Roberto Malheiros Moreira
EPPO E
P
E
P
MP
UM INDIVÍDUO RESOLVE SE MUDAR PARAUM INDIVÍDUO RESOLVE SE MUDAR PARA
UMA PEQUENA CIDADE DO LITORALUMA PEQUENA CIDADE DO LI...
P
R
O
D
U
Ç
Ã
O
N Ú M E R O D E E M P R E G A D O S
P
R
O
D
U
Ç
Ã
O
N Ú M E R O D E E M P R E G A D O S
P
R
O
D
U
Ç
Ã
O
N Ú M E R O D E E M P R E G A D O S
NÃO LINEARIDADENÃO LINEARIDADE
ESTÁ ASSOCIADA AESTÁ ASSOCIADA A
ATIVIDADES QUEATIVIDADES QUE
NÃO AGREGAM VALORNÃO AGREGAM ...
AS TEORIAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO ESTENDERAM
O CONCEITO DE PROCESSOS PARA AS EMPRESAS E AS
CADEIAS DE SUPRIMENTOS
OS...
Uma empresa forneceUma empresa fornece
simultaneamente doissimultaneamente dois
produtos para o mercado:produtos para o me...
Para cada unidade do produto APara cada unidade do produto A
são consumidas três medidassão consumidas três medidas
do ins...
O estoque de uma Empresa éO estoque de uma Empresa é
compartilhado para acompartilhado para a
manufatura de dois produtos:...
O inventário da Empresa é deO inventário da Empresa é de
seiscentas medidas de X eseiscentas medidas de X e
trezentas medi...
Quais as quantidades dosQuais as quantidades dos
produtos A e B que devem serprodutos A e B que devem ser
fabricadas para ...
NA
NB
INSUMO XINSUMO X
200
120
NA
NB
300
100
INSUMO YINSUMO Y
NA
NB
300
200
120100
NA
NB
300
200
120100
NA
150
300
200
150
110000,00
100
150000,00
NB
NA
NB
300
200
120100
NA = 75
NB = 75
RECEITA = 120.000,00
IDENTIFICAÇÃO DO OBJETIVO;
MODELAGEM; E
OTIMIZAÇÃO DA FUNÇÃO OBJETIVO
FORMAÇÃO DE PO
PRÁTICA USUAL DOS CIENTISTAS:
A MODEL...
OS FUNDAMENTOS DA PROCURA DE MÁXIMOS E
MÍNIMOS SÃO CONHECIDOS DESDE O SÉCULO XVI
OS FUNDAMENTOS DA PROCURA DE MÁXIMOS E
MÍNIMOS SÃO CONHECIDOS DESDE O SÉCULO XVI
AS APLICAÇÕES PRÁTICAS DE OTIMIZAÇÃO FORA...
OEG - USN
RESULTADOS IMEDIATOS
ORG - RAF
Randall
Wakeland
Keith
Tidman
ABORDAGEM DOS PROBLEMAS
OPERACIONAIS POR CIENTISTAS...
NAVEGAR - IDENTIFICAR - MARCAR - DESTRUIR - REGRESSAR
O DESENVOLVIMENTO EM CADA UMA DESTAS ÁREAS
ERA ESTIMULADO PELA VARIA...
GUERRA ANTI-SUBMARINO
DETECTAR - APROXIMAR - ATACAR - DESTRUIR
O DESENVOLVIMENTO EM CADA UMA DESTAS ÁREAS
CAUSOU UMA RESPO...
PASSAGEM PARA A
ÁREA DE OPERAÇÕES
COMERCIAIS
ADMINISTRAÇÃO COM
VISÃO SISTÊMICA
O PROBLEMA DE
ENCONTRAR O PROBLEMA
PO COMO MÉTODO CIENTÍFICO
PARA FORNECER AOS EXECUTIVOS
UMA BASE QUANTITATIVA PARA
DECID...
ESPECIFICAÇÃO DE METODOLOGIA
ESTUDOS ESTRATÉGICOS
•RESPONSABILIDADES DA MARINHA
•TAREFAS QUE DEVEM SER EFETUADAS PARA CUMP...
Ludwig Von Bertalanffy
SISTEMAS SÃO CONJUNTOS DE ELEMENTOS
QUE INTERAGEM.
