Pesquisa de mercado
23 de abril de 2014
O decálogo da internet
Renato Cruz – Senac – 23/4/20142
1. Liberdade, privacidade e direitos humanos
2. Governança democrá...
O Marco Civil da Internet
Renato Cruz – Senac – 23/4/20143
 Define os direitos e deveres do cidadão na internet.
 Tem co...
Neutralidade de rede
Renato Cruz – Senac – 23/4/20144
Art. 9. O responsável pela transmissão, comutação ou roteamento
tem ...
Privacidade (I)
Renato Cruz – Senac – 23/4/20145
Art. 10. A guarda e a disponibilidade dos registros de conexão e
de acess...
Privacidade (II)
Renato Cruz – Senac – 23/4/20146
Art. 13. Na provisão de conexão à internet, cabe ao administrador de
sis...
Responsabilidade
Renato Cruz – Senac – 23/4/20147
Art. 18. O provedor de conexão à internet não será
responsabilizado civi...
Liberdade de expressão (I)
Renato Cruz – Senac – 23/4/20148
Art. 19. Com o intuito de assegurar a liberdade de expressão e...
Liberdade de expressão (II)
Renato Cruz – Senac – 23/4/20149
Par. 3º As causas que versem sobre ressarcimento por danos
de...
Liberdade de expressão (III)
Renato Cruz – Senac – 23/4/201410
Par. 4º O juiz, inclusive no procedimento previsto no par. ...
Pornografia de vingança
Renato Cruz – Senac – 23/4/201411
Art. 21. O provedor de aplicações de internet que disponibilize
...
Os erros milk-shake
Renato Cruz – Senac – 23/4/201412
 Uma conhecida rede de lanchonetes contratou
pesquisadores para enc...
Foco no produto
Renato Cruz – Senac – 23/4/201413
 Os milk-shakes deveriam ser mais grossos?
 Mais doces?
 Mais gelados...
Foco no consumidor
Renato Cruz – Senac – 23/4/201414
 Um dos pesquisadores, Gerald Berstell, resolveu
ignorar o produto e...
O que ele descobriu?
Renato Cruz – Senac – 23/4/201415
 40% dos milk-shakes eram comprados de manhã
cedo.
 Esses consumi...
O emprego do milk-shake
Renato Cruz – Senac – 23/4/201416
 Todos esses consumidores faziam uma viagem
longa e chata até o...
Alternativas ao milk-shake
Renato Cruz – Senac – 23/4/201417
 Um bagel é muito seco. Com geleia ou requeijão, suja as
mão...
Sugestões à lanchonete
Renato Cruz – Senac – 23/4/201418
 Tornar o milk-shake mais grosso, para que ele
durasse mais.
 A...
Pesquisa qualitativa
Renato Cruz – Senac – 23/4/201419
 Estudo não estatístico que identifica e analisa
profundamente dad...
Quando usar (I)
Renato Cruz – Senac – 23/4/201420
 Não se dispõe de mapeamento anterior de determinado
problema.
 É nece...
Quando usar (II)
Renato Cruz – Senac – 23/4/201421
 Pretende-se avaliar reações a novos produtos ou a
mudanças de produto...
Técnicas projetivas
Renato Cruz – Senac – 23/4/201422
 Associação de palavras – o pesquisador diz uma ou mais
palavras e ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pesquisa de Mercado - 23/4/2014

168 visualizações

Publicada em

Aula da disciplina Pesquisa de Mercado, do curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Senac, em 23 de abril de 2014

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
168
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pesquisa de Mercado - 23/4/2014

