100 questões de crase

1.379 visualizações

Publicada em

Questões de concursos públicos

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

100 questões de crase

  1. 1. 1 - Q428467 ( Prova: IESES - 2014 - IGP-SC - Auxiliar Pericial - Criminalístico / Português / Crase; Sintaxe; Regência; ) Em qual das alternativas o sinal de crase é facultativo? • a) Dirigi-me à Laura para saber como ela atendia os contribuintes. • b) O sapato tinha detalhes à italiana. • c) Suas publicações são semelhantes às minhas. • d) Fiz menção à teoria citada por você. 2 - Q420132 ( Prova: VUNESP - 2014 - FUNDUNESP - Assistente Administrativo / Português / Crase; Sintaxe; Regência; ) Assinale a alternativa que completa, correta e respectivamente, as lacunas do texto. Na semana passada, a Câmara dos Deputados aprovou e mandou para o Senado a Lei da Palmada, ou Lei Menino Bernardo (em homenagem _____ Bernardo, assassinado recentemente, aos 11 anos, no RS). A lei fará que pais e educadores não possam recorrer _____ castigos corporais, mesmo moderados, ainda que sejam na intenção de educar as crianças. Eu sou mais _____ favor da lei do que contra ela. Reprimir a violência de pais e educadores talvez quebre o círculo vicioso _______ tendemos ______ reproduzir a violência ______ fomos vítimas. (Contardo Calligaris, Folha de S.Paulo, 29 de maio de 2014. Adaptado) • a) à ... a ... à ... do qual ... à ... da qual • b) a ... à ... à ... pelo qual ... a ... a qual • c) a ... a ... a ... pelo qual ... a ... da qual • d) à ... à ... à ... com o qual ... à ... que • e) à ... à ... a ... no qual ... a ... com a qual 3 - Q423631 ( Prova: VUNESP - 2014 - TJ-PA - Auxiliar Judiciário / Português / Crase; Sintaxe; Regência; ) Após queixas, palavrão vira falta em pelada de condomínio no Rio Peladeiros de um condomínio de classe média alta na Barra da
  2. 2. Tijuca, no Rio, criaram uma nova regra para as partidas disputadas no campo do clube que serve aos moradores: palavrão é falta. Cada vez que um jogador reagir de forma malcriada a um lance ríspido ou a uma marcação do juiz, seu time será punido. A regra surgiu a partir de queixas de moradores. “Fica chato para quem mora aqui ou pratica alguma atividade física ao redor do campo ter que ouvir palavrões ao lado de seus filhos, da família”, diz Vitor S., 25, morador do condomínio e peladeiro. Segundo ele, a decisão não aboliu totalmente as expressões grosseiras durante as partidas, mas elas com certeza diminuíram. “A gente pensa duas vezes antes de falar para não cometer falta.” Devido às queixas, os peladeiros e a administração do condomínio fizeram o acordo. Coube à administração instalar as placas pelo campinho informando sobre a nova regra. Para os jovens locais, a nova medida é educativa e simboliza respeito com a vizinhança. “Mas ainda tem gente que não consegue se controlar. Aí toma falta e prejudica o time”, afirma o estudante Kaique C., 15. (Diana Brito. Folha de S. Paulo, 31.05.2011. Adaptado) Assinale a alternativa que completa a frase a seguir, apresentando o emprego correto do sinal indicativo de crase. Para as partidas no campo de futebol, estabeleceu-se uma nova regra – palavrão é falta – imposta... • a) à times dos bairros vizinhos. • b) à pessoas que frequentam o local. • c) à turma de peladeiros. • d) à todos os moradores. • e) à uma comunidade onde há muitas crianças. 4 - Q413817 ( Prova: FCC - 2014 - TRF - 4ª REGIÃO - Técnico Judiciário - Área Administrativa / Português / Crase; ) Atenção: Para responder a questão considere o texto abaixo. No campo da técnica e da ciência, nossa época produz mi-lagres todos os dias. Mas o progresso moderno tem amiúde um custo destrutivo, por exemplo, em danos irreparáveis à nature-za, e nem sempre contribui para reduzir a pobreza. A pós-modernidade destruiu o mito de que as humanida-des humanizam. Não é indubitável aquilo em que acreditam tan-os filósofos otimistas, ou seja, que uma educação liberal, ao al-cance de todos, garantiria um futuro de liberdade e igualdade de
