Calazar: etiopatogenia, patologia e formas clínicas

2.873 visualizações

Publicada em

Resumo sobre calazar elaborado pelo Professor Robson

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.873
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.220
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Calazar: etiopatogenia, patologia e formas clínicas

  1. 1. Etiopatogenia da Leishmaniose Visceral PROTOZOÁRIO: Leishmania donovani PARASITA INTRACELULAR OBRIGATÓRIO FORMA AMASTIGOTA (CÉLULAS DO SRE) INSETO VETOR: Lutzomyia longipalpis FORMA PROMASTIGOTA (TRATO DIGESTIVO DOS VETORES) LIGAÇÃO AO MACRÓFAGO (gp63) LEISHMÂNIA ESCAPA DOS POTENTES MECANISMOS OXIDATIVOS DOS MACRÓFAGOS REPLICAÇÃO DENTRO DOS MACRÓFAGOS  RUPTURA PROTOZOÁRIOS LIVRES SÃO NOVAMENTE FAGOCITADOS OU INGERIDOS PELOS FLEBÓTOMOS DISFUNÇÃO DA IMUNIDADE CELULAR (LT) E HUMORAL (LB) COMPROMETIMENTO DO FÍGADO, PULMÃO, RIM, BAÇO, LINFONODOS, MO, TUBO DIGESTIVO Ciclo de vida da Leishmania chagasi 1 Cão ou raposa naturalmente infectados; 2 Ao picar o animal ou o homem infectado, o inseto (mosquito-palha) suga, juntamente com o sangue, o parasito (Leishmania chagasi) que causa a doença; 3-4 No intestino do inseto, o parasito se multiplica; 5-6 Ao picar o homem ou outro animal sadio, o flebótomo inocula o parasito; 7 No homem, no cão ou na raposa, o parasito se multiplica principalmente no baço, fígado e medula óssea, provocando a doença. Phlebotomus intermedius (sand fly, mosquito-palha).
  2. 2. Patologia da Leishmaniose VisceralFÍGADO:  hiperplasia e hipertrofia das células de Küpffer  infiltrado linfoplasmocitário  células preenchidas por formas amastigotas  tumefação de hepatócitos  esteatose  LV de longa duração  fibrose hepática  cirrose de RogersPULMÃO:  infiltrado linfoplasmocitário  pneumonite intersticial RIM:  nefrite intersticial  glomerulopatia do Calazar  insuficiência renal BAÇO:  hiperplasia e hipertrofia das células do SRE  macrófagos densamente parasitados por formas amastigotas LINFONODOS:  hiperplasia e hipertrofia das células do SRE  parasitismo dos macrófagos MEDULA ÓSSEA:  bloqueio de produção da série vermelha  hipocelularidade da série granulocítica  hipocelularidade da série megariocítica  eosinófilos escassos ou ausentes TUBO DIGESTIVO:  comprometimento da mucosa jejunal por infiltrado linfoplasmocitário  enteropatia perdedora de proteína
  3. 3. Formas Clínicas da Leishmaniose VisceralFORMA ASSINTOMÁTICA:  indivíduos de áreas endêmicas  sorologia positivaFORMA SUBCLÍNICA OU OLIGOSSINTOMÁTICA:  indivíduos de áreas endêmicas  febrícula, tosse seca, diarréia, sudorese, adinamia, fígado pouco aumentado, baço não palpávelFORMA AGUDA:  semelhante a um quadro séptico  disenteria, febre alta, tosse  alterações hematológicas discretas  hepatoesplenomegalia pouco expressiva  dd com febre tifóide, malária, esquistossomose, doença de Chagas aguda, toxoplamose agudaFORMA CLÁSSICA:  Esplenomegalia  Hepatomegalia  Palidez  Febre  Aumento do volume abdominal  Emagrecimento  Astenia  Anorexia  Manifestações hemorrágicas  Edema  Icterícia

×