Maria, discípula e missionária

3.988 visualizações

Publicada em

Maria, Disciplina missionaria

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.988
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
285
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Maria, discípula e missionária

  1. 1. MARIA“Discípula e Missionária”
  2. 2. Por sua pureza Filha de Com a sua foi escolhida Joaquim epor Deusem união para Ana, Maria foi matrimônio ser a Mãe de uma jovem com José, Nosso Senhor humilde, que constituiu aJesus Cristo, o viveu em uma Sagrada“Verbo” que se família Família de fez carne e extremamente Jesus. habitou entre religiosa. nós.
  3. 3. ONDE ENCONTRAMOS A HISTÓRIA DE MARIA?
  4. 4. Na Bíblia, mas Neles precisamente nos encontramos Evangelhos, Maria sempre encontramosjunto a pessoa de todos os textos Jesus Cristo, unida se referem que de corpo e diretamente a Ela,alma a Ele e a sua apesar dena Igreja, serem poucos, são muito construção do Reino ricos. de Amor.
  5. 5. MARIA NA BÍBLIA
  6. 6. “A anunciação de Maria” A máxima realização da existência cristã como um viver trinitário de “filhos no Filho” nos é dada na Virgem Maria que, através de sua fé e obediência à vontade de Deus, assim como por sua constante Este evento é meditação da Palavra e das O acontecimento ações de Jesus, é a central da vida dediscípula mais perfeita do Senhor. Interlocutora do Pai narrado no em seu projeto de enviar seu Verbo ao mundo para a Maria foi a salvação humana, com sua fé Maria chega a ser o Evangelho anunciação, ou seja, primeiro membro da comunidade dos crentes em a Encarnação doCristo, e também se faz colaboradora no renascimento de São Lucas Verbo em seu seio espiritual dos discípulos. Sua figura de mulher livre eforte, emerge do Evangelho conscientemente orientada 1, 26-38 virginal por obra para o verdadeiro seguimento de Cristo. (Documento de Aparecida 266) Santo. do Espírito
  7. 7. O núcleo central da “Eis aqui a A salvação só se narrativa evangélica serva do realizada anunciação esta no Senhor, diálogo de Deus a mediante comMaria, propondo-lhe nossa aceitação faça-se em a maternidade do e consentimento mim Messias, que de fé em Jesus, segundo transparece aa a exemplo de estrutura íntima da Tua nossaMaria. em salvação palavra! Jesus.
  8. 8. Para Deus o “SIM” de Maria eracondição indispensável para o Verbo se fazer carne e habitar entre nós. Na sua entrega confiante, alegre,total e irrestrita à vontade de Deus,Maria se apresenta como a primeirapessoa a acreditar em Jesus Cristo como Filho de Deus e Salvador do mundo.
  9. 9. “A visitação de Maria a Isabel”Maria impelida pelo Espírito Santo e ávidapor compartilhar a sua alegria, com aquelaque também foi abençoada por Deus, parte ao encontro de sua prima Isabel.
  10. 10. O fator mais importante nesta leituraevangélica é o reconhecimento de Maria como a Bem-aventurada entre todas as mulheres e o seu filho como o messias esperado. A presença do Espírito Santo de Deusneste acontecimento tem o seu ápice naresposta de Maria a saudação de Isabel quando profetiza o Reino de Deus através do Magnificat.
  11. 11. “Minha alma engrandece o Senhor e meu espírito exulta de alegria em Deus, meu Salvador porque olhou para a humildadede sua serva. Eis que, desde agora todas as gerações me chamarão de bem-aventurada. Porque grandes coisas fez em mim opoderoso. E santo é o seu nome.” (Lc 1, 46-49)
  12. 12. “Jesus no Templo com os doutores” Maria apesar de saber da missão de Jesus, como mãe, Este fato é tinha uma preocupação muito grande com seu filho, narrado no que só era superada pelo seu amor. Esta preocupação Evangelho de materna e este amor se expressa quando ela São Lucas 1, encontra Jesus no templo com os doutores da lei, após 39-56 Ele ter desaparecido por três dias, durante as festas de Páscoa em Jerusalém.
  13. 13. A resposta de Jesus para suamãe parece ser dura, contudo,Jesus expressava apenas a sua missão messiânica. Maria compreendeu e com o seu grande amor, “....guardava todas estas coisas no seu coração” (Lc 1, 51).
