O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
Assistência de enfermagem na
administração de drogas vasoativas
Enfermeira residente: Tallita Veríssimo
Junho - 2014
PRONT...
Objetivos
• Conhecer as principais características
farmacológicas das drogas vasoativas.
• Identificar os principais vasod...
INTRODUÇÃO
Drogas vasoativas
Utilizadas para promover efeitos vasculares
periféricos, pulmonares ou cardíacos, sejam
eles ...
Drogas
vasoativas
Fluxo de
sangue
Pressão
arterial
Vasodilatadores diretos
Classificação:
Nitroglicerina
Venodilatadores
Reduzem
Pré - carga
Hidralazina
Dilatadores
arteriol...
Nitroglicerina (tridil)
• Promovem a liberação de óxido nítrico que é um
potente vasodilatador.
Fonte: google imagens
Nitroglicerina (tridil)
• OralVia de
administração
• SublingualVia de
administração
Início em 2-4 min.
Duração de 30 a 60 ...
Nitroglicerina (tridil)
• Insuficiência cardíaca sem hipotensão e
insuficiência coronariana.
• Angina instável
• Controle ...
Nitroglicerina (tridil)
Apresentação
• SG 5%, SF0,9% e SG 10%Diluição
• 24 horas, proteger da luz 48h.
• Fotossensível, in...
Cuidados de enfermagem
• Observar aspecto da solução antes e durante
a administração.
• Administrar as drogas com bomba de...
Nitroprussiato de Sódio (nipride)
• Efeito direto no músculo liso
das artérias e veias, causa
vasodilatação (maior nas
vei...
Nitroprussiato de Sódio (nipride)
• Crises hipertensivas
• Emergências hipertensivas
• PO de cirurgia de grande porte
• IC...
Nitroprussiato de Sódio (nipride)
• 1 ampola 25mg/mlApresentação
Diluição
• APÓS a diluição em em SG 5% ou SF 0,9% - usar
...
Cuidados de enfermagem
• Não interromper subitamente a infusão
- (efeito rebote).
• ATENÇÃO a intoxicação por
cianeto pode...
Drogas cardiovasculares
• As ações principais da maior parte dos fármacos
cardiovasculares serão determinadas pelos seus
e...
Medicações alfa-adrenérgicas
• Podem dividir-se em:
▫ Efeitos alfa1-adrenérgicos
Contracção do músculo liso vascular
▫ Efe...
Medicações beta-adrenérgicas
• Podem dividir-se em:
▫ Efeitos Beta1-adrenérgicos
Efeitos cardíacos diretos
Inotropismo (au...
Catecolaminas ou agonistas adrenérgicos
• Melhoram desempenho
mecânico do coração.
• Efeito inotrópico positivo
• Resistên...
Catecolaminas
Dobutamina Dopamina Adrenalina Noradrenalina
Catecolaminas
• Sintéticas
▫ Dobutamina
• Naturais
▫ Dopamina
▫ Adrenalina
▫ Noradrenalina
Dobutamina (dobutrex)
• Atua diretamente nos
receptores B1 do coração,
aumentando a força de
contração do músculo
cardíaco...
Dobutamina (dobutrex)
• Choque cardiogênico
• ICC descompensada
• IAM
• APÓS cirurgia cardíaca
Indicações
• Hipovolemia
Co...
Dobutamina (dobutrex)
• 1 ampola 250mg/20mlApresentação
Diluição
• 24 horas da diluição protegida da luzEstabilidade
• SG ...
Cuidados de enfermagem
• Conservar em temperatura
ambiente (15 – 30ºc).
• Proteção à luz.
• Administração em veia de
gross...
Dopamina
• Atua diretamente nos
receptores B1 do
coração, aumentando
a força de contração do
músculo cardíaco.
Ativação de...
Dopamina
Dose:
0,2 a 3,0 mg/kg
Utilizada para
aumento do
fluxo
sanguíneo
renal e
aumento do
volume
urinário.
3,0 a 10,0 mg...
