Controlo de Pragas
Biologia
Introdução
Luta Química
Luta BiológicaLuta Integrada
Controlo
Genético
De
que trata o
Controlo de pragas?
Introdução
A Filoxera
A filoxera é um inseto pertencente à
família dos afídios que se alimenta da seiva
das videiras e pode atacar as...
A luta química serve-se do uso de produtos químicos para
combater espécies nocivas ou funcionar como reguladores de
cresci...
Pesticidas
Os pesticidas são produtos
químicos utilizados no
controlo de pragas. Para
determinado pesticida ser
lançado no...
Pesticidas
Inseticidas
• Eliminam insetos e podem
atuar por diferentes modos:
• Contacto, penetrando
através da cutícula;
...
Desvantagens
• Causa doenças variáveis;
• Provoca desiquilíbrios nos
ecossistemas;
• Elimina predadores das próprias
praga...
– Bioacomulação: ocorre uma acumulação
excessiva de determinadas moléculas
constituintes dos pesticidas nos tecidos ou
órg...
Luta Biológica
Este tipo de controlo de pragas recorre a organismos auxiliares, ao
uso de feromonas e à esterlização de se...
Luta Biológica
Organismos auxiliares
Consistem em seres vivos utilizados na luta contra pragas.
Podem já estar presentes n...
Luta Biológica
Feromonas
As feromonas são substâncias
químicas produzidas por certos
animais que têm um efeito
comunicacio...
Luta Biológica
Feromonas
Vantagens
Ação dirigida para indivíduos de uma
espécie
Eficazes em pequenas quantidades
A possibi...
Luta Biológica
Esterilização de machos
Processo de luta autocida em que são utilizados os próprios organismos
para se cont...
Luta Biológica
Vantagens
Ação específica para a
praga a combater
Ação passível de ser
perpetuada
Minimizadora da
resistênc...
Luta Integrada
Luta Integrada
O Que é?
Consiste no controlo de
pragas através de
programas de gestão
integrada que associam
várias técnic...
Luta Integrada - Processo
① Estimativa de risco: avaliação quantitativa de inimigos das
culturas e análise da influência d...
Luta Integrada
Vantagens
•Reduz o uso de pesticidas e os custos no controlo
de pragas de 50% a 90%
•Aumenta os lucros das ...
Controlo Genético
Atualmente, já é possível, através do controlo genético de
determinadas espécies e dentro de certos limi...
Controlo Genético
Para se manipular o genoma de uma planta pode-se recorrer a
cruzamentos seletivos selecionando-se, assim...
Conclusão
Conclusão
Não existem métodos infalíveis relacionados com o controlo de
pragas visto que é necessário conhecer-se o ciclo ...
Trabalho realizado por:
• Francisca Guimarães;
• Mª Fátima Rocha;
• Mariana Esteves:
• Rita Sousa.
Controlo de pragas
Controlo de pragas
Controlo de pragas
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Controlo de pragas

229 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
229
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Controlo de pragas

  1. 1. Controlo de Pragas Biologia
  2. 2. Introdução Luta Química Luta BiológicaLuta Integrada Controlo Genético
  3. 3. De que trata o Controlo de pragas?
  4. 4. Introdução
  5. 5. A Filoxera A filoxera é um inseto pertencente à família dos afídios que se alimenta da seiva das videiras e pode atacar as folhas e rebentos, ou as raízes, podendo levar à morte da planta. A filoxera tem um ciclo reprodutor complexo com reprodução sexuada e reprodução assexuada por partenogénese. Apresenta dois ciclos: um aéreo e outro subterrâneo. A Filoxera O Ciclo da filoxera
  6. 6. A luta química serve-se do uso de produtos químicos para combater espécies nocivas ou funcionar como reguladores de crescimento. Este tipo de controlo de pragas utiliza os conhecidos pesticidas.
