O Culto Da áRvore

1.758 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Negócios
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.758
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
27
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Culto Da áRvore

  1. 1. O Culto da Árvore<br />Centenário da República<br />
  2. 2. Porque comemoramos este ano, na nossa escola, o Dia da Árvore, a 9 de Março?<br /> <br />Um grupo de alunos do 5º ano, fez uma pesquisa atenta e cuidada sobre “ Árvores, Florestas e Homens”desde o início do século XX e ficou a saber que afinal há uma longa história em comum…<br /> <br />Ora bem, prestem atenção ao que vos vamos contar.<br />
  3. 3. DA FESTA DA ÁRVORE AO DIA MUNDIAL da FLORESTA<br />O culto da árvore, a Festa da Árvore, a classificação e protecção de árvores notáveis, o reconhecimento dos benefícios da arborização e da silvicultura, a necessidade de cooperação e diálogo entre os agentes que contribuem para a modernização florestal – valores e símbolos de tanto significado nos ideais da 1.ª República – mantêm-se no essencial actuais. <br />
  4. 4. A comemoração oficial do Dia da Árvore teve lugar pela primeira vez no estado norte-americano do Nebraska, em 1872. John Stirking Morton conseguiu induzir toda a população a consagrar um dia no ano, à plantação ordenada de diversas árvores para resolver o problema da escassez de material lenhoso.<br />A Festa da Árvore rapidamente se expandiu a quase todos os países do mundo, e em Portugal, as primeiras manifestações do Dia da Árvore ocorreram no início do século XX, entre 1907 e 1917. A primeira comemoração oficial desta festa, no nosso país,foi a 9 de Março de 1913.<br />
  5. 5. A implantação da República a 5 de Outubro de 1910 trouxe à sociedade portuguesa um conjunto de novos valores e símbolos. Entre estes, destaca-se o culto da árvore que se associa a outros valores centrais do republicanismo como a fraternidade, a educação e o culto da pátria. <br /> <br /> <br /> <br /> <br /> <br />
  6. 6. Ao culto da árvore associam-se a realização de manifestações cívico - pedagógicas designadas de Festas daÁrvore, a criação da Associação Protectora da Árvore e a sua meritória acção em prol da árvore e do desenvolvimento florestal do país, a propaganda sistemática a favor da árvore através de festas, conferências, plantações comemorativas e publicação de artigos de jornal e livros alusivos, a classificação e protecção das árvores notáveis e ainda uma aposta na reorganização e modernização da Administração Florestal. <br />
  7. 7. As primeiras Festas da Árvore iniciaram-se em Portugal na fase muito final da Monarquia por iniciativa de organizações republicanas.<br />A 26 de Maio de 1907 realizou-se no Seixal a 1.ª Festa da Árvore, promovida pela Liga Nacional de Instrução, criada para promover a instrução nacional e principalmente o ensino primário popular. Foi um enorme sucesso ao qual aderiram alunos, professores e população do Seixal mas também destacados cidadãos e populações das proximidades.<br /> <br />Estava assim iniciado um movimento cultural e cívico de celebração dos benefícios da Árvore e da Floresta, constando essencialmente da plantação de árvores, de um ambiente festivo e de discursos de propaganda a favor da árvore.<br />
  8. 8. O panorama florestal do país era propício a este movimento dada a significativa desarborização em que se encontrava e as necessidades crescentes em madeira. Logo no princípio do século (1901, 1903 e 1905) é estabelecido o Regime Florestal, base jurídica para uma vasta acção do Estado em prol da arborização. Em 1908 a Direcção Geral de Instrução chamou a si a responsabilidade de promover a generalização da Festa da Árvore a todas as escolas do país tendo sido a Liga Nacional de Instrução, a grande dinamizadora das Festas.<br />
