Pedro InêS K M A

863 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
863
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pedro InêS K M A

  1. 1. Os amores de D.Pedro e D. Inês<br />
  2. 2. Teor Social<br />Sociedade Medieval<br />OradoresDefensores<br />Mantedores<br />
  3. 3. Durante os tempos medievais (entre os séculos V e XV ) a sociedade era rural. A principal actividade económica era a agricultura e a maioria da população trabalhava no campo. <br />Nesta época o serviço religioso era muito importante; os padres e os monges dos mosteiros eram muito respeitados pela sociedade. <br />As pessoas bem nascidas, a nobreza, os que eram os donos das terras , defendiam os território.<br />
  4. 4. Teor Político<br />Monarquia Hereditária<br />Rei: D. Afonso IV<br /> Rainha: Dª. Beatriz<br /> Príncipe Herdeiro: D. Pedro<br />Esposa de D. Pedro: Dª. Constança<br />
  5. 5. Um mal que vinha por bem<br />A saúde de Dª. Constança e os desgostos de uma vida amargadura não iriam permitir-lhe durar muito tempo. <br />D. Pedro não a amava.<br />Teve três filhos: <br />O infante D. Luís, que pouco depois de nascer, faleceu;<br />A infanta Dª: Branca;<br />O infante, D. Fernando, que foi amamentado e criado por uma ama de confiança. <br /> E Dª. Constança, infeliz no matrimónio, acabou por morrer de parto , a seguir ao nascimento do segundo filho.<br />
  6. 6. Cartas Clandestinas<br />Por altura da morte de Dª: Constança, andava o rei D. Afonso IV em grande questão com o bispo do Porto, devido aos amores de D. Pedro e Dª: Inês.<br />D. Afonso IV resolveu encontrar uma solução para o caso e obrigou a amante do filho a exilar-se para a terra de Albuquerque. <br />Mas a distância não separou os apaixonados, que comunicavam entre si por cartas levadas e trazidas secretamente. <br />
  7. 7. Amor louco<br />Mas o sentimento do casal enamorado era tão profundo que D.Pedro, contra a vontade de seu pai , mandou vir Dª: Inês para Coimbra. <br />Habitaram no paço de Santa Clara, na margem esquerda do Rio Mondego. <br />Ali nasceram os seus filhos: dois meninos e uma menina sobreviveram e cresceram, saudáveis e rodeados de carinho .<br />D. Afonso IV, apesar de tal desobediência, não queria, por sua vontade, entrar em guerra com o Infante, até para não desgostar Dª. Beatriz. <br />
  8. 8. As razões do estado<br />Já quase há dez anos falecera Dª. Constança, e o seu filho, D. Fernando, vivia em Lisboa, nos paços reais do avô, sendo educado para um dia subir ao Trono de Portugal. <br />Mas os conselheiros da corte repetiam ao rei D. Afonso IV as consequências para o futuro do país se Dª. Inês viesse a ser rainha. <br />Efectivamente ela pertencia à nobre família galega dos Castros, ambiciosos, que não desistiam das pretensões ao trono Castelhano. Ora poderia dar-se o caso de um filho de Dª. Inês vir a ser rei de Portugal, ainda que para tal fosse preciso matar o legítimo herdeiro do reino.<br />
  9. 9. O triste luar de Janeiro<br />Depois de viverem no Norte, D. Pedro e Dª Inês regressaram a Coimbra e esta fizera do Paço de Santa Clara a sua residência. <br />Havia boatos de que o príncipe se tinha casado secretamente com Dª. Inês. A ser verdade, tal , na família real, assumiria graves implicações políticas. A 7 de Janeiro de 1355, o rei D. Afonso IV cedeu às pressões dos seus conselheiros e decidiu que a melhor solução seria matar a dama galega. <br />Na ausência de Pedro, fidalgos da confiança do rei matam Inês de Castro.<br />Segundo a lenda, as lágrimas derramadas no rio Mondego pela morte de Inês teriam criado a Fonte dos Amores da Quinta das lágrimas .<br />
  10. 10. A morte de Dª. Inês provocou a revolta de D. Pedro contra D. Afonso IV. <br />Após meses de conflito, a rainha Dª. Beatriz conseguiu intervir para selar uma paz ,em Agosto de 1355.<br />
  11. 11. O funeral da rainha<br />Já rei, D. Pedro fez uma homenagem merecida a Dª. Inês. Ordenou a trasladação dos restos mortais de Coimbra para o túmulo de Alcobaça, que D. Pedro mandara fazer. Assim, fez Dª. Inês rainha mesmo estando morta. <br />Túmulo de D. Inês de Castro (Mosteiro de Alcobaça)<br />
  12. 12. Bibliografia<br />- D. Inês de Castro, António Carmo, Asa<br />- História de Portugal - Tempos de Renovação, vol. III Ana Maria Magalhães, Isabel Alçada, Caminho<br />- WiKipédiaOnline<br />- http://images.google.pt<br />

×