Atendimento de Urgência  da  Criança com Febre Professor Francisco Robson da Costa Lima
<ul><li>Objetivos: </li></ul><ul><ul><li>Nos casos de  febre aguda , distinguir os casos  benignos  dos casos  graves  com...
<ul><li>“ Esta noite eu corri ao Pronto-Socorro porque meu filho estava com febre”. </li></ul>Caso comum sem gravidade (ma...
<ul><li>1º Passo </li></ul><ul><ul><li>Perguntar a idade da criança  </li></ul></ul><ul><li>2 º Passo </li></ul><ul><ul><l...
1º Passo <ul><li>Perguntar a  idade  da criança </li></ul><ul><li>Sinal de  alarme  ― 2 primeiros meses </li></ul><ul><li>...
2º Passo <ul><li>Caracterizar a gravidade do estado infeccioso </li></ul><ul><ul><li>Toda infecção se acompanha de um conj...
<ul><li>MUDANÇAS DE COMPORTAMENTO </li></ul><ul><ul><li>Sinais de alarme </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Inapetência  </li>...
3º Passo <ul><li>Determinar a duração da febre </li></ul><ul><ul><li>Contar, com exatidão, o número de horas desde o iníci...
C u r v a  T é r m i c a (Dias) º C
4º Passo <ul><li>  Identificar os sistemas comprometidos </li></ul>Cavidade oral Seios da Face Ouvidos Pulmões Coração Tub...
5º Passo <ul><li>Solicitar exames laboratoriais de urgência (quando necessário) </li></ul>Se a criança choraminga Se há di...
5º Passo   <ul><li>Solicitar exames laboratoriais de urgência (quando necessário) </li></ul>Se choro fraco Se choro incons...
Protocolo de Predição de Gravidade para Doenças Febris
<ul><li>Infecciosa </li></ul><ul><ul><li>Sugere bacteriana (não viral) </li></ul></ul><ul><ul><li>Hemossedimentação > 30 <...
Leucograma nas Infecções <ul><li>Coqueluche </li></ul><ul><li>Adenovírus </li></ul><ul><li>Caxumba </li></ul><ul><li>Monon...
Leucograma nas Infecções <ul><li>Tuberculose </li></ul><ul><li>Pneumonia pneumocócica </li></ul><ul><li>Meningite </li></u...
Leucograma nas Infecções <ul><li>Viroses respiratórias </li></ul><ul><li>Viroses exantemáticas </li></ul><ul><li>Mononucle...
Leucograma nas Infecções <ul><li>Mononucleose </li></ul><ul><li>Hepatite </li></ul><ul><li>Pneumonia atípica </li></ul><ul...
Leucograma nas Infecções <ul><li>Toxocaríase  </li></ul><ul><li>Escarlatina </li></ul><ul><li>Ascaridíase </li></ul><ul><l...
Casos Clínicos O diagnóstico das  principais   doenças febris   que ocasionam urgência
<ul><li>Lactente </li></ul><ul><li>Febre menos de 3 dias </li></ul><ul><li>Sem sinais de gravidade </li></ul><ul><li>Sem o...
Caso 2 Febre com exsudato amigdaliano Menos de 2 anos Pré-escolar Escolar Viral Não prescrever antibiótico Não prescrever ...
 
 
 
 
 
 
<ul><li>Sinais de resfriado (coriza) </li></ul><ul><li>Com febre desde o início </li></ul>Caso 3 IVAS  VIRAL Não prescreve...
Caso 4 Resfriado > 1 semana Aparecimento de febre > 3 dias Secreção nasal/conjuntival (amarelo / esverdeado) Choro intenso...
 
 
 
 
 
<ul><li>Lactentes com 3 dias de febre </li></ul><ul><li>Exantema iniciado no tórax </li></ul><ul><li>Gânglios occipitais <...
 
