Lição 1: O Que Cremos Sobre a Bíblia
Prof: Pr Antonio Neto

Introdução
A Bíblia é o livro mais vendido
de todos os tempos....
Conhecendo a Bíblia
No nosso propósito de nos aprofundar na Bíblia, devemos começar pelas questões mais
básicas: quem escr...
*Os Livros Poéticos (Jó até Cantares)
*Os Profetas Maiores (Isaías até Cantares)
*Os Profetas Menores (Oséias até Malaquia...
Evidências Internas
A Bíblia não tem vergonha de se declarar a Palavra de Deus (I Timóteo 3:16, II Pedro
1:19-21). Os prof...
Lição 1 - O Que Cremos Sobre a Bíblia
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Lição 1 - O Que Cremos Sobre a Bíblia

1.209 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.209
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
196
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
44
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lição 1 - O Que Cremos Sobre a Bíblia

  1. 1. Lição 1: O Que Cremos Sobre a Bíblia Prof: Pr Antonio Neto Introdução A Bíblia é o livro mais vendido de todos os tempos. Muitos homens-dem onst rand o um a prepot ênci a espantadora--têm profetizado o fim da sua popularidade, mas ela continua m a i s p r o c u r a da d o q u e n u n c a . I nu meráveis inimigos de Deus, tentando desacreditar a mensagem das Sagradas Escrituras, se esforçaram para encontrar inconsistências ou erros dentro de suas páginas--e tudo em vão. Nossa Igreja tem a Bíblia como única regra de fé e prática. Por isso, iremos começar este curso com a bibliologia, ou seja, um estudo sobre a Bíblia. O motivo de começar assim é simples: a Bíblia é fonte de todo nosso conhecimento a cerca das coisas de Deus. Se não estivermos firmes em que cremos com respeito à palavra de Deus, dificilmente teremos firmeza em qualquer outro aspecto da fé cristã. A Necessidade da Bíblia O homem pecador, por si só, é incapaz de conhecer a Deus (I Coríntios 2:14). Mas Deus, na sua infinita misericórdia, se revelou ao homem de duas maneiras: Revelação Geral Através de sua criação, Deus se revela a todos os homens (Salmo 19:1). Esta revelação é suficiente para que o homem fique sem desculpa perante Deus (Romanos 1:18-20). Porem, esta revelação é insuficiente para levar o homem à salvação (Romanos 10:14-17). Revelação Especial É necessário, então, que Deus se revele especificamente aos homens para que sejam salvos. Nos tempos do Antigo Testamento Deus se revelou através dos profetas. Depois, enviou Cristo, que é o "resplendor da sua glória" e a "expressa imagem do Seu ser" (Hebreus 1:1-3). Jesus revelou o Pai completamente e perfeitamente (João 1:18). Hoje, temos a palavra completa de Deus na forma das escrituras (João 20:31). "A revelação geral é suficiente para levar o homem à condenação; a revelação especial é necessária para levar o homem à salvação"
  2. 2. Conhecendo a Bíblia No nosso propósito de nos aprofundar na Bíblia, devemos começar pelas questões mais básicas: quem escreveu, quando foi escrita, e como é composta. Os Autores A Bíblia é clara e específica quanto a sua origem divina. II Timóteo 3:16 nos afirma que as Escrituras foram inspiradas--ou seja, sopradas, por Deus. A palavra usada na língua original-theopneustos--não se encontra em nenhum outro texto grego do período, e traz à lembrança o ato de Deus "soprar vida" no primeiro homem (Gênesis 2:7). Mas Deus, na sua infinita sabedoria, usou autores humanos para comunicar a mensagem que Ele tem para a humanidade. II Pedro 1:21 demonstra tanto a autoria divina quanto a participação humana. Cremos que os autores humanos usaram de seus próprios estilos e personalidades para escreveram as palavras de Deus. Escreveram em três línguas principais: hebraico, aramaico (no Antigo Testamento) e grego (no Novo Testamento). O Tempo Esses quarenta autores levaram mais de 2.000 anos para escrever todos os livros da Bíblia. O primeiro livro a ser escrito provavelmente foi Jó, cerca de 2.000 anos antes de Cristo, e o último foi Apocalipse, escrito pelo apóstolo João por volta de 95 d.C. Suas Divisões A Bíblia é composta de 66 livros, divididos em duas seções maiores: o Antigo e o Novo Testamento. O Antigo Testamento consiste em 39 livros. Estes livros podem ser divididos da seguinte forma: *A Lei, também chamado de pentateuco (Gênesis até Deuteronomio) *Os Livros Históricos (Josué até Ester)
