1º CCDI DAY
Ventura Corporate Towers
Brisa da Mata (HM)
Vila SãoVicente – João Ramalho
Aviso Importante
Esta apresentação contém considerações futuras referentes às perspectivas do negócio e às perspectivas
de...
Agenda
Pinot Noir
3
Agenda do Evento
9h00- Abertura
9h15- Painel 1: A Operação da CCDI
10h45 - Coffee Break
11h00 - Painel 2: A Operação da HM...
Painel 1: A Operação da CCDI
Abertura
José Diniz – Presidente do Conselho
Diretrizes Estratégicas
Francisco Sciarotta – Di...
Eco’sNaturezaClube
ABERTURA
José Alberto Diniz
Grupo Camargo Corrêa
• Forte presença Nacional e Internacional
• Atuante em 12 segmentos de mercado
Cimento
Concessão de E...
Grupo Camargo Corrêa
Principais empresas do Grupo Camargo Corrêa
8
Chardonnay
Diretrizes Estratégicas
FranciscoSciarotta
História da CCDI
1996
Fundação
1ºLançamento
“Faria Lima
Business Center”
1997 - 2006 2007 2008 2009 2010
Grupo CC acelera
...
Nova Estratégia
trabalho por processos
trabalho em equipe
responsabilidade por resultados
incorporação sustentável
integra...
Foco no Cliente: Célula de Construção Própria
Em abril/2010 a CCDI iniciou a implementação de sua célula de
construçãopróp...
Criatividade, Inovação de Produtos e Preços Adequados
Março/2008 Fevereiro/2010
Lançamento do In Berrini
Lançamento:Fev/20...
Controle de Custos e Despesas
15%
10%
6%
3%
2007 2008 2009 9M10
Despesas Comerciais / Receita Líquida
19%
14% 14%
6%
2007 ...
Integração de Empresas e Processos
Decisãocompartilhadae integradapara compra de terrenos e
lançamentos
15
Aquisição de
Te...
Governança Corporativa e Integração com o Mercado
16
Investidores
Analistas de
Mercado
Instalaçãodo
Conselho Fiscal
compar...
Recuperaçãode Margem
Diversasações com um único objetivo:
Melhora da Margem
26%
35%
22%
29%
2007 2008 2009 9M10
Margem Bru...
Desafios para 2011 e 2012
18
Performance Operacional
SP e Regionais
MaurícioBarbosa e Ana Virgínia Pontes
VistaPacaembu
Segmentos de Atuação
Faixa deRenda
Presença
Número deprojetos
lançados
Número deunidades
lançadas
VGVlançado
(2003 a Out/2...
Localização:São Paulo
Salas Comerciais
VGV Total: R$ 64,0 milhões
Metragem:35 a 191 m²
Localização:Osasco
Nºde unidades: 1...
Lajes Corporativas
Projetos diferenciados em produto, sustentabilidade, tecnologia e margens auferidas
Condição macroeconô...
Projetos de Lajes Corporativas
23
Localização: Av. Paulista, São Paulo
Parte CCDI: 50%
Terreno: 11.896 m²
Área Privativa T...
Aquisições
2010
Início do Ciclo de Negócio: Aquisição de Terrenos
Prioridade na aquisição de terrenos
com liquidez para la...
Banco de Terrenos – Set/2010
REGIÃODE ATUAÇÃO:
SP, RJ, MG, PR e ES
48%da população brasileira
62%do PIB brasileiro
22cidad...
Expansão das Regionais (Acum. Jan a Ago/2010)
Região
Metropolitana
VGV (R$)*
RJ
PR
ES
MG
R$22,1 bilhões
R$5,8 bilhões
R$3,...
Participação dos lançamentos das Regionais (RJ, ES, MG e PR)
Crescimentodas regionais.
36%
38%
40%
2009 2010 (E) 2011 (E)
...
UP RESIDENCE
Macaé
Rio de Janeiro
Previsãode Lançamento:nov/10
VGV EstimadoTotal:R$71 milhões
SETCABRAL
Curitiba
Paraná
Pr...
Histórico de Lançamentos
453
1.239
631
358
652
30
269
193
526
453
1.269
900
551
1.178
2006 2007 2008 2009 Até Out/10
Histó...
Lançamentos São Paulo 2010
30
INBERRINI
São Paulo– SP
Lançamento:fev/10
100% vendidonoprimeiro mês*
VGV Total:R$ 77,1 milh...
Tendências, inovações e Sustentabilidade
31
Desenvolvimento de plantas
adequadas a usuários que necessitam
de cuidados esp...
Demanda Aquecida
Classe (**) RendaFamiliar Mensal (R$)
C
B2
D
B1
E
A1
A2
Até R$8 mil
Ate R$13,9 mil
Até R$2,9 mil
Até R$26...
A estratégia comercial está baseada em 3 pilares:
1. Megastore Imobiliário:
25 produtos – apartamentos de 48 m² até 280 m²...
Histórico de Vendas
161
381
1.010
375
689
114
298
163
161
384
1.124
673
852
2006 2007 2008 2009 9M10
Histórico de Vendas –...
Foco na venda de unidades que estão em estoque
Lançamento de projetos com maior liquidez de venda
Lançamentos distribuídos...
Estoque a Valor de Mercado
36
Baixo Estoque de Unidades Concluídas: 1,3% do estoque total.
Estoque do 3T10 foi impactado p...
InBerrini
Engenharia e Obras
ClaudioSayeg
Estrutura Organizacional 2011
38
01 Diretor
01 Superintendente
12 Gerentes
18 Coordenadores
30 Engenheiros
20 Arquitetos
4...
Mercado Atual
39
Princípios / Diretrizes para
Garantia de Custos e Prazos
374 MM
Antecipação do Inicio das Obras.
Engenhar...
46%
28%
2012
Produção - CCDI
40
CapacidadedeExecução (E)*
89%
11%
2011
*(E) Estimativa
54%
46%
2013
Ganho de escala e dilu...
Evolução da Produção - CCDI
41
90 319 369
416
323
5.622
-2000
-1000
0
1000
2000
3000
4000
5000
6000
2007 2008 2009 2010 20...
Construção Própria – Gestão Rigorosa de Custos
42
Forte controle de custos via sistema específico para compras
1
•Identifi...
Parcerias2010/2011 - Suprimentos
43
Aço
Concreto
Bloco de
Concreto
Revestimento
Cerâmico
Elevadores
Mão de
Obra Civil
Inst...
Parcerias– Economia na compra de insumos 2010
44
26,6
25,4
22,8
4,3 1,3
24,2
21,8 22,1
3,7 1,2
Aço Elevadores Concreto Blo...
Construção Própria - Treinamentos
45
Multiplicadores “PBQPH” Programa Brasileiro de Qualidade na Produção de Habitação
“SA...
Construção Própria - Chardonnay
46
24 MESES
jun/12
INFORMAÇÕES GERAIS - EMPREENDIMENTO INFORMAÇÕES GERAIS - OBRA
CUSTO DA ...
Construção Própria - Merlot
47
24 MESES
out/12
INFORMAÇÕES GERAIS - EMPREENDIMENTO INFORMAÇÕES GERAIS - OBRA
CUSTO DA CONS...
Construção Própria – Benefícios x Desafios
48
Aumento da margem do
empreendimento
Independência na tomada de
decisão para ...
Construção nas Regionais
49
Parceria com Construtoras Locais
Contrato pelo regime de “Preço
Máximo Garantido”
Gerenciament...
Atendimento aos Clientes - CCDI
50
1.424
3.631
4.881
7.172
2007 2008 2009 2010 (E)
Clientes Ativos
Aumento de 171% na base...
JardinsdeVilaRica
Recursos Humanos e
Sustentabilidade
RicardoFonseca
Atratividade
52
As empresas de maior prestígio no Brasil (2009-2010)
Eleita empresa de maior prestígio no setor de Constru...
Retenção
53
Competências organizacionais e caminhos de carreira
Incorporação Engenharia Apoio
Competências
Gestão
Essencia...
Remuneração e Benefícios
54
Monitorarconstantementeo segmento de
Incorporaçãoeremuneraros profissionais dentro das
prática...
Capacitação
55
21
47
18 24
138,0
517,9
51,0
152,1
0
200
400
600
0
10
20
30
40
50
2007 2008 2009 AtéOut/2010
Média de horas...
Produtividade
56
Estamos fazendo mais com menos
Diretores | 2%
Superintendentes e Gerentes | 12 %
Coordenadores | 17%
Técn...
Sustentabilidade
57
Campanhapara
consumo
conscientede
energia,água e
impressões.
468mudas
plantadasem
empreendimentos
Doaç...
CoresAzul
Performance Financeira
LeonardoRocha
Vantagens Competitivas
Atuação em todos os segmentos de mercado
Demanda Aquecida
Capacidade de Execução
Qualidade e Certif...
