Neoclássico Século XVIII

573 visualizações

Publicada em

Arte Neoclássica; estudo do pensamento, arte e revolução francesa. Aula de Cafofo do Artista, mais em

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
573
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Neoclássico Século XVIII

  1. 1. Neoclássico Século XVIII ● Novo pensamento; Iluminismo ● A razão é a natureza primordial das coisas ● Revolta contra o absolutismo monárquico ● Revolta Americana ● Revolta Francesa ● Crise do Brasil Colônia
  2. 2. Arquitetura ● Linhas retas e sóbrias ● Retomada da razão e negação do alegórico barroco e rococó dos períodos anteriores ● Necessidade da retomada do clássico greco- romano e suas colunas ● Sobriedade interior com a valorização de paredes internas lisas
  3. 3. Panteão, Paris, 1755-92 Jacques German Soufflot
  4. 4. Panteão Romano, 27 a.C., Roma
  5. 5. Karl Langhans, Porta de Brandemburgo, 1788-91 Berlim
  6. 6. Casa de Thomas Jefferson, 1770-84 Monticello, Virgínia, EUA
  7. 7. ● David Hume, Edimburgo, 1711 a 1776 ● Razão a partir das percepções dos objetos "Por uma necessidade absoluta e incontrolável, a natureza determinou-nos a julgar tanto quanto a respirar e a sentir."
  8. 8. ● Jean Jacques Rousseau, Genebra, 1712 a 1778 ● Visão de total liberdade no estado de natureza do homem, Vontade geral, Educação centrada na criança, Amor- próprio, Soberania do Povo, Liberdade Positiva, Corrupção da sociedade civilizada, Perfectibilidade ● Educação negativa; não proporciona virtudes, mas impede o vício. ● Defesa da educação empírica, baseada nas experiências ● "A fingida caridade do rico não passa, da sua parte de mais um luxo; ele alimenta os pobres como cães e cavalos."
  9. 9. ● François-Marie Arouet “Voltaire”, 1964 a 1978 ● Negação do dogma religioso. ● Defende liberdade civil ● Ataque ao fanatismo ● Tolerância sobre todas as coisas ● “Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las.”
  10. 10. “Vive la France; igualdade, liberdade e fraternidade ● 1789 – Irrompe a revolução na França, por consequência a queda da Bastilha (prisão em Paris) para o saque de pólvora e prisão de Luís XVI. ● 1791 – Rei e rainha tentam fuga do reinado, são capturados e os laços com súditos entra em crise.
  11. 11. ● Surge Iluminismo; fim do medievalismo, fim da pena de morte e crueldade, consolida-se os ideias de igualdade, liberdade e fraternidade ● Guilhotina (Navalha Nacional), embora a revolução defenda o fim da pena de morte, os contrarrevolucionários são levados à guilhotina, um novo instrumento de decapitação francês. ● Intolerância religiosa; clero perde poder e institui-se uma nova racionalidade de pensamento defendido pela revolução; fim da dominação da igreja em toda parte.
  12. 12. ● 1792 – Guerra à Áustria e Prússia; Nasce a República Francesa. ● 1793 – Morte ao rei (Luís XVI é levado à guilhotina) ● Morte do jornalista Marat, um dos responsáveis pelo derramamento de sangue durante a revolução; "Nada supérfluo pode legitimamente pertencer a nós, enquanto outros passam necessidades." "Para garantir a tranquilidade pública, mais duzentos e setenta mil cabeças devem rolar." ambas citações pertencem a Jean-Paul Marat
  13. 13. Jacques-Louis Davi, A Morte de Marat. 1793 Óleo sobre tela, 1,65x1,28 m. Museu Real de Belas Artes, Bruxelas
  14. 14. ● Jacques Louis David; pintor francês, participa da revolução e produz uma das obras mais importantes da revolução. A Morte de Marat, jornalista morto por Charlotte Corday. Charlotte cansada da revolução e do derramamento de sangue defendido por Marat mata-o enquanto escreve seus artigos em sua banheira. "Eu matei um homem para salvar 100.000." - Charlotte Corday ● O anticlericalismo proposto pela revolução torna a figura de Marat um novo Cristo à revolução. David baseia a composição da obra na Pietà e pesquisa as composições de Caravaggio
