SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 48
ESTRATÉGIAS
        ATIVAS DE
      APRENDIZAGEM
      EM SEMIOLOGIA
      MÉDICA – Parte I
Profa. Rilva Lopes de Sousa Muñoz
          rilva@ccm.ufpb.br

Grupo de Estudos em Semiologia Médica
              (GESME)
RELEVÂNCIA DO TEMA E
 CONTEXTUALIZAÇÃO

           O QUE É
        “MUDANÇA DE
       PARADIGMA NO
           ENSINO
          MÉDICO”?
POR QUE MUDAR A METODOLOGIA
     DE ENSINO EM MEDICINA?

     • CONCLUSÕES DE FÓRUNS
    INTERNACIONAIS SOBRE ENSINO
               MÉDICO;
        • CENÁRIO NACIONAL;
• DIRETRIZES EDUCACIONAIS PARA OS
      CURSOS DE MEDICINA – MEC
             07/11/2001;
 • CONCLUSÕES DO PROJETO CINAEM
  (1991-1999) E AVALIAÇÕES DO MEC.
Habilidades esperadas do médico do
              século XXI
      • Tratar os pacientes como
                pessoas;
• Trabalhar como membro de uma
                equipe;
  • Atuar nas áreas de prevenção
    das doenças e educação dos
               pacientes;
   • Saber avaliar criticamente a
   literatura e a prática médicas;
 • Atuar eticamente em relação a
  seus pacientes e às pessoas da
             comunidade.
DECLARAÇÃO DE EDIMBURGO
 Conferência Mundial de Educação Médica -
               OMS - 1988
     - Ampliar os cenários de ensino,
   utilizando-se não apenas os hospitais,
       mas todos os recursos de saúde
         existentes na comunidade;
- Assegurar que os programas de ensino
      reflitam as prioridades de saúde
                 nacionais;
 - Deslocar o predomínio de métodos de
   ensino passivos para a aprendizagem
       ativa com estudo independente
                autodirigido.
DIRETRIZES CURRICULARES - MEDICINA

      Perfil do Egresso –
         • Formação:
         – Generalista;
         – Humanista;
      – Crítica e reflexiva.
   • Capacitado a aprender
   continuamente (educação
         permanente).
DIRETRIZES CURRICULARES - MEDICINA

Artigos 9 e 12: Construção do projeto
              pedagógico
 • Centrado no aluno;
                aluno;
 • Utilização de metodologias que privilegiem
   a participação ativa do estudante na
   construção do seu conhecimento;
 • Papel do professor: facilitador e mediador
   do processo ensino aprendizado;
 • Formação integral e adequada do estudante
   através da articulação entre o ensino, a
                                   ensino,
   pesquisa e a extensão/assistência.
                extensão/assistência.
Ensino Médico: ontem e hoje

 Transmitir         Construir
Informações       Competências



Conteudismo          Tutoria



 Ensinar para      Ensinar para
  acumular             agir
conhecimento      (competência)
— ...e na vida profissional futura, vocês terão
       na
que esquecer tudo o que aprenderam aqui na
                universidade...
                  http://www.sciencecartoonsplus.com/index.htm
Quantos anos para manter conhecimentos?
Pesquisa com termos descritores na Fisiopatologia da Asma
          bronchospasm/asthma E inflammatory-asthma/asthma
                                inflammatory-


          Evolução publicações - Fisiopatologia da Asma

 20,00%


 15,00%

                                                          Espasmo
 10,00%
                                                          Inflamação

  5,00%


  0,00%
            1966-73   1974-83   1984-93   1994-2003


Espasmo: tratamento “único”, não controla doença = novos espasmos!!
Inflamação: tratamento mantido, controla doença = melhor qualidade de vida.
PARADIGMA DO
APRENDER A APRENDER

     EDUCAÇÃO
 PROBLEMATIZADORA
EDUCAÇÃO
     PROBLEMATIZADORA
  ESTRATÉGIAS ATIVAS DE APRENDIZAGEM


 • APRENDIZAGEM BASEADA EM
       PROBLEMAS (ABP);

     • PROBLEMATIZAÇÃO;

• APRENDIZAGEM POR PROJETOS;

 • APRENDIZAGEM NA PRÁTICA.
1. APRENDIZAGEM
      BASEADA
EM PROBLEMAS (ABP)
    DESENVOLVIDA EM
PEQUENOS GRUPOS (tutorias)
APRENDIZAGEM BASEADA
        EM PROBLEMAS
• Os estudantes são divididos em
  grupos com 5-6 componentes;
             5-
• Recebem uma situação-problema
                 situação-
  que simula um cenário real e que
  exigirá deles o entendimento
  completo e resolução da mesma;
• O professor tem função facilitadora
  e recebe a designação de tutor.
                           tutor.
FUNÇÕES DO PROBLEMA
• O problema tem função motivadora e
  estimula o exercício do raciocínio
  clínico;
  clínico;
• O problema é utilizado como estímulo à
  aquisição de habilidades e
  conhecimentos de disciplinas diferentes,
                                diferentes,
  mas de forma integrada;
                 integrada;
• A busca individual de informações
  centra o processo no estudante,
  tornando-o mais ativo, crítico e capaz de
  tornando-         ativo,
  produzir e aplicar os conhecimentos
  adquiridos (aprendizado auto-dirigido).
             (aprendizado auto-dirigido).
MODOS DE FORMULAR O
          PROBLEMA
      Problema: “pergunta, tarefa ou
         contradição” (BERBEL, 1998)
                  pergunta;
• Através de uma pergunta;
• Através de afirmações;
• Através de uma negação;
                  negação;
   “Mais importante que o modo como se
    formula a questão é que o conteúdo
            esteja explícito nela”
         “O problema levantado vai
     conduzir/orientar todas as demais
             etapas do estudo”
OS PASSOS DE RESOLUÇÃO
             RESOLUÇ
  Metodologia da Pesquisa Científica
                          Cientí

       1. “TEMPESTADE DE IDEIAS”:
                            IDEIAS”
1.1. PREPARAR E DEFINIR UM PROBLEMA
         1.2. ELABORAR A HIPÓTESE
                          HIPÓ
1.3. JUSTIFICAR A HIPÓTESE FORMULADA
                     HIPÓ
   1.4. IDENTIFICAR OS OBJETIVOS DE
                 APRENDIZAGEM
      2. TEMPO PRÓ-ESTUDO (TPE):
                 PRÓ
        2.1. ESTUDO AUTO-DIRIGIDO
                      AUTO-
    3. FECHAMENTO DO PROBLEMA:
         3.1. VERIFICAR A HIPÓTESE
                          HIPÓ
               3.2. CONCLUIR.
Aprendizagem Baseada em Problemas
      Desenvolvida em Pequenos Grupos (Tutorias)

