O significado dos contos

623 visualizações

Publicada em

A importância dos contos de Fada

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
623
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O significado dos contos

  1. 1. Era uma vez...Era uma vez...  Curso de Formação em ArteterapiaCurso de Formação em Arteterapia  Atelier Marise PilotoAtelier Marise Piloto  Regina Lucia Barcellos de Andrade 15/04/2014Regina Lucia Barcellos de Andrade 15/04/2014
  2. 2. O SIGNIFICADO DOSO SIGNIFICADO DOS CONTOSCONTOS
  3. 3. A LUTA PELO SIGNIFICADOA LUTA PELO SIGNIFICADO  ““Nossa maior necessidade e a mais difícilNossa maior necessidade e a mais difícil realização é encontrar um significado emrealização é encontrar um significado em nossas vidas”nossas vidas” Bruno BettelheimBruno Bettelheim””  Essa conquista é o resultadoEssa conquista é o resultado final de um longo desenvolvimento.final de um longo desenvolvimento. É construída por meio deÉ construída por meio de pequenos passos a partir dopequenos passos a partir do começo mais irracional.começo mais irracional.
  4. 4.  Hoje como noHoje como no passado, a tarefapassado, a tarefa mais importante emais importante e também mais difíciltambém mais difícil na criação de umana criação de uma criança é ajudá-lacriança é ajudá-la a encontrar oa encontrar o significado na vidasignificado na vida..
  5. 5. ENCONTRANDO O SIGNIFICADOENCONTRANDO O SIGNIFICADO NOS CONTOS DE FADASNOS CONTOS DE FADAS  A vida é comA vida é com frequênciafrequência desconcertante para adesconcertante para a criança. Ela necessitacriança. Ela necessita que lhe seja dada aque lhe seja dada a oportunidade deoportunidade de entender a si própriaentender a si própria nesse mundonesse mundo complexo com o qualcomplexo com o qual deve aprender a lidar.deve aprender a lidar.
  6. 6. AJUDANDO À CRIANÇAAJUDANDO À CRIANÇA  Deve -se estimular a sua imaginação: ajudá-la aDeve -se estimular a sua imaginação: ajudá-la a desenvolver seu intelecto e a tornar claras suasdesenvolver seu intelecto e a tornar claras suas emoções;emoções;  Levá-la a harmonizar com suas ansiedades eLevá-la a harmonizar com suas ansiedades e aspirações;aspirações;  Propiciar que reconheça plenamente suasPropiciar que reconheça plenamente suas dificuldades e, ao mesmos tempo sugerirdificuldades e, ao mesmos tempo sugerir soluções para os problemas da vida que asoluções para os problemas da vida que a perturbem.perturbem.
  7. 7.  Necessita que a ajudem a dar sentidoNecessita que a ajudem a dar sentido coerente ao seu turbilhão de sentimentos.coerente ao seu turbilhão de sentimentos.  Precisa de idéias sobre como colocarPrecisa de idéias sobre como colocar ordem na sua casa interior, criando ordemordem na sua casa interior, criando ordem na sua vida.na sua vida.  A criança encontra esse tipo deA criança encontra esse tipo de significado e ajuda nos CONTOS DEsignificado e ajuda nos CONTOS DE FADAS.FADAS.
  8. 8.  No conjunto da “literatura infantil”,nadaNo conjunto da “literatura infantil”,nada é mais enriquecedor e satisfatório, sejaé mais enriquecedor e satisfatório, seja para criança e para o adulto do que opara criança e para o adulto do que o CONTO DE FADA.CONTO DE FADA.
