A opinião pública não existe 3ª aula

770 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
770
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
109
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
39
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A opinião pública não existe 3ª aula

  1. 1. A OPINIÃO PÚBLICA NÃO EXISTE Pierre Bourdieu 28/3/2014 1
  2. 2. Meu objetivo não é denunciar de uma forma mecânica e fácil as pesquisas de opinião, mas, sim proceder a uma análise rigorosa de seu funcionamento e suas funções. O que supõe o questionamento de seus três postulados implícitos. Qualquer pesquisa de opinião supõe que todo mundo pode ter uma opinião; ou, colocando de outra maneira, que a produção de uma opinião está ao alcance de todos. Segundo postulado: supõe-se que todas as opiniões têm valor. Acho que é possível demonstrar que não é nada disso e que o fato de se acumular opiniões que absolutamente não possuem a mesma força real, faz com que se produza artefatos sem sentido. Terceiro postulado: pelo simples fato de se colocar a mesma questão a todo mundo, está implícita, a hipótese de que há um consenso sobre os problemas, ou seja, que há um acordo sobre as questões que merecem ser colocadas. 28/3/2014 2
  3. 3. 28/3/2014 3
  4. 4. Costuma-se frequentemente fazer críticas técnicas às pesquisas de opinião. Por exemplo, o fato de colocar questões contendo viéses ou, mais ainda, de colocar viéses na formulação das questões: isto já é mais verdadeiro e frequentemente a resposta é induzida através da maneira de se colocar a questão. Assim, por exemplo, transgredindo o preceito elementar da construção de um questionário que exige que se "dê oportunidade" a todas as respostas possíveis, omite-se frequentemente nas questões ou nas respostas propostas uma das opções possíveis, ou ainda, propõe-se muitas vezes a mesma opção sob formulações diferentes. 28/3/2014 4
  5. 5. 28/3/2014 5
  6. 6. Mas devem-se principalmente ao fato de que as problemáticas fabricadas pelos institutos de pesquisa de opinião estão subordinadas a uma demanda de tipo particular. Isto significa que as problemáticas impostas a este tipo de organismo estão profundamente ligadas à conjuntura e dominadas por um certo tipo de demanda social. As problemáticas que são propostas pelas pesquisas de opinião se subordinam a interesses políticos, e isto dirige de maneira muito acentuada o significado das respostas e, ao mesmo tempo, o significado dado à publicação dos resultados, Em seu estado atual, a pesquisa de opinião é um instrumento de ação política; sua função mais importante consiste talvez em impor a ilusão de que existe uma opinião pública que é a soma puramente aditiva de opiniões individuais; em impor a idéia de que existe algo que seria uma coisa assim como a média das opiniões ou a opinião média. 28/3/2014 6
  7. 7. 28/3/2014 7
  8. 8. A análise científica das pesquisas de opinião mostra que praticamente não existe problema omnibus: não existe pergunta que não seja reinterpretada em função dos interesses das pessoas às quais ela é colocada e o primeiro imperativo seria o de se perguntar a que pergunta as diferentes categorias de inquiridos pensaram estar respondendo. Um dos efeitos mais perniciosos da pesquisa de opinião consiste precisamente em colocar pessoas respondendo perguntas que elas não se perguntaram. Um dos efeitos da pesquisa consiste em transformar as respostas éticas em respostas políticas pelo simples efeito de imposição da problemática. 28/3/2014 8
  9. 9. 28/3/2014 9
  10. 10. O segundo princípio a partir do qual as pessoas podem produzir uma opinião é o que chamo de "ethos de classe" (para não dizer "ética de classe"), isto é, um sistema de valores implícitos que as pessoas interiorizam desde a infância e a partir dos quais produzem respostas a problemas extremamente diferentes. 28/3/2014 10
  11. 11. 28/3/2014 11
  12. 12. A meu ver, o que está em questão é o significado das respostas a algumas perguntas. Suponhamos um conjunto de questões do tipo seguinte: Você é favorável a igualdade de sexos? Você é favorável à liberdade sexual dos cônjuges? Você é favorável a uma educação não-repressiva? Você é favorável à nova sociedade?etc. Suponhamos um outro conjunto de questões do tipo: Os professores devem fazer greve quando sua situação se encontrar ameaçada? Os docentes devem ser solidários aos outros funcionários nos períodos de conflito social?, etc. Estes dois conjuntos de perguntas dão respostas com estruturas estritamente inversas quanto à classe social. 28/3/2014 12
