Ab liv rx pesq inc reg crit 785 a 803

1.587 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Esportes, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.587
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ab liv rx pesq inc reg crit 785 a 803

  1. 1. A- APÊNDICE785-- resultados de Pesquisas por Incidência e RegiãoPesquisa InicialEm novembro de 1989, o primeiro questionário foi enviado para todos os programas de tecnologia radiológica reconhecidos nos Estados Unidose para cada um de seus afiliados clínicos. O objetivo desse levantamento foi determinar um padrão ou norma nacional para procedimentos eincidências ou posições específicas para os quais todos os estudantes deveriam demonstrar competência antes da graduação. Com base nosresultados tabulados desse levantamento, esses procedimentos básicos e rotinas mínimas foram então incluídos nesse livro-texto deposicionamento, com a recomendação de que fossem ensinados em todas as escolas em nível nacional para preparar os estudantes parafuncionar efetivamente em qualquer região dos Estados Unidos após a graduação.Pesquisa Atualizada: Maio de 1995Em maio de 1995, como um passo inicial para o planejamento e a preparação da quarta edição deste livro, um segundo levantamento foiconduzido para fornecer informações atualizadas sobre o padrão mínimo de incidências de rotina (básicas) e especiais (opcionais). Em umesforço para fornecer informações o mais precisas possível para rotinas mínimas que deveriam ser incluídas e ensinadas por todas as escolas,dessa vez apenas as respostas completadas pelas próprias instituições clínicas foram incluídas na tabulação final da pesquisa. O propósitodessa decisão foi determinar o que as instituições clínicas queriam, que deveria ser o mesmo que os educadores universitários estavamensinando. Um total de 637 questionários respondidos foi recebido e totalizado. Essas respostas foram divididas em programas baseados emhospitais e baseados em universidades. As diferenças entre esses programas não foram significativas. A diferença no porte dos hospitais oudas instalações clínicas também não foi significativa.Levantamento Expandido: Março de 2000Na preparação para a quinta edição, o levantamento foi novamente conduzido e expandido para incluir o Canadá. Dessa vez, os questionáriosforam enviados para as instituições educacionais (programas baseados em universidades e hospitais), e os respondentes foram solicitados afornecer um resumo de todos os seus afiliados clínicos em sua resposta ao levantamento. Um total de 338 questionários respondidos foirecebido e tabulado.Todas as incidências ou posições verificadas por 18 a 20% ou mais daqueles que responderam são consideradas essenciais e, portanto, sãoincluídas neste texto ou como incidências básicas ou como especiais. Umas poucas exceções foram feitas para incluir incidências especiaismais novas que, na opinião do autor, foram significativas o suficiente para serem incluídas. Exemplos de tais exceções são a oblíqua apical parao ombro e a incidência médio-lateral para o quadril (método de Sanderson), conforme descritas primeiramente no Capo 19 da edição anterior.Várias novas incidências foram acrescentadas à quinta edição com base na resposta ao questionário. Essas incluíram o polegar em AP comângulo do raio central de 10° (método de Robert), a oblíqua das mãos em AP bilateral (pegador de bola, método de Norgard), a oblíquaposterior para o acetábulo (método de Judet), a incidência axial em AP para bacia pélvica (método de Lilienfeld modificado) e a incidência axialem AP para arcos vertebrais (Pillar).Questões SuplementaresO levantamento do ano 2000 incluiu questões suplementares relacionadas a que procedimentos estavam ainda sendo realizados em númerosuficiente para permanecer neste livro e que procedimentos deveriam ser adicionados a esta nova edição. A seção final do levantamentoconforme impressa neste apêndice inclui essas questões e as respostas dos respondentes. Com base em suas respostas, informações sobreradiografia digital foram acrescentadas ao Capo 1, e três procedimentos diagnósticos adicionais (histerossalpingografia (HSG), sialografia edensitometriaóssea) foram acrescentados ao Capo 23. Devido às respostas esmagadoramente positivas à questão sobre técnica devenopuntura por técnicos, uma nova seção sobre esse assunto foi acrescentada ao Capo 17.
  2. 2. 786— APÊNDICE A-- Resultados do Levantamento por Incidência e Região, Março de 2000PORCENTAGEM DOS ESTADOS UNIDOS POR REGIÃOTOTAL OESTE MEIO-OESTE LESTE PORCENTAGEM DO CANADACAP. 2: TÓRAX R E R E R E R E R EA, posição ortostática 100% 0% 100% 0% 100% 0% 100% 0% 99% 1%Lateral, posição ereta 100% 0% 100% 0% 100% 0% 100% 0% 98% 2%AP, decúbito dorsal 65% 33% 60% 40% 62% 36% 69% 29% 53% 41%Oblíqua anterior 6% 60% 0% 60% 4% 53% 10% 66% 2% 31%Oblíqua posterior 7% 54% 0% 47% 4% 51% 12% 56% 1% 30%Apico-Iordótica 15% 75% 13% 73% 13% 77% 18% 72% 5% 81%Decúbito lateral 40% 59% 47% 53% 36% 64% 43% 53% 13% 76%Decúbito ventral 7% 28% 7% 20% 4% 31% 10% 24% 2% 24%Vias Aéreas SuperioresAP 64% 17% 53% 7% 63% 19% 66% 18% 76% 16%Lateral 74% 15% 80% 7% 77% 14% 68% 19% 89% 8%Cap. 3: ABDOME R E R E R E R E R EAP simples, decúbito dorsal 99% 0% 100% 0% 99% 0% 100% 0% 99% 0%AP, posição ortostática 78% 10% 80% 13% 77% 15% 78% 3% 45% 14%Decúbito lateral 60% 29% 40% 53% 56% 36% 66% 18% 34% 24%Decúbito dorsal 10% 48% 7% 47% 13% 46% 6% 49% 4% 32%Lateral do abdome 9% 41% 7% 33% 6% 42% 10% 41% 4% 29%Rotina para Abdome AgudoAP, decúbito dorsal 99% 0% 93% 0% 99% 0% 100% 0% 98% 0%AP, posição ortostática 99% 1% 93% 0% 100% 0% 100% 0% 98% 0%Decúbito lateral 66% 31% 47% 47% 60% 36% 75% 24% 59% 35%PA de tórax 75% 7% 87% 7% 77% 3% 72% 10% 76% 3%Cap. 4: MEMBRO SUPERIOR R E R E R E R E R EMãoPA 100% 0% 100% 0% 100% 0% 100% 0% 99% 0%Oblíqua 100% 0% 100% 0% 100% 0% 100% 0% 99% 0%Lateral (lateral em leque) 88% 8% 80% 13% 88% 12% 90% 3% 79% 13%Lateral (em extensão) 38% 39% 40% 27% 35% 44% 41% 37% 26% 20%Lateral (em flexão) 15% 41% 7% 33% 10% 49% 21% 34% 1% 21%Obliqua em AP bilateral 4% 45% 0% 33% 3% 38% 6% 54% 19% 59%DedosPA 97% 1% 93% 7% 97% 0% 97% 1% 100% 0%Oblíqua 96% 3% 87% 13% 99% 1% 96% 3% 94% 5%Lateral 98% 1% 93% 7% 100% 0% 97% 1% 100% 0%PolegarAP 95% 2% 80% 13% 95% 1% 97% 1% 91% 5%Lateral 99% 1% 93% 7% 100% 0% 99% 0% 100% 0%Oblíqua 95% 2% 93% 7% 95% 3% 96% 1% 94% 4%PA 21% 24% 27% 33% 27% 22% 15% 26% 30% 25%AP (método de Robert) 2% 24% 0% 20% 1% 27% 1% 22% 3% 8%PunhoPA 99% 1% 100% 0% 97% 3% 1 00% 0% 99% 1%AP 12% 16% 13% 0% 18% 19% 4% 18% 14% 15%Oblíqua em PA 99% 1% 100% 0% 99% 1% 100% 0% 97% 2%Oblíqua em AP 21% 15% 20% 0% 18% 18% 25% 15% 27% 15%Lateral 99% 1% 100% 0% 99% 1% 100% 0% 100% 0%PA, desvio escafóide-ulnar 43% 51% 40% 60% 37% 54% 50% 46% 69% 26%PA, sem desvio escafóide (rotina para trauma) 18% 51% 20% 20% 18% 54% 18% 54% 28% 19%PA, desvio radial 11% 39% 7% 20% 12% 38% 12% 43% 10% 22%Canal do carpo 9% 59% 7% 33% 9% 63% 9% 62% 2% 31%Ponte do carpo 4% 37% 7% 13% 5% 40% 3% 40% 2% 21%R, Rotina; E, especial. Indica a porcentagem daqueles que responderam ao levantamento que indicaram que essas incidências/posições foram realizadas em suasinstituições clínicas como incidências de rotina ou especiais, conforme definido neste livro.
