose c) shigelose d) amebíase e) malária104- A alta médica definitiva de uma pessoa com febre tifóide dá-se normalmente após negativação da: a) hemocultura b) urinocultura c) coprocultura d) mielocultura105- Um menino de 6 anos de idade, previamente hígido, é admitido com uma história de febre alta (39- 40°C), cefaléia, vômitos e mialgias há 8 dias. O exame clínico mostra um paciente com febre de 39,5°C, freqüência cardíaca de 64 bpm, presença de pequenas lesões eritemato-papulares na parede anterior do tórax, hepatomegalia e esplenomegalia. Constipado na primeira semana de doença, há 24 horas vem apresentando diarréia. O diagnóstico mais provável deste paciente é: a) Abscesso hepático b) Pancreatite c) Abscesso perinéfrico d) Febre tifóide e) Endocardite bacteriana
  22. 22. 106- Entre as principais causas de morbidade para as doenças de veiculação hídrica encontram-se: a) Dengue, malária, salmonelose e poliomielite b) Febre tifóide, poliomielite, malária e salmonelose c) Filariose, cólera, hepatite infecciosa e febre tifóide d) Febre tifóide, febre amarela, cólera e hepatite infecciosa e) Febre tifóide, cólera, febre paratifóide e hepatite infecciosa107- Com relação às manifestações clínicas da febre tifóide é falso: a) A febre é o sinal mais freqüente b) A diarréia predomina dentre as manifestações digestivas, porém, raramente podemos observação constipação c) Hepatoesplenomegalias discretas são encontradas em mais de 50% dos casos d) Dissociação pulso-temperatura é um achado muito sugestivo da doença108- Em paciente com febre tifóide e intolerância ao cloranfenicol, o antibiótico de escolha para o combate à doença é: a) neomicina b) ampicilina c) lincomicina d) vancomicina e) tetraciclina109- Paciente internado há 3 dias com quadro de febre de 39°C, cefaléia, tosse seca, hepatoesplenomegalia e bradicardia relativa (FC = 72bpm). Levando-se em conta a suspeita de febre tifóide, o método que mais provavelmente confirmaria o diagnóstico na época da internação seria: a) Hemocultura b) Urinocultura c) Coprocultura d) Reação de Widal110- Em relação à febre tifóide, é incorreto afirmar: a) cloranfenicol e corticóides podem ter ação depressora sobre o aparecimento das aglutininas anti-O e anti-H b) a vacinação antitífica promove elevação das aglutininas anti-O e anti-H c) pode-se isolar s Salmonella typhi ds roséolas tíficas d) não existe Salmonella typhi resistente ao cloranfenicol e) o antígeno Vi é específico da Salmonella typhi e das Salmonellas para-typhi B e C111- Paciente com febre alta, hepatoesplenomegalia, bradicardia e com história de maus hábitos higiênicos. O hemograma mostra leucopenia (2.500) com neutropenia e linfomonocitose relativa. Qual sua principal hipótese? a) Toxoplasmose b) Febre tifóide c) Malária d) Leptospirose112- Uma criança com febre, tosse, hepatoesplenomegalia e eosinofilia, tem vários exames de fezes negativos para ovos e parasitas. O parasita que está associado com este quadro é: a) Ascaris lumbricoides b) Toxocara canis c) Dracunculus medinensis d) Entamoeba hystolitica e) Ancylostoma duodenale
  23. 23. 113- Menina branca de 2 anos, com história de febre há 6 dias e chiado no peito há 2 dias. Hoje piora do quadro com intensa falta de ar. Há relato de geofagia. Exame físico: febril, dispnéica com tiragem intercostal e diafragmática. Pulmão: expiração prolongada, estertores subcrepitantes. Abdome: fígado = 3cm e baço = 2cm. Exames: 37.200 leucócitos (6,13,65,12,4). Exame de fezes negativo. Eletroforese de proteínas = hipergamaglobulinemia. PPD = negativo. Raios X de tórax = padrão sugestivo de bronquite bilateral. A principal hipótese diagnóstica é: a) Síndrome de Löeffler b) Leishmaniose visceral c) Salmonelose septicêmica prolongada d) Toxocaríase e) Broncopneumonia estafilocócica114- Pré-escolar de dois anos de idade, ativo e em bom estado geral, é trazido ao consultório por apresentar quadro febril há 48 horas. Apresenta fígado palpável a 3 cm do rebordo costal direito. Exames complementares: Hemograma: Ht: 33%, Hb: 11,5g/dl, Leucócitos: 5.800/mm³, com 70% de eosinófilos. Proteinograma normal. Parasitológico de fezes: negativo. A hipótese diagnóstica mais provável é: a) ascaridíase b) toxocaríase c) eosinofilia tropical d) leucemia eosinofílica e) abscesso hepático amebiano
