SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 52
Prof. Ana Rita Rainho




         Instrumentos de Pesquisa
                 Espacial
Alguns símbolos importantes:

• Hiperligação

• Vídeo

• Copia para o teu caderno



Prof. Ana Rita Rainho   Ciências Naturais 7   2
Instrumentos de
            pesquisa espacial

        Na Terra     No Espaço

• Telescópios        •   Telescópio Espacial
• Radiotelescópios   •   Satélites
                     •   Sondas
                     •   Foguetões
                     •   Vaivéns
                     •   Estação Espacial

                                               3
Telescópios
• São utilizados para observar objetos
  que se encontram no espaço.

       – Os mais potentes
         encontram-se situados
         em torres de locais altos,
         pois a atmosfera afeta a
         captação de imagens.


Prof. Ana Rita Rainho         Ciências Naturais 7   4
• Telescópio
  terrestre Shane




 Localizado na Califórnia, é usado para
encontrar planetas fora do Sistema Solar.
                                            5
• E-ELT
  – European    Telescópio europeu que iniciará a
    Extremely   sua construção em 2012 no
                deserto do Chile. Será o mais
    Large       potente do mundo e espera-se que
    Telescope   seja capaz de obter imagens ainda
                mais nítidas que as do Hubble.




                                              6
Radiotelescópios
• Captam ondas rádio
  e radiação
  eletromagnética
  provenientes do
  espaço.




                             7
• Radiotelecópio Torun


 Localizado no Japão, é usado
 para observar corpos celestes
  muito distantes, que não são
 possíveis de observar com os
      telescópios normais.




                                 8
• Telescópio espacial Hubble
  – Tem a vantagem de obter imagens de melhor
    qualidade, pois não se encontra sob a influência da
    atmosfera terrestre.



     Colocado em órbita terrestre
      em 1990, ainda continua a
      tirar fotografias no espaço.




    Mais informação



    Galeria de imagens
                                                          9
Marte




Prof. Ana Rita Rainho   Ciências Naturais 7   10
11
12
Prof. Ana Rita Rainho   Ciências Naturais 7   13
Prof. Ana Rita Rainho   Ciências Naturais 7   14
Satélites Artificiais
• São objetos colocados em órbita
  da Terra para desempenhar
  funções específicas:

                                                •    Telecomunicações
                                                •    GPS
                                                •    Meteorologia
                                                •    Astronómicos
                                                •    Reconhecimento
                                                •    Militares
                                                •    Mapeamento geográfico

Prof. Ana Rita Rainho          Ciências Naturais 7                           15
Diferentes órbitas utilizadas pelos satélites
                                artificiais em torno da Terra




Prof. Ana Rita Rainho                    Ciências Naturais 7            16
• Sputnik 1

       Primeiro satélite artificial a
        ser colocado em órbita,
        a 4 de Outubro de 1957.
  Marcou o início da Era Espacial.




Prof. Ana Rita Rainho                   Ciências Naturais 7   17
• Noaa-18

   Lançado a 20 de Maio de 2005.
   Objectivo: recolher informações
    sobre alterações climáticas e
             ambientais.




Prof. Ana Rita Rainho                18
Desenho do aspecto que o satélite tem quando se encontra em órbita
                                                                     19
Sondas espaciais

• Naves não tripuladas
  enviadas para lugares
  mais distantes do
  Universo com o
  objetivo de fazer
  reconhecimento e
  efetuar análises.


                               Ver todas as missões aqui
Prof. Ana Rita Rainho        Ciências Naturais 7           20
• Sonda Cassini
                                                 Lançada em 1997, atingiu
                                              finalmente a órbita de Saturno
                                                    em Julho de 2004.




Prof. Ana Rita Rainho   Ciências Naturais 7                              21
Planeta Saturno, fotografado pela
         sonda Cassini         22
• Sonda Mars Express

           Objectivo: recolher informações sobre Marte e eventuais
               condições para a existência de vida no planeta.
              Descobriu a existência de água no estado sólido e
                                                                     23
             vestígios da existência de água líquida no passado.
Superfície de Marte, fotografada
Prof. Ana Rita Rainho   Ciências Naturais 7                                 24
                                            pela sonda Mars Express
Gelo presente numa cratera do
    pólo norte do planeta.
                                25
Monte Olimpo. O maior vulcão do Sistema Solar. Tem a mesma altura do
           Monte Evereste e cerca de 550 km de diâmetro.               26
• Sonda Voyager




                        Em Dezembro de 2004, após uma viagem de
                          27 anos e cerca de 13 mil milhões de km,
                         aproximou-se dos limites do Sistema Solar.
Prof. Ana Rita Rainho                   Ciências Naturais 7                     27
• Sonda Dawn
                                  Enviada à cintura de asteróides para
                             investigar as origens do Sistema Solar através
                                      da análise de Ceres e Vesta.