20%
26%
35%
22%
29%
2006 2007 2008 2009 9M10
Margem Bruta
25
57
202
114
222
2006 2007 2008 2009 9M10
Lucro Bruto
(R$ milhõ...
127
599 631 675
792
2006 2007 2008 2009 set/10
Patrimônio Líquido
8
(47)
59
101
158
2006 2007 2008 2009 9M10
EBITDA
(R$ mi...
Cobertura de Analistas
62
Instituição Recomendação Target-Price Última Revisão
Market Perform R$11,00 30/08/2010
Neutral R...
Desempenho Acionário (até 24/11/2010)
63
R$ 0,00
R$ 1.000.000,00
R$ 2.000.000,00
R$ 3.000.000,00
R$ 4.000.000,00
R$ 5.000....
Perfil da Base Acionária
64
66,1% 33,9%
Sociedadesde
Propósito Específico
100%
Estrutura Societária
43%
36%
21%
FreeFloat ...
Desempenho Acionário 2010 (até 24/11/2010)
65
-14,1%
-12,3%
-11,5%
-5,5%
-5,4%
-3,3%
-3,2%
4,1%
5,0%
7,7%
18,7%
21,4%
22,3...
Múltiplos de Mercado
66
2,80
2,45
2,05 1,97 1,87
1,63 1,55 1,55 1,52 1,48 1,41 1,26 1,19 1,10
0,87
0,68
MRV
Direcional
Cyr...
IFRS - Principais impactos na Contabilidade
Implementaçãoem 2 etapas:
67
1ª Etapa
2008
2ª Etapa
A ser implementada
Contabi...
Contatos RI:
LeonardoLeonardo de Paiva Rochade Paiva Rocha
Diretor de Finanças e RI
Camila Poleto BernardiCamila Poleto Be...
Management
José Alberto Diniz de Oliveira é graduado em Engenharia e Mestre (MBA) em Administração de Negócios pela Stern ...
Management
Francisco Sciarotta Neto é Diretor Superintendente da CCDI desde 30 de setembro de 2009. Graduado em Economia e...
Management
Henrique Ernesto Bianco é Diretor Presidente da HM Engenharia e Construções S/A, empresa que fundou, e que hoje...
Anexos:
Demonstrações
Financeiras
Pinot Noir
72
Demonstração de Resultados Consolidado
DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS – CONSOLIDADO (R$ MIL) - REPORTADO 3T10 2T10 3T09 3T10/2...
Balanço Patrimonial Consolidado - Ativo
BALANÇO PATRIMONIAL - CONSOLIDADO (R$ MIL)
REPORTADO
30/09/2010 30/06/2010 %
ATIVO...
Balanço Patrimonial Consolidado - Passivo
BALANÇO PATRIMONIAL - CONSOLIDADO (R$ MIL)
REPORTADO
30/09/2010 30/06/2010 %
PAS...
Fluxo de Caixa Consolidado
FLUXO DE CAIXA - CONSOLIDADO (R$ MIL)
REPORTADO
3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

CCDI Day Painel 1 - Operação CCDI

1.217 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.217
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
22
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

CCDI Day Painel 1 - Operação CCDI

  1. 1. 1º CCDI DAY Ventura Corporate Towers Brisa da Mata (HM) Vila SãoVicente – João Ramalho
  2. 2. Aviso Importante Esta apresentação contém considerações futuras referentes às perspectivas do negócio e às perspectivas de crescimento da Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário. Estas são apenas projeções e, como tal, baseiam-se exclusivamente nas expectativas da administração da Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário em relação ao futuro do negócio e seu contínuo acesso a capital para financiar o plano de negócios da Companhia. Tais considerações futuras dependem, substancialmente, de mudanças nas condições de mercado, regras governamentais, pressões da concorrência, do desempenho do setor e da economia brasileira, entre outros fatores, além dos riscos apresentados nos documentos de divulgação arquivados pela Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário e estão, portanto, sujeitas a mudanças sem aviso prévio. Esta apresentação está atualizada com dados disponíveis na presente data e a CCDI não se obriga a atualizá-la mediante novas informações e/ou acontecimentos futuros. A CCDI não se responsabiliza por operações ou decisões de investimento tomadas com base nas informações contidas nesta apresentação. O EBITDA não é uma medida de desempenho financeiro segundo as práticas contábeis adotadas no Brasil, tampouco deve ser considerado isoladamente, como alternativa ao resultado do período, medida de desempenho operacional, ou alternativa aos fluxos de caixa operacionais, ou medida de liquidez. O EBITDA não possui significado padronizado, e nossa definição de EBITDA pode não ser comparável àquelas utilizadas por outras empresas. A Administração acredita que o EBITDA fornece uma medida útil de seu desempenho, que é amplamente utilizada por investidores e analistas para avaliar desempenho e comparar empresas. Outras empresas podem calcular o EBITDA de maneira diferente da Companhia. 2
  3. 3. Agenda Pinot Noir 3
  4. 4. Agenda do Evento 9h00- Abertura 9h15- Painel 1: A Operação da CCDI 10h45 - Coffee Break 11h00 - Painel 2: A Operação da HM Engenharia 12h30 - Almoço 14h00 - Visita às Obras da HM Engenharia Wave 4
  5. 5. Painel 1: A Operação da CCDI Abertura José Diniz – Presidente do Conselho Diretrizes Estratégicas Francisco Sciarotta – Diretor Superintendente Performance Operacional SP e Regionais Maurício Barbosa – Diretor de Incorporação Ana Virgínia Pontes – Sup. de Incorporação Regional Engenharia e Obras Claudio Sayeg – Diretor de Engenharia Recursos Humanos e Sustentabilidade Ricardo Fonseca – Superintendente de RH Performance Financeira Leonardo Rocha – Diretor de Finanças e RI Andorinha 5
  6. 6. Eco’sNaturezaClube ABERTURA José Alberto Diniz
  7. 7. Grupo Camargo Corrêa • Forte presença Nacional e Internacional • Atuante em 12 segmentos de mercado Cimento Concessão de Energia Concessão de Rodovias Construção Calçados Concessão Ferroviária Meio Ambiente Siderurgia Incorporação Naval Óleo e Gás Operações Aeroportuárias Principais Consolidados Em desenvolvimento 7
  8. 8. Grupo Camargo Corrêa Principais empresas do Grupo Camargo Corrêa 8
  9. 9. Chardonnay Diretrizes Estratégicas FranciscoSciarotta
  10. 10. História da CCDI 1996 Fundação 1ºLançamento “Faria Lima Business Center” 1997 - 2006 2007 2008 2009 2010 Grupo CC acelera investimentos na Cia 15 lançamentos 2006: 1º Lançamento de Lajes Comerciais IPO Novo Mercado Aquisição da HM Engenharia Diversificação Geográfica BH, PR e ES Reformulação Estratégica Foco no Cliente Recuperação de Margem Integração 1ª Emissãode Debêntures R$400 MM Retomada do Crescimento 20 lançamentos em 10 meses 6.404 unidades R$1,2 Bilhão de VGV lançado 10 66,1% 33,9%
  11. 11. Nova Estratégia trabalho por processos trabalho em equipe responsabilidade por resultados incorporação sustentável integração redução de custos criatividade e inovação preços adequados fazer mais com menos atendimento adequado e ágil qualidade na construção entrega no prazo recuperação de margem líquida foco no cliente Implementadaa partir do 4º trimestre de 2009 11
  12. 12. Foco no Cliente: Célula de Construção Própria Em abril/2010 a CCDI iniciou a implementação de sua célula de construçãoprópria Contrataçãodeprofissionaisespecializados Adequação do SAP ao novo modelo Desenvolvimento e certificação do Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitate (PBQP-H – nível: D), com continuidade na preparação dos trabalhospara certificação no nível A. Contrataçãodefornecedores Associação ao Sindicato da Construção Civil Inícioda Operação com os empreendimentos: Chardonnay–Agosto/2010 Merlot– Outubro/2010 Malbec– Fevereiro/2011 12