  3. 3. 787-- APÊNDICE APORCENTAGEM DOS ESTADOS UNIDOS POR REGIÃOTOTAL OESTE MEIO-OESTE LESTE PORCENTAGEM DO CANADACAP. 4: Membro Superior R E R E R E R E R EAntebraçoAP 99% 1% 100% 0% 99% 1% 100% 0% 100% 0%Lateral 99% 0% 100% 0% 99% 0% 100% 0% 100% 0%CotoveloAP 99% 0% 100% 0% 100% 0% 99% 0% 99% 0%Oblíqua interna apenas 25% 18% 20% 0% 24% 26% 26% 15% 14% 24%Oblíqua externa apenas 30% 13% 33% 0% 31% 18% 28% 12% 34% 19%Oblíquas interna e externa 54% 20% 53% 7% 51% 22% 56% 21 % 36% 23%Lateral 99% 1% 100% 0% 99% 1% 99% 0% 99% 0%AP com flexão parcial 24% 55% 20% 53% 31% 53% 16% 62% 25% 46%Flexão aguda 5% 39% 13% 27% 5% 41 % 4% 41 % 6% 27%Axiolaterais 7% 26% 7% 27% 12% 23% 3% 29% 4% 16%Laterais rotacionais da cabeça do rádio 5% 34% 0% 20% 4% 37% 7% 35% 11 % 41%Úmero - Trauma Não-agudoAP 98% 1% 1 00% 0% 97% 1% 99% 0% 98% 0%Lateral por rotação (látero-medial, pl. AP) 91% 3% 93% 0% 88% 4% 94% 1% 71% 12%Médio-lateral, PI. PA 25% 21 % 33% 20% 28% 26% 16% 18% 51 % 7%Úmero - Trauma AgudoAP (neutra) 95% 1% 1 00% 0% 92% 1% 97% 0% 99% 0%Lateral transversal à mesa 57% 18% 53% 27% 62% 14% 53% 21% 41 % 24%Transtorácica 67% 23% 73% 27% 73% 19% 59% 28% 33% 31 %Escapular em Y 58% 26% 40% 40% 58% 26% 62% 22% 79% 11%CAP. 5: Porção Proximal do Úmero e Cintura Pélvica R E R E R E R E R EOmbro - Trauma Não-agudoAP, rotação interna e externa 98% 1% 100% 0% 97% 1% 97% 0% 97% 1%Infero-superior (axial lateral-Lawrence) 57% 29% 47% 33% 67% 22% 49% 37% 50% 32%Oblíqua posterior (Grashey) para a cavidade glenóide 41% 37% 47% 40% 42% 33% 40% 40% 48% 15%Oblíqua apical (oblíqua posterior a 45°, RC 45° caudal) 4% 23% 7% 13% 4% 23% 4% 24% 4% 12%Sulco bicipital (tangencial) 9% 48% 13% 47% 8% 47% 9% 49% 4% 36%Infero-superior-West Point 4% 34% 7% 20% 6% 31 % 1% 38% 4% 22%Ombro - Trauma AgudoNeutra em AP 94% 2% 93% 0% 95% 1% 93% 3% 98% 2%Lateral transtorácica (Lawrence) 59% 23% 60% 27% 60% 22% 57% 24% 25% 31 %Lateral escapular em Y 78% 14% 53% 33% 78% 15% 82% 9% 92% 6%ClavículaAP, 0° 90% 3% 93% 0% 95% 4% 84% 3% 96% 2%AP, 15°-30° cranial 91% 5% 87% 13% 95% 4% 88% 4% 98% 1%PA,O° 18% 26% 7% 20% 17% 29% 21 % 25% 5% 15%PA 15°-30° caudal 20% 26% 13% 13% 18% 28% 22% 25% 4% 17%Articulações EsternoclavicularesPA 70% 13% 73% 7% 67% 17% 72% 10% 80% 7%Oblíquas anteriores D e (10°-15°) 66% 13% 60% 13% 68% 15% 66% 12% 81% 9%AP ou PA, axial (45°) 9% 15% 13% 0% 9% 19% 6% 15% 9% 6%Tomograma 5% 24% 20% 20% 4% 31% 1% 18% 5% 17%EscápulaAP 97% 2% 100% 0% 96% 3% 97% 1% 99% 0%Lateral (oblíqua anterior) 79% 9% 87% 7% 73% 14% 84% 4% 76% 7%Lateral (oblíqua posterior, tampo da mesa) 51% 21% 40% 27% 50% 26% 51% 16% 44% 21%Articulações AcromioclavicularesBilateral, AP em posição ortostática com e sem pesos 92% 4% 93% 7% 95% 3% 88% 4% 96% 1%A rotina inclui prender pesos ao punho 9% 18% 0% 20% 12% 22% 7% 15% 4% 4%(mãos e punhos relaxados)A rotina inclui a sustentação de pesos pelo paciente 57% 10% 47% 13% 63% 13% 53% 6% 62% 4%Continua-
  4. 4. APÊNDICE A 788-- Resultados do Levantamento por Incidência e Região, Março de 2000 - conto Porcentagem dos |estados Unidos por região Meio Porcentagem do Total Oeste Leste Oeste Canadá Cap. 6: Membro Inferior R E R E R E R E R EArtelhosAP (DP) centr1i2M no rtelha de interesse, inclui o 62% 4°(0 67% 0% 56°(0 6°(0 68°(0 1°(0 92% 0°(0artelho de ambos os ladosAf (Df) centro lirada para incluir todos 05 artelhos e 47% 9% 4Qqiq 13% 54% 8% 4Qqiq 10% 13% 5%metatarsosOblíqua 90% 2% 87% 0% 90% 3% 91% 1% 93% 2%Lateral 89% 2% 87% 0% 94% 4% 87% 1% 97% 1%PéAP (DP) com raio central de 10° a 1 5° 98% 1% 100% 0% 99% 1% 97% 0% 100% 1%Oblíqua media I 100% 0% 100% 0% 100% 0% 100% 0% 98% 1%Oblíqua lateral 13% 27% 27% 20% 12% 27% 12% 29% 9% 18%Médio-lateral (lateral) 87% 6% 87% 0% 91% 4% 82% 10% 78% 4%Látero-medial (lateral) 16% 30% 27% 27% 10% 32% 21% 29% 22% 11%Lateral com carga 16% 57% 13% 53% 17% 59% 16% 56% 11% 65%AP (DP) com carga 12% 40% 7% 33% 15% 40% 9% 43% 9% 60%Pé torto (método de Kite) 1% 34% 0% 20% 0% 36% 3% 35% 3% 11%Sesamóides (tangencial) 2% 35% 0% 40% 3% 36% 3% 32% 1% 15%CalcâneoPlanto dorsal (axial em PD) 91% 3% 93% 0% 90% 4% 94% 1% 89% 2%Dorsoplantar (axial em DP) 12% 26% 13% 20% 14% 27% 10% 26% 100% 0%Lateral 98% 2% 100% 0% 97% 3% 97% 1% 12% 13%PernaAP 100% 0% 100% 0% 100% 0% 100% 0% 100% 0%Lateral 100% 0% 100% 0% 100% 0% 100% 0% 99% 0%TornozeloAP (AP verdadeira) 96% 2% 93% 0% 96% 3% 96% 1% 96% 1%AP encaixada (oblíqua media I a 15°) 74% 18% 67% 33% 770/0 18% 72% 16% 76% 10%AP, oblíqua media I, 45° 62% 20% 80% 0% 55% 21% 63% 24% 41% 13%Médio-lateral (lateral) 88% 4% 73% 0% 95% 1% 87% 6% 79% 4%Látero-medial (lateral) 14% 27% 20% 20% 8% 31% 19% 25% 23% 8%AP com estresse (inversão e eversão) 7% 56% 13% 47% 12% 58% 1% 56% 5% 66%JoelhoAP 97% 1% 93% 0% 97% 3% 97% 0% 84% 9%Oblíqua rnedial em AP. (Apenas) 24% 16% 40% 7% 19% 26% 25% 7% 18% 15%Oblíqua lateral em AP. (Apenas) 13% 18% 7% 20% 14% 22% 12% 15% 6% 16%Ambas as oblíquas em AP 52% 17% 27% 7% 50% 19% 60% 18% 35% 32%PA 9% 24% 13% 7% 6% 28% 10% 22% 44% 15%Lateral 98% 1% 100% 0% 97% 3% 97% 0% 97% 1%AP com carga 40% 40% 40% 33% 41% 42% 38% 38% 38% 48%PA com carga 7% 21% 0% 27% 9% 23% 4% 19% 6% 15%Incidências com estresse em AP (abdução e adução) 1% 31% 7% 13% 1% 32% 0% 35% 1% 19%rateiaPA 61% 15% 60% 20% 68% 14% 53% 15% 81% 6%Lateral 76% 8% 80% 13% 78% 8% 71% 7% 87% 2%PA, oblíquas D e E 9% 20% 7% 27% 3% 21% 15% 18% 11% 14%Tangencial: (sol nascente) Merchant, paciente em 54% 20% 67% 7% 58% 26% 49% 18% 61% 19%decúbito dorsal, joelho fletido em 45°Hughston, paciente em decúbito ventral, joelho 20% 27% 33% 13% 13% 36% 25% 22% 26% 15%flexionado em 45° a 55°Settegast, paciente em decúbito ventral, joelho 35% 35% 40% 33% 27% 35% 41% 35% 14% 16%flexionado em 90°Settegast, paciente em decúbito dorsal, joelho 39% 22% 27% 20% 41% 21% 41% 24% 11% 11%flexionado em 90° (ínfero-superior)Oblíqua axial (Kuchendorf) 2% 18% 0% 20% 3% 19% 1% 15% 0% 4%R, Rotina; E, especial.