  9. 9.  ““Quanto mais tentei entender a razão pela qualQuanto mais tentei entender a razão pela qual essas histórias têm tanto êxito no enriquecimentoessas histórias têm tanto êxito no enriquecimento da vida interior da criança, me dei conta de queda vida interior da criança, me dei conta de que esses contos, num sentido mais profundo do queesses contos, num sentido mais profundo do que qualquer outro material de leitura, falam de suasqualquer outro material de leitura, falam de suas graves pressões interiores de um modo que elagraves pressões interiores de um modo que ela inconscientemente compreenda e, seminconscientemente compreenda e, sem menosprezar as lutas íntimas mais sérias que omenosprezar as lutas íntimas mais sérias que o crescimento pressupõe, oferecem exemplos tantocrescimento pressupõe, oferecem exemplos tanto de soluções temporárias quanto permanentes parade soluções temporárias quanto permanentes para dificuldades permanentes”dificuldades permanentes” Bruno BettelheimBruno Bettelheim
  10. 10. MENSAGEM DOS CONTOS DEMENSAGEM DOS CONTOS DE FADASFADAS  ..  Transmitem à criança deTransmitem à criança de forma variada, que umaforma variada, que uma luta contra dificuldadesluta contra dificuldades graves na vida égraves na vida é inevitável, é parteinevitável, é parte intrínseca da existênciaintrínseca da existência humana, mas que , se ahumana, mas que , se a pessoa não se intimida epessoa não se intimida e se defronta com asse defronta com as provações inesperadas eprovações inesperadas e muitas vezes injustas,muitas vezes injustas, dominará todos osdominará todos os obstáculos a ao fimobstáculos a ao fim emergirá vitoriosa.emergirá vitoriosa.
  11. 11. É CARACTERÍSTICO NOSÉ CARACTERÍSTICO NOS CONTOS DE FADASCONTOS DE FADAS  Colocar um dilema existencial de maneira breveColocar um dilema existencial de maneira breve e incisiva.e incisiva.  Simplificar todas as situações, pois osSimplificar todas as situações, pois os personagens são esboçados claramente.personagens são esboçados claramente.  Que o mal não é isento de atrações, mas aQue o mal não é isento de atrações, mas a convicção que o crime não compensa é umconvicção que o crime não compensa é um meio de inibição. Essa é a razão , que nosmeio de inibição. Essa é a razão , que nos contos de fadas, a pessoa má sempre perde.contos de fadas, a pessoa má sempre perde.  Que o herói é sempre atraente para a criança,Que o herói é sempre atraente para a criança, que se identifica com ele em todas as suasque se identifica com ele em todas as suas lutas.lutas.
  12. 12.  O conto de fada é orientado para o futuroO conto de fada é orientado para o futuro e conduz a criança - em termos que elae conduz a criança - em termos que ela pode entender tanto na mente conscientepode entender tanto na mente consciente quanto na inconsciente - a abandonarquanto na inconsciente - a abandonar seus desejos de dependência infantil eseus desejos de dependência infantil e alcançar uma existência independentealcançar uma existência independente mais satisfatória.mais satisfatória.
  13. 13. NOS CONTOS DE FADAS...NOS CONTOS DE FADAS...  O significado maisO significado mais profundo será diferenteprofundo será diferente para cada pessoa , epara cada pessoa , e diferente para a mesmadiferente para a mesma pessoa em váriospessoa em vários momentos de sua vida.momentos de sua vida.  A criança extrairáA criança extrairá significados diferentessignificados diferentes do mesmo conto dedo mesmo conto de fadas, dependendo defadas, dependendo de seus interesses eseus interesses e necessidades donecessidades do momento. Tendomomento. Tendo oportunidade voltará aooportunidade voltará ao mesmo conto quandomesmo conto quando estiver pronta paraestiver pronta para ampliar os velhosampliar os velhos significados ousignificados ou substituí-los.substituí-los.
  14. 14.  Se a criança não seSe a criança não se sente atraída pelasente atraída pela história, isso significa quehistória, isso significa que os motivos ou temas aíos motivos ou temas aí apresentados nãoapresentados não conseguiram despertarconseguiram despertar uma resposta significativauma resposta significativa nesse momento de suanesse momento de sua vida. Então melhorvida. Então melhor contar-lhe um outro contocontar-lhe um outro conto de fada na noite, ou node fada na noite, ou no dia seguinte.dia seguinte.  A criança indicará queA criança indicará que uma certa história seuma certa história se tornou importante para si,tornou importante para si, seja respondendo-lhe deseja respondendo-lhe de imediato, seja pedindoimediato, seja pedindo para que lhe seja contadapara que lhe seja contada repetidas vezes.repetidas vezes.