Dopamina
• Baixo débito com volemia controlada ou
aumentada.
• Oligúria persistente com parâmetros
hemodinâmicos estáveis....
Dopamina
• 1 ampola 5mg/mlApresentação
Diluição
• 24 horas da diluição protegida da luzEstabilidade
• 5 ampolas em 200 ml ...
Cuidados de enfermagem
• Administração em veia de
grosso calibre.
• Administrar em BIC.
• Rigor no gotejamento – efeitos
d...
Adrenalina (epinefrina)
• Catecolamina que interage com
receptores α, β2, e β1 com
características vasopressoras, e
estimu...
Adrenalina (epinefrina)
• Parada cardio-respiratória
• Cirurgia cardíaca, na saída de circulação
extracorpórea,
• Broncoes...
Adrenalina (epinefrina)
• 1 ampola 1ml/mgApresentação
Diluição
• S.C.: 5 a 10 minutos; I.M.: 5 a 10 minutos;
I.V.: imediat...
Adrenalina
Doses
Parada
cardiorespiratória
1 mg a cada 3 a
5 minutos
Asma brônquica
0,1 a 0,25mg
(diluído) via
intravenosa...
Cuidados de enfermagem
• Conservar em temperatura ambiente 15 – 25ºc.
• Não congelar.
• Proteção à luz.
• Deve ser adminis...
Noradrenalina (norepinefrina)
• A noradrenalina (NA) é o neurotransmissor do sistema
nervoso simpático e precursor da adre...
Noradrenalina (norepinefrina)
• Sepse hiperdinâmica
• Choque cardiogênico por IAM.
• Hipotensão em pacientes com baixa RVP...
Noradrenalina (norepinefrina)
• 1 ampola 4ml/mgApresentação
• (5) ampolas diluídas em 250 ml solução
• SG 5%, SF 0,9%, SG1...
Cuidados de enfermagem
• Armazenar em temperatura
ambiente (15-30ºc).
• Não congelar.
• Proteção à luz.
• Administrar em B...
Estudo de caso
• Um jovem de 33 anos, grave, com crise
hipertensiva evolui sem melhora do quadro. Ele
faz uso de nitroprus...
Estudo de caso
• Que cuidados devem ser adotados para certificar
da estabilidade dessa droga vasoativa?
• O que pode ter o...
Referências
• BPR Guia de remédios. 9ª edição. 2008/2009
• BRODY; LARNER; MINNEMAN; NEU;
Farmacologia humana da molécula a...
Obrigada!
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas

61.279 visualizações

Publicada em

Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas

Publicada em: Saúde e medicina

Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas

  1. 1. Assistência de enfermagem na administração de drogas vasoativas Enfermeira residente: Tallita Veríssimo Junho - 2014 PRONTO SOCORRO CARDIOLÓGICO DE PERNAMBUCO PROFº LUIZ TAVARES PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CARDIOLOGIA MODALIDADE RESIDÊNCIA
  2. 2. Objetivos • Conhecer as principais características farmacológicas das drogas vasoativas. • Identificar os principais vasodilatadores e catecolaminas. • Compreender os principais cuidados de enfermagem a pacientes em uso de drogas vasoativas.
  3. 3. INTRODUÇÃO Drogas vasoativas Utilizadas para promover efeitos vasculares periféricos, pulmonares ou cardíacos, sejam eles diretos ou indiretos, através de receptores situados no endotélio vascular (BRODY et al, 2010).
  4. 4. Drogas vasoativas Fluxo de sangue Pressão arterial
  5. 5. Vasodilatadores diretos Classificação: Nitroglicerina Venodilatadores Reduzem Pré - carga Hidralazina Dilatadores arteriolares Reduzem a pós- carga Nitroprussiato de Sódio Combinados Reduzem a pré e a pós-carga
  6. 6. Nitroglicerina (tridil) • Promovem a liberação de óxido nítrico que é um potente vasodilatador. Fonte: google imagens
  7. 7. Nitroglicerina (tridil) • OralVia de administração • SublingualVia de administração Início em 2-4 min. Duração de 30 a 60 min. Início em 10-20 min. Duração de 2 a 3 h. • EndovenosaVia de administração Início imediato Mantêm estável a concentração sanguínea.