Prof. Ana Ritaimagens
  Galeria de Rainho          Ciências Naturais 7                          28
Foguetões espaciais

     • Utilizados para enviar
       para fora da influência da
       gravidade os instrumentos
       que serão enviados para
       o espaço




     Lançamento do foguetão utilizado para   29
         o envio do satélite Noaa-18.
Módulo de
comando


Módulo lunar.                  Terceiro
                                andar


                               Segundo
                                andar




                               Primeiro
                                andar




                                          30

     Lançamento da Apollo 11
A 16 de Julho de 1969 a missão
Apollo 11 chegou à lua com os
  astronautas Neil Armstrong,
Edwin Aldrin e Michael Collins.




                                   Nesse mesmo dia, Neil Armstrong
                                  tornou-se o primeiro ser humano a
                                           pisar solo lunar.




  Prof. Ana Rita Rainho                                               31
  Ciências Naturais 7
Módulo lunar da
  Apollo 11.




                  32
Vaivem espacial


• Tem a vantagem de poderem
  ser utilizados mais que uma
  vez, e permitem transportar
  mais equipamento e
  tripulação de cada vez



 Lançamento do vaivém utilizado para   33
     colocar o Hubble em órbita
Reservatório de combustível. Contém
cerca de 721 toneladas de hidrogénio
 e oxigénio líquidos para ser usados
    pelos motores de propulsão.




   Foguetes de propulsão. Servem
      para colocar o vaivém em
    órbita. Estão preparados para
       cerca de 20 utilizações.




                                 34
Veículos de auxílio
• Rover                                     Veículo utilizado pelos
                                       astronautas da missão Apollo 11
                                              à superfície lunar.




                 Ciências Naturais 7                                 35
• Opportunity
                                               Robot de investigação enviado
                                               na sonda Mars Express. Este
                                              veículo é comandado a partir do
                                                centro de controlo Terrestre.




Prof. Ana Rita Rainho   Ciências Naturais 7                                36
Estações espaciais
    Têm condições que permitem aos
       astronautas permanecer no
    espaço longos períodos de tempo.




• Salyut 1
       Primeira estação espacial da História.
                Lançada pelos soviéticos a
                   19 de Abril de 1971.



Prof. Ana Rita Rainho                  Ciências Naturais 7   37
• MIR

                                    Lançada pelos soviéticos a 20 de
                                          Fevereiro de 1986.




Pesava cerca de 143 toneladas. Após 15 anos de
serviço foi desactivada, deixando-nos um legado
  científico dos mais importantes da história da                38

               exploração espacial.
39
Outras estações aqui
                       Vaivém Atlantis acoplado à MIR.
• ISS (International Space Station)

  Resulta da cooperação entre
    vários países europeus, o
  Canadá, Japão Rússia e EUA.




   Começou a ser construída em
         1998 e está ainda a ser
     terminada no espaço. Pesa
   cerca de 500 toneladas e é 4x
  Prof. Ana Rita Rainho que a MIR.
               maior                 Ciências Naturais 7   40
Prof. Ana Rita Rainho                     Ciências Naturais 7                41
                        A vida dos astronautas no interior da ISS - vídeo.
Astronauta a trabalhar na
montagem de componentes no
       exterior da ISS.




                          42
Benefícios da
                        pesquisa espacial:

• Conhecimento do Universo.

• Pesquisa médica e tecnológica feita a bordo da
  Estação Espacial.

• Desenvolvimento da tecnologia e melhoria das
  condições de vida humanas.
                               Alguns exemplos aqui
Prof. Ana Rita Rainho                                 43
Ciências Naturais 7
Os perigos




Prof. Ana Rita Rainho       Ciências Naturais 7   44
Lixo Espacial

                                    São objectos fabricados
                                  pelo Homem que já não têm
                                   utilidade e que orbitam em
                                          torno da Terra.