 
 
 
 
 
 
 
<ul><li>Lactente com febre e chiado </li></ul>Caso 6 Bronquiolite / Bronquite asmatiforme Convém leucograma + VHS
 
<ul><li>Febre + tosse + gemência </li></ul><ul><li>Dispnéia </li></ul><ul><li>Possível dor abdominal </li></ul>Caso 7 Infe...
 
 
 
 
 
 
 
<ul><li>Febre + dor abdominal FID </li></ul><ul><li>Inapetência </li></ul><ul><li>Vômitos </li></ul>Caso 8 Suspeitar de  a...
 
<ul><li>Criança < 2 anos </li></ul><ul><li>Febre prolongada (> 3 dias) ou recidivante </li></ul><ul><li>Sem sinais de comp...
<ul><li>Febre Prolongada </li></ul>Caso 10 Suspeitar de : Tuberculose  Mononucleose Toxoplasmose Artrite reumatóide juveni...
 
 
 
 
 
<ul><li>Febre < 24 horas </li></ul><ul><li>De repente : endurece, olhar fixo </li></ul><ul><li>Às vezes : sacudidas dos me...
 
<ul><li>Febre + prostração </li></ul><ul><li>Cefaléia, vômitos </li></ul><ul><li>Fontanela abaulada (lactente) </li></ul><...
 
 
 
 
 
 
 
<ul><li>Lesões encrostadas em face </li></ul><ul><li>Confluentes </li></ul><ul><li>Melicéricas </li></ul>Caso 13 Impetigo
 
 
 
 
<ul><li>Febre alta </li></ul><ul><li>Lábios, gengivas e faces anteriores da língua com lesões vesiculares; além de ulceraç...
 
 
 
<ul><li>Criança com lesões generalizadas e pruriginosas </li></ul><ul><li>Presença de máculas, pápulas, vesículas, crostas...
 
 
 
 
<ul><li>Criança febril </li></ul><ul><li>Eritema, dor e edema palpebral unilateral </li></ul>Caso 16 Celulite periorbitária
 
 
 
 
Anti-térmico no PS <ul><li>O que fazer no PS ? </li></ul><ul><ul><li>Dar a primeira dose do antitérmico </li></ul></ul><ul...
Anti-térmico no PS <ul><li>O que não fazer no PS  ? </li></ul><ul><ul><li>Evite antitérmico injetável </li></ul></ul><ul><...
Anti-térmico no PS <ul><li>Cálculo da dose: </li></ul><ul><ul><li>Se o peso for desconhecido </li></ul></ul><ul><ul><ul><l...
Anti-térmico no PS <ul><li>Cálculo da dipirona </li></ul><ul><ul><li>gotas = peso x 0,6  </li></ul></ul><ul><ul><li>ml da ...
Orientações para Casa <ul><li>Continuar com antitérmico </li></ul><ul><li>“ Trate a criança, não o termômetro&quot; </li><...
Sinais de Alerta <ul><li>Voltar ao médico ou ao PS se: </li></ul><ul><ul><li>Febre maior do que 39,4º C ou calafrios (trem...
<ul><li>Revisão dos objetivos: </li></ul><ul><ul><li>Nos casos de  febre aguda , distinguir os casos  benignos  dos casos ...
<ul><li>Obrigado! </li></ul><ul><li>Blog Professor Robson </li></ul><ul><li>www.professorrobsoncosta.blogspot.com </li></ul>
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Atendimento de Urgência da Criança com Febre Professor Robson

37.020 visualizações

Publicada em

Roteiro para manejo da febre em crianças

Publicada em: Educação
3 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
37.020
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.016
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
311
Comentários
3
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Atendimento de Urgência da Criança com Febre Professor Robson

