O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Farmacologia aula-1

Aula sobre farmacologia básica para o ensino Técnico de enfermagem.

  • Seja o primeiro a comentar

Farmacologia aula-1

  1. 1. Docente : Enfª Renata Marinho 2013 1ª AULA
  2. 2. Capacidade de administrar medicamentos; Habilidade altamente técnica, não apenas prestação de “serviço”; Sólido conhecimento da terminologia medicamentosa, vias de administração e os efeitos causados pelas susbstâncias; Enfª Renata Marinho
  3. 3.  Um é o nome químico – descreve a estrutura atômica e molecular da substância;  Segundo é o nome genérico que é selecionado no Brasil pelo Ministério da Saúde*, que é uma versão mais curta e mais simples do nome químico da substância.  O terceiro nome do medicamento é o seu nome comercial, que é o nome próprio pelo qual a companhia do medicamento o vende. Medicamentos que compartilham características similares são agrupadas em conjunto nas classes(ou famílias); *Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA); * *No Estados Unidos: U.S Adopted Names Council; Enfª Renata Marinho
  4. 4. Enfª Renata Marinho
  5. 5.  Classe dos betabloqueadores*: Ex: Propranolol;  Classes terapêuticas: Ex: Os diuréticos tiazídicos e os betabloqueadores ambos são anti-hipertensivos; *Denominação de um grupo de medicamentos que atua bloqueando os receptores do tipo beta: no coração ocorre diminuição do débito cardíaco e da frequência de batimentos, e nos pulmões, o principal efeito é a bronco constrição. Enfª Renata Marinho
  6. 6. Enfª Renata Marinho
  7. 7.  O sistema de classificação de fármacos mais poderoso e mais útil é uma solução de compromisso – Sistema ATC (Anatómico – Terapêutico – Químico).  Divide os fármacos em 14 grupos, consoante o sistema sobre o qual atuam: A (alimentar), B (sangue e órgãos produtores de sangue, etc. Enfª Renata Marinho
  8. 8. Enfª Renata Marinho
  9. 9. Enfª Renata Marinho
  10. 10.  Por que?  MELHORAR SUA QUALIDADE DE VIDA  ALIVIAR OU SE POSSÍVEL ABOLIR A DOR  PROLONGAR A VIDA  ...  1. Nem sempre logram o resultado desejado  2. Muitas vezes só alcançam o alívio ou consolo do paciente  3. Do ponto de vista histórico existem relatos muito antigos sobre o uso de drogas no tratamento de enfermidades; Enfª Renata Marinho
  11. 11. Enfª Renata Marinho
  12. 12.  DO GREGO: pharmakos = droga; e logos = estudo ESTUDA-SE O EFEITO DOS FÁRMACOS E COMO ELES AGEM NOS SISTEMA BIOLÓGICO Enfª Renata Marinho
  13. 13.  Fármaco: substância de estrutura química definida que quando em um sistema biológico, modifica uma ou mais funções fisiológicas.  Droga: matéria-prima de origem mineral, vegetal ou animal que contém um ou mais fármacos. Enfª Renata Marinho
  14. 14. Farmacologia FarmacodinâmicaFarmacodinâmica FarmacocínéticaFarmacocínética Enfª Renata Marinho
  15. 15. FARMACOCINÉTICA: Absorção, Distribuição, Metabolismo e Excreção dos fármacos no organismo; FARMACODINÂMICA: Estuda os efeitos fisiológicos, bioquímicos e mecanismo de ação dos fármacos; Enfª Renata Marinho
  16. 16.  DOSE: é a quantidade de droga administrada  BIODISPONIBILIDADE: é a fração de um fármaco administrado que é levado à circulação sistêmica  BIOEQUIVALÊNCIA: quando um fármaco pode ser substituído por outro sem consequências clínicas adversas. Enfª Renata Marinho
  17. 17.  TEMPO 1/2 VIDA: é o tempo necessário para que a concentração plasmática do fármaco chegue em 50 %. É utilizado para o cálculo da posologia.  ESTADO DE EQUILIBRIO ESTÁVEL: indica quando o fármaco atinge a concentração terapêutica. Enfª Renata Marinho
  18. 18. Atua sobre proteínas-alvo:  Enzimas  Transportadores  Canais de ions  Receptores
  19. 19. Enfª Renata Marinho
  20. 20.  Especificidade: Recíproca entre substâncias e ligantes. Substrato se liga somente em determinados alvos e os alvos só reconhecem determinada substância.  Nenhum fármaco é totalmente específico: o aumento da dose faz com que ele atue em outros alvos diferentes provocando efeitos colaterais. Enfª Renata Marinho
  21. 21. Interação Fármaco – Receptor: A tendência de um fármaco se ligar a um receptor é determinada pela sua afinidade, enquanto a tendência, uma vez ligada. De ativar o receptor é indicada pela sua eficácia; Enfª Renata Marinho
  22. 22.  Um receptor de superfície celular tem uma configuração que permite a uma substância química específica se ligar ao receptor um medicamento, hormônio ou neurotransmissor Exemplo: Digitalíco é uma droga administrada a pessoas com insuficiência cardíaca, atua principalmente no coração para aumentar sua eficiência de bombeamento.
  23. 23.  A resposta está em como elas interagem com as células ou com substâncias como as enzimas.
  24. 24.  VEÍCULO FARMACOLÓGICO: meio em que a droga se encontra dispersa; Ex: qsp;  FORMA FARMACÊUTICA: forma como a droga se apresenta para uso; Exemplos: • COMPRIMIDOS • CÁPSULAS • DRÁGEAS • INJETÁVEIS • LÍQUIDOS • POMADAS OU CREMES Enfª Renata Marinho
  25. 25. Droga A agonista Ocupação regulada pela afinidade R AR+ Ativação regulada pela eficácia AR Resposta Droga B antagonista + R AR AR Nenhuma resposta Enfª Renata Marinho
  26. 26. Enfª Renata Marinho
  27. 27.  Antagonismo químico: duas substâncias se combinam em solução , perdendo-se o efeito do fármaco ativo. Ex: Uso de agentes quelantes (dimercaprol) que se ligam a metais pesados reduzindo sua toxicidade; Enfª Renata Marinho
  28. 28.  DIMERCAPROL Apresentação: sol. inj. cx. c/ 5 amp. de 1 mL. Cada ampola contém: Dimercaprol .. 100 mg Veículo q.s.p. .. 1 ampola Está indicado no tratamento de intoxicações por arsênico, ouro e mercúrio. Em intoxicações agudas por sais de mercúrio, o tratamento é mais eficaz quando iniciado dentro de 1 a 2 horas após a intoxicação; sua eficácia cessa em aproximadamente 6 horas. Também está indicado no tratamento de intoxicações por chumbo quando utilizado em conjunto com edetato dissódico de cálcio. Enfª Renata Marinho
