Malária – Tratamento e Novas
Terapias
Disciplina de Parasitologia
Docente: Carolina Panis
Discentes: Henrique Gregório Bel...
Distribuição da malária pelo mundo
Infecção
Quadro Clínico
Diagnóstico: Gota Espessa
Quinina
Artemeter + lumefantrina
Classes
• Derivados da Quinolona
-Cloroquina
-Quinina
-Mefloquina
-Lumenfatrina
-Primaquina
Classes
• Derivados da Artemisina
- Artemeter; artesunato
• Antifolates
-Pirimetamina; sulfonamidas
• Antibióticos
- Tetra...
Como tratar?
• P. vivax / P. ovale?
• P. malariae?
• P. falciparum?
• Infecção mista de P. falciparum + P.
vivax/ovale?
 Prevenção:
• Vacina;
• Proteção Pessoal;
• Quimioprofilaxia;
QUIMIOPROFILAXIA
 Morte do parasita: eritrócitos ou
hepató...
Mefloquina
 Meados da déc. 90;
 Substituto da Cloroquina;
 Efeitos colaterais adversos;
 2 semanas antes da partida;
...
ATOVAQUONE-
PROGUANIL
MALARONE
 Boa eficácia;
 Fase fígado: encurta o tempo;
Atuação: Inibir o sistema de transporte de
...
• Fármacos: “prazo de validade”
 ARTEMISINAS: substância isolada em 1971
Déc 90 – malária
2006 – 1ª linha de tratamento O...
MECANISMO DE AÇÃO
 Formação de radicais de O2: morte do parasita;
PONTE ENDOPEROXÍDICA: redução – heme e/ou ferro
iônico;...
• Os antimaláricos utilizados atualmente são
derivados de basicamente seis classes de
drogas: quinolinas, antifolatos, art...
Quinolinas
• Divididas em três grupos:
1. 4-aminoquinolinas – cloroquina e
amodiaquina;
2. 8-aminoquinolinas – pamaquine, ...
• Essas drogas formam complexos com
ferriprotroporfirina IX, inibindo a formação de
hemozoína.
• Inibindo a organização do...
Ferroquina – inibe o pigmento malárico e gera
espécies ativas de oxigênio.
Antifolatos
• Mais utilizados na atualidade
• Rápido aparecimento de resistência
• São divididos em duas classes
1. Inibidores da dihidropteroato sintase (DHPS)
2. Inibidores da dihidrofolato redutase (DHFR)
• Atuam sinergicamente.
• Resulta da diminuição das pirimidinas, além
da produção das serinas e metioninas.
• São bastante...
Hidroxinaftoquinonas
• Atovacona – inibe a cadeia respiratória
mitocondrial do parasita.
• Inibe a atividade do citocromo ...
ARTEMÉTER-LUMEFANTRINA
É VIÁVEL A PRODUÇÃO DE UMA
VACINA?
FASE 1: ANTICORPOS
PREVINEM QUE O PARASITA
ENTRE NO FÍGADO
FASE 2: ANTICORPOS PREVINEM
A ENTRADA DO PARASITA NAS
CÉLULAS V...
Referências
• ACHAN, Jane et al. Quinine, an old anti-malarial drug in a modern world: role in the
treatment of malaria. D...
Malária    tratamento e novas terapias (seminário)
Malária    tratamento e novas terapias (seminário)
Malária    tratamento e novas terapias (seminário)
Malária    tratamento e novas terapias (seminário)
Malária    tratamento e novas terapias (seminário)
Malária    tratamento e novas terapias (seminário)
Malária    tratamento e novas terapias (seminário)
Malária    tratamento e novas terapias (seminário)
Malária    tratamento e novas terapias (seminário)
Malária    tratamento e novas terapias (seminário)
Malária    tratamento e novas terapias (seminário)
Malária    tratamento e novas terapias (seminário)
Malária    tratamento e novas terapias (seminário)
Malária    tratamento e novas terapias (seminário)
Malária    tratamento e novas terapias (seminário)
Malária    tratamento e novas terapias (seminário)
Malária    tratamento e novas terapias (seminário)
Malária    tratamento e novas terapias (seminário)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Malária tratamento e novas terapias (seminário)

597 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
597
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
25
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Esquizonticidas. Primaquina é hipnozoiticida.
  • 1- interferem na conversão do heme homozoin tóxico
    2- hipnozoiticidas
    3- esquizonticidas
  • Malária tratamento e novas terapias (seminário)