  13. 13. 28/3/2014 13
  14. 14. O efeito de imposição da problemática, efeito exercido por qualquer pesquisa de opinião e por qualquer interrogação política (a começar pela eleitoral), resulta do fato de que às perguntas colocadas numa pesquisa de opinião não são perguntas que realmente se colocam a todas as pessoas interrogadas e as respostas não são interpretadas em função da problemática que servia efetivamente como referência, às diferentes categorias de inquiridos. Assim, a problemática dominante, cuja imagem é revelada pela lista de perguntas feitas durante dois anos pelos institutos de pesquisas de opinião, ou seja, a problemática que interessa essencialmente às pessoas que detêm o poder e querem ser informadas sobre os meios de organizar sua ação política, é dominada de forma bastante desigual pelas diferentes classes sociais. 28/3/2014 14
  15. 15. 28/3/2014 15
  16. 16. Uma outra lei resulta destas análises: tem-se muito mais opiniões sobre um problema quando se está mais interessado por este problema, isto é, quando se tem mais interesse neste problema. Por exemplo, a taxa de respostas sobre o sistema de ensino está muito intimamente ligada ao grau de proximidade em relação ao sistema de ensino, e a probabilidade de ter uma opinião varia em função da probabilidade de ter poder sobre o que se opina. 28/3/2014 16
  17. 17. 28/3/2014 17
  18. 18. Em suma, o que eu quis dizer foi que a opinião pública não existe, pelo menos na forma que lhe atribuem os que têm interesse em afirmar sua existência. Disse que por um lado haviam opiniões constituídas, mobilizadas, grupos de pressão mobilizados em torno de um sistema de interesses explicitamente formulados; e por outro lado, disposições que, por definição, não constituem opinião, se por esta palavra compreendemos, como fiz ao longo desta análise, alguma coisa que pode ser formulada num discurso com uma certa pretensão à coerência. O que digo é apenas que a opinião pública na acepção que é implicitamente admitida pelos que fazem pesquisas de opinião ou utilizam seus resultados, esta opinião não existe. 28/3/2014 18
  19. 19. 28/3/2014 19
  20. 20. O papel da mídia na formação da opinião pública: a contribuição de Bourdieu Carla Luciane Blum Vestena 28/3/2014 20
  21. 21. Este estudo tem por objetivo refletir sobre a mídia e sua influência na formação da opinião pública, com base na teoria de Bourdieu. Inicialmente, apresentam-se os conceitos do que é mídia e do que é opinião pública e, posteriormente, aborda- se seu papel na formação das percepções e concepções da sociedade. Propósitos expostos por Bourdieu que, em seus estudos, concluiu que são os mecanismos de reprodução social que legitimam as diversas formas de dominação. Verificou-se que a violência simbólica permeia também os meios de comunicação, que a mídia exerce influência na formação da opinião pública, porém com certas restrições, e que os propósitos de Bourdieu são importantes na análise do papel da mídia na formação da opinião pública. 28/3/2014 21
  22. 22. 28/3/2014 22
  23. 23. Desvendamento do campo de análise: a mídia Em meados de 1950, os pensadores da Escola de Frankfurt atribuíram, ao então nascente “mundo-mídia”, um poder totalizante. Ao longo dessas décadas, o conceito de comunicação foi se transmutando até chegar hoje ao que Albino Rubim, em 2005, define como um conjunto de meios diferentes, cada vez mais refinados tecnologicamente. Mídia não é tão-somente o aparato tecnológico. Há que se compreender mídia como associação de um suporte tecnológico, uma linguagem adequada e uma estratégia de ação precisa e clara (SANTARENO, 2007). 28/3/2014 23
  24. 24. 28/3/2014 24
  25. 25. Na década de 1980, o conceito de opinião pública era diversificado, não existindo um consenso nas Ciências Sociais, tanto em relação ao conceito quanto a sua formação. A teoria mais conhecida é a que procura explicar o processo de formação da opinião pública por meio do modelo cascata. Para Lima (2005), o modelo cascata explica a formação da opinião pública, como “resultado de um fluxo linear de informações do topo da pirâmide social até as ditas classes populares”. Na maioria das vezes, “a literatura elitista apresenta a opinião pública como o resultado de uma série de processos sociais, nos quais há uma interação muito grande de elementos emocionais e manipulativos” (LIPPMANN, 1997), aliados “à pouca racionalidade” (LE BON, 1999). 28/3/2014 25
