SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 1/26
| |
Resumo Geral
Propedêutica Neurológica e Neurocirúrgica
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 2/26
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 3/26
Outros Sinais
Asteríxis: indica encefalopatia metabólica. Pede-se para o paciente ficar com a mão no sentido de “parar o trânsito”... Caso haja queda = Asteríxis.
Sinal de Trousseau
Ocorre em situações de hipocalcemia.
Insufla-se o manguito: haverá contração tetânica do MM.
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 4/26
Sinal de Chvostek
Presente em hipocalcemias.
Estimulação do nervo facial resulta em espasmo da musculatura facial.
Outros Sinais
Escápula Alada: lesões do nervo torácico longo.
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 5/26
Classificação de Coma de Fischgold e Mathis
Grau 1 (coma leve): paciente obedece ordens; perguntas produzem respostas verbais; há verbalização aos estímulos dolorosos.
Grau 2 (coma moderado): dor produz movimentos voluntários; estímulos produzem movimentos faciais, piscamento ou abertura palpebral.
Grau 3 (coma profundo): dor produz reflexos motores elementares; dor não produz reações.
Grau 4 (coma dèpassé ou morte cerebral): dor não produz reações; ausência de funções vegetativas voluntárias.
Classificação de Coma de Fisher
Sonolência: O paciente mantém-se adormecido. Se estimulado, ele mantém diálogo e atividade motora apropriada, voltando a adormecer quando o estímulo cessa.
Torpor: O paciente mantém-se adormecido. Após estímulos fortes, ele responde monossilabicamente e apresenta atividade motora simples, visando livrar-se do exam
Coma leve: O paciente não mantém contato vertical. Se estimulado dolorosamente, sua atividade motora restringe-se a defender o local afetado.
Coma moderado: Situa-se entre o coma leve e o profundo.
Coma profundo: O paciente não mantém contato verbal. A atividade motora, após estímulos intensos, constitui-se apenas de movimentos reflexos, como, por exemp
atividade respiratória e postura em decorticação ou descerebração.
Coma irreversível: Também designada morte cerebral ou coma dépassé.
Classificação de Coma pelo Glasgow
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 6/26
Resumindo...
Coluna Vertebral
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 7/26
Coluna Vertebral – Escala de Frankel
A - Perda completa das funções motora e sensitiva
B - Incompleta – apenas sensibilidade preservada
C - Incompleta – motricidade presente (não funcional)
D - Incompleta – motricidade presente (funcional)
E - Retorno completo das funções motora e sensitiva. Pode haver anormalidades de reflexos
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 8/26
Coluna Vertebral e Medula
Medula e Tratos
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 9/26
Síndromes Medulares
Síndrome do Epícone Medular (L5-S1):
Déficit sensitivomotor ântero-lateral da perna.
Abolição do reflexo aquileu.
Não costuma comprometer esfíncteres.
Síndrome do Cone Medular (S2-S5):
Corresponde a L1-L2 vertebral.
Inervação dos M. do Períneo, do ânus, genitais.
Centro de inervação da bexiga e reto.
Anestesia em sela e alteração de esfíncteres.
Síndrome da Cauda Eqüína (L3-S5):
Síndrome radicular caracterizada por paraplegia flácida.
Arreflexia aquileu e patelar.
Anestesia em sela e alteração de esfíncteres.
Síndrome Cordonal Posterior:
Abolição da sensibilidade profunda (vibratória/postural).
Ataxia sensitiva.
Lues.
Síndrome de Hemissecção Medular (Brown-Séquard):
Sinais ipsilaterais e contralaterais.
Ipsilateral à lesão: paresia ou paralisia piramidal, abolição da sensibilidade profunda (vibratória e postural) e ataxia.
Contralateral: anestesia térmica e dolorosa.
Secção Medular Completa:
Choque medular: paraplegia flácida – espástica.
Paralisia flácida com arreflexia e hipotonia muscular seguida de paralisia espástica com hipertonia, hiper-reflexia e sinal de Babinski.
Alteração de esfíncteres (retenção – incontinência).
Escaras de decúbito.
Hipoestesia ou anestesia.
Lesão Medular
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 10/26
A: Lesão do centro branco medular (Sd. Schneider).
B: Lesão Cordonal Lateral da medula
C: Lesão Cordonal Lateral do Tronco Cerebral
D: Lesão Talâmica