  13. 13. Criatividade, Inovação de Produtos e Preços Adequados Março/2008 Fevereiro/2010 Lançamento do In Berrini Lançamento:Fev/2010 VGV: R$ 77 milhões 216 unidades residenciais R$/m²:R$6.100,00 100% de vendas em 2 meses • Cancelamento do Horizontes do Brooklyn • Lançamento: Out/2007 • VGV: R$ 56 milhões • 78 unidades residenciais • R$/m²: R$ 4.100,00 • 10% de vendas em 6 meses 13
  14. 14. Controle de Custos e Despesas 15% 10% 6% 3% 2007 2008 2009 9M10 Despesas Comerciais / Receita Líquida 19% 14% 14% 6% 2007 2008 2009 9M10 Despesas Gerais e Administrativas / Receita Líquida Forte controlede despesas. 14
  15. 15. Integração de Empresas e Processos Decisãocompartilhadae integradapara compra de terrenos e lançamentos 15 Aquisição de Terrenos Análise de Mercado Seleção de Terrenos Definição preliminar de projeto e estudo econômico –financeiro Análise jurídica Aprovações Internas Negociação para aquisição Efetivação da Aquisição Definição de Produto Definição de premissas e condições para incorporação Definição final do projeto Elaboração de orçamento e custo para construção Elaboração de Marketing Aprovação Legal Precificação Definição de financiamento e parcerias Incorporação/ Lançamento Aprovações Legais Desenvolvimento do stand de vendas e apto. decorado Treinamento dos corretores Marketing Pré –lançamento Lançamento efetivo Vendas Vendas no stand Aprovação de crédito de cliente Registro efetivo das vendas em sistema Construção Início da Construção de 6 a 12 meses após o lançamento Prazo de Construção: de 24 a 36 meses dependendo do projeto Repasse, Entrega das Chaves e Atendimento pós Obra Obtenção do Habite-se Repasse do Cliente ao banco Entrega das Chaves Atendimento ao Cliente durante 5 anos após a entrega das chaves
  16. 16. Governança Corporativa e Integração com o Mercado 16 Investidores Analistas de Mercado Instalaçãodo Conselho Fiscal comparticipante representando os minoritários Imprensa Especializada Atuaçãoem diversas frentes
  17. 17. Recuperaçãode Margem Diversasações com um único objetivo: Melhora da Margem 26% 35% 22% 29% 2007 2008 2009 9M10 Margem Bruta Baixa Renda: 30,2% -10% 9% 11% 15% 2007 2008 2009 9M10 Margem Líquida Baixa Renda: 14,6% 17
  18. 18. Desafios para 2011 e 2012 18
  19. 19. Performance Operacional SP e Regionais MaurícioBarbosa e Ana Virgínia Pontes VistaPacaembu
  20. 20. Segmentos de Atuação Faixa deRenda Presença Número deprojetos lançados Número deunidades lançadas VGVlançado (2003 a Out/2010) Principais Características Acima de R$130mil Estados: SP, RJ, PR, MG e ES 52 11.329 R$3,3bilhões •Diversificação de produtos •ConstruçãoPrópria p/ SP •Parcerias locaisnasregionais Abaixo de R$130mil Interior de SP 32 10.943 R$1,0bilhão •100% verticalizada •Padronizaçãode Produtos •Qualidade acima da média Investidor Qualificado Cidades : São Paulo e Riode Janeiro 2 72lajes corporativas (aprox. 53 mil m²) R$427milhões •Projetos Premium •Líder no segmento •Alta rentabilidade A CCDI atua em todos os segmentos de mercado. 20 Segmento deMercado TradicionalBaixa Renda Lajes Corporativas
  21. 21. Localização:São Paulo Salas Comerciais VGV Total: R$ 64,0 milhões Metragem:35 a 191 m² Localização:Osasco Nºde unidades: 1.690 VGV Total: R$ 230,0 milhões Metragem: 50, 57, 65 e 74 m² Tradicional Atuação no segmento Tradicional (residencial e salas comerciais) Unidades a partir de R$130 mil Projetos focados em nichos de mercado Crescente padronização de produtos Foco Geográfico: SP, RJ, MG, PR e ES Ampla experiência, com mais de 50 projetos já lançados: Mais de R$2,8 bilhões em VGV lançado Mais de R$2,1 bilhões em VGV vendido Características Produtos diversificados e inovadores Alta qualidade Estrutura de lazer completa Plantas flexíveis Localização: São Paulo Nºde unidades: 31 VGV Total: R$ 67,4 milhões Metragem: 320 e 496 m² 21
  22. 22. Lajes Corporativas Projetos diferenciados em produto, sustentabilidade, tecnologia e margens auferidas Condição macroeconômica brasileira fomenta demanda por produtos Concorrência: poucos players, projetos identificáveis Características Aquisição de Terrenos em grandes centros urbanos. Aquisição de terreno em Permuta e Dinheiro. Desenvolvimento em Parceria. Venda do empreendimento para grandes investidores. Diversas formas de funding. Modelo do Negócio 22 Demanda –São Paulo* *Fonte: CB Richard Ellis – Informativo Market View – Escritório São Paulo – 3T10
  23. 23. Projetos de Lajes Corporativas 23 Localização: Av. Paulista, São Paulo Parte CCDI: 50% Terreno: 11.896 m² Área Privativa Total:~41.650 m² Projeto: Mixed-Use: Shopping + Edifício Comercial AAA Projetos em Pipeline Paulista Viol Localização: Vila Olímpia, São Paulo Terreno: ~38.403 m² Área Privativa Total Estimada: ~121.000 m² Projeto: 02 torres + retail de apoio Projeto Desenvolvido Localização: Av. Chile, Rio de Janeiro Parte CCDI: 44% Torre 1 e 50% Torre 2 Terreno: 8.550 m² Área Privativa Total (BOMA):~105.000 m² Projeto 100% vendido e finalizado Ventura Corporate Towers
  24. 24. Aquisições 2010 Início do Ciclo de Negócio: Aquisição de Terrenos Prioridade na aquisição de terrenos com liquidez para lançamento. Aprovação da compra por todas as áreas estratégicas da Companhia. Aquisição em Dinheiro e/ou Permuta. Estabelecimento de parcerias estratégicas. Diversificação dentro dos Estados de atuação. Estratégia Aquisições 2010 Nº Terrenos: 5 VGV (parte CCDI): R$1.053,7BI Cidades: Valinhos, SP Cajamar, SP / Lançado Guarulhos Americana, SP Campinas, SP Nº Terrenos: 5 VGV (parte CCDI): R$263,3 MM Cidades: Macaé, RJ Campos dos Goytacazes, RJ Duque de Caxias, RJ Curitiba, PR São Paulo, SP / Lançado VGV Adquirido:R$1,3 bilhão Parcerias 2010 24
  25. 25. Banco de Terrenos – Set/2010 REGIÃODE ATUAÇÃO: SP, RJ, MG, PR e ES 48%da população brasileira 62%do PIB brasileiro 22cidades 92% 1% 3% 3% Baixa Renda 29,0% Econômico 21,1%Médio 16,2% Médio-alto 4,2% Alto 9,2% Altíssimo 5,3% Conjuntos 1,2% Lajes Corporativas 13,8% Diversificação porSegmento (%) VGV potencial de R$9,1 bilhões Diversificação Geográfica(%) 1% 25 85% adquirido com permuta
  26. 26. Expansão das Regionais (Acum. Jan a Ago/2010) Região Metropolitana VGV (R$)* RJ PR ES MG R$22,1 bilhões R$5,8 bilhões R$3,2 bilhões R$8,2 bilhões 26 *Fonte: Planejamento e Administração de Vendas – Brasil Brokers. Tamanho do Mercado SP R$41,9 bilhões
  27. 27. Participação dos lançamentos das Regionais (RJ, ES, MG e PR) Crescimentodas regionais. 36% 38% 40% 2009 2010 (E) 2011 (E) % de Participação dos Lançamentos nas Regionais em relação aos Lançamentos CCDI Tradicional 27 (E) Estimativa
  28. 28. UP RESIDENCE Macaé Rio de Janeiro Previsãode Lançamento:nov/10 VGV EstimadoTotal:R$71 milhões SETCABRAL Curitiba Paraná Previsãode Lançamento:dez/10 VGV EstimadoTotal:R$54 milhões MID CURITIBA Curitiba Paraná Previsãode Lançamento:nov/10 VGV EstimadoTotal:R$104 milhões CONNECT WORK STATION Campos dos Goytacazes Rio de Janeiro Previsãode Lançamento:dez/10 VGV EstimadoTotal:R$48,0 milhões Lançamentos 4T10 - Regionais 28
