Instituto Camões Portugal - Ministério dos Negócios Estrangeiros


Acaso e Imaginação




A Viagem do Elefante, de José Sa...
Instituto Camões Portugal - Ministério dos Negócios Estrangeiros




«Aquilo» era a viagem de meses do elefante Salomão, q...
Instituto Camões Portugal - Ministério dos Negócios Estrangeiros




Seguiu-se «a construção da narrativa que o público co...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Imagina2

303 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
303
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Imagina2

  1. 1. Instituto Camões Portugal - Ministério dos Negócios Estrangeiros Acaso e Imaginação A Viagem do Elefante, de José Saramago Numa curta nota de abertura à sua mais recente obra literária, A Viagem do Elefante (Editorial Caminho, 2008), José Saramago dirige um agradecimento público a Gilda Lopes Encarnação, sem cuja intervenção - escreve o Nobel da Literatura português - o conto, dado à estampa em Novembro passado, «não existiria». «Se Gilda Lopes Encarnação não fosse leitora de português na Universidade de Salzburgo, se eu não tivesse sido convidado para ir falar aos alunos, se Gilda não me tivesse convidado para jantar no restaurante O Elefante, este livro não existiria.» - Saramago dixit. Número 134 · 14 de Janeiro de 2009 · Suplemento do JL n.º 999, ano XXVIII Não é todos os dias que um escritor com a importância de José Saramago agradece a contribuição de alguém - seja ela de que natureza for - para a sua obra. Para Gilda Lopes Encarnação, leitora do Instituto Camões (IC) na Universidade de Salzburgo entre 1997 e 2003, o «agradável» agradecimento «foi muito inesperado» e «um pouco exagerado», segundo ela própria disse a Saramago, na apresentação oficial da obra, no Centro Cultural de Belém, a 3 de Dezembro. «Ele respondeu-me que não, de forma alguma. Disse-me: ‘não está uma palavra a mais do que deveria estar e agora tem que se aguentar', sempre no seu tom jocoso que lhe é característico», evoca a hoje professora da escola secundária André Gouveia, em Évora. Para Gilda Lopes Encarnação, a ida de Saramago a Salzburgo quando aí se encontrava e o que daí resultou foi um «episódio importante» na sua vida. Mas percebeu que para Saramago «também foi importante de alguma forma essa passagem» pela cidade austríaca. E dá-se conta ainda de «como um conjunto de acontecimentos casuais, absolutamente contingentes, podem dar origem a algo importante ou pelo menos de interesse na vida de um escritor - interesse do ponto de vista narrativo». Se, como o elefante Salomão, «sempre chegamos ao sítio aonde nos esperam», a enunciação dos três ‘ses' usados por Saramago para explicar a origem de A Viagem do Elefante parecem mostrar como o acaso pontua o caminho. Na nota de agradecimento e em entrevistas, Saramago dá sempre a mesma versão do acontecimento ‘fundador' do conto que escreveria anos depois de visitar Salzburgo. À Lusa ele relatou assim esse evento, situado pela ex-leitora do IC a 24 de Novembro 1999: «Creio que no próprio dia da minha chegada fomos jantar com outros professores a um restaurante que se chamava `O Elefante`. O simples nome do restaurante não era suficiente para despertar a minha curiosidade, mas a verdade é que lá dentro havia uma escultura relativamente grande representando um elefante e havia, sobretudo, um friso de pequenas esculturas que, entre a Torre de Belém, que era a primeira, e outra de um monumento ou edifício público que representaria Viena, marcava o itinerário do elefante entre Lisboa e Viena. Perguntei-lhe [a Gilda Lopes Encarnação] o que era aquilo, ela contou-me e, naquele momento, eu senti que aquilo podia dar uma históriaquot;, relatou Saramago. http://www.instituto-camoes.pt Produzido em Joomla! Criado em: 1 June, 2009, 19:46
