Antônio Ferraz de Araújo catão         ANTÔNIO FERRAZ DE ARAÚJO CATÃO      O Coronel Antônio Ferraz de Araújo Catão é desc...
Antônio Ferraz de Araújo catãoNapoleão Ferraz de Araújo e Vitória Ferraz de Oliveira Dantas que mais tarde casou-se com Cí...
Antônio Ferraz de Araújo catão     TESTAMENTO DE CATÃO     O testamento de Antônio Ferraz de Araújo Catão foi lavrado em 5...
Antônio Ferraz de Araújo catão    fruto de minha meação à minha mulher Dona Zeferina Maria de Oliveira. Depois de sua mort...
Antônio Ferraz de Araújo catão      Considerando finalmente o mais que dos autos consta, parecer do Dr. Promotor Público à...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Antonio Ferraz de Araujo Catão

974 visualizações

Publicada em

O Coronel Antônio Ferraz de Araújo Catão é descendente do Patriarca da Família Ferraz Joaquim Ferraz de Araújo que foi casado em 2ª núpcias com Maria Antônia de Carvalho com a qual teve nove filhos: Ricardo Ferraz de Araújo, Antônio Ferraz de Araújo Catão, Domingos Ferraz de Araújo, Francisco Ferraz de Araújo, Leocádia Ferraz de Araújo, Maria Ferraz de Araújo, Honorata Ferraz de Araújo, Helena Ferraz de Araújo e Ana Ferraz de Araújo.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
974
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Antonio Ferraz de Araujo Catão