  8. 8. Nitroglicerina (tridil) • Insuficiência cardíaca sem hipotensão e insuficiência coronariana. • Angina instável • Controle da icc e hipertensão Indicações • Hemorragia cerebral • Tamponamento cardíaco • NÃO pode ser associado ao sildenafil, taladafil e vardenafil. Contra indicações • Hipotensão ortostástica • Taquicardia • Cefaléia e síncope • Palpitação Reações adversas
  9. 9. Nitroglicerina (tridil) Apresentação • SG 5%, SF0,9% e SG 10%Diluição • 24 horas, proteger da luz 48h. • Fotossensível, instável em contato com plásticos. Estabilidade • MetemoglobinemiaToxicidade • 1 ampola 5 mg/ml
  10. 10. Cuidados de enfermagem • Observar aspecto da solução antes e durante a administração. • Administrar as drogas com bomba de infusão. • A nitroglicerina migra prontamente por muitos plásticos (PVC). • Alguns filtros intravenoso devem ser evitados (absorvem a nitroglicerina). • A nitroglicerina intravenosa - interfere com o efeito anticoagulante da heparina. Fonte: google imagens
  11. 11. Nitroprussiato de Sódio (nipride) • Efeito direto no músculo liso das artérias e veias, causa vasodilatação (maior nas veias). Diminui resistência sistêmica Reduz pré e pós carga Melhora débito cardíaco Fonte: google imagens
  12. 12. Nitroprussiato de Sódio (nipride) • Crises hipertensivas • Emergências hipertensivas • PO de cirurgia de grande porte • ICC Indicações • Hipertensão compensatória (coarctação da aorta). • NÃO pode ser associado ao sildenafil, taladafil e vardenafil. Contra indicações • Hipotensão • Intoxicação Reações adversas
  13. 13. Nitroprussiato de Sódio (nipride) • 1 ampola 25mg/mlApresentação Diluição • APÓS a diluição em em SG 5% ou SF 0,9% - usar em 24 horas e descartar as sobras.Estabilidade • Cianeto tiocianato • Taquipnéia, vômitos, vertigem, pupilas dilatadas.Toxicidade •250 ou 500 ml da solução SG 5%
  14. 14. Cuidados de enfermagem • Não interromper subitamente a infusão - (efeito rebote). • ATENÇÃO a intoxicação por cianeto pode-se manifestar através da acidose metabólica (láctica), falta de ar, confusão mental e morte. • O frasco deve ser envolvido por material opaco, pois a droga é FOTOSSENSÍVEL, e deve-se utilizar equipo próprio. Fonte: google imagens
  15. 15. Drogas cardiovasculares • As ações principais da maior parte dos fármacos cardiovasculares serão determinadas pelos seus efeitos adrenérgicos que podem ser: ▫ Alfa-adrenérgicos ▫ Beta-adrenérgicos ▫ Dopaminérgicos ou mistos
  16. 16. Medicações alfa-adrenérgicas • Podem dividir-se em: ▫ Efeitos alfa1-adrenérgicos Contracção do músculo liso vascular ▫ Efeitos alfa2-adrenérgicos Relaxamento do músculo liso vascular – é um efeito muito ligeiro que acontece com doses muito baixas de um agente alfa-adrenérgico como a epinefrina
  17. 17. Medicações beta-adrenérgicas • Podem dividir-se em: ▫ Efeitos Beta1-adrenérgicos Efeitos cardíacos diretos Inotropismo (aumento da contractilidade cardíaca) Cronotropismo (aumento da frequência cardíaca) ▫ Efeitos Beta2-adrenérgicos Vasodilatação Broncodilatação
  18. 18. Catecolaminas ou agonistas adrenérgicos • Melhoram desempenho mecânico do coração. • Efeito inotrópico positivo • Resistência vascular sistêmica e pulmonar . • Pressões de enchimento ventricular.
