SlideShare uma empresa Scribd logo

69916211 atendimento (2)

1 de 38
Baixar para ler offline
ATENDIMENTO AO CLIENTE COMO
DIFERENCIAL COMPETITIVO:
GARANTINDO O CLIENTE DE AMANHÃ
PROFESSORA: MARCIA C. PAVIOTTIPROFESSORA: MARCIA C. PAVIOTTI
• Ato ou efeito de atender;
• Maneira como habitualmente são
atendidos os usuários de determinado
serviço.
Dicionário houaiss
ATENDIMENTO:
- CLIENTES EXPERIMENTADORES – são clientes
que efetuam compras ocasionais e experimentais.
- CLIENTES REGULARES – clientes que compram há
anos no mesmo estabelecimento e confiam nesta
empresa ou comércio.
- CLIENTES DEFENSORES – são clientes regulares e
comprometidos com seu estabelecimento. Estão
sempre ao lado de sua empresa e fazem negócio
com muita freqüência.
TIPOS DE CLIENTES:
- CLIENTE DECISIVO – ele é autoritário, não quer perder tempo
com longas explicações, sabe o que quer analista. Gosta de ser
atendido com clareza, objetivo e direto, com precisão técnica.
- CLIENTE ANALÍTICO – ele gosta de experimentar, aceita
sugestões, é muito visual, decide e age de modo intuitivo, gosta
de correr riscos. Gosta de ser atendido de forma criativa,
trazendo novidades, com alguns conceitos e idéias de como usar
o produto. Ele é aberto a ouvir novidades.
- CLIENTE AMIGÁVEL - ele é expressivo e amigável, é sensível
aos outros, fala muito, aprecia intimidade e formalidade, é
curioso. Gosta de ser atendido com envolvimento e empatia, com
calor humano e informalidade – porém com respeito de gentileza.
Gosta de envolver-se com o discurso e o produto em
demonstração. Possui apreço qdo identifica afinidades pessoais.
ESTILOS COMPORTAMENTAIS DE
CLIENTES:
O QUE MOTIVA O
COMPORTAMENTO DO CLIENTE ?
• SUAS NECESSIDADESSUAS NECESSIDADES ((“Necessidades” referem-se a“Necessidades” referem-se a
aspectos básicos da condição humana – alimentar-se, vestir-se, ter umaspectos básicos da condição humana – alimentar-se, vestir-se, ter um
lugar para morar, etc.lugar para morar, etc.)
• SEUS DESEJOSSEUS DESEJOS ((São manifestações de nossa vontade.São manifestações de nossa vontade. )
Abraham Maslow sugeriu que muito do comportamento do ser humano
pode ser explicado pelas suas necessidades e pelos seus desejos.
Quando uma necessidade, em particular se torna ativa, ela pode ser
considerada um estímulo à ação e uma impulsionadora das atividades do
indivíduo. Essa necessidade determina o que passa a ser importante para
o indivíduo e molda o seu comportamento como tal. Na teoria de Maslow,
portanto, as necessidades se constituem em fontes de motivação.

Recomendados

Ufcd 9211 fidelização e recuperação de clientes
Ufcd 9211   fidelização e recuperação de clientesUfcd 9211   fidelização e recuperação de clientes
Ufcd 9211 fidelização e recuperação de clientesAntnioGabrielSCunha
 
Atendimento ao cliente - Qualylife Consultoria
Atendimento ao cliente - Qualylife ConsultoriaAtendimento ao cliente - Qualylife Consultoria
Atendimento ao cliente - Qualylife ConsultoriaQualylife Consultoria
 
Atendimento ao cliente como diferencial de competitividade
Atendimento ao cliente como diferencial de competitividadeAtendimento ao cliente como diferencial de competitividade
Atendimento ao cliente como diferencial de competitividadeEdmilton
 
ATENDIMENTO AO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO
ATENDIMENTO AO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVOATENDIMENTO AO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO
ATENDIMENTO AO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVOINSTITUTO MVC
 
Treinamento Atendimento à Clientes
Treinamento Atendimento à ClientesTreinamento Atendimento à Clientes
Treinamento Atendimento à Clientesaavbatista
 
ATENDIMENTO AO CLIENTE
ATENDIMENTO AO CLIENTEATENDIMENTO AO CLIENTE
ATENDIMENTO AO CLIENTEFidel Torquato
 
Basico Atendimento Interativo
Basico Atendimento InterativoBasico Atendimento Interativo
Basico Atendimento InterativoBlan Tavares
 
Cv8 atendimento e venda
Cv8 atendimento e vendaCv8 atendimento e venda
Cv8 atendimento e vendaPedro Martins
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ppt aula fgv_excelência_no_atendimento_ao_cliente_prof. randes_12.02.14
Ppt aula fgv_excelência_no_atendimento_ao_cliente_prof. randes_12.02.14Ppt aula fgv_excelência_no_atendimento_ao_cliente_prof. randes_12.02.14
Ppt aula fgv_excelência_no_atendimento_ao_cliente_prof. randes_12.02.14Prof. Randes Enes
 
eBook Guia definitivo rumo a excelência no atendimento ao cliente
eBook Guia definitivo rumo a excelência no atendimento ao cliente	eBook Guia definitivo rumo a excelência no atendimento ao cliente
eBook Guia definitivo rumo a excelência no atendimento ao cliente Eder Cachoeira
 