  1. 1. Antônio Ferraz de Araújo catão ANTÔNIO FERRAZ DE ARAÚJO CATÃO O Coronel Antônio Ferraz de Araújo Catão é descendente do Patriarca da Família Ferraz JoaquimFerraz de Araújo que foi casado em 2ª núpcias com Maria Antônia de Carvalho com a qual teve nove filhos:Ricardo Ferraz de Araújo, Antônio Ferraz de Araújo Catão, Domingos Ferraz de Araújo, Francisco Ferraz deAraújo, Leocádia Ferraz de Araújo, Maria Ferraz de Araújo, Honorata Ferraz de Araújo, Helena Ferraz deAraújo e Ana Ferraz de Araújo. Antônio Ferraz de Araújo Catão foi o 2º filho de Joaquim Ferraz de Araújo com Maria Antônia deCarvalho e foi casado com Zeferina Maria de Oliveira, com a qual não teve filhos. Catão Ferraz, como era conhecido, residia na Fazenda do Bom do Jardim que fica nas margens daRodovia BA-265, e estava localizada entre a entrada da estrada que desce a serra em direção à caatinga[Bomba] chegando até próximo do Povoado de Pé da Serra na antiga estrada de terra que segue paraTremedal, passando pelo Posto Bambu de João Ferraz e descendo a Serra do Jataí. Dono de grande fortuna quer em Fazendas quer em propriedades residenciais em Vitória daConquista, deixou, ao morrer, todo o seu patrimônio à sua mulher Zeferina como usufrutuária desses bens,deixando também, logo após a sua morte, alguns dotes e terras aos seus parentes e afiliados. O Testamentoprevia que após a morte de sua mulher Zeferina Maria de Oliveira, o que se verificou em 7 de junho de 1926,todos os seus bens seriam destinados a uma obra de caridade, assim se expressando: [...] e o mais que sobrar de minha meaçãodeixo para se criar na Vila da Vitória uma Casa de Caridade a bem da pobreza e desvalidos. O que, aliás, foi feito e desta forma foi construído o prédio da Santa Casa de Misericórdia em Vitóriada Conquista, e que hoje forma todo o complexo do Hospital São Vicente. Catão, apesar de sua grande riqueza foi sempre um homem muito simples que criou os filhos demuitos de seus parentes e compadres, entre esses, Honorina Ferraz de Oliveira Dantas, que foi a esposa de1 fonte: www.robertolettiere.com.br Escritor Roberto Lettière
  2. 2. Antônio Ferraz de Araújo catãoNapoleão Ferraz de Araújo e Vitória Ferraz de Oliveira Dantas que mais tarde casou-se com Cícero Ferraz deOliveirae que eram sobrinhas de Zeferina Maria de Oliveira. Catão até mesmo na sua morte dispensou as pompas de estilo de uma figura ilustre e rica como ele,deixando em seu testamento expresso o seguinte: [...] é de minha vontade que o meu corpo seja amortalhado de preto e meu enterro seja feito sem pompa e sem grandeza.... [...] devendo o meu corpo ser sepultado na Igreja ou Cemitério que ficar mais próximo ao lugar do meu falecimento. Em 1894, por ocasião da abertura só testamento de Antônio Ferraz de Araújo Catão, teve seus bensimóveis avaliado em de 29:566$658 [Vinte e nove contos e quinhentos e sessenta e seis mil e seiscentos ecinquenta e oito réis.] que representava uma verdadeira fortuna. Apesar desse desprendimento material e vontade de cuidar dos pobres e desvalidos, Catão Ferrazesteve envolvido em vários inquéritos policiais e figura inclusive como mandante de um assassinato,contudo, saiu-se livre dos processos. Catão, como os demais membros de sua família, também ocupou cargos públicos. Foi Juiz Municipal eDelegado de Polícia, por duas vezes, em 1880 e 1882. Catão não teve morte natural, foi assassinado conforme declarou sua mulher Zeferina Maria deOliveira que seu marido Catão Ferraz: [...] fora barbaramente assassinado com um tiro nas costas ao chegar na porteira da Fazenda em 02 de junho de 1893. Sua morte ocorreu quase um ano após ter sido concluído o processo criminal do qual era réu.2 fonte: www.robertolettiere.com.br Escritor Roberto Lettière
  3. 3. Antônio Ferraz de Araújo catão TESTAMENTO DE CATÃO O testamento de Antônio Ferraz de Araújo Catão foi lavrado em 5 de março de 1887, tendo ele sidoassassinado no ano de 1893: [...] Jesus Maria José, em nome da Santíssima Trindade – Padre Filho e Espírito Santo, em que eu Antônio Ferraz de Araújo Catão, firmemente creio em cuja fé protesto viver e morrer, este meu testamento última vontade que há de prevalecer depois de minha morte. Declaro que me achando são e em perfeito juízo e entendimento e receando a morte que, a todos é certa determinei fazer meu testamento pela forma seguinte: Declaro que sou brasileiro, natural da Freguesia de Santo Antônio da Barra [ Condeúba], filho legítimo de Joaquim Ferraz de Araújo e Maria Antônia de Carvalho já falecidos. Declaro que sou casado com Dona Zeferina Maria de Oliveira, filha legítima do Capitão Luiz Fernandes de Oliveira e de Dona Teresa de Oliveira Freitas, de cujo