Inovação e Estratégia Competitiva via Design Thinking

600 visualizações

Publicada em

Saiba como se tornar uma organização competitiva no mercado via Design Thinking

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
600
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Inovação e Estratégia Competitiva via Design Thinking

  1. 1. Inovação e estratégia competitiva via design thinking
  2. 2. Apresentação Mauro Bonon Coach, Consultor e Executivo nas Áreas de Planejamento Estratégico, Gestão de Projetos, Recursos Humanos e Marketing e Área Comercial, desenvolvendo projetos criativos e inovadores co-criados com clientes e consumidores orientado a resultados Sócio-Executivo na MWB – Inovação em Gestão e BBS Business School Professor de cursos de Graduação, MBA e Pós-MBA. Realizou diversas palestras cursos e treinamentos no Brasil, Europa e Estados Unidos Reponsável por programas de treinamento e capacitação dos colaboradores das áreas comercial, logística e distribuição, além de clientes e fornecedores - Case mundial no fórum Coca-Cola Andina em Cingapura 2006 sob o tema People Development ,e em Berlim no ano de 2010, sob o tema: Commercial Capabilities Idealizou, implantou e foi o gestor da Universidade Corporativa Coca-Cola/Norsa, eleita a 5ª melhor Universidade Corporativa do Brasil em 2009 pelo IQPC/USA Implementou e conduziu programas inovadores de desenvolvimento para Diretores, Gerentes e Líderes – Leadership Summit Características Profissionais: Criativo e inovador, capacidade de visão estratégica, planejamento, comunicação e ação na criação de valores. Habilidade no entendimento de questões críticas, diversidades culturais nacionais e globais, e transformação de desafios em oportunidades Especializações: Visão estratégica, planejamento, comunicação e ação na criação de valores. Desenvolvimento de políticas, programas e projetos inovadores nas Áreas de Marketing, Vendas e Recursos Humanos 26 de carreira como Executivo, Consultor ou Professor nas empresas Coca-Cola, MWB – Inovação em Gestão, BBS – Business School, BI International, DeVry, Fa7, AmBev, Heineken e Grupo Abril
  3. 3. Por que estratégia competitiva e inovação?
  4. 4. Situação Atual
  5. 5. Brasil ficou em penúltimo lugar em um ranking de competitividade que inclui 15 países elaborado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). A posição do país no ranking, referente a 2014, é a mesma vista nos dois anos anteriores. Além do Brasil e da Argentina, o levantamento também considerou os seguintes países: Colômbia, México, Polônia, Turquia, Índia, Rússia, África do Sul, Chile, China, Espanha, Austrália, Coreia do Sul e Canadá. De acordo com a entidade, essas nações são as "principais concorrentes" do Brasil. Para fazer o ranking, a CNI considerou os seguintes fatores: disponibilidade e custo da mão de obra; disponibilidade e custo do capital; infraestrutura e logística, peso dos impostos, ambiente macroeconômico; ambiente microeconômico; Educação e Tecnologia e Inovação. Competitividade!
  6. 6. Complexidade e abstração
  7. 7. Conceitos sobre Estratégia Competitiva Criatividade Inovação Design Thinking Fatores de sucesso Gestão da mudança Curva de aprendizagem Confiança criativa Cultura de inovação Tipos de macro estratégia Design thinking as a mindset Gestão 3.0 Design thinking Canvas Brainstorming Co-criação Como desenvolver uma estratégia inovadora competitiva?