                                    Podem ser: satélites inactivos,
                                      parafusos, lascas de tintas,
                                  fragmentos de naves espaciais ou
                                      equipamentos danificados.



                              •   Estima-se que cerca de 10 000
                                  itens de grandes dimensões
                                  orbitem em redor da Terra,
                                  aumentando o risco de colisão
Prof. Ana Rita Rainho
                                  com naves espaciais.
                                                                      45
Ciências Naturais 7
Mais informação aqui

                       46
O desastre do Challenger




                                               1986


Prof. Ana Rita Rainho   Ciências Naturais 7   47
                                              História
Prof. Ana Rita Rainho   Ciências Naturais 7   48

                                              1986
O desastre
                                                  do
                                              Columbia



                                                           2003


Prof. Ana Rita Rainho   Ciências Naturais 7                49
                                                           História
Prof. Ana Rita Rainho   Ciências Naturais 7   50

                                              2003
Riscos da
                        pesquisa espacial:

• Perda de vidas humanas (acidentes).

• Poluição orbital
       – pode danificar outros instrumentos ou perfurar o fato
         de astronautas.

• Poluição ambiental
       – devido aos detritos resultantes da reentrada de
         objectos na atmosfera terrestre.
                                                                 51
Prof. Ana Rita Rainho         Ciências Naturais 7
Mais material disponível em:
 www.espacociencias.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

A lua
A luaA lua
A lua
 
Origem do Universo, Teoria do Big Bang
Origem do Universo, Teoria do Big BangOrigem do Universo, Teoria do Big Bang
Origem do Universo, Teoria do Big Bang
 
Sistema Solar
Sistema SolarSistema Solar
Sistema Solar
 
Fases lua
Fases luaFases lua
Fases lua
 
O planeta terra
O planeta terraO planeta terra
O planeta terra
 
O Universo - 6º Ano (2017)
O Universo - 6º Ano (2017)O Universo - 6º Ano (2017)
O Universo - 6º Ano (2017)
 
Formação do sistema solar
Formação do sistema solarFormação do sistema solar
Formação do sistema solar
 
Conceitos básicos de astronomia.
Conceitos básicos de astronomia.Conceitos básicos de astronomia.
Conceitos básicos de astronomia.
 
I.2 O sistema solar
I.2 O sistema solarI.2 O sistema solar
I.2 O sistema solar
 
Big Bang
Big BangBig Bang
Big Bang
 
Geocentrismo
GeocentrismoGeocentrismo
Geocentrismo
 
Terra no espaço
Terra no espaçoTerra no espaço
Terra no espaço
 
Asteroides, Cometas Meteoritos
Asteroides, Cometas MeteoritosAsteroides, Cometas Meteoritos
Asteroides, Cometas Meteoritos
 
Introdução à Cosmologia
Introdução à CosmologiaIntrodução à Cosmologia
Introdução à Cosmologia
 
Oba aula 1 2014
Oba aula 1 2014Oba aula 1 2014
Oba aula 1 2014
 
Introdução e História da astronomia - Aula 1
Introdução e História da astronomia - Aula 1Introdução e História da astronomia - Aula 1
Introdução e História da astronomia - Aula 1
 
Apresentação slide sistema solar
Apresentação slide sistema solarApresentação slide sistema solar
Apresentação slide sistema solar
 
Astronomia e a formação do universo
Astronomia e a formação do universoAstronomia e a formação do universo
Astronomia e a formação do universo
 
A origem do universo
A origem do universoA origem do universo
A origem do universo
 
Microscopia E Teoria Celular
Microscopia E Teoria CelularMicroscopia E Teoria Celular
Microscopia E Teoria Celular
 

Semelhante a Instrumentos pesquisa espacial

Textos 4 série matutino
Textos 4 série matutinoTextos 4 série matutino
Textos 4 série matutinoLudwig França
 
à Descoberta do universo
à Descoberta do universoà Descoberta do universo
à Descoberta do universoEunice Palma
 
Robôs, Astronautas e Tu (08-2008)
Robôs, Astronautas e Tu (08-2008)Robôs, Astronautas e Tu (08-2008)
Robôs, Astronautas e Tu (08-2008)eufisica
 
Kepler sonda espacial
Kepler   sonda espacialKepler   sonda espacial
Kepler sonda espacialAmorim Albert
 