                                          Relacionamento
Responsabilidade                           Interpessoal


                   Centrado no   Em pequenos
                      Aluno        grupos




              Professor como     Aprender a
                Facilitador       Aprender
Formação e
Atitudes                                      Conhecimentos e
                                                Habilidades
CONSTRUINDO PROBLEMAS
Exemplo: MÓDULO SISTEMA RESPIRATÓRIO
         MÓ             RESPIRATÓ

Disciplina A                                 Disciplina C
                     Disciplina B




                  Escolha dos conteúdos
        orientada pelo perfil profissional desejado:
             biológicos, psicológicos e sociais


                             Objetivos do Módulo
                                          Mó
 Problema
                             Objetivos do Problema
ABP = Currículo
   • A utilização da ABP envolve profundas
    mudanças curriculares, que abrangem a
totalidade do curso, não sendo prevista a sua
                curso,
utilização isolada em determinadas disciplinas
                de um programa;
 • O currículo é, portanto, organizado ao redor de
problemas,
problemas, em vez de disciplinas, enfatizando, assim a
      integração entre ciências básicas e clínicas;
 • Os problemas podem ser entendidos como
“tijolos” a serem utilizados em um processo de
construção do conhecimento, levando o aluno a
  uma crescente autonomia, estimulando-o à
                  autonomia, estimulando-
              educação continuada.
                        continuada.
CONSTRUÇÃO DOS
                     PROBLEMAS
          Criar os
         problemas

         Definir os
          objetivos
      de aprendizagem

       Construção da
      Árvore Temática
 (Temas mais abrangentes
   Temas mais específicos

   Oficinas de Trabalho
  (Definição do Conteúdo
       dos Módulos)

    Grupo de Planejamento
(Docentes de várias disciplinas:
      básicas e clínicas)
OS SETE PASSOS - ABP

      1ª SESSÃO TUTORIAL                                     7
      ESTUDO INDIVIDUAL                        Rediscussão no grupo tutorial dos avanços
                                                 do conhecimento obtidos pelo grupo.
      2ª SESSÃO TUTORIAL                            Estudo individual respeitando
                                          6            os objetivos alcançados

                                  Estabelecer objetivos de aprendizagem que levem o aluno ao
                              5      aprofundamento e complementação destas explicações


                      4                  Resumir estas explicações

                  Oferecer explicações para estas questões com base no conhecimento
              3         prévio que o grupo tem sobre o assunto (BRAINSTORM)

               Identificar as questões (problemas: dimensão biológica,
        2          psicológica, social?) propostas pelo enunciado

1   Ler atentamente o problema e esclarecer os termos desconhecidos
Na proposta da ABP não
   existem currículos
            currí
tradicionais, nem aulas
    expositivas, nem
  disciplinas ou outras
 formas tradicionais de
     transmissão do
     conhecimento.
ABP
- Comissão de elaboração
                 elaboraç
        de problemas;
    - Grupos tutoriais e
           tutores;
- Comissão de currículos;
                 currí
 - Comissão de avaliação;
                 avaliaç
     - Outras formas de
   interaç
   interação acadêmica.
AS 4 TAXONOMIAS DE BARROWS
• Estruturar o conhecimento de forma que
  os conteúdos dos ciclos básico e clínico
  possam ser aplicados na clínica;
• Desenvolver o raciocínio clínico para
  resolver problemas (formulação de
  hipóteses, busca de informações, análise
  de dados, síntese do problema; tomada
  de decisões);
• Ajudar o aluno a entender suas próprias
  necessidades de aprendizagem e
  localizar fontes de informações;
                      informações;
• Aumentar a motivação para aprender.
 Barrows H. Taxonomy of problem-based learning
          methods. Med Educ 1996;20(6):481-6.
ABP
2. PROBLEMATIZAÇÃO

Proposta de Maguerez:
   Método do Arco
PROBLEMATIZAÇÃO
       Pontos-
       Pontos-Chave

                          Teorização
    Problema ou
     Problemas
                           Hipóteses de
                             Solução
Observação da
  Realidade           Aplicação à Realidade


                Realidade
 Método do Arco de Charles Maguerez
Teoria



   Pontos-
   Pontos-chave
                                       Hipotese




Observaç
Observação da realidade                  Aplicaç
                                         Aplicação




                  REALIDADE
                      Método do ARCO de Charles Maguerez - 1970
PONTOS-
     PONTOS-CHAVE
   Identificar os pontos-chave
                  pontos-
   no problema:
a) Quais as possíveis causas do
   problema em questão?
b) Quais os seus possíveis
   determinantes contextuais?
c) Quais os seus componentes e
   seus desdobramentos?
TEORIZAÇÃO
    • Usar ideias e teorias já
  disponíveis sobre o problema;
• Se houver necessidade, voltar à
           observação;
   • Buscar sistematicamente
informações técnicas, científicas,
     empíricas, com auxílio de
   procedimentos de pesquisa.
DIFERENTES
   ÂNGULOS DO
 PROBLEMA SÃO
  ANALISADOS A
   PARTIR DAS
  INFORMAÇÕES
  COLHIDAS EM
DIVERSAS FONTES.
HIPÓTESES DE SOLUÇÃO
• Momento de comparar crenças
  iniciais com as informações atuais;
• Pode-se reforçar posições
  Pode-
  anteriores ou reformular posições
  iniciais;
• A aprendizagem efetiva vem da
  relação da teoria com a percepção
  dos fenômenos concretos, reais.
“APRENDIZAGEM ORIENTADA
         POR PROBLEMAS”
• Forma intermediária entre ABP e
  problematização:
  problematização: uma estratégia para
  viabilizar a introdução progressiva de
  problemas em disciplinas dos currículos
  tradicionais;
• Atividade complementar em sala de
  aula, ou em enfermaria e ambulatório,
  inserida no contexto de uma
  disciplina de modelo tradicional de
  um currículo tradicional.
                      (DE NEGRI FILHO, 1997)
3. APRENDIZAGEM
  POR PESQUISA
A PESQUISA COMO PRÁTICA
          PEDAGÓGICA
   Aprender pela elaboração própria,
 substituindo a curiosidade de escutar
            pela de produzir;
  Metodologia de pesquisa científica;
 Caracteriza-
 Caracteriza-se como um processo de
             investigação;
   Adquirir habilidades para redigir e
    apresentar trabalhos científicos;
     Requer a seleção de fontes de
              informação;
• Cria algo novo: um produto, uma ação
4. APRENDIZAGEM NA PRÁTICA
• Reflexão na ação:
               ação:
  aplicação criativa de
  experiências na
  resolução de situações
  enquanto elas estão
  ocorrendo.
                    ação:
• Reflexão sobre a ação:
  processo de repensar o
  que aconteceu na
  situação passada
APRENDIZAGEM NA PRÁTICA

