Um ano de posse: Obama frente al desgaste de su gobierno

481 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
481
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Um ano de posse: Obama frente al desgaste de su gobierno

  1. 1. Crise econômica internacional A um ano da posse: DOSSIÊ Obama frente ao desgaste de seu governoClaudia Cinatti nas eleições especiais de Massachusetts, realizadas em 19 de janeiro para ocupar o assento ocupado por Edward Há apenas um ano mais de dois milhões de norte- Kennedy por 47 anos, falecido em agosto de 2009.americanos lotavam as ruas de Washington para presenciar Ou esta derrota, o Partido Democrata perdeu suaa posse de Barack Obama, o primeiro presidente maioria de 60 senadores, que lhe dava margem paraafroamericano da história do país. As expectativas lidar com as leis, tornando impossível as manobras daem relação à “mudança” que havia prometido em sua oposição para bloquear os democratas. Este resultadocampanha eram enormes e sua popularidade girava em põe em questão a aprovação da reforma do sistema detorno de 80%, principalmente entre os trabalhadores, os saúde, um dos principais objetivos da agenda domésticajovens e as minorias oprimidas. Entretanto, seu primeiro da administração Obama.ano frente à Casa Branca foi suficiente para dissipar as O já conhecido “efeito Massachussets” aprofundouilusões de que o governo Obama implicaria em uma as divisões nas fileiras dos democratas e abriu a maisprofunda guinada em relação às políticas neoliberais que séria crise para Obama desde que assumiu a presidência,vêm sendo aplicadas desde a presidência de Reagan e uma frente ao temor de um triunfo republicano nas eleiçõesruptura com a orientação militarista da administração de legislativas que se realizarão em novembro2.Bush. O desgate do governo Obama, que tem o recorde Na política interna a ajuda aos bancos e monopólios de ter perdido, em seu primeiro ano de gestão, cercacontinuaram, e a reforma do sistema de saúde permanece de 30% do apoio com o qual havia assumido, deve-sesem aprovação, apesar das enormes concessões de Obama principalmente ao descontentamento que se estendefrente às exigências dos republicanos, dos democratas quatro entre amplos setores de assalariados e famílias“moderados” e do lobby da indústria de saúde. Na política de classe média baixa que perderam seus empregos,exterior, Obama deu continuidade à política militarista suas casas, ou que viram seu nível de vida reduzir-sede Bush: ordenou o aumento da presença militar no drasticamente, como conseqüência da crise econômicaAfeganistão, que passará de 30.00 a 100.00 soldados, que tomou conta do país que vive a pior recessão desde aestendeu o conflito armado ao Paquistão e logo após o década de 1980, e que viram suas expectativas depositadasfrustrado atentado no Natal em um vôo norteamericano, nas promessas de mudança e de criação de emprego deretomou a retórica da “guerra contra o terrorismo” e o Obama se frustarem.“combate contra Al Qaeda” que agora tem o Iemen como Apesar de nos últimos trimestres do ano passadoalvo. a economia norte-americana ter registrado uma leve A promessa de uma relação de respeito com a recuperação, pela primeira vez nos últimos 26 anos, oAmérica Latina foi minada através do apoio ao golpe de desemprego superou os 10%, e vai a 17% se foremEstado em Honduras, as sete novas bases militares na levadas em consideração as pessoas subempregadas,Colômbia e, agora, com a ocupação militar no Haiti após com trabalho part-time ou quem deixarem de procuraro terremoto que destruiu o país. emprego. Longe das ilusões alentadas pelos setores Esta enorme desilusão refletiu-se primeiro nas progressistas do partido democrata de que Obamaderrotas eleitorais que os democratas sofreram em daria início a uma espécie de New Deal, ou seja, umaVirgínia, Nova Jersey e Nova York no final do ano política ativa de intervenção estatal para a criação depassado, e mais recentemente no triunfo republicano 2 Nota do tradutor: De acordo com a tradução federalista e legislativa1 Integra a revista Lucha de Classes, Buenos Aires; membro do dos EUA, as eleições são por turno, ou seja, as cadeiras não sãoConselho Editorial da revista Estratégia Internacional, Buenos Aires trocadas de maneira absoluta, de modo que a busca por uma maioriae integra o Conselho Assessor do Instituto do Pensamento Socialista é um processo mais delicado do que em governos onde o executivoKarl Marx. concentra mais poder.