  24. 24. 115- Eosinofilia (maior que 50% no sangue periférico), além de IgE elevada e iso-hemaglutininas Anti-A e Anti-B aumentadas sugere: a) esquistossomose e calazar b) toxocaríase (larva migrans visceral) c) asma brônquica e infestação maciça de parasitas intestinais d) anemia hemolítica auto-imune com manifestações alérgicas116- Uma criança de 12 anos, com história de viagem recente ao interior da Minas Gerais, apresenta febre, adenomegalia generalizada, hepatoesplenomegalia, linfomonocitose e imunócitos. Informa ter tomado banhos de cachoeira e ter estado hospedada em casa de fazenda em péssimas condições de conservação, infestada de ratos, baratas e outros insetos. O diagnóstico mais provável seria o de: a) esquistossomose aguda b) doença de Chagas c) malária d) calazar117- A doença de Chagas é uma zoonose causada pelo: a) T. cruzi b) P vivax c) P. falciparum d) T. gambiense e) H. capsulatum118- Assinale a afirmativa errada em relação a leptospirose: a) é uma zoonose causada por espiroquetas do gênero Leptospira, que acomete o homem eventualmente b) no Brasil o sorotipo mais comum é o icterhoemorrhagiae c) a doença ocorre e surtos epidêmicos na época de enchentes provocadas pelas chuvas de verão d) é mais freqüente em pacientes do sexo feminino e na faixa etária dos 20 aos 40 anos e) é muito rara em lactentes e pouco freqüente em crianças maiores119- Em relação à epidemiologia da leptospirose, assinalar a afirmativa errada: a) o rato de esgoto é considerado o reservatório universal de maior importância epidemiológica b) o isolamento do doente é fundamental para o controle da transmissão interhominis c) a leptospirúria nos animais é de longa duração, perdurando nos silvestres a vida toda d) a transmissão para o homem pode se dar também por mordedura do rato ou mesmo de outros animais e) algumas vezes, pode ter caráter de doença profissional, como no caso dos trabalhadores de rede de esgoto120- Em relação à patogenia da leptospirose, assinalar a afirmativa errada: a) o mecanismo básico da doença é comprometimento do endotélio dos vasos, ou seja, uma capilarite difusa b) nos rins ocorre nefrite intersticial e necrose aguda focal do epitélio tubular c) as lesões hepáticas caracterizam uma hepatite colestática d) no coração somente o miocárdio é comprometido e) nos músculus esqueléticos encontram-se necroses e hemorragias focais sem reação inflamatória121- O período de incubação da Leptospirose é: a) 2-20 dias b) 5-35 dias c) 8-50 dias d) 11-65 dias e) 14-80 dias
  25. 25. 122- A apresentação clínica mais freqüente da leptospirose é a: a) anictérica b) ictérica c) hemorrágica d) íctero-hemorrágica e) síndrome de Weil123- São características clínicas da Leptospirose: a) febre de início súbito, dores musculares, erupção morbiliforme b) febre de início insidioso, conjuntivite e oligúria c) febre de início insidioso, dores articulares e oligúria d) febre de início súbito, dores musculares e icterícia rubínica e) febre de início insidioso, dores musculares e icterícia rubínica124- O sintoma mais precoce da leptospirose é: a) febre b) mialgia c) oligúria d) sufusão conjuntival e) icterícia125- Com relação à Leptospirose é falso: a) a necrose tubular aguda pode ocorrer levando a I.R.A. b) a hematemese e melena se devem à sufusões hemorrágicas do tubo digestivo c) o coração e o pulmão são poupados pela Leptospira d) hepatoesplenomegalia pode ser observada e) para confirmação etiológica utiliza-se o teste de microagulinação126- Os pacientes com Leptospirose íctero-hemorrágica tipicamente apresentam: a) fosfatase alcalina normal b) aminotransferases (transaminases) pouco elevadas c) icterícia com predomínio de bilirrubina indireta d) hepatomegalia com diminuição da desidrogenase lática (LDH) e) uréia e creatinina normais127- Num paciente com leptospirose íctero-hemorrágica evoluindo com insuficiência renal aguda grave, o achado menos provável é: a) polimialgia intensa b) trombocitose c) hipopotassemia d) hemorragia pulmonar e) aumento dos níveis séricos das enzimas musculares128- Com relação à leptospirose, é falso: a) o óbito quando ocorre, geralmente se deve à insuficiência renal, hemorrágica ou problemas cardiocirculatórios b) as manifestações mais comuns são febre, mialgia, icterícia, vômitos e cefaléia c) a plaquetopenia é a grande responsável pelas graves hemorragias d) nas primeiras 48 horas de doença, o uso de penicilinas dá bons resultados e) ocorre aumento das transaminases com predomínio da TGO