  3. 3. *Os Livros Poéticos (Jó até Cantares) *Os Profetas Maiores (Isaías até Cantares) *Os Profetas Menores (Oséias até Malaquias) O Antigo Testamento trata especificamente com a nação de Israel, preparando o caminho para a vinda de Cristo. Assim, ele forma o alicerce da nossa fé. O estudo do Antigo Testamento é essencial para nosso entendimento da fé cristã (João 5:34) O Novo Testamento é composto de 27 livros, divididos da seguinte forma: *Os Evangelhos (Mateus até João) *O Livro Histórico (Atos) *As Epístolas (Romanos até Judas) *O Livro Profético (Apocalipse) O Novo Testamento apresenta Cristo, sua encarnação, ministério na terra, morte ressurreição, a formação da Igreja, e ensinos sobre a vida cristã. Os 66 livros da Bíblia foram reconhecidos como sendo canônicos (autênticos) num concílio eclesiástico na cidade de Cartago no ano 397 d.C. A Bíblia usada pela Igreja Católica Romana contem 14 livros a mais, chamados apócrifos (escondidos), os quais foram acrescentados oficialmente por essa igreja em 1546, no concílio de Trento. Esses livros nunca fizeram parte das escrituras hebraicas ou gregas e nenhum ramo da Igreja os aceitou antes de 1546. Importante: Mesmo com tanta diversidade, a Bíblia é unida, do início ao fim, no seu propósito e mensagem. A personagem principal da Bíblia é Jesus, e a sua mensagem, a salvação. Porque dar ouvidos à Bíblia? Muitas pessoas concordam que a Bíblia seja um livro singular, porem não acreditam que ela tenha algo a dizer sobre como devem conduzir suas vidas. O que é que nos faz basear nossa fé--nosso destino eterno--neste livro tão antigo? Para responder esta pergunta, iremos examinar as evidências internas e externas que afirmam que a Bíblia representa a comunicação divina à humanidade.
  4. 4. Evidências Internas A Bíblia não tem vergonha de se declarar a Palavra de Deus (I Timóteo 3:16, II Pedro 1:19-21). Os profetas proclamaram "assim diz o Senhor" (ex. Isaías 44:6), e o próprio Jesus Cristo afirmou as suas palavras (Mateus 5:17-18). Então existem apenas duas alternativas: ou a Bíblia é o que diz que é, ou é uma fraude. Evidências Externas Há muitas evidências externas (ou seja, fora das páginas da Bíblia) para que a Bíblia seja aceita como verdadeira. Entre elas são evidências arqueológicas e históricas. Quanto mais entendemos sobre a história, quanto mais vemos que o que a Bíblia fala bate com que os arqueólogos desenterram. Existem mais de 1.400 cópias do Antigo Testamento, e 5.000 cópias do Novo Testamento. Nos escritos dos pais da igreja primitiva, faltam apenas 11 versículos para que termos toda a Bíblia. E todos esses manuscritos e citações batem com a Bíblia que temos em nossas mãos hoje. O próprio conteúdo da Bíblia aponta também à sua origem divina. Como diz o teólogo Lewis Sperry Chafer, a Bíblia não é tal livro que o homem queria escrever se pudesse, nem poderia escrever se quisesse. Quando chegamos, então, à conclusão que a Bíblia é inspirada por Deus, de autoria divina, é lógico que ela, na sua forma original, seja completamente sem erros (João 17:17), confiável (João 10:35), e tem autoridade sobre nossas vidas (Salmo 119:17). Cabe a nós, então, nos dedicar ao estudo e aplicação desta comunicação divina, "para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus" (Romanos 12:2). Perguntas 1. Porque é importante para o crente saber o que crê a cerca da Bíblia? 2. Porque foi necessária a revelação especial? 3. Qual a mensagem principal da Bíblia? 4. Dê três exemplos de onde o Antigo Testamento fala de Cristo. 5. Que quer dizer a palavra "inspirada"?

×