CAPACITADOS PELO ESPÍRITO SANTO ...
             ... SEREIS MINHAS TESTEMUNHAS




INTRODUÇÃO:

      Queridos irmãos e ir...
TEXTO I: Atos 1, 6-9



            6 Então, os que estavam reunidos lhe perguntaram: Senhor, será este
            o temp...
11 tanto judeus como prosélitos, cretenses e arábios. Como os
              ouvimos falar em nossas próprias línguas as gr...
Quem já acompanhou a despedida de alguém, sabe o que é relembrar as
últimas palavras. Elas ficam muito marcadas em nossa m...
CONCLUSÃO

      Vejamos algumas lições que podemos aprender destes textos:

      Somos chamados a ser testemunhas do pro...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Capacitados pelo espírito santo... sereis minhas testemunhas 22 05 2005 - 1 dom após o pentecostes - culto vespertino

2.226 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.226
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Capacitados pelo espírito santo... sereis minhas testemunhas 22 05 2005 - 1 dom após o pentecostes - culto vespertino

  1. 1. CAPACITADOS PELO ESPÍRITO SANTO ... ... SEREIS MINHAS TESTEMUNHAS INTRODUÇÃO: Queridos irmãos e irmãs... Segundo o Calendário Litúrgico, hoje é o primeiro domingo após o Pentecostes. Chamado também como Domingo da Santíssima Trindade. Gostaria de fazer neste instante alguns apontamentos sobre os domingos anteriores. No dia 08 de maio, tanto no culto matutino quanto no vespertino, aproveitamos enquanto celebrávamos ao Senhor, para homenagearmos nossas mamães. Pela manhã nossa irmã Shirley nos trouxe uma breve reflexão sobre o “Dia das Mães”. À noite, eu preguei sobre o Ministério Materno de Maria, mãe de Jesus. Porém este dia (08/05), segundo o Calendário Litúrgico, seria momento de refletir sobre a Ascensão de Jesus aos Céus. Domingo passado realizamos uma programação especial. Programação esta, que foi uma grande benção! Pois tivemos a oportunidade de celebrar a Deus um Culto de Ação de Graças pela vida e obra da Família Dawsey no Brasil. Nossos irmãos Sonny, Jimmy e Johnni, chamados carinhosamente de irmãos Dawsey compartilharam conosco um pouco daquilo que Deus tem feito NA sua família e ATRAVÉS da sua família no decorrer da história. Tivemos a oportunidade de ver algumas fotos do casal, Rev. Cyrus e irmã Marshlea, aguçando um pouco mais a nossa saudade. E acima de tudo, pudemos ouvir a leitura de uma carta, escrita pelo Rev. Cyrus especialmente aos irmãos e irmãs de nossa igreja local. Após palavras de carinho, ele impetra a benção, relembrando as muitas vezes que abençoou este rebanho. Realmente foi um momento de grande benção. Porém, segundo o Calendário Litúrgico , domingo passado seria o “Domingo de Pentecostes”. Diante disso, convido-os a refletirmos brevemente sobre a Ascensão do Senhor e também sobre o Pentecostes Cristão. Convido-os à leitura de dois textos Bíblicos. 1º) Atos 1,6-9 (Ascensão do Senhor) 2º) Atos 2,1-13 (Descida do E.S. – Pentecostes) Ouçamos a leitura dos Textos Bíblicos:
  2. 2. TEXTO I: Atos 1, 6-9 6 Então, os que estavam reunidos lhe perguntaram: Senhor, será este o tempo em que restaures o reino a Israel? 7 Respondeu-lhes: Não vos compete conhecer tempos ou épocas que o Pai reservou pela sua exclusiva autoridade; 8 mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra. 9 Ditas estas palavras, foi Jesus elevado às alturas, à vista deles, e uma nuvem o encobriu dos seus olhos. TEXTO II: Atos 2, 1-13 1 Ao cumprir-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar; 2 de repente, veio do céu um som, como de um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam assentados. 3 E apareceram, distribuídas entre eles, línguas, como de fogo, e pousou uma sobre cada um deles. 4 Todos ficaram cheios do Espírito Santo e passaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito lhes concedia que falassem. 5 Ora, estavam habitando em Jerusalém judeus, homens piedosos, vindos de todas as nações debaixo do céu. 6 Quando, pois, se fez ouvir aquela voz, afluiu a multidão, que se possuiu de perplexidade, porquanto cada um os ouvia falar na sua própria língua. 7 Estavam, pois, atônitos e se admiravam, dizendo: Vede! Não são, porventura, galileus todos esses que aí estão falando? 8 E como os ouvimos falar, cada um em nossa própria língua materna? 9 Somos partos, medos, elamitas e os naturais da Mesopotâmia, Judéia, Capadócia, Ponto e Ásia, 10 da Frígia, da Panfília, do Egito e das regiões da Líbia, nas imediações de Cirene, e romanos que aqui residem,
