Índice 
Capítulo primeiro 
Capitulo segundo 
Capitulo terceiro 
Capitulo quarto 
Remates e esquecimentos 
Constituint...
Sumário da obra: 
Após ter passado a noite com Marfisa, uma bonita prostituta, ocasião em que pela primeira vez 
Filipe IV...
Gonzalo Torrente Ballester nasceu na aldeia de Serantes, Ferrol (Corunha, Espanha). Fez os estudos 
primários no Colégio d...
Na minha opinião: 
O livro é muito cativante, mas o problema é que contém um vocabulário 
muito enriquecido, isto é as pal...
"Crónica do rei pasmado"
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

"Crónica do rei pasmado"

1.258 visualizações

Publicada em

O autor, as personagens e a descrição da obra.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

"Crónica do rei pasmado"

  1. 1. Índice Capítulo primeiro Capitulo segundo Capitulo terceiro Capitulo quarto Remates e esquecimentos Constituintes do livro: Personagens Rei Filipe IV de Espanha Rainha Isabel de Bourbon Marfisa Lucrécia Conde Peña Andrada D.Secundino Mirambel Inquisidor-mor Frei Eugénio Rivadesella Valido Chanceler-mor Padre Villaescusa Padre Almeida Padre Luís
  2. 2. Sumário da obra: Após ter passado a noite com Marfisa, uma bonita prostituta, ocasião em que pela primeira vez Filipe IV vê uma mulher nua, o jovem rei, verdadeiramente enfeitiçado pela experiência, decide que quer também ver a sua esposa, a Rainha Isabel de Bourbon despida, disposto, para isso, a quebrar todas as regras protocolares em vigor. Numa época em que a Inquisição dominava Espanha as opiniões de se o Rei deveria ou não encontrar-se com a Rainha dividiam-se. Por um lado, os membros mais conservadores, onde se distinguia o Padre Villaescusa defendiam que o desejo do Rei era pecado e que todo o povo seria castigado pelos atos imorais que fossem cometidos por ele. Destacava-se também o Valido, que apoiava o Padre Villaescusa por interesses próprios, de forma a poder culpar o Rei dos eventuais fracassos da nação. Do outro lado estavam os clérigos mais liberais e aqueles que julgavam que o desejo do Rei era um ato normal e de seu direito. Nesta posição sobressaíam o Conde Peña Andrada, homem de confiança do Rei e que o auxiliava nos seus encontros clandestinos e também o Padre Almeida, um jesuíta português que com o seu poderoso poder argumentativo conseguiu convencer vários membros da Igreja a pronunciarem-se a favor da ambição do Rei. Também o Inquisidor-Mor mantém a imparcialidade e não deixa que as afirmações do Padre Villaescusa influenciem a sua decisão. O casal encontra-se então clandestinamente num mosteiro, ajudado por aqueles que defendiam a sua liberdade. Satisfeito o seu desejo, o Rei que até então não dava atenção ao estado do reino, delegando as suas responsabilidades ao Valido, toma as rédeas da situação e mostra-se um monarca mais forte e independente.
  3. 3. Gonzalo Torrente Ballester nasceu na aldeia de Serantes, Ferrol (Corunha, Espanha). Fez os estudos primários no Colégio de Nuestra Señora de la Merced, no Ferrol, e os secundários na Corunha, como aluno voluntário. Em 1921, apercebe-se de que a sua miopia o impedirá de seguir a carreira da Marinha de Guerra. Recebe um presente importante: o seu primeiro Quixote; revela-se um leitor inquieto e voraz. Em 1926 matricula-se como aluno voluntário na Universidade de Santiago de Compostela. Queima os seus escritos juvenis. Lê Friedrich Nietzsche e Oswald Spengler. Por motivos familiares muda-se para Oviedo, onde estuda Direito, tem os primeiros contactos com as vanguardas literárias e se estreia como jornalista, no jornal El Carbayón. Em 1928 muda-se para Vigo. Em 1929 instala-se em Madrid. Frequenta a tertúlia de Valle-Inclán e a Faculdade de Letras e trabalha no jornal anarquista La Tierra, que fecha em 1930. Volta para o Ferrol e, em 1931, muda-se com a família para Bueu (Pontevedra). No ano seguinte casa com Josefina Malvido. Após uma breve estada em Valência regressa à Galiza, devido à asma de Josefina. Em 1933 fixa residência no Ferrol e emprega-se como professor na Academia Rapariz, onde leciona (16 horas por dia!) Gramática, Latim e História. Matricula-se, de novo como aluno voluntário, na Faculdade de Letras da Universidade de Santiago de Compostela e filia-se no Partido Galeguista. Em 1935 licencia-se em História pela Universidade de Santiago. Ocupa o cargo de Secretário Local do Partido Galeguista. Em 1936 aprova um concurso para professor auxiliar de História Antiga na Universidade de Santiago. Entre 1934 e 1938 nascem os seus quatro primeiros filhos. Falece a 27 de Janeiro de 1999, em Salamanca. Está enterrado no cemitério de Serantes (Ferrol).
  4. 4. Na minha opinião: O livro é muito cativante, mas o problema é que contém um vocabulário muito enriquecido, isto é as palavras são muito complicadas, ao ler o livro tenho de estar ao lado do dicionário para ir lá procurar metade do significado do “livro”, tais como:  Valão;  Alvitres;  Sabática;  Cenho;  Toledana;  Fâmulo;  Escarcela; ,e entre muitas outras, eu aconselho que leiam este livro, mas com o dicionário ao lado!

×