Successfully reported this slideshow.

Renato augusto de lima moraes anosa114 corrente racional tecnológica

277 visualizações

Publicada em

Trabalho desenvolvido na 2ª semana da disciplina Informática Educativa I, do curso de pós-graduação Lato Sensu em Novas Tecnologias no Ensino da Matemática, oferecido pela UFF - Universidade Federal Fluminense.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Renato augusto de lima moraes anosa114 corrente racional tecnológica

  1. 1. TAREFA DA SEMANA 2 A CORRENTE RACIONAL-TECNOLÓGICA E A CIBERCULTURA Renato Augusto de Lima Moraes NTEM-LANTE-UFF 2015
  2. 2. Não se deve educar as crianças segundo o presente estado da espécie humana, mas segundo um estado melhor possível no futuro, isto é, segundo a ideia de humanidade e de sua inteira determinação.(...) (Os pais) deveriam dar (aos seus filhos) uma educação melhor, para que possa acontecer um estado melhor no futuro. (Kant, 2000)
  3. 3. CORRENTE RACIONAL-TECNOLÓGICA Neotecnicismo = pedagogia a serviço da formação para o sistema produtivo. • Fundamenta-se na racionalidade técnica e instrumental, visando a desenvolver habilidades para formar o técnico utilizando técnicas de conhecimentos incluindo os computadores e as mídias.
  4. 4. • Currículo por competências, na perspectiva economicista, em que a organização curricular resulta de objetivos em habilidades a serem desenvolvidas pelos alunos. • Apresenta-se sob duas modalidades:
  5. 5. • Ensino de excelência, para formar a elite intelectual e técnica para o sistema produtivo. • Ensino para formação de mão-de-obra intermediária, centrada na educação utilitária e eficaz para o mercado.
  6. 6. OUTROS TRAÇOS DA CORRENTE: • Centralidade no conhecimento em função da sociedade tecnológica, transformação da educação em ciência (racionalidade científica); • Produção do aluno como um ser tecnológico (versão tecnicista do “aprender a aprender”); • Utilização mais intensiva dos meios de comunicação e informação e do aparato tecnológico.
  7. 7. Em sentido estrito, temos o prefixo “ciber” (de cibernética) + “cultura” (sistema de ideias, conhecimentos, técnicas e artefatos, de padrões de comportamento e atitudes que caracteriza uma determinada sociedade).
  8. 8. Trata-se de um “conjunto de técnicas (materiais e intelectuais), de práticas, de atitudes, de modos de pensamento e de valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento do ciberespaço” (Lévy, 2010, p. 17). As “técnicas” condicionam as interações sociais, mas não representam a cultura do ciberespaço, que se incorpora no espaço virtual-cognitivo das pessoas, na partilha de sentimentos, informações e saberes. Afinal, “a virtualização é um dos principais vetores da criação da realidade” (Lévy, 2009, p. 18).
  9. 9. • Para Santaella, “o ciberespaço é todo e qualquer espaço informacional multidimensional que, dependente da interação do usuário, permite a este o acesso, a manipulação, a transformação e o intercâmbio de seus fluxos codificados de informação” (2004, p. 45).
  10. 10. • Os educadores devem repensar a prática pedagógica da educação e resignificar o mundo, fazendo a inserção de temas contemporâneos e utilizando das demais formas possíveis e disponíveis na escola os recursos tecnológicos para enriquecimento das aulas e dos conteúdos a serem ensinados.
  11. 11. Não podemos mais entender a cibercultura apenas como a cultura da internet, é preciso reconhecer os avanços da internet e como essa rede mundial de computadores vem interagindo com diversos espaços tempos do cotidiano. Sendo assim, precisamos compreender seus fenômenos, suas potencialidades comunicacionais e pedagógicas para que possamos não só interagir com nossos estudantes, que são em sua maioria praticantes e estão constantemente conectados, como também oportunizar aos discentes uma aprendizagem significativa de maneira mais lúdica e interativa da maneira com que estão mais acostumados a aprender sobre o mundo em que vivem.
  12. 12. REFERÊNCIAS LIBANÊO, José Carlos – As Teorias Pedagógicas modernas resignificadas pelo debate contemporâneo na educação, Goiânia, São Paulo, 2005. SANTOS, Edméia – A Cibercultura e a educação em tempos de modalidades e redes sociais: Conversando com os cotidianos, 2010. SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia. Campinas, São Paulo. Autores Associados, 2008. BRASIL, EducaRede. O que é cibercultura? Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=hCFXsKeIs0w> Acesso em 17.02.15. TEIXEIRA, Marcelo Mendonça. A cibercultura na educação. Revista Pátio. Edição. Agosto 2013, Número 67. Seção Inclusão Digital.

×