O RESULTADO DE UM SISTEMA É DIFERENTE DA
SOMA DO...
• METODOLOGIAMETODOLOGIA
• Rockower, E.Rockower, E.
•DETERMINAÇÃO DO OBJETIVO
•ESCOLHA DA MEO
•ANÁLISE DAS VARIÁVEIS
•MODELAGEM
•OTIMIZAÇÃO
•ANÁLISE DE SENSIBILIDADE
•DETERMINAÇÃO DO OBJETIVO
•ESCOLHA DA MEO
•ANÁLISE DAS VARIÁVEIS
•MODELAGEM
•OTIMIZAÇÃO
•ANÁLISE DE SENSIBILIDADE
•DETERMINAÇÃO DO OBJETIVO
•ESCOLHA DA MEO
•ANÁLISE DAS VARIÁVEIS
•MODELAGEM
•OTIMIZAÇÃO
•ANÁLISE DE SENSIBILIDADE
• When you can measure what you are speaking about,When you can measure what you are speaking about,
and express it in num...
•DETERMINAÇÃO DO OBJETIVO
•ESCOLHA DA MEO
•ANÁLISE DAS VARIÁVEIS
•MODELAGEM
•OTIMIZAÇÃO
•ANÁLISE DE SENSIBILIDADE
“As pessoas tendem a
devotar uma fração muito
pequena de tempo para a
consideração de qualquer
assunto público, e a maior
...
Thomas Hobbes (1588 - 1679)
matemático e filósofo.
• Natureza humana: cada um por si.
• Como as coisas são escassas (finit...
• CADA INDIVÍDUO TEM BENEFÍCIO MÁXIMO SE TIVER O
MAIOR NÚMERO DE CABEÇAS POSSÍVEL.
• A SUPERPOPULAÇÃO DE GADO DESTRUIRÁ O ...
PAÍS
CADEIA DE
SUPRIMENTOS
EMPRESA
DEPTO
DIV
IND
“Aqui, como em todo o
Brasil, há muitos jovens.
Vocês, queridos jovens,
possuem uma
sensibilidade especial
frente às injus...
•DETERMINAÇÃO DO OBJETIVO
•ESCOLHA DA MEO
•ANÁLISE DAS VARIÁVEIS
•MODELAGEM
•OTIMIZAÇÃO
•ANÁLISE DE SENSIBILIDADE
QUANDO NÃO SE SABE ONDE VAI TODOS OS
CAMINHOS ESTÃO ERRADOS
OBJETIVO
(O QUE FAZER)
COMO FAZER
CONHECER A MELHOR
FERRAMENTA PARA
USAR EM CADA
SITUAÇÃO DO MODO
MAIS EFICIENTE E
EFICAZ
W. E. Deming e J. Juran gostavam de citar que
80 a 90 ou 95 por cento dos problemas de uma
organização são problemas com o...
O QUE É SISTEMA ?
CONJUNTO DE ELEMENTOS EM INTERAÇÃO
SEQUÊNCIA DE ATIVIDADES EXECUTADAS PARA ATINGIR UM OBJETIVOSEQUÊNCIA DE ATIVIDADES EXECUTADAS PARA ATINGIR UM OBJETIVO
SUP...
SEGUNDA METADE DO SÉCULO XX
TEORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
NÃO BASTA QUE O PROCESSO ESTEJA OTIMIZADO. É PRECISO ESTABE-
LECER UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA FACILITAR O TRABALHO
NÃO...
Folga e Sobra
O relaxamento de restrições que tem
folga ou sobra não afeta o valor da
solução ótima do problema
Análise de Sensibilidade
O relaxamento de uma restrição,
que corresponde a um aumento
da oferta do insumo que consiste
na ...
Análise de Sensibilidade
Se a restrição relaxada
tem inclinação mais
próxima da inclinação
da função objetivo
O aumento do...
A TEORIA DAS RESTRIÇÕES RECOMENDA QUE SE IDENTIFIQUE O GARGALO
QUE LIMITA A MELHORIA DO RESULTADO, QUE PODE SER UMA RESTRI...