  29. 29. Farmacocinética: Estuda quantitativamente a cronologia dos processos metabólicos da absorção, distribuição, biotransformação e eliminação. Absorção Distribuição Biotransformação ou metabolismo Excreção
  30. 30.  O corpo pode armazenar uma substância no tecido adiposo, no osso ou na pele. Usando o sangue como compartimento, ele pode transferir uma substância para o feto ou por meio da barreira hematencefálica.
  31. 31.  Antes que possa atuar sobre o corpo, um medicamento deve ser absorvido pela corrente sanguinea. Uma boa absorção do medicamento pelo corpo do paciente depende de inúmeros fatores:  Propriedades físico-químicas;  Sua formulação;  Via de administração;  Diversas características do paciente;
  32. 32.  Na corrente sanguínea o medicamento é distribuído para os tecidos e líquidos corporais através do sistema circulatório.  Pense no corpo como um sistema de compartimentos:  O corpo é um sistema de compartimentos fisiológicos definido pelo fluxo sanguíneo.  A corrente sanguínea e os órgãos altamente perfundidos: cérebro, fígado, coração e rins- costituem compartimento central;
  33. 33.  Áreas menos perfundidas formam o compartimento periférico, que é subdividido em compartimento tecidual - vísceras, músculo e pele;  Compartimento profundo - tecido adiposo e osso;
  34. 34.  Muitos medicamentos são metabolizados no fígado e excretados pelos rins;  A velocidade à qual um medicamento é metabolizado varia de indivíduo para indivíduo;  O metabolismo do medicamento pode ser mais rápido em fumantes do que em pacientes não-fumantes, porque a fumaça do cigarro contém substâncias que induzem a produção de enzimas hepáticas;  Algumas medicações, como a digoxina e a gentamicina são eliminadas quase inalteradas pelos rins;
  35. 35.  O termo tolerância refere-se a uma resposta diminuída do paciente e dose repitida do paciente;  O termo dependência está relacionado com a necessidade física ou psicológica de um medicamento pelo paciente;
  36. 36.  Muitos aspectos práticos da administração de substâncias influenciam na eficácia da terapia prescrita. Eles incluem a forma do medicamento, a via de administração, a regulação temporal da administração e o armazenamento apropriado.
  37. 37.  Apresentação do medicamento – Forma que vai ser administrada: comprimidos, cápsulas, líquidos. Faz diferença?  Armazenamento do medicamento – Muitos medicamentos devem ser armazenados em recipientes hermeticamente lacrados e protegidos da luz solar direta e de extremas temperaturas e umidades.
  38. 38.  Inúmeros profissionais de saúde distintos podem e tem permissão legal para prescrever, distribuir e administrar medicamentos.  Frequentemente os médicos prescrevem os medicamentos, os farmacêuticos os distribuem e a enfermagem os administra.
  39. 39.  Em ambiente ambulatorial – procedimento simples para o cliente;  Em ambiente hospitalar – é mais complexo devido a quantidade de medicações prescritas pelo médico e os diversos tipos de prescrições;
  40. 40.  Certificar-se de que dispõe de todos os subsídios para que se cumpra as prescrições, são requisitos importantes para a administração dos medicamentos.  Os 5 certos:
  41. 41.  Compare sempre o nome da substância prescrita com o nome impresso no rótulo do frasco. Gaste um tempo e faça isso com cuidados, substâncias cujo nome exibe som e grafia semelhantes podem apresentar indicações e efeitos diferentes.  Exemplo: Furacin (nitrofurazona) e Furazin (furozemida);  A forma como o medicamento está acondicionado na embalagem, pode gerar dúvidas. Verifique o medicamento sempre quando tirá-lo da gaveta ou pegar em algum recipiente com identificação.
  42. 42.  Quando utilizamos um medicamento com a dose exata para ser administrada, o risco de doses erradas praticamente não existe.  Muitos medicamentos comercialmente estão disponíveis em inúmeros tamanhos de comprimidos, diminuindo a quantidade de cálculos que você precisa fazer para determinar a dosagem.
  43. 43.  Existem algumas prescrições que exigem cálculos, nesse caso certifique-se com outro profissional de enfermagem a dosagem, principalmente se o cliente for uma criança.  A dosagem deve ser a prescrita pelo médico, nunca deve ser alterada pela enfermagem. O médico é responsável pela prescrição;  Exemplo: Um médico prescreve 75mg de meperidina para algia no pós-operatório. Você administra o medicamento depois da cirurgia, mas o paciente relata ainda dor intensa. Sua conclusão pode ser que 75mg não são suficientes, e que 100mg provavelmente resolveriam o problema. Mas isso não autoriza você a mudar a dose.
  44. 44.  Para diminuir o risco de medicamentos, jamais pressuponha que o paciente que está em um determinado leito é, na verdade, aquele cujo nome está afixado no leito.  Confira o nome do paciente com o nome da pulseira que o paciente estiver usando.(alguns hospitais)  Peça o paciente que lhe diga o seu nome. Caso tenha outro paciente com o mesmo nome, peça para ele falar seu nome completo;
  45. 45.  As considerações que tornam o tempo de administração o horário “certo” podem ser terapêuticas, práticas ou ambas para fins terapêuticos, o horário certo é aquele que mantém corretamente o nível da substância na corrente sanguínea do paciente, de modo que ele não se eleve nem diminua muito.  Importante manter um horário padronizado, mantendo assim um ritmo da administração do fármaco diariamente;
  46. 46.  Sempre dê cuidados e atenção à via de administração especificada na prescrição do medicamento e no rótulo do produto. Assim, também certifique- se de que a forma prescrita do medicamento seja apropriada par a via pretendida.
  47. 47.  Trocas de nomes de medicamentos;  Rótulos semelhantes nos fármacos;  Trocas dos nomes dos pacientes;  Compreensão errada da prescrição;  Medicamentos que não podem ser administrados pela via prescrita;  Armazenamento incorreto do fármaco;
  48. 48.  Cabral. Ivone Evangelista – Administração de Medicamentos – Reichmann & Affonso Editores- 2002. 
  49. 49. “Não se pode ensinar alguma coisa a um homem; Apenas ajudá-lo a encontrá-lo dentro de si mesmo.” Galileu Galilei