  2. 2. Contra a Corrente empregos, sua política foi manter a linha republicana não está descartado que este movimento procure umade salvar com dinheiro público os grandes bancos, os expressão eleitoral própria disputando espaço frente aosmesmos que contribuíram em grande medida para gerar republicanos.a crise, demonstrando que seu governo está a serviço daoligarquia financeira de Wall Street. A indignação com Entre a retórica populista e o ajuste fiscalesta política de resgate dos ricos foi ainda maior quando Obama recebeu a mensagem das urnas deos bancos que receberam dinheiro do programa de resgate Massachussets e optou por uma guinada em direçãoestatal, conhecido como TARP, tornaram públicos seus a uma retórica “populista” para tentar recuperarlucros e as bonificações de milhões de dólares que credibilidade nos setores mais castigados da sociedadepagaram a seus executivos, enquanto cada vez mais norteamericana.norte-americanos passaram a depender dos vale-comida A apenas dois dias da derrota eleitoral, voltou à tonae outros programas de assistência. a iniciativa da reforma regulatória do sistema financeiro, No plano interno, o outro grande motivo de com um inflamado discurso contra Wall Street e suadescontentamento é a reforma do sistema de saúde especulação irresponsável, seguido por um discurso sobreproposto por Obama que, ainda que não chegou a ser uma o emprego frente a um auditório operário em Ohio.prestação universal de saúde para os mais de 40 milhões A reforma financeira proposta por Obama contemplaque não têm nenhum tipo de proteção, começou como certas restrições ao tamanho e às atividades dasuma promessa de estender a cobertura da previdência instituições financeiras, como a proibição para os bancossocial, o que incluía a prestação estatal para aqueles que comerciais de ter ou investir em fundo de coberturanão tiveram cobertura particular. Entretanto, por trás das ou fundos privados, a criação de um organismo parasucessivas negociações no Congresso – tanto com o bloco supervisar o grau de “risco sistêmico” que possam causarrepublicano quanto com a ala direita do partido democrata certas instituições, um imposto extra para reembolsar os– terminou sendo um plano elaborado na medida das fundos de ajuda estatal e uma garantia federal para osgrandes companhias de saúde e farmacêuticas, e que, depósitos.no final de contas, obriga a todo individuo contratar um Porém para além de seu discurso e suas denúncias daseguro privado de saúde caro e de má qualidade, não “busca de lucros fáceis” dos banqueiros, a postura “anti-contempla a opção estatal e, além do mais, inclui um Wall Street” de Obama carece de toda credibilidade. Emcorte importante no programa de assistência a idosos, primeiro lugar, esta reforma é idealizada por ninguémconhecido como Medicare. A reforma do sistema de menos que Paul Volcker, o chefe da Reserva Federal sobsaúde deu lugar a uma oposição de direita, alentada pelos Carter e Reagan que produziu uma profunda recessão erepublicanos, que chegaram a acusar Obama de “nazista”, a mais alta taxa de desemprego do pós-guerra até estadevido à ingerência estatal na vida privada dos cidadãos, crise, com o aumento das taxas de juros no começo dose a um descontentamento dos setores progressistas, que anos 80. Além disso, a equipe econômica de Obama estáviram como a administração democrata cedia à agenda integrada por ex-membros de diretórios de grandes bancosconservadora. de investimentos como Goldman Sachs e ex-funcionários Enquanto os “progressistas” que chamaram a do governo de Clinton, como Larry Summers, queconfiar em Obama e os setores liberais do Partido foram arquitetos da desregulação financeira das últimasDemocrata estão em crise e procuram seguir justificando décadas.seu