SlideShare uma empresa Scribd logo
Lei da Mata Atlântica Prof.: Kláudio Cóffani Nunes - 2007
[object Object]
I-   FUNDAMENTOS   HISTÓRICOS
I-   FUNDAMENTOS   HISTÓRICOS
DIREITO Direito   AMBIENTAL Direito  PENAL DOUTRINA JURISPRU DÊNCIA Direito  Tribut. FATORES  BIÓTICOS FAUNA FLORA FATORES  ABIÓTICOS ÁGUAS SOLO AR FATORES ANTRÓPICOS Ativid. Econômi cas Urbani zação Cultura Direito  Adm. OUTROS Direitos Direito  CIVIL LEGIS LAÇÃO
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object]
Teoria das gerações de Direito: -  Direitos de 3a geração  (direitos de solidariedade) –  materializam poderes de titularidade coletiva atribuídos genericamente a todas as formações sociais. Direito a um meio ambiente equilibrado
HISTÓRICO Período Colonial 1500/1530 – Exploração do Pau-Brasil e Tráfico de Animais Silvestres 1530 – Capitanias Hereditárias e Sesmarias 1603 – Ordenações Filipinas (regras para o combate de poluição das águas, à caça e a pesca predatória) 1605 - 1 ª Lei de Proteção às Florestas – Regimento do Pau Brasil
HISTÓRICO Período Colonial 1797 – Proteção de Rios, nascentes e encostas 1799 – Regimento de corte de madeira
HISTÓRICO Período Republicano 1891 – a 1ª Constituição Republicana não disciplinou matéria  ambiental  ( o artigo 34 inciso 29, que atribuía a União legislar sobre minas e terras, sendo uma pequena referencia em  relação a amplitude do tema.) 1895 – Convênio Egretes/Paris  (Proteção das garças dos rios e lagos da Amazônia) 1916 – O Código Civil contempla artigos sobre águas, fauna e  flora  (visão patrimonialista) 1934 – A Constituição a matéria ambiental de forma indireta e  diluída 1934 -  Código Florestal Brasileiro  Código das águas 1937 - 1ª Conferência Brasileira para proteção  da natureza
HISTÓRICO Período Republicano 1960 – Política Nacional de Saneamento Básico 1965 – Código Florestal 1967 – Lei de proteção à Fauna 1979 – Lei do Parcelamento de terras 1981 – Política Nacional de Meio Ambiente/CONAMA 1985 – Ação Civil Pública 1988 – Constituição Federal (art. 225 e outros) 1989 – Criação do IBAMA  (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis) Criação do FNMA
HISTÓRICO Período Republicano 1997 – Política Nacional de Recursos Hídricos 1998 – Lei de Crimes Ambientais 1999 – Política Nacional de Educação Ambiental  Lei nº 9.795   2000 – Lei do SNUC  (Hoje temos 288 UCs, ou seja, 60 milhões de hectares)   2001 – Estatuto das Cidades     Lei Nº 10.257, DE 10 DE JULHO DE 2001  2002 – Política Nacional da Biodiversidade  Decreto nº 4.339 2006 – Gestão de Florestas Públicas  Lei n° 11.284, de 2 de março de 2006.   –  Lei da Mata Atlântica  Lei N 10.428 de 23 de Dezembro de 2006   2007 – Política Nacional de Desenvolvimento Regional    Decreto nº 6.047
POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Lei 6938/81 Art 2º - A Política Nacional do Meio Ambiente tem por objetivo a preservação, melhoria e recuperação da qualidade ambiental propícia à vida, visando assegurar, no País, condições ao desenvolvimento sócio-econômico, aos interesses da segurança nacional e à proteção da dignidade da vida humana
CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 225 . Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá- lo para as presentes e futuras gerações.
Lei da Mata  Atlântica
Lei 11.428   ( 22/12/2006) ,[object Object]
TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS  DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA
TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS  DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA TÍTULO II DO REGIME JURÍDICO GERAL  DO BIOMA MATA ATLÂNTICA
TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS  DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA TÍTULO II DO REGIME JURÍDICO GERAL  DO BIOMA MATA ATLÂNTICA TÍTULO III DO REGIME JURÍDICO ESPECIAL  DA MATA ATLÂNTICA
TÍTULO IV DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS
TÍTULO IV DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS  TÍTULO V DAS PENALIDADES
TÍTULO IV DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS  TÍTULO V DAS PENALIDADES  TÍTULO VII DAS DIPOSIÇÕES FINAIS
 
TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS  DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA Art. 1 o    A conservação, a proteção, a regeneração e a utilização  do Bioma Mata Atlântica, patrimônio nacional, observarão o que estabelece esta Lei, bem como a legislação ambiental vigente, em especial a Lei n o  4.771, de 15 de setembro de 1965
TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS  DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA CAPÍTULO I I – DAS DEFINIÇÕES Art. 2 o   Para os efeitos desta Lei, consideram-se integrantes do Bioma Mata Atlântica as seguintes formações florestais nativas e ecossistemas associados, com as respectivas delimitações estabelecidas em mapa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, conforme regulamento: Floresta Ombrófila Densa; Floresta Ombrófila Mista, também denominada de Mata de Araucárias; Floresta Ombrófila Aberta; Floresta Estacional Semidecidual; e Floresta Estacional Decidual, bem como os manguezais, as vegetações de restingas, campos de altitude, brejos interioranos e encraves florestais do Nordeste. 
TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS  DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA CAPÍTULO I I – DAS DEFINIÇÕES Art. 2 o   Parágrafo único.   Somente os remanescentes  de vegetação nativa no estágio primário e nos estágios secundário inicial, médio e avançado de regeneração na área de abrangência definida no caput deste artigo  terão seu uso e conservação regulados por esta Lei. 
TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS  DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA CAPÍTULO I I – DAS DEFINIÇÕES Art. 3 o   Consideram-se para os efeitos desta Lei I - pequeno produtor rural: II - população tradicional: III - pousio:  IV - prática preservacionista: V - exploração sustentável: VI - enriquecimento ecológico: VII - utilidade pública:  VIII - interesse social: 
TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS  DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA CAPÍTULO I I – DAS DEFINIÇÕES Art. 4 o   A definição de vegetação primária e de vegetação secundária nos estágios avançado, médio e inicial de regeneração do Bioma Mata Atlântica, nas hipóteses de vegetação nativa localizada, será de iniciativa do Conselho Nacional do Meio Ambiente (C0NAMA) Art. 5 o   A vegetação primária ou a vegetação secundária em qualquer estágio de regeneração do Bioma Mata Atlântica  não perderão esta classificação nos casos de incêndio, desmatamento ou qualquer outro tipo de intervenção não autorizada ou não licenciada. 
TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS  DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS E PRINCÍPIOS  DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA OBJETIVO GERAL – Desenvolvimento Sustentável
TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS  DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS E PRINCÍPIOS  DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA OBJETIVO GERAL – Desenvolvimento Sustentável OBJETIVO ESPECÍFICO – a salvaguarda da biodiversidade, da saúde humana, dos valores paisagísticos, estéticos e turísticos, do regime hídrico e da estabilidade social
TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS  DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS E PRINCÍPIOS  DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS  DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS E PRINCÍPIOS  DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA Art. 7 o   A proteção e a utilização do Bioma Mata Atlântica far-se-ão dentro de condições que assegurem:  I - a manutenção e a recuperação da biodiversidade , vegetação, fauna e regime hídrico do Bioma Mata Atlântica para as presentes e futuras gerações;  II - o estímulo  à pesquisa, à difusão de tecnologias de manejo sustentável da vegetação e à formação de uma consciência pública sobre a necessidade de recuperação e manutenção dos ecossistemas;  III - o fomento  de atividades públicas e privadas compatíveis com a manutenção do equilíbrio ecológico;  IV - o disciplinamento  da ocupação rural e urbana, de forma a harmonizar o crescimento econômico com a manutenção do equilíbrio ecológico. 
TÍTULO II DO REGIME JURÍDICO GERAL DO BIOMA MATA ATLÂNTICA Art. 8 o   O corte, a supressão e a exploração da vegetação do Bioma Mata Atlântica far-se-ão de maneira diferenciada, conforme se trate de vegetação primária ou secundária, nesta última levando-se em conta o estágio de regeneração.  Art. 9 o    A exploração eventual, sem propósito comercial  direto ou indireto, de espécies da flora nativa,  para consumo  nas propriedades ou posses das populações tradicionais ou de pequenos produtores rurais,  independe de autorização  dos órgãos competentes, conforme regulamento. Art. 10.  O poder público fomentará o enriquecimento ecológico da vegetação do Bioma Mata Atlântica, bem como o plantio e o reflorestamento com espécies nativas, em especial as iniciativas voluntárias de proprietários rurais.
TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS  DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS  DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA Art. 12.  Os  novos empreendimentos  que impliquem o corte ou a supressão de vegetação do Bioma Mata Atlântica deverão ser implantados  preferencialmente em áreas já substancialmente alteradas ou degradadas.   Art. 14.  A supressão de vegetação primária e secundária no estágio avançado de regeneração somente poderá ser autorizada em caso de utilidade pública, sendo que a vegetação secundária em  estágio médio  de regeneração poderá ser suprimida nos casos de  utilidade pública e interesse social , em todos os casos devidamente caracterizados e motivados em procedimento administrativo próprio, quando inexistir alternativa técnica e locacional ao empreendimento proposto, ressalvado o disposto no inciso I do art. 30 e nos §§ 1 o  e 2 o  do art. 31 desta Lei Art. 15.  Na hipótese de obra ou atividade potencialmente causadora de significativa degradação do meio ambiente, o órgão competente exigirá a elaboração de Estudo Prévio de Impacto Ambiental, ao qual se dará publicidade, assegurada a participação pública.  Art. 16.  Na regulamentação desta Lei, deverão ser adotadas normas e procedimentos especiais, simplificados e céleres, para os casos de reutilização das áreas agrícolas submetidas ao pousio. 
TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS  DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA Art. 17.  O corte ou a supressão de vegetação primária ou secundária nos estágios médio ou avançado de regeneração do Bioma Mata Atlântica, autorizados por esta Lei,  ficam condicionados à  compensação ambiental , na forma da destinação de área equivalente à extensão da área desmatada, com as mesmas características ecológicas, na mesma bacia hidrográfica, sempre que possível na mesma microbacia hidrográfica, e, nos casos previstos nos arts. 30 e 31, ambos desta Lei, em áreas localizadas no mesmo Município ou região metropolitana.  § 1 o   Verificada pelo órgão ambiental a  impossibilidade da compensação ambiental  prevista no caput deste artigo, será exigida a  reposição florestal,  com espécies nativas, em área equivalente à desmatada, na mesma bacia hidrográfica, sempre que possível na mesma microbacia hidrográfica.
TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS  DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA Art. 18.  No Bioma Mata Atlântica,  é livre a coleta  de subprodutos florestais tais como frutos, folhas ou sementes,  bem como as atividades de uso indireto , desde que não coloquem em risco as espécies da fauna e flora, observando-se as limitações legais específicas e em particular as relativas ao acesso ao patrimônio genético, à proteção e ao acesso ao conhecimento tradicional associado e de biossegurança. 
TÍTULO III DO REGIME JURÍDICO ESPECIAL DO BIOMA MATA ATLÂNTICA CAPÍTULO I – DA PROTEÇÃO DA VEGETAÇÃO PRIMÁRIA  CAPÍTULO II – DA PROTEÇÃO DA VEGETAÇÃO SECUNDÁRIA EM ESTÁGIO AVANÇADO DE REGENERAÇÃO CAPÍTULO III – DA PROTEÇÃO DA VEGETAÇÃO SECUNDÁRIA EM ESTÁGIO MÉDIO DE REGENERAÇÃO CAPÍTULO IV – DA PROTEÇÃO DA VEGETAÇÃO SECUNDÁRIA EM ESTÁGIO INICIAL DE REGENERAÇÃO CAPÍTULO V – DA EXPLORAÇÃO SELETIVA DE VEGETAÇÃO SECUNDÁRIA EM ESTÁGIOS AVANÇADO, MÉDIO E INICIAL DE REGENERAÇÃO CAPÍTULO VI – DA PROTEÇÃO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA NAS ÁREAS URBANAS E REGIÕES METROPOLITANAS CAPÍTULO VII – DAS ATIVIDADES MINERÁRIAS EM ÁREAS DE VEGETAÇÃO SECUNDÁRIA EM ESTÁGIO AVANÇADO E MÉDIO DE REGENERAÇÃO
TÍTULO IV DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS Art. 35.   A conservação , em imóvel rural ou urbano,  da vegetação  primária ou da vegetação secundária em qualquer estágio de regeneração do Bioma Mata Atlântica  cumpre função social e é de interesse público , podendo, a critério do proprietário, as áreas sujeitas à restrição de que trata esta Lei ser computadas para efeito da Reserva Legal e seu excedente utilizado para fins de compensação ambiental ou instituição de cota de que trata a Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965
TÍTULO IV DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS Art. 33.  O poder público, sem prejuízo das obrigações dos proprietários e posseiros estabelecidas na legislação ambiental, estimulará, com incentivos econômicos, a proteção e o uso sustentável do Bioma Mata Atlântica Art. 34.  As infrações dos dispositivos que regem os benefícios econômicos ambientais, sem prejuízo das sanções penais e administrativas cabíveis, sujeitarão os responsáveis a multa civil de 3 (três) vezes o valor atualizado recebido, ou do imposto devido em relação a cada exercício financeiro, além das penalidades e demais acréscimos previstos na legislação fiscal § 2 o    A existência de pendências ou irregularidades  na execução de projetos de proponentes no órgão competente do Sisnama s uspenderá a análise ou concessão de novos incentivos, até a efetiva regularização. 
TÍTULO IV DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS CAPÍTULO I DO FUNDO DE RESTAURAÇÃO  DO BIOMA MATA ATLÂNTICA Art. 36.  Fica instituído o Fundo de Restauração do Bioma Mata Atlântica destinado ao financiamento de projetos de restauração ambiental e de pesquisa científica.  Art. 37.  Constituirão recursos do Fundo de que trata o art. 36 desta Lei:  I - dotações orçamentárias da União;  II - recursos resultantes de doações, contribuições em dinheiro, valores, bens móveis e imóveis, que venha a receber de pessoas físicas e jurídicas, nacionais ou internacionais;  III - rendimentos de qualquer natureza, que venha a auferir como remuneração decorrente de aplicações do seu patrimônio;  IV - outros, destinados em lei. 
TÍTULO IV DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS CAPÍTULO I DO FUNDO DE RESTAURAÇÃO  DO BIOMA MATA ATLÂNTICA Art. 38.  Serão beneficiados com recursos do Fundo de Restauração do Bioma Mata Atlântica os projetos que envolvam conservação de remanescentes de vegetação nativa, pesquisa científica ou áreas a serem restauradas, implementados em Municípios que possuam plano municipal de conservação e recuperação da Mata Atlântica, devidamente aprovado pelo Conselho Municipal de Meio Ambiente.  § 1 o   Terão prioridade de apoio os projetos destinados à conservação e recuperação das áreas de preservação permanente, reservas legais, reservas particulares do patrimônio natural e áreas do entorno de unidades de conservação.  § 2 o   Os projetos poderão beneficiar áreas públicas e privadas e serão executados por órgãos públicos, instituições acadêmicas públicas e organizações da sociedade civil de interesse público que atuem na conservação, restauração ou pesquisa científica no Bioma Mata Atlântica.
TÍTULO IV DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS   CAPÍTULO III DOS INCENTIVOS CREDITÍCIOS  Art. 41.  O proprietário ou posseiro que tenha vegetação primária ou secundária em estágios avançado e médio de regeneração do Bioma Mata Atlântica receberá das instituições financeiras benefícios creditícios, entre os quais:  I - prioridade na concessão de crédito agrícola, para os pequenos produtores rurais e populações tradicionais;  II -  (VETADO)
TÍTULO V DAS PENALIDADES Art. 42.  A ação ou omissão das pessoas físicas ou jurídicas que importem inobservância aos preceitos desta Lei e a seus regulamentos ou resultem em dano à flora, à fauna e aos demais atributos naturais sujeitam os infratores às sanções previstas em lei, em especial as dispostas na Lei n o  9.605, de 12 de fevereiro de 1998, e seus decretos regulamentadores.  Art. 43.  A Lei n o  9.605, de 12 de fevereiro de 1998, passa a vigorar acrescida do seguinte art. 38-A:  “ Art. 38-A.  Destruir ou danificar vegetação primária ou secundária, em estágio avançado ou médio de regeneração, do Bioma Mata Atlântica, ou utilizá-la com infringência das normas de proteção:  Pena - detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos, ou multa, ou ambas as penas cumulativamente.  Parágrafo único.  Se o crime for culposo, a pena será reduzida à metade
AGORA.............

