Pensar a supervisão de estágio em serviço social

993 visualizações

Publicada em

Discutindo a Supervisão Acadêmica.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
993
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pensar a supervisão de estágio em serviço social

  1. 1. PENSAR A SUPERVISÃO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL José Ricardo Gonçalves Assistente Social CRES nº 51570 – 9ª REGIÃO
  2. 2. PENSAR A SUPERVISÃO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL A questão é desafiadora para todos que trabalham com processos educativos. Na formação em Serviço Social, isso não é diferente, a realidade social exige reflexões contínuas dos Assistentes Sociais sobre como formar profissionais conscientes, competentes, críticos e propositivos em suas intervenções, face às diversas expressões da questão social, matéria prima do trabalho do assistente social. SUPERVISÃO DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL Pensar a supervisão de estágio pelas suas relações e seus processos é um desafio. Isso implica pensar dialeticamente o seu fazer pedagógico, o que inclui a postura investigativa diante dos elementos novos que emergem à universidade, voltados à formação. Isso dá acessibilidade a aluno e supervisores, para participarem do processo de objetivação e apropriação do conhecimento da realidade. Sob esse ponto de vista, a supervisão como processo, articula exercício e formação, uma vez que ela está vinculada à atividade concreta de estágio. Entende-se que essa atividade permite ao acadêmico transformar o que aprendeu em posturas, produtos, serviços ou informações. Desse modo, no final do processo, são os usuários do Serviço Social que passam a encontrar, no atendimento qualificado nas instituições, o justo acesso aos direitos sociais e a garantia dos direitos humanos. APRENDER A APRENDER A pedagogia histórico-crítica procura desvelar a contradição da sociedade contemporânea, que se apresenta como a sociedade do conhecimento e que, entretanto, ao contrário do que é apregoado , não cria as condições para uma real socialização do saber (DUARTE, 2000b, p.1-9). Aliás, mais que um lema, Aprender a aprender significa a ampla parcela de intelectuais da educação na atualidade, um verdadeiro símbolo das posições pedagógicas mais inovadoras, progressistas e, portanto, sintonizadas com o que seriam as necessidades dos indivíduos e da sociedade desse século. TRÍADE O desdobramento da atividade de planejamento em outras atividades, como de acompanhamento e de avaliação do processo de trabalho do estagiário, atribui à supervisão um repensar continuo e o fortalecimento do processo da tríade. Nota-se que toda a atividade humana envolve, em alguma medida, tanto a ação concreta sobre a realidade quanto a abstração dessa realidade. Assim sendo, é possível afirmar que teoria e prática são indissociáveis; isso equivale a dizer que toda atividade humana envolve algum grau de reflexão. Essa construção do pensamento concretiza-se, pois, da seguinte forma: “[...] parte-se do empírico, passa-se pelo abstrato e chega-se ao concreto [...]” (SAVIANI, 1992, p. 11).
  3. 3. O termo tríade é nomenclatura adotada para configurar o trabalho que pode se estabelecer entre o assistente social de campo, o supervisor acadêmico e o estagiário, uma vez que a elaboração de planos de estágios deve ser feita em conjunto entre as unidades de ensino e campo de estágio, conforme recomendação das Diretrizes Curriculares do Serviço Social — aprovada em assembléia geral da categoria profissional, em dezembro de 1996, e homologada pelo MEC em abril de 2001. SABER BEM... FAZER BEM... O advérbio bem, apontado por Rios, possui um valor que não apresenta apenas um caráter moral, pois o bem não se desvincula dos aspectos técnicos e nem dos aspectos políticos da atuação do educador. É importante não confundir saber bem ou fazer bem com conhecer o bem, fazer o bem. Como não há uma essência histórica de bem, o bem é definido no âmbito de valores criados socialmente em nossa sociedade, muitas vezes o que se qualifica de bem é extremamente contestável, na medida em que atende a certos interesses, favorecendo incontestavelmente certa parcela dessa sociedade. A qualidade da supervisão de estágio passa a ser prejudicada, à medida que o processo de aprendizagem dos alunos não se realiza de forma reflexiva