  5. 5. 789-- APÊNDICE A PORCENTAGEM DOS ESTADOS UNIDOS POR REGIÃO Porcentagem Total Oeste Meio-Oeste Leste Do CanadaCap. 6 Membro Inferior R E R E R E R E R EFêmurAP 99% 0% 100% 0% 99% 0% 99% 0% 99% 0%Lateral 99% 0% 100% 0% 99% 0% 99% 0% 99% 0%Fossa IntercondilóideAxial em PA, decúbito ventral - Camp Coventry 63% 25% 93% 7% 53% 33% 69% 19% 33% 21%PA, ajoelhado - Holmblad 46% 27% 40% 33% 53% 32% 41% 21% 38% 19%AP, axial (chassi plano) 26% 23% 20% 7% 27% 22% 25% 26% 22% 14%AP, axial-Béclére (chassi curvo) 17% 28% 27% 13% 17% 31% 16% 29% 8% 7% Cap.7 Porção Proximal do Fêmur e Cintura Pélvica R E R E R E R E R EPelve e AcetábuloPelve em AP 99% 0% 100% 0% 100% 0% 99% 0% 99% 0%AP, axial, ossos pélvicos anteriores (Taylor) 10% 35% 13% 33% 13% 41% 4% 29% 6% 28%(paciente em decúbito dorsal)AP, axial, ossos pélvicos anteriores (Lilienfeld), 2% 21% 0% 0% 3% 26% 1% 21% 1% 8%paciente semi-sentadoPA, oblíqua-acetábulo (Teufel) 2% 24% 0% 33% 3% 31% 3% 15% 3% 12%AP, oblíqua-acetábulo (Judet) 15% 45% 7% 53% 15% 45% 16% 46% 26% 54%Articulações SacrilíacasPelve em AP de rotina 54% 7% 33% 13% 58% 8% 51% 6% 30% 2%Articulações SI em AP (30° a 35° cranial) 69% 10% 67% 20% 65% 14% 74% 4% 82% 4%Articulações SI em PA (30° a 35° caudal) 12% 16% 7% 7% 12% 22% 12% 12% 23% 7%Oblíquas posteriores D e E 65% 10% 87% 7% 67% 12% 59% 9% 63% 15%Oblíquas anteriores D e E 21% 18% 27% 13% 19% 19% 22% 16% 21% 15%Quadris e Fêmures ProximaisPelve em AP (pós-trauma) 92% 1% 73% 7% 94% 0% 94% 1% 94% 2%AP apenas do quadril (pós-trauma) 77% 5% 73% 13% 79% 4% 75% 3% 72% 6%Lateral ínfero-superior (trauma) (Danelius-Miller) 75% 11% 67% 13% 73% 10% 82% 9% 55% 4%Perna de rã unilateral (Lauenstein-Hickey) 76% 7% 67% 20% 74% 8% 79% 4% 73% 11%Perna de rã bilateral (Claves modificadas) 57% 22% 47% 27% 62% 22% 51% 22% 42% 32%Axiolateral modificada (trauma) (Clements-Nakayama) 9% 34% 0% 40% 10% 35% 7% 32% 4% 12%Quadril médio-lateral (trauma) (método de 5anderson) 11% 19% 7% 13% 14% 22% 7% 16% 28% 11%Cap.8: Coluna Cervical e Torácica R E R E R E R E R EColuna CervicalAP (15° a 20° cranial) 99% 0% 100% 0% 100% 0% 99% 0% 99% 0%AP (C1-C2 com a boca aberta) 98% 0% 93% 0% 100% 0% 97% 0% 94% 4%Lateral 98% 0% 100% 0% 99% 0% 97% 0% 97% 0%Oblíquas (oblíquas anteriores a 45°) 68% 10% 73% 7% 59% 15% 75% 6% 64% 21%Oblíquas (oblíquas posteriores a 45°) 62% 16% 73% 7% 65% 13% 56% 22% 42% 25%Do nadador (Twining) (em posição ereta ou deitada) 73% 25% 67% 27% 72% 28% 76% 21% 56% 40%Laterais em hiperflexão e hiperextensão 43% 49% 27% 67% 44% 50% 44% 46% 29% 66%AP do processo odontóide (Fuch-paciente em decúbito dorsal) 27% 46% 33% 47% 24% 46% 31% 44% 10% 19%PA do processo odontóide (Judd-paciente em). 4% 40% 0% 40% 5% 38% 4% 43% 1% 10%AP "mascando" (Ottonello) 6% 36% 7% 33% 5% 37% 7% 35% 2% 15%AP axial, caudal, arco vertebral (Pillar) (pescoço hiperestendido) 5% 39% 0% 40% 6% 40% 6% 38% 2% 24%Coluna TorácicaAP 99% 0% 100% 0% 99% 0% 99% 0% 100% 0%Lateral (respirando) 92% 4% 100% 0% 91% 5% 91% 3% 88% 3%Lateral (em inspiração) 36% 12% 33% 0% 37% 15% 34% 10% 38% 11%Oblíquas em PA (anteriores) 2% 29% 7% 27% 1% 32% 3% 25% 1% 8%Oblíquas em AP (posteriores) 6% 31% 13% 20% 3% 38% 7% 25% 1% 8%Do nadador (para a coluna torácica superior) 81% 13% 87% 7% 85% 12% 76% 16% 72% 24%Continua--
  6. 6. 790-- APÊNDICE AResultados do Levantamento por Incidência e Região. Março de 2000 – conto Porcentagem dos |estados Unidos por região Meio Porcentagem do Total Oeste Leste Oeste Canadá Cap. 9: Coluna Lombar Sacro e Cóccix R E R E R E R E R EColuna LombarAP (decúbito dorsal) 98% 1% 93% 7% 100% 0% 96% 1% 98% 1%PA (decúbito ventral) 11% 16% 27% 0% 10% 22% 7% 13% 9% 8%Lateral 99% 1% 100%0% 100% 0% 97% 1% 99% 0%Lateral L5-S 1 96% 2% 100%0% 96% 4% 94% 1% 89% 9%AP, oblíquas posteriores a 45° 78% 16% 100%0% 73% 22% 78% 15% 39% 48%PA, oblíquas anteriores a 45° 20% 16% 27% 7% 21% 19% 18% 15% 28% 31%AP axial: L5-S 1 (30° a 35° cranial) 25% 26% 20% 27% 18% 35% 32% 16% 13% 12%Lateral em hiperflexão e hiperextensão 13% 64% 20% 53% 17% 63% 7% 69% 6% 46%Série de fusão em AP, com inclinação D e E 7% 49% 20% 40% 8% 49% 4% 50% 9% 34%PA (ou AP) em posição ereta para escoliose 45% 44% 47% 47% 45% 46% 43% 41% 51% 35%Lateral em posição ereta para escoliose 24% 43% 20% 27% 26% 45% 22% 47% 22% 32%Série para escoliose de Ferguson, PA (AP) com e 3% 23% 0% 13% 4% 29% 3% 19% 2% 6%sem bloco por baixoSacro e CóccixAP do sacro, 15° a 20° cranial 99% 1% 100%0% 100% 0% 97% 1% 98% 2%AP do cóccix, 10° a 15° caudal 96% 1% 100%0% 96% 0% 96% 1% 94% 2%Lateral do sacro e cóccix combinados 82% 4% 80% 7% 86% 3% 78% 6% 91% 2%Laterais separadas do sacro e do cóccix 36% 16% 33% 20% 32% 18% 41% 13% 22% 9% Cap. 10: Arcabouço Torácico, Esterno e Costelas R E R E R E R E R ECostelasOiagonal acima ou abaixo, AP (lesão posterior) 96% 1% 100%0% 96% 0% 96% 1% 85% 2%Oiagonal acima, PA (lesão anterior) 60% 10% 73% 0% 58% 13% 62% 9% 46% 5%Oblíqua única, AP (OPD ou OrE) 65% 5% 73% 0% 69% 8% 59% 3% 86% 1%Duas oblíquas (anterior ou posterior D e E) 49% 9% 47% 13% 46% 13% 51% 4% 18% 5%PA de tórax 67% 4% 60% 7% 59% 5% 79% 3% 79% 1%A rotina inclui aderir BB metálico ao local da lesão 20% 23% 27% 27% 19% 27% 21% 18% 3% 9%EsternoOAO, 15° a 20° (respirando) 83% 5% 93% 0% 79% 8% 84% 3% 55% 9%OAD (inspiração) 28% 15% 27% 13% 32% 21% 25% 10% 26% 9%Lateral (em posição ereta ou em decúbito) 96% 2% 100%0% 95% 5% 96% 0% 96% 1%OAE, 15° a 20° 7% 20% 0% 0% 10% 26% 6% 16% 16% 9%OrE, 15° a 20° 7% 22% 7% 0% 6% 27% 7% 22% 5% 12%Tomografia 7% 23% 20% 20% 4% 29% 6% 18% 4% 16% Cap. 11: Crânio e ossos do Crânio R E R E R E R E R EPA, 15° caudal (Caldwell) 79% 5% 67% 13% 78% 6% 81% 1% 70% 2%PA,O° 52% 12% 73% 13% 49% 17% 51% 7% 40% 7%PA, 25° a 30° caudal 11% 14% 0% 13% 14% 18% 10% 10% 9% 7%Axial em AP (Towne) 98% 0% 93% 0% 99% 0% 97% 0% 96% 2%Lateral (O ou E) 31% 5% 33% 0% 36% 9% 26% 1% 70% 2%Laterais (tanto O quanto E) 74% 5% 67% 13% 72% 5% 76% 4% 32% 6%Séries para CrânioAxial em PA, Towne reversa (25° cranial- Haas) 21% 40% 20% 27% 23% 37% 16% 46% 7% 26%Basilar (SMV) 39% 38% 40% 40% 37% 40% 40% 37% 16% 33%Sela TurcaLateral 64% 16% 80% 7% 67% 13% 57% 22% 66% 12%Axial em AP (Towne) 49% 20% 47% 27% 50% 18% 47% 21% 50% 12%R, Rotina; f, especial.
