O CRISTÃO E O COMPROMISSO COM A CRUZ


INTRODUÇÃO:

      Queridos irmãos e irmãs...

      Hoje é o Último Domingo da Qua...
Hoje (Ultimo Domingo da Quaresma) o Lecionário nos propõe a leitura de
dois textos do Evangelho.

       O primeiro, relat...
23 Que mal fez ele? Perguntou Pilatos. Porém cada vez clamavam
mais: Seja crucificado!
24    Vendo Pilatos que nada conseg...
44 E os mesmos impropérios lhe diziam também os ladrões que
            haviam sido crucificados com ele.
            45 D...
Logo após, ele apresenta a proposta de Jesus de um novo Reino. E isso ele o
faz através de citações dos ditos (logias – pa...
As autoridades políticas e religiosas da época sentiram-se incomodadas com
a mensagem de Jesus. Por isso, mandaram prende-...
Ouçamos a leitura do texto bíblico:


       18 Certamente, a palavra da cruz é loucura para os que se perdem,
       mas ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O cristão e o compromisso com a cruz 20 03 2005 - domingo de ramos - culto vespertino

1.928 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.928
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O cristão e o compromisso com a cruz 20 03 2005 - domingo de ramos - culto vespertino

  1. 1. O CRISTÃO E O COMPROMISSO COM A CRUZ INTRODUÇÃO: Queridos irmãos e irmãs... Hoje é o Último Domingo da Quaresma, conhecido como: “Domingo da Paixão” ou “Domingo de Ramos”. Hoje somos convidados a rememorar a chegada de Jesus a Jerusalém, e a também refletirmos sobre a sua última semana como o messias encarnado, a chamada “Semana Santa”. Durante todo o período da Quaresma, incentivados pelas leituras propostas pelo Lecionário Comum, de forma especial as leituras dos Evangelhos, vimos Jesus e percorremos com ele uma longa jornada até aqui: cidade de Jerusalém. No dia 13/02 (1º Domingo da Quaresma), no Culto Vespertino, refletimos sobre a vitória de Jesus sobre as tentações, estudando o texto de Mateus 4,1-11. Eu intitulei o sermão daquela noite de: “Jesus venceu as tentações do diabo, nós também podemos vencer”. No dia 20/02 (2º Domingo da Quaresma), inspirados pelo texto bíblico de Mt 17,1-9, refletimos sobre a “Transfiguração de Jesus” (título do sermão). Vimos que num momento muito difícil da caminhada dos discípulos, quando receberam a mensagem de que Jesus seria morto, parecia que tudo estava se acabando. Neste momento, Jesus se revela aos discípulos como o “Filho de Deus”, manifestando naquela montanha a Sua glória. Aprendemos que a nossa motivação como discípulos de Jesus não deve estar nas circunstâncias, mas sim no poder e na glória de Cristo. No dia 27/02 (3º Domingo da Quaresma), refletimos sobre o diálogo de Jesus com a mulher samaritana junto ao Poço de Jacó. Baseado do texto bíblico de João 4,5-42, eu intitulei o sermão de: “Jesus a Água da Vida”. No dia 06/03 (4º Domingo da Quaresma), devido aos Cultos Especiais, dirigidos pela SMM (cultos estes que foram uma benção), não seguimos os textos propostos pelo Lecionário, mas sim uma proposta litúrgica enviada pela “Ação Ecumênica das Mulheres – Nova Década” em parceria com o CONIC (Conselho Nacional de Igrejas Cristãs). Gostaria, no entanto, de ressaltar que o texto do Evangelho proposto para aquele domingo foi, João 9,1-41, que conta a história da cura do cego de nascença. Nesse episódio bíblico Jesus se apresenta com a Luz do Mundo. Domingo passado, dia 13/03 (5º Domingo da Quaresma), motivados pela leitura de João 11,1-45 refletimos sobre a ressurreição de Lázaro, onde intitulei o sermão de : “Jesus tem poder para dar a verdadeira vida”.