e crítica. A postura que sustenta a qualidade é o compromisso dos estagiários entre eles e deles com os usuários, não pode apenas se vincular à afetividade, ao pensamento espontâneo, ao fazer bem. Essa postura precisa ser constantemente problematizada de forma coletiva e individual, alicerçada nas expectativas de cada usuário dos serviços sociais, uma vez que este espera do profissional ação firme, constante e conseqüente. As ações cotidianas dos assistentes sociais estão impregnadas de responsabilidade coletiva e pública, ou seja, responsabilidade com a categoria profissional e com a população usuária de seus serviços. Do mesmo modo, o discurso sinaliza que as implicações do agir profissional ultrapassam as “boas intenções”, implicando compromisso social frente à população. SUPERVISÃO: Historicamente, a supervisão corresponde a uma das atividades mais antigas de ensinar e de aprender. O ato de supervisionar pode ser examinado desde a Grécia Antiga, quando era considerado treinamento para estudantes. Na Idade Média, a supervisão ocorria na atitude das autoridades que enviavam um professor às escolas, buscando ter certeza de que os aspectos morais e religiosos da instrução estavam sendo desenvolvidos. Percebe-se também que, naquela época, devido às confrarias, corporações de ofícios e outras atividades afins, havia um sistema prático de aprendizagem. Nesse sentido, o aprendiz residia com a família do mestre, recebendo dele os ensinamentos para a execução do ofício. Isso, para Medina (1995), se caracterizava como uma modalidade de supervisão, por orientar e inspecionar.
  4. 4. Já na Idade Moderna, na área da indústria, esfera de ação que teve suas origens no campo administrativo, a supervisão visava mais diretamente a capacitação do indivíduo, com vistas à produtividade, ou seja, à qualidade e à quantidade da produção. Busca-se como referência a primeira fase da Revolução Industrial, na qual, a supervisão na área de produção surgiu “[...] das fábricas para garantir o adestramento de comportamentos e desempenhos que possibilitassem o uso de técnicas para assegurar o sucesso da produção” (MEDINA, 1995, p. 42). A supervisão em Serviço Social emergiu, como um “[...] modo de treinamento de pessoal (pago ou voluntário), que trabalhava nas organizações de caridade e que devia ser instruído nos princípios e métodos das instituições a que estivesse ligado” (ANDER-EGG, 1974, p. 248). Segundo o autor, a supervisão desenvolveu-se para enfrentar as necessidades de orientação, coordenação, formação e administração, embora seu vínculo maior estivesse ligado à área de trabalho. O Serviço Social não era ainda profissão, mas, sim, vocação ou trabalho (VIEIRA, 1979), e o pensamento, até o final da primeira Guerra Mundial, era o de que o estágio se concretizava por um treinamento prático vocacional. A aprendizagem ocorria na ação e no trabalho de campo. Assim, era significativo “aprender fazendo”. Posteriormente, a função de ensino foi incorporada à supervisão, por influências das idéias de Mary Richmond (1950) e das teorias de John Dewey (VIEIRA, 1979). Para ele, a experiência concreta da vida apresentava-se sempre diante de problemas que a educação poderia ajudar a resolver. SUPERVISÃO ACADÊMICA E A SUPERVISÃO DE CAMPO: O contexto e o conceito nos quais se inserem a supervisão e o supervisor convocam a pensar sobre o que a categoria busca diante das novas configurações do mundo do trabalho, dos desafios da profissão e das exigências no processo de supervisão quanto às práticas reiterativas expressas na dicotomia entre teoria e prática, sendo uma delas a denominação atribuída ao supervisor como “professor da prática”. Essa expressão é aqui compreendida como produto histórico e, como tal, adquire sentido e inteligibilidade no processo pedagógico da supervisão. OS NÓS DA SUPERVISÃO: Deixar o aluno à educação espontânea da sociedade é também deixá-lo ao autoritarismo de uma sociedade nada espontânea, pois, reafirmando Gadotti (1998, p. 148), o papel do educador é o de “[...] intervir, posicionar-se, mostrar um caminho e não se omitir. A omissão é também uma forma de intervenção [...]”. Essa fase demarcou uma preocupação com o aluno em relação às suas potencialidades, fragilidades, ritmo de trabalho e necessidades pessoais, cuja pedagogia servia, acima de tudo, aos interesses da nova sociedade burguesa.