  7. 7. 791-- apêndice A Porcentagem dos |estados Unidos por região Meio Porcentagem do Total Oeste Leste Oeste Canadá Cap. 12: Ossos da Face R E R E R E R E R EOssos da FaceLateral (D ou E) 99% 1% 100% 7% 97% 1% 100% 0% 99% 0%Waters, PA 94% 2% 87% 7% 92% 3% 97% 1% 95% 1%Waters, PA modificada 42% 27% 20% 33% 49% 28% 40% 25% 42% 11%Caldwell, PA (150 caudal) 82% 7% 60% 13% 83% 9% 85% 4% 83% 5%Basilar (SMV) 45% 18% 33% 7% 45% 21% 47% 18% 15% 19%Forames Ópticos - CanaisParieto-orbitária (Rhese oblíqua) 74% 16% 80% 7% 73% 17% 74% 18% 34% 15%ÓrbitasWaters, PA 79% 7% 40% 13% 81 % 10% 84% 1% 79% 2%Waters, PA modificada 49% 18% 67% 7% 51 % 19% 46% 21% 37% 9%Caldwell, PA 73% 9% 73% 0% 69% 9% 76% 10% 66% 6%Lateral 84% 6% 67% 7% 83% 5% 87% 7% 89% 2%Parieto-orbitária (Rhese oblíqua) 54% 20% 53% 7% 51% 22% 54% 22% 10% 10%Arcos ZigomáticosTangencial, infere-superior (oblíquas axiais D e E) 65% 18% 73% 13% 63% 19% 63% 19% 61% 18%Axial em AP (Towne) 61 % 10% 67% 0% 51% 13% 72% 9% 72% 9%Basilar (SMV) 79% 10% 80% 7% 74% 12% 84% 7% 34% 17%Waters, PA 50% 12% 33% 7% 51% 12% 50% 13% 55% 6%Axial em PA, 23° caudal (Titterington) 5% 18% 7% 13% 3% 21 % 7% 18% 2% 9%Ossos NasaisLateral 98% 1% 100% 0% 99% 1% 97% 1% 100% 0%Waters, PA 96% 1% 100% 0% 96% 0% 94% 3% 99% 0%Súpero-inferior (axial) 10% 24% 7% 20% 8% 27% 12% 22% 13% 9%Caldwell, PA 21 % 15% 0% 13% 26% 15% 19% 16% 9% 5%MandíbulaOblíquas axiolaterais (D e E) 94% 4% 93% 7% 94% 6% 94% 1% 87% 6%PA, ângulo de 0° 82% 7% 87% 7% 83% 8% 79% 6% 81% 8%Axial em PA para côndilos e ramos (25° a 30° cranial) 37% 18% 33% 13% 31 % 23% 41% 15% 17% 8%Axial em AP (Towne) 76% 10% 73% 13% 73% 13% 78% 6% 77% 9%Basilar (SMV) 21% 21 % 20% 20% 22% 23% 21% 18% 8% 12%Oblíquas para trauma axiolaterais, em sentido 24% 40% 40% 27% 21 % 51 % 25% 29% 23% 34%transversal à mesaATMAxial em AP (Towne) 65% 9% 73% 7% 64% 12% 63% 7% 69% 8%Oblíqua axio lateral (Law) 44% 20% 27% 13% 42% 21% 49% 21% 38% 9%Axiolateral (Schüller) 37% 23% 47% 27% 37% 23% 37% 19% 41% 10%Tomografias 26% 29% 40% 27% 31 % 35% 18% 22% 23% 28%Panorex 41% 26% 33% 27% 49% 32% 35% 19% 21% 12% Cap. 13: Seios Paranasais, Mastóides e osso Temporal R E R E R E R E R EMastóides e Osso TemporalOblíqua axio lateral (Law) 54% 20% 47% 13% 54% 18% 56% 24% 46% 11%Oblíqua, perfil posterior (Stenvers) 55% 19% 60% 13% 51% 22% 59% 18% 49% 12%Oblíqua, perfil anterior (Arcelin) 18% 36% 20% 33% 18% 35% 15% 40% 14% 17%Axiolateral (Schüller) 26% 27% 7% 27% 31% 26% 24% 29% 28% 11%Oblíqua semi-axial posterior (Mayer) 20% 27% 13% 33% 19% 28% 22% 25% 5% 5%Axial em AP (Towne) 55% 18% 67% 7% 58% 15% 51% 22% 60% 12%Basilar (SMV) 26% 28% 20% 33% 32% 24% 22% 31% 27% 15%Seios ParanasaisLateral em posição ereta 99% 1% 100% 0% 100% 0% 97% 1% 99% 1%Caldwell em PA, posição ortostática 97% 2% 100% 0% 97% 3% 96% 1% 96% 1%Waters em PA, posição ortostática 93% 1% 93% 7% 91% 1% 94% 0% 79% 4%Basilar (SMV) em posição ereta 62% 13% 60% 20% 59% 15% 66% 9% 20% 12%Waters em PA, posição ortostática com a boca aberta 39% 23% 27% 20% 49% 24% 29% 22% 42% 13%
  8. 8. Continua
  9. 9. 792-- APÊNDICE AResultados do Levantamento por Incidência e Região, Março de 2000 – conto Porcentagem dos |estados Unidos por região Meio Porcentagem do Total Oeste Leste Oeste Canadá Cap. 14: Sistema Gastrointestinal Alto R E R E R E R E R ERadiografia de Tórax com Esôfago Contrastado (Bário)OAD 91% 4% 73% 13% 87% 5% 99% 1% 39% 7%OAE 46% 17% 47% 27% 47% 17% 41% 16% 24% 8%AP 58% 18% 33% 27% 63% 17% 57% 18% 45% 2%PA 29% 16% 20% 27% 28% 17% 31% 13% 12% 5%Lateral 70% 9% 53% 7% 78% 6% 63% 12% 42% 4%Forame Lateral para tecidos moles (esôfago superior) 18% 28% 20% 20% 17% 29% 19% 28% 24% 6%Lateral do nadador (esôfago superior) 2% 23% 0% 27% 3% 23% 1% 22% 5% 5%Seriografia Esôfago-Estômago-DuodenoRadiografia simples, AP 66% 6% 60% 0% 55% 8% 82% 6% 11% 5%PA do estômago 81% 6% 80% 13% 78% 6% 84% 4% 22% 5%OAD do estômago 90% 5% 87% 13% 85% 4% 96% 4% 28% 6%Lateral do estômago 82% 8% 87% 13% 77% 8% 87% 7% 23% 5%AP do estômago 56% 20% 27% 33% 58% 14% 62% 24% 26% 8%orE do estômago 52% 25% 67% 27% 53% 21% 47% 31% 24% 7%AP do estômago (Trendelenburg) 4% 29% 0% 33% 8% 27% 1% 28% 9% 9%Axial em PA (Gordon) 35° a 40° cranial 2% 20% 0% 20% 3% 23% 3% 16% 3% 4%Ruoroscopia digital, sem incidências sobre a cabeça 40% 27% 47% 20% 42% 27% 34% 29% 72% 2%Seriografia do Intestinno DelgadoPA simples 80% 2% 80% 0% 74% 3% 87% 1% 25% 6%PA (em intervalos de tempo) 96% 1% 100% 0% 96% 1% 96% 0% 91% 1%Spots ileocecais 78% 7% 87% 0% 78% 8% 78% 9% 68% 5%Enteróclise (contraste duplo) 21% 48% 27% 40% 26% 47% 15% 53% 23% 23%Intubação (contraste único) 10% 35% 13% 27% 12% 33% 6% 41% 10% 13%Enema BaritadoMétodo de contraste único 84% 11% 80% 13% 82% 12% 85% 10% 62% 18%Método de contraste duplo 96% 2% 100% 0% 95% 4% 97% 1% 89% 5%PA (ou AP) 99% 0% 100% 0% 97% 0% 100% 0% 84% 2%OAD e OAE 59% 16% 60% 7% 58% 17% 57% 19% 32% 14%orE e OPD 89% 6% 87% 13% 90% 4% 88% 7% 45% 15%Axial em AP (borboleta) (30° a 40° cranial) 62% 16% 73% 20% 55% 18% 65% 15% 31% 11%Axial em PA (borboleta) (30° a 40° caudal) 55% 16% 47% 13% 59% 15% 56% 16% 42% 4%Decúbito lateral direito (contraste duplo) 94% 3% 93% 7% 91% 4% 97% 1% 88% 5%Decúbito lateral esquerdo (contraste duplo) 94% 2% 93% 7% 91% 4% 97% 0% 87% 5%Reto em decúbito ventral 51% 17% 33% 20% 56% 14% 50% 21% 32% 13%Lateral do reto? 88% 7% 93% 7% 86% 6% 88% 9% 48% 15%PA ou AP pós-evacuação 90% 3% 93% 7% 88% 1% 90% 4% 61% 19%Ruoroscopia digital, sem incidências sobre a cabeça 26% 22% 20% 27% 29% 22% 21% 22% 27% 2% Cap. 16: Vesícula Biliar e Ductos Biliares R E R E R E R E R EVesícula BiliarPA simples 54% 18% 73% 0% 49% 23% 56% 16% 14% 5%OAE 39% 20% 53% 13% 32% 26% 43% 15% 8% 6%OAD 15% 14% 13% 7% 15% 18% 15% 12% 8% 3%Decúbito lateral direito 32% 28% 47% 27% 31% 32% 29% 25% 2% 4%PA, posição ortostática 23% 20% 40% 20% 19% 27% 22% 13% 7% 4%Refeição gordurosa (injeção CCK-PZ) 12% 29% 27% 13% 5% 32% 16% 29% 7% 6%Ultra-sonografia + colecistograma oral 9% 25% 13% 20% 9% 27% 6% 25% 6% 6%Ultra-sonografia apenas 47% 12% 33% 7% 51% 13% 46% 10% 59% 3%Colangiografia Percutânea Trans-hepáticaFluoroscopia e spots AP pós-injeção 49% 20% 53% 7% 50% 22% 49% 22% 36% 11%R, Rotina; E, especial.