  8. 8. Quais são as demandas? Alinhando expectativas Proposta: desenvolver um projeto via design thinking, em canvas ou Workshop
  9. 9. Não reagimos às qualidades físicas das coisas, mas ao que elas significam para nós. Proponho um olhar human-centered Falar sobre sentido e significado... complexidade e abstração... planejamento e execução... e resultados
  10. 10. “Os analfabetos no século XXI, não serão os que não souberem ler ou escrever, mas o que não souberem aprender, desaprender e reaprender.” Alvin Toffler
  11. 11. Estratégia Competitiva
  12. 12. Ter um portifólio melhor que o dos seus competidores, que seja valorizado pelos clientes. Estratégia Competitiva
  13. 13. Liderança Organização com maior participação de mercado. O líder tem a maior participação de mercado e, geralmente, define o ritmo no mercado. Os líderes de mercado podem incentivar os usuários a mais utilizar os seus produtos. Os líderes devem estar constantemente preparados para outras empresas que desafiam os seus pontos fortes. Às vezes, o ataque é a melhor defesa, e os líderes de mercado devem inovar continuamente. Desafiadora Uma empresa de vice-campeã, que está lutando arduamente para aumentar a quota de mercado. O vice- campeão pode desafiar o líder de mercado ou jogar junto com os concorrentes e não " balançar o barco “. Desafiadores muitas vezes tornam-se líderes imitando e melhorar as ideias dos líderes anteriores. Ele pode atacar o líder por um ataque frontal completo, atacando forças do líder, mas também por um ataque indireto ao atacar os pontos fracos do líder. Seguidor Uma empresa de vice-campeão, que quer manter a sua quota em uma indústria sem balançar o barco . Seguidores podem aprender com o líder (quem paga o custo da inovação). Um seguidor deve saber como os clientes atuais e, ganhar novos mercados. Nicho Uma empresa que serve pequenos segmentos que as outras empresas em uma indústria ignorar ou não . Ao se concentrar em um segmento tão específico , as empresas são muitas vezes boa , exatamente combinando o produto às necessidades do cliente. Tipos de macroestratégia
  14. 14. Sentido e significado
  15. 15. 1. A importância da análise do Macroambiente, da empresa e a influência do processo de cocriação 2. Dimensões do macroambiente 3. Modelo das cinco forças de Porter 4. Proposta de valor 5. Estratégia de Liderança no Custo Total 6. Estratégia de Diferenciação 7. Estratégia de Enfoque Macroambiente
  16. 16. Crenças & Valores Direção Corporativa Negócio - Missão Onde estamos? Análise do Ambiente Interno Externo Para onde vamos? Visão do Futuro Direção das unidades de negócioObjetivos Estratégicos Como chegaremos lá? Formatação da estratégia Nível corporativo Nível de processos Nível Funcional Significa a organização assumir determinados comportamentos que dão sustentação para a formulação de suas estratégias. Diretrizes estratégicas
  17. 17. 5 Forças de Porter Macroambiente
  18. 18. Identidade Corporativa Ambiente organizacional
  19. 19. O CONCEITO DE VALOR PARA O CLIENTE E PARA A EMPRESA Ambiente organizacional
  20. 20. PROPOSTA DE VALOR É a oferta produzida e entregue, ao longo da cadeia produtiva, que visa atender a um conjunto de expectativas e necessidades de um grupo de clientes, por um preço definido, num mercado competitivo.  Produto e serviços associados  Utilidade e valor percebidos  Preço relativo (valor subjetivo e ofertas concorrentes)  Variável no tempo Ambiente organizacional
  21. 21. Há criação de valor quando... ... uma empresa, ou unidade de negócios, organiza as suas atividades internas de modo único: Produzindo a custos inferiores aos dos seus concorrentes. Propiciando atributos diferenciadores aos clientes capazes de se refletir no preço premium. e articula o valor criado internamente com os elos de cadeia produtiva (uma empresa não cria valor de maneira isolada) Ambiente organizacional
  22. 22. TRÊS ESTRATÉGICAS DE CRIAÇÃO E CAPTURA DE VALOR Liderança de Custos Excelência Operacional Nicho Porter, 1980 Treacy e Wiersema, 1998 Diferenciação Inovação nos produtos e serviços Intimidade com os clientes Ambiente organizacional
  23. 23. Geração e Apropriação de Valor Média da indústria Líder em custo Líder em diferenciação Excelência Operacional Inovação de produtos e serviços Relacionamento com clientes Ambiente organizacional
  24. 24. Limites da empresa Cadeia Produtiva Completa Cadeia de Valor Fontes Fornecedores Empresa Distribuidores Varejistas Consumidores Finais P&D Compras Logística interna Logística externa Vendas/ Marketing Serviço pós- venda Atividades Internas Produção Cadeia de valor
  25. 25. A curva de valor é um diagrama utilizado para representar a proposta de valor de uma empresa. Ela apresenta no eixo horizontal os atributos de valor como são percebidos pelos clientes. No eixo vertical, a intensidade dos atributos. Curva de valor
  26. 26. Curva de valor
  27. 27. Historicamente, os negócios têm orientação estratégica linear Ambiente organizacional
  28. 28. Mas esses clientes passivos já não são mais os mesmos... ...e querem interferir ainda mais na decisão sobre os produtos! Co-criação
  29. 29. Criatividade
  30. 30. ...algo que representa a emergência de algo único e original (Anderson, 1965) ...a atividade criadora...voltada para o futuro (Vygotsky) ...é o processo de tornar-se sensível a problemas, deficiências, lacunas, desarmonia; identificar a dificuldade, buscar soluções, formulando hipóteses a respeito das deficiências; testar e re-testar estas hipóteses; e, finalmente, comunicar os resultados (Torrance, 1965) Criatividade
  31. 31. Você é criativo?