  26. 26. 129- Jovem escolar, estado nutritivo e condições sócio-econômicas pouco razoáveis, é acometido de febre, icterícia, colúria, púrpuras, mialgia generalizada e oligúria; você suspeita primeiramente de: a) Hepatite infecciosa b) Púrpura trombocitopênica c) Crise de anemia hemolítica d) Leptospirose e) Mononucleose infecciosa130- É clinicamente indistingüível da fase inicial da leptospirose: a) dengue b) hepatite c) febre tifóide d) malária e) meningococcemia131- Assinale o principal diagnóstico diferencial da Síndrome de Weil: a) hepatite viral b) febre tifóide c) colestase hepática d) sepse e) doença de Kawasaki132- Menino de 12 anos, pardo, brasileiro, de São Paulo, com dor na barriga e na "batata" das pernas há 5 dias. Há 4 dias: dor abdominal em pontadas, acompanhada de vômitos amarelados; febre alta, anorexia, olhos amarelados e urina escura (chá forte). Há 1 dia: dores difusas pelo corpo, principalmente nos braços e nas pernas (panturrilhas). Condições de habitação: barraco de madeira, água de poço e fossa. Cachorro, gato e ratos na vizinhança. Regular estado geral e nutricional, eupneico, acianótico; ictérico +++, consciente, febril, hidratado, prostrado. PA = 90/60 mmHg, T = 38,5 ºC. Aparelhos respiratório e circulatório e normais. Evolução: na primeira semana de internação, a febre foi caindo; na segunda semana, a icterícia acentuou-se e a temperatura elevou-se novamente; apresentou discretas sufusões hemorrágicas subconjuntivais. Depois a criança melhorou, com diminuição da icterícia e desaparecimento da febre. Recebeu alta em boas condiçoes após 15 dias de internação. Em relação a este caso clínico, assinale a alternativa correta: a) trata-se da síndrome de Weil b) para confirmação etiológica é utilizado o teste de soroaglutinação microscópica, que começa a se positivar no final da 2a semana de doença c) o paciente deve ser tratado com cloranfenicol d) o leucograma deve apresentar leucocitose com neutrofilia, DE e eosinopenia e) apresenta sorologia reagente para anti-HAV133- Em relação a conduta terapêutica na síndrome de Weil, é correto afirmar que: a) a penicilina cristalina é eficaz contra as leptospiras, principalmente nos primeiros 4 dias de doença, na dose de 100.000 UI/Kg/dia IV 6/6h b) quando o sangramento é acompanhado de plaquetopenia e uremia deve-se instalar diálise peritoneal c) somente concentrado de plaquetas está indicado se houver sangramento em pacientes com plaquetopenia, com uremia normal d) deve-se instituir restrição hídrica e dieta hipoproteíca até que a uréia atinja níveis séricos de 150mg/dl, acima destes níveis está indicado diálise peritoneal e) todas estão corretas134- Com relação à leptospirose, é incorreto: a) a infecção por Hantavírus constitui diagnóstico diferencial a ser investigado b) a maior parte dos pacientes apresenta quadros oligossintomáticos c) a forma ictérica pode evoluir com insuficiência renal, pneumonia intersticial e hemorragia digestiva d) a sorologia positiva colhida na primeira semana de doença confirma o diagnóstico e) é importante causa de meningite linfomonocitária em nosso meio
  27. 27. 135- O diagnóstico de leptospirose é dado: a) por dosagem sérica e urinária de bilirrubinas b) pela pesquisa direta da leptospira na urina pelo método de Gram c) por urinocultura em agar sangue d) pelo métdodo sorológico na segunda semana da doença e) por dosagem de LDH e fosfatase alcalina, cinco vezes o normal136- A apresentação clínica mais freqüente da leptospirose é: a) anictérica b) ictérica c) hemorrágica d) íctero-hemorrágica e) Síndrome de Weil137- Jovem de 12 anos, sexo masculino, cor parda, estudante, natural e residente no Rio de Janeiro; apresenta como queixa principal febre. A história clínica, segundo informação de sua mãe é que gozava de boa saúde até há 10 dias, quando passou a apresentar cefaléia frontal intensa, febre Tax = 38°C e tosse seca. Evoluiu em seguida com anorexia, adinamia, sendo medicado com xarope e comprimidos, sem melhora. Há sete dias apresenta vômitos alimentares e obstipação