Modernismo no brasil introdução

20.009 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
20.009
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
156
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modernismo no brasil introdução

  1. 1. Modernismo no BrasilMódulo 23 – Fascículo 9 Prof. Michel Nascimento Blog: www.educacaoadventista.org.br/blo/michel
  2. 2. • Na aula de hoje nós falaremos sobre o modernismo brasileiro, movimento influenciado pela Vanguarda Europeia bem como pelo modernismo português.• São Paulo na época era considerada a capital mais moderna do país, cidade fundamental para o novo movimento que estava as portas.• Didaticamente o modernismo brasileiro tem início em 1922 a conhecidíssima semana da arte moderna.• Semana que aconteceu no teatro municipal de São Paulo nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro.
  3. 3. Antes da semana, várias outras coisasaconteceram em prol do modernismo, ondepodemos citar os principais antecedentes dasemana: a volta de Oswald de Andrade queestava na Europa e que lá entrou em contatocom as novas manifestações da Vanguardaeuropeia. Também temos a primeira exposição dosquadros expressionistas do Lasar Segall –temos também os vários livros lançados pelosautores que participariam mais tarde da semanae o grande estopim, a exposição da pintora AliceMalfatti e, que fora muito criticada nessaexposição por Monteiro Lobato num artigointitulado paranoia ou mistificação.
  4. 4. principais representantes da semanade arte moderna:Literatura:• Mário de Andrade• Oswald de Andrade• Ronald de CarvalhoPintura:• Alice Malfatti• Tarsila do Amaral• Di CavalcanteMúsica:• *Heitor Villa-Lobos
  5. 5. A semana de arte moderna foi organizadapor vários artistas e contou com o patrocínio daelite paulistana. Nessa semana os artistas modernoscontaram com apoio de uma grande figura jáconsagrada na Literatura, figura esta que faziaparte da academia brasileira de letras. Graça Aranha, o pré-modernista autor deCanaã foi quem proferiu a abertura do evento
  6. 6. Desenhado por Di Cavalcantefoi o cartaz da semana.
  7. 7. Já esse foi elaboradopara a exposição dasartes plásticas, tambémconfeccionado por DiCavalcante.
  8. 8. ? O que foi essa semana tão falada até ? os dias de hoje? ? O que aconteceu? ? Qual foi a reação do público? Vejamos o que dizem os principais jornais da época:? ?
  9. 9. FOLHA DA NOITE São Paulo, 16/02/1922 " Foi, como se esperava, um notável fracasso, a récita de ontem da pomposa Semana de Arte Moderna, que melhor e mais acertadamente deveria chamar-se Semana de Mal - às artes. O futurismo tão decantado não é positivamente de futuro... No presente, diante da ignorância de tal semana por parte da sonolenta sociedade, ainda é possível que dê alguma coisa; depois, porém, de conhecer a droga, ninguém penetrará a botica em que foi transformado o Municipal, agora muito em voga com o caso do Sr. Nilo, que foi representado pelo poderio dos futuristas... Mas no recital cabotiníssimo de ontem, foi tudo derrocado, ou quase tudo. Pondo-se de parte a nossa excepcional patrícia, quem interpretou sob protestos, aliás, trechos do pré-homem, o resto foi um atestado eloquente e incisivo da morbidez teratológica de que nos falou ontem Pinto Serva.
  10. 10. Jornal O Estado de São Paulo16 fevereiro de 1922“As colunas da secção livre deste jornal estão à disposição de todos aqueles que, atacando a Semana de Arte Moderna, defendam o nosso patrimônio artístico”.
  11. 11. Jornal do Comércio17 fevereiro de 1922 “É preciso que se saiba que nos manicômios se produzem poemas, partituras, quadros e estátuas, e que essa arte de doidos tem o mesmo característico da arte dos futuristas e cubistas que andam soltos por aí”.
