Introdução ao Linux - aula 05

321 visualizações

Publicada em

Aula 05 do minicurso de Introdução ao Linux, realizado pela Casa da Ciência de Campo Grande, na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
321
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Cada arquivo deve ser identificado por um nome, assim ele pode ser encontrado facilmente quando desejar usa-lo. Se estiver fazendo um trabalho de história, nada melhor que salva-lo com o nome historia. Um arquivo pode ser binário ou texto (para detalhes veja ‘Arquivo texto e binário’ on page 25). O GNU/Linux é Case Sensitive ou seja, ele diferencia letras maiúsculas e minúsculas nos arquivos. O arquivo historia é completamente diferente de Historia. Esta regra também é válido para os comandos e diretórios. Prefira, sempre que possível, usar letras minúsculas para identificar seus arquivos, pois quase todos os comandos do sistema estão em minúsculas.
  • A extensão serve para identificar o tipo do arquivo. A extensão são as letras após um “.” no
    nome de um arquivo, explicando melhor:
    • relatório.txt - O .txt indica que o conteúdo é um arquivo texto.
    • script.sh - Arquivo de Script (interpretado por /bin/sh).
    • system.log - Registro de algum programa no sistema.
    • arquivo.gz - Arquivo compactado pelo utilitário gzip.
    • index.html - Página de Internet (formato Hypertexto).
    A extensão de um arquivo também ajuda a saber o que precisamos fazer para abri-lo. Por ex-
    emplo, o arquivo relatório.txt é um texto simples e podemos ver seu conteúdo através do
    comando ‘cat’ on page 65, já o arquivo index.html contém uma página de Internet e precis-
    aremos de um navegador para poder visualiza-lo (como o lynx, Firefox ou o Konqueror).
    A extensão (na maioria dos casos) não é requerida pelo sistema operacional GNU/Linux, mas
    é conveniente o seu uso para determinarmos facilmente o tipo de arquivo e que programa
    precisaremos usar para abri-lo.
  • Cada arquivo deve ser identificado por um nome, assim ele pode ser encontrado facilmente quando desejar usa-lo. Se estiver fazendo um trabalho de história, nada melhor que salva-lo com o nome historia. Um arquivo pode ser binário ou texto (para detalhes veja ‘Arquivo texto e binário’ on page 25). O GNU/Linux é Case Sensitive ou seja, ele diferencia letras maiúsculas e minúsculas nos arquivos. O arquivo historia é completamente diferente de Historia. Esta regra também é válido para os comandos e diretórios. Prefira, sempre que possível, usar letras minúsculas para identificar seus arquivos, pois quase todos os comandos do sistema estão em minúsculas.
  • Introdução ao Linux - aula 05

    1. 1. Introdução aoIntrodução ao LinuxLinux
    2. 2. Renan Aryel Fernandes da Silva Graduando em Engenharia Elétrica pela UFMS e monitor nos projetos de extensão Telecentro da Casa da Ciência e Clube de Astronomia Carl Sagan. Sempre atuando na área de divulgação cientifica. Usuário de sistemas operacionais baseados em GNU/Linux. ● E-mail: renan.aryel@gmail.com ● (67) 9211-5340 Claro ● (67) 9943-5010 Vivo
    3. 3. ● Instalação do GNU/Linux;Instalação do GNU/Linux; ● Gerenciador de Boot;Gerenciador de Boot; ● Maquina virtual;Maquina virtual; ● Instalação via pendrive.Instalação via pendrive.
    4. 4. Swap (Área de troca)Swap (Área de troca) Memória virtual que funciona como extensão da memória RAM; Definida na instalação do sistema; Usuários especiais (edição gráfica): ● tamanho da RAM + 2GB Ex: para 4GB de RAM → 6GB de Swap Usuários normais: ● Swap = RAM, até memória de 2GB; ● Swap = 1GB para quem tem RAM > 2GB.
    5. 5. Administrando a SwapAdministrando a Swap ● Predisposição de uso; ● Verificar valor atual: → cat /proc/sys/vm/swappiness ● Arquivo de configuração: /etc/sysctl.conf → nano /etc/sysctl.conf → gedit /etc/sysctl.conf ● Linha de configuração: vm.swappiness = XX onde no lugar de XX coloca-se o valor desejado. ● → reiniciar PC.
    6. 6. Sistemas 32 e 64 bitsSistemas 32 e 64 bits Capacidade de processamento.
    7. 7. Sistema de ArquivosSistema de Arquivos Forma de organização de dados no HD; O S.O. sabendo interpretar o sistema de arquivos de uma partição ou disco pode decodificar, ler ou gravar dados nela. GNU/Linux: Ext2, Ext3 e Ext4 Windows: Fat16, Fat32 e NTFS vfat = Fat32
    8. 8. Maquina VirtualMaquina Virtual ● Rodar um sistema dentro de outro; ● Discos virtuais VDI e VHD; Instalação do VirtualBox → apt-get install virtualbox-qt
    9. 9. Live CDLive CD ● Testar o sistema sem fazer qualquer alteração no computador; ● Salvar arquivos de um sistema corrompido; Corrigir falha no gerenciador de boot GRUB.
    10. 10. InstalaçãoInstalação
    11. 11. ParticionamentoParticionamento PC: HD de 150 GB, RAM de 4 GB → 1 GB = swap → 20 GB, ext4 = Sistema Linux ” / ” → 129 GB, ext4 = Partição dos usuários ”home” PC: HD de 150 GB, RAM de 2 GB → 2 GB = swap → 20 GB, ext4 = Sistema Linux ” / ” → 128 GB, ext4 = Partição dos usuários ”home”
    12. 12. Linux junto c/ WindowsLinux junto c/ Windows PC: HD de 150 GB, RAM de 4 GB → 1 GB = swap → 20 GB, ext4 = Sistema Linux ” / ” → 109 GB, ntfs = Arquivos compartilhados → 20 GB, ntfs = Windows PC: HD de 150 GB, RAM de 4 GB → 1 GB = swap → 20 GB, ext4 = Sistema Linux ” / ” → 100 GB, ext4 = Partição linux dos usuários ”home” → 29 GB, ntfs = Windows
    13. 13. GrubGrub Muiti-gerenciador de boot padrão nas distribuições Debian e Ubuntu, muito útil quando se tem mais de um sistema operacional na mesma máquina por exemplo quando se faz dual booting. Localizado em /boot.
    14. 14. Recuperação do grubRecuperação do grub Inicie o PC com uma unidade live ligada; Usar opção de teste do sistema; Abrir um terminal: → sudo su Procurar onde está instalado o Linux, ex: /dev/sda2 → fdisk -l Montar o Linux na pasta mnt, dentro da unidade live → mount /dev/sda2 /mnt
    15. 15. Recuperação do grubRecuperação do grub Instalar o grub → grub-install --root-directory=/mnt /dev/sda Atulizar lista do grub → update-grub Reinicie o computador.
    16. 16. Live usbLive usb Funciona como o live CD e possui melhor desempenho para utilização da unidade live; Pode ser criado com o software ”criador de discos usb”; Programa externo: → Unetbootin → Linux Live USB
    17. 17. Fontes: ● http://olhardigital.uol.com.br/video/32-e-64-bit-voc-sabe-as- diferen-as/9938 ● http://www.vivaolinux.com.br/artigo/Administrando-Memoria- SWAP-no-GNULinux?pagina=2 ● http://www.vivaolinux.com.br/dica/Area-de-Troca-(swap)

    ×