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Crimes ambientais
Crimes ambientais Crimes ambientais
Crimes ambientais
 
Slides leis ambientais
Slides leis ambientaisSlides leis ambientais
Slides leis ambientais
 
Direito ambiental
Direito ambientalDireito ambiental
Direito ambiental
 
Os princípios de direito ambiental atual
Os princípios de direito ambiental atualOs princípios de direito ambiental atual
Os princípios de direito ambiental atual
 
Crimes ambientais
Crimes ambientaisCrimes ambientais
Crimes ambientais
 
AULA APP - AREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE.pdf
AULA  APP - AREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE.pdfAULA  APP - AREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE.pdf
AULA APP - AREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE.pdf
 
Aula 6 legislação ambiental
Aula 6 legislação ambientalAula 6 legislação ambiental
Aula 6 legislação ambiental
 
Aula lei de crimes ambientais atual
Aula lei de crimes ambientais atualAula lei de crimes ambientais atual
Aula lei de crimes ambientais atual
 
Aula SNUC - Introdução
Aula SNUC  - IntroduçãoAula SNUC  - Introdução
Aula SNUC - Introdução
 
Aula 1 leg. ambiental_claudia do valle
Aula 1 leg. ambiental_claudia do valleAula 1 leg. ambiental_claudia do valle
Aula 1 leg. ambiental_claudia do valle
 
gestão ambiental
gestão ambientalgestão ambiental
gestão ambiental
 
Lei 9985 2000 - snuc
Lei 9985   2000 - snucLei 9985   2000 - snuc
Lei 9985 2000 - snuc
 
Meio ambiente – as 17 leis ambientais do
Meio ambiente – as 17 leis ambientais doMeio ambiente – as 17 leis ambientais do
Meio ambiente – as 17 leis ambientais do
 
Direito ambiental _aula_1__slides
Direito ambiental _aula_1__slidesDireito ambiental _aula_1__slides
Direito ambiental _aula_1__slides
 
