Crise econômica internacional                                    China, Brasil, América Latina                       DOSSI...
Contra a Corrente                                                                                      que caracteriza ess...
China, Brasil, América Latina e a esquerda no contexto da atual crise econômica Mundial                              dos t...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

China, Brasil, América Latina e a esquerda no contexto da atual crise econômica mundial

884 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
884
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

China, Brasil, América Latina e a esquerda no contexto da atual crise econômica mundial

  1. 1. Crise econômica internacional China, Brasil, América Latina DOSSIÊ e a esquerda no contexto da atual crise econômica mundialEntrevista a GUILLERMO ALMEYRA realizada grande papel do Estado na economia. Rússia, porpor sua vez, se safou porque é produtora de gás e de óleoMurilo Leal cru e exportadora de tecnologia militar ao Pacto de Xangai. Mas uma nova onda de crise (sobretudo a crise européia, que obrigará os governos a sustentar Em sua opinião, qual a natureza da atual crise bancos como Santander ou BBVA, que têm grandeseconômica do capitalismo mundial e por que ainda interesses na América Latina e daí obtém seusnão se fizeram sentir em países como o Brasil maiores lucros) afetaria mais estes países, cujoefeitos da crise de grande amplitude? aparato financeiro está em mãos estrangeiras, assim Esta crise mundial do capitalismo não é apenasfinanceira. Ou seja, tem como detonador as aventuras como a grande indústria e, portanto, está fora dase malabarismos com as hipotecas e as cotizações decisões estatais.para o futuro, sobretudo nos Estados Unidos, masé igualmente uma crise de superprodução mundial Você argumenta, em texto recente, que os “mal(ou de insuficiência do poder aquisitivo para chamados governos “progressistas” continuamcomprar a produção) devido ao aumento enorme da a aplicar essencialmente as mesmas políticasprodutividade junto à redução dos salários reais e ao neoliberais dos anos 90”, uma opinião que nosaumento da extração de mais-valia relativa e também parece bem acertada especialmente em relação ade mais-valia absoluta, fazendo crescer a intensidade Lula. Perguntamos: a partir da dinâmica da atualdo trabalho e os horários, piorando as condições de crise mundial, que perspectivas você enxerga paratrabalho, destruindo as resistências sindicais, levando governos que persistem em políticas que levaramas empresas aos países com menores salários diretos ao desastre mundial?e indiretos e menor legislação de proteção. O neoliberalismo tem muitos graus (níveis?). O Se Brasil ou Argentina até agora sofreram do Brasil não é igual ao da Argentina ou da Bolívia.menos que os países imperialistas, isso se deve a Nesses países a livre ação do mercado teorizadaque têm uma maior diversificação de seus mercados pelos neoliberais se combina com as políticas sociaispara as matérias-primas (Mercosul, China, sobretudo estatais destinadas a sustentar o mercado internoe a que China mantém seu crescimento e necessita e com ações neo-desenvolvimentistas (sobretudo,desses bens primários (soja, couros, petróleo, etc). investimentos em infra-estrutura) dos governosA situação poderia mudar se a China exportasse que, como na Bolívia ou na Venezuela (que tambémmais produtos da indústria leve a estes países em mantém o neoliberalismo modificado), podemvez de investir neles em bens de capital. Quanto à chegar a tomar a forma de capitalismo de Estado. OsÍndia e à China, suportaram melhor a crise porque governos argentino e brasileiro tratam de manter onão aplicaram as receitas neoliberais, mantendo um poder aquisitivo dos trabalhadores para dar mercado às empresas capitalistas industriais que produzem Professor de Relações Sociais na UAM - Xochimilcol e professor para o mercado interno e subsidiam serviços e saláriosde Política Contemporânea na UNAM e editorialista do La Jornada, indiretos para manter baixos os salários (ou seja,México. Membro do Conselho Editorial do Sin Permiso. aumento nos lucros) e frear as lutas independentes Doutor em História Social pela USP. Coordenador do Curso deHistória da Faccamp (Faculdade Campo Limpo Paulista). dos assalariados. Daí a grande luta inter-burguesa
  2. 2. Contra a Corrente que caracteriza esses países apesar dos escassos tecnologia mundial?conflitos entre trabalhadores e capitalistas e daí o A China já tem fortes posições na África e estáódio dos principais setores burgueses aos Lula e os ampliando as que conquistou na América Latina. OsKirchner, apesar do neoliberalismo modificado dos países do Extremo Oriente dependem da China, masmesmos. o nacionalismo chinês lhes assusta. De todo modo, De todo modo, o fato de que todas as alavancas o Pacto de Xangai reforça a aliança de defensa, masa economia e os recursos principais estejam em mãos também o desenvolvimento militar entre a China edos imperialistas, de que esses países mantenham a Rússia e ameaça a política dos Estados Unidos nouma política extrativista igual às do passado e não Afeganistão e as repúblicas da ex-União Soviética.construam uma alternativa econômica e política, Ali estão postas as bases de um conflito futuro.prepara as condições de futuras crises. Referindo-se à atual crise mundial, você Você defende, com muito brilho, a Trotskiargumentou, em texto de 2008 (As sete vacas, como o advogado do socialismo dos conselhos emagérrimas) que a Rússia e a China estão atados que foi assassinado pela burocracia – dentre outrasao futuro estadunidense como ladrões amarrados coisas – porque era inassimilável e incorruptívelpor uma mesma corda e, ao mesmo tempo, ressaltou defensor do socialismo dos sovietes, do socialismoque são os Estados Unidos que dependem