  29. 29. Histórico de Lançamentos 453 1.239 631 358 652 30 269 193 526 453 1.269 900 551 1.178 2006 2007 2008 2009 Até Out/10 Históricode Lançamentos e Projeção 2010 (R$ milhões) HM CCDI 1.350 Projeção 2010 45% 55% 87% da base do guidance 1.550 Baixa Renda:entre 45% - 55% dos lançamentos Aceleração do crescimento: projeção de lançamentos 2010 vs 2009 = + 181% de crescimento 29
  30. 30. Lançamentos São Paulo 2010 30 INBERRINI São Paulo– SP Lançamento:fev/10 100% vendidonoprimeiro mês* VGV Total:R$ 77,1 milhões 216 unidades TERRAÇO EMPRESARIAL JARDIMSUL São Paulo– SP Lançamento:mai/10 100% vendidonoprimeiro mês* VGV Total:R$ 74,1 milhões 271 salas comerciais VILA ALLEGRA SÃO FRANCISCO Osasco – SP Lançamento:set/10 60% vendido noprimeiro mês* VGV Total:R$ 56 milhões 271 unidades PINOT NOIR São Paulo– SP Lançamento:mar/10 76% vendido noprimeiro mês* VGV Total:R$ 73,8 milhões 199 unidades THE PARKER São Paulo– SP Lançamento:set/10 70% vendido nolançamento* VGV Total:R$256,3 milhões 246 unidades * Dados Gerenciais
  31. 31. Tendências, inovações e Sustentabilidade 31 Desenvolvimento de plantas adequadas a usuários que necessitam de cuidados especiais Acessibilidade MOBILIDADE REDUZIDA... DEFICIENTE VISUAL... CADEIRANTE... Projeto “GOL” Produção em escala Eficiência de projetos Otimização de Custos Campanha única de marketing Comitêde Produto Diretrizes para desenvolvimentode produtos Modelos de especificações técnicas
  32. 32. Demanda Aquecida Classe (**) RendaFamiliar Mensal (R$) C B2 D B1 E A1 A2 Até R$8 mil Ate R$13,9 mil Até R$2,9 mil Até R$26 mil Até 1,9 mil Acimade R$39 mil Até R$39 mil1,0% 3,0% 6,0% 13,0% 43,5% 30,1% 4,7% A1 A2 B1 B2 C D E BRASIL: 186,0 milhões dehabitantes (*) 0,9% 3,7% 7,4% 16,8% 46,9% 19,9% 4,4% A1 A2 B1 B2 C D E SUDESTE: 77,9 milhões dehabitantes (*) (*) Fonte: Gismarket 2007 (**) Fonte: ABEP – Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. A CCDI desenvolve produtos, primordialmente, direcionados para as classes B1 a D que correspondem a 91% da população na região Sudeste. 32 Foco CCDI (92,6%) Foco CCDI (91,0%)
  33. 33. A estratégia comercial está baseada em 3 pilares: 1. Megastore Imobiliário: 25 produtos – apartamentos de 48 m² até 280 m². 7 decorados em exposição. 2. Imobiliárias Terceirizadas: 3. Duas imobiliárias dividindo plantão Estratégia Comercial da CCDI 33 Brasil Brokers Estudo de imobiliária própriapara 2011, com foco na venda de estoque Ruben Vasconcelos SelfImóveis Lopes Brasil Brokers Fernandez Mera Lopes Lopes Galvão Lopes 8,6% 8,0% 7,4% 7,3% 7,2% 6,3% 6,3% 6,0% 5,4% 5,1% 5,0% 4,7% 4,4% 3,8% 3,7% 2,7% 2,6% 17 16 15 14 13 12 11 10 9 8 7 6 5 4 3 2 CCDI Despesas Comerciais / RL (*) 1ª Maior eficiênciado mercado (*) Fonte: ITR 3T10 das empresas abertas do Mercado Imobiliário Brasileiro – Informação acumulada dos 9M10.
  34. 34. Histórico de Vendas 161 381 1.010 375 689 114 298 163 161 384 1.124 673 852 2006 2007 2008 2009 9M10 Histórico de Vendas – 100% CCDI (R$ milhões) HM CCDI Vendas dos 9M10 vs vendas de 2009: + 27% de crescimento 34 3
  35. 35. Foco na venda de unidades que estão em estoque Lançamento de projetos com maior liquidez de venda Lançamentos distribuídos ao longo do trimestre Gestão interna da equipe de vendas terceirizada Processo de contratações (venda no stand contrato registrado)mais eficiente Histórico de Velocidade de Vendas Estratégia * Não inclui valores referente ao Ventura Corporate Towers 12,2% 18,4% 23,7% 18,5% 19,3% 28,5% 25,5% 13,7% 31,0% 48,5% 45,4% 37,7% 34,7% 18,7% 1T09 2T09 3T09 4T09 1T10 2T10 3T10 CCDI HM Engenharia Histórico de VSO (%) 35
  36. 36. Estoque a Valor de Mercado 36 Baixo Estoque de Unidades Concluídas: 1,3% do estoque total. Estoque do 3T10 foi impactado pelo forte volume de lançamentos. 1,7% 2,0% 53,7% 55,2% 44,8% 44,6% 42,8% 53,9% 815,0 841,4 1.086,7 1T10 2T10 3T10 ESTOQUE A VALOR DE MERCADO (R$ MM) Unid. Concluídas Unid. em Construção Unid. na Planta 1,3% São Paulo (Interior + Litoral) 36,4% São Paulo (Capital + RMSP) 48,8% Minas Geraise Espírito Santo 10,4% Paraná 2,8% Rio de Janeiro 1,6% ESTOQUE A VALOR DE MERCADO 3T10 Por Localização
  37. 37. InBerrini Engenharia e Obras ClaudioSayeg
  38. 38. Estrutura Organizacional 2011 38 01 Diretor 01 Superintendente 12 Gerentes 18 Coordenadores 30 Engenheiros 20 Arquitetos 40 Staffs 25 Estagiários Equipe altamente qualificada e preparada para o crescimento operacional da Companhia. Áreas implantadas com o início da construção própria - Estrutura replicável em função do número de empreendimentos, sendo o número ótimo 06 empreendimentos ou aproximadamente R$250MM de VGV. GERENTE PROJETO AAA GERENTE PROJETO GERENTE DE ORÇAMENTOS E CONTROLE DE CUSTOS GERENTE DE OBRAS AAA GERENTE GERAL TÉCNICO GERENTE ESPAÇO CLIENTE SUPERINTENDENTE OBRAS GERENTE DE OBRAS PRÓPRIAS GERENTE DE SUPRIMENTOS GERENTE GERAL DESENVOLVIMENTO GERENTE PADRONIZAÇÃO E PESQUISA GERENTE OBRAS TERCEIROS 1 E 2 DIRETOR ENGENHARIA GERENTE GERAL REGIONAIS
  39. 39. Mercado Atual 39 Princípios / Diretrizes para Garantia de Custos e Prazos 374 MM Antecipação do Inicio das Obras. EngenhariadeValor. Industrialização daConstrução. Parcerias comProjetistas e Fornecedores. Aquisições Antecipadas (Suprimentos). Planejamento Estratégico da Operação. Controle Rigoroso do Custo deConstrução. Faltade Mão de Obra Escassez de Insumos Faltade Capacitação Aumento de Custos Riscos Atuais da Construção Estratégia CCDI Construção própria Industrialização daConstrução EngenhariadeValor Parcerias comProjetistas e Fornecedores Antecipação do Início das Obras Aquisições Antecipadas (Suprimentos) Controle Rigoroso do Custo deConstrução Plano de Capacitação e Retenção deProfissionais Faltade Mão de Obra Escassez de Insumos Faltade Capacitação Aumento de Custos Riscos Atuais da Construção
  40. 40. 46% 28% 2012 Produção - CCDI 40 CapacidadedeExecução (E)* 89% 11% 2011 *(E) Estimativa 54% 46% 2013 Ganho de escala e diluição de custos fixos. Empreendimentos em Operação - VGV (R$ MM) 348 189 2.032 1.051 A iniciar 2011* A iniciar 2010 Em andamento Concluídos 19 Torres, 14 Empreendimentos 91 Torres, 34 Empreendimentos 02 Torres, 02 Empreendimentos 07 Torres, 03 Empreendimentos 2012 ObrasTerceirizadas Obras- Construção Própria
  41. 41. Evolução da Produção - CCDI 41 90 319 369 416 323 5.622 -2000 -1000 0 1000 2000 3000 4000 5000 6000 2007 2008 2009 2010 2011 Entrega* (emunidades) Unidades Entregues Previsão de Entrega 739 1.144 5.636 7.789 9.033 8.448 272 1.492 1.144 5.636 7.789 9.305 9.940 2007 2008 2009 2010 2011 Construção (emunidades) Construção São Paulo / Regionais Construção Própria soma *No caso de empreendimentos faseados, considera-se a entrega da última fase como sendo a data de entrega oficial do empreendimento.