casamento não tivemos filhos. Declaro que é minha vontade que o meu corpo seja amortalhado de preto e meu enterro seja feito sem pompa e sem grandeza, dando-se aos pobres, no dia em que for sepultado, duzentos mil réis de esmolas, devendo o meu corpo ser sepultado, na igreja ou cemitério que ficar mais próximo do lugar do meu falecimento. Quero que, por minha alma se diga uma capela de missas, meia capela por alma de todos quantos tenho lesado neste mundo, meia capela por alma de meus pais e mais dez missas pelas almas do purgatório. Deixo para reparo da capela de Nossa Senhora da Saúde, de São Felipe, trezentos mil réis. Com a condição de servirem a minha mulher, a exceção dos escravos Sabino, Januário e Apolinário, deixo os mais todos forros e libertados e, a todos os meninos que eu tenho criado, uma das melhores fazendas que tenho, deixo para eles a qual nunca poderá ser alienada. Declaro que deixo às duas meninas que estou criando Maria Clemência e Júlia dez cabeças de gado para o seu dote. Declaro que não tenho descendentes e nem ascendentes e deixo o uso3 fonte: www.robertolettiere.com.br Escritor Roberto Lettière
  4. 4. Antônio Ferraz de Araújo catão fruto de minha meação à minha mulher Dona Zeferina Maria de Oliveira. Depois de sua morte será entregue dois contos de réis, em dinheiro ou em bens a minha afilhada Jesuína, filha do meu compadre Joaquim Gonçalves de Santana e, o mais que sobrar de minha meação deixo para se criar na Vila da Vitória uma casa de caridade a bem da pobreza e desvalidos. [grifos meus] SENTENÇA JUDICIAL DE INCORPORAÇÃO [...] Considerando que, o falecido Antônio Ferraz de Araújo Catão, deixou em seu testamento de 5 de março de 1887, a meação de bens para se criar na Vila da Vitória hoje Cidade de Conquista, uma Casa de Caridade a bem da pobreza e desvalidos: ficando, porém, sua mulher Dona Zeferina Maria de Oliveira no usufruto dos referidos bens; considerando que tendo o falecido Antônio Ferraz de Araújo Catão, foram inventariados os bens do casal, cumprindo o testamento, sendo o inventário julgado por sentença em 3 de outubro de 1894, não tendo havido no decorrer de 32 anos, após a abertura do testamento, nenhuma impugnação contra as cláusulas testamentárias; considerando que, para dar cumprimento as disposições testamentárias, diversos cidadãos aqui domiciliados, fundaram um estabelecimento de caridade que é a santa Casa de Misericórdia, destinado à pobreza e desvalidos, tal qual o determinara o testador, em se investindo assim aí nesse estabelecimento de grande utilidade social; considerando que a Irmandade da Santa Casa de Misericórdia desta Cidade no direito de reclamar os bens legados, logo que se verificasse a extinção de usufruto, requereu seu procurador geral, na petição de fls. 03, que fossem transferidas pelos meios de direito, os bens legados; considerando que tendo falecido a usufrutuária Dona Zeferina Maria de Oliveira, em 7 de junho de 1926, como se verifica no documento de fls.105, ficou extinto o usufruto que lhe foi dado pelo seu marido Antônio Ferraz de Araújo Catão; considerando que, sendo assim, devem ser transferidos todos os bens que usufruídos pela falecida Zeferina Maria de Oliveira à Irmandade da Santa Casa de Misericórdia desta Cidade, que está funcionando com todas as prescrições legais; [...]4 fonte: www.robertolettiere.com.br Escritor Roberto Lettière
  5. 5. Antônio Ferraz de Araújo catão Considerando finalmente o mais que dos autos consta, parecer do Dr. Promotor Público às fls. 115 e 116, julgo extinto os usufrutos dos bens da meação do falecido Antônio Ferraz de Araújo Catão, em cujo gozo estava sua mulher Dona Zeferina Maria de Oliveira que falecera a 7 de junho de 1926. Mando assim que sejam incorporados todos os bens aopatrimônio da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia desta Cidade, para que possa exercer a caridade a bem da pobreza e desvalidos, ficando a mesma Irmandade na obrigação de entregar a quantia de 2:000$000 dois contos de réis em dinheiro ou bens a Dona Joaquina, filha de Joaquim Gonçalves de Santana, conforme disposição do testador. Publique-se em audiência. Conquista, 29 de outubro de 1927. Panfilo Luiz de Souza – Juiz de Direito. [grifos meus] Como se vê, o atual Complexo Hospitalar da Santa Casa de Misericórdia de Vitória da Conquista,inclusive a Maternidade e o Hospital São Vicente, deve a sua atual pujança, em grande parte, ao CoronelAntônio Ferraz de Araújo Catão, um belocampense, que deixou todos os seus bens materiais a essaBenemérita Instituição, impulsionando e solidificando suas bases para os serviços futuro.5 fonte: www.robertolettiere.com.br Escritor Roberto Lettière

×