  3. 3. oportunidades nas democracias modernas. George Steiner, por exemplo, afirma que “bibliotecas, museus, universidades, cen-ros de investigação por meio dos quais se transmitem as huma-nidades e as ciências podem prosperar nas proximidades dos campos de concentração”. “O que o elevado humanismo fez de bom para as massas oprimidas da comunidade? Que utilidade teve a cultura quando chegou a barbárie?” Numerosos trabalhos procuraram definir as características da cultura no contexto da globalização e da extraordinária revo-lução tecnológica. Um deles é o de Gilles Lipovetski e Jean Serroy, A cultura-mundo. Nele, defende-se a ideia de uma cul-tura global - a cultura-mundo - que vem criando, pela primeira vez na história, denominadores culturais dos quais participam indivíduos dos cinco continentes, aproximando-os e igualando-os apesar das diferentes tradições e línguas que lhes são próprias. Essa “cultura de massas” nasce com o predomínio da ima-gem e do som sobre a palavra, ou seja, com a tela. A indústria cinematográfica, sobretudo a partir de Hollywood, “globaliza” os filmes, levando-os a todos os países, a todas as camadas sociais. Esse processo se acelerou com a criação das redes sociais e a universalização da internet. Tal cultura planetária teria, ainda, desenvolvido um in-dividualismo extremo em todo o globo. Contudo, a publicidade e as modas que lançam e impõem os produtos culturais em nos-sos tempos são um obstáculo a indivíduos independentes. O que não está claro é se essa cultura-mundo é cultura em sentido estrito, ou se nos referimos a coisas completamente diferentes quando falamos, por um lado, de uma ópera de Wagner e, por outro, dos filmes de Hitchcock e de John Ford. A meu ver, a diferença essencial entre a cultura do passa-do e o entretenimento de hoje é que os produtos daquela pre-tendiam transcender o tempo presente, continuar vivos nas ge-rações futuras, ao passo que os produtos deste são fabricados para serem consumidos no momento e desaparecer. Cultura é diversão, e o que não é divertido não é cultura. (Adaptado de: VARGAS LLOSA, M. A civilização do espetáculo. Rio de Janeiro, Objetiva, 2013, formato ebook) Substituindo-se o elemento grifado pelo que se encontra entre parênteses, o sinal indicativo de crase deverá ser acrescentado em: • a) ... que uma educação liberal, ao alcance de todos... (dispor de todos) (2º parágrafo) • b) ... por meio dos quais se transmitem as humanidades... - (ciências humanas) (2º parágrafo) • c) ... a todas as camadas sociais. - (qualquer classe social) (4º parágrafo)
  4. 4. • d) ... se nos referimos a coisas completamente diferentes... - (uma coisa completamente diferente) (6º parágrafo) • e) ... são um obstáculo a indivíduos independentes. (criação de indivíduos independentes) (5º parágrafo) 5 - Q406402 ( Prova: IBFC - 2014 - SEDS-MG - Agente de Segurança Penitenciária / Português / Crase; Sintaxe; Regência; )
  5. 5. Em “Assim, emoções ligadas à excitação, como raiva e felicidade, “, ocorre a contração da preposição “a” com o artigo “a”. A ocorrência da preposição deve-se a uma relação de regência, na qual o termo regente é: • a) “assim” • b) “excitação” • c) “emoções” • d) “ligadas” 6 - Q421209 ( Prova: FUNCAB - 2014 - PRF - Agente Administrativo - 01 / Português / Fonologia; Ortografia; Interpretação de Textos; Significação Contextual de Palavras e Expressões; Redação - Reescritura de texto; Novo Acordo Ortográfico; Crase; Acentuação gráfica: Proparoxítonas, Paroxítonas, Oxítonas e Hiatos; Sintaxe; Regência; ) Texto 1 Inauguração da