E: Lesão Cortical
A: Polineuropatia Periférica – Lesão em “bota e luva”.
B: Anestesia térmico-dolorosa “suspensa” na seringomielia.
C: Anestesia térmico-dolorosa por lesão do trato espinotalâmico contralateral.
D: Sd. de Hemissecção medular.
E: Síndrome de Secção medular completa.
F: Anestesia contralateral completa (Sd. do tronco cerebral superior).
Síndrome de Parinaud
Parinaud, em 1883, descreveu síndrome caracterizada por paralisia do olhar conjugado vertical associada a lesões localizadas no colículo superior,na região periaquedu
Parinaud completa consiste em paralisia do olhar conjugado vertical para cima e menos freqüentemente para baixo, midríase, ausência de reação pupilar à luz e incap
convergência ocular.
Estrabismo convergente.
Nistagmo retrátil à convergência ocular e retração das pálpebras superiores - sinal de Collier.
Etiologia vascular, infecciosa, inflamatória, desmielinizante e tumoral.
Sinal de Collier: retração palpebral.
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 11/26
Sinal de Collier: retração palpebral.
Considerações Pediátricas
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 12/26
Neurogênese
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 13/26
Curva de Crescimento Intra-Uterino
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 14/26
Considerações Pediátricas
Mielinização inicia-se na 10ª semana de vida: Raízes Espinhais – Reflexos.
Na 28ª-30ª: sistema acústico e vestibular.
Na 37ª: vias cerebelares.
Na 40ª: sistema visual.
Final dos 18 meses: término da mielinização.
3º ano: pedúnculo cerebelar médio, radiação acústica e trato mamilotalâmico.
7º ano: radiações talâmicas.
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 15/26
O SNC da criança é muito dinâmico.
Avaliar o DNPM.
Dados da anamnese: peso de nascimento, estatura, perímetro cefálico, fácies, problemas na gestação (infecções, oligoidrâmnio – indicativo de hipoplasia renal ou sín
Potter, poliidrâmnio – indicativo de problemas neurológicos como anencefalia, mielomeningocele, meningocele, encefalocele, trissomia do 18, hidropsia fetal), GPA, an
APGAR (1º e 5º minuto).
Baixo peso ao nascer: < 2500g.
Peso > 4000g: suspeitar de mãe diabética.
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 16/26
Reflexos Primitivos
Reflexos na Suspeita de Lesão
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 17/26
Considerações Pediátricas
Reflexo de Moro: “reflexo do abraçamento” – repuxar o lençol abaixo da criança... observaremos flexão-adução dos MMSS.
Reflexo de Magnus de Kleijn: criança fica em decúbito dorsal enquanto apoiamos nossa mão sobre o tórax da criança e com a outra mão, viramos a cabeça da mesma
lados – observaremos a “posição do esgrimista”: extensão dos membros voltados para a face e flexão dos membros voltados para nuca.
Fontanelas: verificá-las – fechamento normal da lambdóide com 1 mês de vida e da bregmática com 12 meses de vida.
Verificar pulsação, turgidez, resistência = PIC ?
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 18/26
Nascimento: 35cm de PC.
1º Trimestre: 2cm/mês
2º Trimestre: 1cm/mês
3º Trimestre: 2cm
1 ano: 47cm
Adulto: + 10cm = 57cm
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 19/26
< percentil 5 = Microcefalia
> percentil 95 = Macrocefalia
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 20/26
Cefalohematoma: indicação cirúrgica – respeita as suturas cranianas.
Crânio:
Acrocefalia
Escafocefalia
Dolicocefalia
Braquicefalia
Plagiocefalia
Macrocefalia
Microfcefalia
Hidrocefalia
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 21/26
Sinal do Sol Poente
Considerações Pediátricas
Peso ao nascer: 3250g
Primeiros 5 dias: perda de 5-10% do peso.
4 primeiros meses: ganho de 30g/dia
4-7 meses: ganho de 25g/dia
1 ano de idade: 3x peso do nascimento
2 anos de idade: 4x peso do nascimento
Até puberdade: ganho de 2,4Kg/ano
Estatura ao nascer:
50cm
Crescimento: 15cm em 6 meses + 10cm em 6 meses
25cm em 1 ano
+ 15cm em 1 ano (2º ano de vida)
+ 10cm em 1 ano (3º ano de vida)
Lesão Nervosa no Parto
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 22/26
Paralisia de Erb : C5-C6
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 23/26
Paralisia de Klumpke C7-T1
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 24/26