EXCELENCIA NO ATENDIMENTO AO PÚBLICO
EXCELENCIA NO ATENDIMENTO AO PÚBLICOEXCELENCIA NO ATENDIMENTO AO PÚBLICO
EXCELENCIA NO ATENDIMENTO AO PÚBLICOFlavio Santos
 
2161969.pdf file acolhimento e encaminhamento
2161969.pdf file  acolhimento e encaminhamento2161969.pdf file  acolhimento e encaminhamento
2161969.pdf file acolhimento e encaminhamentoProfessoraCarlaFerna
 
Atendimento Já
Atendimento JáAtendimento Já
Atendimento Jájessicaslv
 
Aula 8 atendimento ao cliente
Aula 8   atendimento ao clienteAula 8   atendimento ao cliente
Aula 8 atendimento ao clienteLuiz Siles
 
Ebook atendimento ao cliente
Ebook atendimento ao clienteEbook atendimento ao cliente
Ebook atendimento ao clienteJúnior Medeiros
 
Qualidade no atendmento, um diferencial competitivo para empresa
Qualidade no atendmento, um diferencial competitivo para empresaQualidade no atendmento, um diferencial competitivo para empresa
Qualidade no atendmento, um diferencial competitivo para empresaJCS_Consultoria
 
Palestra atendimento ao cliente - como satisfazer e encantar seu clientes
Palestra   atendimento ao cliente - como satisfazer e encantar seu clientesPalestra   atendimento ao cliente - como satisfazer e encantar seu clientes
Palestra atendimento ao cliente - como satisfazer e encantar seu clientesSebrae Santa Catarina
 
Superando as Expectativas dos Clientes
Superando as Expectativas dos ClientesSuperando as Expectativas dos Clientes
Superando as Expectativas dos ClientesGrupo E. Fabris
 
Excelência no Atendimento
Excelência no AtendimentoExcelência no Atendimento
Excelência no AtendimentoFabricio Pangoni
 
Atendimento cliente 15 03-2013 (sest Senat)
Atendimento cliente 15 03-2013 (sest Senat)Atendimento cliente 15 03-2013 (sest Senat)
Atendimento cliente 15 03-2013 (sest Senat)Nice Person
 
Telemarketing e call center
Telemarketing e call centerTelemarketing e call center
Telemarketing e call centeralves008
 

Mais procurados (19)

Ppt aula fgv_excelência_no_atendimento_ao_cliente_prof. randes_12.02.14
Ppt aula fgv_excelência_no_atendimento_ao_cliente_prof. randes_12.02.14Ppt aula fgv_excelência_no_atendimento_ao_cliente_prof. randes_12.02.14
Ppt aula fgv_excelência_no_atendimento_ao_cliente_prof. randes_12.02.14
 
eBook Guia definitivo rumo a excelência no atendimento ao cliente
eBook Guia definitivo rumo a excelência no atendimento ao cliente	eBook Guia definitivo rumo a excelência no atendimento ao cliente
eBook Guia definitivo rumo a excelência no atendimento ao cliente
 
EXCELENCIA NO ATENDIMENTO AO PÚBLICO
EXCELENCIA NO ATENDIMENTO AO PÚBLICOEXCELENCIA NO ATENDIMENTO AO PÚBLICO
EXCELENCIA NO ATENDIMENTO AO PÚBLICO
 
Dirigir 102 separata
Dirigir 102 separataDirigir 102 separata
Dirigir 102 separata
 
2161969.pdf file acolhimento e encaminhamento
2161969.pdf file  acolhimento e encaminhamento2161969.pdf file  acolhimento e encaminhamento
2161969.pdf file acolhimento e encaminhamento
 
Atendimento Já
Atendimento JáAtendimento Já
Atendimento Já
 
Aula 8 atendimento ao cliente
Aula 8   atendimento ao clienteAula 8   atendimento ao cliente
Aula 8 atendimento ao cliente
 
Atendimento ao cliente
Atendimento ao clienteAtendimento ao cliente
Atendimento ao cliente
 
Treinamento atendimento-clientes445
Treinamento atendimento-clientes445Treinamento atendimento-clientes445
Treinamento atendimento-clientes445
 
Ebook atendimento ao cliente
Ebook atendimento ao clienteEbook atendimento ao cliente
Ebook atendimento ao cliente
 
Atendimento ao cliente
Atendimento ao cliente   Atendimento ao cliente
Atendimento ao cliente
 
Curso de atendimento com excelência
Curso de atendimento com excelênciaCurso de atendimento com excelência
Curso de atendimento com excelência
 
Qualidade no atendmento, um diferencial competitivo para empresa
Qualidade no atendmento, um diferencial competitivo para empresaQualidade no atendmento, um diferencial competitivo para empresa
Qualidade no atendmento, um diferencial competitivo para empresa
 