  19. 19. Catecolaminas Dobutamina Dopamina Adrenalina Noradrenalina
  20. 20. Catecolaminas • Sintéticas ▫ Dobutamina • Naturais ▫ Dopamina ▫ Adrenalina ▫ Noradrenalina
  21. 21. Dobutamina (dobutrex) • Atua diretamente nos receptores B1 do coração, aumentando a força de contração do músculo cardíaco. • Melhora o fluxo sanguíneo coronariano e o consumo de oxigênio pelo miocárdio.
  22. 22. Dobutamina (dobutrex) • Choque cardiogênico • ICC descompensada • IAM • APÓS cirurgia cardíaca Indicações • Hipovolemia Contra indicações • Aumento da PA. • Dor anginosa. • Palpitação • Reação no local da infusão • Inflamação (se ocorrer extravasamento) • Taquicardia Reações adversas
  23. 23. Dobutamina (dobutrex) • 1 ampola 250mg/20mlApresentação Diluição • 24 horas da diluição protegida da luzEstabilidade • SG 5%, SF 0,9%, • (1) ampola (250 mg) em 230 ml de solução
  24. 24. Cuidados de enfermagem • Conservar em temperatura ambiente (15 – 30ºc). • Proteção à luz. • Administração em veia de grosso calibre ou na circulação central. • Monitorar a frequência e o ritmo cardíaco; a pressão arterial e a velocidade de infusão; • Monitoração eletrocardiográfica. Fonte: gogle imagens
  25. 25. Dopamina • Atua diretamente nos receptores B1 do coração, aumentando a força de contração do músculo cardíaco. Ativação de receptores dopaminérgicos resulta em vasodilatação das artérias: Renais Cerebrais Mesentéricas Coronárias
  26. 26. Dopamina Dose: 0,2 a 3,0 mg/kg Utilizada para aumento do fluxo sanguíneo renal e aumento do volume urinário. 3,0 a 10,0 mg/kg Efeitos beta- adrenérgicos: taquicardia, aumento do retorno venoso e queda da resistência vascular Sistêmica. >10,0 mg/kg Efeitos predominantes alfa- adrenérgicos com vasoconstricção sistêmica, aumento da pressão Arterial.
  27. 27. Dopamina • Baixo débito com volemia controlada ou aumentada. • Oligúria persistente com parâmetros hemodinâmicos estáveis. Indicações • Deficiência congênita de glicose-6-fosfato desidrogenase. • Intolerância aos derivados. Contra indicações • Náuseas • Vômitos • Arritmias • Agravamento da vasoconstrição pulmonar Reações adversas
  28. 28. Dopamina • 1 ampola 5mg/mlApresentação Diluição • 24 horas da diluição protegida da luzEstabilidade • 5 ampolas em 200 ml de solução • SG 5%, SF 0,9%, SG 10%, Ringer
  29. 29. Cuidados de enfermagem • Administração em veia de grosso calibre. • Administrar em BIC. • Rigor no gotejamento – efeitos dose dependentes. • Manter extremidades do paciente aquecidas. Fonte: google imagens
  30. 30. Adrenalina (epinefrina) • Catecolamina que interage com receptores α, β2, e β1 com características vasopressoras, e estimulando a liberação de noradrenalina. Induz aumento da freqüência cardíaca e do volume sistólico. Beta adrenérgico Aumenta de forma significativa a resistência vascular periférica Alfa adrenérgico Fonte: google imagens
  31. 31. Adrenalina (epinefrina) • Parada cardio-respiratória • Cirurgia cardíaca, na saída de circulação extracorpórea, • Broncoespasmos severo • Choque séptico e anafilático. Indicações • Arritmia • Hipersensibilidade a simpatomiméticos • Associação à anestesia local. • Trabalho de parto Contra indicações • Crise hipertensiva • Edema agudo de pulmão • Hiperglicemia • Vasoconstrição renal Reações adversas