  1. 1. Pesquisa de mercado 23 de abril de 2014
  2. 2. O decálogo da internet Renato Cruz – Senac – 23/4/20142 1. Liberdade, privacidade e direitos humanos 2. Governança democrática e colaborativa 3. Universalidade 4. Diversidade 5. Inovação 6. Neutralidade da rede 7. Inimputabilidade da rede 8. Funcionalidade, segurança e estabilidade 9. Padronização e interoperabilidade 10. Ambiente legal e regulatório
  3. 3. O Marco Civil da Internet Renato Cruz – Senac – 23/4/20143  Define os direitos e deveres do cidadão na internet.  Tem como principais princípios a neutralidade de rede, a privacidade e a liberdade de expressão.  Surgiu a partir de uma proposta de 2007 do professor Ronaldo Lemos, da FGV.  Foi construído a partir de uma plataforma colaborativa do Ministério da Justiça e da FGV, em 2009.  Foi enviado pelo governo para a Câmara em agosto de 2011.  Foi aprovado no mês passado na Câmara.  Foi aprovado ontem no Senado.
  4. 4. Neutralidade de rede Renato Cruz – Senac – 23/4/20144 Art. 9. O responsável pela transmissão, comutação ou roteamento tem o dever de tratar de forma isonômica quaisquer pacotes de dados, sem distinção por conteúdo, origem e destino, serviço, terminal ou aplicação. Par. 3º Na provisão de conexão à internet, onerosa ou gratuita, bem como na transmissão, comutação ou roteamento, é vedado bloquear, monitorar, filtrar ou analisar o conteúdo dos pacotes de dados, respeitado o disposto neste artigo.
  5. 5. Privacidade (I) Renato Cruz – Senac – 23/4/20145 Art. 10. A guarda e a disponibilidade dos registros de conexão e de acesso a aplicações de internet de que trata esta Lei, bem como de dados pessoais e do conteúdo de comunicações privadas, devem atender à preservação da intimidade, à vida privada, à honra e à imagem das partes direta ou indiretamente envolvidas. Par. 3º O disposto no caput não impede o acesso aos dados cadastrais que informem qualificação pessoal, filiação e endereço, na forma da lei, pelas autoridades administrativas que detenham competência legal para a sua requisição.
  6. 6. Privacidade (II) Renato Cruz – Senac – 23/4/20146 Art. 13. Na provisão de conexão à internet, cabe ao administrador de sistema autônomo respectivo o dever de manter os registros de conexão, sob sigilo, em ambiente controlado e de segurança, pelo prazo de 1 (um) ano, nos termos do regulamento. Art. 15. O provedor de aplicações de internet constituído na forma de pessoa jurídica e que exerça essa atividade de forma organizada, profissionalmente e com fins econômicos deverá manter os respectivos registros de acesso a aplicações de internet, sob sigilo, em ambiente controlado e de segurança, pelo prazo de 6 (seis) meses, nos termos do regulamento.
  7. 7. Responsabilidade Renato Cruz – Senac – 23/4/20147 Art. 18. O provedor de conexão à internet não será responsabilizado civilmente por danos decorrentes de conteúdo gerados por terceiros. Par. 2º A aplicação do disposto neste artigo para infrações a direitos de autor ou a direitos conexos depende de previsão legal específica, que deverá respeitar a liberdade de expressão e demais garantias previstas no art. 5º da Constituição Federal.
  8. 8. Liberdade de expressão (I) Renato Cruz – Senac – 23/4/20148 Art. 19. Com o intuito de assegurar a liberdade de expressão e impedir a censura, o provedor de aplicações de internet somente poderá ser responsabilizado civilmente por danos decorrentes de conteúdo gerado por terceiros se, após ordem judicial específica, não tomar as providências para, no âmbito e nos limites técnicos do seu serviço e dentro do prazo assinalado, tornar indisponível o conteúdo apontado como infringente, ressalvadas as disposições legais em contrário.
  9. 9. Liberdade de expressão (II) Renato Cruz – Senac – 23/4/20149 Par. 3º As causas que versem sobre ressarcimento por danos decorrentes de conteúdos disponibilizados na internet relacionados à honra, à reputação ou a direitos de personalidade bem como sobre a indisponibilização desses conteúdos por provedores de aplicações de internet poderão ser apresentadas perante os juizados especiais.
  10. 10. Liberdade de expressão (III) Renato Cruz – Senac – 23/4/201410 Par. 4º O juiz, inclusive no procedimento previsto no par. 3º, poderá antecipar, total ou parcialmente, os efeitos de tutela pretendida no pedido inicial, existindo prova inequívoca do fato e considerado o interesse da coletividade na disponibilização do conteúdo na internet, desde que os presentes requisitos de verossimilhança da alegação do autor e de fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação.
  11. 11. Pornografia de vingança Renato Cruz – Senac – 23/4/201411 Art. 21. O provedor de aplicações de internet que disponibilize conteúdo gerado por terceiros será responsabilizado subsidiariamente pela violação da intimidade decorrente da divulgação, sem autorização de seus participantes, de imagens, de vídeos ou de outros materiais contendo cenas de nudez ou de atos sexuais de caráter privado quando, após o recebimento de uma notificação pelo participante ou seu representante legal, deixar de promover, de forma diligente, no âmbito e nos limites técnicos do seu serviço, a indisponibilidade desse conteúdo.
