Expomoney Curitiba - Apimec - 06.04.2011

627 visualizações

Publicada em

Apresentação realizada pelo CEO da Companhia Providência, Eduardo Feldmann, na Expomoney Curitiba em 06 de abril de 2011.

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
627
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
101
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Expomoney Curitiba - Apimec - 06.04.2011

  1. 1. Encontro com Investidores – Expo Money Curitiba, 06 de abril de 2011
  2. 2. Agenda1) A Companhia2) Setorial3) Destaques4) Resultados 4T105) Perspectivas 2
  3. 3. Visão“ SERMOS MUNDIALMENTE RECONHECIDOS COMO O MELHOR FORNECEDOR DE NÃOTECIDOS” 3
  4. 4. Estrutura SocietáriaParticipante do Novo Mercado;Total de ações : 82,5 milhões;27,5% de free float Composição Acionária 4
  5. 5. Estrutura OrganizacionalEm março de 2011: Total Colaboradores: 748 Pouso Alegre: 60 funcionários; São José dos Pinhais: 632; Estados Unidos (PUSA): 56 16% dos colaboradores na área administrativa e 84% na área operacional Presidência Recursos Humanos Diretoria de Diretoria Diretoria Diretoria de Diretoria Engenharia e Financeira / RI Comercial Operações Tecnologia USA Financeiro Vendas Produção Controladoria Customer Service Manutenção Engenharia e Administrativo e R.I. Desenvolvimento Engenharia T.I. Produto Logística Processos Manufatura 5 Jurídico Compras Qualidade
  6. 6. Estrutura Física – Brasil Capacidade Instalada: 80 mil t/ano Pouso Alegre - MG 1 linha de produção – 10 mil t/ano 25 mil m² de área construída em terreno de 75 mil m2 KAMI 10 Pouso Alegre – MG KAMI 1 a 9 São José dos Pinhais - PRSão José dos Pinhais - PR 9 linhas de produção – 70 mil t/ano 72 mil m2 de área construída em terreno de 189 mil m2 6 6
  7. 7. Estrutura Física – EUA Capacidade Instalada: 20 mil t/anoMar/2010 Jun/2010Jan/2011 Statesville – Carolina do Norte – EUA 1 linha de produção – 20 mil t/ano 7,5 mil m2 de área construída em terreno de 17 Hectares Inauguração: 27 de janeiro de 2011 7
  8. 8. Capacidade Instalada x Utilização 96% 91% 88% 83% 83% 100 80 82 75 65 2007 2008 2009 2010 2011 (E) Capacidade Instalada (milhares de toneladas) % de utilização2007: Aquisição da Isofilme (Kami 10);2008: Start-up e operação parcial da Kami 9;2009: Plena operação da Kami 9 e expansão das linhas de nãotecidos laminados2010: Plena operação das linhas de nãotecidos laminados;2011: Entrada em operação da Kami 11. 8
  9. 9. Agenda1) A Companhia2) Setorial3) Destaques4) Resultados 4T105) Perspectivas 9
  10. 10. O Nãotecido Papel Nãotecido Plástico TecidoCriado quando as tecnologias do papel, tecido eplástico foram combinadas para produzir novostecidos e produtos com os atributos dos tecidos acustos significativamente mais baixosPolipropileno é a principal matéria-prima 10
  11. 11. Mercado de Atuação Principais Nãotecidos Principais Clientes Usos Fabricante #1 de  Fraldas nãotecidos na  Absorventes América Latina femininos Market share de 48% no Brasil  Móveis e colchões Market share de  Produtos médicos descartáveis 35% na América Latina, exceto Brasil Base ativa: 1.000 clientes 11