  32. 32. Inovação
  33. 33. Inovação
  34. 34. A inovação, grosso modo, é a invenção que encontrou uma utilidade prática e demanda do mercado. É quando o protótipo se transforma em produto comercializável. “No contexto da Administração e da Economia, inovação é tudo aquilo que traz mais produtividade e ou competitividade.” Joseph Schumpeter Inovação
  35. 35. Fonte: design thinking ... Produtos ... Serviços ... Processos ... Tecnologias ... Estudos e interações com consumidor ... Pesquisas ... Inovação para desenvolver...
  36. 36. Fases da inovação 1.0 - Equipe destacada para os projetos de inovação 2.0 - Organização voltada para a inovação 3.0 - Co-criação com o cliente/consumidor Categorias da Inovação Incremental Pouca mudança em relação ao padrão anterior Radical Significativa mudança Revolucionária Afeta vários aspectos das pessoas Inovação
  37. 37. Fonte: design thinking Inovação é inevitável se você quiser permanecer relevante em seu setor e interessante para seus clientes. Se você apoiar a inovação aberta, você vai contar com a colaboração de terceiros e com o compartilhamento de conhecimento, pesquisa e desenvolvimento. É a melhor maneira de realizar todo o potencial de seus esforços de inovação. Por outro lado, se você apoiar a inovação fechada o seu pensamento é que você quer algo bem feito ou sigilo, que você deve fazê-lo sozinho. Dê uma olhada nas diferenças. Modelo de inovação - aberta ou fechada?
  38. 38. Tornar sua criatividade e inovação em resultados para a empresa E, logicamente, para a sua vida toda design thinking help us to decide what to do
  39. 39. design thinking é uma metodologia que visa encontrar soluções criativas e inovadoras a problemas existentes. Entender o problema e propor soluções inovadoras adequadas. A aplicação deste conceito resulta em um processo de inovação contínuo. design thinking
  40. 40. design thinking
  41. 41. Inspiração O problema ou a oportunidade que motiva a busca por soluções e a coleta de insights de todas as fontes possíveis Idealização O processo de gerar, desenvolver e testar ideias. Insights traduzidos em ideias Implementação O caminho que vai do estúdio de design ao mercado. Ideias desenvolvidas em um plano de ação concreto e plenamente elaborado design thinking – 3 movimentos
  42. 42. Praticabilidade O que é funcionalmente possível num futuro próximo Viabilidade O que provavelmente se tornará parte de um modelo de negócios sustentável Desejabilidade O que faz sentido para as pessoas design thinking – 3 considerações
  43. 43. design thinking - esquema
  44. 44. Fatores de sucesso
  45. 45. Gestão da mudança
  46. 46. Curva de aprendizagem
  47. 47. A Criatividade é melhor aproveitada quando estamos mais confiantes... ...e é uma das mais importantes habilidades do Ser Humano! Confiança
  48. 48. O medo de errar ou ser julgado influencia diretamente na nossa produção Sensibilidade ao erro
  49. 49. Identidade Corporativa: Visão, Missão, Valores... Estratégia: Objetivos, metas... Organização: Área, Equipe, Projetos... Cultura: Resistência à mudança, medo de errar... Pessoas: Remuneração, Liderança... Processos: Iniciativas, Intervenções, Sugestões, Programas... Recursos: Investimentos, Incentivos... Consumidor: Co-Criação, Marketing 3.0, Entrega de Valor... Cultura de inovação
  50. 50. Uma empresa inovadora tem determinadas características que podem ser agrupadas em duas categorias principais de competências: Competências estratégicas: visão de longo prazo, capacidade de identificar e, até, antecipar tendências de mercado, disponibilidade e capacidade de coligir, processar e assimilar informações tecnológicas e econômicas; Competências organizacionais: disposição para o risco e capacidade de gerenciá-lo, cooperação interna entre os vários departamentos operacionais e cooperação externa com consultorias, pesquisas de público, clientes e fornecedores, envolvimento de toda a empresa no processo de mudança e investimento em recursos humanos. Características de uma empresa inovadora
  51. 51. Criatividade e Inovação também são atitudes indispensáveis na qualificação do gestor. Levar aos seus colaboradores novas ideias e conceitos gera motivação ao colaborador e a equipe de trabalho. Além de Criatividade e Inovação o gestor precisa ter Atitudes Empreendedoras colocando a organização em níveis cada vez mais sustentáveis. Estas atitudes, por exemplo, podem refletir diretamente na relação de motivação entre o gestor e sua equipe. Centrado nas pessoas
