Ecumenismo e MissãoPor Reverendo Leandro Antunes Campos, Clérigo da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil –Diocese Anglican...
criar uma comunidade de homens decididos a dar toda a sua vida, e                        que procurassem sempre compreende...
Sobre o Ecumenismo Local a Resolução IV.4 da conferência de Lambeth de 1998 diz: a) recebecom alegria as iniciativas feita...
nacerteza da atuação do mesmo Cristo e do seu Espíritonelas e                              através delas”.A SEMANA DE ORAÇ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sobre a vocação universal para unidade

625 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
625
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sobre a vocação universal para unidade

  1. 1. Ecumenismo e MissãoPor Reverendo Leandro Antunes Campos, Clérigo da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil –Diocese Anglicana de São Paulo (santoschaplain@gmail.com )INTRODUÇÃO:Escrever sobre a Igreja Ecumênica e Missionária é escrever sobre o que a Igreja é em suaessência. Ela é vocacionada para anunciar a Boa-Nova para todas as pessoas em todos osrincões deste mundo. “Ide, pois, e fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em o nome do Pai e do Filho, e do Espírito Santo; instruindo-as a observar todas as coisas que vos tenho mandado. Eis que eu estou convosco todos os dias até o fim do mundo.” Mt 28, 19-20Entretanto, já no início da igreja cristã muitos pontos de vista diferentes causavam conflitos etensões entre as comunidades, as cartas pastorais do novo testamento – as duas cartas deTimóteo e a carta de Tito - nos dão um pano de fundo da organização da igreja cristã e docombate às heresias. O período até e Concílio de Nicéia (100-325) foi marcado porcontrovérsias sobre a Divindade de Jesus.Grandes cismas marcaram a história da igreja cristã, a saber: o de 1054 entre a igreja doOcidente (Patriarcado de Roma) e a igreja do Oriente (Patriarcados de Jerulasém, Antioquia,Alexandria e Constantinopla); e posteriormente no século XVI a Reforma Protestante da qualtemos os ramos históricos: Luteranismo, Anglicanismo, Presbiterianismo, Zwinglianismo entreoutros.Atualmente, segundo o Conselho Mundial de Igrejas existem cerca de 38 mil denominaçõescristãs ao redor do mundo [Altmann:2008]. O que representa uma preocupação para órgãosde unidade e missão das igrejas cristãs.UMA PEQUENA PRIMAVERA:Tudo começou em 1940, quando o irmão Roger, com 25 anos de idade, deixou o seu país deorigem, a Suíça, para ir viver na França, país de sua mãe. No momento em que começou aSegunda Guerra mundial, teve a certeza de que, tal como a sua avó tinha feito durante aPrimeira Guerra mundial, deveria vir imediatamente em ajuda daqueles que atravessavam adura provação da guerra. Aos poucos, alguns jovens vieram juntar-se aos primeiros irmãos, e,no dia de Páscoa de 1949, foram sete a comprometer-se em conjunto para toda a vida nocelibato e numa vida comunitária de grande simplicidade. Assim descreve o fundador a suacomunidade: “Penso que, desde a minha juventude, nunca perdi a intuição de que uma vida em comunidade pode ser um sinal de que Deus é amor; só amor. Pouco a pouco crescia em mim a convicção de que era essencial
  2. 2. criar uma comunidade de homens decididos a dar toda a sua vida, e que procurassem sempre compreender-se mutuamente e reconciliar- se: uma comunidade onde a bondade do coração e a simplicidade estivessem no centro de tudo.” (Irmão Roger, Deus só pode amar, pág. 40)AÇÃO DO ESPÍRITO SANTOApesar de nossos desencontros, cremos que o Espírito nunca abandou a Igreja [RobinsonCavalcanti: 2010]. É no início do século XX, que diferentes ações inspiradas pelo Espírito Santo,primeiramente em um contexto pan-protestante e depois no catolicismo que a disposição parao diálogo entre as diferentes igrejas cristãs vai se fortalecendo e tomando forma. “Movimento suscitado pelo Espírito Santo com vistas a restabelecer a unidade de todos os cristãos a fim de que o mundo creia em Jesus Cristo. Desse movimento participam aqueles que invocam o Deus Trino e confessam Jesus Cristo como Senhor e Salvador e que, nas comunidades onde ouviram o Evangelho, aspiram a uma Igreja de Deus, Una e Visível, verdadeiramente universal, enviada a todo o mundo para que este se converta e se salve para a glória de Deus”. [Navarro: 1983]Dentre algumas das muitas iniciativas do ES podemos destacar: 1908, o reverendo anglicanoPaulo Wattson inicia a “Celebração de uma Oitava de Oração pela Unidade da Igreja”; 1948:Constituição do Conselho Mundial de Igrejas; 1964: Em Jerusalém o Papa Paulo VI e o PatriarcaAthenágorasrecitam juntos a oração de Cristo “que todos sejam um” (João 17); 1964: odecreto UnitatisRedintegratio (do Concílio Vaticano II sobre ecumenismo) sublinha que aoração é a alma do movimento ecumênico e encoraja a prática da Semana de Oração;NA COMUNHÃO ANGLICANAEm 1888, a Conferência de Lambeth estabeleceu quatro elementos. O Quadrilátero deLambeth como padrão mínimo para unidade: “A fé na Bíblia, que contém tudo o que é necessário para a salvação; o Credo Apostólico – como símbolo batismal, e o Niceno-Contantinopolitano – como declaração suficiente da fé cristã; os Sacramentos do Batismo e da Eucaristia; e o Episcopado Histórico.”Jesus disse que da mesma forma em que havia sido enviado pelo Pai, assim Ele também nosenviaria (João 20:21). Baseada nesse princípio, a Igreja Anglicana focaliza sua missão universalem cinco pontos: a) proclamar as boas novas do Evangelho; b)batizar, ensinar e nutrirpastoralmente os fiéis; c) servir com amor aos necessitados; d) lutar pela transformação dasestruturas injustas; e) zelar pela integridade da vida em todas as suas manifestações.