  42. 42. Construção Própria – Gestão Rigorosa de Custos 42 Forte controle de custos via sistema específico para compras 1 •Identificaçãode necessidade de aquisição edisponibilidade de verba no orçamento 2 •Registroeaprovações das requisições de insumo no sistema 3 •Aprovaçãodos Contratos e Pedidos por limite de alçada 4 •Gestãodos contratos e pedidos 5 •Gerenciamento dos Custos: Acompanhamento do orçado x realizado
  43. 43. Parcerias2010/2011 - Suprimentos 43 Aço Concreto Bloco de Concreto Revestimento Cerâmico Elevadores Mão de Obra Civil Instalações Esquadrias Compras Corporativas Contratos deMédio e Longo Prazo Negociação de Grandes Volumes Fidelização de Fornecedores Compra Antecipada Foco na GarantiadeAtendimento à Demanda OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS
  44. 44. Parcerias– Economia na compra de insumos 2010 44 26,6 25,4 22,8 4,3 1,3 24,2 21,8 22,1 3,7 1,2 Aço Elevadores Concreto Blocos Portas Custo dos Insumos – R$ MM (Orçado x Realizado) Orçado Realizado 19,5% 17,5% % Total da Obra Economia de 2% na compra de insumos em relação ao custo total da obra. Economia -2,0% -9,0% -7,4% -13,9% -7,7%
  45. 45. Construção Própria - Treinamentos 45 Multiplicadores “PBQPH” Programa Brasileiro de Qualidade na Produção de Habitação “SAP” - Módulo Gerencial de Planejamento, Suprimento e Controle de Custos Técnicas de Liderança Foco no Cliente Técnicas de Negociação Segurança no Trabalho Desenvolvimento contínuodas Equipes
  46. 46. Construção Própria - Chardonnay 46 24 MESES jun/12 INFORMAÇÕES GERAIS - EMPREENDIMENTO INFORMAÇÕES GERAIS - OBRA CUSTO DA CONSTRUÇÃO:1 15 MM PRAZO DA OBRA:Nº DE PAVIMENTOS / UNIDADES: 20 (TIPOS) / 120 UNI ago/10 Nº DE TORRES : ÁREA TOTAL CONSTRUÍDA: 11.741,12 M2 INÍCIO / TÉRMINO: Início da Obra 08 meses após o lançamento. EMPREENDIMENTO Lançamento Início Término Prazo (meses) 7 8 9 10 11 12 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 CRONOGRAMA FÍSICO E PRAZOS DE ENTREGA DE OBRAS 20112009 201320122010 C L 1/6/2012 22Chardonnay dez/09 1/8/2010 PREVISTO realiz ado ENTREGA PARA CLIENT E F IM DA CARÊNCIAREALIZADO OBRA PREVISTO OBRAL ANÇAMENTO
  47. 47. Construção Própria - Merlot 47 24 MESES out/12 INFORMAÇÕES GERAIS - EMPREENDIMENTO INFORMAÇÕES GERAIS - OBRA CUSTO DA CONSTRUÇÃO:2 25 MM PRAZO DA OBRA:Nº DE PAVIMENTOS / UNIDADES: 19 (TIPOS) / 152 UNI out/10 Nº DE TORRES : ÁREA TOTAL CONSTRUÍDA: 21.962,30 M2 INÍCIO / TÉRMINO: Início da Obra 10 meses após o lançamento. EMPREENDIMENTO Lançamento Início Término Prazo (meses) 7 8 9 10 11 12 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 CRONOGRAMA FÍSICO E PRAZOS DE ENTREGA DE OBRAS 20112009 201320122010 Merlot L 24 PREVISTO C1/10/2010dez/09 realiz ado1/10/2012 ENTREGA PARA CLIENT E F IM DA CARÊNCIAREALIZADO OBRA PREVISTO OBRAL ANÇAMENTO
  48. 48. Construção Própria – Benefícios x Desafios 48 Aumento da margem do empreendimento Independência na tomada de decisão para cumprimento de objetivos Engenharia de valor com foco na redução de custos Padronização de processos “Cultura CCDI” Maior controle dos prazos de entrega Garantia de qualidade -Satisfação dos Clientes Benefícios Formação e retenção de profissionais qualificados Construção replicável “Padronização” Maior economia na aquisição de insumos Desenvolvimento de novos planos de sustentabilidade para as obras Desafios
  49. 49. Construção nas Regionais 49 Parceria com Construtoras Locais Contrato pelo regime de “Preço Máximo Garantido” Gerenciamento da construção pela CCDI Co-responsabilidade da Construtora no Desenvolvimento de Projetos Utilização de Contratos Corporativos para aquisições de materiais Fidelização de Projetistas e Fornecedores Modelo de Atuação Áreas de Atuação
  50. 50. Atendimento aos Clientes - CCDI 50 1.424 3.631 4.881 7.172 2007 2008 2009 2010 (E) Clientes Ativos Aumento de 171% na base de clientes Excelência no Atendimento Foco no cliente: um dos 3 pilares estratégicos da Companhia Automatização de processos de atendimento aos clientes (CRM) Parceria com empresa especializada em atendimento ao cliente Realização de pesquisas de satisfação Treinamentos Estratégia Satisfação dos Clientes *Fonte: www.reclameaqui.com.br – 25/11/2010 – Índice Geral 100% 100% 100% 100% 93% 94% 73% 70% 55% Reclamações Realizadas x Atendidas* Nas diversas pesquisas realizadas com os clientes da CCDI no ano de 2010, obtivemos um índice de 86% de satisfação no que se refere ao atendimento ao cliente
  51. 51. JardinsdeVilaRica Recursos Humanos e Sustentabilidade RicardoFonseca
  52. 52. Atratividade 52 As empresas de maior prestígio no Brasil (2009-2010) Eleita empresa de maior prestígio no setor de Construção, Incorporação e Locação no Anuário Época NEGÓCIOS100. Pelo segundo ano consecutivo no ranking, a Companhia subiu da segunda para primeira posição de 2008 para 2009. As empresas mais admiradas no Brasil (2009) Pelo segundo ano consecutivo, a CCDI figura entre as três empresas mais admiradas no Brasil na categoria “Construtoras e Incorporadoras”, segundo pesquisa Carta Capital. A 12ª edição da pesquisa “As Empresas Mais Admiradas no Brasil”, organizada pela revista Carta Capital, realizada nos meses de julho e agosto, entrevistou 1.238 executivos de 42 setores da Economia e seu resultado posicionou a CCDI no 3º lugar do ranking específico das empresas de Construção e Incorporação. Reconhecimento da MARCA é um ponto forte
  53. 53. Retenção 53 Competências organizacionais e caminhos de carreira Incorporação Engenharia Apoio Competências Gestão Essenciais Específicas Incorporação Específicas Engenharia Específicas Apoio Analista Coordenador Gerente Diretor
  54. 54. Remuneração e Benefícios 54 Monitorarconstantementeo segmento de Incorporaçãoeremuneraros profissionais dentro das práticas demercado indicadas pelaconsultoriaHay, garantindo salários competitivos, capazes deatraire reterprofissionais Remuneração Fixa Definir metas e indicadores alinhados ao negócio, buscando alavancardesempenhos diferenciados, reconhecendo os profissionais comremunerações variáveis atreladas àentregaderesultados Remuneração Variável Fidelizar e alavancaro vinculo entre empresae os principais executivos, fortalecendo o comprometimento delongo prazo. Programas Vigentes: 2008, distribuídas 112.354 opções totalizando R$ 1.086 mm 2009, distribuídas 623.838 opções totalizando R$ 1.997 mm 2010, distribuídas 413.289 opções totalizando R$ 1.983 mm. ILP Oferecer um pacoteatrativo ealinhado as principais práticas demercado, buscando qualidade, segurançae bem-estaraos colaboradores eseus familiares Benefícios
  55. 55. Capacitação 55 21 47 18 24 138,0 517,9 51,0 152,1 0 200 400 600 0 10 20 30 40 50 2007 2008 2009 AtéOut/2010 Média de horas por colaborador Investimento em Capacitação(R$ mil) •Gestão de Desempenho •Crédito Imobiliário •Gestão e Liderança •Tecnologia, Estruturas e Fundações •Código de Conduta Treinamentos 2010 •Técnicas de Negociação •Ouvidoria •Planejamento, Gestão,Controle de Prazos,Custos e Qualidade de Obras •Entre Outros
  56. 56. Produtividade 56 Estamos fazendo mais com menos Diretores | 2% Superintendentes e Gerentes | 12 % Coordenadores | 17% Técnicos | 16% Administrativos | 44% Programas de formação | 9% Estrutura Hierárquica 631,1 357,7 652,1 244 193 220 0 100 200 300 0 200 400 600 800 2008 2009 AtéOut/2010 VGV LançadoCCDI (R$ MM) - 100% CCDI Número de Profissionais - CCDI