  52. 52. Podemos assim relatar a importância dos Conhecimentos, Habilidades e Atitudes necessárias para o novo profissional de gestão colocar em prática em suas atividades profissionais e agregar ótimo valor a sua carreira, principalmente nos processos de tomada de decisão. Centrado nas pessoas
  53. 53. Tradicional Ferramentas e metodologias
  54. 54. De autoria de Alex Osborn, foi, e é, por este e por seus seguidores, muito utilizada nos Estados Unidos da América, principalmente em áreas de relações humanas, publicidade e propaganda. Dentre diversos outros métodos, a técnica de brainstorming propõe que um grupo de pessoas - de duas até dez pessoas - se reúnam e se utilizem das diferenças em seus pensamentos e ideias para que possam chegar a um denominador comum eficaz e com qualidade, gerando assim ideias inovadoras que levem o projeto adiante. Brainstorming
  55. 55. O modelo das Cinco Forças de Porter foi concebido por Michael Porter em 1979, destina-se à análise da competição entre empresas. Considera cinco fatores, as "forças" competitivas, que devem ser estudados para que se possa desenvolver uma estratégia empresarial eficiente. 5 forças de Porter
  56. 56. A Curva ABC ou 80-20, é baseada no teorema do economista Vilfredo Pareto, na Itália, no século XIX, num estudo sobre a renda e riqueza, ele observou uma pequena parcela da população, 20%, que concentrava a maior parte da riqueza, 80%. Curva ABC
  57. 57. Diagrama de Ishikawa, também conhecido como "Diagrama de Causa e Efeito", "Diagrama Espinha-de-peixe" ou "Diagrama 6M" (ver abaixo), é uma ferramenta gráfica utilizada pela Administração para o gerenciamento e o Controle da Qualidade (CQ) em processos diversos de manipulação das fórmulas. Originalmente proposto pelo engenheiro químico Kaoru Ishikawa em 1943 e aperfeiçoado nos anos seguintes. Diagrama de causa e efeito
  58. 58. Ambiente Interno Forças (S) - Vantagens internas da empresa em relação às empresas concorrentes. Fraquezas (W) - Desvantagens internas da empresa em relação às empresas concorrentes. Ambiente Externo Oportunidades (O) - Aspectos positivos do ambiente, com potencial de fazer crescer a vantagem competitiva da empresa. Ameaças (T) - Aspectos negativos do ambiente, com potencial de comprometer a vantagem competitiva da empresa. SWOT
  59. 59. 5w2h
  60. 60. Ferramenta Inovadora
  61. 61. Construção de estratégia inovadora Business Model Canvas
  62. 62. Segmentos de Clientes Proposta de Valor Relacionamento Com os Clientes Canais Atividades Críticas Recursos Críticos Parcerias Chave Fluxo de Receitas Estrutura de Custos Canvas
  63. 63. Segmento de clientes Para quem estamos criando e ofertando valor? Como esses clientes podem ser segmentados em grupos distintos de acordo com as necessidades e propostas de valor diferenciadas?
  64. 64. Proposta de valor Quais soluções oferecemos para cada segmento de clientes a fim de atender suas necessidades/desejos? Que pacote de produtos e serviços compõe essa solução?
  65. 65. Canais Que meios utilizamos para acessar os diferentes segmentos de clientes e fazer nossos produtos e serviços chegarem até eles?
  66. 66. Relacionamento com clientes Quais tipos de relacionamentos estabelecemos com os clientes (e prospects) para conquistá-los e retê-los?
  67. 67. Fluxo de receitas Quais formas de cobrança utilizamos para gerar o fluxo de receitas?
  68. 68. Recursos críticos Que recursos (físicos, financeiros, intelectuais e humanos) são essenciais para desenvolver, produzir e entregar a proposta de valor?
  69. 69. Atividades críticas Que atividades internas (Operações, P&D, marketing, planejamento) são essenciais para desenvolver, produzir e entregar a proposta de valor?
  70. 70. Parcerias chave Quem são nossos parceiros e fornecedores chave?
  71. 71. Estrutura de custos Quais os custos internos (recursos e atividades) e externos (parceiros e fornecedores) mais críticos em nosso negócio? Qual a contribuição de cada custo sobre o total?
  72. 72. Execução e resultados
  73. 73. Desenvolvendo uma Estratégia Competitiva Fatores de sucesso Via Canvas ou Workshop
  74. 74. http://trendwatching.com/pt/trends/10-latin-trends-for-2015/ http://www.youtube.com/watch?v=uOo2ynlEsFU&feature=youtu.be http://www.youtube.com/watch?v=zmj1lX2TMxc http://www.youtube.com/watch?v=SKROW1BxpUA Google zmot – O momento da verdade Rogers, Everett M. - Diffusion Of Innovations Trimble, Chris – Os 10 Mandamentos da Inovação Estratégica Outras fontes de pesquisa
  75. 75. Obrigado!

×