Palestra atendimento ao cliente - como satisfazer e encantar seu clientes
Palestra   atendimento ao cliente - como satisfazer e encantar seu clientesPalestra   atendimento ao cliente - como satisfazer e encantar seu clientes
Palestra atendimento ao cliente - como satisfazer e encantar seu clientes
 
Superando as Expectativas dos Clientes
Superando as Expectativas dos ClientesSuperando as Expectativas dos Clientes
Superando as Expectativas dos Clientes
 
Você sabe quem é o seu cliente
Você sabe quem é o seu clienteVocê sabe quem é o seu cliente
Você sabe quem é o seu cliente
 
Excelência no Atendimento
Excelência no AtendimentoExcelência no Atendimento
Excelência no Atendimento
 
Atendimento cliente 15 03-2013 (sest Senat)
Atendimento cliente 15 03-2013 (sest Senat)Atendimento cliente 15 03-2013 (sest Senat)
Atendimento cliente 15 03-2013 (sest Senat)
 
Telemarketing e call center
Telemarketing e call centerTelemarketing e call center
Telemarketing e call center
 

Semelhante a 69916211 atendimento (2)

Treinamento com Qualidade - Corporativa
Treinamento com Qualidade - CorporativaTreinamento com Qualidade - Corporativa
Treinamento com Qualidade - CorporativaDGPVOCEBUSINESS
 
Atendimento com Qualidade - Corporativa
Atendimento com Qualidade - CorporativaAtendimento com Qualidade - Corporativa
Atendimento com Qualidade - CorporativaDGPVOCEBUSINESS
 
atendimento ao cliente e marketing-LIVAL.ppt
atendimento ao cliente e marketing-LIVAL.pptatendimento ao cliente e marketing-LIVAL.ppt
atendimento ao cliente e marketing-LIVAL.pptarmindaseabra8
 
Atendimento ao cliente
Atendimento ao clienteAtendimento ao cliente
Atendimento ao clienteDiulia Stefany
 
Curso Técnica de Vendas - Grupo MFG
Curso Técnica de Vendas - Grupo MFGCurso Técnica de Vendas - Grupo MFG
Curso Técnica de Vendas - Grupo MFGgrupomfg
 
Padrão de atendimento Curto.pptx
Padrão de atendimento Curto.pptxPadrão de atendimento Curto.pptx
Padrão de atendimento Curto.pptxMatheusALOBT
 
Excelência no atendimento a clientes
Excelência no atendimento a clientesExcelência no atendimento a clientes
Excelência no atendimento a clientesAlessandro Lunardon
 
Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.
Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.
Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.R Gómez
 
Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.
Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.
Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.R Gómez
 
ATENDIMENTO AO CLIENTE EMARKETING.ppt
ATENDIMENTO AO CLIENTE EMARKETING.pptATENDIMENTO AO CLIENTE EMARKETING.ppt
ATENDIMENTO AO CLIENTE EMARKETING.pptadao18
 
atendimento ao cliente e marketing.ppt
atendimento ao cliente e marketing.pptatendimento ao cliente e marketing.ppt
atendimento ao cliente e marketing.pptadao18
 
Estratégia de fidelização de clientes
Estratégia de fidelização de clientesEstratégia de fidelização de clientes
Estratégia de fidelização de clientessandrabacky
 

Semelhante a 69916211 atendimento (2) (20)

Treinamento de atendimento
Treinamento de atendimentoTreinamento de atendimento
Treinamento de atendimento
 
Atendimento ao cliente
Atendimento ao clienteAtendimento ao cliente
Atendimento ao cliente
 
Atendimento ao cliente
Atendimento ao clienteAtendimento ao cliente
Atendimento ao cliente
 
Atendimento ao cliente
Atendimento ao clienteAtendimento ao cliente
Atendimento ao cliente
 
Treinamento com Qualidade - Corporativa
Treinamento com Qualidade - CorporativaTreinamento com Qualidade - Corporativa
Treinamento com Qualidade - Corporativa
 
Atendimento
AtendimentoAtendimento
Atendimento
 
Atendimento com Qualidade - Corporativa
Atendimento com Qualidade - CorporativaAtendimento com Qualidade - Corporativa
Atendimento com Qualidade - Corporativa
 
atendimento ao cliente e marketing-LIVAL.ppt
atendimento ao cliente e marketing-LIVAL.pptatendimento ao cliente e marketing-LIVAL.ppt
atendimento ao cliente e marketing-LIVAL.ppt
 
Atendimento ao cliente
Atendimento ao clienteAtendimento ao cliente
Atendimento ao cliente
 
Curso Técnica de Vendas - Grupo MFG
Curso Técnica de Vendas - Grupo MFGCurso Técnica de Vendas - Grupo MFG
Curso Técnica de Vendas - Grupo MFG
 
Padrão de atendimento Curto.pptx
Padrão de atendimento Curto.pptxPadrão de atendimento Curto.pptx
Padrão de atendimento Curto.pptx
 
Excelência no atendimento a clientes
Excelência no atendimento a clientesExcelência no atendimento a clientes
Excelência no atendimento a clientes
 
Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.
Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.
Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.
 
Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.
Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.
Treinamento de atendimento ao cliente e trabalho em equipe.
 