Nasa divulga que planeta
Nasa divulga que planetaNasa divulga que planeta
Nasa divulga que planetaAndrea Barreto
 
01. corrida espacial
01. corrida espacial01. corrida espacial
01. corrida espacialruiricardobg
 
Terra , Um Planeta Muito Especial Powerpoint De IntroduçãO Do Tema (CiêNcia...
Terra , Um Planeta Muito Especial   Powerpoint De IntroduçãO Do Tema (CiêNcia...Terra , Um Planeta Muito Especial   Powerpoint De IntroduçãO Do Tema (CiêNcia...
Terra , Um Planeta Muito Especial Powerpoint De IntroduçãO Do Tema (CiêNcia...Nuno Correia
 
Constituição do sistema solar
Constituição do sistema solarConstituição do sistema solar
Constituição do sistema solarvaldecio lopes
 
Ficha técnica projeto individual
Ficha técnica projeto individualFicha técnica projeto individual
Ficha técnica projeto individualjoaosantosterrivel
 
Textos 4 série vespertino
Textos 4 série vespertinoTextos 4 série vespertino
Textos 4 série vespertinoLudwig França
 
Instrumentos de exploração espacial
Instrumentos de exploração espacialInstrumentos de exploração espacial
Instrumentos de exploração espacialTânia Reis
 
A IMPORTÂNCIA DA EXPLORAÇÃO DO PLANETA MARTE PARA A SOBREVIVÊNCIA DA HUMANIDADE
A IMPORTÂNCIA DA EXPLORAÇÃO DO PLANETA MARTE PARA A SOBREVIVÊNCIA DA HUMANIDADEA IMPORTÂNCIA DA EXPLORAÇÃO DO PLANETA MARTE PARA A SOBREVIVÊNCIA DA HUMANIDADE
A IMPORTÂNCIA DA EXPLORAÇÃO DO PLANETA MARTE PARA A SOBREVIVÊNCIA DA HUMANIDADEFernando Alcoforado
 
Mars 2020 Perseverance - A Busca Por Sinais de Vida Antiga Em Marte
Mars 2020 Perseverance - A Busca Por Sinais de Vida Antiga Em MarteMars 2020 Perseverance - A Busca Por Sinais de Vida Antiga Em Marte
Mars 2020 Perseverance - A Busca Por Sinais de Vida Antiga Em MarteSérgio Sacani
 

Semelhante a Instrumentos pesquisa espacial (20)

Textos 4 série matutino
Textos 4 série matutinoTextos 4 série matutino
Textos 4 série matutino
 
à Descoberta do universo
à Descoberta do universoà Descoberta do universo
à Descoberta do universo
 
A corrida espacial
A corrida espacialA corrida espacial
A corrida espacial
 
A corrida espacial
A corrida espacialA corrida espacial
A corrida espacial
 
Voyager missão
Voyager   missãoVoyager   missão
Voyager missão
 
Robôs, Astronautas e Tu (08-2008)
Robôs, Astronautas e Tu (08-2008)Robôs, Astronautas e Tu (08-2008)
Robôs, Astronautas e Tu (08-2008)
 
Kepler sonda espacial
Kepler   sonda espacialKepler   sonda espacial
Kepler sonda espacial
 
Nasa divulga que planeta
Nasa divulga que planetaNasa divulga que planeta
Nasa divulga que planeta
 
2.sistema solar xix oba
2.sistema solar xix oba2.sistema solar xix oba
2.sistema solar xix oba
 
01. corrida espacial
01. corrida espacial01. corrida espacial
01. corrida espacial
 
3.astronáutica xix oba
3.astronáutica xix oba3.astronáutica xix oba
3.astronáutica xix oba
 
Missão cassini
Missão cassiniMissão cassini
Missão cassini
 
Exoplanetas
ExoplanetasExoplanetas
Exoplanetas
 
Terra , Um Planeta Muito Especial Powerpoint De IntroduçãO Do Tema (CiêNcia...
Terra , Um Planeta Muito Especial   Powerpoint De IntroduçãO Do Tema (CiêNcia...Terra , Um Planeta Muito Especial   Powerpoint De IntroduçãO Do Tema (CiêNcia...
Terra , Um Planeta Muito Especial Powerpoint De IntroduçãO Do Tema (CiêNcia...
 