O SISTEMA DE INFORMAÇÕES NÃO PODE OTIMIZAR O
DESEMPENHO DO SISTEMA SE O PROCESSO NÃO ESTÁ CORRETO
BOTTOM UP
TOP DOWN
UM PR...
PROCESSO DE ANÁLISE DE SISTEMAS
ENGENHARIA DE REQUISITOS
BOTTOM-UP X TOP-DOWN
FACILITAR O OPERADOR
EM SISTEMAS ENXUTOS
MEL...
FUNCIONA ?
NÃO TOQUE
SEM
PROBLEMA
SIM
VOCÊ TOCOU ?
VAI TER
PROBLEMA ?
AFASTE-SE
NÃO
NÃO
NÃO
ALGUÉM
VIU ?
ESCONDA-SE
VACILO...
SE VOCÊ COLOCA PESSOAS BOAS
EM UM MAU PROCESSO, EM POUCO
TEMPO ESTARÃO TODOS, EM VEZ
DE TRABALHAR, PROCURANDO
BOTAR A CULP...
Pesquisa Operacional, Engenharia e Melhoria de Processos
Pesquisa Operacional, Engenharia e Melhoria de Processos
Pesquisa Operacional, Engenharia e Melhoria de Processos
Pesquisa Operacional, Engenharia e Melhoria de Processos
Pesquisa Operacional, Engenharia e Melhoria de Processos
Pesquisa Operacional, Engenharia e Melhoria de Processos
Pesquisa Operacional, Engenharia e Melhoria de Processos
Pesquisa Operacional, Engenharia e Melhoria de Processos
Pesquisa Operacional, Engenharia e Melhoria de Processos
Pesquisa Operacional, Engenharia e Melhoria de Processos
Pesquisa Operacional, Engenharia e Melhoria de Processos
Pesquisa Operacional, Engenharia e Melhoria de Processos
Pesquisa Operacional, Engenharia e Melhoria de Processos
Pesquisa Operacional, Engenharia e Melhoria de Processos
Pesquisa Operacional, Engenharia e Melhoria de Processos
Pesquisa Operacional, Engenharia e Melhoria de Processos
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pesquisa Operacional, Engenharia e Melhoria de Processos

697 visualizações

Publicada em

Paalestra de motivação para alunos de engenharia de produção na FA7, em Fortaleza, CE

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
697
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
37
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pesquisa Operacional, Engenharia e Melhoria de Processos

  1. 1. Roberto Malheiros Moreira
  2. 2. EPPO E P E P MP
  3. 3. UM INDIVÍDUO RESOLVE SE MUDAR PARAUM INDIVÍDUO RESOLVE SE MUDAR PARA UMA PEQUENA CIDADE DO LITORALUMA PEQUENA CIDADE DO LITORAL ONDE PLANEJA SOBREVIVER DA VENDAONDE PLANEJA SOBREVIVER DA VENDA DE ARTESANATO, DEDICANDO A MAIORDE ARTESANATO, DEDICANDO A MAIOR PARTE DE SEU TEMPO A VIVER COMPARTE DE SEU TEMPO A VIVER COM FELICIDADEFELICIDADE
  4. 4. P R O D U Ç Ã O N Ú M E R O D E E M P R E G A D O S
  5. 5. P R O D U Ç Ã O N Ú M E R O D E E M P R E G A D O S
  6. 6. P R O D U Ç Ã O N Ú M E R O D E E M P R E G A D O S
  7. 7. NÃO LINEARIDADENÃO LINEARIDADE ESTÁ ASSOCIADA AESTÁ ASSOCIADA A ATIVIDADES QUEATIVIDADES QUE NÃO AGREGAM VALORNÃO AGREGAM VALOR
  8. 8. AS TEORIAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO ESTENDERAM O CONCEITO DE PROCESSOS PARA AS EMPRESAS E AS CADEIAS DE SUPRIMENTOS OS FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO DE PROCESSOS FORAM DESENVOLVIDOS PARA MAXIMIZAR A PRODUTIVIDADE DAS LINHAS DE PRODUÇÃO
  9. 9. Uma empresa forneceUma empresa fornece simultaneamente doissimultaneamente dois produtos para o mercado:produtos para o mercado:
  10. 10. Para cada unidade do produto APara cada unidade do produto A são consumidas três medidassão consumidas três medidas do insumo X e uma medida dodo insumo X e uma medida do insumo Yinsumo Y Para cada unidade do produto BPara cada unidade do produto B são consumidas cinco medidassão consumidas cinco medidas do insumo X e três medidas dodo insumo X e três medidas do insumo Yinsumo Y
  11. 11. O estoque de uma Empresa éO estoque de uma Empresa é compartilhado para acompartilhado para a manufatura de dois produtos:manufatura de dois produtos:
  12. 12. O inventário da Empresa é deO inventário da Empresa é de seiscentas medidas de X eseiscentas medidas de X e trezentas medidas de Ytrezentas medidas de Y As receitas de venda dosAs receitas de venda dos produtos são as seguintes:produtos são as seguintes: Produto A : 500,00Produto A : 500,00 Produto B : 1.100,00Produto B : 1.100,00
  13. 13. Quais as quantidades dosQuais as quantidades dos produtos A e B que devem serprodutos A e B que devem ser fabricadas para que a empresafabricadas para que a empresa obtenha receita máxima ?obtenha receita máxima ?