Referências Bibliográficas
Netter`s Neurology. H. Royden Jones Jr, MD. Editora ICON – 2005.
Battes Propedêutica Médica. Lynn S. Bickley. Editora Guanabara Koogan, 8ª Edição, 2005.
Celmo Celeno Porto – Semiologia Médica. 5ª Edição, Editora Guanabara Koogan, 2005.
Ricardo Nitrini e Luiz Alberto Bacheschi. A Neurologia que todo Médico Deve Saber. Editora Atheneu, 2ª Edição. 2003.
Sebastião S. Gusmão, Gilberto Belisário Campos e Antônio Lúcio Teixeira. Exame Neurológico. Ed. Revinter, 2ª Edição, 2007.
Wilson Luiz Sanvito. Propedêutica Neurológica Básica. Ediitora Atheneu – 6ª Edição, 2000.
Roteiro de Exame
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 25/26
Exame Neurológico
Anamnese
Nome, Idade, Data, Sexo, Cor/Raça, Estado Civil, Naturalidade, Procedência, Endereço, Profissão, Filhos.
Queixa e Duração
HPMA
ISDA
Hábitos e Vícios
Antecedentes Pessoais
Antecedentes Familiares
Exame Físico Geral
Aspectos Gerais (REG, MEG, BEG); Nível de Consciência; Nutrição (Obeso -- Desnutrido); Tipo Morfológico (biotipo); Atitude (Voluntária/Involuntária); Fácies; Pel
(mucosa, unha e pêlos); Linfonodos; Sinais Vitais (FC, FR, PA, Pulso, Temperatura); Conteúdo de Consciência.
Especial: avaliação dos diversos aparelhos.
Exame Físico Neurológico
Fácies e Atitude
Sistema Muscular e Funções
Manobras Deficitárias:
Prova dos Braços Estendidos
Manobra de Raimiste
Manobra de Mingazzini
Manobra de Barré
Outras Manobras
Coordenação Motora:
Prova do Índex-Nariz
Prova do Índex-Índex
Prova do Calcanhar-Joelho
Prova de Stewart-Holmes
Prova da Oposição do Polegar e demais dedos
Provas Gráficas
Prova de Abotoar-se e Desabotoar-se
Diadococinesia
Motilidade Voluntária
Execução de movimentos ativos e Força Muscular
Motilidade Automática
Marcha
Motilidade Involuntária
Hipercinesias
Reflexos Profundos:
Estilorradial
Bicipital e Tricipital
Flexor dos Dedos
Cúbitopronador
Massetérico, Oro-Orbicular, Glabelar
Patelar e Aquileu
Reflexos Superficiais:
Cutâneo-Abdominal
Cutâneo-Plantar
Cremastérico
Motilidade Involuntária
Outros reflexos e sinais:
Reflexo Palmomentoniano
Sinal de Hoffmann
Sinal de Wartenberg
Sinal de Babinski e alternativas
Sinal de Rossolimo
Sinal de Mendel-Bechterew
Reflexo de Preensão Forçada (Grasping)
Reflexo de Perseguição (Groping)
Clonus
Sinais de Automatismo Medular
Sincinesias
Sinal de Trousseau
Sinal de Chvostek
Reflexos Tônicos de Postura:
Gerais
Segmentares
Tônus Muscular:
Inspeção, Palpação, Percussão, Movimentação Passiva, Balanço Passivo das Articulações, Manobra do Rechaço e Rotação Passiva do Tronco
Trofismo
Pele e Anexos
Ossos e Articulações
Músculo: inspeção e palpação (mensuração)
Equilíbrio
Na posição sentada
Na posição ortostática
Sinal de Romberg
Sinal de Romberg Sensibilizado
Sensibilidade:
Superficial: Exteroceptiva
Tátil
Térmica
28/2/2014 Sistema Nervoso
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 26/26
Térmica
Dolorosa
Profunda: Propriocepção
Sensibilidade Cinético-Postural
Vibratória
Outras Formas: Associativas
Grafestesia
Esterognosia
Discriminação entre dois pontos
Extinção
Nervos Periféricos
Palpação e Inspeção
Sinais Meningorradiculares
Rigidez de Nuca
Sinal de Kernig, Brudzinski, Lhermitte e Laségue
Sistema Neurovegetativo
Vasomotricidade, Bexiga, Reto, Genital, Pilomotricidade e Sudorese
Funções Psíquicas, Psicomotoras e Psicossensoriais
Estado Psíquico: nível e conteúdo da consciência, humor e pensamentos.
Distúrbios da Comunicação: linguagem e fala.
Gnosias:
Agnosias
Esquema Corporal
Lado dominante (destrismo, sinistrismo, ambidestrismo)
Praxias
Apraxias
Nervos Cranianos:
I
II: acuidade, fundoscopia, campimetria.
III, IV e VI: diplopia, fenda palpebral, estrabismo, desvios conjugados, MOE, MOI, Pupila (reflexos).
V: sensibilidade, motricidade, fasciculações, reflexo corneopalpebral.
VII: motricidade, sensibilidade gustativa.
VIII: audição e vestíbulo (Romberg, nistagmo, marcha, provas oculovestibulares, desvios dos MM).
IX e X: motricidade (úvula, palato, deglutição, fonação), sensibilidade (gustação). Reflexo velopalatino.
XI: motricidade
XII: posição da língua in situ e exteriorizada, motilidade da língua, atrofia da língua e fasciculações.
Cidade de Oppenheim - Alemanha
Copyright © 2004/2005 Sistema Nervoso - Todos os direitos reservados Política de Uso e Privacida