    1. 1. Malária – Tratamento e Novas Terapias Disciplina de Parasitologia Docente: Carolina Panis Discentes: Henrique Gregório Beloto (14462) Leonardo Guilherme de Jesus (16713) Mateus A. Aguiar (8151) Renan William Mesquita (14 628) Ricardo A. Tenfen Carneiro (8208)
    2. 2. Distribuição da malária pelo mundo
    3. 3. Infecção
    4. 4. Quadro Clínico
    5. 5. Diagnóstico: Gota Espessa
    6. 6. Quinina Artemeter + lumefantrina
    7. 7. Classes • Derivados da Quinolona -Cloroquina -Quinina -Mefloquina -Lumenfatrina -Primaquina
    8. 8. Classes • Derivados da Artemisina - Artemeter; artesunato • Antifolates -Pirimetamina; sulfonamidas • Antibióticos - Tetraciclinas; clindamicina.
    9. 9. Como tratar? • P. vivax / P. ovale? • P. malariae? • P. falciparum? • Infecção mista de P. falciparum + P. vivax/ovale?
    10. 10.  Prevenção: • Vacina; • Proteção Pessoal; • Quimioprofilaxia; QUIMIOPROFILAXIA  Morte do parasita: eritrócitos ou hepatócitos; • Fase 1: exoeritrocítica; • Fase 2: eritrocítica;  Mefloquina, cloroquina, amodiaquina;  Atovaquona-proguanil e primaquina;
    11. 11. Mefloquina  Meados da déc. 90;  Substituto da Cloroquina;  Efeitos colaterais adversos;  2 semanas antes da partida;  Resistência; Doxiclina  Eficaz para prevenção da malária;  Ação: palco eritrocítico; Primaquina  Déc. 50;  Atividade contra o P.vivax;  Estágios iniciais de P. falciparum e P. vivax;  Deficiência G6PD;
    12. 12. ATOVAQUONE- PROGUANIL MALARONE  Boa eficácia;  Fase fígado: encurta o tempo; Atuação: Inibir o sistema de transporte de elétrons ,a nível do complexo do citocromo B; • Custo mais elevado; • Náuseas, vômitos, gastrointestinais;
    13. 13. • Fármacos: “prazo de validade”  ARTEMISINAS: substância isolada em 1971 Déc 90 – malária 2006 – 1ª linha de tratamento OMS – P. falciparum 2009 – aprovação FDA Derivados – artesunato, artemeter, artemotil, dihidroartemisina; Redução da Parasitemia; Diminuição de gametócitos no sangue; Semi-vida curta;
    14. 14. MECANISMO DE AÇÃO  Formação de radicais de O2: morte do parasita; PONTE ENDOPEROXÍDICA: redução – heme e/ou ferro iônico; protonação;  Despolarização da Cadeia Mitocondrial;  Retículo Sarco-endoplasmático Ca+2 ATPase; 2008 – evidência de resistência  Persistência após 7 dias de tratamento;  Ressurgimento após 28 dias de início da terapêutica;
    15. 15. • Os antimaláricos utilizados atualmente são derivados de basicamente seis classes de drogas: quinolinas, antifolatos, arteminisinas, inibidores da cadeia respiratória e antibióticos.
    16. 16. Quinolinas • Divididas em três grupos: 1. 4-aminoquinolinas – cloroquina e amodiaquina; 2. 8-aminoquinolinas – pamaquine, primaquina e tafenoquina. 3. Aril-aminoálcoois – quinino, mefloquina e halofantrina;
    17. 17. • Essas drogas formam complexos com ferriprotroporfirina IX, inibindo a formação de hemozoína. • Inibindo a organização do cristal de hemozoína. • Gerando espécies reativas de oxigênio, o que poderia causar peroxidação lipídica.
    18. 18. Ferroquina – inibe o pigmento malárico e gera espécies ativas de oxigênio.
    19. 19. Antifolatos • Mais utilizados na atualidade • Rápido aparecimento de resistência • São divididos em duas classes
    20. 20. 1. Inibidores da dihidropteroato sintase (DHPS) 2. Inibidores da dihidrofolato redutase (DHFR)
    21. 21. • Atuam sinergicamente. • Resulta da diminuição das pirimidinas, além da produção das serinas e metioninas. • São bastantes seletivos
    22. 22. Hidroxinaftoquinonas • Atovacona – inibe a cadeia respiratória mitocondrial do parasita. • Inibe a atividade do citocromo c redutase. • Baixa biodisponibilidade • Liga-se a proteínas plasmáticas
    23. 23. ARTEMÉTER-LUMEFANTRINA
    24. 24. É VIÁVEL A PRODUÇÃO DE UMA VACINA?
    25. 25. FASE 1: ANTICORPOS PREVINEM QUE O PARASITA ENTRE NO FÍGADO FASE 2: ANTICORPOS PREVINEM A ENTRADA DO PARASITA NAS CÉLULAS VERMELHAS. FASE 3: IMPEDIR A FECUNDAÇÃO E ENTRADA DO OOCINETO NO INTESTINO DO MOSQUITO
    26. 26. Referências • ACHAN, Jane et al. Quinine, an old anti-malarial drug in a modern world: role in the treatment of malaria. Disponível em http://www.malariajournal.com/content/10/1/144. Acessado em 26/07/2014. • HUSSAIN, Hidayat et al. Lapachol: an overview. Disponível em http://www.arkat- usa.org/get-file/23192/. Acessado em 26/07/2014. • WELLS, Thimoty. Natural products as starting points for future anti-malarial therapies: going back to our roots?. Disponível em http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3059461/. Acessado em 27/07/2014. • GAMA, Laíse Martins. Malária e medicina popular: efeito da Bertholletia excelsia H.B.K. (Castanha-do-Pará) em camundongos infectados com Plasmodium berghei. Disponível em http://www.repositorio.ufpa.br/jspui/bitstream/2011/4504/1/Dissertacao_MalariaMed icinaPopular.pdf. Acessado em 27/07/2014. • BLACK, Harvey. Bacteria intestinal del mosquito puede frenar el desarrollo del parásito de la malaria. Disponível em http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0036- 36342011000500014&lang=pt. Acessado em 27/07/2014. • FRANCO, Ana O. et al. Controlling Malaria Using Livestock-Based Interventions: A One Health Approach. Disponível em http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4106824/. Acessado em 27/07/2014.

    ×