  32. 32. Adrenalina (epinefrina) • 1 ampola 1ml/mgApresentação Diluição • S.C.: 5 a 10 minutos; I.M.: 5 a 10 minutos; I.V.: imediato; inalação: 3 a 5 minutosInício de ação • APÓS 24 horas da diluição – oxidação quando exposta a luz solar.Estabilidade • SG 5%, SF 0,9%, SG 10%
  33. 33. Adrenalina Doses Parada cardiorespiratória 1 mg a cada 3 a 5 minutos Asma brônquica 0,1 a 0,25mg (diluído) via intravenosa lentamente, Repetir após 5 a 10 minutos, se necessário. Vasopressor 1 mcg (diluído) por minuto, intravenoso
  34. 34. Cuidados de enfermagem • Conservar em temperatura ambiente 15 – 25ºc. • Não congelar. • Proteção à luz. • Deve ser administrada com o auxílio de bombas de infusão. • Administrada através de uma veia central (de grosso calibre). • Administrar a dose recomendada. • Monitorize a função respiratória, cardíaca (faça ECG), débito urinário;
  35. 35. Noradrenalina (norepinefrina) • A noradrenalina (NA) é o neurotransmissor do sistema nervoso simpático e precursor da adrenalina. • É menos potente em que a adrenalina em receptores alfa. • Pouca ação sobre beta 2. Fonte: google imagens
  36. 36. Noradrenalina (norepinefrina) • Sepse hiperdinâmica • Choque cardiogênico por IAM. • Hipotensão em pacientes com baixa RVP • RCP Indicações • Hipotensão causada por hipovolemia. Contra indicações • Elevação da PA em níveis indesejáveis • Vasoconstrição periférica e visceral – IRA • Taquicardia • Tremores, náuseas, hemorragia cerebral Reações adversas
  37. 37. Noradrenalina (norepinefrina) • 1 ampola 4ml/mgApresentação • (5) ampolas diluídas em 250 ml solução • SG 5%, SF 0,9%, SG10%Diluição • 24 horas após a diluição.Estabilidade
  38. 38. Cuidados de enfermagem • Armazenar em temperatura ambiente (15-30ºc). • Não congelar. • Proteção à luz. • Administrar em BIC e em veia de grosso calibre • A PA deve ser monitorizada a cada 15 minutos - ajuste da dose. • A função renal também deve ser monitorizada através de dosagens de uréia, creatinina e volume de diurese. • A droga deve ser evitada em grávidas. • ATENÇÃO NA DILUIÇÃO ▫ Diluente: glicose a 5% (volume de 250 ml) ▫ Alguns autores não recomendam SF 0,9% - oxidação ▫ Não usar soluções com alteração de cor (rosa, amarelo ou marrom) ou se houver precipitação. ▫ Uso imediato. ▫ Descartar sobras.
  39. 39. Estudo de caso • Um jovem de 33 anos, grave, com crise hipertensiva evolui sem melhora do quadro. Ele faz uso de nitroprussiato de sódio (nipride) há 12 horas porém seus níveis de PA mantém-se inalterados. Ao observar a solução apresenta-se levemente azulada.
  40. 40. Estudo de caso • Que cuidados devem ser adotados para certificar da estabilidade dessa droga vasoativa? • O que pode ter ocorrido durante o preparo e administração da medicação capaz de inativá-la? • Que cuidados durante o preparo e infusão do nipride a enfermagem deve adotar para garantir sua estabilidade?
  41. 41. Referências • BPR Guia de remédios. 9ª edição. 2008/2009 • BRODY; LARNER; MINNEMAN; NEU; Farmacologia humana da molécula a clínica. Rio de Janeiro: guanabara koogan, 2010. • PEDROSA, L.C; OLIVEIRA JUNIOR. Doenças do coração: diagnóstico e tratamento. São paulo: revinter, 2011
  42. 42. Obrigada!

×