Letrasobradinho [azul]

344 visualizações

Publicada em

Musica de Sá e Guarabyra, fala sobre a barragem no lago do Sobradinho

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Letrasobradinho [azul]

  1. 1. Atividade<br /><ul><li>Ouça a música com atenção;
  2. 2. Anote suas impressões sobre a ideia principal da letra e a mensagem que os autores desejaram passar;
  3. 3. Após a apresentação iremos comentar as anotações</li></li></ul><li> Sobradinho (Sá e Guarabyra)<br />O homem chega e já desfaz a natureza Tira a gente põe represa, diz que tudo vai mudar O São Francisco lá pra cima da Bahia Diz que dia menos dia vai subir bem devagar E passo a passo vai cumprindo a profecia Do beato que dizia que o sertão ia alagar O sertão<br />Vai virar mar Dá no coração O medo que algum dia Refrão(2X) O mar também vire sertão Adeus Remanso, Casa Nova, Sento-sé Adeus Pilão Arcado vem o rio te engolir Debaixo d'água lá se vai a vida inteira Por cima da cachoeira o Gaiola vai sumir Vai ter barragem no salto do Sobradinho E o povo vai se embora com medo de se afogar O sertão Refrão <br />
  4. 4. Seca agrava-se em Sobradinho e ameaça causar novo drama social no Nordeste<br /> Para produzir energia elétrica e fornecer eletricidade a quase todo o Nordeste, Sobradinho tem que liberar dois milhões e cem mil litros de água por segundo.<br />Atualmente, devido à seca, somente um milhão e trezentos mil litros estão chegando à barragem de Sobradinho. A previsão de chuvas no norte de Minas Gerais é para novembro e, até lá, a Companhia Energética do São Francisco calcula que o nível do lago terá baixado cerca de sete metros.<br />(...) A barragem de Sobradinho fornece energia para todo o Estado do Maranhão, partes do Piauí e Pará e para uma pequena área da Bahia.<br />Os efeitos da estiagem começaram a ser discutidos pela Companhia Energética do São Francisco, governo da Bahia e populações dos municípios de Juazeiro, Casa Nova, Sento Sé, Remanso e Pilão Arcado, cujas principais atividades econômicas estão ameaçadas.<br /> <br />(Jornal O Globo, 19/8/84)<br />

×