• A prática motiva o aprendizado;
    • Humanização da relação
      paciente/médico: relação
   professor/aluno humanizada e
  democrática resulta em futuros
      médicos mais humanos;
 Evitar aulas teóricas “disfarçadas” de
                práticas.
O “MODELO EM Z”
            “MODELO
        • Aprendizagem
        Baseada em
        Problemas;
        • Problematização



                     Projetos e Pesquisas e
                   Aprendizagem na Prática

Primeiras Séries                    Últimas Séries
COMO APLICAR A
PROBLEMATIZAÇÃO NO
CONTEXTO DA PRÁTICA
  PEDAGÓGICA DA
SEMIOLOGIA MÉDICA?
Price RB, Vlahcevic Z. Logical principles in differential
          diagnosis. Ann Intern Med 1971; 75: 89-95.
"O conhecimento
   é um tesouro,
mas a prática é a
 chave para ele."

 (Thomas Fuller)
         Fuller)
"Não é que eles
não possam ver
a solução. É que
        eles não
 conseguem ver
    o problema"

     Gilbert Keith
      Chesterton
Principais Referências
Barros, N., Lourenço, L. A. Teaching collective health using problem
  based learning: an experience at the Faculty of Medicina of Marilia.
         learning:                                              Marilia.
  Rev. bras. educ. med. , 2006, vol.30, no.3
Batista, N., Batista, S. H., Goldenberg, P., et al. Problem-solving
                                                    Problem-
  approach in the training of healthcare professionals. , Rev. Saúde
                                            professionals.
  Pública , 2005, vol.39, no.2,
Berbel, N. A. (1998). A problematização e a aprendizagem baseada
Berbel,
  em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos?
      problemas:                                 caminhos?
  Interface: Comunicação, Saúde, Educação, 2 (2).
                                               (2).
Brown, J. S., Collins, A., Duguid, P. (1989). Situated cognition and
                           Duguid,
  the culture of learning. Educational Researcher, 18(1), 32-42.
                                                             32-
Coelho-Filho,
Coelho-Filho, J. M., Soares, S. M., Sá, H. L. Problem-based learning:
                                              Problem-        learning:
  application and possibilities in Brazil. , Sao Paulo Med. J. , 1998,
                                     Brazil.
  vol.116, no.4,
Cyrino, E. G.; Toralles-Pereira, M. L. Discovery-based teaching and
               Toralles-Pereira,        Discovery-
  learning strategies in health: problematization and problem-based
                           health:                      problem-
  learning.
  learning. Cad. Saúde Pública , Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, 2004
  <http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S01
  <http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S01
  02-
  02-
Moraes, Magali Aparecida Alves de, Manzini, Eduardo José. Conceits
  about problem based learning: a case study at Famema. , Rev.
                           learning:                Famema.
  bras. educ. med. , 2006, vol.30, no.3
Leituras relacionadas

Blumenfeld,
Blumenfeld, P.C., Soloway, E., Marx, R.W., Krajcik,
                   Soloway,                Krajcik,
 J.S., Guzdial, M., & Palinscar A. (1991).
       Guzdial,
 Motivating project-based learning: Sustaining the
             project-
 doing, supporting the learning. Educational
 Psychologist, 26(3 & 4), 369-398.
                           369-
Brophy,
Brophy, J., & Alleman, J. (1991). Activities as
              Alleman,
  instructional tools: A framework for analysis and
  evaluation. Educational Researcher, 20 (4), 9-23.
                                                9-
Hannafin, M.J., Hall, C., Land, S., & Hill, J. (1994).
Hannafin,
 Learning in open-ended environments:
             open-
 Assumptions, methods, and implications.
 Educational Technology, 34(5), 48-55.
                                    48-
Hung, D., & Wong, A. (2000). Activity theory as a
 framework for project work in learning
 environments. Educational Technology, 40(2), 33-
                                                33-
 37.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seminário fisiologia musculo esquelético
Seminário fisiologia musculo esqueléticoSeminário fisiologia musculo esquelético
Seminário fisiologia musculo esqueléticoJanielle Chaves
 
Anatomia Cerebral | WWW.ENFERMAGEMSECULO21.COM.BR
Anatomia Cerebral | WWW.ENFERMAGEMSECULO21.COM.BRAnatomia Cerebral | WWW.ENFERMAGEMSECULO21.COM.BR
Anatomia Cerebral | WWW.ENFERMAGEMSECULO21.COM.BRGusttavo Maldovick
 
Conceitos Básicos
Conceitos BásicosConceitos Básicos
Conceitos Básicosagemais
 
Patologia 09 pigmentação patológica
Patologia 09   pigmentação patológicaPatologia 09   pigmentação patológica
Patologia 09 pigmentação patológicaJucie Vasconcelos
 
Apresentação antidepressivos e ansioliticos
Apresentação antidepressivos e ansioliticosApresentação antidepressivos e ansioliticos
Apresentação antidepressivos e ansioliticosPaula Soares
 
Fundamentos da enfermagem
Fundamentos da enfermagemFundamentos da enfermagem
Fundamentos da enfermagemMarlene Silva
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Ansiolíticos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AnsiolíticosAula de Farmacologia sobre Fármacos Ansiolíticos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AnsiolíticosJaqueline Almeida
 
Psicopatologia do abuso de substâncias 1
Psicopatologia do abuso de substâncias 1Psicopatologia do abuso de substâncias 1
Psicopatologia do abuso de substâncias 1Caio Maximino
 
Pensamento e suas alterações
Pensamento e suas alteraçõesPensamento e suas alterações
Pensamento e suas alteraçõesCarol Lucas
 