  57. 57. Sustentabilidade 57 Campanhapara consumo conscientede energia,água e impressões. 468mudas plantadasem empreendimentos Doaçãode 6.796 mudas para viveiros Plantiode 6.616 mudas em áreas públicas Realização de ação na ONG Vivendo com Arte em Paraisópolis: + de 50 voluntários + de 100 beneficiados Cumprimento da quota de menor aprendiz
  58. 58. CoresAzul Performance Financeira LeonardoRocha
  59. 59. Vantagens Competitivas Atuação em todos os segmentos de mercado Demanda Aquecida Capacidade de Execução Qualidade e Certificações Reconhecimento da Marca 59 Baixa Renda Tradicional Lajes Corporativas
  60. 60. 20% 26% 35% 22% 29% 2006 2007 2008 2009 9M10 Margem Bruta 25 57 202 114 222 2006 2007 2008 2009 9M10 Lucro Bruto (R$ milhões) 125 224 584 514 755 2006 2007 2008 2009 9M10 Receita Líquida (R$ milhões) 2 (21) 52 58 116 2006 2007 2008 2009 9M10 Lucro Líquido (R$ milhões) Baixa Renda: 20% Baixa Renda: 20% Baixa Renda: 30,2% Baixa Renda: 18% PerformanceFinanceira Consolidada 60
  61. 61. 127 599 631 675 792 2006 2007 2008 2009 set/10 Patrimônio Líquido 8 (47) 59 101 158 2006 2007 2008 2009 9M10 EBITDA (R$ milhões) (11) (149) 44 282 446 2006 2007 2008 2009 set/10 Dívida Líquida (Caixa Líquido) (R$ milhões) 19 209 66 319 285 2006 2007 2008 2009 set/10 Posição de Caixa (R$ milhões) PerformanceFinanceira Consolidada 61
  62. 62. Cobertura de Analistas 62 Instituição Recomendação Target-Price Última Revisão Market Perform R$11,00 30/08/2010 Neutral R$10,00 10/11/2010 Hold R$8,50 08/10/2010 Sell R$7,20 04/11/2010 Média do Target-Price R$9,18
  63. 63. Desempenho Acionário (até 24/11/2010) 63 R$ 0,00 R$ 1.000.000,00 R$ 2.000.000,00 R$ 3.000.000,00 R$ 4.000.000,00 R$ 5.000.000,00 R$ 6.000.000,00 R$ 7.000.000,00 70 80 90 100 110 120 130 140 150 160 170 jan-10 fev-10 mar-10 abr-10 mai-10 jun-10 jul-10 ago-10 set-10 out-10 nov-10 Volume$ CCIM3 IBOV IMOB R$ 7,79 R$ 5,45 CCIM3:+42,9% IBOV:+1,5% IMOB:+11,3% Fonte: Economática. Volume
  64. 64. Perfil da Base Acionária 64 66,1% 33,9% Sociedadesde Propósito Específico 100% Estrutura Societária 43% 36% 21% FreeFloat - Nov/2010 Investidor Internacional Investidor Institucional Local Investidor Pessoa Física 57%14% 10% 5% 11% Brasil Luxemburgo USA França Outros
  65. 65. Desempenho Acionário 2010 (até 24/11/2010) 65 -14,1% -12,3% -11,5% -5,5% -5,4% -3,3% -3,2% 4,1% 5,0% 7,7% 18,7% 21,4% 22,3% 24,3% 42,9% 46,6% 54,5% Cyrela Gafisa JHSF CR2 Rodobens Rossi Inpar Even Tecnisa Brookfield MRV PDG Direcional Trisul CCDI Eztec Helbor Variação Anual Acumulada (2010) Média: 11,3%
  66. 66. Múltiplos de Mercado 66 2,80 2,45 2,05 1,97 1,87 1,63 1,55 1,55 1,52 1,48 1,41 1,26 1,19 1,10 0,87 0,68 MRV Direcional Cyrela PDG Helbor Rossi Even Eztec Gafisa Tecnisa Brookfield Rodobens Trisul CCDI Inpar CR2 Price/Book Value* 1,72 1,57 1,47 1,35 1,23 1,09 1,00 0,95 0,94 0,89 0,84 0,71 0,69 0,63 0,63 0,62 MRV Direcional PDG Cyrela Rossi Eztec Helbor Gafisa Even Brookfield Tecnisa Rodobens CCDI CR2 Trisul Inpar Price/Liquidation Value* *Fonte: Barclays Capital Research – Relatório emitido em 17/11/2010. Price – Fechamento do dia 17/11/2010
  67. 67. IFRS - Principais impactos na Contabilidade Implementaçãoem 2 etapas: 67 1ª Etapa 2008 2ª Etapa A ser implementada Contabilização de permuta. Contabilização do valor presente da carteira de recebíveis. Uniformização do conceito de custo. Tratamento de stand como despesa. Regra de contabilização de cessão de recebíveis. Tratamento de juros como Custo. Decisão prevista para a reunião do CPC na primeira semana de dezembro/2010. Reconhecimento de resultado do empreendimento em um único período, após a entrega das chaves do empreendimento. Alteração nos indicadores financeiros
  68. 68. Contatos RI: LeonardoLeonardo de Paiva Rochade Paiva Rocha Diretor de Finanças e RI Camila Poleto BernardiCamila Poleto Bernardi Coordenadora de RI Gabriel Barros Oliveira de Gaetano Analista de RI Rua Funchal, 160 – 9º andar Vila Olímpia – São Paulo – SP CEP: 04551-903 Tel:(55 11) 3841-4824 Fax:(55 11) 3841-5761 www.ccdi.com.br/ri ri.ccdi@ccdi.com.br TerraçoEmpresarialJardimSul
  69. 69. Management José Alberto Diniz de Oliveira é graduado em Engenharia e Mestre (MBA) em Administração de Negócios pela Stern School of Business (New York University). Possui mais de 25 anos de experiência em finanças e administração em instituições de primeira linha, como Itaú, McKinsey e MGDK. Atuou como VP de Finanças da Andrade Gutierrez e foi membro do Conselho de Administração da Telemar e Pegasus Telecom. Atualmente, é Presidente da Divisão Incorporação, Meio Ambiente e Área Corporativa da Camargo Corrêa S.A. e Conselheiro nas empresas Alpargatas, CCDI, CAVO e Essencis. Carlos Pires Oliveira Dias é membro do Conselho de Administração da Companhia e do conselho de administração da CCSA desde 2003, sendo membro do conselho de administração da CCSA desde 1977, tendo também exercido de 1975 a 1989 cargo executivo na CCCC. Atualmente, o Sr. Dias também exerce cargo de vice-presidente do conselho de administração em várias outras empresas do Grupo Camargo Corrêa. É graduado em economia pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Luiz Roberto Ortiz Nascimento é membro do Conselho de Administração da CCDI e do conselho de administração da CCSA desde 2003, além de ser membro do conselho de administração da CCSA desde 1977. O Sr. Ortiz tem mais de 30 anos de experiência no Grupo Camargo Corrêa, tendo iniciado sua carreira na PMV em 1974. Atualmente, também exerce cargo de vice-presidente do conselho de administração em várias outras empresas do Grupo Camargo Corrêa. É graduado em economia pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Albrecht Curt Reuter-Domenech é membro do Conselho de Administração da Companhia desde 2004 e membro do conselho de administração da CCSA desde 2006, assim como de outras empresas do Grupo Camargo Corrêa. Anteriormente à sua entrada no Grupo Camargo Corrêa, foi diretor-sócio da McKinsey & Company, Inc., (empresa onde participou ativamente no desenvolvimento de atividades na América Latina desde 1979). Liderou as práticas de Instituições Financeiras, e de Finanças e Estratégias Corporativas, trabalhando em projetos de fusões, aquisições e alianças, valuation e avaliação estratégica econômica. É graduado em engenharia civil pela Universidade de Porto Rico, e tem MBA pela The Wharton School, University of Pennsylvania. Victor Sarquis Hallack é membro do Conselho de Administração da CCDI desde setembro de 2006, quando também assumiu a presidência do conselho de administração da CCSA. Também participa do Conselho de Administração da Embraer - Empresa Brasileira de Aeronáutica S.A. desde 1995. Anteriormente, o Sr. Hallack ocupou o cargo de diretor executivo do Grupo Bozano desde 1993. Atuou por 17 anos na Companhia Vale do Rio Doce, tendo ocupado, entre outros, os cargos de diretor de finanças e desenvolvimento (1990-1993) e de diretor geral da Rio Doce America, em Nova York (1984-1990). O Sr. Hallack é bacharel em Direito pela Universidade Federal de Juiz de Fora, mestre em Administração de Empresas pela Pace University e pós-graduado em Administração de Empresas pela Kent State University. Sergio Zappa é conselheiro independente do Conselho de Administração da Companhia desde 7 de dezembro de 2006. Anteriormente, o Sr. Zappa ocupou cargos importantes na Rio Bravo Serviços Financeiros, no International Finance Corporation – IFC, no Grupo Banco Mundial, no UNIBANCO – União de Bancos Brasileiros S.A., no Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico – BNDES e no Banco Econômico de Investimentos S.A., possuindo uma vasta experiência no setor financeiro e de mercado de capitais. É graduado em economia pela Georgetown University – Washington e mestre em administração internacional pela American Graduate School of International Management. Conselho de Administração 69