  14. 14. NA NB INSUMO XINSUMO X 200 120
  15. 15. NA NB 300 100 INSUMO YINSUMO Y
  16. 16. NA NB 300 200 120100
  17. 17. NA NB 300 200 120100
  18. 18. NA 150 300 200 150 110000,00 100 150000,00 NB
  19. 19. NA NB 300 200 120100 NA = 75 NB = 75 RECEITA = 120.000,00
  20. 20. IDENTIFICAÇÃO DO OBJETIVO; MODELAGEM; E OTIMIZAÇÃO DA FUNÇÃO OBJETIVO FORMAÇÃO DE PO PRÁTICA USUAL DOS CIENTISTAS: A MODELAGEM DA FUNÇÃO OBJETIVO, LEVA À NATURAL DECOMPOSIÇÃO DOS RESULTADOS EM PARCELAS CORRESPONDENTES ÀS DIVERSAS CAPACIDADES NECESSÁRIAS PARA ATINGIR O OBJETIVO
  21. 21. OS FUNDAMENTOS DA PROCURA DE MÁXIMOS E MÍNIMOS SÃO CONHECIDOS DESDE O SÉCULO XVI
  22. 22. OS FUNDAMENTOS DA PROCURA DE MÁXIMOS E MÍNIMOS SÃO CONHECIDOS DESDE O SÉCULO XVI AS APLICAÇÕES PRÁTICAS DE OTIMIZAÇÃO FORAM DESENVOLVIDAS AO TEMPO DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
  23. 23. OEG - USN RESULTADOS IMEDIATOS ORG - RAF Randall Wakeland Keith Tidman ABORDAGEM DOS PROBLEMAS OPERACIONAIS POR CIENTISTAS WILLIAM THOMAS Dep. Science History MIT
  24. 24. NAVEGAR - IDENTIFICAR - MARCAR - DESTRUIR - REGRESSAR O DESENVOLVIMENTO EM CADA UMA DESTAS ÁREAS ERA ESTIMULADO PELA VARIAÇÃO DA PROBABILIDADE DE SUCESSO NO ATAQUE E NO RETORNO SEGURO DAS MISSÕES DESENVOLVIMENTO DO RADAR, NAVEGAÇÃO ELETRÔNICA, CONFIGURAÇÃO DE MEIOS AÉREOS, PROCESSOS DE IDENTIFICAÇÃO DE ALVOS BOMBARDEIO AÉREO
  25. 25. GUERRA ANTI-SUBMARINO DETECTAR - APROXIMAR - ATACAR - DESTRUIR O DESENVOLVIMENTO EM CADA UMA DESTAS ÁREAS CAUSOU UMA RESPOSTA MATERIAL OU TÁTICA DO INIMIGO, QUE REQUERIA NOVAS ATIVIDADES DE ANÁLISE E OTIMIZAÇÃO EMPREGO DO RADAR, REGULAGEM DE BOMBAS, SISTEMAS DE CONTROLE DE TRÁFEGO
  26. 26. PASSAGEM PARA A ÁREA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS ADMINISTRAÇÃO COM VISÃO SISTÊMICA
  27. 27. O PROBLEMA DE ENCONTRAR O PROBLEMA PO COMO MÉTODO CIENTÍFICO PARA FORNECER AOS EXECUTIVOS UMA BASE QUANTITATIVA PARA DECIDIR SOBRE AS OPERAÇÕES SOB SUA RESPONSABILIDADE EXECUTADA POR PESSOAS COM PRÁTICA DE EXPERIMENTOS CIENTÍFICOS NECESSIDADE DE QUANTIFICAR A CONSECUÇÃO DO OBJETIVO. SUGERE PESQUISA OPERACIONAL RECOMPENSAR OS COLABORADORES POR SUA CONTRIBUIÇÃO PARA ATINGIR O OBJETIVO OBJETIVO NÃO É META
  28. 28. ESPECIFICAÇÃO DE METODOLOGIA ESTUDOS ESTRATÉGICOS •RESPONSABILIDADES DA MARINHA •TAREFAS QUE DEVEM SER EFETUADAS PARA CUMPRIR •CAPACIDADES PARA ATINGIR OBJETIVOS •EFEITO DA TECNOLOGIA DISPONÍVEL NO DESEMPENHO •SISTEMAS DE ARMAS E TECNOLOGIAS ÓTIMAS •ADAPTABILIDADE PARA EFEITO NAS TAREFAS •DIRECIONAMENTO REQUERIDO NA TECNOLOGIA •COMPOSIÇÃO DE FORÇAS NECESSÁRIA . .
