Processos energéticos que ocorrem nas células[1]

4.944 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.944
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
25
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
71
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Processos energéticos que ocorrem nas células[1]

  1. 1. Processos energéticos que ocorrem nas células Nome:Gabriel Novelo e Murilo Turma:182 A Professor: Roberto Henrique Bagatini
  2. 2. Molécula de ATP <ul><li>A molécula ATP é a energia que sobrou numa reação exotérmica pra ser utilizada depois numa reação endotérmica.
  3. 3. No transporte ativo, existem moléculas de proteínas responsáveis pelo transporte dos íons pela membrana. Quando o transporte é necessário, a proteína precisa se abrir e deixar o íon passar pela membrana. A quebra da molécula de ATP em ADP (adenosina difosfato) e fosfato libera a energia necessária para que a molécula transportadora mude sua forma e permita a passagem do íon. </li></ul>
  4. 4. Molécula de ATP
  5. 5. Fermentação <ul><li>Processo mais simples de produção de energia.
  6. 6. A fermentação nas células consiste na degradação incompleta da glicose, com rendimento de duas moléculas de ATP por molécula de glicose degradada. </li></ul>
  7. 7. Fermentação <ul><li>A energia liberada é armazenada na fosforilação (ligação do ADP e o P, ao formar o ATP). A fermentação ocorre no hialoplasma, com a presença de determinadas enzimas não necessitando de organóide (várias estruturas com funções especializadas). </li></ul>
  8. 8. Fermentação <ul><li>Entre os fermentadores encontramos os anaeróbios obrigatórios ou restritos que não podem entrar em contato com o oxigênio. Ex: A bactéria causadora do tétano. </li></ul>
  9. 9. Fermentação <ul><li>Anaeróbia: Não precisa de oxigênio
  10. 10. Aeróbia: Precisa de oxigênio
  11. 11. Anaeróbios facultativos: são células que respiram na presença de oxigênio e fermentam na ausência dele. </li></ul>
  12. 12. Fermentação <ul><li>Alcoólica:
  13. 13. 1º: A glicose é decomposta em duas moléculas de ácido pirúvico ocorrendo a desidrogenação (liberação de hidrogênio) então o hidrogênio une se ao NAD (nicotinamida adenina dinucleótide) formando NADH. Esta etapa é denominada glicólise. </li></ul>
  14. 14. Fermentação <ul><li>2º: O NADH cede o hidrogênio para o ácido pirúvico (hidrogenação do ácido pirúvico) e as enzimas presentes no hialoplasma fazem com que se forme álcool etílico(etanol) e gás carbônico.
  15. 15. 3º: liberação de energia suficiente para regenerar dois ATP para a célula. </li></ul>
  16. 16. Fermentação <ul><li>Lática: Em condições anaeróbias, a quantidade de energia fornecida por glicose na fermentação lática, é muito pequena, em face das necessidades do músculo então para aumentar o suprimento de ATP produz grande quantidade de ácido lático, mas mesmo assim é insuficiente. </li></ul>
  17. 17. Fermentação <ul><li>A diferença desse processo para o de fermentação alcoólica é que nesse o acido pirúvico ao ser hidrogenado transforma-se em ácido lático. O rendimento energético por molécula de glicose fermentada é igual nas duas fermentações.
  18. 18. Acética: Produzido a partir do ácido etílico (etanol) e oxigênio. </li></ul>
  19. 19. Respiração Celular <ul><li>A maior rentabilidade da respiração celular para a fermentação é explicada pela completa desmontagem da molécula da glicólise com seus átomos de carbono separados em moléculas de CO2, e a total remoção dos seus átomos de hidrogênio ricos em energia.
  20. 20. É divida em três partes: </li></ul>
  21. 21. Glicose <ul><li>Essa etapa é quase igual à fermentação, acontece no hialoplasma. Primeiro a molécula de glicose recebe dois grupos de fosfato e converte em frutose. Nessa quebra duas moléculas de NAD (nicotinamida-adenina-dinucleotídeo) recolhem átomos de hidrogênio com elétrons ricos em energia, convertendo-se em duas moléculas de NADH, que levam os átomos de hidrogênio para o interior das mitocôndrias. Depois uma oxidação transforma as moléculas de ácido pirúvico em uma molécula de acetil Co-a, duas moléculas NAD se convertem em NADH +2C02. </li></ul>
  22. 22. Glicose <ul><li>2 ácido pirúvico + 2 co-A + 2 NAD ===> 2 acetil Co-A + 2 NADH + 2 CO2
  23. 23. Até agora temos duas moléculas de acetil Co-A, duas moléculas de CO2, duas moléculas de ATP e quatro moléculas de NADH.
  24. 24. A transformação do ácido pirúvico em acetil Co-A ocorre na membrana das mitocôndrias, então as próximas etapas se darão no interior do organóide citoplasmático. </li></ul>