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Sistema nervoso

Síndromes vestibulares
Síndromes vestibulares Síndromes vestibulares
Síndromes vestibulares Fabiana Vallina
 
Semiologia oftalmologica
Semiologia oftalmologicaSemiologia oftalmologica
Semiologia oftalmologicaCarolina Costa
 
Principais malformações cerebrais no RN
Principais malformações cerebrais no RNPrincipais malformações cerebrais no RN
Principais malformações cerebrais no RNgisa_legal
 
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)caduanselmi
 
Abordagem da cefaléia no ps
Abordagem da cefaléia no psAbordagem da cefaléia no ps
Abordagem da cefaléia no psDaniel Valente
 
Abordagem da fisioterapia na espinha bifida - Original.pdf
Abordagem da fisioterapia na espinha bifida - Original.pdfAbordagem da fisioterapia na espinha bifida - Original.pdf
Abordagem da fisioterapia na espinha bifida - Original.pdfpedro199229
 
Paralisia Braquial Obstétrica.pdf
Paralisia Braquial Obstétrica.pdfParalisia Braquial Obstétrica.pdf
Paralisia Braquial Obstétrica.pdfLuciannyVictoria
 
Arritmais cardíacas na infância e adolescência
Arritmais cardíacas na infância e adolescênciaArritmais cardíacas na infância e adolescência
Arritmais cardíacas na infância e adolescênciagisa_legal
 
Manual de Condutas do Pronto Socorro Cirúrgico
Manual de Condutas do Pronto Socorro CirúrgicoManual de Condutas do Pronto Socorro Cirúrgico
Manual de Condutas do Pronto Socorro CirúrgicoLarissa20088
 
1189261808 445.avc ppoint
1189261808 445.avc ppoint1189261808 445.avc ppoint
1189261808 445.avc ppointHipolito NZwalo
 
Terapia Ocupacional no contexto das Disfunções Neurológicas
Terapia Ocupacional no contexto das Disfunções NeurológicasTerapia Ocupacional no contexto das Disfunções Neurológicas
Terapia Ocupacional no contexto das Disfunções NeurológicasMarciane Missio
 

Semelhante a Sistema nervoso (20)

Síndromes vestibulares
Síndromes vestibulares Síndromes vestibulares
Síndromes vestibulares
 
Semiologia oftalmologica
Semiologia oftalmologicaSemiologia oftalmologica
Semiologia oftalmologica
 
Ataxia e ..
Ataxia e ..Ataxia e ..
Ataxia e ..
 