Constituição do sistema solar
Constituição do sistema solarConstituição do sistema solar
Constituição do sistema solar
 
Ficha técnica projeto individual
Ficha técnica projeto individualFicha técnica projeto individual
Ficha técnica projeto individual
 
Textos 4 série vespertino
Textos 4 série vespertinoTextos 4 série vespertino
Textos 4 série vespertino
 
Instrumentos de exploração espacial
Instrumentos de exploração espacialInstrumentos de exploração espacial
Instrumentos de exploração espacial
 
A IMPORTÂNCIA DA EXPLORAÇÃO DO PLANETA MARTE PARA A SOBREVIVÊNCIA DA HUMANIDADE
A IMPORTÂNCIA DA EXPLORAÇÃO DO PLANETA MARTE PARA A SOBREVIVÊNCIA DA HUMANIDADEA IMPORTÂNCIA DA EXPLORAÇÃO DO PLANETA MARTE PARA A SOBREVIVÊNCIA DA HUMANIDADE
A IMPORTÂNCIA DA EXPLORAÇÃO DO PLANETA MARTE PARA A SOBREVIVÊNCIA DA HUMANIDADE
 
Mars 2020 Perseverance - A Busca Por Sinais de Vida Antiga Em Marte
Mars 2020 Perseverance - A Busca Por Sinais de Vida Antiga Em MarteMars 2020 Perseverance - A Busca Por Sinais de Vida Antiga Em Marte
Mars 2020 Perseverance - A Busca Por Sinais de Vida Antiga Em Marte
 

Mais de Rita Rainho

CN7 - Rochas magmáticas
CN7 - Rochas magmáticasCN7 - Rochas magmáticas
CN7 - Rochas magmáticasRita Rainho
 
CN7 - Formação de cristais de enxofre
CN7 - Formação de cristais de enxofreCN7 - Formação de cristais de enxofre
CN7 - Formação de cristais de enxofreRita Rainho
 
BioGeo11-Replicação do ADN e Síntese Proteica
BioGeo11-Replicação do ADN e Síntese ProteicaBioGeo11-Replicação do ADN e Síntese Proteica
BioGeo11-Replicação do ADN e Síntese ProteicaRita Rainho
 
Bio12-desequilíbrios do sistema imunitário
Bio12-desequilíbrios do sistema imunitárioBio12-desequilíbrios do sistema imunitário
Bio12-desequilíbrios do sistema imunitárioRita Rainho
 
Bio12-Extensões da genética mendeliana
Bio12-Extensões da genética mendelianaBio12-Extensões da genética mendeliana
Bio12-Extensões da genética mendelianaRita Rainho
 
BioGeo10-diversidade na Biosfera
BioGeo10-diversidade na BiosferaBioGeo10-diversidade na Biosfera
BioGeo10-diversidade na BiosferaRita Rainho
 
BioGeo10-coordenação nervosa
BioGeo10-coordenação nervosaBioGeo10-coordenação nervosa
BioGeo10-coordenação nervosaRita Rainho
 
BioGeo10-respiração aeróbia
BioGeo10-respiração aeróbiaBioGeo10-respiração aeróbia
BioGeo10-respiração aeróbiaRita Rainho
 
BioGeo10-sismologia
BioGeo10-sismologiaBioGeo10-sismologia
BioGeo10-sismologiaRita Rainho
 
BioGeo10-trocas gasosas
BioGeo10-trocas gasosasBioGeo10-trocas gasosas
BioGeo10-trocas gasosasRita Rainho
 
BioGeo10-fermentacao
BioGeo10-fermentacaoBioGeo10-fermentacao
BioGeo10-fermentacaoRita Rainho
 
BioGeo10-transportes membranares
BioGeo10-transportes membranaresBioGeo10-transportes membranares
BioGeo10-transportes membranaresRita Rainho
 
BioGeo10-biomoléculas
BioGeo10-biomoléculasBioGeo10-biomoléculas
BioGeo10-biomoléculasRita Rainho
 
BioGeo10-ondas-sismicas_descontinuidades
BioGeo10-ondas-sismicas_descontinuidadesBioGeo10-ondas-sismicas_descontinuidades
BioGeo10-ondas-sismicas_descontinuidadesRita Rainho
 
BioGeo10-métodos geofísicos
BioGeo10-métodos geofísicosBioGeo10-métodos geofísicos
BioGeo10-métodos geofísicosRita Rainho
 