  9. 9. A implantação da República em 1910 criou um quadro político propício às grandes campanhas cívicas e de esclarecimento dos cidadãos, como é tradicional, quando há mudanças drásticas de regime. E a Festa da Árvore enquadrava-se nesse espírito. Daí o grande entusiasmo dos vultos republicanos à volta destas iniciativas mas também a reserva, se não hostilidade, de forças conservadoras que viam nestas comemorações uma forma hábil de penetração dos novos ideários em meios, nomeadamente rurais, onde não tinham tradicional implantação. Tentativas de boicote, campanhas na imprensa e arranque das árvores plantadas foram algumas das acções promovidas contra a Festa da Árvore. <br /> <br />
  10. 10. Foto reproduzida da "Ilustração Portuguesa", 1914<br />
  11. 11. Neste período referenciam-se Festas da Árvore em Lisboa, Porto, Coimbra, Leiria, Aveiro, Santarém, Castelo Branco, Évora,Alcáçovas, Alcobaça, Lourinhã, Barreiro, Seixal, Moita, Fundão, Almodôvar, Lousã, Montemor-o-Novo, Amadora e em tantas outras terras.<br />Foto reproduzida da "Ilustração Portuguesa", 1914<br />
  12. 12. Presidente da República, Ministros e altos responsáveis da administração pública e do poder local presidem às comemorações. Agricultores, viveiristas e Serviços Florestais asseguram o fornecimento das árvores a plantas. As acções de propaganda eram asseguradas pelos professores, por prestigiados agricultores e técnicos agronómicos e florestais e ainda pelos sócios da Associação Protectora da Árvore, constituída formalmente em 1914. <br />De 1912 a 1915 decorreu o período áureo das festas da árvore, sendo 1913 o seu ano de eleição.<br />
  13. 13. Em 1971 e na sequência de uma proposta da Confederação Europeia de Agricultores, que mereceu o melhor acolhimento da FAO (Organização das Nações Unidas para a alimentação e Agricultura), foi instituído o Dia Mundial da Floresta numa data única, a 21 de Março, tendo-se mantido até à actualidade, sem qualquer tipo de interrupção.<br />
  14. 14. Como sabes, é uma homenagem que fazemos às árvores nesta data para as pessoas se lembrarem da importância de cuidarmos dos seres vivos vegetais.<br />Ao proteger as árvores, estamo-nos a proteger, pois elas são sinónimo de vida, já que são grandes produtoras de oxigénio.<br />Além das vantagens de se preservarem as árvores por causa do ambiente, existem benefícios económicos pois há vários produtos feitos a partir de uma árvore como: madeira para construção e móveis, papel, carvão, óleos medicinais e outros remédios, perfumes, uso na culinária, entre outras.<br />Foi no âmbito da Eco-Escola que este ano escolhemos o Loureiro, espécie autóctone da nossa região.<br />
  15. 15. Loureiro<br />Origem<br /> <br />Originário do Mediterrâneo, adaptou-se bem em regiões de clima temperado.<br />O loureiro (laurus nobilis L .) é uma das plantas mais simbólicas dos climas mediterrânicos. É, sem sombra de dúvida, o símbolo de triunfo nas culturas mediterrânicas.<br /> <br /> <br />
  16. 16. Habitat<br /> Centro e Sul do país, espontâneo nos locais sombrios e nas margens dos cursos de água.<br />Cultivado em quase todo o país até 1200metros de altitude.<br />
  17. 17. Sua utilidade <br />As suas folhas e frutos (bagas) têm algumas aplicações:<br />-são vulgarmente usadas em culinária;<br />-têm aplicações medicinais, tais como: curar dor de ouvidos; em infusão as folhas e frutos podem ser usados como facilitadores da digestão; tratamento de hemorróidas;<br />-o óleo extraído dos seus frutos pode ser utilizado para combater o reumático;<br />- também usado sobre o pêlo dos animais para os proteger das moscas e outros parasitas;<br /> <br /> <br />
  18. 18. Curiosidades<br />Na antiguidade greco-romana era a árvore consagrada ao Deus grego da profecia, poesia e cura e era símbolo de glória e ressurreição.<br />A coroa de louros foi utilizada nos jogos olímpicos. <br />As suas folhas eram tidas como tendo poderes místicos, sendo usadas para proteger as casas dos raios e trovões e para manter longe os demónios e feiticeiros.<br />
  19. 19. Cancioneiro Popular<br />Loureiro, verde loureiro,Quem te dispôs no caminho?Todos que passam e te vêemTodos tiram seu raminho.»<br />«Eu subi ao loureiro,Ao mais alto ramalhete;Se cair, apegarei-meAo cordão do meu colete.»<br />«Já o loureiro tem baga,Já se pode armar aos tordos;Diga-me, ó minha menina,Como vai de amores novos?»<br />  <br /> Alunos do 5º A<br />

×