  29. 29. Ludwig Von Bertalanffy SISTEMAS SÃO CONJUNTOS DE ELEMENTOS QUE INTERAGEM. O RESULTADO DE UM SISTEMA É DIFERENTE DA SOMA DOS ESFORÇOS DE SEUS COMPONENTES A DIFERENÇA ENTRE SISTEMAS NATURAIS E ARTIFICIAIS É O
  30. 30. • METODOLOGIAMETODOLOGIA • Rockower, E.Rockower, E.
  31. 31. •DETERMINAÇÃO DO OBJETIVO •ESCOLHA DA MEO •ANÁLISE DAS VARIÁVEIS •MODELAGEM •OTIMIZAÇÃO •ANÁLISE DE SENSIBILIDADE
  32. 32. •DETERMINAÇÃO DO OBJETIVO •ESCOLHA DA MEO •ANÁLISE DAS VARIÁVEIS •MODELAGEM •OTIMIZAÇÃO •ANÁLISE DE SENSIBILIDADE
  33. 33. •DETERMINAÇÃO DO OBJETIVO •ESCOLHA DA MEO •ANÁLISE DAS VARIÁVEIS •MODELAGEM •OTIMIZAÇÃO •ANÁLISE DE SENSIBILIDADE
  34. 34. • When you can measure what you are speaking about,When you can measure what you are speaking about, and express it in numbers, you know something about itand express it in numbers, you know something about it -- Lord KelvinLord Kelvin ( 1824 – 1907 )( 1824 – 1907 ) • Count what is countable, measure what is measurable, and what is not measurable, make measurable – Galileo Galilei ( 1564 – 1642 ) • Data! Data! Data! I can’t make bricks without clay - Sherlock Holmes in The Adventure of Copper Beeches, by ir Arthur Conan Doyle • In God we thrust, everyone else must bring data - W. Edwards Deming
  35. 35. •DETERMINAÇÃO DO OBJETIVO •ESCOLHA DA MEO •ANÁLISE DAS VARIÁVEIS •MODELAGEM •OTIMIZAÇÃO •ANÁLISE DE SENSIBILIDADE
  36. 36. “As pessoas tendem a devotar uma fração muito pequena de tempo para a consideração de qualquer assunto público, e a maior parte dele na perseguição de seus objetivos pessoais. Enquanto isto, cada um trata de que nenhum prejuízo ocorra por um descuido seu. E assim a causa comum é, imperceptivelmente, abandonada.” Tucídides, (cerca de 400 a.C.) foi um General e historiador da Grécia Antiga. “As pessoas tendem a devotar uma fração muito pequena de tempo para a consideração de qualquer assunto público, e a maior parte dele na perseguição de seus objetivos pessoais. Enquanto isto, cada um trata de que nenhum prejuízo ocorra por um descuido seu. E assim a causa comum é, imperceptivelmente, abandonada.” “As pessoas tendem a devotar uma fração muito pequena de tempo para a consideração de qualquer assunto público, e a maior parte dele na perseguição de seus objetivos pessoais. Enquanto isto, cada um trata de que nenhum prejuízo ocorra por um descuido seu. E assim a causa comum é, imperceptivelmente, abandonada.”
