CatáStrofes Naturais

45.989 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
45.989
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
129
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
323
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

CatáStrofes Naturais

  1. 1. catastrofes naturais Trabalho realizado por os alunos do 7ºE : Claudio Pinto Nº10 Fabio Rodrigues Nº11 Vitor Silva Nº22
  2. 2. Introdução <ul><li>Escolhemos este trabalho porque tivemos curiosidade no tema e porque achámos que podia ser divertido e interessante. </li></ul>
  3. 3. O que são catástrofes naturais <ul><li>Catástrofes Naturais são fenómenos realizados pela Natureza que, frequentemente provocam enormes destruições materiais e também a perda de muitas vidas humanas, ainda havendo algumas destruições que alteram a superfície terrestre. </li></ul>
  4. 4. TIPOS DE CATÁSTROFES <ul><li>TSUNAMIS </li></ul><ul><li>VULCÕES </li></ul><ul><ul><li>ERUPÇÕES VULCNICAS </li></ul></ul><ul><li>TERRAMOTO OU SISMOS </li></ul><ul><li>TEMPESTADE </li></ul><ul><li>CICLONES </li></ul><ul><li>TORNADO </li></ul><ul><li>CHEIAS </li></ul><ul><li>http://www.youtube.com/watch?v=EfdBXQFbFAM </li></ul>
  5. 5. Tsunamis <ul><li>  </li></ul><ul><li>Os tsunamis são um resultado dos sismos. Estes maremotos não têm origem no vento, mas sim na actividade sísmica submarina. São provocados por abalos da terra e por erupções vulcânicas que ocorrem nas fossas oceânicas e nas ilhas. Os maremotos provocam um ligeiro arqueamento bem localizado da superfície do mar que origina a formação de ondas ao longo de várias dezenas de quilómetros. Estas ondas são praticamente invisíveis em mar aberto. Embora se possam propagar a 800 Km/h, os navegadores quase não dão por elas. No entanto, ao aproximarem-se do litoral, essas montanhas de água erguem-se subitamente, devastando tudo à sua passagem. Os tsunamis atravessam o oceano em poucas horas. </li></ul>
  6. 6. Vulcões <ul><ul><ul><ul><ul><li>Vulcão é toda greta ou abertura da crosta terrestre pela qual se projectam gases, material elástico e magma procedentes do interior da Terra. Ocorre tanto nas regiões continentais como nas submarinas, mas sabe-se que os magmas se originam a altas temperaturas e pressões, e que essas condições se encontram principalmente nas regiões de contacto das placas que formam a litosfera. A capacidade de ascensão de um magma na crosta é determinada pela sua densidade e a pressão que actua na fonte. Alguns magmas não ascendem directamente da sua fonte ao ponto de erupção, mas são colectados numa câmara magmática de profundidade intermediária . </li></ul></ul></ul></ul></ul>
  7. 7. Erupções vulcânicas <ul><li>As erupções vulcânicas são uma das manifestações mais grandiosas e espectaculares da crosta terrestre, são a emissão de materiais do interior da Terra, no estado de ignição. Até há pouco tempo, ao ver que a maioria destas emissões tinham lugar nas proximidades do mar, supôs-se que dependiam da infiltração de águas marinhas. Hoje em dia acredita-se que estas erupções são devidas a deslocamentos da crosta terrestre que alteram o estado de equilíbrio do chamado magma, isto é, dos materiais da parte inferior da crosta terrestre, submetidos a temperatura muito elevada e a consideráveis pressões. Com o deslocamento de grandes massas da crosta, alteram-se as pressões a que está submetido o magma, o que facilita a fusão dos magmas profundos e a evaporação dos gases que eles contêm </li></ul>
  8. 8. TERRAMOTO OU SISMO <ul><ul><li>É um fenómeno de vibração brusca e passageira da superfície da Terra, resultante de movimentos subterrâneos de placas rochosas, de actividade vulcânica, ou por deslocamentos de gases no interior da Terra, principalmente metano. O movimento é causado pela libertação rápida de grandes quantidades de energia na forma de ondas sísmicas. A maior parte dos terramotos ocorrem nas fronteiras entre placas tectónicas, ou em falhas entre dois blocos rochosos. O comprimento de uma falha pode variar de alguns centímetros até milhares de quilómetros </li></ul></ul><ul><ul><li>Entre os efeitos dos terramotos estão a vibração do solo, abertura de falhas, deslizamentos de terra, tsunamis, mudanças na rotação da Terra, além de efeitos prejudiciais em construções feitas pelo homem </li></ul></ul>
  9. 9. Tempestades <ul><ul><li>Tempestades tropicais – vento mais violento ocorre durante as tempestades tropicais. Desenvolvem-se sobre o mar, mas podem ser levados para a terra pelo vento. São mais frequentes em três regiões do mundo: No mar das Caraíbas, na parte sul do oceano Índico e no Atlântico Norte clima dos furacões. Na zona do oceano Indico são conhecidos como os ciclones. Na parte norte do oceano Pacifico, os Japoneses chamam-lhes tufões. </li></ul></ul>
  10. 10. Ciclones <ul><li>Os ciclones, ou depressões, são áreas de pressão baixa em torno das quais o vento sopra no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio no hemisfério Norte e no sentido do movimento dos ponteiros no hemisfério Sul. O sentido da rotação é consequência directa do efeito de Coriolis, que reflecte a rotação da Terra. </li></ul><ul><li>Este tipo de depressões pode atingir alguns milhares de quilómetros de diâmetro e serem tão profundas quanto a troposfera (camada mais baixa da atmosfera, com cerca de 10 km de espessura). Com um mínimo de pressão no centro, este fenómeno apresenta uma circulação ciclónica, daí a origem do nome </li></ul>
  11. 11. Tornado <ul><li>Um tornado consiste numa violenta coluna de ar, móvel e rotativa, que pode, ou não, entrar em contacto com o solo. A palavra tornado é de origem castelhana e pretende transmitir a noção do movimento circular de um torno que caracteriza o movimento do ar neste fenómeno. Camões já tinha apresentado uma visão da tromba-d’água, ou tromba marítima, um fenómeno com a mesma tipologia do tornado, mas no mar. </li></ul>
  12. 12. cheias <ul><li>As cheias são fenómenos naturais extremos e temporários, provocados por precipitações moderadas e permanentes ou por precipitações repentinas e de elevada intensidade. Este excesso de precipitação faz aumentar o caudal dos cursos de água, originando o extravase do leito normal e a inundação das margens e áreas circunvizinhas. Nalgumas partes do globo as cheias podem dever-se também ao derretimento de calotes de gelo. As cheias podem ainda ser causadas pela rotura de barragens, associadas ou não a fenómenos meteorológicos adversos. </li></ul>

×