6 corpos sistema solar
6 corpos sistema solar6 corpos sistema solar
6 corpos sistema solarRita Rainho
 
BioGeo10-rochas sedimentares
BioGeo10-rochas sedimentaresBioGeo10-rochas sedimentares
BioGeo10-rochas sedimentaresRita Rainho
 
BioGeo10-trilobites de canelas
BioGeo10-trilobites de canelasBioGeo10-trilobites de canelas
BioGeo10-trilobites de canelasRita Rainho
 

Mais de Rita Rainho (20)

CN7 - Rochas magmáticas
CN7 - Rochas magmáticasCN7 - Rochas magmáticas
CN7 - Rochas magmáticas
 
CN7 - Formação de cristais de enxofre
CN7 - Formação de cristais de enxofreCN7 - Formação de cristais de enxofre
CN7 - Formação de cristais de enxofre
 
CN7 - Fósseis
CN7 - FósseisCN7 - Fósseis
CN7 - Fósseis
 
BioGeo11-Replicação do ADN e Síntese Proteica
BioGeo11-Replicação do ADN e Síntese ProteicaBioGeo11-Replicação do ADN e Síntese Proteica
BioGeo11-Replicação do ADN e Síntese Proteica
 
Bio12-desequilíbrios do sistema imunitário
Bio12-desequilíbrios do sistema imunitárioBio12-desequilíbrios do sistema imunitário
Bio12-desequilíbrios do sistema imunitário
 
CN7-rochas
CN7-rochasCN7-rochas
CN7-rochas
 
Bio12-Extensões da genética mendeliana
Bio12-Extensões da genética mendelianaBio12-Extensões da genética mendeliana
Bio12-Extensões da genética mendeliana
 
BioGeo10-diversidade na Biosfera
BioGeo10-diversidade na BiosferaBioGeo10-diversidade na Biosfera
BioGeo10-diversidade na Biosfera
 
BioGeo10-coordenação nervosa
BioGeo10-coordenação nervosaBioGeo10-coordenação nervosa
BioGeo10-coordenação nervosa
 
BioGeo10-respiração aeróbia
BioGeo10-respiração aeróbiaBioGeo10-respiração aeróbia
BioGeo10-respiração aeróbia
 
BioGeo10-sismologia
BioGeo10-sismologiaBioGeo10-sismologia
BioGeo10-sismologia
 
BioGeo10-trocas gasosas
BioGeo10-trocas gasosasBioGeo10-trocas gasosas
BioGeo10-trocas gasosas
 
BioGeo10-fermentacao
BioGeo10-fermentacaoBioGeo10-fermentacao
BioGeo10-fermentacao
 
BioGeo10-transportes membranares
BioGeo10-transportes membranaresBioGeo10-transportes membranares
BioGeo10-transportes membranares
 
BioGeo10-biomoléculas
BioGeo10-biomoléculasBioGeo10-biomoléculas
BioGeo10-biomoléculas
 
BioGeo10-ondas-sismicas_descontinuidades
BioGeo10-ondas-sismicas_descontinuidadesBioGeo10-ondas-sismicas_descontinuidades
BioGeo10-ondas-sismicas_descontinuidades
 
BioGeo10-métodos geofísicos
BioGeo10-métodos geofísicosBioGeo10-métodos geofísicos
BioGeo10-métodos geofísicos
 
6 corpos sistema solar
6 corpos sistema solar6 corpos sistema solar
6 corpos sistema solar
 
BioGeo10-rochas sedimentares
BioGeo10-rochas sedimentaresBioGeo10-rochas sedimentares
BioGeo10-rochas sedimentares
 
BioGeo10-trilobites de canelas
BioGeo10-trilobites de canelasBioGeo10-trilobites de canelas
BioGeo10-trilobites de canelas
 

Último

Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 

Último (20)

Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 

Instrumentos pesquisa espacial

  • 1. Prof. Ana Rita Rainho Instrumentos de Pesquisa Espacial
  • 2. Alguns símbolos importantes: • Hiperligação • Vídeo • Copia para o teu caderno Prof. Ana Rita Rainho Ciências Naturais 7 2
  • 3. Instrumentos de pesquisa espacial Na Terra No Espaço • Telescópios • Telescópio Espacial • Radiotelescópios • Satélites • Sondas • Foguetões • Vaivéns • Estação Espacial 3
  • 4. Telescópios • São utilizados para observar objetos que se encontram no espaço. – Os mais potentes encontram-se situados em torres de locais altos, pois a atmosfera afeta a captação de imagens. Prof. Ana Rita Rainho Ciências Naturais 7 4
  • 5. • Telescópio terrestre Shane Localizado na Califórnia, é usado para encontrar planetas fora do Sistema Solar. 5
  • 6. • E-ELT – European Telescópio europeu que iniciará a Extremely sua construção em 2012 no deserto do Chile. Será o mais Large potente do mundo e espera-se que Telescope seja capaz de obter imagens ainda mais nítidas que as do Hubble. 6
  • 7. Radiotelescópios • Captam ondas rádio e radiação eletromagnética provenientes do espaço. 7
  • 8. • Radiotelecópio Torun Localizado no Japão, é usado para observar corpos celestes muito distantes, que não são possíveis de observar com os telescópios normais. 8
  • 9. • Telescópio espacial Hubble – Tem a vantagem de obter imagens de melhor qualidade, pois não se encontra sob a influência da atmosfera terrestre. Colocado em órbita terrestre em 1990, ainda continua a tirar fotografias no espaço. Mais informação Galeria de imagens 9
  • 10. Marte Prof. Ana Rita Rainho Ciências Naturais 7 10
  • 11. 11
  • 12. 12
  • 13. Prof. Ana Rita Rainho Ciências Naturais 7 13
  • 14. Prof. Ana Rita Rainho Ciências Naturais 7 14
  • 15. Satélites Artificiais • São objetos colocados em órbita da Terra para desempenhar funções específicas: • Telecomunicações • GPS • Meteorologia • Astronómicos • Reconhecimento • Militares • Mapeamento geográfico Prof. Ana Rita Rainho Ciências Naturais 7 15
  • 16. Diferentes órbitas utilizadas pelos satélites artificiais em torno da Terra Prof. Ana Rita Rainho Ciências Naturais 7 16
  • 17. • Sputnik 1 Primeiro satélite artificial a ser colocado em órbita, a 4 de Outubro de 1957. Marcou o início da Era Espacial. Prof. Ana Rita Rainho Ciências Naturais 7 17
  • 18. • Noaa-18 Lançado a 20 de Maio de 2005. Objectivo: recolher informações sobre alterações climáticas e ambientais. Prof. Ana Rita Rainho 18
  • 19. Desenho do aspecto que o satélite tem quando se encontra em órbita 19
  • 20. Sondas espaciais • Naves não tripuladas enviadas para lugares mais distantes do Universo com o objetivo de fazer reconhecimento e efetuar análises. Ver todas as missões aqui Prof. Ana Rita Rainho Ciências Naturais 7 20
  • 21. • Sonda Cassini Lançada em 1997, atingiu finalmente a órbita de Saturno em Julho de 2004. Prof. Ana Rita Rainho Ciências Naturais 7 21
  • 22. Planeta Saturno, fotografado pela sonda Cassini 22
  • 23. • Sonda Mars Express Objectivo: recolher informações sobre Marte e eventuais condições para a existência de vida no planeta. Descobriu a existência de água no estado sólido e 23 vestígios da existência de água líquida no passado.
  • 24. Superfície de Marte, fotografada Prof. Ana Rita Rainho Ciências Naturais 7 24 pela sonda Mars Express
  • 25. Gelo presente numa cratera do pólo norte do planeta. 25
  • 26. Monte Olimpo. O maior vulcão do Sistema Solar. Tem a mesma altura do Monte Evereste e cerca de 550 km de diâmetro. 26
  • 27. • Sonda Voyager Em Dezembro de 2004, após uma viagem de 27 anos e cerca de 13 mil milhões de km, aproximou-se dos limites do Sistema Solar. Prof. Ana Rita Rainho Ciências Naturais 7 27
  • 28. • Sonda Dawn Enviada à cintura de asteróides para investigar as origens do Sistema Solar através da análise de Ceres e Vesta. Prof. Ana Ritaimagens Galeria de Rainho Ciências Naturais 7 28