  1. 1. Atendimento de Urgência da Criança com Febre Professor Francisco Robson da Costa Lima
  2. 2. <ul><li>Objetivos: </li></ul><ul><ul><li>Nos casos de febre aguda , distinguir os casos benignos dos casos graves com risco de vida, valorizando o estado infeccioso </li></ul></ul><ul><ul><li>Identificar e quantificar o estado infeccioso </li></ul></ul><ul><ul><li>Interpretação do leucograma nas infecções </li></ul></ul><ul><ul><li>O diagnóstico das principais doenças febris que ocasionam urgência </li></ul></ul><ul><ul><li>O que fazer e o que não fazer no PS em relação à criança com febre </li></ul></ul><ul><ul><li>Os antitérmicos e suas doses </li></ul></ul><ul><ul><li>Os sinais de alerta de possível agravamento </li></ul></ul>Atendimento de Urgência da Criança com Febre
  3. 3. <ul><li>“ Esta noite eu corri ao Pronto-Socorro porque meu filho estava com febre”. </li></ul>Caso comum sem gravidade (maioria) X   Caso grave com risco de vida
  4. 4. <ul><li>1º Passo </li></ul><ul><ul><li>Perguntar a idade da criança </li></ul></ul><ul><li>2 º Passo </li></ul><ul><ul><li>Caracterizar a gravidade do estado infeccioso </li></ul></ul><ul><li>3 º Passo </li></ul><ul><ul><li>Determinar a duração da febre </li></ul></ul><ul><li>4 º Passo </li></ul><ul><ul><li>Identificar os sistemas comprometidos </li></ul></ul><ul><li>5 º Passo </li></ul><ul><ul><li>Solicitar exames laboratoriais de urgência (quando necessário) </li></ul></ul>A Criança com Febre Infecção aguda grave ?
  5. 5. 1º Passo <ul><li>Perguntar a idade da criança </li></ul><ul><li>Sinal de alarme ― 2 primeiros meses </li></ul><ul><li>Febre em RN (até 28 dias) é sempre grave </li></ul><ul><li>Febre em lactente até 2 meses , abatido: considerar grave </li></ul>
  6. 6. 2º Passo <ul><li>Caracterizar a gravidade do estado infeccioso </li></ul><ul><ul><li>Toda infecção se acompanha de um conjunto de sintomas e sinais inespecíficos que constituem o estado infeccioso </li></ul></ul><ul><ul><li>Identificar esse estado infeccioso (presença) e quantificá-lo (intensidade) é fundamental para o diagnóstico e orientação terapêutica </li></ul></ul><ul><ul><li>Para caracterizar a gravidade do estado infeccioso (toxemia) devemos avaliar a febre e o comportamento da criança </li></ul></ul>
  7. 7. <ul><li>MUDANÇAS DE COMPORTAMENTO </li></ul><ul><ul><li>Sinais de alarme </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Inapetência </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Irritabilidade </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Sonolência </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Gemência </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Fácies de sofrimento </li></ul></ul></ul>2º Passo <ul><li>Caracterizar a gravidade do estado infeccioso (estado toxêmico) </li></ul><ul><li>FEBRE </li></ul><ul><ul><li>Qual a intensidade da febre ? </li></ul></ul><ul><ul><li>Febre maior que 40,5oC: sugere infecção grave </li></ul></ul><ul><ul><li>Hipotermia (menos de 36oC) e abatimento: sugere infecção grave </li></ul></ul><ul><ul><li>A febre veio com calafrios ou tremores ? </li></ul></ul><ul><ul><li>Febre de 39,5oC ou mais, especialmente com calafrios (tremores): potencialmente grave bacteriemia </li></ul></ul>