ATENDIMENTO AO CLIENTE EMARKETING.ppt
ATENDIMENTO AO CLIENTE EMARKETING.pptATENDIMENTO AO CLIENTE EMARKETING.ppt
ATENDIMENTO AO CLIENTE EMARKETING.ppt
 
atendimento ao cliente e marketing.ppt
atendimento ao cliente e marketing.pptatendimento ao cliente e marketing.ppt
atendimento ao cliente e marketing.ppt
 
Estratégia de fidelização de clientes
Estratégia de fidelização de clientesEstratégia de fidelização de clientes
Estratégia de fidelização de clientes
 
Qualidadenoatendimento
QualidadenoatendimentoQualidadenoatendimento
Qualidadenoatendimento
 
COACHING, TREINAMENTO E TÉCNICAS DE VENDAS.
COACHING, TREINAMENTO E TÉCNICAS DE VENDAS.COACHING, TREINAMENTO E TÉCNICAS DE VENDAS.
COACHING, TREINAMENTO E TÉCNICAS DE VENDAS.
 
Rd dicas aten
Rd dicas atenRd dicas aten
Rd dicas aten
 

Mais de Ricardo Lameiras

Mais de Ricardo Lameiras (10)

Don t-cry-for-me-argentina
Don t-cry-for-me-argentinaDon t-cry-for-me-argentina
Don t-cry-for-me-argentina
 
Açores
AçoresAçores
Açores
 
O 25 de_abril__1_ano
O 25 de_abril__1_anoO 25 de_abril__1_ano
O 25 de_abril__1_ano
 
O 25 de_abril_das_letras
O 25 de_abril_das_letrasO 25 de_abril_das_letras
O 25 de_abril_das_letras
 
Letras alfabeto
Letras alfabetoLetras alfabeto
Letras alfabeto
 
Língua portuguesa 3º
Língua portuguesa 3ºLíngua portuguesa 3º
Língua portuguesa 3º
 
1223564022 organização de_eventos (1)
1223564022 organização de_eventos (1)1223564022 organização de_eventos (1)
1223564022 organização de_eventos (1)
 
Iat
IatIat
Iat
 
Importante
ImportanteImportante
Importante
 
69916211 atendimento (2)
69916211 atendimento (2)69916211 atendimento (2)
69916211 atendimento (2)
 

69916211 atendimento (2)