Principais malformações cerebrais no RN
Principais malformações cerebrais no RNPrincipais malformações cerebrais no RN
Principais malformações cerebrais no RN
 
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)
 
Abordagem da cefaléia no ps
Abordagem da cefaléia no psAbordagem da cefaléia no ps
Abordagem da cefaléia no ps
 
Monitoramento Cerebral
Monitoramento CerebralMonitoramento Cerebral
Monitoramento Cerebral
 
Abordagem da fisioterapia na espinha bifida - Original.pdf
Abordagem da fisioterapia na espinha bifida - Original.pdfAbordagem da fisioterapia na espinha bifida - Original.pdf
Abordagem da fisioterapia na espinha bifida - Original.pdf
 
Paralisia Braquial Obstétrica.pdf
Paralisia Braquial Obstétrica.pdfParalisia Braquial Obstétrica.pdf
Paralisia Braquial Obstétrica.pdf
 
Arritmais cardíacas na infância e adolescência
Arritmais cardíacas na infância e adolescênciaArritmais cardíacas na infância e adolescência
Arritmais cardíacas na infância e adolescência
 
disturbios cerebelares
disturbios cerebelaresdisturbios cerebelares
disturbios cerebelares
 
Fundoscopia direta
Fundoscopia diretaFundoscopia direta
Fundoscopia direta
 
Sindrome de apert
Sindrome de apertSindrome de apert
Sindrome de apert
 
Exame físico geral
Exame físico geralExame físico geral
Exame físico geral
 
Manual de Condutas do Pronto Socorro Cirúrgico
Manual de Condutas do Pronto Socorro CirúrgicoManual de Condutas do Pronto Socorro Cirúrgico
Manual de Condutas do Pronto Socorro Cirúrgico
 
Trauma vertebromedular.pdf
Trauma vertebromedular.pdfTrauma vertebromedular.pdf
Trauma vertebromedular.pdf
 
exame fisico do RN
exame fisico do RNexame fisico do RN
exame fisico do RN
 
Nervoso importancia
Nervoso importanciaNervoso importancia
Nervoso importancia
 
1189261808 445.avc ppoint
1189261808 445.avc ppoint1189261808 445.avc ppoint
1189261808 445.avc ppoint
 
Terapia Ocupacional no contexto das Disfunções Neurológicas
Terapia Ocupacional no contexto das Disfunções NeurológicasTerapia Ocupacional no contexto das Disfunções Neurológicas
Terapia Ocupacional no contexto das Disfunções Neurológicas
 

Último

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasnarayaskara215
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalErikOliveira40
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 

Último (20)