  10. 10. 793-- APÊNDICE A Porcentagem dos |estados Unidos por região Porcentagem do Total Oeste Meio Oeste Leste Canadá Cap. 16: Visicula Biliar e Ducros Biliares R E R E R E R E R EColangiografia OperatóriaAP 74% 9% 80% 0% 71% 9% 78% 10% 55% 6%OPO 32% 21% 40% 0% 32% 24% 29% 21% 13% 10%OrE 12% 20% 7% 7% 14% 22% 10% 19% 3% 5%Colangiografia Pós-operatória com Tubo em TRuoroscopia e spot filmes 76% 11% 87% 0% 74% 12% 76% 13% 64% 6%AP 51% 12% 53% 7% 54% 10% 47% 16% 17% 5%OPO 39% 19% 60% 7% 40% 18% 34% 22% 12% 5%OrE 14% 19% 13% 13% 18% 21% 10% 19% 6% 5%Colangiopancreatografia Endoscópica RetrógradaFilmes em AP fluoroscópicos e spot filmes pós-injeção 74% 6% 60% 0% 73% 9% 79% 4% 53% 2%AP 37% 12% 40% 7% 36% 12% 38% 15% 13% 4%OPO 21% 13% 27% 13% 24% 12% 16% 13% 8% 5%OrE 15% 14% 27% 13% 15% 15% 12% 12% 7% 5% Cap. 17: Sistema Urinário R E R E R E R E R EUrografia IntravenosaPiloto em AP e série com marcação de tempo 99% 0% 100% 0% 99% 0% 100% 0% 86% 1%orE e OPO 82% 15% 73% 20% 77% 19% 91% 7% 18% 42%AP, posição ortostática (pós-miccional) 64% 15% 80% 7% 59% 18% 66% 15% 51% 21%PA, posição ortostática (pós-miccional) 12% 14% 20% 7% 15% 18% 7% 12% 7% 6%Nefrograma (com compressão uretérica) 46% 20% 47% 33% 46% 17% 46% 19% 29% 18%Nefrograma (sem compressão) 58% 13% 53% 20% 59% 14% 57% 12% 39% 12%Tomografia 82% 11% 87% 7% 79% 14% 85% 7% 49% 25%CistogramaAP, 10° a 15° caudal 79% 4% 87% 7% 73% 5% 82% 3% 34% 8%OrE e OPO (oblíquas a 45° a 60°) 76% 7% 87% 7% 74% 6% 74% 9% 28% 8%Lateral 49% 17% 67% 20% 53% 15% 41% 19% 22% 7%Cistouretrograma MiccionalOPO masculina (30°) 78% 6% 93% 0% 73% 4% 79% 10% 40% 9%AP feminina 80% 5% 93% 0% 76% 3% 81% 10% 44% 8%Urografia RetrógradaAP simples 84% 5% 80% 7% 83% 4% 85% 6% 46% 4%Pielografia, AP 77% 7% 80% 13% 78% 5% 74% 7% 45% 4%Ureterografia em AP 63% 10% 73% 13% 62% 9% 62% 10% 32% 6% Cap. 18: Mamografia R E R E R E R E R EMamogramaCraniocaudal (CC) 86% 1% 80% 7% 86% 0% 88% 1% 62% 1%Oblíqua médio-lateral (OML) 82% 3% 80% 7% 79% 4% 87% 1% 61% 1%Craniocaudal exageradamente lateral (CCEL) 18% 40% 13% 40% 17% 41% 22% 37% 4% 33%Médio-lateral (ML) 35% 26% 33% 33% 31% 28% 41% 21% 12% 33%Técnica de Ecklund CC e OML (implantes) 20% 38% 13% 40% 23% 37% 19% 40% 14% 26%OML para cauda axilar (AT) 22% 36% 27% 33% 19% 40% 22% 34% 8% 32%CC para clivagem (0/) 15% 36% 13% 40% 13% 42% 18% 26% 3% 29%CC com rolo (RM ou RL) 11% 36% 13% 40% 8% 44% 15% 26% 4% 29%
  11. 11. 794-- apêndice AQuestões Suplementares Porcentagem dos |estados Unidos por região Porcentagem do Total Oeste Meio Oeste Leste CanadáCrânioMastóides e Osso TemporalSim, devem ser incluídos no livro-texto 63% 60% 63% 62% 65%Não, não devem ser incluídos no livro-texto 35% 33% 35% 34% 32%< 12 anualmente 74% 87% 71% 75% 71%12 a 24 anualmente 12% 7% 12% 10% 19%> 24 anualmente 7% 0% 6% 9% 4%Sela TurcaSim, dever ser incluída no livro-texto 44% 53% 40% 46% 49%Não, não deve ser incluída no livro-texto 55% 47% 59% 50% 49%< 12 anualmente 76% 80% 77% 72% 75%12 a 24 anualmente 7% 13% 3% 12% 8%> 24 anualmente 3% 0% 3% 4% 2%Forames (Canais) ÓpticosSim, devem ser incluídos 59% 73% 59% 56% 24%Não, não devem ser incluídos 37% 27% 38% 35% 72%< 12 anualmente 60% 87% 58% 56% 69%12 a 24 anualmente 18% 0% 22% 16% 2%> 24 anualmente 7% 13% 6% 7% 1%Articulações Tempo romandibulares (ATM)Sim, devem ser incluídas 85% 100% 83% 81% 95%Não, não devem ser incluídas 14% 0% 17% 13% 4%< 12 anualmente 49% 53% 50% 49% 29%12 a 24 anualmente 30% 27% 33% 29% 36%> 24 anualmente 15% 20% 8% 18% 31%Vesícula Biliar e Duetos Biliares Colecistograma OralSim, deve ser incluído 59% 67% 60% 56% 29%Não, não deve ser incluído 38% 33% 37% 38% 65%< 12 anualmente 63% 60% 67% 56% 56%12 a 24 anualmente 16% 20% 13% 21% 5%> 24 anualmente 12% 20% 9% 13% 2%Colangiografia OperatóriaSim, deve ser incluída 90% 87% 90% 87% 79%Não, não deve ser incluída 9% 7% 9% 9% 12%< 12 anualmente 16% 20% 12% 18% 31%12 a 24 anualmente 21% 13% 18% 25% 20%> 24 anualmente 54% 47% 56% 53% 28%Colangiografia Trans-hepática Percutânea (CTP)Sim, deve ser incluída 51% 53% 49% 50% 47%Não, não deve ser incluída 47% 40% 49% 46% 36%< 12 anualmente 48% 53% 47% 46% 45%12 a 24 anualmente 17% 7% 18% 18% 7%> 24 anualmente 16% 20% 15% 18% 9%Colangiopancreatografia Endoscópica Retrógrada (CER)Sim, deve ser incluída 91% 87% 94% 87% 75%Não, não deve ser incluída 8% 13% 6% 7% 14%< 12 anualmente 8% 7% 9% 4% 16%12 a 24 anualmente 17% 13% 13% 24% 5%> 24 anualmente 66% 73% 71% 60% 52%
  12. 12. 795-- apêndice AQuestões Suplementares - conto Porcentagem dos |estados Unidos por região Porcentagem do Total Oeste Meio Oeste Leste CanadáColangiografia Pós-operatória com Tubo em TSim, deve ser incluída 85% 93% 87% 78% 70%Não, não deve ser incluída 13% 7% 13% 15% 18%< 12 anualmente 32% 20% 35% 32% 40%12 a 24 anualmente 41% 40% 41% 40% 19%> 24 anualmente 19% 27% 17% 19% 15%Procedimentos Adicionais Defecografia(trato GI inferior)Sim, deve ser incluído 26% 20% 27% 26% 16%Não, não deve ser incluído 71% 80% 69% 69% 69%< 12 anualmente 48% 53% 49% 43% 39%12 a 24 anualmente 8% 13% 5% 10% 1%> 24 anualmente 12% 7% 14% 10% 7%Cistouretrograma Miccional (homem e mulher)Sim, deve ser incluído 92% 100% 91% 88% 85%Não, não deve ser incluído 4% 0% 5% 4% 7%< 12 anualmente 16% 7% 12% 22% 21%12 a 24 anualmente 24% 40% 23% 24% 18%> 24 anualmente 51% 53% 55% 44% 44%PelvimetriaSim, deve ser incluída 16% 0% 17% 18% 15%Não, não deve ser incluída 83% 100% 83% 76% 78%< 12 anualmente 59% 60% 62% 54% 49%12 a 24 anualmente 1% 0% 1% 0% 4%> 24 anualmente 2% 0% 3% 1% 1%HisterossalpingografiaSim, deve ser incluída 93% 87% 94% 91% 81%Não, não deve ser incluída 5% 7% 6% 3% 11%< 12 anualmente 18% 13% 15% 24% 21%12 a 24 anualmente 26% 20% 27% 25% 14%> 24 anualmente 48% 53% 49% 44% 46%SialografiaSim, deve ser incluída 55% 60% 58% 50% 80%Não, não dever ser incluída 43% 33% 41% 46% 13%< 12 anualmente 62% 60% 59% 62% 35%12 a 24 anualmente 18% 13% 21% 16% 29%> 24 anualmente 5% 7% 4% 7% 18%Medições de Ossos Longos (Ortorradiografia)Sim, deve ser incluídas 71% 80% 76% 60% 76%Não, não devem ser incluídas 27% 20% 24% 32% 16%< 12 anualmente 55% 33% 56% 59% 42%12 a 24 anualmente 16% 27% 18% 12% 12%> 24 anualmente 14% 20% 12% 15% 26%Densitometria ÓsseaSim, deve ser incluída 62% 67% 56% 65% 39%Não, não deve ser incluída 33% 20% 40% 28% 36%< 12 anualmente 25% 13% 31% 21% 18%12 a 24 anualmente 9% 7% 6% 12% 1%> 24 anualmente 38% 53% 35% 37% 24%