  • 1. ATENDIMENTO AO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: GARANTINDO O CLIENTE DE AMANHÃ PROFESSORA: MARCIA C. PAVIOTTIPROFESSORA: MARCIA C. PAVIOTTI
  • 2. • Ato ou efeito de atender; • Maneira como habitualmente são atendidos os usuários de determinado serviço. Dicionário houaiss ATENDIMENTO:
  • 3. - CLIENTES EXPERIMENTADORES – são clientes que efetuam compras ocasionais e experimentais. - CLIENTES REGULARES – clientes que compram há anos no mesmo estabelecimento e confiam nesta empresa ou comércio. - CLIENTES DEFENSORES – são clientes regulares e comprometidos com seu estabelecimento. Estão sempre ao lado de sua empresa e fazem negócio com muita freqüência. TIPOS DE CLIENTES:
  • 4. - CLIENTE DECISIVO – ele é autoritário, não quer perder tempo com longas explicações, sabe o que quer analista. Gosta de ser atendido com clareza, objetivo e direto, com precisão técnica. - CLIENTE ANALÍTICO – ele gosta de experimentar, aceita sugestões, é muito visual, decide e age de modo intuitivo, gosta de correr riscos. Gosta de ser atendido de forma criativa, trazendo novidades, com alguns conceitos e idéias de como usar o produto. Ele é aberto a ouvir novidades. - CLIENTE AMIGÁVEL - ele é expressivo e amigável, é sensível aos outros, fala muito, aprecia intimidade e formalidade, é curioso. Gosta de ser atendido com envolvimento e empatia, com calor humano e informalidade – porém com respeito de gentileza. Gosta de envolver-se com o discurso e o produto em demonstração. Possui apreço qdo identifica afinidades pessoais. ESTILOS COMPORTAMENTAIS DE CLIENTES:
  • 5. O QUE MOTIVA O COMPORTAMENTO DO CLIENTE ? • SUAS NECESSIDADESSUAS NECESSIDADES ((“Necessidades” referem-se a“Necessidades” referem-se a aspectos básicos da condição humana – alimentar-se, vestir-se, ter umaspectos básicos da condição humana – alimentar-se, vestir-se, ter um lugar para morar, etc.lugar para morar, etc.) • SEUS DESEJOSSEUS DESEJOS ((São manifestações de nossa vontade.São manifestações de nossa vontade. )
  • 6. Abraham Maslow sugeriu que muito do comportamento do ser humano pode ser explicado pelas suas necessidades e pelos seus desejos. Quando uma necessidade, em particular se torna ativa, ela pode ser considerada um estímulo à ação e uma impulsionadora das atividades do indivíduo. Essa necessidade determina o que passa a ser importante para o indivíduo e molda o seu comportamento como tal. Na teoria de Maslow, portanto, as necessidades se constituem em fontes de motivação.
  • 7. A HIERARQUIA DAS NECESSIDADES HUMANAS NECESSIDADES FISIOLÓGICAS NECESSIDADES SEGURANÇA E ESTABILIDADE NECESSIDADES DE PARTICIPAÇÃO NECESSIDADES DE ESTIMA NECESSIDADES DE AUTO-REALIZAÇÃO
  • 8. • Na base da pirâmide, encontra-se o grupo de necessidades que Maslow considera ser o mais básico e reflexivo dos interesses fisiológicos e de sobrevivência. • O 2º nível da hierarquia é constituído por uma série de necessidades de segurança. Uma vez atendidas as necessidades fisiológicas, a tendência natural do ser humano será a de manter. • Na seqüência, quando a segurança é obtida, surgem as necessidades de pertencer a grupos, associar-se a outras pessoas. Estas necessidades são chamadas de sociais ou de associação.
  • 9. • O passo seguinte na escala de necessidades é o da estima ou de “status”. Neste ponto, as necessidades de destaque, proeminência, reconhecimento e admiração por parte do grupo são manifestadas por ações que buscam diferenciar. • Embora as necessidades de estima sejam difíceis de serem superadas, Maslow sugere que em alguns casos elas podem ser adequadamente satisfeitas atingindo o nível mais alto da hierarquia. Este é o nível das necessidades mais maduras e construtivas da hierarquia de Maslow, conhecidas como necessidades de auto-realização.
  • 10. POR QUE SE PERDE UM CLIENTE ? 1% morte 3% mudam 5% adotam novos hábitos 9% acham o preço alto demais 14% estão desapontados com a qualidade dos produtos 68% estão insatisfeitos com ainsatisfeitos com a atitude do pessoalatitude do pessoal ( má qualidade do serviço)
  • 11. COMO LIDAR COM CLIENTES INSATISFEITOS: • Compreenda o problemaCompreenda o problema A comunicação é o segredo aqui. Descubra qual é o problema e o que deu errado. Problemas técnicos podem ser simples e problemas pessoais muito mais complicados. Um cliente aborrecido pode deixar todo mundo na defensiva, por isso, certifique-se de que a solução não seja encontrar culpados, mas compreender o problema. • Ouça o cliente, descubra os assuntos pertinentesOuça o cliente, descubra os assuntos pertinentes Munido deste conhecimento desde o primeiro momento, você poderá agora ouvir o seu cliente e compreender o problema sob o seu ponto de vista. Deixe que eles dêem vazão às suas queixas. Ouvir pode ser o fator mais importante durante o processo de pacificação e é fundamental para a resolução do problema. Determine o problema junto ao cliente.