intestinal. No dia anterior à internação, a Tax era de 40°C. Nega disúria, hematúria ou diarréia. HPP: viroses comuns da infância. H. social e epidemiológica: reside em casa de alvenaria, com instalações sanitárias. Atualmente faz uso, em casa, de água de poço, inclusive para beber e preparar alimentos. Informa presença de ratos no domicícilio e peridomicílio. Possui um cão e um gato. Pai vivo, com bronquite (sic). Mãe com saúde aparente. Tem 11 irmãos vivos, com saúde, exceto um que está com quadro semelhante ao seu. Ao exame físico: postura ativa no leito, fácies de doença aguda, mucosas normocoradas, escleróticas e conjuntivas hiperemiadas. Linfonodos submandibulares indolores, do tamanho de um grão de ervilha, anictérico. Orofaringe hiperemiada e amígdalas hipertrofiadas. Tax = 39,5°C, P = 88 bpm. Aparelhos circularório e respiratório normais. Abdome flácido, indolor à palpação, fígado palpável a aproximadamente 5cm do rebordo costal direito, baço palpável a aproximadamente 1cm do rebordo costal esquerdo. Gargarejo em fossa ilíaca direita, sistema nervoso central sem alterações. Assinale a hipótese mais provável para o caso: a) Leptospirose b) Malária c) Febre tifóide d) Dengue e) Febre amarela138- Sobre a leptospirose, podemos afirmar: a) na segunda fase da doença ou fase imune, as hemoculturas e a cultura do líquor são freqüentemente positivas b) no gênero leptospira encontramos o complexo biflexa considerado patogênico e o complexo interogans considerado saprófita c) a fase imune se caracteriza por reaparecimento da febre, após período assintomático, pleiocitose liquórica, meningismus e outras manifestações do SNC d) o prognóstico da doença não apresenta relação com a idade do paciente e) a forma mais freqüente é a lesptospirose íctero-hemorrágica139- Os pacientes com leptospirose ictero-hemorrágica tipicamente apresentam: a) fosfatase alcalina normal b) aminotransferases (transaminases) pouco elevadas c) icterícia com predomínio de bilirrubina indireta d) hepatomegalia com diminuição da desidrogenase láctica (LDH)
  28. 28. 140- Qual a forma mais comum de penetração do Leptospira interrogans no organismo? a) através da via oral por água contaminada b) através de soluções de continuidade da pele c) através de alimentos, principalmente carnes suínas contaminadas d) através do sangue por agulhas contaminadas ou transfusões141- Na leptospirose, o acometimento renal mais grave é: a) necrose tubular aguda b) nefrite intersticial aguda c) necrose papilar bilateral d) glomerulonefrite difusa aguda142- Paciente dá antrada no Pronto-Socorro com quadro que se iniciara 36 horas antes da consulta com cefaléia e mialgias intensas, além de alterações do nível de consciência. Ao exame, apresenta-se torporoso, sem sinais de localização neurológica, rigidez de nuca +/4+, icterícia +++/4+, púrpura e petéquias subconjuntivais; líquor claro com 98 células, sendo 80% neutrófilos; leucograma com 14.500 leucócitos (Bastões 20%, Segmentados 70% e eosinófilos 0%); Na = 135 mE/l; K = 2 mEq/l; creatinina = 5,2mg/dl; bilirrubinas total de 12mg/dl com 9,0 de direta; TGO e TGP de 100 UI. O diagnóstico provável é: a) Leptospirose b) Meningite meningocócica c) Asbscesso hepático d) SIDA por citomegalovírus e) Hepatite B na forma fulminante143- Sobre a leptospirose, podemos afirmar: a) Na 2ª fase da doença ou fase imune, as hemoculturas e a cultura do líquor são freqüentemente positivas b) No gênero leptospira encontramos o complexo biflexa considerado patogênico e o complexo interrogans considerado saprófita c) A fase imune se caracteriza por reaparecimento de febre, após período assintomático, pleocitose liquórica, meningismus e outras manifestações do SNC d) O prognóstico da doença não apresenta relação com a idade do paciente e) A forma mais freqüente é a leptospirose íctero-hemorrágica144- Compõem o quadro clínico das formas graves de leptospirose os seguintes achados, exceto um: a) insuficiência renal aguda b) coma hepático c) hemorragia pulmonar d) insuficiência respiratória e) coma hepático145- Na tentativa de isolar leptospira no líquor cefalorraquidiano de criança com história de meningite linfocítica, o meio de cultura mais adequado será: a) Agar-chocolate b) “Casteñeda” c) “Schneider” d) “Fletcher”

×