  13. 13. 796-- APÊNDICE AQuestões Suplementares - conto Porcentagem dos |estados Unidos por região Porcentagem do Total Oeste Meio Oeste Leste CanadáTécnicas de Vempuntura (por técnicos)Sim, devem ser incluídas 92% 93% 97% 84% 59%Não, não devem ser incluídas 6% 7% 0% 12% 29%< 12 anualmente 8% 0% 5% 12% 14%12 a 24 anualmente 4% 7% 3% 3% 4%> 24 anualmente 75% 73% 83% 66% 46%Radiografia Digital e FluoroscopiaSim 85% 93% 87% 79% 75%Nãot 12% 0% 18% 9% 19%Incluídas neste livro-texto de posicionamento.Devem ser incluídas em um livro-texto de ciência radiológica ou de obtenção de imagens, mas não em um livro-texto de posicionamento.
  14. 14. 797- APÊNDICE
  15. 15. 799--APÊNDICE CHAVE DE RESPOSTA: RADIOGRAFIAS PARA CRÍTICASeguem-se as respostas para os erros passíveis de repetição das radiografias críticas no final dos capítulos. (Exercícios críticos maiscompletos, com respostas para essas mesmas radiografias, estão incluídos nos livros de exercícios* para o estudante.)Capítulo 2: Tórax (p. 96) A. Tórax em PA (Fig. C2.97)Erro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas: O ângulo costofrênico esquerdo está cortado. O filme deveria ter sido colocado nosentido transverso para assegurar a inclusão dos ângulos costofrênicos na radiografia.B. Tórax em PA (Fig. C2.98)Erro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas: Um marcador anatômico lateral esquerdo extra está obscurecendo uma porção dopulmão direito. (Um marcador anatômico lateral está presente e colocado corretamente.)C. Tórax lateral (Fig. C2.99)Erro passível de repetição - Critério 2, Posicionamento: Rotação excessiva é evidente pelas costelas posteriores (+ 1/4 de polegada ou 1 cm). Olado direito é anterior (o diafragma direito é discernível devido à associação da bolha gástrica com o hemidiafragma mais baixo [esquerdo]). Omarcador esquerdo não está evidente (pode estar presente, mas não está visível aqui).Observação: Muitos departamentos irão solicitar que a radiografia seja repetida se o marcador anatômico não estiver claramente visível.D. Tórax em PA (Fig. C2.1 00)Erro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas: Existe um artefato no campo pulmonar causado pelo sutiã da paciente. O sutiãtambém acentuou as sombras mamárias no campo pulmonar.E. Tórax lateral (Fig. C2.1 01)Erros passíveis de repetição (dois) - Critério 2, Posicionamento: Rotação está presente. Os ombros estão mais rodados do que os quadris(rotação de 1/2 polegada ou 1,25 cm pode ser medida na radiografia real ao longo das costelas posteriores). Essa radiografia deve ser repetida,mas em alguns departamentos ela pode ser aceitável se esse for o único erro.Critério 4, Critérios de Exposição: Movimento está presente, o que é evidenciado por borramento do diafragma e do campo pulmonar inferior(mais visível na radiografia real).Capítulo 3: Abdome (p. 1 16)A. Abdome em decúbito lateral esquerdo (Fig. (3.48) Erro passível de repetição - Critério 3, Colimação e RC: O diafragma está cortado. Arlivre causado por trauma ou patologia pode estar encarcerado abaixo do diafragma e deveria ser visualizado. O RC está centrado muito baixo (oQSD está cortado), e a colimação não está evidente.B. Abdome em decúbito dorsal em AP (Fig. C3.49)Erro passível de repetição - Critério 3, Colimação e RC: O abdome superior (incluindo os topos dos rins) está cortado. Apesar de o RC estarcentrado corretamente na crista ilíaca, o filme não está centrado em relação ao RC; ele está muito baixo. Colimação lateral desigual eexcessivamente fechada também é evidente.C. Abdome em decúbito dorsal em AP (Fig. C3.50)Erros passíveis de repetição (dois) - Critério 3, Colimação e RC: O abdome superior está cortado porque o RC e o filme estão centrados muitosbaixos. Apenas a colimação inferior é visível, devido à centralização deficiente do RC em relação ao filme.Critério 4, Critérios de Exposição: Movimento está presente (evidenciado por borramento de estruturas abdominais incluindo margens porsombra de gás). Menor tempo de exposição e/ou instruções de respiração mais completas são necessários.D. Abdome em decúbito dorsal em AP (Fig. C3.51)Erro passível de repetição - Critério 3, Colimação e RC: A região da bexiga está cortada. O RC e o filme estão centrados muitos altos, mesmopara um abdome ereto.Capítulo 4: Membro Superior (p. 1 65)A. Mão em PA (Fig. C4.171)Erro passível de repetição - Critério 4, Critérios de Exposição: Os fatores de exposição selecionados são aceitáveis, mas artefatos de listras sãovistos na radiografia (podem ser artefatos de impressão ou um artefato químico resultante do processamento).Observação: Alguma rotação é evidente, mas a maioria dos departamentos não exigirá uma repetição.B. Lateral da mão (Fig. C4.172)Erro passível de repetição - Critério 2, Posicionamento: A mão está rodada medialmente (pronação excessiva da mão na direção do filme). Orádio e a ulna não estão diretamente superpostos, e os metacarpos não estão todos superpostos.** Disponíveis apenas na versão em inglês, diretamente da editora Mosby, Inc.