  • 12. • Trabalhe em uma soluçãoTrabalhe em uma solução Neste momento, você deve ter uma definição minuciosa sobre o problema. Tente obter uma clareza absoluta sobre o que deu errado e especialmente, sobre como você irá resolver isto. Agora você pode criar uma solução que funcione para você e para o seu cliente. Esboce um contrato, definindo primeiro o problema e, em seguida, o resultado acordado. Você poderá ter que alterar o seu contrato com o cliente ou formular um novo. Se o problema for sua culpa, o seu cliente terá apenas ajudado você a melhorar o seu negócio. • Implemente a soluçãoImplemente a solução Dependendo da complexidade, você pode ter que seguir adiante e planejar a solução. Acorde um conjunto de indicadores e um prazo para a implementação. Se necessário, esteja preparado para contratar mão-de- obra terceirizada para ajudá-lo a solucionar os problemas. Mantenha seu cliente detalhadamente informado durante todo o caminho. Revise os contratos e verifique todas as taxas e novas adições, como cláusulas de suporte revisadas.
  • 13. • Acompanhamento e retornoAcompanhamento e retorno O acompanhamento da solução junto ao cliente garante queO acompanhamento da solução junto ao cliente garante que tudo esteja sendo feito para obter a sua satisfação. Investigue atudo esteja sendo feito para obter a sua satisfação. Investigue a sua própria equipe, examine e certifique-se de que ossua própria equipe, examine e certifique-se de que os problemas ocorridos no seu território estejam solucionados. Istoproblemas ocorridos no seu território estejam solucionados. Isto poderá envolver políticas e procedimentos.poderá envolver políticas e procedimentos. Agora, mais do que nunca, é importante permanecerAgora, mais do que nunca, é importante permanecer constantemente pró-ativo em relação à satisfação do cliente.constantemente pró-ativo em relação à satisfação do cliente. Um cliente insatisfeito, com todos os seus problemas, podeUm cliente insatisfeito, com todos os seus problemas, pode oferecer esclarecimentos incalculáveis; geralmente, problemasoferecer esclarecimentos incalculáveis; geralmente, problemas que deixaram um cliente insatisfeito irão evoluir para um nívelque deixaram um cliente insatisfeito irão evoluir para um nível maior ou menor para outros. Estes clientes podem não estarmaior ou menor para outros. Estes clientes podem não estar berrando ou gritando … eles podem apenas estar partindo. Porberrando ou gritando … eles podem apenas estar partindo. Por isso, você pode ficar feliz pelo cliente insatisfeito: ele pode estarisso, você pode ficar feliz pelo cliente insatisfeito: ele pode estar na verdade ajudando o seu negócio de várias maneiras.na verdade ajudando o seu negócio de várias maneiras.
  • 15. PROMETER E NÃO CUMPRIR INDIFERENÇA E ATITUDES INDELICADAS NÃO OUVIR O CLIENTE DIZER QUE ELE NÃO TEM O DIREITO DE ESTAR “IRADO” AGIR COM SARCASMO E PREPOTÊNCIA QUESTIONAR A INTEGRIDADE DO CLIENTE DISCUTIR COM O CLIENTE NÃO DAR RETORNO AO CLIENTE USAR PALAVRAS INADEQUADAS APRESENTAR APARÊNCIA E POSTURA POUCO PROFISSIONAIS
  • 16. O QUE QUEREM OS CLIENTES IRRITADOS ?
  • 17. SER LEVADOS A SÉRIO. SER TRATADOS COM RESPEITO. QUE SE TOME UMA AÇÃO IMEDIATA. GANHAR COMPENSAÇÃO/ RESTITUIÇÃO. VER PUNIDO OU REPREENDIDO QUEM ERROU COM ELES. TIRAR A LIMPO O PROBLEMA, PARA QUE NUNCA ACONTEÇA OUTRA VEZ. QUEREM...
  • 18. RAZÕES PARA A EXCELÊNCIA NORAZÕES PARA A EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO AO CLIENTEATENDIMENTO AO CLIENTE O cliente bem tratado volta sempre.O cliente bem tratado volta sempre. O profissional de atendimento tem 70%O profissional de atendimento tem 70% da responsabilidade sobre a satisfaçãoda responsabilidade sobre a satisfação do cliente .do cliente . Nem sempre se tem uma segundaNem sempre se tem uma segunda chance de causar boa impressão.chance de causar boa impressão. Relações eficazes com os clientes ,Relações eficazes com os clientes , aliadas à qualidade técnica e preçoaliadas à qualidade técnica e preço justo , fortalecem a opinião públicajusto , fortalecem a opinião pública favorável à Empresa.favorável à Empresa.
  • 19. RAZÕES PARA A EXCELÊNCIA NORAZÕES PARA A EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO AO CLIENTEATENDIMENTO AO CLIENTE Opinião pública favorável suscita lucrosOpinião pública favorável suscita lucros e boas relações profissionais gerame boas relações profissionais geram produtividade .produtividade . Recuperar o cliente custará pelo menosRecuperar o cliente custará pelo menos 10 vezes mais do que mantê-lo.10 vezes mais do que mantê-lo. CadaCada cliente insatisfeitocliente insatisfeito conta paraconta para aproximadamenteaproximadamente 20 pessoas ,20 pessoas , enquantoenquanto que os satisfeitos contam apenas paraque os satisfeitos contam apenas para cinco.cinco.
  • 20. TÉCNICAS PARA GARANTIR A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES: Leve as coisas pelo lado profissional, não pessoal. Detecte o estresse prematuramente e previna-o. Trate cada pessoa como um cliente para conseguir mais cooperação. Vise à satisfação do cliente e não apenas ao serviço.  Solucione problemas sem culpar a si próprio ou aos  outros.  Pratique técnicas comprovadas.  Estimule o feedback continuo.
  • 21. • Tome banho diariamenteTome banho diariamente • Faça a barbaFaça a barba • Bigodes aparadosBigodes aparados • Lave bem as mãos: Método por escritoLave bem as mãos: Método por escrito • Não utilize perfumesNão utilize perfumes HIGIENE PESSOAL