O controle da temperatura corpórea
O controle da temperatura corpóreaO controle da temperatura corpórea
O controle da temperatura corpóreaprofessoraludmila
 
Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1
Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1
Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1Cleanto Santos Vieira
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AntidepressivosAula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AntidepressivosJaqueline Almeida
 

Mais procurados (20)

Trm
TrmTrm
Trm
 
Seminário fisiologia musculo esquelético
Seminário fisiologia musculo esqueléticoSeminário fisiologia musculo esquelético
Seminário fisiologia musculo esquelético
 
Anatomia Cerebral | WWW.ENFERMAGEMSECULO21.COM.BR
Anatomia Cerebral | WWW.ENFERMAGEMSECULO21.COM.BRAnatomia Cerebral | WWW.ENFERMAGEMSECULO21.COM.BR
Anatomia Cerebral | WWW.ENFERMAGEMSECULO21.COM.BR
 
Conceitos Básicos
Conceitos BásicosConceitos Básicos
Conceitos Básicos
 
Patologia 09 pigmentação patológica
Patologia 09   pigmentação patológicaPatologia 09   pigmentação patológica
Patologia 09 pigmentação patológica
 
Farmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do sncFarmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do snc
 
Esclerose múltipla
Esclerose múltiplaEsclerose múltipla
Esclerose múltipla
 
Apresentação antidepressivos e ansioliticos
Apresentação antidepressivos e ansioliticosApresentação antidepressivos e ansioliticos
Apresentação antidepressivos e ansioliticos
 
Fundamentos da enfermagem
Fundamentos da enfermagemFundamentos da enfermagem
Fundamentos da enfermagem
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Ansiolíticos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AnsiolíticosAula de Farmacologia sobre Fármacos Ansiolíticos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Ansiolíticos
 
Psicopatologia do abuso de substâncias 1
Psicopatologia do abuso de substâncias 1Psicopatologia do abuso de substâncias 1
Psicopatologia do abuso de substâncias 1
 
Dor Neuropatica ( Eem )
Dor Neuropatica ( Eem )Dor Neuropatica ( Eem )
Dor Neuropatica ( Eem )
 
Princípios de neuroanatomia
Princípios de neuroanatomiaPrincípios de neuroanatomia
Princípios de neuroanatomia
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
 
Pensamento e suas alterações
Pensamento e suas alteraçõesPensamento e suas alterações
Pensamento e suas alterações
 
O controle da temperatura corpórea
O controle da temperatura corpóreaO controle da temperatura corpórea
O controle da temperatura corpórea
 
Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1
Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1
Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1
 
Esclerose multipla
Esclerose multiplaEsclerose multipla
Esclerose multipla
 
Sistema motor ii
Sistema motor iiSistema motor ii
Sistema motor ii
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AntidepressivosAula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
 

Destaque

Anormalidades das Unhas - GESME - Profa. Rilva Lopes de Sousa-Muñoz
Anormalidades das Unhas - GESME - Profa. Rilva Lopes de Sousa-MuñozAnormalidades das Unhas - GESME - Profa. Rilva Lopes de Sousa-Muñoz
Anormalidades das Unhas - GESME - Profa. Rilva Lopes de Sousa-MuñozRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
O Papel do Médico Generalista na Detecção do Câncer
O Papel do Médico Generalista na Detecção do CâncerO Papel do Médico Generalista na Detecção do Câncer
O Papel do Médico Generalista na Detecção do CâncerRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICAORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICARilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Introdução à semiologia
Introdução à semiologiaIntrodução à semiologia
Introdução à semiologiaLucimar Campos
 
APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS: UMA PROPOSTA DE ABORDAGEM EDUCACIONAL CE...
APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS:  UMA  PROPOSTA DE ABORDAGEM EDUCACIONAL CE...APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS:  UMA  PROPOSTA DE ABORDAGEM EDUCACIONAL CE...
APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS: UMA PROPOSTA DE ABORDAGEM EDUCACIONAL CE...Albert Nilo
 
Ausculta cardíaca
Ausculta cardíacaAusculta cardíaca
Ausculta cardíacaSamuel Abner
 
Busca de Informação Científica - Profa. Rilva Muñoz
Busca de Informação Científica - Profa. Rilva MuñozBusca de Informação Científica - Profa. Rilva Muñoz
Busca de Informação Científica - Profa. Rilva MuñozRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Substâncias Vegetais Hormonalmente Ativas - Profa. Rilva Muñoz
Substâncias Vegetais Hormonalmente Ativas - Profa. Rilva MuñozSubstâncias Vegetais Hormonalmente Ativas - Profa. Rilva Muñoz
Substâncias Vegetais Hormonalmente Ativas - Profa. Rilva MuñozRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Uma Breve Revisão sobre Bioestatística no GESME
Uma Breve Revisão sobre Bioestatística no GESMEUma Breve Revisão sobre Bioestatística no GESME
Uma Breve Revisão sobre Bioestatística no GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Metodologia da Problematização
Metodologia da ProblematizaçãoMetodologia da Problematização
Metodologia da ProblematizaçãoFabiana Santana
 
Ausculta Cardíaca
Ausculta CardíacaAusculta Cardíaca
Ausculta CardíacaJoão Mauler
 
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESME
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESMEProblema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESME
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Reações Medicamentosas Adversas em Idosos - Profa. Rilva Muñoz
Reações Medicamentosas Adversas em Idosos - Profa. Rilva MuñozReações Medicamentosas Adversas em Idosos - Profa. Rilva Muñoz
Reações Medicamentosas Adversas em Idosos - Profa. Rilva MuñozRilva Lopes de Sousa Muñoz
 

Destaque (20)

Anormalidades das Unhas - GESME - Profa. Rilva Lopes de Sousa-Muñoz
Anormalidades das Unhas - GESME - Profa. Rilva Lopes de Sousa-MuñozAnormalidades das Unhas - GESME - Profa. Rilva Lopes de Sousa-Muñoz
Anormalidades das Unhas - GESME - Profa. Rilva Lopes de Sousa-Muñoz
 
O Papel do Médico Generalista na Detecção do Câncer
O Papel do Médico Generalista na Detecção do CâncerO Papel do Médico Generalista na Detecção do Câncer
O Papel do Médico Generalista na Detecção do Câncer
 
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICAORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
 
Introdução à semiologia
Introdução à semiologiaIntrodução à semiologia
Introdução à semiologia
 
História das Doenças Negligenciadas
História das Doenças NegligenciadasHistória das Doenças Negligenciadas
História das Doenças Negligenciadas
 
APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS: UMA PROPOSTA DE ABORDAGEM EDUCACIONAL CE...
APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS:  UMA  PROPOSTA DE ABORDAGEM EDUCACIONAL CE...APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS:  UMA  PROPOSTA DE ABORDAGEM EDUCACIONAL CE...
APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS: UMA PROPOSTA DE ABORDAGEM EDUCACIONAL CE...
 