  12. 12. Os erros milk-shake Renato Cruz – Senac – 23/4/201412  Uma conhecida rede de lanchonetes contratou pesquisadores para encontrar maneiras de aumentar as vendas dos seus milk-shakes. Fonte: CHRISTENSEN, C. M. et al. “Finding the right job for your product”. Harvard Business Review. Spring 2007.
  13. 13. Foco no produto Renato Cruz – Senac – 23/4/201413  Os milk-shakes deveriam ser mais grossos?  Mais doces?  Mais gelados?  Mais achocolatados?  Mais baratos? Fonte: CHRISTENSEN, C. M. et al. “Finding the right job for your product”. Harvard Business Review. Spring 2007.
  14. 14. Foco no consumidor Renato Cruz – Senac – 23/4/201414  Um dos pesquisadores, Gerald Berstell, resolveu ignorar o produto e estudar os consumidores.  Num dia, passou 18 horas numa loja, observando quem comprava o milk-shake.  Observou que outros produtos compravam, se estavam sozinhos ou em grupos, se eles consumiam o produto no local ou levavam para viagem. Fonte: CHRISTENSEN, C. M. et al. “Finding the right job for your product”. Harvard Business Review. Spring 2007.
  15. 15. O que ele descobriu? Renato Cruz – Senac – 23/4/201415  40% dos milk-shakes eram comprados de manhã cedo.  Esses consumidores chegavam sozinhos, não compravam mais nada e tomavam os milk-shakes no carro.  No outro dia, ele voltou para entrevistar esses consumidores. Fonte: CHRISTENSEN, C. M. et al. “Finding the right job for your product”. Harvard Business Review. Spring 2007.
  16. 16. O emprego do milk-shake Renato Cruz – Senac – 23/4/201416  Todos esses consumidores faziam uma viagem longa e chata até o trabalho.  O milk-shake servia para tornar esse trajeto menos chato, e para deixá-los sem fome até o horário do almoço.  Uma característica importante era a possibilidade de consumir o milk-shake usando só uma das mãos. Fonte: CHRISTENSEN, C. M. et al. “Finding the right job for your product”. Harvard Business Review. Spring 2007.
  17. 17. Alternativas ao milk-shake Renato Cruz – Senac – 23/4/201417  Um bagel é muito seco. Com geleia ou requeijão, suja as mãos e o volante.  Um donut não é suficiente para evitar a fome das 10 da manhã.  Uma banana não dura o suficiente para tornar a ida até o trabalho menos chata.  O milk-shake dura 20 minutos, deixa as mãos limpas e o estômago satisfeito até o meio-dia. Fonte: CHRISTENSEN, C. M. et al. “Finding the right job for your product”. Harvard Business Review. Spring 2007.
  18. 18. Sugestões à lanchonete Renato Cruz – Senac – 23/4/201418  Tornar o milk-shake mais grosso, para que ele durasse mais.  Acrescentar pequenos pedaços de frutas, para tornar a experiência mais interessante e menos previsível.  Criar um sistema de vendas mais eficiente, com cartões pré-pagos, para que o consumidor gaste menos tempo. Fonte: CHRISTENSEN, C. M. et al. “Finding the right job for your product”. Harvard Business Review. Spring 2007.
  19. 19. Pesquisa qualitativa Renato Cruz – Senac – 23/4/201419  Estudo não estatístico que identifica e analisa profundamente dados não mensuráveis.  Serve como ferramenta para compreender a fundo as motivações e os sentimentos dos consumidores.  Seu propósito é descobrir o que o consumidor tem em mente. Fonte: PINHEIRO, Roberto M. et al. Comportamento do consumidor e pesquisa de mercado. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.
  20. 20. Quando usar (I) Renato Cruz – Senac – 23/4/201420  Não se dispõe de mapeamento anterior de determinado problema.  É necessário gerar hipóteses sobre opiniões, usos, costumes, imagens, aceitação de produtos, percepções, crenças, experiências, estilo de vida, comportamentos passados e presentes e intenções que poderão ser futuramente testadas quantitativamente.  Deseja-se verificar mudanças de valores, hábitos e atitudes do consumidor. Fonte: PINHEIRO, Roberto M. et al. Comportamento do consumidor e pesquisa de mercado. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.
  21. 21. Quando usar (II) Renato Cruz – Senac – 23/4/201421  Pretende-se avaliar reações a novos produtos ou a mudanças de produtos.  Pretende-se avaliar motivos de preferência/rejeição de marcas.  O objetivo é qualificar o posicionamento de determinada marca num segmento de mercado.  O objetivo é ajudar a interpretar informação previamente obtida em pesquisa quantitativa. Fonte: PINHEIRO, Roberto M. et al. Comportamento do consumidor e pesquisa de mercado. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.
  22. 22. Técnicas projetivas Renato Cruz – Senac – 23/4/201422  Associação de palavras – o pesquisador diz uma ou mais palavras e o entrevistado responde com o que primeiro vier à sua cabeça.  Associação de fotografias – uma série de fotos de diferentes situações, lugares e pessoas que são selecionadas para explorar indiretamente tópicos presentes no roteiro.  Desenhos de clientes – é proposto que os entrevistados desenhem o que sentem ou como percebem determinado assunto ou objeto. Fonte: PINHEIRO, Roberto M. et al. Comportamento do consumidor e pesquisa de mercado. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

×