  • 22. • JóiasJóias Não usar nenhum tipo de adorno;Não usar nenhum tipo de adorno; • CabeloCabelo CCoberto TOTALMENTE pela toucaoberto TOTALMENTE pela touca;; • UnhasUnhas Conservar unhas curtas, sem esmalte e limpas;Conservar unhas curtas, sem esmalte e limpas; • GeralGeral Não fumar próximo aos alimentos.Não fumar próximo aos alimentos. BPF (BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO) - PESSOAL
  • 23. UniformeUniforme - Use calçados fechados, uniforme limpo, de cor clara e de uso exclusivo no trabalho; - Usar Aventais Plásticos apenas no Setor de Lavagem; - Se Estiverem Sujos ou Manchados devem ser trocados imediatamente. BPF (BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO) - PESSOAL
  • 24. Atitudes AdequadasAtitudes Adequadas • Evite colocar as mãos nos alimentos;Evite colocar as mãos nos alimentos; • Não toque o corpo ou enxugue o suor com as mãos,Não toque o corpo ou enxugue o suor com as mãos, panos ou roupa;panos ou roupa; • Não assobie, chupe balas, masque chicletes e etc;Não assobie, chupe balas, masque chicletes e etc; • Não prove alimentos com as mãos ou colherNão prove alimentos com as mãos ou colher recolocando-a em seguida na panela.recolocando-a em seguida na panela. BPF (BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO) - PESSOAL
  • 25. • Umedecer as mãos e antebraços com água; • Lavar com sabonete líquido, neutro e inodoro ou bactericida; • Enxaguar bem as mãos e antebraços; • Secar as mãos com papel toalha não reciclado ou qualquer outro método de secagem que não permita a recontaminação das mãos; • Aplicar o anti-séptico, deixando secar naturalmente; • Os anti-sépticos utilizados devem ter registro no MS para esta finalidade. TÉCNICA PARA LAVAGEM DE MÃOS
  • 26. COMPARTIMENTO DE PÃES • Manter o local sempre muito limpo; • Pegadores no local; • Retirar o pão quando este ficar impróprio para a venda (amassado, queimado, casca dura); • Não colocar muito pão de uma só vez, para não amassar os que ficam embaixo; • Separar as baguetes dos pãezinhos; • Fazer uma bela exposição para que o cliente sinta vontade de comprar; • Se o pegador cair no chão, lavá-lo antes de voltar a usar. ORGANIZAÇÃO DO POSTO DE TRABALHO
  • 27. ORGANIZAÇÃO NO BALCÃOORGANIZAÇÃO NO BALCÃO • Manter os preços nos lugares certos e todos os produtos com preços; • Manter as bandejas limpas e brilhando; • Fazer a troca ou reposição de produtos; • Fazer a manutenção do balcão; • Fazer rodízio de produtos; • Limpar vidros da vitrine e mantê-la fechada; • Manter os balcões limpos. REPOSIÇÃO DE SALGADOS NA VITRINEREPOSIÇÃO DE SALGADOS NA VITRINE • De preferência, fritar a medida que foram sendo utilizados, para que não fiquem com sabor alterado; • Verificar quais os horários em que são mais consumidos para que haja sempre salgados em boa quantidade. ORGANIZAÇÃO DO POSTO DE TRABALHO
  • 28. REPOSIÇÃO DE PÃES EMBALADOS • Completar os espaços vazios com pães repetidos; • Ter cuidado para não amassar os pães; • Verificar a data de validade diariamente; • O que não couber na prateleira fica no armário; • Todos os pães devem ter a data de fabricação, preço por quilo e preço unitário. REPOSIÇÃO DO FREEZER • Acondicionar os produtos conforme as marcas; • Fazer rodízio de produtos; • Deixar no máximo 5 porções de queijo Minas para fazer sanduíches, cada porção deve ter 70g; • Os frios devem ficar guardados embrulhados em plástico para não congelarem; • Secar a geladeira ao final do expediente; • Quando houver reposição de produtos limpar o local antes; • Fazer rodízio de produtos. Os mais antigos na frente, os mais novos atrás. ORGANIZAÇÃO DO POSTO DE TRABALHO
  • 29. HIGIENE E FATIAMENTO DE FRIOS 1- Tipos de contaminação1- Tipos de contaminação FÍSICA –FÍSICA – Ocorre quando corpos estranhos são incorporados aosOcorre quando corpos estranhos são incorporados aos alimentos. Exemplo: Fragmentos de metais, pequenos curativos, anel.alimentos. Exemplo: Fragmentos de metais, pequenos curativos, anel. QUÍMICAQUÍMICA – Ocorre quando substâncias químicas são incorporadas aos– Ocorre quando substâncias químicas são incorporadas aos alimentos. Exemplo: produtos de limpeza armazenados junto com osalimentos. Exemplo: produtos de limpeza armazenados junto com os alimentos, reaproveitamento das embalagens.alimentos, reaproveitamento das embalagens. BIOLÓGICABIOLÓGICA – Quando microrganismos (vírus, fungos, bactérias) ou– Quando microrganismos (vírus, fungos, bactérias) ou parasitas são incorporados aos alimentos. Exemplo: má higiene dasparasitas são incorporados aos alimentos. Exemplo: má higiene das mãos, tosse, espirro, etc...mãos, tosse, espirro, etc... 2- Assegurando a qualidade dos embutidos:2- Assegurando a qualidade dos embutidos: As doenças de origem alimentar podem ser evitadas com a realização da:As doenças de origem alimentar podem ser evitadas com a realização da: - Manutenção da cadeia do frio (conservação em temperaturas- Manutenção da cadeia do frio (conservação em temperaturas adequadas);adequadas); - Higiene pessoal e dos hábitos corretos do manipulador;- Higiene pessoal e dos hábitos corretos do manipulador; - Higiene ambiental (equipamentos e instalações).- Higiene ambiental (equipamentos e instalações).