  70. 70. Management Francisco Sciarotta Neto é Diretor Superintendente da CCDI desde 30 de setembro de 2009. Graduado em Economia e Ciências Contábeis pela Universidade Mackenzie, com MBA pela Business School de São Paulo e especialização em controladoria e administração financeira pela Fundação Getúlio Vargas. Executivo com história no Grupo Camargo Corrêa, desde janeiro de 2007, era o Diretor Superintendente do Centro de Soluções Compartilhadas, área estratégica, responsável pela gestão administrativa de diversas unidades de negócio do conglomerado. Antes de ocupar esse posto, entre outros cargos executivos, foi diretor administrativo financeiro da Camargo Corrêa Industrial e da Cimento Cauê (1993/1999) e da PMV (Participações Morro Vermelho), acionista controladora do grupo empresarial. Com passagens pelas multinacionais Arthur Andersen e Johnson & Jonhson, foi CFO da subsidiária brasileira da Sara Lee International (2004/2007), tendo sido responsável pela adequação da empresa às diretrizes da Lei Sarbanes Oxley (SOX), e foi vice-presidente administrativo-financeiro, no Brasil, da multinacional norte- americana Diveo (1999-2001). Leonardo de Paiva Rocha é Diretor de Finanças e Relações com Investidores da CCDI desde 23 de abril de 2009. Graduado em Engenharia Mecânica pelo Instituto Militar de Engenharia/RJ (1981). Tem mestrado em Administração de Empresas na PUC/RJ (1989) com ênfase em Finanças e especialização em Administração de Marketing na FGV/SP (1991). Participou do CFO’ s Executive Program – University of Chicago em 2007. Com 27 anos de experiência nas áreas de Controladoria, Tesouraria, Planejamento Financeiro, Estratégico e Tributário, Compras e Informática; atuou em grandes empresas do mercado tais como: Coca-cola, Grupo Telefônica, Grupo Pão de Açúcar, HP Brasil e Globex Utilidades S/A (Ponto Frio). Tem profundo conhecimento de processos de Fusão & Aquisição de empresas e sólida experiência em estruturação de operações financeiras e de mercado de capitais. Foi presidente e é membro do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças – SP (IBEF-SP). Também é membro do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC). Maurício Barbosa é Diretor de Incorporação da Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário desde 2007. Maurício atua no mercado imobiliário desde 1997, quando ingressou na America Properties, empresa criada pelo Grupo Rossi para o desenvolvimento de empreendimentos nos segmentos de escritórios e residencial de alto padrão. Após a fusão com a Rossi Residencial, assumiu a posição de diretor em 2006, quando criou a área de loteamentos da empresa. É graduado em Engenharia Civil pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), com especialização em Engenharia de Produção pela Fundação Vanzolini e em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Cláudio Sayeg é Diretor de Engenharia e de Relações com Clientes, é formado pela FEFAAP em Engenharia Civil e em Direito pelo Mackenzie, com Pós Graduação em Estrutura de Concreto Armado pela Universitá Politécnico di Milano – Itália, tendo sido Diretor de Gerenciamento de Obras na Bárbara Engenharia, antes de seu ingresso na CCDI. Diretoria Executiva CCDI 70
  71. 71. Management Henrique Ernesto Bianco é Diretor Presidente da HM Engenharia e Construções S/A, empresa que fundou, e que hoje pertence à CCDI. Graduado em Engenharia Civil pela Faculdade de Engenharia de Barretos em 1974, com especialização pela USP São Carlos, Instituto Politécnico de Ribeirão Preto e Fundação Centro Nacional de Segurança, Higiene e Medicina no Trabalho (Engenharia de Segurança). Membro da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), do Ibracon (Instituto Brasileiro do Concreto), da ABENC (Associação Brasileira de Engenheiros Civis), do IBAPE (Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia), do COPMAT (Comitê dos Professores de Material de Construção). Presidiu a Associação Barretense de Engenharia Arquitetura e Agronomia, foi conselheiro e 2º Vice-Presidente do CREA SP entre 1977 e 1983. Foi Professor Titular na Faculdade de Engenharia de Barretos de 1975 a 1986. Atuou como Perito Avaliador, Engenheiro Fiscal e Responsável Técnico de diversos conjuntos Habitacionais da Companhia Habitacional Regional. Marcos Feliciani é Diretor de Engenharia e Obras da HM Engenharia e Construções S/A, empresa onde atua desde 1976. Graduado em Engenharia Civil pela Fundação Educacional de Barretos, em 1977, tem especialização pela USP - São Carlos, na área de Transportes e de Engenharia de Avaliações e Perícias Técnicas pela FDTE – Politécnica – USP. Desde 1986, atua como Diretor Técnico da HM, comandando gerências e setores como o de Projetos de Infra-Estrutura, Orçamentos, Suprimentos, Obras, Gestão de Qualidade, Sustentabilidade, Saúde e Segurança Ocupacional. Ocupa ainda, as funções de RA-RD (Representante da Administração/ Direção ) e / ou Guardião, além de Auditor Interno de Qualidade. No Grupo Camargo Correa, atua como membro dos Diretores Guardiões de Sustentabilidade. Mauro Rocha Bastazin é Diretor Financeiro da HM Engenharia e Construções S/A desde 01 de fevereiro de 2008. Graduado em Engenharia Química pela Escola Politécnica da USP, com pós graduação em Administração de Empresas pela FGV-SP. Executivo com história no Grupo Camargo Corrêa, desde junho de 2004, atuando na área de Planejamento Estratégico dos negócios de Engenharia e Construção. Antes de entrar no Grupo Camargo Corrêa foi consultor da PricewaterhouseCoopers, especializado em projetos de transformação organizacionais. Diretoria Executiva HM Engenharia 71
  72. 72. Anexos: Demonstrações Financeiras Pinot Noir 72
  73. 73. Demonstração de Resultados Consolidado DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS – CONSOLIDADO (R$ MIL) - REPORTADO 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09 RECEITA BRUTA DE VENDAS E/OU SERVIÇOS 281.464 227.015 108.174 24,0% 160,2% 782.773 360.699 117,0% Venda de Imóveis 276.837 223.595 103.831 23,8% 166,6% 772.186 352.053 119,3% Aluguéis de Imóveis - - - --- --- - - --- Prestação de Serviços 2.790 1.554 3.517 79,5% -20,7% 5.865 5.259 11,5% Outras Receitas 1.837 1.866 826 -1,6% 122,4% 4.722 3.387 39,4% DEDUÇÃO DA RECEITA BRUTA (9.039) (7.865) (4.262) 14,9% 112,1% (27.599) (13.661) 102,0% RECEITA LÍQUIDA DE VENDAS E/OU SERVIÇOS 272.425 219.150 103.912 24,3% 162,2% 755.174 347.038 117,6% CUSTO DE BENS E/OU SERVIÇOS PRESTADOS (200.817) (165.493) (98.365) 21,3% 104,2% (533.607) (276.049) 93,3% Venda de Imóveis (199.098) (163.928) (98.225) 21,5% 102,7% (529.879) (275.755) 92,2% Aluguéis de Imóveis (3.728) - - --- --- (3.728) 60 --- Prestação de Serviços 2.009 (1.565) (140) --- --- - (354) --- LUCRO BRUTO 71.608 53.657 5.547 33,5% 1190,9% 221.567 70.989 212,1% MARGEM BRUTA (%) 26,3% 24,5% 5,3% 1,8pp. 20,9pp. 29,3% 20,5% 8,9pp. (DESPESAS) RECEITAS OPERACIONAIS (26.042) (17.610) (63.729) 47,9% -59,1% (65.008) (102.232) -36,4% Com Vendas (8.594) (6.675) (9.599) 28,7% -10,5% (19.828) (20.508) -3,3% Gerais e Administrativas (17.448) (10.935) (54.130) 59,6% -67,8% (45.180) (81.724) -44,7% Despesas Gerais e Administrativas (17.793) (16.674) (21.272) 6,7% -16,4% (51.510) (48.823) 5,5% Outras (Despesas)/Receitas Operacionais 345 5.739 - -94,0% --- 6.330 - --- (PREJUÍZO) LUCRO OPERACIONAL ANTES DO RES. FINANC. 