  • 29. Foguetões espaciais • Utilizados para enviar para fora da influência da gravidade os instrumentos que serão enviados para o espaço Lançamento do foguetão utilizado para 29 o envio do satélite Noaa-18.
  • 30. Módulo de comando Módulo lunar. Terceiro andar Segundo andar Primeiro andar 30 Lançamento da Apollo 11
  • 31. A 16 de Julho de 1969 a missão Apollo 11 chegou à lua com os astronautas Neil Armstrong, Edwin Aldrin e Michael Collins. Nesse mesmo dia, Neil Armstrong tornou-se o primeiro ser humano a pisar solo lunar. Prof. Ana Rita Rainho 31 Ciências Naturais 7
  • 32. Módulo lunar da Apollo 11. 32
  • 33. Vaivem espacial • Tem a vantagem de poderem ser utilizados mais que uma vez, e permitem transportar mais equipamento e tripulação de cada vez Lançamento do vaivém utilizado para 33 colocar o Hubble em órbita
  • 34. Reservatório de combustível. Contém cerca de 721 toneladas de hidrogénio e oxigénio líquidos para ser usados pelos motores de propulsão. Foguetes de propulsão. Servem para colocar o vaivém em órbita. Estão preparados para cerca de 20 utilizações. 34
  • 35. Veículos de auxílio • Rover Veículo utilizado pelos astronautas da missão Apollo 11 à superfície lunar. Ciências Naturais 7 35
  • 36. • Opportunity Robot de investigação enviado na sonda Mars Express. Este veículo é comandado a partir do centro de controlo Terrestre. Prof. Ana Rita Rainho Ciências Naturais 7 36
  • 37. Estações espaciais Têm condições que permitem aos astronautas permanecer no espaço longos períodos de tempo. • Salyut 1 Primeira estação espacial da História. Lançada pelos soviéticos a 19 de Abril de 1971. Prof. Ana Rita Rainho Ciências Naturais 7 37
  • 38. • MIR Lançada pelos soviéticos a 20 de Fevereiro de 1986. Pesava cerca de 143 toneladas. Após 15 anos de serviço foi desactivada, deixando-nos um legado científico dos mais importantes da história da 38 exploração espacial.
  • 39. 39 Outras estações aqui Vaivém Atlantis acoplado à MIR.
  • 40. • ISS (International Space Station) Resulta da cooperação entre vários países europeus, o Canadá, Japão Rússia e EUA. Começou a ser construída em 1998 e está ainda a ser terminada no espaço. Pesa cerca de 500 toneladas e é 4x Prof. Ana Rita Rainho que a MIR. maior Ciências Naturais 7 40
  • 41. Prof. Ana Rita Rainho Ciências Naturais 7 41 A vida dos astronautas no interior da ISS - vídeo.
  • 42. Astronauta a trabalhar na montagem de componentes no exterior da ISS. 42
  • 43. Benefícios da pesquisa espacial: • Conhecimento do Universo. • Pesquisa médica e tecnológica feita a bordo da Estação Espacial. • Desenvolvimento da tecnologia e melhoria das condições de vida humanas. Alguns exemplos aqui Prof. Ana Rita Rainho 43 Ciências Naturais 7
  • 44. Os perigos Prof. Ana Rita Rainho Ciências Naturais 7 44
  • 45. Lixo Espacial São objectos fabricados pelo Homem que já não têm utilidade e que orbitam em torno da Terra. Podem ser: satélites inactivos, parafusos, lascas de tintas, fragmentos de naves espaciais ou equipamentos danificados. • Estima-se que cerca de 10 000 itens de grandes dimensões orbitem em redor da Terra, aumentando o risco de colisão Prof. Ana Rita Rainho com naves espaciais. 45 Ciências Naturais 7
  • 47. O desastre do Challenger 1986 Prof. Ana Rita Rainho Ciências Naturais 7 47 História
  • 48. Prof. Ana Rita Rainho Ciências Naturais 7 48 1986
  • 49. O desastre do Columbia 2003 Prof. Ana Rita Rainho Ciências Naturais 7 49 História
  • 50. Prof. Ana Rita Rainho Ciências Naturais 7 50 2003
  • 51. Riscos da pesquisa espacial: • Perda de vidas humanas (acidentes). • Poluição orbital – pode danificar outros instrumentos ou perfurar o fato de astronautas. • Poluição ambiental – devido aos detritos resultantes da reentrada de objectos na atmosfera terrestre. 51 Prof. Ana Rita Rainho Ciências Naturais 7
  • 52. Mais material disponível em: www.espacociencias.com