  2. 2. Instituto Camões Portugal - Ministério dos Negócios Estrangeiros «Aquilo» era a viagem de meses do elefante Salomão, que no século XVI foi oferecido pelo rei português D. João III ao arquiduque Maximiliano da Áustria, genro do Imperador Carlos V, e levado por terra e mar de Belém, onde alegadamente se encontrava depois de trazido da Índia, para Viena de Áustria, numa viagem em que a escassa informação histórica existente, reunida por Gilda Lopes Encarnação e canalizada para Saramago, foi suprida pela imaginação do escritor num texto reconhecidamente irónico e bem humorado, apesar de, pelo meio, ter adoecido gravemente. O hotel Elefante Saramago não só jantou no restaurante O Elefante, como ficou alojado em Salzburgo no hotel anexo com o mesmo nome. «A escolha do hotel Elefante não foi premeditada. Foi um mero acaso. E teve a ver com o facto de o hotel estar situado no centro da cidade de Salzburgo, mesmo no coração da cidade, numa das travessas mais conhecidas [...]. Pensei em reservar lá o quarto para José Saramago, uma vez que poderíamos conhecer a cidade». «À entrada do hotel há uma enorme estátua de um elefante. E lembro-me que, logo quando eu entrei com Saramago no hotel, ele me perguntou o porquê. Foi logo de facto o interesse imediato. E eu, - como digo, a escolha do hotel foi ingénua - não conhecia muito da história do hotel. Mas sabia que aquele elefante unia as histórias dos dois países, de Portugal e da Áustria», recorda a ex-leitora. No restaurante anexo - ainda no mesmo edifício - existe outra estátua do elefante «e o friso em madeira que Saramago refere na primeira página do livro. É um friso que simboliza o itinerário do próprio elefante, desde a Torre de Belém até à catedral de Santo Estêvão em Viena. Quando ele viu o friso no restaurante, ainda mais se interessou», lembra a ex- leitora. Respondendo ao interesse manifestado por José Saramago, Gilda Lopes Encarnação - que sabia ter o evento figurado a ver com o reinado de D. João III e com a oferta que o rei português tinha feito a Maximiliano da Áustria - procurou mais informação, mas «a documentação histórica existente na Áustria não é muito grande». Recorreu à biblioteca universitária de Salzburgo e obteve informação do professor Dieter Messner, à época director do Departamento Ibero-românico da Universidade de Salzburgo, e um especialista em Estudos Portugueses. «E foi essa informação que eu depois traduzi e mandei, mais tarde, por correio a Saramago», em finais de 1999. Não acabaria aqui a intervenção da ex-leitora do Instituto Camões. No largo interregno entre a visita a Salzburgo e a redacção do conto, Saramago, refere Gilda Lopes Encarnação, «esteve envolvido na escrita de outros romances - nomeadamente O Homem Duplicado, As Intermitências da Morte». Mas, «há cerca de dois anos, também por intermédio do Instituto Camões», o escritor contactou-a novamente, dizendo-lhe que «tinha perdido tudo». «Não sabia onde é que se encontrava já nada», refere. «Felizmente, já regressada a Portugal, tinha ainda entre os ficheiros informáticos - já não os originais, porque tinha mandado os originais, com outras imagens - a tradução. E foi isso que lhe fiz chegar novamente, há dois anos». http://www.instituto-camoes.pt Produzido em Joomla! Criado em: 1 June, 2009, 19:46
  3. 3. Instituto Camões Portugal - Ministério dos Negócios Estrangeiros Seguiu-se «a construção da narrativa que o público conhece, que teve todas aquelas adversidades, da doença do próprio escritor no ano passado, que esteve muito tempo parado, mas que chegou ao fim...» Deste breve contacto com Saramago em Salzburgo, Gilda Lopes Encarnação, que já estava familiarizada e estudava a obra do Nobel da Literatura português, mas que não o conhecia pessoalmente, ficou «muito impressionada com a sua forma de estar, a sua forma de ser», sobretudo com o seu «humanismo», «naturalidade» e «espontaneidade». Afinal de contas, está-se a falar do homem que em Portugal tem fama de ser arrogante, duro e distante. «Não foi isso que vivi», afirma. «Foi de facto uma pessoa muito humana que encontrei, muito íntegra, muito fiel às suas convicções. E isso impressionou-me. De certa forma é também uma das referências na minha vida». http://www.instituto-camoes.pt Produzido em Joomla! Criado em: 1 June, 2009, 19:46

×