Aula 10 ia
Aula 10   iaAula 10   ia
Aula 10 ia
 
Licenciamento ambiental aula
Licenciamento ambiental aulaLicenciamento ambiental aula
Licenciamento ambiental aula
 
Aula código florestal atual
Aula código florestal atualAula código florestal atual
Aula código florestal atual
 
EIA - RIMA
EIA - RIMAEIA - RIMA
EIA - RIMA
 
Cadastro ambiental rural
Cadastro ambiental ruralCadastro ambiental rural
Cadastro ambiental rural
 
Apresentação Código Florestal ipef
Apresentação Código Florestal ipefApresentação Código Florestal ipef
Apresentação Código Florestal ipef
 

Semelhante a Lei da Mata Atlântica

Lei da mata atlântica 2006 11428
Lei da mata atlântica 2006 11428Lei da mata atlântica 2006 11428
Lei da mata atlântica 2006 11428Paulo Sérgio Paiva
 
Lei da mata atlântica 2006 11428
Lei da mata atlântica 2006 11428Lei da mata atlântica 2006 11428
Lei da mata atlântica 2006 11428Paulo Sérgio Paiva
 
SemináRio Meio Ambiente - Abraão Torres
SemináRio Meio Ambiente - Abraão TorresSemináRio Meio Ambiente - Abraão Torres
SemináRio Meio Ambiente - Abraão Torresabraao_ato
 
Unidades de Conservação
Unidades de ConservaçãoUnidades de Conservação
Unidades de Conservaçãoparquedaamizade
 
I Seminário de Patrimônio de Guaíba - Tema Morro José Lutzenberger
I Seminário de Patrimônio de Guaíba - Tema Morro José LutzenbergerI Seminário de Patrimônio de Guaíba - Tema Morro José Lutzenberger
I Seminário de Patrimônio de Guaíba - Tema Morro José LutzenbergerAssociação Amigos do Meio Ambiente
 
Aula 1 - Gestão Ambiental da Mineração (1).pptx
Aula 1 - Gestão Ambiental da Mineração (1).pptxAula 1 - Gestão Ambiental da Mineração (1).pptx
Aula 1 - Gestão Ambiental da Mineração (1).pptxCamilaReis85934
 
Projeto demonstrativo plano pmma
Projeto demonstrativo plano pmmaProjeto demonstrativo plano pmma
Projeto demonstrativo plano pmmaEsperancaConduru
 
Direito ambiental reta final
Direito ambiental   reta finalDireito ambiental   reta final
Direito ambiental reta finaledgardrey
 
Reta final direito ambiental
Reta final direito ambientalReta final direito ambiental
Reta final direito ambientalAntonio Moreira
 

Semelhante a Lei da Mata Atlântica (20)

ARIE Prof. Abreu Matos
ARIE Prof. Abreu MatosARIE Prof. Abreu Matos
ARIE Prof. Abreu Matos
 
ARIE do Cerrado
ARIE do CerradoARIE do Cerrado
ARIE do Cerrado
 
Lei da mata atlântica 2006 11428
Lei da mata atlântica 2006 11428Lei da mata atlântica 2006 11428
Lei da mata atlântica 2006 11428
 
Lei da mata atlântica 2006 11428
Lei da mata atlântica 2006 11428Lei da mata atlântica 2006 11428
Lei da mata atlântica 2006 11428
 
SemináRio Meio Ambiente - Abraão Torres
SemináRio Meio Ambiente - Abraão TorresSemináRio Meio Ambiente - Abraão Torres
SemináRio Meio Ambiente - Abraão Torres
 
PDF-AMBIENTAL-OAB-2017.pptx
PDF-AMBIENTAL-OAB-2017.pptxPDF-AMBIENTAL-OAB-2017.pptx
PDF-AMBIENTAL-OAB-2017.pptx
 
Unidades de Conservação
Unidades de ConservaçãoUnidades de Conservação
Unidades de Conservação
 
Trabalho reserva extrativista
Trabalho  reserva extrativista Trabalho  reserva extrativista
Trabalho reserva extrativista
 
Arie dunas do cocó
Arie dunas do cocóArie dunas do cocó
Arie dunas do cocó
 
I Seminário de Patrimônio de Guaíba - Tema Morro José Lutzenberger
I Seminário de Patrimônio de Guaíba - Tema Morro José LutzenbergerI Seminário de Patrimônio de Guaíba - Tema Morro José Lutzenberger
I Seminário de Patrimônio de Guaíba - Tema Morro José Lutzenberger
 
Palestracpma
PalestracpmaPalestracpma
Palestracpma
 
Aula 1 - Gestão Ambiental da Mineração (1).pptx
Aula 1 - Gestão Ambiental da Mineração (1).pptxAula 1 - Gestão Ambiental da Mineração (1).pptx
Aula 1 - Gestão Ambiental da Mineração (1).pptx
 
Projeto demonstrativo plano pmma
Projeto demonstrativo plano pmmaProjeto demonstrativo plano pmma
Projeto demonstrativo plano pmma
 
Direito Ambiental
Direito AmbientalDireito Ambiental
Direito Ambiental
 
Direito ambiental reta final
Direito ambiental   reta finalDireito ambiental   reta final
Direito ambiental reta final
 
Reta final direito ambiental
Reta final direito ambientalReta final direito ambiental
Reta final direito ambiental
 
Aula código florestal atual
Aula código florestal atualAula código florestal atual
Aula código florestal atual
 
Aula código florestal atual
Aula código florestal atualAula código florestal atual
Aula código florestal atual
 
Aula código florestal atual
Aula código florestal atualAula código florestal atual
Aula código florestal atual
 
Aula código florestal atual
Aula código florestal atualAula código florestal atual
Aula código florestal atual
 

Mais de Rodrigo Mesquita

Ouvir, Pensar e Agir. O Agronegócio nas Mídias Sociais.
Ouvir, Pensar e Agir. O Agronegócio nas Mídias Sociais.Ouvir, Pensar e Agir. O Agronegócio nas Mídias Sociais.
Ouvir, Pensar e Agir. O Agronegócio nas Mídias Sociais.Rodrigo Mesquita
 
Os turbulentos próximos 10 anos da nossa história
Os turbulentos próximos 10 anos da nossa históriaOs turbulentos próximos 10 anos da nossa história
Os turbulentos próximos 10 anos da nossa históriaRodrigo Mesquita
 
