Espirit4

299 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual, Diversão e humor
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Espirit4

  1. 1. Akhnaton e Francisco de Assis
  2. 2. Ao longo dos milênios de existência de nosso planeta, temos constatado a presença de seres bem evoluídos para sua época de vida, que notoriamente revolucionaram através de suas idéias de mudança dos padrões religiosos e sociais vigentes. Esses seres, repletos de sabedoria, sempre trouxeram como base o amor ao Criador e às criaturas. Enalteceram a beleza e harmonia da criação divina e apontaram para a importância do amor e da paz entre os homens. Akhnaton e Francisco de Assis possuem tal semelhança de pensamentos que poderíamos supor, ao analisar os dois poemas que se seguem, tratar-se da mesma personalidade. Akhnaton com seu olhar inovador transmitiu a mensagem segundo a qual o deus único abre-se para todos na natureza. Através dos princípios solares, seus desejos pareciam procurar uma unicidade e paz para seu povo. Francisco nos dá exemplo claro desse equilíbrio diante das criaturas, louvando a beleza infinita de Deus na beleza reflexa das coisas criadas. Evidencia a transcendência e bondade de Deus Criador; mostra que suas obras são maravilhosas e cheias de sabedoria e que até mesmo os males que sofremos têm razão de ser na ordem universal.
  3. 3. Que, portanto, o homem não deve se revoltar com os males que sofre, mas louvar a Deus que, por meio desses males relativos, nos prepara bens maiores. Os dois comungam do mesmo amor e gratidão ao criador e fazem da bandeira do amor e da paz entre os homens a razão e caminho de nossa evolução e felicidade. Akhnaton e Francisco de Assis usam o sol simbolizando o Criador de todas as coisas, pois assim como a luz do sol permite que vejamos as coisas, a luz da verdade -- que é  expressão de Deus -- nos permite conhecer a realidade. E assim como o sol ao nos dar calor nos permite ter o bem da vida material, o amor de Deus chega até nós e aquece continuamente para que cresçamos espiritualmente. Outro elo entre os dois é o Tau, encontrado entre os objetos de Akhnaton, um símbolo antigo, que recorda a grande busca do humano querendo tocar sempre o divino e este expressando-se na condição humana. Horizontalidade e verticalidade. As duas linhas: Céu e Terra! Francisco de Assis o atualizou usando-o como um símbolo seu de busca do Divino e Salvação Universal. Dessa forma Akhnaton e Francisco de Assis legaram à humanidade ideais semelhantes personificando ensinamentos revolucionários que se imortalizaram pela beleza e magnitude de que se revestem.
  4. 4. Ó Criador de Toda a Vida, que apareceis na Perfeição da Vossa Beleza, Quão múltiplas são as Vossas obras, Ó Deus Único, Senhor de toda a Eternidade! Do Vosso Espírito emanam todas as criaturas! Só o Vosso Amor, a Vossa Bondade, governam todas as coisas. Altíssimo, onipotente, bom Senhor, vossos são o louvor, a glória e a honra e toda bênção. A vós somente, Altíssimo, são devidos e homem algum é digno de vos mencionar. Louvado sejais, meu Senhor, com todas as vossas criaturas, especialmente meu senhor o irmão sol que, com luz, ilumina o dia e a nós. E ele é belo e radiante com grande esplendor de vós, Altíssimo, pleno de significação.   Louvado sejais, meu Senhor, pela irmã luz e as estrelas, no céu as formastes claras e preciosas e belas.   Cântico das criaturas Prece de Akhnaton ao Deus universal
  5. 5. Louvado sejais, meu Senhor, pelo irmão vento e pelo ar e nublado e sereno e todo o tempo pelo qual dais sustento às vossas criaturas.   Louvado sejais, meu Senhor, pela irmã água que é muito útil e humilde e preciosa e casta. Louvado sejais, meu Senhor, pelo irmão fogo pelo qual iluminais a noite e ele é belo e jucundo e robusto e forte.   Louvado sejais, meu Senhor, pela irmã nossa mãe terra que nos sustenta e governa e produz diversos frutos com coloridas flores e ervas. Na Natureza estão os Vossos Pensamentos, Pois Vós estais na folha da grama, no grão de areia, No raio de luz que flutua no céu, Assim como no Todo sem fronteiras! - Ó Vós que viveis eternamente: Aspiro novamente o doce aroma que vem da Vossa boca;
  6. 6. Dia após dia, O meu coração contempla a Vossa Beleza. Tenho desejo incontidos de novamente ouvir a Vossa meiga Voz e necessito, com todas as forças do meu ser, que os meus passos sejam guiados pela beleza da Vossa Imorredoura Luz! Louvado sejais, meu Senhor, por aqueles que perdoam por teu amor e suportam enfermidades e tribulações. Bem-aventurados aqueles que sustentam a paz porque por vós, Altíssimo, serão coroados.   Louvado sejais, meu Senhor, pela irmã nossa morte corporal da qual nenhum homem vivente pode escapar.
  7. 7. Infelizes aqueles que morrem em pecado mortal; bem-aventurados aqueles que se encontram em vossa santíssima vontade porque a morte segunda não lhes fará mal. Louvai e bendizei a meu Senhor e agradecei e servi-o com grande humildade. <ul><li>Ó Vós que planas </li></ul><ul><li>acima de todos os firmamentos: </li></ul><ul><li>Dá-me as Vossas mãos, </li></ul><ul><li>que sustentam o vosso Espírito </li></ul><ul><li>Que eu possa recebê-Lo </li></ul><ul><li>e viver somente </li></ul><ul><li>por intermédio Dele; </li></ul><ul><li>Lembrar Vosso nome, </li></ul><ul><li>Por toda a Eternidade, </li></ul><ul><li>Pois Ele não perecerá jamais! </li></ul>
  8. 8. Créditos: Poemas: Cântico das criaturas – Francisco de Assis Preçe ao Deus universal - Akhnaton Texto de apresentação: Liliane Freire Formatação: Liliane Freire e Zoray Lima Início Sair

×