  3. 3. 11 tanto judeus como prosélitos, cretenses e arábios. Como os ouvimos falar em nossas próprias línguas as grandezas de Deus? 12 Todos, atônitos e perplexos, interpelavam uns aos outros: Que quer isto dizer? 13 Outros, porém, zombando, diziam: Estão embriagados! CONTEXTO Primeiramente, gostaria de fazer uma brevíssima introdução ao Livro de Atos. É importante destacar que a obra de Lucas, tanto o “Evangelho” quanto os “Atos dos Apóstolos”, surgiram em torno dos anos 80 e 90 dC. Este era um período em que, apesar de estruturada e organizada, a igreja vai experimentar alguns ensinamentos que se desvirtuavam das doutrinas iniciais. O objetivo de Lucas ao escrever seus textos foi o de fornecer um material que servisse como parâmetro para que os cristãos pudessem avaliar as doutrinas ensinadas pelos “mestres” nas igrejas. Naquele tempo haviam surgido muitos “Falsos Mestres”. Preocupado com isso Lucas vai escrever estes textos (Evangelho e Atos dos Apóstolos), para que sirvam como base para a avaliação dos ensinamentos dos vários líderes da igreja. No Livro de Atos ele se propõe a apresentar as ações/atitudes dos apóstolos, que impulsionados pelo Espírito Santo, pregavam a Palavra de Deus. Na realidade o que vemos é um texto que apresenta, numa linguagem teológica um pouco da história do surgimento e desenvolvimento da igreja primitiva. MENSAGEM TEXTO I: Do primeiro texto eu gostaria de destacar o versículo 8. Segundo alguns estudiosos ele resume muito bem o teor de todo o livro de Atos: “Recebereis poder ao descer sobre vós o Espírito Santo e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e samaria, e até aos confins da terra”. O que me chama a atenção é que Lucas aponta estas como as últimas palavras ditas por Jesus, antes de ser assunto aos Céus.
  4. 4. Quem já acompanhou a despedida de alguém, sabe o que é relembrar as últimas palavras. Elas ficam muito marcadas em nossa mente. Acredito que a intenção de Lucas foi esta. Ensinar à igreja, que as últimas palavras do Senhor foi, recebam poder para testemunhar. Ou seja, recebam o meu poder para realizarem a Missão que lhes estou ordenando. Ao estudarmos todo o livro, vemos que ele apresenta o avanço missionário da igreja. Os apóstolos impulsionados pelo poder do Espírito Santo, pregam a Palavra de Deus em muitos lugares. Sem o Poder que vem de Deus, a igreja não consegue avançar na sua missão. Não basta uma boa estratégia missionária. Essa estratégia pode até ajudar, mas por si só não tem poder de nos levar ao cumprimento do desafio divino de testemunhar ao mundo todo. Necessitamos do poder que vem do alto. Poder que vem de Deus. TEXTO II: Do segundo texto eu gostaria de destacar os versículos 7 e 8. “Estavam, pois, atônitos e se admiravam, dizendo: Vede! Não são, porventura, galileus todos esses que aí estão falando? E como os ouvimos falar, cada um em nossa própria língua materna?”. Muitas pessoas ao refletirem sobre este texto, se apegam mais à afirmação de que os apóstolos falaram em outras línguas. Não gostaria de discutir esta questão neste momento. Gostaria sim, de destacar que o mais importante é que capacitados pelo Espírito Santo eles conseguiram comunicar a Mensagem do Evangelho. Por si mesmos, não passavam de simples galileus. Numa grande maioria, pescadores. Mas impulsionados pelo poder que vem do Espírito Santo, comunicaram com autoridade as grandes maravilhas de Deus. É Deus quem nos chama para a obra missionária. Somente Ele tem poder para nos capacitar. Não basta todo o nosso preparo pessoal, se ele não estiver submisso à poderosa vontade de Deus. Não basta, nem mesmo, nossa boa vontade, pois ela por si só não tem forças. E como afirma o adágio popular: “ De boa vontade... aquele lugar está cheio”. Não basta a boa vontade. É necessário algo mais. Precisamos mesmo é do poder de Deus.
  5. 5. CONCLUSÃO Vejamos algumas lições que podemos aprender destes textos: Somos chamados a ser testemunhas do projeto de Deus. Temos a grande responsabilidade de comunicar o Evangelho de Cristo a todo o mundo. Para quem não sabe, algumas igrejas cristãs celebram hoje o “Dia da Igreja Perseguida”. Esta proposta vem da “Missão Portas Abertas”, dirigida pelo irmão André, conhecido mundialmente como “O contrabandista de Deus”. Existe um livro com este título que conta a sua história. No ano retrasado eu tive a oportunidade de conhece-lo pessoalmente. Gostaria de mencionar que recebo semanalmente periódicos desta agência missionária, e o desta semana afirma que 63% da população mundial, segundo eles, nunca ouviu falar de Jesus. Minha intenção não é fazer um apelo às missões transculturais. Gostaria apenas de destacar a nossa responsabilidade como cristãos de pregarmos a Palavra de Deus. Porém, para que esta tarefa tenha bom êxito, precisamos ser capacitados pelo Espírito de Deus. Além do nosso preparo pessoal – algo que diz respeito ao mundo natural. Precisamos da capacitação divina – aquilo que acontece no mundo sobrenatural. Estou falando daquela ação poderosa, que leva pessoas simples, a serem grandes mensageiros do Evangelho de Cristo. Gostaria de concluir esta breve reflexão citando as seguintes palavras de Jesus: “...Sem mim nada podeis fazer...” Lembremo-nos, sem a ação de Deus em nós, nada poderemos fazer. Jamais seremos boas testemunhas do Evangelho Eterno. Que Deus nos abençoe! Rev. Paulo Dias Nogueira IMCP – Culto Matutino – 22/05//2005

×