Transferência de Tecnologia

4.986 visualizações

Publicada em

Apresentação sobre o processo de transferência de tecnologia e licenciamento.

  • Seja o primeiro a comentar

Transferência de Tecnologia

  1. 1. Quando boas idéias são transformadas em qualidade de vida e em grandes negócios Transferência de tecnologia
  2. 2. <ul><li>Ocorre quando o conhecimento científico produzido de forma autônoma pelos pesquisadores é licenciado ou vendido para o setor privado. </li></ul>Technology Push Market Pull <ul><li>Também conhecido como demand-pull , é a transferência de tecnologia que resulta de uma necessidade das empresas levada à academia para que os pesquisadores possam solucioná-la. </li></ul>Figura 1 – Os dois tipos de transferência de tecnologia O mecanismo de transferência de tecnologia permite o transbordamento do conhecimento científico para a sociedade de duas maneiras: Technology Push Empresário Market pull Pesquisador Necessidade Patente ____________________________________
  3. 3. Figura 2 – A relação entre os principais agentes responsáveis pela transferência de tecnologia A transferência de tecnologia no Brasil é baseada na interação entre os NITs e os pesquisadores de um lado, e as incubadores de empresas e os empresários do outro, todos apoiados pelos órgãos de fomento Tecnologias NIT Pesquisadores Incubadoras Tecnologias Universidade Demandas por tecnologias Empresas Fomento
  4. 4. NITs <ul><li>Cuidam de toda a política de inovação das instituições de pesquisa. Dentro das atribuições dos NIT´s estão a prestação de apoio jurídico e procedimental aos pesquisadores e inventores externos em relação a propriedade intelectual </li></ul>Incubadoras de empresas <ul><li>São entidades que apóiam a criação de novos negócios, geralmente de base tecnológica, fornecendo toda a infra-estrutura básica necessária. Na prática, fornecem, desde computadores e espaço físico individuais, até recepção, secretária e salas de reunião, que são compartilhados pelos vários incubados </li></ul>Os Nucleos de Inovação Tecnológica (NITs) e as incubadoras de empresas são agentes facilitadores do processo de transferência de tecnologia
  5. 5. Figura 3 – O ciclo da transferência de tecnologia A efetiva comercialização de uma tecnologia requer uma análise detalhada de seus principais aspectos técnicos e econômicos Tecnologia Prospecção Qualificação Negociação Licenciamento Mercado
  6. 6. <ul><li>No caso das empresas, é feita uma busca na academia para verificar a existência de competências, já os pesquisadores, podem procurar diretamente as empresas que se beneficiariam com a tecnologia. </li></ul><ul><li>Fase de testes para confirmar a adequação técnica e a viabilidade econômica da implantação da solução tecnológica. </li></ul><ul><li>Momento em que são definidos os valores do investimento, no caso do market pull , assim como, prazos e a forma de comprometimento das partes envolvidas na transferência de tecnologia. </li></ul>Licenciamento Prospecção de tecnologias Qualificação Negociação <ul><li>Período em que são feitos os últimos ajustes, tanto da tecnologia para chegar o mercado, quanto os detalhes burocráticos de formalização da parceria. </li></ul>Durante a transferência de tecnologia, o bom relacionamento entre empresas e pesquisadores é fundamental para o processo de análise
  7. 7. Para Carlos Brito Cruz*, ex-reitor da Unicamp, a interação entre academia e o mercado seria mais efetiva se empresas possuíssem centros de P&D devidamente preparados para apresentar as dificuldades do processo produtivo. * Brito Cruz, Carlos H: A universidade, a empresa e a pesquisa que o Brasil precisa. Revista Parceria Estratégica, MCT, Brasília, maio de 2000 A relação universidade-empresa seria mais intensa se as empresas possuíssem centros de P&D devidamente estruturados, afirma estudioso Errado Produção Comercialização P&D Universidade Empresa Correto P&D Produção Comercialização P&D Universidade Empresa Figura 4 – Como melhorar o relacionamento universidade-empresa
  8. 8. A proposta inicial da empresa era combater o vetor da Dengue, o mosquito Aedes aegypti, através do uso de armadilhas com feromônios que atraíssem o mosquito fêmea, responsável pela transmissão da doença. Dificuldades e aprendizados <ul><li>Falta de legislação específica </li></ul><ul><ul><li>Quando o licenciamento foi iniciado, faltava um marco regulatório bem definido que esclarecesse os detalhes de uma parceria empresa-universidade. Hoje já existe a Lei da inovação para tratar sobre o tema. </li></ul></ul><ul><li>Ausência da “cultura da transferência de tecnologia” </li></ul><ul><ul><li>Não havia a percepção de que o risco de fracasso era muito alto, por isso, a universidade se preocupou muito com os royalties (que incidiriam sobre “nada”) e pouco com os ganhos científicos que o desenvolvimento de mais uma fronteira do conhecimento poderia propiciar </li></ul></ul>O caso ECOVEC, uma empresa de biotecnologia fundada em 2002, como resultado dos estudos de um pesquisador da UFMG que se transformaram em patente
  9. 9. Para patentear uma invenção, é preciso atender três pré-requisitos: ela deve ser uma novidade, em todo o mundo, ser resultado de atividade inventiva e possuir aplicação industrial. * INPI: órgão responsável pelo registro da propriedade intelectual no Brasil Modelo de Utilidade Privilégio de invenção <ul><li>Tipo de patente fundamentada em uma invenção, um novo produto ou processo de fabricação. </li></ul><ul><li>Caracteriza as patentes baseadas em modificações incrementais que melhoram o desempenho de determinado objeto. </li></ul>Royalties e Milestones <ul><li>No caso de licenciamentos de patentes, os pesquisadores têm o direito de cobrar royalties - uma porcentagem sobre a receita com seu uso. Também podem ser estipulados Milestones, valores fixos a serem cobrados de acordo com os ganhos decorrentes do uso da tecnologia. </li></ul>A Patente é uma forma de propriedade intelectual que protege e garante aos desenvolvedores de tecnologias ganhos sobre as suas invenções
  10. 10. Transferência de tecnologia Março de 2008

×