  25. 25. O Ciclo de Krebs É uma sequência sílica de reações, suas etapas ocorrem no interior das mitocôndrias. Primeiro ele remove os átomos de hidrogênio ricos em energia do acetil Co-A, ocorrendo à liberação dos átomos de carbono na forma de CO2 que deixa a célula como o produto estável da respiração aeróbica. Depois a molécula do acetil Co-A se funde a uma molécula de ácido oxalacético. A molécula resultante da fusão, o ácido cítrico, tem seis átomos de carbono. Em algumas etapas dessa seqüência cíclica são perdidos átomos de carbono e átomos de hidrogênio. Os átomos de carbono entram na formação de moléculas de CO2, liberadas pela célula. Os átomos de hidrogênio, ricos em energia, são recolhidos por aceptores. Um deles é o NAD. O outro é o FAD (flavina-adenina-dinucleotídeo). Em uma das etapas da seqüência, a energia liberada é suficiente para que uma molécula de ADP se converta em ATP. As moléculas de Co2 são liberadas pela célula.
  26. 26. A Cadeia Respiratória <ul><li>Primeiro os citocromos (proteínas dotadas de um anel central) recebem um par de elétrons então seus íons F+++ se transformam em íons F ++. Depois o par de elétrons é cedido a citocromo seguinte os íons retornam ao seu estado inicial. Quando os pares de elétrons passam de um citocromo para o outro eles vão liberando energia e alcançando níveis energéticos progressivamente mais baixos. Em algumas etapas dessa cadeia respiratória os níveis de energia são suficientes para que a molécula de ADP seja ligada a mais um grupo de fosfato formando a molécula de ATP a isso se da o nome de fosforilação oxidativa. </li></ul>
  27. 27. Fluxo de matéria e energia <ul><li>Cadeia Alimentar
  28. 28. É o conjunto de seres vivos de uma comunidade que se alimentam e servem de alimento uns aos outros.
  29. 29. Autotróficos: São os que produzem seu próprio alimento
  30. 30. Heterotróficos : São aqueles que dependem dos outros para se alimentar </li></ul>
  31. 31. Fluxo de matéria <ul><li>Consumidores
  32. 32. São seres vivos heterotróficos que se alimentam direta ou indiretamente da matéria.
  33. 33. Consumidores primários : são herbívoros e alimentam-se exclusivamente dos produtores.
  34. 34. Consumidores secundários : designam-se predadores ou carnívoros e subsistem à custa dos herbívoros. </li></ul>
  35. 35. Fluxo de matéria <ul><li>Decompositores
  36. 36. São seres vivos heterotróficos que transformam a matéria orgânica de que se alimentam em matéria mineral que é devolvida ao solo.
  37. 37. A importância dos decompositores
  38. 38. A decomposição é um processo complexo, os decompositores contam com a ajuda de outros animais como insetos e etc. Os decompositores desempenham um papel fundamental nos ecossistemas, pois ao se alimentarem eles transformam a matéria orgânica em matéria mineral (inorgânica), que fica disponível no solo. Esta matéria pode ser reutilizada pelos seres autotróficos no processo de produção de matéria orgânica. </li></ul>
  39. 39. Fluxo de matéria
  40. 40. Cadeia alimentar
  41. 41. Teia alimentar
  42. 42. Fluxo de energia <ul><li>Ciclo de energia
  43. 43. O fluxo de energia atinge todos os níveis tróficos de um ecossistema através das relações alimentares. Grande parte da energia contida nos alimentos é gasta pelos seres vivos em atividades vitais, enquanto que outra é desperdiçada em excreções.
  44. 44. Numa cadeia alimentar, à medida que se passa de nível trófico para nível trófico, a quantidade de energia disponível diminui, devido à energia que é dissipada. Calcula-se que apenas 10% da energia contida num nível trófico passem para o nível trófico seguinte. </li></ul>
  45. 45. Fluxo de energia
  46. 46. Fotossíntese <ul><li>A fotossíntese inicia quando a planta retira água e sais minerais através da sua raiz, ela chega até as folhas por meio do caule como seiva, então a luz do sol é absorvida pela folha através da clorofila.
  47. 47. A clorofila e a energia solar transformam então os outros ingredientes em glicose.
  48. 48. Esse material então é espalhado por toda planta, ela utiliza uma parte dele para crescer e a outra é armazenada. </li></ul>
  49. 49. Fotossíntese <ul><li>Sem a fotossíntese, não existiria vida em nosso planeta, pois é através dela que se inicia toda a cadeia alimentar. Daí a grande importância das plantas, vegetais verdes e alguns outros organismos.
  50. 50. A fotossíntese é muito importante na natureza por retira gás carbônico do ar para formar a glicose, e libera gás oxigênio. </li></ul>
  51. 51. Bibliografia <ul><li>http://pt.scribd.com/doc/16398928/fluxo-de-energia-e-ciclos-de-materia
  52. 52. Livro Biologia Volume Único
  53. 53. http://www.fiocruz.br/biosseguranca/Bis/infantil/fotossintese.htm </li></ul>

×