  2. 2. Hoje (Ultimo Domingo da Quaresma) o Lecionário nos propõe a leitura de dois textos do Evangelho. O primeiro, relata a “Entrada Triunfal de Jesus em Jerusalém” (Mateus 21,1- 11), texto que lemos logo no início do culto. Este é um texto festivo que aclama Jesus como Senhor e Rei. As declarações são: “Bendito o que vem em nome do SENHOR”. Já o segundo, Mateus 27,11-54, tem o gosto amargo da morte. Nele contemplamos a paixão e a morte de Jesus. Aqui vemos o ápice da dedicação de Jesus. Uma vida feita dom e serviço, a fim de libertar os homens de tudo aquilo que gera egoísmo e escravidão. É na cruz que se revela o amor de Deus – esse amor que não guarda nada para si, mas que se doa totalmente. Portanto, neste último domingo da Quaresma quero convida-los a refletir sobre este texto da Palavra de Deus: Mt 27,11-54. Intitulei o sermão desta noite de: “O Cristão e o Compromisso com a Cruz”. TEXTO: Mt 27,11-54 11 Jesus estava em pé ante o governador; e este o interrogou, dizendo: És tu o rei dos judeus? Respondeu-lhe Jesus: Tu o dizes. 12 E, sendo acusado pelos principais sacerdotes e pelos anciãos, nada respondeu. 13 Então, lhe perguntou Pilatos: Não ouves quantas acusações te fazem? 14 Jesus não respondeu nem uma palavra, vindo com isto a admirar- se grandemente o governador. 15 Ora, por ocasião da festa, costumava o governador soltar ao povo um dos presos, conforme eles quisessem. 16 Naquela ocasião, tinham eles um preso muito conhecido, chamado Barrabás. 17 Estando, pois, o povo reunido, perguntou-lhes Pilatos: A quem quereis que eu vos solte, a Barrabás ou a Jesus, chamado Cristo? 18 Porque sabia que, por inveja, o tinham entregado. 19 E, estando ele no tribunal, sua mulher mandou dizer-lhe: Não te envolvas com esse justo; porque hoje, em sonho, muito sofri por seu respeito. 20 Mas os principais sacerdotes e os anciãos persuadiram o povo a que pedisse Barrabás e fizesse morrer Jesus. 21 De novo, perguntou-lhes o governador: Qual dos dois quereis que eu vos solte? Responderam eles: Barrabás! 22 Replicou-lhes Pilatos: Que farei, então, de Jesus, chamado Cristo? Seja crucificado! Responderam todos.
  3. 3. 23 Que mal fez ele? Perguntou Pilatos. Porém cada vez clamavam mais: Seja crucificado! 24 Vendo Pilatos que nada conseguia, antes, pelo contrário, aumentava o tumulto, mandando vir água, lavou as mãos perante o povo, dizendo: Estou inocente do sangue deste justo ; fique o caso convosco! 25 E o povo todo respondeu: Caia sobre nós o seu sangue e sobre nossos filhos! 26 ¶ Então, Pilatos lhes soltou Barrabás; e, após haver açoitado a Jesus, entregou -o para ser crucificado. 27 Logo a seguir, os soldados do governador, levando Jesus para o pretório, reuniram em torno dele toda a coorte. 28 Despojando -o das vestes, cobriram-no com um manto escarlate; 29 tecendo uma coroa de espinhos, puseram-lha na cabeça e, na mão direita, um caniço; e, ajoelhando-se diante dele, o escarneciam, dizendo: Salve, rei dos judeus! 30 E, cuspindo nele, tomaram o caniço e davam-lhe com ele na cabeça. 31 Depois de o terem escarnecido, despiram-lhe o manto e o vestiram com as suas próprias vestes. Em seguida, o levaram para ser crucificado. 32 Ao saírem, encontraram um cireneu, chamado Simão, a quem obrigaram a carregar-lhe a cruz. 33 ¶ E, chegando a um lugar chamado Gólgota, que significa Lugar da Caveira, 34 deram-lhe a beber vinho com fel; mas ele, provando -o, não o quis beber. 35 Depois de o crucificarem, repartiram entre si as suas vestes, tirando a sorte. 36 E, assentados ali, o guardavam. 37 Por cima da sua cabeça puseram escrita a sua acusação: ESTE É JESUS, O REI DOS JUDEUS. 38 E foram crucificados com ele dois ladrões, um à sua direita, e outro à sua esquerda. 39 Os que iam passando blasfemavam dele, meneando a cabeça e dizendo: 40 Ó tu que destróis o santuário e em três dias o reedificas! Salva-te a ti mesmo, se és Filho de Deus, e desce da cruz! 41 De igual modo, os principais sacerdotes, com os escribas e anciãos, escarnecendo, diziam: 42 Salvou os outros, a si mesmo não pode salvar-se. É rei de Israel! Desça da cruz, e creremos nele. 43 Confiou em Deus; pois venha livrá-lo agora, se, de fato, lhe quer bem; porque disse: Sou Filho de Deus.