    Seja o primeiro a comentar

    Entre para ver os comentários

  • LucianaMenezes36

    Aug. 14, 2019
  • EstrelaRose

    Aug. 30, 2019
  • LuanaSilva425

    Oct. 2, 2019
  • MillySantos8

    Oct. 29, 2019
  • LucySilva40

    Nov. 3, 2019
  • CarolinaBatista31

    Dec. 12, 2019
  • MariaAlderete3

    Dec. 16, 2019
  • MaiaraAlmeida17

    Jan. 5, 2020
  • FernandaSoares219

    Jan. 15, 2020
  • MatheusCosta294

    Jan. 26, 2020
  • AntnioCarvalho83

    Jan. 31, 2020
  • TarssoSilva

    Feb. 11, 2020
  • bjlanhouse

    Feb. 29, 2020
  • JeanBarbosa24

    Feb. 29, 2020
  • OtvioMachado6

    Mar. 25, 2020
  • MonicaDeSouzaMonica

    Apr. 30, 2020
  • TarssoAraujo

    May. 25, 2020
  • EuzeniaSantos

    Jul. 24, 2020
  • MoniqueKelly8

    Aug. 6, 2020
  • diannecampos9

    Jul. 10, 2021

Aula sobre farmacologia básica para o ensino Técnico de enfermagem.

Vistos

Vistos totais

16.482

No Slideshare

0

De incorporações

0

Número de incorporações

4

Ações

Baixados

504

Compartilhados

0

Comentários

0

Curtir

48

×