  15. 15. CONTOS DE FADAS E MITOSCONTOS DE FADAS E MITOS  Os mitos e os contos de fadas derivamOs mitos e os contos de fadas derivam de, ou dão expressão simbólica, a ritosde, ou dão expressão simbólica, a ritos de iniciação ou outrosde iniciação ou outros rites de passage.rites de passage.  Uma diferença significativa entre essasUma diferença significativa entre essas duas espécies de história é o final, queduas espécies de história é o final, que nos mitos é quase sempre trágico,nos mitos é quase sempre trágico, enquanto que nos contos de fadas éenquanto que nos contos de fadas é quase sempre feliz.quase sempre feliz.
  16. 16.  O mito é uma produçãoO mito é uma produção cultural.cultural. Se se estuda asSe se estuda as implicaçõesimplicações psicológicas dos mitos,psicológicas dos mitos, vê-se que elesvê-se que eles expressam em muito oexpressam em muito o caráter nacional dacaráter nacional da civilização onde secivilização onde se originaram eoriginaram e permanecem vivos.permanecem vivos.  A linguagem dos contosA linguagem dos contos de fadas parece ser ade fadas parece ser a linguagem internacionallinguagem internacional de toda a espéciede toda a espécie humana, de idades, raçashumana, de idades, raças e culturas.e culturas.
  17. 17.  Um mito, como umaUm mito, como uma história de fadas, podehistória de fadas, pode expressar um conflitoexpressar um conflito interior de formainterior de forma simbólica e sugerir comosimbólica e sugerir como pode ser resolvido. Opode ser resolvido. O mito apresenta seu temamito apresenta seu tema de modo majestoso;de modo majestoso; transmite uma forçatransmite uma força espiritual; e o divino estáespiritual; e o divino está presente e é vivenciadopresente e é vivenciado de forma de heróis sobre-de forma de heróis sobre- humanos.humanos.  Quaisquer que sejam osQuaisquer que sejam os acontecimentosacontecimentos estranhos que o herói doestranhos que o herói do conto de fada vivencie,conto de fada vivencie, ele não se torna sobre-ele não se torna sobre- humano, como ocorrehumano, como ocorre com o herói mítico.com o herói mítico.
  18. 18. ARTETERAPIA EARTETERAPIA E CONTOS DE FADASCONTOS DE FADAS  ““A arteterapia está ligada aos contos de fadas quandoA arteterapia está ligada aos contos de fadas quando aborda os recursos terapêuticos como facilitadores doaborda os recursos terapêuticos como facilitadores do processo evolutivo e criativo, como instrumento deprocesso evolutivo e criativo, como instrumento de organização interna na reconstrução da realidade,organização interna na reconstrução da realidade, como reconciliadores de conflitos emocionais e comocomo reconciliadores de conflitos emocionais e como facilitadores da autopercepção e do desenvolvimentofacilitadores da autopercepção e do desenvolvimento pessoal.”(Bettelheim ,1989)pessoal.”(Bettelheim ,1989)  O conto de fada, assim como a arte, é uma formaO conto de fada, assim como a arte, é uma forma antiga de comunicação, preservação da cultura, e deantiga de comunicação, preservação da cultura, e de facilitador do processo criativo por meio do simbólicofacilitador do processo criativo por meio do simbólico..
  19. 19. Sugestões e atividadesSugestões e atividades  Selecionar bons contos de fadas – versões originais ouSelecionar bons contos de fadas – versões originais ou mais fiéis a elas.mais fiéis a elas.  Oferecer um repertório variado e deixar que a própriaOferecer um repertório variado e deixar que a própria pessoa escolha seus contos preferidos.pessoa escolha seus contos preferidos.  Conforme a escolha da pessoa é possível perceber queConforme a escolha da pessoa é possível perceber que tipo de angústia a aflige naquele momento.tipo de angústia a aflige naquele momento.  Estimular a fazer ilustrações a partir das histórias lidasEstimular a fazer ilustrações a partir das histórias lidas ou contadas.ou contadas.  Dar oportunidade para criar um final diferente para aDar oportunidade para criar um final diferente para a história.história.  Após contar a história, propor atividades com argila,Após contar a história, propor atividades com argila, massa de modelar, colagem, pintura, desenhos,massa de modelar, colagem, pintura, desenhos, dramatizações, projetando na arte seus conteúdosdramatizações, projetando na arte seus conteúdos inconscientes ativados pela históriainconscientes ativados pela história
  20. 20. UTILIZANDO DIFERENTESUTILIZANDO DIFERENTES MATERIAISMATERIAIS  A transformação do Patinho Feio em Cisne.A transformação do Patinho Feio em Cisne.  Papel ,lápis de cor e cola.Papel ,lápis de cor e cola.