  8. 8. 3º Passo <ul><li>Determinar a duração da febre </li></ul><ul><ul><li>Contar, com exatidão, o número de horas desde o início </li></ul></ul><ul><ul><li>Febre de mais de 3 dias (72h) </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Sugere processo não viral </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Se não houver sinais de localização em criança menor de 2 anos: bacterioscópico de urina </li></ul></ul></ul>
  9. 9. C u r v a T é r m i c a (Dias) º C
  10. 10. 4º Passo <ul><li>  Identificar os sistemas comprometidos </li></ul>Cavidade oral Seios da Face Ouvidos Pulmões Coração Tubo digestivo Vias urinárias SNC Pele Ossos Articulações
  11. 11. 5º Passo <ul><li>Solicitar exames laboratoriais de urgência (quando necessário) </li></ul>Se a criança choraminga Se há diminuição do interesse e da atividade Se irritabilidade acentuada Se sonolência Se a febre já dura mais de 3 dias completo Toxemia Moderada Solicitar : Leucograma com VHS Bacterioscópico de urina (criança < 2 anos) Líquor (lactente < 2 meses)
  12. 12. 5º Passo <ul><li>Solicitar exames laboratoriais de urgência (quando necessário) </li></ul>Se choro fraco Se choro inconsolável Se letargia Se muito pálida ou pele mosqueada Se fácies de sofrimento Se gemência Se apresenta convulsão após mais de 24h de febre* Toxemia grave Solicitar : Leucograma com VHS; Bacterioscópico de urina (criança < 2 anos) Líquor (lactente < 2 meses); Hemocultura PCR ; Líquor*
  13. 13. Protocolo de Predição de Gravidade para Doenças Febris
  14. 14. <ul><li>Infecciosa </li></ul><ul><ul><li>Sugere bacteriana (não viral) </li></ul></ul><ul><ul><li>Hemossedimentação > 30 </li></ul></ul><ul><li>Não infecciosa </li></ul><ul><ul><li>Febre reumática </li></ul></ul><ul><ul><li>Artrite reumatóide </li></ul></ul><ul><ul><li>Drogas (corticóides) </li></ul></ul><ul><ul><li>Trauma </li></ul></ul><ul><ul><li>Anemias hemolíticas </li></ul></ul>Leucograma nas Infecções Leucocitose Significativa (> 15.000) Com neutrofilia (> 10.500) e de bastões (> 500)
  15. 15. Leucograma nas Infecções <ul><li>Coqueluche </li></ul><ul><li>Adenovírus </li></ul><ul><li>Caxumba </li></ul><ul><li>Mononuclease </li></ul><ul><li>Linfocitose infecciosa </li></ul>Leucocitose Significativa (> 15.000) Com Linfocitose
  16. 16. Leucograma nas Infecções <ul><li>Tuberculose </li></ul><ul><li>Pneumonia pneumocócica </li></ul><ul><li>Meningite </li></ul><ul><li>Septicemia estafilocócica </li></ul><ul><li>Artrite reumatóide </li></ul>Leucocitose Significativa (> 15.000) Reação leucemóide (> 30.000 leucócitos)
  17. 17. Leucograma nas Infecções <ul><li>Viroses respiratórias </li></ul><ul><li>Viroses exantemáticas </li></ul><ul><li>Mononucleose </li></ul><ul><li>Febre tifóide </li></ul><ul><li>Meningococcemia </li></ul><ul><li>Leishmaniose </li></ul>Neutrófilos (< 1.000)
  18. 18. Leucograma nas Infecções <ul><li>Mononucleose </li></ul><ul><li>Hepatite </li></ul><ul><li>Pneumonia atípica </li></ul><ul><li>Viroses </li></ul>Linfócitos Atípicos
  19. 19. Leucograma nas Infecções <ul><li>Toxocaríase </li></ul><ul><li>Escarlatina </li></ul><ul><li>Ascaridíase </li></ul><ul><li>Tricocefalíase </li></ul><ul><li>Esquistossomose </li></ul><ul><li>Doenças alérgicas </li></ul><ul><li>Triquinose </li></ul>Eosinofilia
  20. 20. Casos Clínicos O diagnóstico das principais doenças febris que ocasionam urgência
