Modelos de Convecção mantélica

3.666 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.666
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
203
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modelos de Convecção mantélica

  1. 1. Modelos de convecção mantélica Trabalho realizado por: Paulo Rodrigues nº19 Pedro Loureiro nº20 Ricardo Antunes nº21 Turma: 12º5
  2. 2. Introdução No âmbito da disciplina de Geologia, no decorrer do ano letivo de 2012/2013, foi proposto a realização de um trabalho acerca dos modelos de convecção mantélica. Os cientistas consideram que o movimento das placas litosféricas ocorrem devido às correntes convectivas no manto. Estas, por sua vez, dependem da estrutura interna da Terra. O movimento das placas tectónicas pressupõe a existência de uma força geradora desse movimento. Essa força provem da energia do interior da Terra.
  3. 3. As fontes de energia da Terra são: Calor primitivo (gerado aquando da formação do planeta Terra por acreção de corpos mais pequenos); Contração gravitacional (aquando da formação terrestre); Decaimento radioativo (desintegração atómica de certos isótopos instáveis).
  4. 4. Estrutura interna da Terra
  5. 5. O fluxo de energia na Terra sob a forma de calor ocorre de três maneiras distintas: Radiação; Convecção; Condução.
  6. 6. A convecção A convecção é o principal mecanismo responsável pelo fluxo de energia na Terra. Na convecção, um fluido que é aquecido torna-se mais denso e tem tendência a ascender enquanto que um fluido que arrefeça tem tendência a afundar porque fica menos denso. Enquanto o fluxo de calor é mantido originam-se as correntes de convecção.
  7. 7. O primeiro modelo de convecção – Modelo de Holmes  Arthur Holmes foi o primeiro cientista a relacionar a tectónica de placas com a existência de convecção mantélica.  De acordo com este cientista, o interior da Terra estaria organizada em células que na parte ascendente fariam libertar material, e na parte descendente dariam origem à destruição de material devido a fenómenos de subducção.  Este modelo não consegue explicar o fato de os basaltos emitidos nos riftes serem diferentes dos basaltos emitidos nos pontos quentes.
  8. 8. Modelo de Holmes
  9. 9. Modelo a dois níveis Existem duas correntes convectivas dividas em níveis convectivos. O segundo nível convectivo é responsável pelo movimento da célula convectiva do manto superior. Não ocorre mistura de materiais entre ambas as camadas do manto. A litosfera que submerge sofre fusão a partir dos 670 km de profundidade.
  10. 10. Modelo a dois níveis
  11. 11. Modelo a dois níveis O desenvolvimento tecnológico permitiu recolher dados relativos à velocidade de propagação das ondas sísmicas em profundidade e estudar a natureza física e química dos materiais. Através de dados relacionados com o comportamento das ondas sísmicas, inferiu-se que a placa litosférica que sofre subducção pode atingir a base do manto inferior.
  12. 12. Modelo Penetrativo Neste modelo, ocorre a formação de uma camada – Camada “D”. As placas litosféricas, quando sofrem subducção, podem atingir a base do manto. Ocorre mistura de material entre ambas as camadas do manto. Uma pequena fração de material ascende à superfície sob forma de plumas.
  13. 13. Modelo Penetrativo
  14. 14. Conclusão Em suma, com a realização deste trabalho, foi-nos possível apreender as caraterísticas dos modelos de convecção mantélica e as principais fontes de energia da Terra e mecanismos de fluxo de energia. Apesar destes modelos apresentarem aspetos importantes, novos modelos podem vir a ser apresentados, com o progresso tecnológico e científico visto que a Geologia é uma ciência que está sempre em constante evolução.
  15. 15. Bibliografia Internet:• http://pt.wikipedia.org/wiki/Onda_s%C3%ADsmica• http://viveraterra.blogspot.pt/2011/10/modelo-de-conveccao- mantelica.html Livros:• Oliveira, Óscar. GeoDesafios. ASA.

×