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 

Sistema nervoso

  • 1. 28/2/2014 Sistema Nervoso http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 1/26 | | Resumo Geral Propedêutica Neurológica e Neurocirúrgica
  • 3. 28/2/2014 Sistema Nervoso http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 3/26 Outros Sinais Asteríxis: indica encefalopatia metabólica. Pede-se para o paciente ficar com a mão no sentido de “parar o trânsito”... Caso haja queda = Asteríxis. Sinal de Trousseau Ocorre em situações de hipocalcemia. Insufla-se o manguito: haverá contração tetânica do MM.
  • 4. 28/2/2014 Sistema Nervoso http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 4/26 Sinal de Chvostek Presente em hipocalcemias. Estimulação do nervo facial resulta em espasmo da musculatura facial. Outros Sinais Escápula Alada: lesões do nervo torácico longo.
  • 5. 28/2/2014 Sistema Nervoso http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 5/26 Classificação de Coma de Fischgold e Mathis Grau 1 (coma leve): paciente obedece ordens; perguntas produzem respostas verbais; há verbalização aos estímulos dolorosos. Grau 2 (coma moderado): dor produz movimentos voluntários; estímulos produzem movimentos faciais, piscamento ou abertura palpebral. Grau 3 (coma profundo): dor produz reflexos motores elementares; dor não produz reações. Grau 4 (coma dèpassé ou morte cerebral): dor não produz reações; ausência de funções vegetativas voluntárias. Classificação de Coma de Fisher Sonolência: O paciente mantém-se adormecido. Se estimulado, ele mantém diálogo e atividade motora apropriada, voltando a adormecer quando o estímulo cessa. Torpor: O paciente mantém-se adormecido. Após estímulos fortes, ele responde monossilabicamente e apresenta atividade motora simples, visando livrar-se do exam Coma leve: O paciente não mantém contato vertical. Se estimulado dolorosamente, sua atividade motora restringe-se a defender o local afetado. Coma moderado: Situa-se entre o coma leve e o profundo. Coma profundo: O paciente não mantém contato verbal. A atividade motora, após estímulos intensos, constitui-se apenas de movimentos reflexos, como, por exemp atividade respiratória e postura em decorticação ou descerebração. Coma irreversível: Também designada morte cerebral ou coma dépassé. Classificação de Coma pelo Glasgow
  • 7. 28/2/2014 Sistema Nervoso http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 7/26 Coluna Vertebral – Escala de Frankel A - Perda completa das funções motora e sensitiva B - Incompleta – apenas sensibilidade preservada C - Incompleta – motricidade presente (não funcional) D - Incompleta – motricidade presente (funcional) E - Retorno completo das funções motora e sensitiva. Pode haver anormalidades de reflexos
  • 9. 28/2/2014 Sistema Nervoso http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 9/26 Síndromes Medulares Síndrome do Epícone Medular (L5-S1): Déficit sensitivomotor ântero-lateral da perna. Abolição do reflexo aquileu. Não costuma comprometer esfíncteres. Síndrome do Cone Medular (S2-S5): Corresponde a L1-L2 vertebral. Inervação dos M. do Períneo, do ânus, genitais. Centro de inervação da bexiga e reto. Anestesia em sela e alteração de esfíncteres. Síndrome da Cauda Eqüína (L3-S5): Síndrome radicular caracterizada por paraplegia flácida. Arreflexia aquileu e patelar. Anestesia em sela e alteração de esfíncteres. Síndrome Cordonal Posterior: Abolição da sensibilidade profunda (vibratória/postural). Ataxia sensitiva. Lues. Síndrome de Hemissecção Medular (Brown-Séquard): Sinais ipsilaterais e contralaterais. Ipsilateral à lesão: paresia ou paralisia piramidal, abolição da sensibilidade profunda (vibratória e postural) e ataxia. Contralateral: anestesia térmica e dolorosa. Secção Medular Completa: Choque medular: paraplegia flácida – espástica. Paralisia flácida com arreflexia e hipotonia muscular seguida de paralisia espástica com hipertonia, hiper-reflexia e sinal de Babinski. Alteração de esfíncteres (retenção – incontinência). Escaras de decúbito. Hipoestesia ou anestesia. Lesão Medular