apoio ao governo apesar de suas políticas militaristas, Obama apoiou com dinheiro público ao plano deimperialistas e antipopulares, e a burocracia sindical da resgate dos grandes bancos sob o governo W. Bush eAFL-CIO continuam negociando as demissões e salários agora justifica isso dizendo que o povo norte-americanocom as patronais, surgiu uma oposição de direita com viu-se obrigado a resgatar os milionários de Wall Streetposições “populistas” contra o aumento de impostos e a com dinheiro público para evitar cair em uma “segundaingerência estatal na atividade econômica, e que conta Grande Depressão”. Ainda que diga que é necessáriocom uma ampla base social em setores da chamada “classe limitar o tamanho dos bancos para que “o povo norte-média”, na qual estão incluídos desde operários brancos americano não seja refém das instituições muito grandese assalariados até pequenos empresários. Os setores para quebrar”, sob seu governo ele deu continuidade àativos deste populismo de direita estão organizados no enorme concentração bancária como produto da crise,movimento conhecido como “Tea Party”, que teve início iniciada com W. Bush. Portanto o JP Morgan Chase ficouem abril de 2009 quando dezenas de milhares de pessoas com Bear Stearns e o Washington Mutual a um preçose mobilizaram contra a reforma do sistema de saúde, irrisório, enquanto o Bank of America comprou Merrildirigidos pela direita republicana e o canal de notícias Lynch. Como resultado, os quatro principais bancosFOX, com um programa baseado na defesa enraivecida concentram quase 40% dos depósitos.do livre mercado. Ainda que por enquanto é capitalizado Apesar do anúncio ter sido mal recebido por Wallpela ala mais conservadora do partido republicano, Street e pelos bancos estrangeiros que operam no país,
  3. 3. A um ano da posse: Obama frente ao desgaste de seu governo uma vez que não está claro se serão atingidos pelasnovas normas, as reformas não afeta aos que realmenteganham com a crise, e provavelmente seus aspectos mais“regulatórios” venham a ser limados durante a discussãoparlamentar. Esta suposta guinada “populista” tem seu contrapontona proposta de Obama de congelar os gastos durante trêsanos, excetuando os gastos de defesa e segurança nacional, Cinematógrafoo que implica na redução ou eliminação de programas um olhar sobre a históriasociais, respondendo às preocupações de republicanos, O livro organizado dentre outrosdemocratas conservadores e setores burgueses diante da pelo prof. Jorge Nóvoa, publicado pela EDUFBA/Editoraenorme dívida estatal. UNESP, 2009, é uma fascinante Foi esta a essência da política interna anunciada viagem em torno do cinemano discurso sobre o Estado da União, no qual Obama e da história.pretendeu combinar a promessa “populista” de criação deemprego com a política conservadora da “responsabilidadefiscal” e a garantia dos lucros capitalistas. Os trabalhadores, os jovens e a comunidadeafroamericana, os imigrantes e os setores popularesque “acreditaram na mudança” já fizeram uma primeiraexperiência com o governo de Obama. O que estácolocado é que avancem em direção à sua independênciapolítica em relação aos partidos da burguesia imperialistanorte-americana. O prof. Avelino da Rosa Oliveira, da UFPel, em Marx e a liberdade, de 1997, pela EDIPUCRS, investiga A construção social da cor amplamente, a questão filosófica Livro de José Barros discute a da liberdade no pensamento construção da idéia de uma de Karl Marx. raça negra – em oposição à idéia de uma raça branca - a partir dos fundamentos do sistema colonial e da escravidão africana no Brasil. Alexandre Pilati, da UnB, traz, em A nação drummondiana, quatro estudos sobre a presença do Brasil na poesia de Carlos Drummond; pela Editora 7 Letras, Rio, 2009.

×