  4. 4. 44 E os mesmos impropérios lhe diziam também os ladrões que haviam sido crucificados com ele. 45 Desde a hora sexta até à hora nona, houve trevas sobre toda a terra. 46 Por volta da hora nona, clamou Jesus em alta voz, dizendo: Eli, Eli, lamá sabactâni? O que quer dizer: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? 47 E alguns dos que ali estavam, ouvindo isto, diziam: Ele chama por Elias. 48 E, logo, um deles correu a buscar uma esponja e, tendo -a embebido de vinagre e colocado na ponta de um caniço, deu-lhe a beber. 49 Os outros, porém, diziam: Deixa, vejamos se Elias vem salvá-lo. 50 ¶ E Jesus, clamando outra vez com grande voz, entregou o espírito. 51 Eis que o véu do santuário se rasgou em duas partes de alto a baixo; tremeu a terra, fenderam-se as rochas; 52 abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos, que dormiam, ressuscitaram; 53 e, saindo dos sepulcros depois da ressurreição de Jesus, entraram na cidade santa e apareceram a muitos. 54 O centurião e os que com ele guardavam a Jesus, vendo o terremoto e tudo o que se passava, ficaram possuídos de grande temor e disseram: Verdadeiramente este era Filho de Deus. CONTEXTO Vamos entender um pouquinho o contexto. Cada um dos quatro evangelistas, ao narrar a Paixão e Morte do Senhor, acentua aspectos diferentes. Essas diferenças na apresentação, não são contraditórias, mas se completam. Como tenho afirmado em sermões anteriores, os evangelistas não tinham a preocupação de narrar jornalisticamente os fatos. O que queriam era compor um material pedagógico (fidedigno) que servisse no ensino e “doutrinamento” dos seguidores de Cristo. Mateus teve a sua forma de elaborar este material pedagógico, ou seja, Evangelho. Gostaria de compartilhar com vocês a estrutura literária utilizada por Mateus ao escrever seu Evangelho; Ele começa o seu evangelho apresentando quem é Jesus (Mt 1,1-4,22).
  5. 5. Logo após, ele apresenta a proposta de Jesus de um novo Reino. E isso ele o faz através de citações dos ditos (logias – palavras) e dos gestos (ações – atitudes) do Senhor (Mt 4,23-9,35). Do anúncio desse “Reino” nasce a comunidade dos discípulos - isto é, um grupo que assimila as propostas de Jesus (Mt 9,36-12,50). Os discípulos (comunidade do Reino) recebem a missão de testemunhar este “Reino”, após a partida de Jesus (Mt 13,1-17,27). Depois disso Mateus vai apresentar a ruptura final de Jesus com o judaísmo (Mt 18,1-25,46). E por fim, ele vai narrar o final no ministério terreno de Jesus, ou seja, a paixão, morte e ressurreição (Mt 26,1-28,15). O texto que fizemos a leitura está inserido nesse último bloco. Trata-se do relato que Mateus faz da paixão de Jesus de Nazaré. MENSAGEM Compartilhei com vocês a estrutura do Evangelho de Mateus, porque é necessário entendermos a morte de Jesus, dentro do contexto daquilo que foi a sua vida. As vezes as pessoas pegam o texto bíblico, retiram-no do seu contexto e o usam por pretexto. Nosso objetivo não é este. Queremos sim, entender a narração da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus, levando em conta o Evangelho como um todo. É importante ressaltar que desde cedo, Jesus compreendeu que o Pai o chamara para a missão de anunciar um novo Reino, pautado pela justiça, paz e amor. Para que este fato se tornasse realidade, Jesus caminhou pela Palestina “fazendo o bem” e anunciando a proximidade desse Reino de vida, de liberdade, de paz e de amor para todos. Ele ensinou que o Pai era amor e que não excluía ninguém, nem mesmo os pecadores. Ele ensinou que os leprosos, os paralíticos, os cegos, não deviam ser marginalizados, pois não eram amaldiçoados por Deus. Ele ensinou que os pobres e os excluídos tinham um coração mais disponível para acolher o “Reino”; e avisou os “ricos” (os poderosos, os instalados), de que o egoísmo, o orgulho, a auto-suficiência, poderiam conduzí-los à morte. À mensagem de Jesus era forte. Ela causava impacto. Seu projeto entrou em choque com a atmosfera de egoísmo, de má vontade, de opressão que dominava o mundo. E que acredito que domine hoje ainda.