  • 10. 28/2/2014 Sistema Nervoso http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 10/26 A: Lesão do centro branco medular (Sd. Schneider). B: Lesão Cordonal Lateral da medula C: Lesão Cordonal Lateral do Tronco Cerebral D: Lesão Talâmica E: Lesão Cortical A: Polineuropatia Periférica – Lesão em “bota e luva”. B: Anestesia térmico-dolorosa “suspensa” na seringomielia. C: Anestesia térmico-dolorosa por lesão do trato espinotalâmico contralateral. D: Sd. de Hemissecção medular. E: Síndrome de Secção medular completa. F: Anestesia contralateral completa (Sd. do tronco cerebral superior). Síndrome de Parinaud Parinaud, em 1883, descreveu síndrome caracterizada por paralisia do olhar conjugado vertical associada a lesões localizadas no colículo superior,na região periaquedu Parinaud completa consiste em paralisia do olhar conjugado vertical para cima e menos freqüentemente para baixo, midríase, ausência de reação pupilar à luz e incap convergência ocular. Estrabismo convergente. Nistagmo retrátil à convergência ocular e retração das pálpebras superiores - sinal de Collier. Etiologia vascular, infecciosa, inflamatória, desmielinizante e tumoral. Sinal de Collier: retração palpebral.
  • 11. 28/2/2014 Sistema Nervoso http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 11/26 Sinal de Collier: retração palpebral. Considerações Pediátricas
  • 14. 28/2/2014 Sistema Nervoso http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 14/26 Considerações Pediátricas Mielinização inicia-se na 10ª semana de vida: Raízes Espinhais – Reflexos. Na 28ª-30ª: sistema acústico e vestibular. Na 37ª: vias cerebelares. Na 40ª: sistema visual. Final dos 18 meses: término da mielinização. 3º ano: pedúnculo cerebelar médio, radiação acústica e trato mamilotalâmico. 7º ano: radiações talâmicas.
  • 15. 28/2/2014 Sistema Nervoso http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 15/26 O SNC da criança é muito dinâmico. Avaliar o DNPM. Dados da anamnese: peso de nascimento, estatura, perímetro cefálico, fácies, problemas na gestação (infecções, oligoidrâmnio – indicativo de hipoplasia renal ou sín Potter, poliidrâmnio – indicativo de problemas neurológicos como anencefalia, mielomeningocele, meningocele, encefalocele, trissomia do 18, hidropsia fetal), GPA, an APGAR (1º e 5º minuto). Baixo peso ao nascer: < 2500g. Peso > 4000g: suspeitar de mãe diabética.
  • 17. 28/2/2014 Sistema Nervoso http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 17/26 Considerações Pediátricas Reflexo de Moro: “reflexo do abraçamento” – repuxar o lençol abaixo da criança... observaremos flexão-adução dos MMSS. Reflexo de Magnus de Kleijn: criança fica em decúbito dorsal enquanto apoiamos nossa mão sobre o tórax da criança e com a outra mão, viramos a cabeça da mesma lados – observaremos a “posição do esgrimista”: extensão dos membros voltados para a face e flexão dos membros voltados para nuca. Fontanelas: verificá-las – fechamento normal da lambdóide com 1 mês de vida e da bregmática com 12 meses de vida. Verificar pulsação, turgidez, resistência = PIC ?
  • 18. 28/2/2014 Sistema Nervoso http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 18/26 Nascimento: 35cm de PC. 1º Trimestre: 2cm/mês 2º Trimestre: 1cm/mês 3º Trimestre: 2cm 1 ano: 47cm Adulto: + 10cm = 57cm
  • 19. 28/2/2014 Sistema Nervoso http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 19/26 < percentil 5 = Microcefalia > percentil 95 = Macrocefalia
  • 20. 28/2/2014 Sistema Nervoso http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 20/26 Cefalohematoma: indicação cirúrgica – respeita as suturas cranianas. Crânio: Acrocefalia Escafocefalia Dolicocefalia Braquicefalia Plagiocefalia Macrocefalia Microfcefalia Hidrocefalia
  • 21. 28/2/2014 Sistema Nervoso http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 21/26 Sinal do Sol Poente Considerações Pediátricas Peso ao nascer: 3250g Primeiros 5 dias: perda de 5-10% do peso. 4 primeiros meses: ganho de 30g/dia 4-7 meses: ganho de 25g/dia 1 ano de idade: 3x peso do nascimento 2 anos de idade: 4x peso do nascimento Até puberdade: ganho de 2,4Kg/ano Estatura ao nascer: 50cm Crescimento: 15cm em 6 meses + 10cm em 6 meses 25cm em 1 ano + 15cm em 1 ano (2º ano de vida) + 10cm em 1 ano (3º ano de vida) Lesão Nervosa no Parto