  12. 12. Mercado de TNT Projeção da Demanda NAFTA (México e EUA) Valores em mil t Crescimento Consumo : 3% a.a. 700 602 620 567 584 600 500 400 300 2010 2011 2012 2013 América do Sul e Central (s/ Brasil) Brasil Crescimento Consumo: 8% a.a. Crescimento Consumo: 10% a.a. 120 105 120 97 106 100 90 96 83 100 87 80 79 80 60 60 40 40 2010 2011 2012 2013 2010 2011 2012 2013Valores estimados 12Fonte: Providência + Relatórios John Starr
  13. 13. Foco em Nãotecidos: Indústrias de bens de consumo A Providência está focada em produtos de alto valor agregado e elevado potencial decrescimento (higiene e descartáveis médicos) Mix de Produtos – 2010 Segmentação de Mercado (% da Receita Bruta de Nãotecidos) Produto de Margem Tamanho Crescimento Valor Operacional do Mercado Esperado Agregado Duráveis Médicos 2% Descartáveis Médicos*  Alta Pequeno Dois dígitos 22% Higiênicos Higiene / 76% Bens de  Média Grande Dois dígitos Consumo* Duráveis  Baixa Médio Um dígito 13 * Também exportados para Estados Unidos e América Latina
  14. 14. Market Share & Mercado de Fraldas Market Share Brasil Market Share América Latina, (2010 - em toneladas) excluindo Brasil (2010 - em toneladas) Outros Outros 13% 17% ProvidênciaPGI12% 35% Providência Fitesa 48% 15% Fitesa 27% PGI 33% Evolução da Penetração de Fraldas Infantis no Brasil 52% 48% 42% 35% 15% 20% 14 1995 2000 2005 2009 2010 2011 (E)
  15. 15. Agenda1) A Companhia2) Setorial3) Destaques4) Resultados 4T105) Perspectivas 15
  16. 16. Destaques Conclusão do projeto da primeira planta da Companhia nos Estados Unidos, com uma linha de produção de 20mil toneladas por ano de capacidade instalada de nãotecidos. Investimentos no valor total de US$ 80 milhões. Aentrada em operação da linha de produção ocorreu em janeiro de 2011; Decisão de investimento e início do projeto de expansão de 2 linhas de produção, uma no Brasil e outra nosEstados Unidos, com capacidade total de 40 mil toneladas por ano; Realizamos o pagamento em 29 de novembro, de dividendos antecipados no montante de R$ 11,1 milhões,referente a 100% do lucro líquido ajustado do primeiro semestre de 2010 e estamos propondo, a ser deliberado emAGO, a distribuição de 100% da base de cálculo dos dividendos ajustada do ano, totalizando R$ 21,8 milhões alémdo valor já pago em 2010; Em outubro a Companhia recebeu o valor referente ao financiamento à Exportação junto ao BNDES no montantede R$ 150 milhões, com taxa de juros pré-fixada de 7,0% ao ano e prazo de pagamento de 18 meses; Concluímos os ajustes para a convergência ao IFRS nas demonstrações financeiras consolidadas da CompanhiaProvidência para o exercício findo em 31 de dezembro de 2010 e seus trimestres. O principal impacto foi o registrodo Custo Atribuído, que reduziu o lucro líquido do ano. No entanto, essa redução NÃO afetará o potencial dedistribuição de dividendos. 16
  17. 17. Agenda1) A Companhia2) Setorial3) Destaques4) Resultados 4T105) Perspectivas 17
  18. 18. VOLUME DE VENDAS (em milhares de toneladas) Neste trimestre a Companhia apresentou um aumento no volume total de vendas de1,2% na comparação com o mesmo período de 2009. Crescimento de 10,2% no volume de nãotecidos em 2010 quando comparado com2009. Operamos a quase plena capacidade, aproximadamente 20 mil toneladas por 78,6trimestre. 5,0 71,3 4,8 19,9 19,7 20,2 1,2 1,2 1,6 73,6 66,5 18,7 18,1 19,0 2009 2010 18 4T09 3T10 4T10 Nãotecidos Outros