  • 30. HIGIENE E FATIAMENTO DE FRIOS 3 – Conservação em temperaturas adequadas Citaremos a seguir alguns procedimentos para evitar as oscilações de temperatura: •A temperatura dos produtos deve ser mantida em todas as etapas do processo (recebimento, estocagem, exposição e manipulação); •Evitar colocar quantidade excessiva de fatiados numa mesma bandeja para a sua devida refrigeração nos balcões. Máximo 200 g por bandeja; •Organizar as bandejas de fatiados e os produtos inteiros em número adequado a circulação de ar nos balcões expositores;
  • 31. HIGIENE E FATIAMENTO DE FRIOS •Realizar a manutenção constante dos balcões expositores e câmaras verificando a temperatura adequada; •Não desligar o balcão expositor à noite na tentativa de economizar energia, pois as bactérias podem se multiplicar no alimento e oferecer danos à saúde do consumidor; •Retirar os produtos perecíveis dos balcões e câmaras, se a manutenção for demorada. LEMBRETE !LEMBRETE ! O tempo de manipulação dos produtos perecíveis emO tempo de manipulação dos produtos perecíveis em temperatura ambiente não deve exceder a 30 minutos por lote etemperatura ambiente não deve exceder a 30 minutos por lote e a 2 horas em área climatizada entre 12ºC e 18ºC (Portaria CVS –a 2 horas em área climatizada entre 12ºC e 18ºC (Portaria CVS – 6/99 de 10/03/99).6/99 de 10/03/99).
  • 32. HIGIENE E FATIAMENTO DE FRIOS Manipulação Para evitar a perda de qualidade e contaminações dos produtos devemos: •Nunca fatiar produtos cárnicos na mesma fatiadeira de queijos. Se isto não for possível, higienizá-la a cada fatiamento; •Produtos com aparência alterada (cor esverdeada, consistência pegajosa são consideradas impróprios para o consumo e não devem ser comercializados; •Todos os produtos já abertos devem ser protegidos (embalados após o uso). A exposição ao ar favorece a mudança de cor e a contaminação; •Produtos impróprios para consumo devem ser estocados numa área isolada e destinada para este fim, ao invés de deixar em áreas de manipulação; •Retirar dos balcões, geladeiras e câmaras apenas as peças para fatiar de imediato, evitando a exposição por muito tempo em temperaturas inadequadas; •O adequado é o fatiamento de acordo com a solicitação do cliente e na sua presença.
  • 33. HIGIENE AMBIENTAL Etapas obrigatórias nos procedimentos de higienização: •Limpeza para a remoção de sujidades e lavagem com água e sabão ou detergente neutro; •Enxágüe; •Desinfecção química – deixar o desinfetante em contato com a superfície, conforme a recomendação do fabricante; •Enxágüe obrigatório para superfícies que entram em contato direto com os alimentos.
  • 34. HIGIENE AMBIENTAL Piso •O piso da área de fatiamento deve ser lavado com detergente neutro e desinfetados pelo menos uma vez por dia; •Após o fatiamento, ou quando necessário, deve-se recolher os resíduos do piso com toalha descartável e eliminá-la após o uso. Pode-se utilizar também um pano úmido destinado apenas para a limpeza do piso; •É proibido varrer a seco o setor, pois a poeira contamina os alimentos. Deve-se utilizar pano úmido, mop (esfregão) ou lavar o piso. Lixeira •A lixeira necessita ser lavada e desinfetada diariamente; •Não deixar acumular lixo no setor; manter a lixeira sempre tampada, com saco plástico e afastada da mesa de fatiamento.
  • 35. HIGIENE AMBIENTAL Bancadas/Mesas e Pias •Evitar acúmulo de utensílios e recipientes sujos nas bancadas ou pia. Tudo deve ser lavado, enxugado e guardado após o uso. Lavar, desinfetar e enxugar mesas e bancadas diariamente para a redução do número de microrganismos; •A limpeza das bancadas deve ser constante durante o expediente, evitando acúmulo de resíduos (líquidos e sólidos); •Bancadas e pias de granito e principalmente mármores devem ser periodicamente vistoriadas para verificar-se a presença de rachaduras e/ou porosidades e esfarelamento.
  • 36. HIGIENE AMBIENTAL Utensílios / Recipientes •Lavar utensílios e recipientes, peças móveis da fatiadeira com detergente neutro e enxaguar em água corrente; •É necessária a utilização de toalha descartável (de material não reciclado) para enxugar utensílios e limpar a área de trabalho; •Bandejas, embalagens, utensílios e recipientes que entrem em contato direto com alimentos devem ser protegidos da poeira para evitar a contaminação.
  • 37. HIGIENE AMBIENTAL Exposição Segue abaixo algumas dicas da exposição adequada dos embutidos: •Abastecer os balcões expositores de acordo com o fluxo de consumidores da loja; •Manter os balcões e geladeiras sempre limpos para favorecer a venda; •As embalagens dos produtos devem estar em perfeito estado, as danificadas devem ser retiradas imediatamente da área de vendas; •O rótulo da embalagem deve estar voltado para frente para facilitar a escolha dos produtos; •Não deixar de praticar o PEPS (primeiro que entra é o primeiro que sai); •Os preços deve estar bem visíveis nas lojas automatizadas e nas que etiquetam os produtos.
  • 38. HIGIENE AMBIENTAL Como evitar a exposição dos Produtos à luz. A exposição à luz acelera as reações oxidativas no produto onde ocorre a mudança de cor na superfície do embutido. Citaremos a seguir alguns procedimentos para evitar a exposição à luz intensa: •Retirar a película protetora (revestimento interno) do embutido somente da área a ser fatiada; •Manter as peças abertas em locais poucos iluminados, pois já foram expostas ao ar e estão mais sujeitas a mudança de cor; •Para evitar a mudança de cor na superfície dos embutidos é recomendável envolver as peças com filme plástico ou papel alumínio.