Aliança para Inovação Agropecuária no Brasil
Aliança para Inovação Agropecuária no Brasil   Aliança para Inovação Agropecuária no Brasil
Aliança para Inovação Agropecuária no Brasil Rodrigo Mesquita
 
SERVIÇO DE MONITORAMENTO, INFORMAÇÃO E AÇÃO NAS MÍDIAS SOCIAIS EXCLUSIVO PARA...
SERVIÇO DE MONITORAMENTO, INFORMAÇÃO E AÇÃO NAS MÍDIAS SOCIAIS EXCLUSIVO PARA...SERVIÇO DE MONITORAMENTO, INFORMAÇÃO E AÇÃO NAS MÍDIAS SOCIAIS EXCLUSIVO PARA...
SERVIÇO DE MONITORAMENTO, INFORMAÇÃO E AÇÃO NAS MÍDIAS SOCIAIS EXCLUSIVO PARA...Rodrigo Mesquita
 
Redes versus Hierarquias, no tempo da História
Redes versus Hierarquias, no tempo da HistóriaRedes versus Hierarquias, no tempo da História
Redes versus Hierarquias, no tempo da HistóriaRodrigo Mesquita
 
O diálogo do agronegócio com a sociedade em rede
O diálogo do agronegócio com a sociedade em redeO diálogo do agronegócio com a sociedade em rede
O diálogo do agronegócio com a sociedade em redeRodrigo Mesquita
 
O Novo Ecossistema da Informação, Comunicação e Articulação da Sociedade
O Novo Ecossistema da Informação, Comunicação e Articulação da SociedadeO Novo Ecossistema da Informação, Comunicação e Articulação da Sociedade
O Novo Ecossistema da Informação, Comunicação e Articulação da SociedadeRodrigo Mesquita
 
Giro rápido no meu Flipboard num início de tarde
Giro rápido no meu Flipboard num início de tardeGiro rápido no meu Flipboard num início de tarde
Giro rápido no meu Flipboard num início de tardeRodrigo Mesquita
 
Informação, comunicação e articulação no século 21
Informação, comunicação e articulação no século 21Informação, comunicação e articulação no século 21
Informação, comunicação e articulação no século 21Rodrigo Mesquita
 
SOCIAL GAME e NEGÓCIOS EM REDE: jogo é coisa séria.
SOCIAL GAME e NEGÓCIOS EM REDE: jogo é coisa séria.SOCIAL GAME e NEGÓCIOS EM REDE: jogo é coisa séria.
SOCIAL GAME e NEGÓCIOS EM REDE: jogo é coisa séria.Rodrigo Mesquita
 
#ojogo do Brasil Inclusivo
#ojogo do Brasil Inclusivo#ojogo do Brasil Inclusivo
#ojogo do Brasil InclusivoRodrigo Mesquita
 
No Caminho do Plano Ceibal, uma revolução na educação.
No Caminho do Plano Ceibal, uma revolução na educação.No Caminho do Plano Ceibal, uma revolução na educação.
No Caminho do Plano Ceibal, uma revolução na educação.Rodrigo Mesquita
 
Da Mata Atlântica à Era do Conhecimento
Da Mata Atlântica à Era do ConhecimentoDa Mata Atlântica à Era do Conhecimento
Da Mata Atlântica à Era do ConhecimentoRodrigo Mesquita
 
A Explosão das Lan Houses
A Explosão das Lan HousesA Explosão das Lan Houses
A Explosão das Lan HousesRodrigo Mesquita
 
Tempos de aprender, desaprender, reaprender.
Tempos de aprender, desaprender, reaprender.Tempos de aprender, desaprender, reaprender.
Tempos de aprender, desaprender, reaprender.Rodrigo Mesquita
 
Ecossistema, uma transposição para a rede.
Ecossistema, uma transposição para a rede.Ecossistema, uma transposição para a rede.
Ecossistema, uma transposição para a rede.Rodrigo Mesquita
 

Mais de Rodrigo Mesquita (20)

Ouvir, Pensar e Agir. O Agronegócio nas Mídias Sociais.
Ouvir, Pensar e Agir. O Agronegócio nas Mídias Sociais.Ouvir, Pensar e Agir. O Agronegócio nas Mídias Sociais.
Ouvir, Pensar e Agir. O Agronegócio nas Mídias Sociais.
 
Os turbulentos próximos 10 anos da nossa história
Os turbulentos próximos 10 anos da nossa históriaOs turbulentos próximos 10 anos da nossa história
Os turbulentos próximos 10 anos da nossa história
 
Aliança para Inovação Agropecuária no Brasil
Aliança para Inovação Agropecuária no Brasil   Aliança para Inovação Agropecuária no Brasil
Aliança para Inovação Agropecuária no Brasil
 
NetNexus Eventos
NetNexus EventosNetNexus Eventos
NetNexus Eventos
 
SERVIÇO DE MONITORAMENTO, INFORMAÇÃO E AÇÃO NAS MÍDIAS SOCIAIS EXCLUSIVO PARA...
SERVIÇO DE MONITORAMENTO, INFORMAÇÃO E AÇÃO NAS MÍDIAS SOCIAIS EXCLUSIVO PARA...SERVIÇO DE MONITORAMENTO, INFORMAÇÃO E AÇÃO NAS MÍDIAS SOCIAIS EXCLUSIVO PARA...
SERVIÇO DE MONITORAMENTO, INFORMAÇÃO E AÇÃO NAS MÍDIAS SOCIAIS EXCLUSIVO PARA...
 
Redes versus Hierarquias, no tempo da História
Redes versus Hierarquias, no tempo da HistóriaRedes versus Hierarquias, no tempo da História
Redes versus Hierarquias, no tempo da História
 
O diálogo do agronegócio com a sociedade em rede
O diálogo do agronegócio com a sociedade em redeO diálogo do agronegócio com a sociedade em rede
O diálogo do agronegócio com a sociedade em rede
 
O Novo Ecossistema da Informação, Comunicação e Articulação da Sociedade
O Novo Ecossistema da Informação, Comunicação e Articulação da SociedadeO Novo Ecossistema da Informação, Comunicação e Articulação da Sociedade
O Novo Ecossistema da Informação, Comunicação e Articulação da Sociedade
 
Giro rápido no meu Flipboard num início de tarde
Giro rápido no meu Flipboard num início de tardeGiro rápido no meu Flipboard num início de tarde
Giro rápido no meu Flipboard num início de tarde
 
Informação, comunicação e articulação no século 21
Informação, comunicação e articulação no século 21Informação, comunicação e articulação no século 21
Informação, comunicação e articulação no século 21
 
SOCIAL GAME e NEGÓCIOS EM REDE: jogo é coisa séria.
SOCIAL GAME e NEGÓCIOS EM REDE: jogo é coisa séria.SOCIAL GAME e NEGÓCIOS EM REDE: jogo é coisa séria.
SOCIAL GAME e NEGÓCIOS EM REDE: jogo é coisa séria.
 