  5. 5. Segundo o autor, poucos foram os pedagogos dessa tendência que superaram o pensamento burguês, para demonstrar a exploração do trabalho e a dominação política, próprias da sociedade de classes. Uma latente é a questão da falta de clareza quanto ao papel do aluno como um sujeito em processo de formação profissional e não de substituição de mão-de- obra, quando a temática deveria ser a construção da identidade profissional. A afirmação sobre o desvirtuamento no processo de construção da identidade faz lembrar o que Martinelli (2003) chamou como “identidade atribuída”. Na medida em que o campo de estágio, ao atribuir ao aluno responsabilidades que são pertinentes ao profissional, lhe confere um status que ele ainda não possui ao mesmo tempo em que desvaloriza o processo formativo e a profissão em si. IDENTIDADE PROFISSIONAL: Sobre identidade, Burriolla (1994) afirma que a matriz da identidade profissional está na relação com o seu supervisor de campo, e não com o professor, o supervisor da faculdade. Com essa idéia, a autora restringe o processo de construção de identidade profissional a uma dimensão operacional, de preparação para o trabalho do assistente social. A identidade profissional, todavia, não tem uma localização espacial e temporal delimitada, ela vai se construindo, simultaneamente, durante o processo de formação, continuando durante todo o exercício profissional. VINCULOS TRABALHISTAS? Fatores que comprometem o processo de aprendizado é a vinculação da figura do estagiário com a de funcionário responsável pela prestação de serviços institucionais, elemento que revela presença de um caráter voluntarista no processo da supervisão de estágio do campo. Desse modo, a supervisão realizada, devido ao desejo do profissional em contribuir com a formação, embora cumpra as formalidades legais e institucionais, necessariamente pode não ser identificada pelo assistente social como uma das suas atribuições. Isso requer, principalmente por parte dos supervisores, uma visão de totalidade quanto aos riscos da “[...] inexistência de uma política efetiva, tornando o aluno um trabalhador explorado. Por outro lado, há que não se confundir política de estágio com procedimentos de organização do ensino da prática [...]” (NOGUEIRA, 2001, p. 9). PROBLEMATIZAR: O sentido atribuído a “[...] problematizar não só o teu fazer, mas o fazer do teu supervisor” traduz-se como uma situação pedagógica que convida à formulação de problemas norteadores, no sentido de provocar, de procurar respostas sobre a questão direcionada à reflexão. Quando o supervisor problematiza com o aluno, está estimulando a atividade criativa deste, já que deve elaborar hipóteses, isto é, explicar, esquematizar, ter pressupostos, situação que difere da de se oferecer
  6. 6. tudo pronto. O processo de supervisão é terreno fértil para essa metodologia. Ao iniciar pela problematização, as informações posteriores a que os alunos terão acesso já se organizarão em um quadro de significação. OS DESAFIOS DA SUPERVISÃO ACADÊMICA E A SUPERVISÃO DE CAMPO: A indissociabilidade entre a supervisão acadêmica e a de campo ou profissional, na atividade de estágio, ainda permanece como um desafio para manter o compromisso coletivo entre supervisor acadêmico, supervisor de campo e estagiário — o que foi designado como tríade. Desafios e compromissos também são atinentes às instituições às quais os diferentes profissionais estão vinculados. As referências a condições objetivas para a realização dessa atividade constituem- se em elementos significativos que podem servir de pistas explicativas para a falta de clareza e de reconhecimento, por parte de alguns assistentes sociais de campo, de que a supervisão de estágio é atribuição privativa e compõe o seu processo de trabalho. O PENSAMENTO CRÍTICO: É algo que todos fazem, mas quase ninguém realmente pensa criticamente nem sabe o que é tal coisa. A ideia generalizada é que o pensamento crítico consiste em "dar a nossa opinião". Isto está tão próximo da verdade como dizer que uma bicicleta é uma coisa com rodas. Uma bicicleta é de fato uma coisa com rodas, mas não basta que algo tenha rodas para que seja uma bicicleta. Do mesmo modo, o pensamento crítico passa certamente por "dar a nossa opinião" — mas isso não é suficiente. Podemos perfeitamente dar a nossa opinião e não estarmos de modo