45.566 36.047 (58.182) 26,4% --- 156.559 (31.243) --- RESULTADO FINANCEIRO (5.702) (4.885) (6.841) 16,7% -16,6% (14.336) (6.649) 115,6% Receitas Financeiras 11.022 10.489 4.946 5,1% 122,8% 31.069 18.426 68,6% Despesas Financeiras (16.724) (15.374) (11.787) 8,8% 41,9% (45.405) (25.075) 81,1% RESULTADO ANTES TRIBUTAÇÃO / PARTICIPAÇÕES 39.864 31.162 (65.023) 27,9% --- 142.223 (37.892) --- IR E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL (13.762) (6.147) 3.261 123,9% --- (25.780) (6.328) 307,4% PARTICIPAÇÕES MINORITÁRIAS - - - --- --- - - --- LUCRO / PREJUÍZO DO PERÍODO 26.102 25.015 (61.762) 4,3% --- 116.443 (44.220) --- MARGEM LÍQUIDA (%) 9,6% 11,4% -59,4% -1,8pp. --- 15,4% -12,7% --- NÚMERO AÇÕES, EX-TESOURARIA (unidades) 112.990.000 112.990.000 113.000.000 0,0% 0,0% 112.990.000 113.000.000 0,0% LUCRO POR AÇÃO 0,2310 0,2214 (0,5466) 4,3% --- 1,0306 (0,3913) --- 73
  74. 74. Balanço Patrimonial Consolidado - Ativo BALANÇO PATRIMONIAL - CONSOLIDADO (R$ MIL) REPORTADO 30/09/2010 30/06/2010 % ATIVO 2.508.605 2.343.197 7,1% TOTAL DO CIRCULANTE 1.556.020 1.428.494 8,9% Disponibilidades 276.831 281.683 -1,7% Contas a Receber de Clientes 780.576 566.856 37,7% Adiantamento a Fornecedores 10.127 7.498 35,1% Imóveis a Comercializar 387.341 440.055 -12,0% Despesas Antecipadas 341 443 -23,0% Impostos a Recuperar 11.101 10.663 4,1% Outros Créditos 89.703 121.296 -26,0% TOTAL DO ATIVO NÃO CIRCULANTE 952.585 914.703 4,1% Realizável a Longo Prazo 814.259 778.558 4,6% Aplicações Financeiras 7.729 0 --- Contas a Receber de Clientes 186.455 234.821 -20,6% Imóveis a Comercializar 615.202 533.081 15,4% Partes Relacionadas 13 16 -18,8% IR e CS Diferidos 4.089 9.899 -58,7% Despesas Antecipadas 9 9 0,0% Outros Créditos 762 732 4,1% Investimentos 6 6 0,0% Participações em Controladas 0 0 --- Outros 6 6 0,0% Imobilizado 94.715 93.231 1,6% Intangível 43.605 42.908 1,6% 74
  75. 75. Balanço Patrimonial Consolidado - Passivo BALANÇO PATRIMONIAL - CONSOLIDADO (R$ MIL) REPORTADO 30/09/2010 30/06/2010 % PASSIVO 2.508.605 2.343.197 7,1% TOTAL DO CIRCULANTE 566.052 431.766 31,1% Financiamento para construção 225.263 147.885 52,3% Debêntures 12.646 73 17223,3% Obrigações pela compra de terrenos em espécie 47.816 42.827 11,6% Obrigações pela compra de terrenos em permuta física 0 0 --- Obrigações pela compra de terrenos em permuta financeira 196.524 158.164 24,3% Fornecedores e contas a pagar 22.742 21.993 3,4% Impostos e contribuições a recolher 9.010 10.902 -17,4% Partes relacionadas 701 3.334 -79,0% Salários e encargos a pagar 18.524 14.757 25,5% Imposto de renda e contribuição social diferidos 0 0 --- PIS e Cofins diferidos 607 1.205 -49,6% Adiantamentos de clientes 17.265 16.402 5,3% Dividendos propostos 3 3 0,0% Outras contas a pagar 14.951 14.221 5,1% TOTAL DO NÃO CIRCULANTE 1.150.315 1.145.436 0,5% Financiamento para construção 93.424 110.964 -15,8% Debêntures 399.359 399.144 0,1% Imposto de renda e contribuição social diferidos 28.889 22.448 28,7% PIS e Cofins diferidos 32.529 26.293 23,7% Adiantamento de Clientes 36.322 36.970 0,0% Partes relacionadas 0 0 --- Obrigações pela compra de terrenos em espécie 6.599 3.020 118,5% Obrigações pela compra de terrenos em permuta física 0 0 --- Obrigações pela compra de terrenos em permuta financeira 552.359 543.844 1,6% Fornecedores e contas a pagar 0 0 --- Outras obrigações 834 2.753 -69,7% PATRIMÔNIO LÍQUIDO 792.238 765.995 3,4% Capital social realizado 540.189 540.189 0,0% Reservas de capital 85.128 84.987 0,2% Ações em tesouraria (60) (60) 0,0% Reserva de lucros 166.981 140.879 18,5% 75
  76. 76. Fluxo de Caixa Consolidado FLUXO DE CAIXA - CONSOLIDADO (R$ MIL) REPORTADO 3T10 2T10 3T09 3T10/2T10 3T10/3T09 9M10 9M09 9M10/9M09 Lucro Líquido do Exercício antes do IR e CS 39.864 31.162 (65.023) 27,9% --- 142.223 (37.892) --- Ajustes para conciliar o lucro líquido ao caixa oriundo das atividades operacionais - - - --- --- - - --- Depreciações e amortizações 601 584 535 2,9% 12,3% 1.680 1.655 1,5% PIS e COFINS diferidos 5.638 (1.904) 2.902 --- 94,3% 6.537 8.037 -18,7% Constituição (reversão) de provisões (188) 6.874 2.791 --- --- 6.599 779 747,1% Encargos financeiros 19.297 16.524 8.063 16,8% 139,3% 50.749 18.263 177,9% Baixa de ativo permanemte 30 31 237 -3,2% -87,3% 61 397 -84,6% Contas a receber de clientes (165.067) (109.878) (43.669) 50,2% 278,0% (365.878) (186.442) 96,2% Imóveis a comercializar (29.407) (27.849) 25.505 5,6% --- 20.107 32.903 -38,9% Adiantamento a fornecedores (2.629) 1.813 (1.212) --- 116,9% (5.688) 3.141 --- Despesas antecipadas 102 268 77 -61,9% 32,5% 494 739 -33,2% Impostos a Recuperar (438) (3.389) (111) -87,1% 294,6% (2.264) 2.123 --- Outros Créditos 31.563 6.562 (893) 381,0% --- 29.392 (3.140) --- Fornecedores e contas a pagar 56.234 25.570 (17.169) 119,9% --- 42.123 (44.097) --- Salários e férias a pagar 3.767 (848) 1.523 --- 147,3% 5.253 1.251 319,9% Adiantamento de Clientes 215 4.534 - -95,3% --- 4.364 (1.170) --- Impostos e contribuições a recolher (1.188) (1.818) 391 -34,7% --- (1.364) (466) 192,7% Outras Contas a Pagar (1.189) 4.249 11.071 --- --- 4.247 11.920 -64,4% Caixa Líquido usado nas atividades operacionais (42.795) (47.515) (74.982) -9,9% -42,9% (61.365) (191.999) -68,0% Imposto de Renda e Contribuição Social pagos (2.215) (4.878) (1.035) -54,6% 114,0% (25.263) (3.928) 543,2% Juros pagos para construção (5.862) (44.102) (2.946) -86,7% 99,0% (56.690) (9.370) 505,0% CAIXA GERADO PELAS ATIVIDADES OPERACIONAIS (50.872) (96.495) (78.963) -47,3% -35,6% (143.318) (205.297) -30,2% Fluxo de caixa das atividades de investimentos Partes Relacionadas Líquidas (2.630) (687) (1.750) 282,8% 50,3% (3.769) (4.375) -13,9% Resgates (Aplicações) de aplicações Financeiras 9.222 (21.831) 32.462 --- -71,6% 43.105 (14.292) --- Ágio na aquisição de controlada - - (4.885) --- --- (2.250) (4.885) -53,9% Aquisição de ativo imobilizado e intangível (2.812) (3.715) (1.101) -24,3% 155,4% (7.262) (5.591) 29,9% CAIXA APLICADO NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS 3.780 (26.233) 24.726 --- -84,7% 29.824 (29.144) --- Fluxo de caixa das atividades de financiamentos Pagamento de dividendos - (13.774) - --- --- (13.774) (1.951) 606,0% Captação líquida de financiamentos 58.977 33.522 114.164 75,9% -48,3% 135.409 295.624 -54,2% Pagamentos / Amortização de financiamentos - (204) - --- --- - - --- Amortização de custo na emissão de debêntures 214 367 - -41,7% --- 581 - --- CAIXA APLICADO NAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS 59.191 19.911 114.164 197,3% -48,2% 122.216 293.673 -58,4% Aumento (redução) em caixa e equivalentes 12.099 (102.817) 59.927 --- -79,8% 8.722 59.233 -85,3% Caixa e equivalentes no início do exercício 16.592 119.409 8.803 -86,1% 88,5% 19.969 9.497 110,3% CAIXA E BANCOS NO FIM DO PERÍODO 28.691 16.592 68.730 72,9% -58,3% 28.691 68.730 -58,3% 76

×