  6. 6. As autoridades políticas e religiosas da época sentiram-se incomodadas com a mensagem de Jesus. Por isso, mandaram prende-lo, realizaram um julgamento injusto, e depois o condenaram à morte numa cruz. A morte do Senhor é a conseqüência lógica de sua pregação. Podemos dizer também, que a morte de Jesus na cruz do Calvário, é a afirmação mais radical e verdadeira daquilo que ele pregou com palavras e com gestos durante toda a sua vida. APLICAÇÃO PASTORAL Vejamos algumas lições que podemos aprender: Primeiramente gostaria de afirmar que este é um texto diante do qual deveríamos nos abismar em contemplação a um Deus que por amor se tornou frágil, se humilhou e se entregou ao Mundo. Como nos afirma João em seu Evangelho: “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu filho unigênito, para que todo aquele que n’Ele crer não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3,16). Foi o por amor que Jesus veio ao nosso encontro, assumindo os limites e as fragilidades da vida humana, experimentando a fome, o sono, o cansaço, conhecendo a armadilha das tentações e temendo a morte. Como fruto desse grande amor, ganhamos a Vida Plena. Esta é verdadeiramente uma “Love History”, ou seja, História de Amor. Olhar para a cruz, onde se manifestou o grande amor e a entrega total de Jesus pela humanidade, deve nos levar a um compromisso muito sério. Como ele mesmo nos afirmou: “Quem quiser vir após mim, negue-se a si mesmo. Tome sua cruz e siga-me”. Que ao olharmos para a cruz do Mestre, possamos assumir a nossa própria cruz, seguindo o seu exemplo de amor e dedicação. Quero convidá-los a assumir compromisso com a cruz de Cristo. Meu convite não é apenas a cantarmos, falarmos ou refletirmos sobre a Cruz de Cristo. Meu desafio é que assumamos a nossa própria cruz como ato de obediência às palavras de Jesus. É no dia a dia, que provamos nosso compromisso com a Cruz. Ser cristão é ser comprometido com a Cruz de Cristo. Gostaria de concluir o sermão, deixando com você uma leitura da Palavra de Deus que se encontra em 1 Coríntios 1,18-25. Que esta Palavra lida neste momento, possa frutificar em sua vida, esse é o meu desejo, em nome de Jesus.
  7. 7. Ouçamos a leitura do texto bíblico: 18 Certamente, a palavra da cruz é loucura para os que se perdem, mas para nós, que somos salvos, poder de Deus. 19 Pois está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios e aniquilarei a inteligência dos instruídos. 20 Onde está o sábio? Onde, o escriba? Onde, o inquiridor deste século? Porventura, não tornou Deus louca a sabedoria do mundo? 21 Visto como, na sabedoria de Deus, o mundo não o conheceu por sua própria sabedoria, aprouve a Deus salvar os que crêem pela loucura da pregação. 22 Porque tanto os judeus pedem sinais, como os gregos buscam sabedoria; 23 mas nós pregamos a Cristo crucificado, escândalo para os judeus, loucura para os gentios; 24 mas para os que foram chamados, tanto judeus como gregos, pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus. 25 Porque a loucura de Deus é mais sábia do que os homens; e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens. Comprometamo-nos com a loucura da Cruz, pois ela é a Sabedoria de Deus. Aleluia!!! Rev. Paulo Dias Nogueira Catedral Metodista de Piracicaba Culto Vespertino – 20/03//2005

×