  19. 19. RECEITA LÍQUIDA NÃOTECIDOS (em milhões de Reais) No acumulado de 2010 a Receita Líquida apresentou um incremento de R$ 40,5milhões, equivalente a 9,8%, em relação ao ano de 2009. Tal crescimento está relacionadoao aumento do volume de vendas. Houve um aumento de 1,6% no 4T10 em relação ao 4T09, refletindo também oaumento no volume de vendas. 453,3 412,8 116,5 116,0 114,1 2009 2010 4T09 3T10 4T10 19
  20. 20. CPV (Custo dos Produtos Vendidos) NÃOTECIDOS (em milhares de Reais) No acumulado de 2010 há um incremento no CPV de 15,7% em relação a 2009. Emrelação ao 4T09, o 4T10 apresentou um acréscimo de 1,9%. Este aumento corresponde ao maior volume de vendas em 2010 e ao acréscimo nopreço do polipropileno neste ano, preponderantemente no 1º semestre. 20
  21. 21. EBITDA (em milhões de Reais) e MARGEM EBITDA (%) O Ebitda Ajustado no 4T10 atingiu R$ 28,4 milhões, uma redução de 10,7% quandocomparado com os R$ 31,8 milhões registrados no 4T09. Em relação ao 3T10 houvedecréscimo de 5,6%. A Margem Ebtida atingiu 24,5% no 4T10, representando uma redução de 3,4 p.p nacomparação com o resultado do mesmo período do ano anterior. 116,5 120,0 116,5 45,0% 120,0 45,0% 107,8 106,2 35,0 45,0% 31,8 100,0 100,0 30,1 30,0 28,4 80,0 35,0% 80,0 35,0% 25,0 35,0% 29,1% 20,0 60,0 60,0 28,2% 25,6% 27,9% 15,0 25,8% 40,0 40,0 25,0% 25,0% 24,5% 23,4% 25,0% 10,0 20,0 20,0 5,0 - 15,0% - 15,0% - 15,0% 2008 2009 2009 2010 21 4T09 3T10 4T10 Ebitda Margem Ebitda (%)
  22. 22. LUCRO LÍQUIDO (em milhões de Reais) E MARGEM LÍQUIDA (%) O lucro líquido do ano totalizou R$ 23,8 milhões. Subtraídos os 5% da reserva legal, de R$ 1,2milhão, e acrescentada a realização do custo atribuído, de R$ 10,2 milhões, a base de cálculo dos 120,0dividendos ajustada do Ebitdatotaliza R$ 32,9 milhões; ano 100,0 A administração está propondo em suas demonstrações, para ser deliberado em AGO, opagamento de dividendo excedente ao mínimo obrigatório, o que elevará a distribuição a 100% da 80,0base de cálculo dos dividendos ajustada do ano. 55,0 25,0 51,0 60,0 40,0% 40,0% 45,0 20,0 40,3 40,8 30,0% 30,0% 40,0 35,0 15,0 11,7 9,9% 20,0% 20,0% 23,8 25,0 10,0 12,4% 8,3 20,0 10,0% 8,1% 5,6 7,3% 10,0% 10,0% 15,0 5,3% 5,0 4,8% 5,0 0,0% 0,0 0,0 0,0% 2009 2010 4T09 3T10 4T10 -5,0 2008 2009 -10,0% -5,0 -10,0% Lucro Líquido Margem Líquida (%) 22
  23. 23. CAIXA E APLICAÇÕES FINANCEIRAS (em milhões de Reais) O Caixa da Companhia reduziu 6,1% ou R$ 16,1 milhões, na comparação com o 4T09,após a movimentação de suas atividades operacionais, de investimentos e definanciamentos no período. Quando comparado com o 3T10, o caixa aumentou 6,9%, equivalente a R$ 16,2 milhões. 265,2 265,2 249,1 233,0 249,1 2009 2010 4T09 3T10 4T10 23
  24. 24. DÍVIDA LÍQUIDA (em milhões de Reais) A Dívida Líquida da Companhia teve um incremento de R$ 90,7 milhões, ou 59,2%, nacomparação com 2009 e 5,8% em comparação com o 3T10, tendo como destaque acaptação de recursos para financiamento da nova linha de produção nos EUA. 61% do endividamento é baseado em moeda local e 39% em moeda estrangeira. 243,9 230,5 243,9 153,2 153,2 2009 2010 4T09 3T10 4T10 24