  7. 7. Pesticidas Os pesticidas são produtos químicos utilizados no controlo de pragas. Para determinado pesticida ser lançado no mercado é necessário testar a sua eficácia contra o alvo desejado, bem como garantir que não é nocivo para os restantes seres vivos. Sulfatação da vinha
  8. 8. Pesticidas Inseticidas • Eliminam insetos e podem atuar por diferentes modos: • Contacto, penetrando através da cutícula; • Ingestão, sendo absorvidos com os alimentos; • Asfixia; • Inseticidas sistémicos, são transportados pela seiva das plantas e são absorvidos simultaneamente com a seiva pelos insetos consumidores Herbicidas • Herbicidas totais, que eliminam todas as plantas, mas o seu uso na agricultura é limitado. • Herbicidas seletivos, que atuam apenas sobre determinadas espécies, inibindo a germinação das sementes ou bloqueando a fotossíntese. Fungicidas • Combatem fungos com o míldio e oídio, entre outros, parasitam plantas, inibindo a germinação dos esporos ou destruindo os fungos que vivem sobre as plantas Biocidas • Pesticidas de largo espetro de ação, isto é, atuam sobre quase todas as espécies
  9. 9. Desvantagens • Causa doenças variáveis; • Provoca desiquilíbrios nos ecossistemas; • Elimina predadores das próprias pragas; • Contamina águas, sedimentos, alimentos e outros organismos Vantagens • Diminui a taxa de doenças transmitidas por insetos e outras pragas; • Aumenta a produção de alimentos;
  10. 10. – Bioacomulação: ocorre uma acumulação excessiva de determinadas moléculas constituintes dos pesticidas nos tecidos ou órgãos específicos dos indivíduos. Estas moléculas chegam aos indivíduos quer pelo consumo de águas contaminadas com estas moléculas, quer pelo consumo de outros seres vivos que já as vinham a acumular. – Bioampliação: a concentração de alguns pesticidas aumenta quando estes passam sucessivamente para níveis tróficos mais elevados das cadeias alimentares. Ex: fitoplantôn (contaminado) – zooplantôn (fica contaminado) – peixe (fica contaminado) – ser humano (acaba por ser também atingido) Consequências dos pesticidas A persistência dos pesticidas, ou seja, o tempo durante o qual, após a aplicação, eles mantêm a sua toxicidade no ambiente, pode ser perigosa para os ecossistemas, tendo dois efeitos indesejáveis:
  11. 11. Luta Biológica Este tipo de controlo de pragas recorre a organismos auxiliares, ao uso de feromonas e à esterlização de seres que constituem pragas, fazendo diminuir a sua reprodução. Louva-a-deus devora um inseto
  12. 12. Luta Biológica Organismos auxiliares Consistem em seres vivos utilizados na luta contra pragas. Podem já estar presentes na cultura ou podem ser aplicados com intervenção direta do agricultor. São alguns exemplos o ouriço- cacheiro, a coruja, o sapo, a joaninha, certas plantas e fungos e até mesmo bactérias que atacam e destroem seres prejudiciais. A estes microorganismos que intervêm no controlo de pragas dá se a designação geral de biopesticidas.
  13. 13. Luta Biológica Feromonas As feromonas são substâncias químicas produzidas por certos animais que têm um efeito comunicacional à distância. Estas desencadeiam uma reação fisiológica, isto é, um certo comportamento específico noutros animais da mesma espécie, pois só estes possuem recetores específicos para estas substâncias. Este fenómeno é muito frequente por exemplo em Antrópodes e importante como estratégia de acasalamento. Uma característica das feromonas é que, uma vez produzidas, elas permanecem no ambiente por muito tempo. Assim, este tipo de estratégias podem ser utilizadas para atrair animais para armadilhas numa tentativa de controlar pragas.
  14. 14. Luta Biológica Feromonas Vantagens Ação dirigida para indivíduos de uma espécie Eficazes em pequenas quantidades A possibilidade de criarem resistência genética é mínima A possibilidade de criarem resistência genética é mínima Desvantagens São caras O processo de investigação para identificar, isolar e produzir um produto específico para cada praga ou predador é demorado
  15. 15. Luta Biológica Esterilização de machos Processo de luta autocida em que são utilizados os próprios organismos para se controlarem a si próprios. Este método consiste na criação de uma grande quantidade de machos da espécie considerada, que são posteriormente esterilizados numa determinada fase do desenvolvimento. A esterilização pode ser feita por métodos físicos (recorrendo a radiação ionizante) ou por métodos químicos (pela ingestão de substâncias que os torna estéreis). Os machos são posteriormente largados em grandes quantidades na área afetada para competirem com os machos existentes na natureza, e ao acasalarem com as fêmeas impedem a formação de ovos viáveis não dando origem a descendência e, consequentemente, diminuindo a praga e os seus efeitos nefastos.