daqueles que não seja construído de cima para baixo, oupaíses e argumentou que Washington hoje está como você argumenta muito bem, do socialismoem liberdade vigiada; você poderia tecer algumas que não seja construído “desde arriba, com elconsiderações mais sobre este tema? aparato estatal, desde el aparato estatal, con los Estados Unidos mantém não apenas sua grande trabajadores actuando apenas como coro” (Trotsky,superioridade militar (tem mais armas que todas el socialismo e y la democracia, agosto 2009).as demais potências juntas) como também sua Em sua opinião, faz-se necessária uma esquerdasuperioridade tecnológica no plano dos armamentosmarxista contemporânea que defenda claramente e na tática cotidiana a estratégia soviética, doe os apoios logísticos aos mesmos. Além disso, tema hegemonia cultural e dita, por exemplo, à Chinasocialismo sem burguesia, baseado nos conselhos e na classe operária como sujeito hegemônicoou à Rússia quais devem ser as idéias corretas, osmodos de vida, os consumos. do processo? Que expectativas você guarda em relação a essa possibilidade? A China acaba de vender 35 bilhões de dólaresem bônus do Tesouro ianqui, em parte para enviar Aquele que acredita que o Estado ou osuma ameaça a Washington pelo reconhecimento governos construirão o socialismo não é marxista.do Dalai Lama (e, implicitamente, do separatismo A emancipação dos trabalhadores será obra dos próprios trabalhadores. Ao falar de trabalhadorestibetano) e em parte porque está cansada de sustentaro dólar. A alternativa à dependência do mercado não me refiro apenas aos operários, mas a todosestadunidense e dos investimentos imperialistas os que formam o trabalhador coletivo, social,ocidentais seria uma sinergia real e firme com a sobre o qual falava Marx. Os conselhos ou asRússia e todos os países do sudeste asiático que organizações de tipo conselhistas, tanto operários como camponeses, apareceram em muitas formasentraram em sua órbita, incluindo o Japão, mas estenão é o caso. diferentes em todo período de construção de um poder dual e, precisamente, servem para superar Se não estamos enganados você parece essa fase levando à construção de um Estado dosimaginar que a China tem como tornar-se uma trabalhadores, de acordo com a peculiaridadepotência tecnológica, financeira e industrial histórico-cultural de cada país, porque permitem aosdentro de poucos anos e de criar um grande setor trabalhadores fazer experiências frente ao Estadotecnológico de ponta deslocando o centro do capitalista e de construção de outro Estado debaixocapitalismo mundial para o Oriente. Poderia nos para cima. A idéia de que esses conselhos devemfalar sobre este ponto, inclusive considerando estar subordinados ao partido revolucionário (comoo aspecto de que os Estados Unidos são a maior acreditavam os bolcheviques em 905 e no começopotência militar do planeta e que – com outros de 97) ou ao Estado (como acreditam os cubanospaíses imperialistas – controlam o essencial da ou os venezuelanos) é falsa e criminosa: a iniciativa
  3. 3. China, Brasil, América Latina e a esquerda no contexto da atual crise econômica Mundial dos trabalhadores, sua pluralidade democrática, suacriatividade, não admitem dogmas nem direçõesimpostas. É preciso criar uma corrente realmentemarxista que confia na capacidade criativa dostrabalhadores, estude os germes do poder real, deautonomia, de autogestão, que eles acreditem enão dependam nem de governos nem de aparatospartidários, os quais devem ser transitórios e devem À esquerda da esquerda, Trotskistas, Comunistas eestar a serviço daqueles, os únicos protagonistas do Populistas no Brasilsocialismo e os únicos internacionalistas, pois eles Contemporâneo (1952-1966)não dependem, como os governos e seus partidos, Murilo Leal doutor em história pela USP, analisa o trotskismo emdo estreito quadro nacional. um determinado período das lutas A América Latina recente vem sendo marcada sociais no Brasil, os férteis anospor vitórias eleitorais da direita, mas também de 50 e 60; Editora Paz e Terra.coligações políticas nas quais aparece um perfil/discurso de esquerda (Frente Ampla no Uruguai,FSLN na Nicarágua, FMLN em El Salvador e atéo PT no Brasil dentre outros), mas que praticamuma política econômica de base neoliberal comsuas nuances nacionais. Invariavelmente, taisprocessos primam pela ausência de uma virada nadireção anticapitalista. Qual a sua interpretaçãopara este processo? O que é que ele pode nos trazerde lição, se nos colocamos numa perspectiva de O livro sobre a vida do joveminterpretação revolucionária? Lenin, escrito por Leon Trotski, Os governos capitalistas de centro-esquerda desmistifica e desmumificapoderiam criar ilusões nos trabalhadores e levar a o Lenin que vem sendo biografado por liberais como Robert Serviceuma substituição destes, mas também expressam a ou Richard Pipes. Edições CEIP,crise de dominação do capitalismo e do imperialismo. Buenos Aires, 009.Não são a solução, mas obstaculizam parcialmente Autor: León Trotskyos planos imperialistas, como se viu na Conferênciade Mar del Plata que enterrou a ALCA e abriucaminho à ALBA. Serra não é igual ao PT, nemCristina Kirchner à oligarquia argentina. Contudo, aomesmo tempo que se deve evitar todo seguidismo aogoverno burguês “progressista”, há que se defendero que o temor aos trabalhadores ou a necessidadede apoiar-se nestes os obriga a fazer e aproveitarespaços democráticos para educar os trabalhadorespara a necessidade de sua independência políticae para organizá-los, por conseguinte, se não detrás Fundamentos y límitesdo partido revolucionário, ao menos detrás de um del capitalismo O livro de Louis Gill, , discute,organismo de classe e, se possível, de organismos de a partir de O capital de Marx,poder dual, como os conselhos. a realidade do sistema capitalista contemporâneo. Editorial Trotta, Espanha.

×