HollywoodCEO:Mozart
HollywoodCEO:MozartHollywoodCEO:Mozart
HollywoodCEO:Mozart
 
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESMETeoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
 
Ausculta cardíaca
Ausculta cardíacaAusculta cardíaca
Ausculta cardíaca
 
Guia totoro
Guia totoroGuia totoro
Guia totoro
 
Busca de Informação Científica - Profa. Rilva Muñoz
Busca de Informação Científica - Profa. Rilva MuñozBusca de Informação Científica - Profa. Rilva Muñoz
Busca de Informação Científica - Profa. Rilva Muñoz
 
Substâncias Vegetais Hormonalmente Ativas - Profa. Rilva Muñoz
Substâncias Vegetais Hormonalmente Ativas - Profa. Rilva MuñozSubstâncias Vegetais Hormonalmente Ativas - Profa. Rilva Muñoz
Substâncias Vegetais Hormonalmente Ativas - Profa. Rilva Muñoz
 
El cuerpo humano
El cuerpo humanoEl cuerpo humano
El cuerpo humano
 
Uma Breve Revisão sobre Bioestatística no GESME
Uma Breve Revisão sobre Bioestatística no GESMEUma Breve Revisão sobre Bioestatística no GESME
Uma Breve Revisão sobre Bioestatística no GESME
 
Metodologia da Problematização
Metodologia da ProblematizaçãoMetodologia da Problematização
Metodologia da Problematização
 
Ausculta Cardíaca
Ausculta CardíacaAusculta Cardíaca
Ausculta Cardíaca
 
Aula "Atestados Médicos"
Aula "Atestados Médicos" Aula "Atestados Médicos"
Aula "Atestados Médicos"
 
Fácies - Profa. Rilva Muñoz
Fácies - Profa. Rilva MuñozFácies - Profa. Rilva Muñoz
Fácies - Profa. Rilva Muñoz
 
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESME
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESMEProblema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESME
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESME
 
Reações Medicamentosas Adversas em Idosos - Profa. Rilva Muñoz
Reações Medicamentosas Adversas em Idosos - Profa. Rilva MuñozReações Medicamentosas Adversas em Idosos - Profa. Rilva Muñoz
Reações Medicamentosas Adversas em Idosos - Profa. Rilva Muñoz
 

Semelhante a Estratégias Ativas de Aprendizagem em Semiologia Médica - Profa. Rilva Muñoz

Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...PROIDDBahiana
 
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...PROIDDBahiana
 
Módulo 03 - PBL, Problematização, Study Case.pptx
Módulo 03 - PBL, Problematização, Study Case.pptxMódulo 03 - PBL, Problematização, Study Case.pptx
Módulo 03 - PBL, Problematização, Study Case.pptxNatashaSophiePereira
 
Andragogia a aprendizagem nos adultos
Andragogia a aprendizagem nos adultosAndragogia a aprendizagem nos adultos
Andragogia a aprendizagem nos adultosVicentana
 
Concepcao metodologica curriculo 2
Concepcao metodologica curriculo 2Concepcao metodologica curriculo 2
Concepcao metodologica curriculo 2Jeca Tatu
 
Metodologia de ensino
Metodologia de ensinoMetodologia de ensino
Metodologia de ensinoDeia Araujo
 
I uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciências
I uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciênciasI uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciências
I uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciênciasGilvandenys Leite Sales
 
Concepcao metodologica curriculo
Concepcao metodologica curriculoConcepcao metodologica curriculo
Concepcao metodologica curriculoJeca Tatu
 
Métodos de Ensino e Aprendizagem
Métodos de Ensino e AprendizagemMétodos de Ensino e Aprendizagem
Métodos de Ensino e AprendizagemJoao Papelo
 
Planejamento de ensino[1]
Planejamento de ensino[1]Planejamento de ensino[1]
Planejamento de ensino[1]UNICEP
 
Sinais da-erosao-reflexoes-em-tres-decadas-da-abp-universidade-de-maastricht-...
Sinais da-erosao-reflexoes-em-tres-decadas-da-abp-universidade-de-maastricht-...Sinais da-erosao-reflexoes-em-tres-decadas-da-abp-universidade-de-maastricht-...
Sinais da-erosao-reflexoes-em-tres-decadas-da-abp-universidade-de-maastricht-...PROIDDBahiana
 
Slides sobre planejamento
Slides sobre planejamentoSlides sobre planejamento
Slides sobre planejamentofamiliaestagio
 
A metodologia fílmica para a aprendizagem significativa
A metodologia fílmica para a aprendizagem significativa A metodologia fílmica para a aprendizagem significativa
A metodologia fílmica para a aprendizagem significativa Andréa Kochhann
 

Semelhante a Estratégias Ativas de Aprendizagem em Semiologia Médica - Profa. Rilva Muñoz (20)

Aprendizagem baseada em problemas
Aprendizagem baseada em problemasAprendizagem baseada em problemas
Aprendizagem baseada em problemas
 
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...
 
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...
 