  16. 16. Luta Biológica Vantagens Ação específica para a praga a combater Ação passível de ser perpetuada Minimizadora da resistência genética Não levanta problemas de toxicidade para outros organismos Desvantagens Longa e árdua investigação Ação lenta e de difícil aplicação Auxiliares devem ser protegidos contra pesticidas Podem tornar-se, eles próprios, pragas
  17. 17. Luta Integrada
  18. 18. Luta Integrada O Que é? Consiste no controlo de pragas através de programas de gestão integrada que associam várias técnicas – métodos de cultura, de protecção biológica e químicos. Objetivos Conjugar a produtividade das culturas com a redução dos riscos ambientais Não tem como objectivo a erradicação das pragas, mas a sua redução – gestão controlada – em níveis economicamente aceitáveis. Luta Biológica Luta Química Luta Integrada
  19. 19. Luta Integrada - Processo ① Estimativa de risco: avaliação quantitativa de inimigos das culturas e análise da influência de certos factores nos prejuízos que possam causar; ② Nível económico de ataque: intensidade de ataque de um inimigo da cultura a que se devem aplicar medidas limitativas ou de combate para impedir que a cultura corra o risco de prejuízos superiores ao custo das medidas de luta a adoptar; ③ Tomada de decisão: avaliação de quais os meios de luta a utilizar e qual o momento mais adequado para impedir os prejuízos, não desejados, provocados pelos inimigos das culturas.
  20. 20. Luta Integrada Vantagens •Reduz o uso de pesticidas e os custos no controlo de pragas de 50% a 90% •Aumenta os lucros das colheitas •Reduz o desenvolvimento da resistência genética •Reduz a utilização de fertilizantes e de água •Importante forma de prevenção da poluição, reduzindo os riscos para a saúde humana •A longo prazo os custos são mais baixos que os custos com a aplicação de pesticidas convencionais Desvantagens •Requer um conhecimento rigoroso de cada situação de praga •É um processo mais lento do que o da aplicação dos pesticidas convencionais •O Método desenvolvido para um colheita numa determinada área pode não ser aplicável em áreas diferentes, com diferentes condições de desenvolvimento •Custos iniciais elevados
  21. 21. Controlo Genético Atualmente, já é possível, através do controlo genético de determinadas espécies e dentro de certos limites, melhorar a produção agrícola devido à obtenção, controlada, de plantas mais resistentes a determinados parasitas (ou pragas) e consumidores, previamente reconhecidos como perigosos para essa espécie.
  22. 22. Controlo Genético Para se manipular o genoma de uma planta pode-se recorrer a cruzamentos seletivos selecionando-se, assim, apenas as características mais favoráveis, ou à engenharia genética, transferindo para a planta o gene responsável pela expressão de uma característica que confere resistência à planta perante o seu agressor. Esta técnica de controlo de pragas tem-se mostrado uma mais valia em diferentes aspetos: • Na redução de custos no controlo de pragas; • Na redução da quantidade de pesticidas e fertilizantes.
  23. 23. Conclusão
  24. 24. Conclusão Não existem métodos infalíveis relacionados com o controlo de pragas visto que é necessário conhecer-se o ciclo de vida das plantas e das pragas. Para além dos ciclos de vida do respectivo afectado e agressor, também temos de conhecer o habitat dos seres que atacam as culturas. Podemos então concluir que é preferível optar pela luta integrada que tem como norma usar técnicas da luta química e da luta biológica tentando ao máximo não prejudicar os ecossistemas.
  25. 25. Trabalho realizado por: • Francisca Guimarães; • Mª Fátima Rocha; • Mariana Esteves: • Rita Sousa.

×