  15. 15. Jean Louis David, A Morte de Sócrates. 1787 1,30x1,96 m. Museu Metropolitano de Arte, Nova York.
  16. 16. ● A Morte de Sócrates → retomada dos antigos filósofos como preceito da razão → negação da exuberância do rococó → pintura mais carregada de princípios políticos, dialogando com temas ao seu tempo.
  17. 17. Jean Baptiste Greuze, A Noiva da Aldeia. Museu do Louvre, Paris
  18. 18. ● Jean Baptiste Greuze; pintor francês. → Exaltação da vida cotidiana sem as anteriores pompas da corte. → Segue o evangelho social do Iluminismo, onde a virtude vem do pobre e nega a degeneração da nobreza. → A obra apela para o senso moral do espectador e não mais tenta agradá-lo. → Qual a importância da arte; agradar aos olhos ou ser fiel a realidade em que ela vive?
  19. 19. Reflexões ● Música: Escreva duas letras de música que conheça; a primeira deve ser uma música que fale de problemas sociais (tais como; fome, pobreza, violência familiar ou drogas), a segunda deve ser uma música que exalte o dinheiro, a riqueza e a realidade da classe média. ● Desenho: Faça um paralelo sobre realidades sociais em folhas separadas, ou seja, em duas folhas faça primeiro um desenhos sobre a realidade de uma comunidade (pode usar exemplos de novelas, livros e notícias), em outra folha desenhe uma realidade onde os valores são o consumo; shoppings centers, marcas famosas, carros e outras realidades são aceitas.
  20. 20. A América aos Americanos ● Esperança de riqueza leva colonos para América do Norte ● Iluminismo chega na América ● Motivos da revolução: → Negligência inglesa sobre colônias. → Cobranças indevidas de impostos → John Locke; Princípio eterno da liberdade → Direitos naturais da raça humana ● 1776 – Declaração de Independência dos Estados Unidos “Consideramos estas verdades como autoevidentes, que todos os homens são criados iguais, que são dotados pelo Criador de certos direitos inalienáveis, que entre estes são vida, liberdade e busca da felicidade.”
  21. 21. ● Benjamin West; pintor estadunidense. Em sua obra mais importante, A morte do General Wolf, 1770, o pintor segue para Roma, é aclamado na Europa sendo um nativo do novo mundo e o traduzindo fielmente. → Heroísmo na cena evocando a imagem do martírio de Jesus (lamentação do corpo de cristo), preocupação em evocar à razão em detrimento da religião. ● A Planíce de Abraão; em confronto ao cerco de Quebec, Wolf (general inglês) e Marquês de Montcalm (general francês), morrem devido a batalha onde se origina a formação do Canadá. Americanos aliados aos ingleses e indígenas aliando-se aos franceses deram inicio as guerras franco-indígenas.
  22. 22. Benjamin West, A Morte do General Wolf, 1970 Óleo sobre tela 1,51x2,13 m. Galeria Nacional do Canadá, Ottawa
  23. 23. ● John Singleton Copley; pintor estadunidense, de Boston. → Copley busca o tema nativo americano, explora a paisagem exótica americana e os povos que nela vivem. → Watson e o Tubarão ilustra a salvamento do jovem que nadava nas praias do porto de Havana. → Tema heroico aludindo ao arcanjo Miguel e sua lança. → Tanto em West como Copley podemos notar os nativos participando da cena; índios e negros.
  24. 24. John Singleton Copley, Watson e o Tubarão, 1782 Óleo sobre tela 0,91x0,77 m. Instituto de Arte de Detroit
  25. 25. Resumo do Século XVIII ● Razão como um novo pensamento ● Separação da política de da religião ● Direito universal do homem; liberdade, igualdade e fraternidade ● Status: família herdada x status: mérito pessoal e talento ● Retomada do clássico e pensamento do homem como centro de todas as coisas ● Composições heroicas aludindo à virtude da bravura humana se afastando dos temas religiosos ● Naturalidade da vida sem as exuberâncias da nobreza, sendo a pobreza sinônimo de virtude e exaltação de méritos

×