Aula de Didática do Ensino Superior
Aula de Didática do Ensino SuperiorAula de Didática do Ensino Superior
Aula de Didática do Ensino Superior
 
Módulo 03 - PBL, Problematização, Study Case.pptx
Módulo 03 - PBL, Problematização, Study Case.pptxMódulo 03 - PBL, Problematização, Study Case.pptx
Módulo 03 - PBL, Problematização, Study Case.pptx
 
Técnicas ensino
Técnicas  ensinoTécnicas  ensino
Técnicas ensino
 
Andragogia a aprendizagem nos adultos
Andragogia a aprendizagem nos adultosAndragogia a aprendizagem nos adultos
Andragogia a aprendizagem nos adultos
 
Como aprender
Como aprenderComo aprender
Como aprender
 
Concepcao metodologica curriculo 2
Concepcao metodologica curriculo 2Concepcao metodologica curriculo 2
Concepcao metodologica curriculo 2
 
Metodologia de ensino
Metodologia de ensinoMetodologia de ensino
Metodologia de ensino
 
I uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciências
I uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciênciasI uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciências
I uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciências
 
Concepcao metodologica curriculo
Concepcao metodologica curriculoConcepcao metodologica curriculo
Concepcao metodologica curriculo
 
Aula 2 unidade 1a
Aula 2 unidade 1aAula 2 unidade 1a
Aula 2 unidade 1a
 
Ensino com pesquisa
Ensino com pesquisaEnsino com pesquisa
Ensino com pesquisa
 
Métodos de Ensino e Aprendizagem
Métodos de Ensino e AprendizagemMétodos de Ensino e Aprendizagem
Métodos de Ensino e Aprendizagem
 
Planejamento de ensino[1]
Planejamento de ensino[1]Planejamento de ensino[1]
Planejamento de ensino[1]
 
Sinais da-erosao-reflexoes-em-tres-decadas-da-abp-universidade-de-maastricht-...
Sinais da-erosao-reflexoes-em-tres-decadas-da-abp-universidade-de-maastricht-...Sinais da-erosao-reflexoes-em-tres-decadas-da-abp-universidade-de-maastricht-...
Sinais da-erosao-reflexoes-em-tres-decadas-da-abp-universidade-de-maastricht-...
 
Slides sobre planejamento
Slides sobre planejamentoSlides sobre planejamento
Slides sobre planejamento
 
Competências e habilidades
Competências e habilidadesCompetências e habilidades
Competências e habilidades
 
A metodologia fílmica para a aprendizagem significativa
A metodologia fílmica para a aprendizagem significativa A metodologia fílmica para a aprendizagem significativa
A metodologia fílmica para a aprendizagem significativa
 

Mais de Rilva Lopes de Sousa Muñoz

Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOSA RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOSRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESMEElaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMEValidade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaMedicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. RilvaNoções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. RilvaRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. RilvaPesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. RilvaRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem QuantitativaModelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem QuantitativaRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....
Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....
Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESMESíndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 

Mais de Rilva Lopes de Sousa Muñoz (20)

Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
 
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOSA RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
 
História da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no BrasilHistória da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no Brasil
 
História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1
 
História da Teoria Microbiana das Doenças
História da Teoria Microbiana das DoençasHistória da Teoria Microbiana das Doenças
História da Teoria Microbiana das Doenças
 
História da Medicina no Brasil
História da Medicina no BrasilHistória da Medicina no Brasil
História da Medicina no Brasil
 
História da Cirurgia
História da CirurgiaHistória da Cirurgia
História da Cirurgia
 
História do Ensino Médico
História do Ensino MédicoHistória do Ensino Médico
História do Ensino Médico
 
Teorias de Aprendizagem em Medicina
Teorias de Aprendizagem em MedicinaTeorias de Aprendizagem em Medicina
Teorias de Aprendizagem em Medicina
 
Semiologia Baseada em Evidências
Semiologia Baseada em EvidênciasSemiologia Baseada em Evidências
Semiologia Baseada em Evidências
 
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESMEElaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
 
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMEValidade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
 
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaMedicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
 
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. RilvaNoções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
 
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. RilvaPesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
 
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem QuantitativaModelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
 
Dor Crônica: Anamnese - Profa. Rilva - GESME
Dor Crônica: Anamnese - Profa. Rilva - GESMEDor Crônica: Anamnese - Profa. Rilva - GESME
Dor Crônica: Anamnese - Profa. Rilva - GESME
 
Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....
Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....
Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....
 
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESMESíndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESME
 

Último

Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfaulasgege
 

Último (20)

Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
 

Estratégias Ativas de Aprendizagem em Semiologia Médica - Profa. Rilva Muñoz

  • 1. ESTRATÉGIAS ATIVAS DE APRENDIZAGEM EM SEMIOLOGIA MÉDICA – Parte I Profa. Rilva Lopes de Sousa Muñoz rilva@ccm.ufpb.br Grupo de Estudos em Semiologia Médica (GESME)
  • 2. RELEVÂNCIA DO TEMA E CONTEXTUALIZAÇÃO O QUE É “MUDANÇA DE PARADIGMA NO ENSINO MÉDICO”?
  • 3. POR QUE MUDAR A METODOLOGIA DE ENSINO EM MEDICINA? • CONCLUSÕES DE FÓRUNS INTERNACIONAIS SOBRE ENSINO MÉDICO; • CENÁRIO NACIONAL; • DIRETRIZES EDUCACIONAIS PARA OS CURSOS DE MEDICINA – MEC 07/11/2001; • CONCLUSÕES DO PROJETO CINAEM (1991-1999) E AVALIAÇÕES DO MEC.
  • 4. Habilidades esperadas do médico do século XXI • Tratar os pacientes como pessoas; • Trabalhar como membro de uma equipe; • Atuar nas áreas de prevenção das doenças e educação dos pacientes; • Saber avaliar criticamente a literatura e a prática médicas; • Atuar eticamente em relação a seus pacientes e às pessoas da comunidade.
  • 5. DECLARAÇÃO DE EDIMBURGO Conferência Mundial de Educação Médica - OMS - 1988 - Ampliar os cenários de ensino, utilizando-se não apenas os hospitais, mas todos os recursos de saúde existentes na comunidade; - Assegurar que os programas de ensino reflitam as prioridades de saúde nacionais; - Deslocar o predomínio de métodos de ensino passivos para a aprendizagem ativa com estudo independente autodirigido.
  • 6. DIRETRIZES CURRICULARES - MEDICINA Perfil do Egresso – • Formação: – Generalista; – Humanista; – Crítica e reflexiva. • Capacitado a aprender continuamente (educação permanente).
  • 7. DIRETRIZES CURRICULARES - MEDICINA Artigos 9 e 12: Construção do projeto pedagógico • Centrado no aluno; aluno; • Utilização de metodologias que privilegiem a participação ativa do estudante na construção do seu conhecimento; • Papel do professor: facilitador e mediador do processo ensino aprendizado; • Formação integral e adequada do estudante através da articulação entre o ensino, a ensino, pesquisa e a extensão/assistência. extensão/assistência.
  • 8. Ensino Médico: ontem e hoje Transmitir Construir Informações Competências Conteudismo Tutoria Ensinar para Ensinar para acumular agir conhecimento (competência)
  • 9. — ...e na vida profissional futura, vocês terão na que esquecer tudo o que aprenderam aqui na universidade... http://www.sciencecartoonsplus.com/index.htm
  • 10. Quantos anos para manter conhecimentos? Pesquisa com termos descritores na Fisiopatologia da Asma bronchospasm/asthma E inflammatory-asthma/asthma inflammatory- Evolução publicações - Fisiopatologia da Asma 20,00% 15,00% Espasmo 10,00% Inflamação 5,00% 0,00% 1966-73 1974-83 1984-93 1994-2003 Espasmo: tratamento “único”, não controla doença = novos espasmos!! Inflamação: tratamento mantido, controla doença = melhor qualidade de vida.
  • 11.
  • 12. PARADIGMA DO APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO PROBLEMATIZADORA
  • 13.
  • 14. EDUCAÇÃO PROBLEMATIZADORA ESTRATÉGIAS ATIVAS DE APRENDIZAGEM • APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS (ABP); • PROBLEMATIZAÇÃO; • APRENDIZAGEM POR PROJETOS; • APRENDIZAGEM NA PRÁTICA.
  • 15. 1. APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS (ABP) DESENVOLVIDA EM PEQUENOS GRUPOS (tutorias)
  • 16. APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS • Os estudantes são divididos em grupos com 5-6 componentes; 5- • Recebem uma situação-problema situação- que simula um cenário real e que exigirá deles o entendimento completo e resolução da mesma; • O professor tem função facilitadora e recebe a designação de tutor. tutor.
  • 17. FUNÇÕES DO PROBLEMA • O problema tem função motivadora e estimula o exercício do raciocínio clínico; clínico; • O problema é utilizado como estímulo à aquisição de habilidades e conhecimentos de disciplinas diferentes, diferentes, mas de forma integrada; integrada; • A busca individual de informações centra o processo no estudante, tornando-o mais ativo, crítico e capaz de tornando- ativo, produzir e aplicar os conhecimentos adquiridos (aprendizado auto-dirigido). (aprendizado auto-dirigido).
  • 18. MODOS DE FORMULAR O PROBLEMA Problema: “pergunta, tarefa ou contradição” (BERBEL, 1998) pergunta; • Através de uma pergunta; • Através de afirmações; • Através de uma negação; negação; “Mais importante que o modo como se formula a questão é que o conteúdo esteja explícito nela” “O problema levantado vai conduzir/orientar todas as demais etapas do estudo”
  • 19. OS PASSOS DE RESOLUÇÃO RESOLUÇ Metodologia da Pesquisa Científica Cientí 1. “TEMPESTADE DE IDEIAS”: IDEIAS” 1.1. PREPARAR E DEFINIR UM PROBLEMA 1.2. ELABORAR A HIPÓTESE HIPÓ 1.3. JUSTIFICAR A HIPÓTESE FORMULADA HIPÓ 1.4. IDENTIFICAR OS OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM 2. TEMPO PRÓ-ESTUDO (TPE): PRÓ 2.1. ESTUDO AUTO-DIRIGIDO AUTO- 3. FECHAMENTO DO PROBLEMA: 3.1. VERIFICAR A HIPÓTESE HIPÓ 3.2. CONCLUIR.
  • 20. Aprendizagem Baseada em Problemas Desenvolvida em Pequenos Grupos (Tutorias) Relacionamento Responsabilidade Interpessoal Centrado no Em pequenos Aluno grupos Professor como Aprender a Facilitador Aprender Formação e Atitudes Conhecimentos e Habilidades
  • 21. CONSTRUINDO PROBLEMAS Exemplo: MÓDULO SISTEMA RESPIRATÓRIO MÓ RESPIRATÓ Disciplina A Disciplina C Disciplina B Escolha dos conteúdos orientada pelo perfil profissional desejado: biológicos, psicológicos e sociais Objetivos do Módulo Mó Problema Objetivos do Problema
  • 22. ABP = Currículo • A utilização da ABP envolve profundas mudanças curriculares, que abrangem a totalidade do curso, não sendo prevista a sua curso, utilização isolada em determinadas disciplinas de um programa; • O currículo é, portanto, organizado ao redor de problemas, problemas, em vez de disciplinas, enfatizando, assim a integração entre ciências básicas e clínicas; • Os problemas podem ser entendidos como “tijolos” a serem utilizados em um processo de construção do conhecimento, levando o aluno a uma crescente autonomia, estimulando-o à autonomia, estimulando- educação continuada. continuada.
  • 23. CONSTRUÇÃO DOS PROBLEMAS Criar os problemas Definir os objetivos de aprendizagem Construção da Árvore Temática (Temas mais abrangentes Temas mais específicos Oficinas de Trabalho (Definição do Conteúdo dos Módulos) Grupo de Planejamento (Docentes de várias disciplinas: básicas e clínicas)
  • 24. OS SETE PASSOS - ABP 1ª SESSÃO TUTORIAL 7 ESTUDO INDIVIDUAL Rediscussão no grupo tutorial dos avanços do conhecimento obtidos pelo grupo. 2ª SESSÃO TUTORIAL Estudo individual respeitando 6 os objetivos alcançados Estabelecer objetivos de aprendizagem que levem o aluno ao 5 aprofundamento e complementação destas explicações 4 Resumir estas explicações Oferecer explicações para estas questões com base no conhecimento 3 prévio que o grupo tem sobre o assunto (BRAINSTORM) Identificar as questões (problemas: dimensão biológica, 2 psicológica, social?) propostas pelo enunciado 1 Ler atentamente o problema e esclarecer os termos desconhecidos
