Histoplasmose (1)

1.347 visualizações

Publicada em

Histoplasmose é uma micose sistêmica causada por um pequeno fungo, Histoplasma capsulatum var. capsulatum , cujo habitat é o solo rico em excrementos de pássaros e morcegos. A incidência da histoplasmose é mundial. No Brasil, a doença incide em todas as regiões; porém, o estado do Rio de Janeiro é responsável pelo maior número de microepidemias descritas até hoje

Publicada em: Ciências
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.347
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
39
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Histoplasmose (1)

  1. 1. ALEXANDRE CLESSILA RAPHAELLY RENATO
  2. 2. Histoplasmose
  3. 3. A histoplasmose é uma micose sistêmica causada pelo fungo Histoplasma capsulatum, que afeta órgãos internos. Ela é uma zoonose, transmitida por aves e morcegos. Hoje são reconhecidas duas variedades de Histoplasma capsulatum: a variedade capsulatum e a variedade duboisii. Estas duas possuem forma idênticas, no entanto, são leveduriforme distintas. Histoplasmose
  4. 4. Orgãos afetados pela Histoplasmose: Pulmão Alvéolos pulmonares Linfonodos Atingindo Circulação Sistêmica podendo chegar a Órgãos causando focos inflamatórios.
  5. 5. Diagnóstico Encontrar o fungo em secreções orgânicas pelo exame direto não é fácil,mesmo empregando-se colorações especiais. Cultura de Escarro Broncoscopia podem demonstrar crescimento do fungo em até 2 semanas. A forma patogênica de um único brotamento, do tipo levedura é predominantemente isolado a partir de amostras de tecidos infectados e ocorre quando o micro-organismo é cultivado a 37ºC em laboratório http://www.scielo.br/scielo.php?scri pt=sci_arttext&pid=S1517- 83822006000100001
  6. 6. A partir da segunda semana de infecção, há o desenvolvimento de uma resposta celular, ativando os macrófagos, levando estes a destruir as leveduras intracelulares. Consequentemente, haverá a formação de granulomas epitelióides, que mais tarde irão fibrosar e calcificar. Também há a produção de anticorpos específicos no sangue do paciente, levando a cura da infecção primária, tornando os indivíduos resistentes à novas infecções. DIAGNÓSTICO
  7. 7. DIAGNÓSTICO Baseado em técnicas de exame micológico, histológico e imunológico, aliados à história clínica e epidemiológica, assim como aos aspectos radiológicos  imunodifusão, fixação do complemente, técnicas imunoenzimáticas (ELISA), entre outras.  Na fase aguda é excepcional o achado do fungo nas secreções respiratórias  As culturas também raramente mostram positividade na forma aguda. • Histoplasma capsulatum var. macroscópico em ágar Sabouraud após 30 dias à temperatura ambiente. http://www.scielo.br/scielo. php?pid=S0036- 46651999000300012&script =sci_arttext
  8. 8. DIAGNÓSTICO http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0036-46651999000300012&script=sci_arttext Características microscópicas em agar Sabouraud após 30 dias, o crescimento à temperatura ambiente. Hialina e alguns macroconídios tuberculate pigmentada. a), b) 400X; c) 630X Imunotransferência com antigénio metabólica H. capsulatum que mostra a presença de 94 kDa banda. a) no soro do paciente. b) soro de controlo apresentando reação positiva para histoplasmose. c) soro de controlo negativo. PM) padrão de peso molecular
  9. 9. Forma pulmonar aguda  Usualmente auto-limitada  Mais comum em crianças e em adolescentes  Varia de mal estar febre a insuficiência respiratória  É assintomática ou subclínica.. Os sintomas mais comuns são: febre, calafrios, cefaléia, dispnéia, mialgias, hiporexia, tosse e dor no peito. Pode haver linfadenopatia que, raramente, pode comprimir estruturas torácicas; quadros de pericardite com derrame e efusão pleural pode ocorrer neste tipo de infecção.
  10. 10. Forma pulmonar crônica  Doença progressiva que resulta em necrose e fibrose  Sintomas similares a tuberculose  Comum em homens idosos  Podem acometer o sistema nervoso central  Pode progredir vagarosamente para uma forma fibrocavitária crônica que, geralmente, nos lobos superiores dos pulmões.  Os sinais clínicos apresentados são: febre baixa vespertina, perda de peso, sudorese noturna, dor no peito e tosse com expectoração hemoptóica.
  11. 11. Forma disseminada  Doença progressiva em pacientes com imunidade celular diminuída  HIV, transplantados, cirrose, linfoma entre outros  Aguda pode ser fatal  infecção primária pelo H. capsulatum, independente de qual seja a sintomatologia, pode disseminar por todo o organismo, em especial, para órgãos ricos em macrófagos. Raramente, os indivíduos que estão com o sistema imune aparentemente normal, irão desenvolver histoplasmose disseminada sintomática
  12. 12. Sinais e Sintomas A Histoplasmose pode variar desde uma infecção respiratória de pouca gravidade ou despercebida até uma doença fatal que se espalha por todo o organismos Alguns sinais são:  Febre  Anemia  Aumento do volume do Fígado  Aumento do volume do baço(esplenomegalia)  Diminuição dos glóbulos brancos (leucopenia)  Falta de ar e dor torácica  Ulceração(lesões)no tubo digestivo  Perda de Peso
  13. 13. Profilaxia  Não existe vacina para essa micose, que é de difícil controle  Deve-se evitar a exposição a ambientes potencialmente contaminados
  14. 14. Tratamento • Varia na síndrome clínica e do estado imunitário do indivíduo. • O fungo é sensível à vários antifúngicos, como anfotericina B, cetoconazol, fluconazol e intraconazol. • No caso agudo, geralmente os pacientes apresentam melhora expontânea, sem que seja necessário a realização de um tratamento específico. Caso seja realizado o tratamento, o medicamento recomendado é itraconazol, por via oral, durante 6 a 12 semanas. • No caso crônico a droga de escolha também é a mesma assim como a dose recomendada, sendo que o tempo de tratamento deve ser de 18 a 24 meses. • Nas formas disseminadas, a droga de eleição é a anfotericina B, na dose de 35 mg/kg e a terapêutica de manutenção a longo prazo se faz necessária para manter a remissão clínica.
  15. 15. Critérios de Internação  Hipoxemia  Hipotensão sistólica.  Depressão da medula óssea.  Creatinina sanguínea três vezes superior ao limite normal.  Icterícia.  Aumento de cinco vezes do limite superior das transaminases séricas.  Discrasia sanguínea.  Comprometimento do SNC.
  16. 16. Referências  http://alertandogeral.blogspot.com.br/2011/09/histoplasmose- agentecausador-fungo-do.html  http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0036- 46651999000300012&script=sci_arttext  http://www.minhavida.com.br/saude/temas/histoplasmose  http://www.infoescola.com/doencas/histoplasmose/  FERREIRA, M.S; BORGES, A.S. Histoplasmose: Artigo de Revisão.  Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 42(2):192- 198, mar-abr, 2009

×