#ojogo do Brasil Inclusivo
#ojogo do Brasil Inclusivo#ojogo do Brasil Inclusivo
#ojogo do Brasil Inclusivo
 
No Caminho do Plano Ceibal, uma revolução na educação.
No Caminho do Plano Ceibal, uma revolução na educação.No Caminho do Plano Ceibal, uma revolução na educação.
No Caminho do Plano Ceibal, uma revolução na educação.
 
Da Mata Atlântica à Era do Conhecimento
Da Mata Atlântica à Era do ConhecimentoDa Mata Atlântica à Era do Conhecimento
Da Mata Atlântica à Era do Conhecimento
 
Resultson
ResultsonResultson
Resultson
 
A Saga Do Viajante
A Saga Do ViajanteA Saga Do Viajante
A Saga Do Viajante
 
Menino Da Porteira
Menino Da PorteiraMenino Da Porteira
Menino Da Porteira
 
A Explosão das Lan Houses
A Explosão das Lan HousesA Explosão das Lan Houses
A Explosão das Lan Houses
 
Tempos de aprender, desaprender, reaprender.
Tempos de aprender, desaprender, reaprender.Tempos de aprender, desaprender, reaprender.
Tempos de aprender, desaprender, reaprender.
 
Ecossistema, uma transposição para a rede.
Ecossistema, uma transposição para a rede.Ecossistema, uma transposição para a rede.
Ecossistema, uma transposição para a rede.
 