  21. 21. <ul><li>Lactente </li></ul><ul><li>Febre menos de 3 dias </li></ul><ul><li>Sem sinais de gravidade </li></ul><ul><li>Sem outros sintomas / ou </li></ul><ul><li>Só faringite /tímpanos congestos </li></ul>Caso 1 Provavelmente viral Não prescreve antibióticos Orientação : observação
  22. 22. Caso 2 Febre com exsudato amigdaliano Menos de 2 anos Pré-escolar Escolar Viral Não prescrever antibiótico Não prescrever anti-inflamatório Bacteriano Antibiótico
  23. 29. <ul><li>Sinais de resfriado (coriza) </li></ul><ul><li>Com febre desde o início </li></ul>Caso 3 IVAS VIRAL Não prescrever antibiótico
  24. 30. Caso 4 Resfriado > 1 semana Aparecimento de febre > 3 dias Secreção nasal/conjuntival (amarelo / esverdeado) Choro intenso e freqüente Sinusite purulenta Otite (OMA)
  25. 36. <ul><li>Lactentes com 3 dias de febre </li></ul><ul><li>Exantema iniciado no tórax </li></ul><ul><li>Gânglios occipitais </li></ul>Caso 5 Exantema Súbito (Roséola) (não é sarampo nem rubéola)
  26. 45. <ul><li>Lactente com febre e chiado </li></ul>Caso 6 Bronquiolite / Bronquite asmatiforme Convém leucograma + VHS
  27. 47. <ul><li>Febre + tosse + gemência </li></ul><ul><li>Dispnéia </li></ul><ul><li>Possível dor abdominal </li></ul>Caso 7 Infecção pulmonar Solicitar leucograma + VHS Solicitar raios X de tórax
  28. 55. <ul><li>Febre + dor abdominal FID </li></ul><ul><li>Inapetência </li></ul><ul><li>Vômitos </li></ul>Caso 8 Suspeitar de apendicite
  29. 57. <ul><li>Criança < 2 anos </li></ul><ul><li>Febre prolongada (> 3 dias) ou recidivante </li></ul><ul><li>Sem sinais de comprometimento das vias aéreas inferiores </li></ul>Caso 9 Infecção das vias urinárias Solicitar sumário de urina
  30. 58. <ul><li>Febre Prolongada </li></ul>Caso 10 Suspeitar de : Tuberculose Mononucleose Toxoplasmose Artrite reumatóide juvenil Leucemia Leishmaniose
  31. 64. <ul><li>Febre < 24 horas </li></ul><ul><li>De repente : endurece, olhar fixo </li></ul><ul><li>Às vezes : sacudidas dos membros </li></ul>Caso 11 CONVULSÃO FEBRIL
  32. 66. <ul><li>Febre + prostração </li></ul><ul><li>Cefaléia, vômitos </li></ul><ul><li>Fontanela abaulada (lactente) </li></ul><ul><li>Convulsões </li></ul><ul><li>SIMR </li></ul>Caso 12 Meningite Petéquias, equimoses (Meningocócica)
  33. 74. <ul><li>Lesões encrostadas em face </li></ul><ul><li>Confluentes </li></ul><ul><li>Melicéricas </li></ul>Caso 13 Impetigo
  34. 79. <ul><li>Febre alta </li></ul><ul><li>Lábios, gengivas e faces anteriores da língua com lesões vesiculares; além de ulcerações extensas, dolorosas e com sangramento </li></ul>Caso 14 Gengivoestomatite herpética
  35. 83. <ul><li>Criança com lesões generalizadas e pruriginosas </li></ul><ul><li>Presença de máculas, pápulas, vesículas, crostas e ulcerações </li></ul><ul><li>Febre no início </li></ul>Caso 15 Varicela-zoster
  36. 88. <ul><li>Criança febril </li></ul><ul><li>Eritema, dor e edema palpebral unilateral </li></ul>Caso 16 Celulite periorbitária
  37. 93. Anti-térmico no PS <ul><li>O que fazer no PS ? </li></ul><ul><ul><li>Dar a primeira dose do antitérmico </li></ul></ul><ul><ul><li>Preferir a via oral (maioria dos casos) </li></ul></ul><ul><ul><li>Deixar um pouco em observação (vômito) </li></ul></ul><ul><ul><li>Via retal (supositório): quando ? </li></ul></ul><ul><ul><li>Via IM deve ser exceção : convulsão, vômitos com diarréia, febre elevada (>39,4º C) </li></ul></ul>