  25. 25. ENDIVIDAMENTO/ CAIXA (em milhares de Reais) Dívida Líquida Consolidada Var 2010 / Colunas1 31/12/2010 31/12/2009 2009Dívida Total Financiamento Curto Prazo 262.207 125.608 108,8% Financiamento Longo Prazo 230.844 292.814 -21,2%Total 493.051 418.422 17,8%Caixa 249.140 265.242 -6,1%Dívida Líquida 243.911 153.180 59,2%Dívida Líquida / Ebitda Ajustado 2,86 1,32 116,7%Patrimônio Líquido 697.101 695.952 0,2% 25
  26. 26. Mercado de Capitais A Cia tem como Market Maker, o BTG Pactual; Debêntures emitidas e classificadas na categoria “A” pela agência de Rating S&P. PRVI3 x IBOVESPA Var. 1T11/ Var. 1T11/Cotações e Volumes Negociados - em R$ 1T11 1T10 4T10 1T10 4T10Cotação no final do período - PRVI3 6,19 7,28 -15,0% 7,40 -16,4%Cotação no final do período - IBOVESPA 68.586 70.371 -2,5% 69.304 -1,0%Volume Médio Diário Negociado - PRVI3 340.245 474.679 -28,3% 433.339 -21,5%Volume Total Negociado no Período - PRVI3 20.754.930 28.480.729 -27,1% 26.433.703 -21,5% 26
  27. 27. Market Cap Peers – Nãotecidosem 31/03/2011 (USD) 27
  28. 28. Agenda1) A Companhia2) Setorial3) Destaques4) Resultados 4T105) Perspectivas 28
  29. 29. Perspectivas A expectativa para o ano de 2011 é o aumento no volume de vendas, com plenaocupação da capacidade da linha de produção dos EUA já no início do segundosemestre; Os principais projetos de investimento da Companhia neste e no próximo anototalizarão cerca de US$ 123 milhões e adicionarão 40 mil toneladas à nossa atualcapacidade instalada, ou seja, 40% de aumento. Estes investimentos compreendem: a nova linha de produção a ser implantada no Brasil, com previsão de entrada em operação no primeiro semestre de 2012, e a nova linha de produção a ser implantada nos Estados Unidos, com previsão de entrada em operação no segundo semestre de 2012, junto à linha de produção que entrou em operação em janeiro de 2011. 29
  30. 30. Contato - RI CFO: Eduardo Feldmann Costa RI : Gabriela Las Casas Beatriz Tokarski Email: ri@providencia.com.br Tel: +55 (41) 3381-8673 Fax: +55 (41) 3283-5909 São José dos Pinhais – PR www.providencia.com.br/ri www.twitter.com/providencia_riAs palavras “acredita”, “antecipa”, “espera”, “estima”, “irá”, “planeja”, “pode”, “poderá”, “pretende”, “prevê”, “projeta”, entre outras palavras com significado semelhante,têm por objetivo identificar estimativas e projeções. Estimativas e projeções futuras envolvem incertezas, riscos e premissas, pois incluem informações relativas aos nossosresultados operacionais futuros possíveis ou presumidos, estratégia de negócios, planos de financiamento, posição competitiva no mercado, ambiente setorial,oportunidades de crescimento potenciais, efeitos de regulamentação futura e efeitos da competição. Devido aos riscos e incertezas descritos acima, os eventos estimados efuturos discutidos nesta apresentação podem não ocorrer e não são garantia de acontecimento futuro. A Providência não se obriga a atualizar essa apresentação mediantenovas informações e/ou acontecimentos futuros. 30

×