Lei da Mata Atlântica

  • 1. Lei da Mata Atlântica Prof.: Kláudio Cóffani Nunes - 2007
  • 2.
  • 3. I-   FUNDAMENTOS HISTÓRICOS
  • 4. I-   FUNDAMENTOS HISTÓRICOS
  • 5. DIREITO Direito AMBIENTAL Direito PENAL DOUTRINA JURISPRU DÊNCIA Direito Tribut. FATORES BIÓTICOS FAUNA FLORA FATORES ABIÓTICOS ÁGUAS SOLO AR FATORES ANTRÓPICOS Ativid. Econômi cas Urbani zação Cultura Direito Adm. OUTROS Direitos Direito CIVIL LEGIS LAÇÃO
  • 6.
  • 7.
  • 8. Teoria das gerações de Direito: - Direitos de 3a geração (direitos de solidariedade) – materializam poderes de titularidade coletiva atribuídos genericamente a todas as formações sociais. Direito a um meio ambiente equilibrado
  • 9. HISTÓRICO Período Colonial 1500/1530 – Exploração do Pau-Brasil e Tráfico de Animais Silvestres 1530 – Capitanias Hereditárias e Sesmarias 1603 – Ordenações Filipinas (regras para o combate de poluição das águas, à caça e a pesca predatória) 1605 - 1 ª Lei de Proteção às Florestas – Regimento do Pau Brasil
  • 10. HISTÓRICO Período Colonial 1797 – Proteção de Rios, nascentes e encostas 1799 – Regimento de corte de madeira
  • 11. HISTÓRICO Período Republicano 1891 – a 1ª Constituição Republicana não disciplinou matéria ambiental ( o artigo 34 inciso 29, que atribuía a União legislar sobre minas e terras, sendo uma pequena referencia em relação a amplitude do tema.) 1895 – Convênio Egretes/Paris (Proteção das garças dos rios e lagos da Amazônia) 1916 – O Código Civil contempla artigos sobre águas, fauna e flora (visão patrimonialista) 1934 – A Constituição a matéria ambiental de forma indireta e diluída 1934 - Código Florestal Brasileiro Código das águas 1937 - 1ª Conferência Brasileira para proteção da natureza
  • 12. HISTÓRICO Período Republicano 1960 – Política Nacional de Saneamento Básico 1965 – Código Florestal 1967 – Lei de proteção à Fauna 1979 – Lei do Parcelamento de terras 1981 – Política Nacional de Meio Ambiente/CONAMA 1985 – Ação Civil Pública 1988 – Constituição Federal (art. 225 e outros) 1989 – Criação do IBAMA (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis) Criação do FNMA
  • 13. HISTÓRICO Período Republicano 1997 – Política Nacional de Recursos Hídricos 1998 – Lei de Crimes Ambientais 1999 – Política Nacional de Educação Ambiental Lei nº 9.795 2000 – Lei do SNUC (Hoje temos 288 UCs, ou seja, 60 milhões de hectares) 2001 – Estatuto das Cidades   Lei Nº 10.257, DE 10 DE JULHO DE 2001 2002 – Política Nacional da Biodiversidade Decreto nº 4.339 2006 – Gestão de Florestas Públicas Lei n° 11.284, de 2 de março de 2006. – Lei da Mata Atlântica Lei N 10.428 de 23 de Dezembro de 2006 2007 – Política Nacional de Desenvolvimento Regional Decreto nº 6.047
  • 14. POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Lei 6938/81 Art 2º - A Política Nacional do Meio Ambiente tem por objetivo a preservação, melhoria e recuperação da qualidade ambiental propícia à vida, visando assegurar, no País, condições ao desenvolvimento sócio-econômico, aos interesses da segurança nacional e à proteção da dignidade da vida humana
  • 15. CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 225 . Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá- lo para as presentes e futuras gerações.
  • 16. Lei da Mata Atlântica
  • 17.
  • 18. TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA
  • 19. TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA TÍTULO II DO REGIME JURÍDICO GERAL DO BIOMA MATA ATLÂNTICA
  • 20. TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA TÍTULO II DO REGIME JURÍDICO GERAL DO BIOMA MATA ATLÂNTICA TÍTULO III DO REGIME JURÍDICO ESPECIAL DA MATA ATLÂNTICA
  • 21. TÍTULO IV DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS
  • 22. TÍTULO IV DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS TÍTULO V DAS PENALIDADES
  • 23. TÍTULO IV DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS TÍTULO V DAS PENALIDADES TÍTULO VII DAS DIPOSIÇÕES FINAIS
  • 24.  
  • 25. TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA Art. 1 o   A conservação, a proteção, a regeneração e a utilização do Bioma Mata Atlântica, patrimônio nacional, observarão o que estabelece esta Lei, bem como a legislação ambiental vigente, em especial a Lei n o 4.771, de 15 de setembro de 1965
  • 26. TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA CAPÍTULO I I – DAS DEFINIÇÕES Art. 2 o   Para os efeitos desta Lei, consideram-se integrantes do Bioma Mata Atlântica as seguintes formações florestais nativas e ecossistemas associados, com as respectivas delimitações estabelecidas em mapa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, conforme regulamento: Floresta Ombrófila Densa; Floresta Ombrófila Mista, também denominada de Mata de Araucárias; Floresta Ombrófila Aberta; Floresta Estacional Semidecidual; e Floresta Estacional Decidual, bem como os manguezais, as vegetações de restingas, campos de altitude, brejos interioranos e encraves florestais do Nordeste. 
  • 27. TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA CAPÍTULO I I – DAS DEFINIÇÕES Art. 2 o   Parágrafo único.  Somente os remanescentes de vegetação nativa no estágio primário e nos estágios secundário inicial, médio e avançado de regeneração na área de abrangência definida no caput deste artigo terão seu uso e conservação regulados por esta Lei. 
  • 28. TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA CAPÍTULO I I – DAS DEFINIÇÕES Art. 3 o   Consideram-se para os efeitos desta Lei I - pequeno produtor rural: II - população tradicional: III - pousio: IV - prática preservacionista: V - exploração sustentável: VI - enriquecimento ecológico: VII - utilidade pública:  VIII - interesse social: 
  • 29. TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA CAPÍTULO I I – DAS DEFINIÇÕES Art. 4 o   A definição de vegetação primária e de vegetação secundária nos estágios avançado, médio e inicial de regeneração do Bioma Mata Atlântica, nas hipóteses de vegetação nativa localizada, será de iniciativa do Conselho Nacional do Meio Ambiente (C0NAMA) Art. 5 o   A vegetação primária ou a vegetação secundária em qualquer estágio de regeneração do Bioma Mata Atlântica não perderão esta classificação nos casos de incêndio, desmatamento ou qualquer outro tipo de intervenção não autorizada ou não licenciada. 
  • 30. TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA OBJETIVO GERAL – Desenvolvimento Sustentável
  • 31. TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA OBJETIVO GERAL – Desenvolvimento Sustentável OBJETIVO ESPECÍFICO – a salvaguarda da biodiversidade, da saúde humana, dos valores paisagísticos, estéticos e turísticos, do regime hídrico e da estabilidade social
  • 32.
  • 33. TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA Art. 7 o   A proteção e a utilização do Bioma Mata Atlântica far-se-ão dentro de condições que assegurem:  I - a manutenção e a recuperação da biodiversidade , vegetação, fauna e regime hídrico do Bioma Mata Atlântica para as presentes e futuras gerações;  II - o estímulo à pesquisa, à difusão de tecnologias de manejo sustentável da vegetação e à formação de uma consciência pública sobre a necessidade de recuperação e manutenção dos ecossistemas;  III - o fomento de atividades públicas e privadas compatíveis com a manutenção do equilíbrio ecológico;  IV - o disciplinamento da ocupação rural e urbana, de forma a harmonizar o crescimento econômico com a manutenção do equilíbrio ecológico. 
  • 34. TÍTULO II DO REGIME JURÍDICO GERAL DO BIOMA MATA ATLÂNTICA Art. 8 o   O corte, a supressão e a exploração da vegetação do Bioma Mata Atlântica far-se-ão de maneira diferenciada, conforme se trate de vegetação primária ou secundária, nesta última levando-se em conta o estágio de regeneração.  Art. 9 o   A exploração eventual, sem propósito comercial direto ou indireto, de espécies da flora nativa, para consumo nas propriedades ou posses das populações tradicionais ou de pequenos produtores rurais, independe de autorização dos órgãos competentes, conforme regulamento. Art. 10.  O poder público fomentará o enriquecimento ecológico da vegetação do Bioma Mata Atlântica, bem como o plantio e o reflorestamento com espécies nativas, em especial as iniciativas voluntárias de proprietários rurais.