  • 25. Na proposta da ABP não existem currículos currí tradicionais, nem aulas expositivas, nem disciplinas ou outras formas tradicionais de transmissão do conhecimento.
  • 26. ABP - Comissão de elaboração elaboraç de problemas; - Grupos tutoriais e tutores; - Comissão de currículos; currí - Comissão de avaliação; avaliaç - Outras formas de interaç interação acadêmica.
  • 27. AS 4 TAXONOMIAS DE BARROWS • Estruturar o conhecimento de forma que os conteúdos dos ciclos básico e clínico possam ser aplicados na clínica; • Desenvolver o raciocínio clínico para resolver problemas (formulação de hipóteses, busca de informações, análise de dados, síntese do problema; tomada de decisões); • Ajudar o aluno a entender suas próprias necessidades de aprendizagem e localizar fontes de informações; informações; • Aumentar a motivação para aprender. Barrows H. Taxonomy of problem-based learning methods. Med Educ 1996;20(6):481-6.
  • 28. ABP
  • 29. 2. PROBLEMATIZAÇÃO Proposta de Maguerez: Método do Arco
  • 30. PROBLEMATIZAÇÃO Pontos- Pontos-Chave Teorização Problema ou Problemas Hipóteses de Solução Observação da Realidade Aplicação à Realidade Realidade Método do Arco de Charles Maguerez
  • 31. Teoria Pontos- Pontos-chave Hipotese Observaç Observação da realidade Aplicaç Aplicação REALIDADE Método do ARCO de Charles Maguerez - 1970
  • 32. PONTOS- PONTOS-CHAVE Identificar os pontos-chave pontos- no problema: a) Quais as possíveis causas do problema em questão? b) Quais os seus possíveis determinantes contextuais? c) Quais os seus componentes e seus desdobramentos?
  • 33. TEORIZAÇÃO • Usar ideias e teorias já disponíveis sobre o problema; • Se houver necessidade, voltar à observação; • Buscar sistematicamente informações técnicas, científicas, empíricas, com auxílio de procedimentos de pesquisa.
  • 34. DIFERENTES ÂNGULOS DO PROBLEMA SÃO ANALISADOS A PARTIR DAS INFORMAÇÕES COLHIDAS EM DIVERSAS FONTES.
  • 35. HIPÓTESES DE SOLUÇÃO • Momento de comparar crenças iniciais com as informações atuais; • Pode-se reforçar posições Pode- anteriores ou reformular posições iniciais; • A aprendizagem efetiva vem da relação da teoria com a percepção dos fenômenos concretos, reais.
  • 36. “APRENDIZAGEM ORIENTADA POR PROBLEMAS” • Forma intermediária entre ABP e problematização: problematização: uma estratégia para viabilizar a introdução progressiva de problemas em disciplinas dos currículos tradicionais; • Atividade complementar em sala de aula, ou em enfermaria e ambulatório, inserida no contexto de uma disciplina de modelo tradicional de um currículo tradicional. (DE NEGRI FILHO, 1997)
  • 37. 3. APRENDIZAGEM POR PESQUISA
  • 38. A PESQUISA COMO PRÁTICA PEDAGÓGICA Aprender pela elaboração própria, substituindo a curiosidade de escutar pela de produzir; Metodologia de pesquisa científica; Caracteriza- Caracteriza-se como um processo de investigação; Adquirir habilidades para redigir e apresentar trabalhos científicos; Requer a seleção de fontes de informação; • Cria algo novo: um produto, uma ação
  • 39. 4. APRENDIZAGEM NA PRÁTICA • Reflexão na ação: ação: aplicação criativa de experiências na resolução de situações enquanto elas estão ocorrendo. ação: • Reflexão sobre a ação: processo de repensar o que aconteceu na situação passada
  • 40. APRENDIZAGEM NA PRÁTICA • A prática motiva o aprendizado; • Humanização da relação paciente/médico: relação professor/aluno humanizada e democrática resulta em futuros médicos mais humanos; Evitar aulas teóricas “disfarçadas” de práticas.
  • 41. O “MODELO EM Z” “MODELO • Aprendizagem Baseada em Problemas; • Problematização Projetos e Pesquisas e Aprendizagem na Prática Primeiras Séries Últimas Séries
  • 42. COMO APLICAR A PROBLEMATIZAÇÃO NO CONTEXTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DA SEMIOLOGIA MÉDICA?
  • 43.
  • 44. Price RB, Vlahcevic Z. Logical principles in differential diagnosis. Ann Intern Med 1971; 75: 89-95.
  • 45. "O conhecimento é um tesouro, mas a prática é a chave para ele." (Thomas Fuller) Fuller)
  • 46. "Não é que eles não possam ver a solução. É que eles não conseguem ver o problema" Gilbert Keith Chesterton
  • 47. Principais Referências Barros, N., Lourenço, L. A. Teaching collective health using problem based learning: an experience at the Faculty of Medicina of Marilia. learning: Marilia. Rev. bras. educ. med. , 2006, vol.30, no.3 Batista, N., Batista, S. H., Goldenberg, P., et al. Problem-solving Problem- approach in the training of healthcare professionals. , Rev. Saúde professionals. Pública , 2005, vol.39, no.2, Berbel, N. A. (1998). A problematização e a aprendizagem baseada Berbel, em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? problemas: caminhos? Interface: Comunicação, Saúde, Educação, 2 (2). (2). Brown, J. S., Collins, A., Duguid, P. (1989). Situated cognition and Duguid, the culture of learning. Educational Researcher, 18(1), 32-42. 32- Coelho-Filho, Coelho-Filho, J. M., Soares, S. M., Sá, H. L. Problem-based learning: Problem- learning: application and possibilities in Brazil. , Sao Paulo Med. J. , 1998, Brazil. vol.116, no.4, Cyrino, E. G.; Toralles-Pereira, M. L. Discovery-based teaching and Toralles-Pereira, Discovery- learning strategies in health: problematization and problem-based health: problem- learning. learning. Cad. Saúde Pública , Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, 2004 <http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S01 <http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S01 02- 02- Moraes, Magali Aparecida Alves de, Manzini, Eduardo José. Conceits about problem based learning: a case study at Famema. , Rev. learning: Famema. bras. educ. med. , 2006, vol.30, no.3
  • 48. Leituras relacionadas Blumenfeld, Blumenfeld, P.C., Soloway, E., Marx, R.W., Krajcik, Soloway, Krajcik, J.S., Guzdial, M., & Palinscar A. (1991). Guzdial, Motivating project-based learning: Sustaining the project- doing, supporting the learning. Educational Psychologist, 26(3 & 4), 369-398. 369- Brophy, Brophy, J., & Alleman, J. (1991). Activities as Alleman, instructional tools: A framework for analysis and evaluation. Educational Researcher, 20 (4), 9-23. 9- Hannafin, M.J., Hall, C., Land, S., & Hill, J. (1994). Hannafin, Learning in open-ended environments: open- Assumptions, methods, and implications. Educational Technology, 34(5), 48-55. 48- Hung, D., & Wong, A. (2000). Activity theory as a framework for project work in learning environments. Educational Technology, 40(2), 33- 33- 37.