  38. 94. Anti-térmico no PS <ul><li>O que não fazer no PS ? </li></ul><ul><ul><li>Evite antitérmico injetável </li></ul></ul><ul><ul><li>“ Vício da Novalgina“ </li></ul></ul><ul><ul><li>Injeção é desnecessária, dolorida e cara </li></ul></ul><ul><ul><li>Não dar banho para baixar a febre, desnecessário </li></ul></ul><ul><ul><li>Consome tempo e trabalho da enfermagem exige local e equipamentos </li></ul></ul>
  39. 95. Anti-térmico no PS <ul><li>Cálculo da dose: </li></ul><ul><ul><li>Se o peso for desconhecido </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Fórmula  Peso = Idade x 2 + 9 (a partir 3 anos) </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Lactente </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>6 meses 2x peso do nascimento </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>12 meses 3x peso do nascimento </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>2 anos média de 12-13 kg </li></ul></ul></ul>
  40. 96. Anti-térmico no PS <ul><li>Cálculo da dipirona </li></ul><ul><ul><li>gotas = peso x 0,6 </li></ul></ul><ul><ul><li>ml da solução oral = peso x 0,3 </li></ul></ul><ul><ul><li>ml de dipirona injetável = peso x 0,05 </li></ul></ul><ul><ul><li>Cálculo do paracetamol </li></ul></ul><ul><ul><li>Apresentação de 200mg/ml </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>1 gota/kg (até 35 gotas) </li></ul></ul></ul>
  41. 97. Orientações para Casa <ul><li>Continuar com antitérmico </li></ul><ul><li>“ Trate a criança, não o termômetro&quot; </li></ul><ul><li>Oferecer líquidos adoçados </li></ul><ul><li>Evitar excesso de agasalho e manter ambiente ventilado </li></ul><ul><li>Banhos 1 hora após o antitérmico </li></ul><ul><li>Evitar banhos frios (choque térmico) </li></ul><ul><li>Compressas frias (quando ? como ?) </li></ul><ul><li>Não adicionar álcool (coma por absorção cutânea) </li></ul><ul><li>Alimentação </li></ul><ul><li>Observar os sinais de alerta </li></ul>
  42. 98. Sinais de Alerta <ul><li>Voltar ao médico ou ao PS se: </li></ul><ul><ul><li>Febre maior do que 39,4º C ou calafrios (tremores) </li></ul></ul><ul><ul><li>Mudança de comportamento com abatimento acentuado, sonolência excessiva, gemência </li></ul></ul><ul><ul><li>Aparecimento de novos sintomas, inclusive erupção cutânea </li></ul></ul><ul><ul><li>Febre persistente por mais de 3 dias (mais de 72 horas) </li></ul></ul>
  43. 99. <ul><li>Revisão dos objetivos: </li></ul><ul><ul><li>Nos casos de febre aguda , distinguir os casos benignos dos casos graves com risco de vida, valorizando o estado infeccioso </li></ul></ul><ul><ul><li>Identificar e quantificar o estado infeccioso </li></ul></ul><ul><ul><li>Interpretação do leucograma nas infecções </li></ul></ul><ul><ul><li>O diagnóstico das principais doenças febris que ocasionam urgência </li></ul></ul><ul><ul><li>O que fazer e o que não fazer no PS em relação à criança com febre </li></ul></ul><ul><ul><li>Os antitérmicos e suas doses </li></ul></ul><ul><ul><li>Os sinais de alerta de possível agravamento </li></ul></ul>Atendimento de Urgência da Criança com Febre
  44. 100. <ul><li>Obrigado! </li></ul><ul><li>Blog Professor Robson </li></ul><ul><li>www.professorrobsoncosta.blogspot.com </li></ul>

×