  3. 3. Sobre o Ecumenismo Local a Resolução IV.4 da conferência de Lambeth de 1998 diz: a) recebecom alegria as iniciativas feitas em muitas províncias e dioceses para trabalhar juntos, em nívellocal, com cristãos de outras tradições, especialmente no estabelecimento de paróquiascooperadoras, ministérios ecumênicos compartilhados e parcerias ecumênicas locais; b) olhacom interesse a proposta para um bispo ecumênico no País de Gales, e recomenda estaproposta à primeira reunião da Comissão Permanente Inter-Anglicana de Relações Ecumênicaspara estudo; c) recomenda a formação teológica e ministerial conjunta, sempre que possível eapropriada, incluindo o treinamento antes como depois da ordenação; d) encoraja os cristãospara que se unam no testemunho da justiça e paz e na solução dos problemas morais, sociais eambientais, requeridos pela vida de Cristo; e) considera com interesse o Acordo sobre oReconhecimento Mútuo de Ministros da Comissão de Unidade da Igreja da África do Sul, e f)recebe com alegria o trabalho da Comissão sobre o ministério episcopé, e solicita que oresultado desse estudo seja relatado à sugerida Comissão Permanente Inter-Anglicana deRelações Ecumênicas.ECUMENISMO NO BRASILFase Pan-Protestantismo: 1903, cria-se a Aliança Evangélica do Brasil; 1920, funde-se a AliançaEvangélica e a Federação na Confederação Evangélica de Cooperação – CEB, congregava entãonove entidades entre igrejas, missões e organizações evangélicas de cooperativa.O Concílio Vaticano II, na década de 1960, acorda a Igreja Católica para as questõesecumênicas “como uma tomada de consciência a respeita de si mesma, de sua natureza, dasua missão e dos desígnios de seu Fundador, Mestre e Senhor” *Wolff:2002+Fruto da caminhada ecumênica protestante, juntamente com a nova postura da IgrejaCatólica, procurou-se no Brasil criar um novo espaço que pudesse haver convergência deações.Vários encontros foram realizados entre os dirigentes nacionais das igrejas cristãs. Essesencontros serviram de preparação para o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs – CONIC, que foifundado em 1982.Em seus estatutos de fundação encontramos a seguinte definição sobre o CONIC: “é uma associação fraterna de Igrejas que confessam oSenhor Jesus Cristo como Deus e Salvador, segundo asEscrituras e, por isso, procuram cumprir sua vocaçãocomum para a glória de Deus Uno e Trino, Pai Filho eEspírito Santo, em cujo nome administram o Santo Batismo.O amor de Deus, a confissão de fé comum e o compromissocom a missão impulsionam as Igrejas membrosa uma comunhão cristã mais profunda e a um testemunhocomum do evangelho no Brasil, no exercício doamor e serviço ao povo. Respeitadas as diferentes concepçõeseclesiológicas, as Igrejas membros se reconhecemconvocadas por Cristo à unidade de sua Igreja,
  4. 4. nacerteza da atuação do mesmo Cristo e do seu Espíritonelas e através delas”.A SEMANA DE ORAÇÃOCom o tema: “Todos seremos transformados pela vitória de nosso Senhor Jesus Cristo”. (1 Cor15, 51-58) celebraremos a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos de 20 a 27 de maio de2012. O texto nos fala, evidentemente, da ressurreição vivida por Jesus e apresentada comometa final de todos nós.A busca da unidade não é algo para a vida eterna no céu, mas deve ser buscada em nossacaminhada terrena. Ao proclamar a ressurreição, o texto nos diz que, se seguirmos aquele quevenceu a morte, toda vitória é possível, por maiores que pareçam as dificuldades.Todos os cristãos estão convocados a se transformar, num processo de permanenteconversão, trabalhando por uma vitória que começa com a promoção da nossa unidade efraternidade em vez de competição. [Caderno de Oração. CONIC/CLAI. 2012.]O Livro de Oração Comum (Book of Common Prayer) que através de sua liturgia nos apresentaas questões essenciais de doutrina, disciplina e culto das Igrejas da Comunhão Anglicana,lembra-nos que somente a graça de Deus pode tornar viva as palavras humanase, nosapresenta uma Oração pela Unidade da Igreja, com ela encerro essa reflexão e partilha: “Santíssimo Pai, cujo bendito Filho antes de sua paixão orou pelos seus discípulos para que fossem um, assim como Tu e Ele são um; concede que tua Igreja, unida em amor e obediência a Ti, seja unida num só Corpo e por um só Espírito, para que o mundo creia naquele que enviaste, teu Filho, Jesus Cristo, nosso Senhor, que vive e reina contigo e com o Espírito Santo, um só Deus, agora e sempre. Amém.” (LOC:1984, p. 151).Recomendamos para Leitura:- Ecumenismo. 40 anos depois do Decreto UnitatisRedintegratio. Ed. Paulinas.-Documento BEM (Batismo, Eucaristia e Ministério). Conselho Mundial de Igrejas. CONIC.

×