algum a pensar de modo crítico. Pensar de forma crítica é saber defender as nossas opiniões com argumentos rigorosos, claros e sistemáticos. E é neste aspecto que a filosofia, encarada como uma forma de pensamento crítico se aproxima da ciência. Um apelo constante ao pensamento crítico, à argumentação. Não basta a um físico dizer que refutou a teoria de Einstein: ele terá de dizer rigorosamente que aspecto da teoria de Einstein ele afirma que refutou e terá de apresentar argumentos poderosos, alguns dos quais de caráter experimental, para sustentar a sua afirmação. Do mesmo modo, em filosofia, não basta afirmar que "o homem é um ser situado"; é preciso começar por esclarecer o que quer tal coisa dizer realmente, e depois é preciso apresentar argumentos rigorosos, sistemáticos e claros que sustentem tal afirmação. Infelizmente, quem afirma este tipo de coisa em filosofia começa logo por nem esclarecer o que quer dizer a própria expressão de partida, pelo que nem vale a pena dar-lhes ouvidos. O pensamento crítico é o pensamento que sabe usar os instrumentos argumentativos à nossa disposição, que são disponibilizados pela lógica formal e informal. Pensar criticamente é saber sustentar as nossas opiniões com
  7. 7. argumentos sólidos e não cometer falácias nem basear as nossas opiniões em jogos de palavras e em maus argumentos de autoridade. A filosofia e o pensamento crítico são a nossa melhor defesa contra a superstição. Perante as afirmações temerárias dos líderes religiosos e dos nossos políticos, a filosofia e o pensamento crítico dão-nos instrumentos para refletir sistemática, rigorosa e claramente, de modo a determinarmos se isso que eles dizem é ou não é realmente sustentável. Ora, a humanidade não irá sobreviver se for incapaz de encontrar soluções criativas e seguras para os problemas que enfrenta, e se substituir estas pelas soluções obscurantistas dos que defendem antes de mais a autoridade religiosa, a atitude acrítica perante outras pseudociências e a passividade perante as propostas tantas vezes absurdas dos nossos políticos. E os desafios que teremos de enfrentar à longo prazo, como espécie, são muito maiores do que a generalidade das pessoas, pelo que a necessidade de um pensamento límpido e solidamente ancorado em bons argumentos é incontornável. A filosofia e o pensamento crítico permitirão conceber soluções criativas e sustentadas para os problemas que enfrentamos pois implicam a tolerância e o respeito, que tanta falta fazem no mundo contemporâneo. A filosofia e o pensamento crítico exigem uma postura de cordialidade atenta, pois temos de escutar cuidadosamente os argumentos das outras pessoas para, juntos, encontrarmos argumentos melhores e soluções mais adequadas. O nosso futuro como espécie depende em grande parte da capacidade que tivermos para cultivar o pensamento crítico — essa atitude que a ciência descobriu nos séculos XVII e XVIII e que a filosofia aprofundou nos séculos XIX e XX. Compete a cada um de nós, profissionais da ciência e da filosofia, divulgar não apenas os conteúdos próprios de cada uma das nossas áreas do conhecimento, mas também essa atitude que constitui o maior monumento alguma vez erguido por mão humana: o pensamento crítico e a inteligência.
  8. 8. REFERÊNCIAS ANDER-EGG, Ezequiel. Dicionário de Trabajo Social: Cadernos de trabajo social. 11. coedición. Buenos Aires: ECRO-ILPH, 1974. BURIOLLA, Marta A. Feiten. Supervisão em Serviço Social. O supervisor, sua relação e seus papéis. São Paulo: Cortez, 1994. DUARTE, Newton. Vigostski e o “aprender a aprender”: critica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. Campinas: Autores Associados, 2000b. GADOTTI, Moacir. Pensamento pedagógico brasileiro: A dialética entre o afetivo e o cognitivo. 2. ed. São Paulo: Ática 1988. MEDINA, Antônia da Silva. Supervisão escolar da ação exercida à ação repensada. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1995. NOGUEIRA, Vera Maria Ribeiro. A formação do assistente social: Convergências, controvérsia e desafios. Florianópolis: Universidade de Santa Catarina - Departamento de Serviço Social 2001. Mimeo. SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica: Primeiras aproximações. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1992. VIEIRA, Balbina Ottoni. Supervisão em Serviço Social. 2. ed. Rio de Janeiro: Agir, 1979.

×