  12. 12. • A semana foi verdadeiramente um escândalo. Logo após a abertura da semana feita por Graça Aranha, Villa- Lobos tem de interromper sua apresentação por conta das vaias dos expectadores.• Em seguida entra Ronald de Carvalho e lê o poema “Sapos” de Manuel Bandeira – a plateia fica mais nervosa ainda e começa a repetir o refrão do poema que se assemelhava ao coachar dos sapos. Foi uma confusão sem tamanho.• Mário de Andrade para dar uma forcinha acaba recitando um poema nas escadarias do teatro, uma maluquice sem tamanho.• Para finalizar a balburdia, Villa-Lobos mais uma vez entra no palco todo arrumadinho só que de chinelo e guarda-chuva, e a plateia quase veio abaixo, querendo socar os artistas, no entanto eles ficaram muito felizes, pois alcançaram seus objetivos, ou seja, chocar, provocar a sociedade da época bem como o conservadorismo.• Vejamos uma foto tirada logo após finalizada a semana:
  13. 13. Oswald de Andrade Mário de Andrade Manuel Bandeira Graça Aranha
  14. 14. Os sapos Enfunando os papos, Saem da penumbra,Vejamos agora um fragmento do Aos pulos, os sapos. A luz os deslumbra.poema os saposEm ronco que aterra, Berra o sapo-boi: _ “Meu pai foi à guerra!” _ “Não foi! _ “Foi!” _ “Não foi!” O sapo-tanoeiro, Parnasiano aguado, Diz: _ “Meu cancioneiro É bem martelado. Vede como primo Em comer os hiatos! Que arte! E nunca rimo Os termos cognatos. O meu verso é bom Frumento sem joio. Faço rimas com Consoantes de apoio. (...) Que soluças tu, Transido de frio, Sapo-cururu Da beira do rio ... Manuel Bandeira
  15. 15. O poema Os sapos é uma espécie desátira, uma crítica ao parnasianismo, pois é umaparódia do poema profissão de fé de Olavo Bilac.Ao falar sapo tanoeiro, Manuel Bandeira estádiretamente se referindo ao próprio OlavoBilac, porque Bilac dizia que o artista tinha umatarefa muito parecida com a do artesão. O sapo cururu nada mais é do que o própriopoeta moderno, mais simples, livre de todo oartificialismo do poeta parnasiano.
  16. 16. Vejamos quais foram os principaisdesdobramentos dessa semana:Várias revistas começaram a circular nessa época, entre elas se destacam:• Klaxon (São Paulo)• Estética (Rio de Janeiro)• Festa (Rio de Janeiro)• A Revista (Minas Gerais)• A Revista Antropofagia (São Paulo)
  17. 17. • Entre elas destacam-se a revista Klaxon que vem do temo francês buzina, que era justamente o que eles queriam, fazer barulho, provocar a sociedade, foi a pioneira. E a revista Antropofagia, que trazia como marca central o desejo de devorar as outras culturas.• Para entendermos melhor o que foi esse período, vejamos quais são as principais correntes modernistas:
  18. 18. • Movimento pau-brasil – pregava um retorno, uma busca a arte pré-histórica do Brasil. Pau-brasil por ter sido nosso principal produto de exportação, onde o pensamento era de que nossa poesia deveria ser exportada.• Movimento Verde-Amarelo – espécie de reação ao primeiro movimento, porque segundo os representantes do movimento, o nacionalismo pregado pela corrente acima era um nacionalismo muito importado, não era o verdadeiro nacionalismo e sentimento do Brasil.• Movimento Antropofágico – tem origem no trabalho de Tarsila do Amaral. Vejamos um de seus quadros:
  19. 19. Fazem parte da galeriaantropofágica. É justamenteo quando Abaporu que dáorigem ao movimento –Abaporu é o termo indígenaque significa comer gente. Eera justamente isso que osautores desse movimentoqueriam, pois queriamdevorar a cultura estrangeirae a partir de então, por meiode reestruturação, criar umaarte original, uma arte com aa cara do Brasil.
  20. 20. O modernismo por ser tão grande e tão expressivo é comumente dividido em três grandes fases:• 1ª fase – fase heroica compreende o período de 1922 a 1930, a qual apresenta o desejo de liberdade, de ruptura e destruição do passado. Os principais autores são:• Oswald de Andrade• Mário de Andrade• Manuel bandeira• Alcântara Machado
  21. 21. 2ª fase – se estende de 1930 a 1945 e é conhecida como fase da consolidação das conquistas anteriores. Nessa fase se subdivide em:POESIA• Carlos Drummond de Andrade• Cecília Meirelles• Vinícius de MoraesPROSA• José Lins do Rego• Graciliano Ramos• Jorge Amado
  22. 22. 3ª fase – vai de 1945 e segue, e é conhecida como fase da reflexão. Destacam-se nesse período:• Guimarães Rosa• Clarice Lispector• João Cabral de Melo neto
  23. 23. Na próxima aula falaremos o que foi aprimeira fase do modernismo.

×