  37. 37. Thomas Hobbes (1588 - 1679) matemático e filósofo. • Natureza humana: cada um por si. • Como as coisas são escassas (finitas) existe uma tendência de constante guerra de todos contra todos. • No entanto, os homens têm um desejo, que é também em interesse próprio, de acabar com as guerras, pois os conflitos têm um custo alto. • Por isso, os homens criam um contrato social, formam sociedades, governos, leis, religiões etc.
  38. 38. • CADA INDIVÍDUO TEM BENEFÍCIO MÁXIMO SE TIVER O MAIOR NÚMERO DE CABEÇAS POSSÍVEL. • A SUPERPOPULAÇÃO DE GADO DESTRUIRÁ O PASTO DE TODOS. • QUEM ADOTAR UMA VISÃO DE LONGO PRAZO ACABARÁ PERDENDO OS LUCROS IMEDIATOS E TAMBÉM O PASTO PARA TODOS OS DEMAIS. Teoria dos jogos A Tragédia dos Comuns MUITOS HERDEIROS DIVIDEM UMA ÚNICA PORÇÃO DE TERRA, ONDE TODOS TÊM O DIREITO DE CRIAR GADO
  39. 39. PAÍS CADEIA DE SUPRIMENTOS EMPRESA DEPTO DIV IND
  40. 40. “Aqui, como em todo o Brasil, há muitos jovens. Vocês, queridos jovens, possuem uma sensibilidade especial frente às injustiças, mas muitas vezes se desiludem com notícias que falam de corrupção, com pessoas que, em vez de buscar o bem comum, procuram o seu próprio benefício”. “Aqui, como em todo o Brasil, há muitos jovens. Vocês, queridos jovens, possuem uma sensibilidade especial frente às injustiças, mas muitas vezes se desiludem com notícias que falam de corrupção, com pessoas que, em vez de buscar o bem comum, procuram o seu próprio benefício”. Papa Francisco, 25 jul 2013 na comunidade de Manguinhos, Rio de Janeiro
  41. 41. •DETERMINAÇÃO DO OBJETIVO •ESCOLHA DA MEO •ANÁLISE DAS VARIÁVEIS •MODELAGEM •OTIMIZAÇÃO •ANÁLISE DE SENSIBILIDADE
  42. 42. QUANDO NÃO SE SABE ONDE VAI TODOS OS CAMINHOS ESTÃO ERRADOS OBJETIVO (O QUE FAZER) COMO FAZER
  43. 43. CONHECER A MELHOR FERRAMENTA PARA USAR EM CADA SITUAÇÃO DO MODO MAIS EFICIENTE E EFICAZ
  44. 44. W. E. Deming e J. Juran gostavam de citar que 80 a 90 ou 95 por cento dos problemas de uma organização são problemas com o sistema e não com as pessoas que trabalham nele
  45. 45. O QUE É SISTEMA ? CONJUNTO DE ELEMENTOS EM INTERAÇÃO
  46. 46. SEQUÊNCIA DE ATIVIDADES EXECUTADAS PARA ATINGIR UM OBJETIVOSEQUÊNCIA DE ATIVIDADES EXECUTADAS PARA ATINGIR UM OBJETIVO SUPERPRODUÇÃO DEFEITOS ESPERA ESTOQUE TRANSPORTE MOVIMENTAÇÃO PROCESSO INADEQUADO
  47. 47. SEGUNDA METADE DO SÉCULO XX TEORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