  16. 16. interconditar). Se o RC não estiver paralelo ao espaço articular800-- APENDICE B patelofemoral, ele estreitará a abertura. (Esse erro pode terObservação: Os marcadores anatômicos não estão evidentes em contribuído para a pouca visibilidade da face posterior da patela.)algumas dessas imagens; eles podem estar visíveis em outros Critério 4, Critérios de Exposição: A radiografia aparecelocais das radiografias mas não estão mostrados nessas cópias subexposta, o que pode ser parcialmente resultado de posiciona-Impressas. mento e ângulo do RC incorretos.C. Oblíqua do cotovelo em AP externo (lateral) (Fig. C4.1 73)Erro passível de repetição - Critério 2, Posicionamento: O braço B. Pé, AP (Fig. C6.147)está insuficientemente rodado lateralmente. A tuberosidade radial Erro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas: Asestá parcialmente sobreposta; o capítulo não está suficientemente porções proximais dos metatarsos e de todos os tarsos estãoalongado e não está em perfil total. (O membro superior tem que totalmente obscurecidas. As articulações rnetatarsofalangianasser rodado mais lateralmente ou externamente.) não estão abertas, e o quarto e quinto metatarsos estãoD. Punho em PA (Fig. C4.17 4) parcialmente sobrepostos. (Compare com a p. 218, Fig. 6.57.)Observação: Isso mostra desvio radial para o lado ulnar dos ossos O erro também pode ser considerado sob o Critério 2,do carpo (o oposto do desvio ulnar para o escafóide). Posicionamento, e sob o Critério 3, Colimação RC A centralizaçãoErro passível de repetição - Critério 3, Colimação e RC: A face da parte está aceitável mas sobreposta, e a anatomia obscurecidalateral do pisiforme está cortada devido a erros de centralização indica que o pé não estava esticado (flexão plantar) o suficiente edo RC e de colimação. estava um pouco rodado para fora. A colimação é evidente, mas oE. Oblíqua da mão em PA (Fig. C4.175) ângulo do RC insuficiente também pode levar à distorção e aoErro passível de repetição - Critério 4, Critérios de Exposição: A fechamento dos espaços articulares e ao obscurecimento dasmão está subexposta. (O tecido mole está muito evidente, e as porções proximais dos metatarsos e tarsos.marcações trabeculares dos ossos não estão visíveis.)F. lateral do cotovelo (Fig. C4.176) C. Lateral (perfil) do tornozelo (Fig. C6.148)Erro passível de repetição - Critério 2, Posicionamento: O cotovelo Erro passível de repetição - Critério 2, Posicionamento: A rotaçãoestá hiperfletido (além de 90°) e não em posição lateral da porção anterior do pé na direção do filme é excessiva (hiper-verdadeira; há uma distância excessiva entre as partes dos rotação).círculos concêntricos 1 e 2, e o espaço da incisura troclear não O erro também pode ser considerado sob o Critério 1, Estruturasestá aberto. (Compare com as Figs. 4.135 e 4.136.) Mostradas, porque o tubérculo anterior está obscurecido e o espaço articular entre a tíbia e o talo não está aberto (compareCapítulo 5: Porção proximal do Úmero e Cintura com a incidência lateral do tornozelo com posicionamento correto,Escapular (p. 194) A. Clavícula em AP (Fig. C5.86) Fig. 6.88, p. 227).Erro passível de repetição - Critério 2, Posicionamento: O corpoestá rodado para a direita, superpondo o final do esterno sobre a D. Joelho em AP (Fig. C6.149)coluna. Isso cria uma distorção geral da clavícula e das Erro passível de repetição - Critério 3, Colimação e RC: O ânguloarticulações associadas. O RC e o filme também estão do RC incorreto levou a estreitamento e fechamento do espaçocentralizados muitos baixos, criando distorção adicional. articular. (Esse pode não ser um erro passível de repetição emB. Axial do ombro em oblíqua apical em AP (método de Garth) alguns departamentos, dependendo do protocolo departamental e(Fig. C5.87) de outros fatores.)Erros passíveis de repetição (dois) - Critério 1, Estruturas Mostra-das: Toda a anatomia pertinente é demonstrada, mas gravemente E.- Lateral do joelho (Fig. C6.1 50)distorcida devido a um ângulo excessivo do Rc. Erro passível de repetição - Critério 2, Posicionamento: Observe aCritério 3, Colimação e RC: A angulação excessiva do RC levou à aparência do tubérculo do adutor, que identifica o côndilo medialdistorção da anatomia (veja p. 187 para a aparência correta dessa como sendo mais posterior. A rotação excessiva para longe doprojeção). DFO excessiva pode também ter contribuído para essa filme é evidente, juntamente com a hiperflexão do joelho.distorção. O erro também poderia ser considerado sob o Critério 1, Estruturas Mostradas. Toda a anatomia pertinente está incluída,C. Escápula em AP (Fig. C5.88) mas a articulação femoropatelar não está aberta, e a patela estáErros passíveis de repetição (dois) - Critério 1, Estruturas Mostra- superposta sobre o côndilo lateral como resultado de rotação.das: A margem inferior da escápula está cortada. O erro passívelde repetição também poderia ser considerado sob os Critérios 4 F.- Lateral do joelho (Fig. C6.1 51)ou 3. Erro passível de repetição - Critério 2, Posicionamento: A rotaçãoCritério 4, Critérios de Exposição: A escápula está subexposta. na direção do filme é excessiva. A hiper-rotação é evidente,Critério 3, Colimação e RC: o RC e o filme têm que estar observando-se que o contorno do tubérculo do adutor no côndilocentrados mais baixo para incluir toda a escápula. mediai encontra-se anterior ao côndilo lateral. Capítulo 7: Porção Proximal do Fêmur eD. Ombro e úmero proximal em AP (Fig. C5.89) (projeção em Cintura Pélvica (p. 272)AP, rotação externa) A. Pelve em AP (Fig. 0.76)Erro passível de repetição - Critério 3, Colimação e RC: A maioria Erro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas:da cintura escapular está cortada e não está demonstrada. A Ambas as mãos do paciente estão sobrepostas sobre os quadris,colimação só é evidente em um lado, indicando centralização obscuendo detalhes do quadril. (Observe o relógio de pulso noincorreta. O RC e a centralização do filme estão muito afastados punho esquerdo.)para a lateral.Capítulo 6: Membro Inferior (p. 245)A. Tangencial bilateral da patela (Fig. C6.146)Erro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas: Umaporção de cada patela está sobreposta sobre o sulco intercondilardo fêmur. O erro pode ser considerado sob os Critérios 2 e 3,Posicionamento e Colimação e RC Flexão excessiva do joelhomais provavelmente levou à sobreposição da patela sobre o fêmur(a hiperflexão do membro inferior trará a patela para o sulco
  17. 17. 801-- APÊNDICE B têm que estar abaixados. O RC e o filme estão centrados muito baixo, o que levou a coluna cervical superior a ser cortada.B. Perna de rã unilateral (Fig. 0.77)Erro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas: A F. Posição lateral (sem trauma) (Fig. C8.96)parte distal da prótese ortopédica está cortada. Ela precisa ser Erro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas:vista em sua totalidade. Apenas seis vértebras cervicais são demonstradas. C7 está totalmente sobreposta pelos ombros.C. pelve em AP (Fig. 0.78)Erro passível de repetição - Critério 2, Posicionamento: Rotação Capítulo 9: Coluna Lombar, Sacro e Cóccix (p. 333) A. Lateralda pelve para a direita (observe o alongamento do ilíaco direito). da coluna lombar (Fig. C9.80)Os trocanteres menores estão visíveis, e os colos femorais estão Erro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas: Osfortemente compactados, indicando que as pernas não foram ro- elementos posteriores da coluna lombar superior estão cortados.dadas internamente para uma projeção em AP verdadeira. O erro também poderia ser considerado sob o Critério 2,(Observe que a radiografia está posicionada incorretamente para Posicionamento, ou sob o Critério 3, Colimação e Rc. O pacientevisualização: a direita do paciente deveria estar à esquerda do está centrado muito distante posteriormente, e a centralização doexaminador.) RC e do filme está muito anterior, levando ao corte dos elementos posteriores.D. Perna de rã bilateral (Fig. 0.79)Erro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas: O B. Coluna lombar em AP (Fig. C9.81)quadril esquerdo (considere que este seja o lado esquerdo, Erros passíveis de repetição (dois) - Critério 1, Estruturas Mostra-embora o marcador lateral não esteja visível) está obscurecido por das: Artefatos metálicos obscurecem partes da coluna lombar.artefato (a mão do paciente está sobreposta). (Observe que o Critério 4, Critérios de Exposição: A radiografia está hiperexpostaescudo gonadal também foi mal colocado.) c. lateral de L5-S1 (Fig. C9.82)Capítulo 8: Coluna Cervical e Torácica (p. 306) A. AP com a Erros passíveis de repetição (dois) - Critério 3, Colimação e RC: Oboca aberta (Fig. C8.91) espaço articular L5-S 1 não está aberto. É necessário suporteErro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas: A para a cintura ou ângulo caudal do Rc.face superior do processo odontóide está obscurecida pela base Critério 4, Critérios de Exposição: A região do espaço articular L5-do crânio. O erro também pode ser considerado sob o Critério 2, S 1 está subexposta.Posicionamento, que mostra que a hiperextensão do crânio colocaa base do crânio sobre o processo odontóide. D. Oblíqua da coluna lombar (Fig. C9.83) Erros passíveis de repetição (dois) - Critério 1, Estruturas Mostra-B. AP com a boca aberta (Fig. C8.92) das: Os elementos posteriores da coluna lombar superior estãoErro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas: A cortados.face superior do processo odontóide e os espaços articulares Critério 2, Posicionamento: A face superior da coluna lombar estáestão obscurecidos pelos incisivos frontais. excessivamente