  21. 21. A Pequena SereiaA Pequena Sereia Massa de Modelar e bandeja de isopor.Massa de Modelar e bandeja de isopor.
  22. 22. João e MariaJoão e Maria Meia ,feltro, lã e cola.Meia ,feltro, lã e cola.
  23. 23. Chapeuzinho VermelhoChapeuzinho Vermelho Revista, lápis de cor, caneta hidrocor e cola.Revista, lápis de cor, caneta hidrocor e cola.
  24. 24. Chapeuzinho VermelhoChapeuzinho Vermelho Papel, lápis de cor e caneta hidrocor.Papel, lápis de cor e caneta hidrocor.
  25. 25. Pinóquio na barriga da baleiaPinóquio na barriga da baleia Papel, lápis de cor e caneta hidrocor.Papel, lápis de cor e caneta hidrocor.
  26. 26. Castelo da CinderelaCastelo da Cinderela Sucata, cola e caneta hidrocorSucata, cola e caneta hidrocor
  27. 27. Castelo da Branca de NeveCastelo da Branca de Neve Isopor e massa de modelarIsopor e massa de modelar
  28. 28. Casa de Doces de João e MariaCasa de Doces de João e Maria Bandeja de isopor e massa de modelarBandeja de isopor e massa de modelar
  29. 29. Lembrando...Lembrando...  O mesmo conto pode ser interpretado de várias maneiras,O mesmo conto pode ser interpretado de várias maneiras, depende-do momento que a pessoa vive.depende-do momento que a pessoa vive.  Os contos são atemporais e tampouco se situam num espaçoOs contos são atemporais e tampouco se situam num espaço geográfico delimitado. Era uma vez, num país distante... E, viveramgeográfico delimitado. Era uma vez, num país distante... E, viveram felizes para sempre. (PASSERINI,1998).felizes para sempre. (PASSERINI,1998).  Por meio da repetição é que o conto ganha um significado especialPor meio da repetição é que o conto ganha um significado especial para a criança: assim ela experimenta os diferentes papéis epara a criança: assim ela experimenta os diferentes papéis e emoções dentro de uma mesma história.emoções dentro de uma mesma história.  Toda história pode ser um ponto de partida para outras atividadesToda história pode ser um ponto de partida para outras atividades..  As histórias devem ter sempre finais felizes. É preciso que oAs histórias devem ter sempre finais felizes. É preciso que o inconsciente lute, enfrente os obstáculos, mas para vencê-inconsciente lute, enfrente os obstáculos, mas para vencê- los,deves cumprir o ciclo: medo, luta,vitória; problema a busca delos,deves cumprir o ciclo: medo, luta,vitória; problema a busca de solução. (PAVONI, 1989).solução. (PAVONI, 1989).
  30. 30. Referências BibliográficasReferências Bibliográficas  BETTELHEIM, B. A Psicanálise dos Contos de Fadas.BETTELHEIM, B. A Psicanálise dos Contos de Fadas. São Paulo: Paz e Terra, 1998.São Paulo: Paz e Terra, 1998.  PASSERINI, S.P. Os contos de fadas e sua importânciaPASSERINI, S.P. Os contos de fadas e sua importância na educação infantil. São Paulo: Antroposófica, 1978.na educação infantil. São Paulo: Antroposófica, 1978.  PAVONI, A. Contos e os Mitos no Ensino. [s.l.]: Ed.PAVONI, A. Contos e os Mitos no Ensino. [s.l.]: Ed. EPU, 1989.EPU, 1989.  Franz, Marie-Louise von. A Interpretação dos Contos deFranz, Marie-Louise von. A Interpretação dos Contos de Fada.São Paulo: Paulus,1990.Fada.São Paulo: Paulus,1990.
  31. 31. E foram felizes para sempre...E foram felizes para sempre...

×