  48. 48. NÃO BASTA QUE O PROCESSO ESTEJA OTIMIZADO. É PRECISO ESTABE- LECER UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA FACILITAR O TRABALHO NÃO BASTA QUE O PROCESSO OTIMIZADO CONTE COM AS INFORMAÇÕES DE QUE NECESSITA. É PRECISO QUE A INFORMAÇÃO NECESSÁRIA E CORRETA ESTEJA DISPONÍVEL NA HORA CERTA TEORIA GERAL DOS SISTEMAS
  49. 49. Folga e Sobra O relaxamento de restrições que tem folga ou sobra não afeta o valor da solução ótima do problema
  50. 50. Análise de Sensibilidade O relaxamento de uma restrição, que corresponde a um aumento da oferta do insumo que consiste na restrição, pode alterar o valor do ótimo Novo Ótimo
  51. 51. Análise de Sensibilidade Se a restrição relaxada tem inclinação mais próxima da inclinação da função objetivo O aumento do valor da solução é maior
  52. 52. A TEORIA DAS RESTRIÇÕES RECOMENDA QUE SE IDENTIFIQUE O GARGALO QUE LIMITA A MELHORIA DO RESULTADO, QUE PODE SER UMA RESTRIÇÃO OU UM CONJUNTO DELAS, E SE INVISTA EM IMPLEMENTAR RELAXAMENTO NAS RESTRIÇÕES CAPAZES DE PRODUZIR MAIOR RETORNO SE UM PROCESSO ESTÁ OTIMIZADO O ÚNICO INVESTIMENTO CAPAZ DE MELHORAR O RESULTADO É EM LEVANTAR UMA RESTRIÇÃO O CONJUNTO DE RESTRIÇÕES QUE LIMITA O CONJUNTO VIÁVEL DE SOLUÇÕES É COMPOSTO PELAS “REGRAS DE NEGÓCIOS” DESTE MODO, AS REGRAS DE NEGÓCIOS, AO CONTRÁRIO DE VALORES INTOCÁVEIS, SÃO AS VARIÁVEIS DE QUE SE DISPÕE PARA MELHORAR OS RESULTADOS SOMENTE UM TÉCNICO COM CONHECIMENTOS SÓLIDOS DO PROCESSO PODE SER CAPAZ DE IDENTIFICAR AS RESTRIÇÕES QUE PODEM SER ALTERADAS E PROPOR COMO FAZÊ-LO A TEORIA DAS RESTRIÇÕES RECOMENDA QUE SE IDENTIFIQUE O GARGALO QUE LIMITA A MELHORIA DO RESULTADO, QUE PODE SER UMA RESTRIÇÃO OU UM CONJUNTO DELAS, E SE INVISTA EM IMPLEMENTAR RELAXAMENTO NAS RESTRIÇÕES CAPAZES DE PRODUZIR MAIOR RETORNO
  53. 53. O SISTEMA DE INFORMAÇÕES NÃO PODE OTIMIZAR O DESEMPENHO DO SISTEMA SE O PROCESSO NÃO ESTÁ CORRETO BOTTOM UP TOP DOWN UM PROCESSO ERRADO NUNCA PRODUZIRÁ RESULTADOS EFICIENTES POR MELHOR QUE SEJA A DISPONIBILIDADE DE INFORMAÇÕES UM PROCESSO ÓTIMO PODE PRODUZIR RESULTADOS EFICIENTES MESMO QUE PADEÇA DE PROBLEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS
  54. 54. PROCESSO DE ANÁLISE DE SISTEMAS ENGENHARIA DE REQUISITOS BOTTOM-UP X TOP-DOWN FACILITAR O OPERADOR EM SISTEMAS ENXUTOS MELHORAR O DESEMPENHO DE SISTEMAS NÃO SATISFATÓRIOS
  55. 55. FUNCIONA ? NÃO TOQUE SEM PROBLEMA SIM VOCÊ TOCOU ? VAI TER PROBLEMA ? AFASTE-SE NÃO NÃO NÃO ALGUÉM VIU ? ESCONDA-SE VACILOU SE FERROU PODE CULPAR ALGUÉM ? SIM SIM NÃO NÃO SIM SIM
  56. 56. SE VOCÊ COLOCA PESSOAS BOAS EM UM MAU PROCESSO, EM POUCO TEMPO ESTARÃO TODOS, EM VEZ DE TRABALHAR, PROCURANDO BOTAR A CULPA NOS OUTROS PELAS FALHAS DO SISTEMA Sunil Chopra SE FERROU PODE CULPAR ALGUÉM ? NÃO

×