oblíqua (os olhos do "cachorro terrier",O erro pode ser considerado sob o Critério 2, Posicionamento. representando os pedículos, estão muito afastados posteriormenteObserva-se que a hiperflexão do crânio sobrepõe os incisivos e não estão centrados em relação ao corpo).sobre o topo do processo odontóide. E. oblíqua da coluna lombar (Fig. C9.84)C. Projeção axial em AP (Fig. C8.93) Erro passível de repetição - Critério 2, Posicionamento: A colunaErro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas: Os lombar está pouco oblíqua (os pedículos, ou "olhos do cachorrocorpos vertebrais e os espaços articulares intervertebrais estão terrier", estão muito afastados anteriormente).distorcidos. A base do crânio está superposta sobre a colunacervical superior. Capítulo 1 O: Arcabouço Torácico, Esterno e Costelas (p. 352)O erro também pode ser considerado sob o Critério 2, A. Costelas acima do diafragma (Fig. ClO.43)Posicionamento. A hiperextensão do crânio e/ou o ângulo cefálico Não há respostas para essa misteriosa radiografia. (Veja livro deexcessivo do RC provavelmente levaram a uma má definição dos exercícios,* p. 222, para explicações.)corpos vertebrais e dos espaços articulares. B. Oblíqua do esterno (Fig. C10.44)D. Posição oblíqua (Fig. C8.94) Erro passível de repetição - Critério 2, Posicionamento: O esternoErro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas: Os está excessivamente oblíquo. O esterno está muito afastado daespaços articulares e os forames intervertebrais não estão coluna (rodado além da sombra cardíaca). O esterno está tambémclaramente demonstrados. A mandíbula está superposta sobre a distorcido.coluna cervical superior.O erro também pode ser considerado sob o Critério 2, *Disponível apenas na versão em inglês, diretamente da editoraPosicionamento. O corpo parece estar sub-rodado (a aparência do Mosby, Inc.gradil costa I superior sugere sub-rotação, em vez de hiper-rotação). Esse erro levou ao estreitamento e ao obscurecimentodos forames intervertebrais.A angulação incorreta ou insuficiente do RC (aparênciacompactada da coluna cervical) também pode ter levado aofechamento dos espaços discais.E. Posição lateral (de trauma) (Fig. C8.95)Erro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas:Partes de C1 e do processo odontóide estão cortadas. 0-T1 não évisto.O erro também poderia ser considerado sob o Critério 2,Posicionamento, e sob o Critério 3, Colimação e Rc. Os ombros
  18. 18. 802-- APENDICE B pouco contraste radiográfico. (Isso também pode ser causado por "velamento" ou outros problemas de processamento.)C. Costelas abaixo do diafragma (Fig. ClO.45)Erro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas: As B. Mandíbula em SMV (C12.1 08)costelas inferiores direitas estão cortadas. Além disso, apenas os Erro passível de repetição - Critério 2, Posicionamento: O crâniotrês pares de costelas inferiores estão demonstrados, indicando está subestendido e/ou o ângulo do RC está incorreto. (A LIaMque o diafragma está muito baixo devido a pouca expiração. (O não estava paralela ao filme e não estava perpendicular ao RC) Afilme deveria ter sido colocado horizontalmente para evitar o corte mandíbula está compactada, e os ramos estão projetados no ossodas margens laterais das costelas.) temporal.D. Lateral do esterno (Fig. C1 0.46) C. Forames ópticos, método de Rhese (C12.1 09)Erro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas: A Erro passível de repetição - Critério 2, Posicionamento: a crânioporção inferior do esterno está cortada. está rodado excessivamente na direção de uma PA. a crânio estáa erro também poderia ser considerado sob o Critério 3, rodado mais de 53° da posição lateral. Isso levou o forame ópticoColimação e RC O RC e o filme estão centralizados muito alto, a ser projetado para a face médio-inferior da órbita. (Veja Fig.levando ao corte do esterno inferior. 12.72, p. 403, para radiografias parieto-orbitárias pelo método de Rhese corretamente posicionadas, com os forames ópticosCapítulo 11: Crânio e Ossos do projetados nos quadrantes inferiores externos das órbitas.)Crânio (p. 378)A. Lateral (Fig. C11.62) D. Forames ópticos, método de Rhese (C12.11O)Erros passíveis de repetição (dois) - Critério 1, Estruturas Mostra- Erro passível de repetição - Critério 2, Posicionamento: a crâniodas: Corpos estranhos (brincos) obscurecem anatomia essencial. parece estar superestendido. (A LAM não estava perpendicular.)Critério 4, Critérios de Exposição: Na maioria dos departamentos, Isso projeta os forames ópticos dentro da estrutura do bordo infra-esse estaria suficientemente subexposta para ser passível de orbitário. O crânio também parece estar sub-rodado, na direção derepetição. uma posição lateral.B. Lateral do crânio (Fig. C11.63) E. lateral dos ossos da face (C12.111)Erro passível de repetição - Critério 2, Posicionamento: O crânio Erro passível de repetição - Critério 2, Posicionamento: O crânioestá inclinado e rodado. (Observe a separação das placas está rodado. (Observe a separação dos ramos da mandíbula, dasorbitárias a partir da inclinação e separação das asas maiores do asas maiores do esfenóide e das órbitas.)esfenóide, dos ramos da mandíbula e dos MAE, todas indicandorotação.) O vértice do crânio também parece estar apenas Capítulo 13: Seios paranasais, Mastóides e Osso Temporal (p.ligeiramente cortado (região de trauma craniano), indicando um 440)erro de colimação e RC A. Acantioparietal transoral (Waters com a boca aberta) (C13.66)C. Axial em AP (Towne) (C 11.64) Erro passível de repetição - Critério 2, Posicionamento: O crânioErro passível de repetição - Critério 3, Colimação e RC: A está subestendido (o queixo não está elevado o suficiente),angulação do RC está excessiva. O arco anterior de C 1 (em vez levando as cristas petrosas a serem projetadas na face inferiordo dorso da sela) está projetado para o interior do forame magno. dos seios maxilares. A base do crânio está superposta sobre o seio esfenóide.D. Crânio em AP (Fig. C11.65)Observação: Essa é uma projeção em AP, como é evidente pelo B. Acantioparietal (Waters) (C13.67)grande tamanho das órbitas resultante de ampliação causada pelo Erro passível de repetição - Critério 2, Posicionamento: O crânioaumento da DFO (compare com a radiografia na Fig. C11.66). está subestendido e intensamente rodado. Isso resulta naErros passíveis de repetição - Critério 2, Posicionamento, ou projeção das cristas petrosas na face inferior dos seios maxilares.Critério 3, Colimação e RC: As cristas petrosas não estão Os artefatos parecem ser grampos para cabelos ou clipesprojetadas no terço inferior das órbitas. É necessária mais flexão externos.do pescoço ou menos angulação do RC O crânio também estáligeiramente rodado (observe a distância entre as órbitas e as C. Seios em submentovértice (SMV) (C13.68)margens laterais do crânio). Erros passíveis de repetição (dois) - Critério 2, Posicionamento: O crânio está excessivamente subestendido e inclinado (e tambémE. Crânio em PA (Fig. C 11.66) com alguma rotação).Essa é uma projeção de Caldwell em PA a 15°. Critério 3, Colimação e RC: A colimação estaria adequada se aErro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas: O centralização tivesse sido correta. A centralização do RC está foramarcador de identificação do paciente e o marcador lateral estão lateralmente, o que levou a anatomia a ser cortada. A mandíbulaobscurecendo o crânio. está superposta sobre os seios.Esse erro também poderia ser considerado sob o Critério 5,Marcadores. O marcador lateral anatômico está evidente mas co- D. Seios da face em submentovértice (SMV) (C13.69) Errolocado sobre o crânio; o marcador de identificação do paciente passível de repetição - Critério 2, Posicionamento: O crânio estáestá sobre o crânio direito. Ambos (Critérios 1 e 5) são erros subestendido e ligeiramente rodado para a direita. Os brincos nãopassíveis de repetição. foram removidos.Capítulo 12: Ossos da Face (p. 413) A. Waters em PA Capítulo 18: Mamografia (p. 591)(C12.107) A. Projeção CC (Fig. C18.35)Erros passíveis de repetição (dois) - Critério 2, Posicionamento: a Erro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas:crânio está subestendido, o que levou as cristas petrosas a serem Pregas de tecido gorduroso se superpõem ao tecido mamário.projetadas nos seios maxilares inferiores. O crânio também estárodado.Critério 4, Critérios de Exposição: A região dos ossos da faceparece estar hiperexposta e subdesenvolvida, resultando em
  19. 19. 803-- APENDICE BB. Projeção MLO (Fig. C18.36)Erro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas: A musculatura pertinente não é vista em todo o trajeto até o nível dos mamilos, e otecido externo não está comprimido. A parte inferior da mama não foi suficientemente afastada da parede torácica para o filme.C. Projeção CC (Fig. C18.37)Erro passível de repetição - Critério 2, Posicionamento: Parte da mama póstero-Iateral está cortada. A mama póstero-medial também não estáincluída, e o ombro está superposto sobre o tecido póstero-Iateral.D. Projeção MLO (Fig. C18.38)Erro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas: A mama póstero-medial está cortada, e nenhum músculo peitoral está visível. Amama não foi afastada da parede torácica. (As pintas brancas são cálcio, e não artefatos de poeira.)E. projeção CC (Fig. C18.39)Erro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas: Está presente movimento, o que oblitera todos os detalhes.F. Projeção CC (Fig. C 1 8.40)Erro passível de repetição - Critério 1, Estruturas Mostradas: Artefatos de cabelo são evidentes no tecido mamário posterior, o que obscurece osdetalhes do tecido mamário.

×