  • 35.
  • 36. TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA Art. 12.  Os novos empreendimentos que impliquem o corte ou a supressão de vegetação do Bioma Mata Atlântica deverão ser implantados preferencialmente em áreas já substancialmente alteradas ou degradadas.   Art. 14.  A supressão de vegetação primária e secundária no estágio avançado de regeneração somente poderá ser autorizada em caso de utilidade pública, sendo que a vegetação secundária em estágio médio de regeneração poderá ser suprimida nos casos de utilidade pública e interesse social , em todos os casos devidamente caracterizados e motivados em procedimento administrativo próprio, quando inexistir alternativa técnica e locacional ao empreendimento proposto, ressalvado o disposto no inciso I do art. 30 e nos §§ 1 o e 2 o do art. 31 desta Lei Art. 15.  Na hipótese de obra ou atividade potencialmente causadora de significativa degradação do meio ambiente, o órgão competente exigirá a elaboração de Estudo Prévio de Impacto Ambiental, ao qual se dará publicidade, assegurada a participação pública.  Art. 16.  Na regulamentação desta Lei, deverão ser adotadas normas e procedimentos especiais, simplificados e céleres, para os casos de reutilização das áreas agrícolas submetidas ao pousio. 
  • 37. TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA Art. 17.  O corte ou a supressão de vegetação primária ou secundária nos estágios médio ou avançado de regeneração do Bioma Mata Atlântica, autorizados por esta Lei, ficam condicionados à compensação ambiental , na forma da destinação de área equivalente à extensão da área desmatada, com as mesmas características ecológicas, na mesma bacia hidrográfica, sempre que possível na mesma microbacia hidrográfica, e, nos casos previstos nos arts. 30 e 31, ambos desta Lei, em áreas localizadas no mesmo Município ou região metropolitana.  § 1 o   Verificada pelo órgão ambiental a impossibilidade da compensação ambiental prevista no caput deste artigo, será exigida a reposição florestal, com espécies nativas, em área equivalente à desmatada, na mesma bacia hidrográfica, sempre que possível na mesma microbacia hidrográfica.
  • 38. TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DO REGIME JURÍDICO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA Art. 18.  No Bioma Mata Atlântica, é livre a coleta de subprodutos florestais tais como frutos, folhas ou sementes, bem como as atividades de uso indireto , desde que não coloquem em risco as espécies da fauna e flora, observando-se as limitações legais específicas e em particular as relativas ao acesso ao patrimônio genético, à proteção e ao acesso ao conhecimento tradicional associado e de biossegurança. 
  • 39. TÍTULO III DO REGIME JURÍDICO ESPECIAL DO BIOMA MATA ATLÂNTICA CAPÍTULO I – DA PROTEÇÃO DA VEGETAÇÃO PRIMÁRIA  CAPÍTULO II – DA PROTEÇÃO DA VEGETAÇÃO SECUNDÁRIA EM ESTÁGIO AVANÇADO DE REGENERAÇÃO CAPÍTULO III – DA PROTEÇÃO DA VEGETAÇÃO SECUNDÁRIA EM ESTÁGIO MÉDIO DE REGENERAÇÃO CAPÍTULO IV – DA PROTEÇÃO DA VEGETAÇÃO SECUNDÁRIA EM ESTÁGIO INICIAL DE REGENERAÇÃO CAPÍTULO V – DA EXPLORAÇÃO SELETIVA DE VEGETAÇÃO SECUNDÁRIA EM ESTÁGIOS AVANÇADO, MÉDIO E INICIAL DE REGENERAÇÃO CAPÍTULO VI – DA PROTEÇÃO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA NAS ÁREAS URBANAS E REGIÕES METROPOLITANAS CAPÍTULO VII – DAS ATIVIDADES MINERÁRIAS EM ÁREAS DE VEGETAÇÃO SECUNDÁRIA EM ESTÁGIO AVANÇADO E MÉDIO DE REGENERAÇÃO
  • 40. TÍTULO IV DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS Art. 35.  A conservação , em imóvel rural ou urbano, da vegetação primária ou da vegetação secundária em qualquer estágio de regeneração do Bioma Mata Atlântica cumpre função social e é de interesse público , podendo, a critério do proprietário, as áreas sujeitas à restrição de que trata esta Lei ser computadas para efeito da Reserva Legal e seu excedente utilizado para fins de compensação ambiental ou instituição de cota de que trata a Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965
  • 41. TÍTULO IV DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS Art. 33.  O poder público, sem prejuízo das obrigações dos proprietários e posseiros estabelecidas na legislação ambiental, estimulará, com incentivos econômicos, a proteção e o uso sustentável do Bioma Mata Atlântica Art. 34.  As infrações dos dispositivos que regem os benefícios econômicos ambientais, sem prejuízo das sanções penais e administrativas cabíveis, sujeitarão os responsáveis a multa civil de 3 (três) vezes o valor atualizado recebido, ou do imposto devido em relação a cada exercício financeiro, além das penalidades e demais acréscimos previstos na legislação fiscal § 2 o   A existência de pendências ou irregularidades na execução de projetos de proponentes no órgão competente do Sisnama s uspenderá a análise ou concessão de novos incentivos, até a efetiva regularização. 
  • 42. TÍTULO IV DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS CAPÍTULO I DO FUNDO DE RESTAURAÇÃO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA Art. 36.  Fica instituído o Fundo de Restauração do Bioma Mata Atlântica destinado ao financiamento de projetos de restauração ambiental e de pesquisa científica. Art. 37.  Constituirão recursos do Fundo de que trata o art. 36 desta Lei:  I - dotações orçamentárias da União;  II - recursos resultantes de doações, contribuições em dinheiro, valores, bens móveis e imóveis, que venha a receber de pessoas físicas e jurídicas, nacionais ou internacionais;  III - rendimentos de qualquer natureza, que venha a auferir como remuneração decorrente de aplicações do seu patrimônio;  IV - outros, destinados em lei. 
  • 43. TÍTULO IV DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS CAPÍTULO I DO FUNDO DE RESTAURAÇÃO DO BIOMA MATA ATLÂNTICA Art. 38.  Serão beneficiados com recursos do Fundo de Restauração do Bioma Mata Atlântica os projetos que envolvam conservação de remanescentes de vegetação nativa, pesquisa científica ou áreas a serem restauradas, implementados em Municípios que possuam plano municipal de conservação e recuperação da Mata Atlântica, devidamente aprovado pelo Conselho Municipal de Meio Ambiente.  § 1 o   Terão prioridade de apoio os projetos destinados à conservação e recuperação das áreas de preservação permanente, reservas legais, reservas particulares do patrimônio natural e áreas do entorno de unidades de conservação.  § 2 o   Os projetos poderão beneficiar áreas públicas e privadas e serão executados por órgãos públicos, instituições acadêmicas públicas e organizações da sociedade civil de interesse público que atuem na conservação, restauração ou pesquisa científica no Bioma Mata Atlântica.
  • 44. TÍTULO IV DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS   CAPÍTULO III DOS INCENTIVOS CREDITÍCIOS  Art. 41.  O proprietário ou posseiro que tenha vegetação primária ou secundária em estágios avançado e médio de regeneração do Bioma Mata Atlântica receberá das instituições financeiras benefícios creditícios, entre os quais:  I - prioridade na concessão de crédito agrícola, para os pequenos produtores rurais e populações tradicionais;  II -  (VETADO)
  • 45. TÍTULO V DAS PENALIDADES Art. 42.  A ação ou omissão das pessoas físicas ou jurídicas que importem inobservância aos preceitos desta Lei e a seus regulamentos ou resultem em dano à flora, à fauna e aos demais atributos naturais sujeitam os infratores às sanções previstas em lei, em especial as dispostas na Lei n o 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, e seus decretos regulamentadores.  Art. 43.  A Lei n o 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, passa a vigorar acrescida do seguinte art. 38-A:  “ Art. 38-A.  Destruir ou danificar vegetação primária ou secundária, em estágio avançado ou médio de regeneração, do Bioma Mata Atlântica, ou utilizá-la com infringência das normas de proteção:  Pena - detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos, ou multa, ou ambas as penas cumulativamente.  Parágrafo único.  Se o crime for culposo, a pena será reduzida à metade