  26. 26. 28/3/2014 26
  27. 27. Autores ligados a essa corrente, tais como Lippmann (1922), Katz (1957) e Lasswell (1936), afirmam que o cidadão só pode conhecer a realidade social através da mídia, dada a sua condição atomizada na sociedade. No debate atual sobre a opinião pública, o desempenho dos líderes de opinião reforça a idéia de uma inter-relação entre os meios de comunicação, os indivíduos portadores de características exemplares e o próprio público. É essa complexa relação que possibilita o fornecimento de informações à opinião pública (Quadro 1). 28/3/2014 27
  28. 28. 28/3/2014 28
  29. 29. Ao desacreditarem na existência de uma opinião pública, Bourdieu (1983) e Champagne (1998) justificam a existência, por um lado, de opiniões mobilizadas, constituídas, ou seja, grupos de pressão mobilizados em torno de um sistema de interesses; e, por outro lado, de disposições, isto é, da opinião no estado implícito. Entretanto, Page e Shapiro (1992) defendem que a opinião pública não é apenas resultado de manipulações emocionais, pois ela apresenta uma racionalidade que se diferencia da estabilidade absoluta por ser pública. Essa “opinião deve se remodelar sempre que houver uma alteração perene ou transitória na composição das relações sociais dos pertencentes ao público” (PAGE e SHAPIRO, 1992). Contudo, Sartori (1994) acredita que as opiniões públicas não são inatas, nem surgem do nada. Para ele, a questão sobre o que é opinião pública é respondida por meio do processo de disseminação de opiniões, a partir de níveis da elite; borbulhar de opiniões, a partir das bases, e identificações com grupos de referência. 28/3/2014 29
  30. 30. 28/3/2014 30
  31. 31. A mídia contribui na formação da opinião pública? A mídia parece perder, dia a dia, a superioridade no tocante à formação da opinião pública, entre outras coisas, pela acentuada crise de confiabilidade da chamada “grande imprensa” associada a uma questão central: a concorrência das novas modalidades digitais de comunicação, das quais surge um novo “destinatário” e/ou “consumidor” de informações (SANTARENO, 2007). No caso da televisão, tem-se por certo que ela é “um formidável instrumento de manutenção da ordem simbólica”, por desempenhar uma força perniciosa de violência simbólica: é uma violência que se exerce com a cumplicidade tácita dos que a sofrem e também, com frequência, dos que a exercem. A violência simbólica está na ação simbólica da TV no plano das informações, por exemplo, que consiste em atrair a atenção para fatos que interessam a todo mundo, dos quais se pode dizer que são omnibus, ou seja, “para todo mundo”. Com “a televisão estamos diante de um instrumento que, teoricamente, possibilita atingir todo mundo” (BOURDIEU, 1997). 28/3/2014 31
  32. 32. 28/3/2014 32
  33. 33. De acordo com Bourdieu (1997), “as palavras fazem coisas, criam fantasias, medos, fobias ou simplesmente, representações falsas”. Dessa forma, o mundo da imagem é dominado pelas palavras. A TV, de acordo Bourdieu, de instrumento de registro torna-se um instrumento de criação de realidade, e assim, caminha-se “cada vez mais rumo a universos em que o mundo social é descrito e prescrito pela TV” (BORDIEU, 1997). Para Flaubert, apud Bourdieu (1979) o “mundo são idéias aceitas por todo mundo”, banais, convencionais comuns, ao ponto que quando aceitas o problema da recepção não se coloca. 28/3/2014 33
  34. 34. 28/3/2014 34
  35. 35. Considerações finais Por fim, pode-se apontar que a violência simbólica exposta por Bourdieu permeia, também, os meios de comunicação, na medida em que determinadas emissoras de TV, jornais, rádios, entre outros, noticiam e enfatizam determinados eventos que acabam influenciando nos demais. Este fato pode ser facilmente comprovado nos dias atuais, com a globalização, que leva à crença de haver certa homogeneização das informações, ou seja, basta assistir noticiários de diferentes emissoras de TV, para constatar que a grande maioria das notícias são praticamente iguais. Assim, os pressupostos propostos por Bourdieu são importantes na análise do papel da mídia na formação da opinião pública, por desvincular o foco central da análise da questão econômica. Portanto, a mídia exerce influência na formação de opinião pública, porém com certas restrições de cunho cultural, religioso, enfim, dos filtros de canalização social. 28/3/2014 35
  36. 36. 28/3/2014 36

×