Avenida [...] Já lá se vão cinco dias. E ainda não houve aclamações, ainda não houve delírio. O choque foi rude demais. Acalma ainda não renasceu. Mas o que há de mais interessante na vida dessa mó de povo que se está comprimindo e revoluteando na Avenida, entre a Prainha e o Boqueirão, é o tom das conversas, que o ouvido de um observador apanha aqui e ali, neste ou naquele grupo. Não falo das conversas da gente culta, dos “doutores” que se julgam doutos. Falo das conversas do povo - do povo rude, que contempla e critica a arquitetura dos prédios: “Não gosto deste... Gosto mais daquele... Este é mais rico... Aquele tem mais arte... Este é pesado... Aquele é mais elegante...”. Ainda nesta sexta-feira, à noite, entremeti-me num grupo e fiquei saboreando uma dessas discussões. Os conversadores, à luz rebrilhante do gás e da eletricidade, iam apontando os prédios: e - cousa consoladora - eu, que acompanhava com os ouvidos e com os olhos a discussão, nem uma só vez deixei de concordar com a opinião do grupo. Com um instintivo bom gosto subitamente nascido, como por um desses milagres a que os teólogos dão o nome de “mistérios da Graça revelada” - aquela simples e rude gente, que nunca vira palácios, que nunca recebera a noção mais rudimentar da arte da arquitetura, estava ali discernindo entre o bom e o mau, e discernindo com clarividência e precisão, separando o trigo do joio, e distinguindo do vidro ordinário o diamante puro. É que o nosso povo - nascido e criado neste fecundo clima de calor e umidade, que tanto beneficia as plantas como os homens - tem uma inteligência nativa, exuberante e pronta, que é feita de sobressaltos e relâmpagos, e que apanha e fixa na confusão as ideias, como a placa sensibilizada de uma máquina fotográfica apanha e fixa, ao clarão
  6. 6. instantâneo de uma faísca de luz oxídrica, todos os objetos mergulhados na penumbra de uma sala... E, pela Avenida em fora, acotovelando outros grupos, fui pensando na revolução moral e intelectual que se vai operar na população, em virtude da reforma material da cidade. A melhor educação é a que entra pelos olhos. Bastou que, deste solo coberto de baiucas e taperas, surgissem alguns palácios, para que imediatamente nas almas mais incultas brotasse de súbito a fina flor do bom gosto: olhos, que só haviam contemplado até então betesgas, compreenderam logo o que é a arquitetura. Que não será quando da velha cidade colonial, estupidamente conservada até agora como um pesadelo do passado, apenas restar a lembrança? [...] E quando cheguei ao Boqueirão do Passeio, voltei-me, e contemplei mais uma vez a Avenida, em toda sua gloriosa e luminosa extensão. [...] Gazeta de Notícias - 19 nov.1905. Bilac, Olavo. Vossa Insolência: crônicas. São Paulo: Companhia de Letras, 1996, p. 264-267. Vocabulário: baiuca: local de última categoria, malfrequentado. betesga: rua estreita, sem saída, mó: do latim “mole” , multidão; grande quantidade, revolutear: agitar-se em várias direções, tapera: lugar malconservado e de mau aspecto Tendo em vista o fragmento “Os conversadores, à luz rebrilhante do gás e da eletricidade, iam apontando os prédios...”, analise as afirmativas a seguir. I. Usa-se o acento indicativo da crase em À LUZ porque se está diante de uma expressão adverbial que exige preposição + artigo feminino. II. A forma verbal IAM APONTANDO pode ser substituída, sem prejuízo do entendimento, por APONTAM. III. A palavra GÁS é acentuada por ser oxítona terminada em A, seguida de S. Está(ão) correta(s) somente a(s) afirmativa(s): • a) I • b) III • c) II • d) I e II • e) II e III
  7. 7. 7 - Q403754 ( Prova: CESPE - 2014 - TJ-SE - Técnico Judiciário - Programação de Sistemas / Português / Crase; Sintaxe;
  8. 8. ERROR: syntaxerror OFFENDING COMMAND: --nostringval-- STACK:

×