  14. 14. “As bodas de Caná” No evangelho de João encontramos sete milagres realizados por Jesus. São os sete “sinais” da vida e da plenitude. Maria aparece somente no primeiro, nas Bodas de Caná (Jo 2, 1- 11). Ela vai ao encontro de Jesus. Não pede nada. Apenas apresenta o fato. Faz uma afirmação plena de fé, que parece mais um pedido confiante. Jesus fica sabendo o que está acontecendo. Um pequeno diálogo se estabelece entre os dois. A necessidade é urgente. O problema precisa de uma solução imediata. O verbo está no presente: “Eles não têm vinho”.
  15. 15. Com os olhos postos em seus filhos e em suas necessidades, como em Caná da Galiléia, Maria ajuda a manter vivas as atitudes de atenção, de serviço, de entrega e de gratuidade que devem distinguir osdiscípulos de seu Filho. Cria comunhão e educa para umestilo de vida compartilhada e solidária, em fraternidade,na atenção e acolhida do outro, especialmente se é pobre ou necessitado. Em nossas comunidades, sua forte presença tem enriquecido e continuará enriquecendo adimensão materna da Igreja e sua atitude acolhedora, quea converte em “casa e escola da comunhão” e em espaço espiritual que prepara para a missão. Documento de Aparecida 272
  16. 16. “Maria na Paixão de Jesus”A Virgem de Nazaré teve uma missão única na história da salvação, concebendo, educando e Maria viveu e No Evangelho acompanhando seu Filho até seu sacrifício sofreu a paixão dedefinitivo. Do alto da cruz, Jesus Cristo confiou de São João a seus discípulos, representados por João, pois Jesus Cristo, o como mãe, dom da maternidade de Maria, que brota 19, 25-27 diretamente da hora pascal de Cristo: “E desse acompanhou seu encontramos momento em diante, o discípulo a recebeu em filho durante a sua casa” (Jo 19,27). sua vida pública Maria267 pés aos na Documento de Aparecida morte até a sua da cruz. cruz.
  17. 17. Perseverando junto aosPentecostes” “Maria em apóstolos à espera do Espírito, ela cooperou com o nascimento da A última passagem Igreja missionária, imprimindo-lhe um selo mariano que a identifica bíblica que fala profundamente. Como mãe de tantos,diretamentevínculos é fortalece os de Mariafraternos entre todos, estimula dos Apóstolos 1, no Ato a reconciliação e o perdão e ajuda os discípulos de Jesus 12-14 onde Ela aparece Cristo a se experimentarem como família, aos orante com todos família de Deus. Em Maria, encontramo-nosno apóstolos reunidoscom Cristo, com o Pai eCenáculo a espera da com o Espírito Santo, e da mesma forma com os irmãos. descida do Espírito Santo (Pentecostes). Documento de Aparecida 267
  18. 18. Maria e a Igreja são mães conjuntamente. A “Com da Igrejaà maternidadematernidade relação se baseia e se modela Em “Pentecostes”, na de Maria e a maternidadeIgreja A de Maria espiritual de Maria para conosco, valha através foi agraciada oCatólicadesta exemplo através continua atuanteMaria da Igreja. afirmação fundamental: com novamente do documento A Igreja católica, guiada Santo, peloComo na família humana, a Igreja-família é Espírito confere gerada ao redor de uma mãe, Concílio do que Espírito Santo, honra a Maria “alma” e ternura à convivência familiar. a assumindo assim Vaticano II comoda Igreja, além de modelo e Mãe amantíssima, Maria, Mãe maternidade ratificou esta paradigma da humanidade, é piedade dedicando-lhe afeto de artífice de espiritual da Igreja. maternidade. filial.”comunhão. (Documento de Aparecida 268) Concílio Vaticano II
  19. 19. MARIA NA PIEDADE POPULAR
  20. 20. CÍRIO DE NOSSASENHORA DE NAZARE
  21. 21. Na pequena A procissãode imagem doCírio de Nazaré é Nossa a Senhora de maior festa religiosa do Nazaré encontramos Brasil em homenagemFé a força da a Nossa Senhora. do povo paraense
  22. 22. BIBLIOGRAFIA• Maria Apresentada aos Jovens Ir. Aleixo Maria Autran • Documento de Aparecida • Bíblia Sagrada PRODUÇÃO Prof. M. Sc. Mauro Melo

×