  • 24. 28/2/2014 Sistema Nervoso http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 24/26 Referências Bibliográficas Netter`s Neurology. H. Royden Jones Jr, MD. Editora ICON – 2005. Battes Propedêutica Médica. Lynn S. Bickley. Editora Guanabara Koogan, 8ª Edição, 2005. Celmo Celeno Porto – Semiologia Médica. 5ª Edição, Editora Guanabara Koogan, 2005. Ricardo Nitrini e Luiz Alberto Bacheschi. A Neurologia que todo Médico Deve Saber. Editora Atheneu, 2ª Edição. 2003. Sebastião S. Gusmão, Gilberto Belisário Campos e Antônio Lúcio Teixeira. Exame Neurológico. Ed. Revinter, 2ª Edição, 2007. Wilson Luiz Sanvito. Propedêutica Neurológica Básica. Ediitora Atheneu – 6ª Edição, 2000. Roteiro de Exame
  • 25. 28/2/2014 Sistema Nervoso http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 25/26 Exame Neurológico Anamnese Nome, Idade, Data, Sexo, Cor/Raça, Estado Civil, Naturalidade, Procedência, Endereço, Profissão, Filhos. Queixa e Duração HPMA ISDA Hábitos e Vícios Antecedentes Pessoais Antecedentes Familiares Exame Físico Geral Aspectos Gerais (REG, MEG, BEG); Nível de Consciência; Nutrição (Obeso -- Desnutrido); Tipo Morfológico (biotipo); Atitude (Voluntária/Involuntária); Fácies; Pel (mucosa, unha e pêlos); Linfonodos; Sinais Vitais (FC, FR, PA, Pulso, Temperatura); Conteúdo de Consciência. Especial: avaliação dos diversos aparelhos. Exame Físico Neurológico Fácies e Atitude Sistema Muscular e Funções Manobras Deficitárias: Prova dos Braços Estendidos Manobra de Raimiste Manobra de Mingazzini Manobra de Barré Outras Manobras Coordenação Motora: Prova do Índex-Nariz Prova do Índex-Índex Prova do Calcanhar-Joelho Prova de Stewart-Holmes Prova da Oposição do Polegar e demais dedos Provas Gráficas Prova de Abotoar-se e Desabotoar-se Diadococinesia Motilidade Voluntária Execução de movimentos ativos e Força Muscular Motilidade Automática Marcha Motilidade Involuntária Hipercinesias Reflexos Profundos: Estilorradial Bicipital e Tricipital Flexor dos Dedos Cúbitopronador Massetérico, Oro-Orbicular, Glabelar Patelar e Aquileu Reflexos Superficiais: Cutâneo-Abdominal Cutâneo-Plantar Cremastérico Motilidade Involuntária Outros reflexos e sinais: Reflexo Palmomentoniano Sinal de Hoffmann Sinal de Wartenberg Sinal de Babinski e alternativas Sinal de Rossolimo Sinal de Mendel-Bechterew Reflexo de Preensão Forçada (Grasping) Reflexo de Perseguição (Groping) Clonus Sinais de Automatismo Medular Sincinesias Sinal de Trousseau Sinal de Chvostek Reflexos Tônicos de Postura: Gerais Segmentares Tônus Muscular: Inspeção, Palpação, Percussão, Movimentação Passiva, Balanço Passivo das Articulações, Manobra do Rechaço e Rotação Passiva do Tronco Trofismo Pele e Anexos Ossos e Articulações Músculo: inspeção e palpação (mensuração) Equilíbrio Na posição sentada Na posição ortostática Sinal de Romberg Sinal de Romberg Sensibilizado Sensibilidade: Superficial: Exteroceptiva Tátil Térmica
  • 26. 28/2/2014 Sistema Nervoso http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&materia_id=498&materiaver=1 26/26 Térmica Dolorosa Profunda: Propriocepção Sensibilidade Cinético-Postural Vibratória Outras Formas: Associativas Grafestesia Esterognosia Discriminação entre dois pontos Extinção Nervos Periféricos Palpação e Inspeção Sinais Meningorradiculares Rigidez de Nuca Sinal de Kernig, Brudzinski, Lhermitte e Laségue Sistema Neurovegetativo Vasomotricidade, Bexiga, Reto, Genital, Pilomotricidade e Sudorese Funções Psíquicas, Psicomotoras e Psicossensoriais Estado Psíquico: nível e conteúdo da consciência, humor e pensamentos. Distúrbios da Comunicação: linguagem e fala. Gnosias: Agnosias Esquema Corporal Lado dominante (destrismo, sinistrismo, ambidestrismo) Praxias Apraxias Nervos Cranianos: I II: acuidade, fundoscopia, campimetria. III, IV e VI: diplopia, fenda palpebral, estrabismo, desvios conjugados, MOE, MOI, Pupila (reflexos). V: sensibilidade, motricidade, fasciculações, reflexo corneopalpebral. VII: motricidade, sensibilidade gustativa. VIII: audição e vestíbulo (Romberg, nistagmo, marcha, provas oculovestibulares, desvios dos MM). IX e X: motricidade (úvula, palato, deglutição, fonação), sensibilidade (gustação). Reflexo velopalatino. XI: motricidade XII: posição da língua in situ e exteriorizada, motilidade da língua, atrofia da língua e fasciculações. Cidade de Oppenheim - Alemanha Copyright © 2004/2005 Sistema Nervoso - Todos os direitos reservados Política de Uso e Privacida